Os planetas exteriores e seus ciclos os astros e o amor



Baixar 1.42 Mb.
Página21/23
Encontro29.07.2016
Tamanho1.42 Mb.
1   ...   15   16   17   18   19   20   21   22   23

Introdução
1 Bertrand Russell, History of Western Philosophy, George Allen & Unwin, Londres, 1946, p. 237.

2 F. M. Cornford, From Religion to Philosophy, Harvester Press, Londres, 1980, p. 20.

3 Gilbert Murray, Four Stages of Greek Religion, Oxford University Press, Londres, 1912, p. 115.

4 Margaret Hone, The Modern Textbook of Astrology, L. N. Fowler & Co. Ltd, Lon­dres, 1951, p. 17.

5 Jeff Mayo, Astrology, Teach Yourself Books, Londres, 1964, p.6.

6 Mary Renáult, The King Mus: Die, Longmans, Green & Co. Ltd, Londres, 1958, p. 16.

7 Russell, p. 32.
1 O Destino e o Feminino
8 Platão, The Republic, tradução de Benjamin Jowett, Penguin Books, Londres, 1979, p. 690.

9 Esquilo, Prometheus Bond, tradução de E. H. Plumptre, David McKay, Nova York, p. 111.

10 Heráclito, The Cosmlc Fragments, tradução de G. S. Kirk, Cambridge University Press, 1954, p. 284.

11 Thrice Greatest Hermes (Corpus Hermeticum), tradução de G. R. S. Mead, Hermes Press, Detroit, 1978, vol. 2. p. 202.

12 Cornford, p. 40.

13 Russell, p. 130.

14 "A Bela Adormecida", The Complete Grimm's Fairy Tales, Pantheon Books, 1944.

15 H. R. Ellis Davidson, Gods and Myths of Northern Europe, Penguin Books, 1964.

16 Idries Shah, World Tales, Penguin Books, 1979.

17 Ver as obras de Marie-Louise von Franz sobre os contos de fadas: An Introductlon to Fairy Tales, Shadow and Evil in Fairy Tales, The Feminine in Fairy Tales, Individuation in Fairytales e Redemption Motifs n Fairy Tales.

18 C.G. Jung, The Archetypes and the Collective Unconscious, CW9, Parte 1, par. 91.

19 C.G. Jung, The Symbolic Life, CW18, par. 1228.

20 C.G. Jung, Psychology and Alchemy, CW12, n9 17, p. 30.

21 C.G. Jung, Symbols of Transformation, CW5, par. 371.

22 Jung, CW9, par. 158.

23 J. J. Bachofen, Myth, Religion and Mother Right, tradução de Ralph Manheim,

Bollingen Foudation/Princeton University Press, 1967, p. 18.

24 Bachofen, p. 165.

25 Ésquilo, The Oresteia, tradução de Tony, Harrison, Collings, Londres, 1981.

26 Erich Neumann, The Great Mother, Bollingen Foudation/Princeton University Press, 1955, p. 30.

27 Neumann, p. 303.

28 Neumann, p. 230

29 James Hillman, The Dream and the Underworld, Harper & Row, Nova York, 1979, p. 27.

2 O Destino e Plutão
30 Hillman, p. 20.

31 Walter F. Otto, The Homeric Gods, Thames & Hudson, Londres, 1979, p. 264.

32 Sylvia Brinton Perera, Descent to the Goddess, Inner City Books, Toronto, 1981, p. 24.

33 Perera, p. 21.

34 Robert Graves, The Greek Myths, Penguin Books, 1955, vol. 1.

35 J. R. R. Tolkien, The Lord of the Rings, Guild Publishing, Londres, 1980, p. 145.

36 Sigmund Freud, The Interpretation of Dreams, Penguin Books, 1976, p. 332.

37 Hillman, p. 161.

38 Hillman, p. 162.

39 Luigi Aurigemma, "Transformation Symbols in the Astrological Tradition", em The Analytic Process, organização de Joseph Wheelwright, C. G. Jung Foundation, Nova York, 1971.



3 O Plutão Astrológico
40 James Hillman, "On the Necessity of Abnormal Psychology: Ananke and Athene", em Facing the Gods, organização de James Hillman, Spring Publications, Dallas, 1980.

41 Esquilo, Prometheus Bond, tradução de David Grene, citado no ensaio acima de Hillman.

42 Paracelso, Selected Writings, tradução de Norbert Guterman, Bollingen Foundation/ Panheon Books, 1958, p. 203.

43 Otto, p. 47.

44 Erich Neumann, The Origins and History of Consciousness, Bollingen Foudation/ Princeton University Press, 1973, p. 186.

45 Sigmund Freud, Three Essays on the Theory of Sexuality, Penguin Books, 1981, p. 25.

46 Hillman, The Dream and the Underworld, p. 145.

47 Bradley Te Paske, Rape and Ritual: a Psychological Study, Inner City Books, Toronto, 1982, p. 44.

48 Te Paske, p. 62.

49 Te Paske, p. 73.

50 Te Paske, p. 73.

51 "Mamãe Hölle", em The Complete Grimm's Fairy Tales.


4 O Destino e a Família
52 Salvador Minuchin, Families and Family Therapy, Tavistock Publications, Londres, 1974, p. 9.

53 Frances Wickes, The Inner World of Childhood, Appleton-Century, Nova York, 1966, p. 17.

54 C.G. Jung, The Development of Personality, CW17, par. 217a.

55 Jung, CW9, vol. 1, par. 159.

56 Peter HM, "Child Psychiatry", em Essentials of Postgraduate Psychiatry, Academic Press, Londres, 1979, p. 128.

57 Wickes, p. 70.

58 C.G. Jung, The Psychogenesis of Mental Disease, CW3, paz. 429.

59 Michael Fordham, The Self and Autism, William Heinemann, Londres, 1976, p. 85.

60 Fordham, p. 88.
5 O Destino e a Transformação
61 Marsilio Ficino, Letters, tradução da School of Economic Science, Londres, Shepheard-Walwyn Ltd. 1975, vol. 1, p. 94.

62 Ver Jung, CW12, 13 e 14 (Psychology and Alchemy, Alchemical Studies e Mysterium Coniunctionis).

63 The Divine Pymander and Other Writings of Hermes Trismegistus (trechos do Corpus

Hermeticum), tradução de John D. Chambers, Samuel Weiser, Nova York, 1982, p. 78.

64 Marie-Louise von Franz, Alchemy, Inner City Books; Toronto, 1980, p. 44.

65 Thrice Greatest Hermes, vol. 3, p. 245.

66 Thrice Greatest Hermes. vol. 2, p. 315.

67 Ficino, vol. 3, p. 75.

68 Frances A. Yates, Giordano Bruno and the Hermetic Tradition, Routledge & Kegan Paul, Londres, 1964, p. 65.

69 Ptolomeu, Tetrabiblos, tradução de F. E. Robbins, Harvard University Press & William Heinemann Ltd, 1971, p. 23.

70 Gauricus, Opera Omnía, vol. 2, p. 1612.

71 Julius Firmicus Maternus, Mathesis: Ancient Astrology, Theory and Practise, tradução de Jean Rhys Bram, Noyes Press, Nova Jersey, 1975, p. 27.

72 Firmicus, p. 50.

73 Firmicus, p. 256.

74 Firmicus, p. 56,
6 A Criação do Mundo
75 Transcrito de Robert Graves, The Golden Fleece, Hutchinson & Co., Londres, 1983, pp. 150-3.
7 O destino e o Mito
76 Eurípides, The Phoenician Women, tradução de Philip Vellacott, Penguin Books, 1972, p. 237.

77 C. Kerenyl, The Heroes of the Greeks, Thames & Hudson, Londres, 1974, p. 98.

78 Kerenyi, p. 98.

79 Eurípides, pp. 289-90.

80 Joseph Campbell, the Hem with a Thousand Faces, Sphere Books Ltd, Londres, 1975, p. 13.

81 Cornford, p. 110.

82 C. Kerenyi, Zeus and Hera, Routledge & Kegan Paul, Londres, 1975, p. 16.

83 Transcrito de Mary Renault, The Charioteer, New English Library, 1983, p. 98.

84 Campbell, p. 38.
8 O Mito e o Zodíaco
85 Neumann, The Origins and History of Consciousness, p. 176.

86 Neumann, p. 187.

87 Campbell, p. 21.

88 Paul Friedrich, The Meaning of Aphrodite, University of Chicago Press, 1978, p. 145.

89 Friedrich, p. 79.

90 Graves, The Greek Myths, vol. 1, p. 87.

91 Ivor Morrish, The Dark Twin, Fowler & Co. Ltd, Londres, 1980, p. 37.

92 Richard Donington, Wagner's Ring and Its Symbols, Faber, Londres, 1963, p. 232.

93 Otto, The Homeric Gods, p. 108.

94 Jung, CW9, Parte 1, par. 469.

95 Jung, CW9, Parte 1, par. 478.

96 Hugh Lloyd-Jones, Myths of the Zodiac. Duckworth, Londres, 1978, p. 27.

97 Neumann, The Origins and History of Cosciousness, p. 23.

98 Jung. CW6, par. 432.

99 C.G. Jung, Mysterium Coniunctionis, CW14, par. 404.

100 Jung. CW14, par. 405.

101 Emma Jung and Marie-Louise von Franz, The Grail Legend, Hodder & Stoughton, Londres, 1971, p. 183.

102 Jung & von Franz, p. 294.

103 Otto. The Homeric Gods, p. 70.

104 Jane Harrison, Themiz, Merlin Press, Londres, 1977, p. 517.

105 Frances A. Vates, Astraea, Peregrine Books, Londres, 1977, p. 32.

106 John Layard, "The Virgin Archetype", em Images of the Untouched, Spring Publications, Dallas, 1982, p. 170.

107 Layard, p. 171.

108 The Thunder, Perfect Mind, de The Nag Hammadl Library, tradução de George W. MacCrae, E. J. Brill, Leiden,1977.

109 Esther Harding, Women's Mysteries, Rider & Co., Londres, 1971, p. 124.

110 Jung, CW9, Parte 1, par. 316.

111 Graves, The Greek Myths, vol. 2, p. 11.

112 Jane Harrison, Prologomena, Merlin Press, Londres, 1962, p. 298.

113 Graves, The Creek Myths, vol. 1, p. 127.

114 E. M. Butler, The Myth of the Magus, Cambridge University Press, 1979, p. 128.

115 Goethe, Faust, Parte 1, tradução e introdução de Philip Wayne, Penguin Books, 1949, p. 22.

116 Coelho, Faust, Parte 1, p. 87.

117 Goethe, Faust, Part 2, p. 282.

118 Jung, CW5, par. 119.

119 Kerenyi, The Gods of the Greeks, p. 91.

120 Otto, The Homeric Gods, p. 283.

121 Otto, The Homeric Gods, p. 158.

122 Kerenyi, The Gods of the Greeks, p. 98.

123 Kerenyi, The Gods of the Greeks, p. 160.

124 T. S. Eliot, The Waste Land, em The Complete Poems and Plays of T. S. Eliot, Fabe., Londres, 1969, p. 61.

125 Campbell, the Hero with a Thousand Faces. p. 113.

126 Campbell, The Hero with a Thousand Faces, p. 117.

127 Mary Renault, The King Mus: Die, p. 17.

128 Campbell, The Hero with a Thousand Faces, p. 123.

129 James Hillman, Puer Papers, Spring Publications, Dallas, 1979, p. 15.

130 Hillman, Puer Papers, p. 17.

131 Ésquilo, Prometheus Bond, tradução de Philip Vellacott, Penguin Books, 1961, p. 27.

132 Ésquilo, Prometheus Bond, p. 35.

133 C.G. Jung, Two Essays on Analytical Psychology, CW7, par. 243.

134 Graves, The Greek Myths, vol. 1, p. 117.

135 C.G. Jung, Aion, CW9, Parte 2, par. 174.

136 C. Kerenyi, Dionysos, Routledge & Kegan Paul, Londres, 1976, p. 27.

137 Kerenyi, Dionysos, p. 28.

138 Kerenyi, Dionysos, p. 64.

9 O Destino e a Sincronicidade

139 C.G. Jung, The Structure and Dynamics of the Psyche, CW8, par. 431.

140 Gerhard Adler, "Reflections on 'Chance', 'Fate', and 'Synchronicity', em The Shaman front Elko, C.G. Jung Institute of San Francisco, 1978, p. 90.

141 Adiu, p. 90.

142 Jung, CW8 par. 841.

143 Jung, CW8, par. 918.

144 Jung, CW8, par. 938.

145 Russell, p. 355.

146 Russell, p. 264.

147 Marc Edmund Jones, Horary Astrology, Shambhala, Londres, 1975, p. 58.

148 Aniela Jaffé, The Myth of Meaning, Penguin Books, 1975,p. 153.



10 O Destino e o Self
149 C. G. Jung, Psychological Reflections, organização de Jolande Jacobi, Routledge & Kegan Paul, 1971, p. 322.

150 Jaffé, p. 79.

151 C.G. Jung, Psychological Types, CW6, par. 789-91.

152 Jaffé, p. 79.

153 Jung, CW17, par. 299.

154 Jung, CW8, par. 402.

155 Jung, CW12, par. 330.

156 Jaffé, p. 91.

157 Jaffé, p. 78.

158 Jung, CW11, par. 960.



159 "The Fisherman and his Wife", em The Complete Grimm's Fairytales.

Glossário de Nomes Mitológicos
Citados no Texto


Adónis [mitologia fenícia]. Filho e amante da deusa Istar ou Afrodite, era um jovem deus da vegetação, de extraordinária beleza. Foi morto por um javali furioso enquanto caçava. Era uma divindade agrícola, sendo sua morte e ressurreição celebradas em conexão com a semeadura e a colheita. É associado a Tamuz, Átis e Osíris, assim como a Dioniso — todos eles deuses jovens que foram destruídos e ressuscitados.

Afrodite [grega]. Deusa do amor sensual e da beleza, nasceu da união do mar com os órgãos genitais cortadas do deus Urano, castrado por seu filha Crono. Equivale a Inanana no mito sumeriano e a Istar no babilônico; rege a fertilidade e todas as artes e artimanhas do amor. Também é uma deusa da batalha, incitando os homens ao combate sangrento. Geralmente é vaidosa, ciumenta e vingativa, mas sempre irresistível.

Agamenon [grega]. Rei de Argos, era membro da casa de Atreu, sobre a qual pairava uma maldição. Foi um dos comandantes das navios gregos que partiram para a guerra de Tróia. Quando voltou, foi assassinado peta esposa Clitemnestra e Egisto, seu amante. Ver Orestes. (Ver também pág. 87.)

Ahriman [persa]. Deus do mal e da escuridão, equivale grosseiramente ao Diaba do mito cristão; entretanto, Ahriman tem poder idêntico ao do deus da luz, Ormuzd, com quem trava eterna luta pela supremacia.

Alberich [germânica. Em O Anel de Wagner, Alberich, da raça dos anões, rouba o oura das donzelas do Reno, fazendo com ele um anel de poder, peta abjuração do amor. É repre­sentado como uma figura escura, voraz e maléfica, cujo reino, Niebelheim, é uma espécie de inferno.

Amaltéia [grega]. A cabra que amamentou o pequeno Zeus no período em que ficou escondido de Crono, seu tirânico pai. Em gratidão por ter-lhe salvo a vida, Zeus, ao tornar-se rei dos deuses, colocou-a no céu como a constelação de Capricórnio, e transformou um de seus cornos na Cornucópia, ou Como da Abundância.

Amon [egípcia]. Deus criador primordial, representado com cabeça de carneiro. Ámon equivale mais ou menos ao Zeus grego e ao Iavé bíblico. Seu nome significa "a oculto"; é a força geradora original que cria o universo.

Ananque [grega]. Seu nome significa "necessidade", e é outra forma de Moira, a grande deusa do destino.

Andrômeda [grega]. Filha do rei Cefeu e da rainha Cassiopéia da Etiópia, foi oferecida em sacrifício a um monstro marinho por Posídon, devido a Jactância dos pais. Entretanto, o herói Perseu, apaixonado por ela, salvou-a, tirando-a da rocha onde estava acorrentada. Perseu matou o monstro e casou-se com ela,

Anfião [grega]. Eram dois gêmeos míticos: Anfião era o mais poético e musical, e seu irmão Zeto era guerreiro e briguento, Um desprezava as qualidades diferentes do outro.

Anúbis [egípcia]. Divindade do inferno, é representado com uma cabeça de chacal. É o psicopompo,

ou quem leva as almas para o inferno. No papel de psicopompo, equivale mais ou menos ao Hermes grego.



Aornis [grega]. Um dos rios do inferno. O nome significa "sem pássaros".

Apoio [grega]. Deus do sol, da música e da profecia; filho de Zeus e irmão gêmeo de Árte­mis, a deusa lunar. Seu oráculo em Delfos previa o futuro dos consulentes, mas em termos tão ambíguos que era chamado "língua dupla". Também é o protetor dos rapazes e o mais cavalheiresco e racional dos deuses olímpicos.

Aqueronte [grega]. Um dos rios do inferno. O nome significa "rio da Aflição".

Aquiles [grega]. Um dos heróis da guerra de Tróia, Aquiles era filho da deusa do mar Tétis e de Peleu, um mortal. Quando era bebê, a mãe o mergulhou no rio Estige, para torná-lo imortal, mas esqueceu de mergulhar na água o calcanhar, por onde o segurava. Essa parte vulnerável provocou sua morte durante uma das batalhas contra os troianos.

Ares [grega]. Deus da guerra e do prazer do combate, nasceu de Hera, tainha dos deuses, sem pai. No mito, é descrito como brutal, violento e traiçoeiro. Seu equivalente romano é Marte.

Ártemis, Diana [grega]. Irmã gêmea de Apoio, o deus sol, é uma divindade lunar, retratada como unia destemida virgem caçadora, senhora dos animais selvagens. Na Ásia Menor também é retratada como prostituta e deusa da fertilidade, mas paradoxalmente também é virgem, protetora da gravidez e do parto. Também é associada a Hécate, outra deusa lunar e regente do inferno.

Asclépio, Esculápio [grega]. Filho de Apolo, o deus sol, foi criado pelo centauro Quíron nas artes da cura e da medicina. Era o patrono dos curadores e também podia levantar os mortos. Algumas vezes mostram-no na forma de serpente, tendo ele mesmo ressurgido dos mortos, depois de atingido por um raio de Zeus. Também é coxo.

Astréia [grega]. Deusa da justiça. Filha de Zeus, viveu certa vez na terra, misturando-se aos homens, mas foi ficando cada vez mais desgostosa de sua vileza e acabou retirando-se pa­ra os céus, como a constelação de Virgem.

Asvins [hindu]. Dois gêmeos divinos, criadores da chuva e distribuidores da fertilidade; eram chamados os Condutores do Céu.

Atárgatis [síria-fenícia]. Uma das grandes deusas da fertilidade da Ásia Menor, também é uma divindade lunar. Como Istar e Inanana, é ao mesmo tempo virgem e prostituta, cul­tuada através de ritos orgiásticos. É retratada como peixe ou com cauda de peixe, acom­panhada pelo filho-amante fatia, também retratado como um peixe.

Atena [grega]. Deusa da sabedoria e da estratégia da guerra, também é protetora de heróis. É filha de Zeus, nascida de sua cabeça, sem mãe, e é eternamente virgem. Também é pro­tetora dos artesãos e tecelões, e ensinou os ofícios à humanidade.

Átis [frigia]. Filho e amante da grande deusa da fertilidade Cibele, é um deus da vegetação, semelhante a Tamuz e Adônis. Foi infiel a Cibele que, para se vingar, tornou-o louco; ele mesmo se castrou. Cibele, então, transformou-o em pinheiro.

Atreu [grega]. Rei de Argos, envolveu-se numa luta fratricida com o irmão Tiestes e assas­sinou os filhos deste. Em vingança, Tiestes amaldiçoou a linhagem do irmão. Essa maldi­ção foi transmitida a Orestes. (Ver pág. 87.)

Átropos [grega]. Uma das três Moirai ou Parcas, Átropos era denominada "a cortadora", porque cortava o fio do destino que punha fim à vida mortal.

Atum [egípcia]. Uma das formas do deus-sol Rá.

Bálder [germânica]. O mais belo dos deuses do Válala, amado por todos por seu brilho e sa­bedoria. A deusa Frigg pediu a todos os seres vivos da terra — animais, vegetais e mine­rais — que jurassem jamais causar dano a Bálder. Todos fizeram o juramento, exceto o broto de visco, que era muito pequenino. Lóqui, o deus do fogo, ficou com ciúme e tra­mou a morte de Bálder. Durante um jogo, um dos outros deuses atirou um broto de vis­co em Bálder, que morreu na mesma hora.

Bastet [egípcia]. Inicialmente, unia deusa-leoa, seu animal sagrado; tornou-se depois o gato. É deusa do prazer sensual e também protetora da feitiçaria e da bruxaria. É associada à grega Ártemis-Hécate.

Caronte [grega]. O velho barqueiro que conduz as almas dos mortos pelo rio Estige até o inferno. Precisa receber uma moeda em pagamento; caso contrário, a alma do morto fica eternamente vagando na outra margem.

Castor [grega]. Um dos dois gêmeos associados à constelação de Gêmeos, Castor era o ir-mão imortal, gerado por Zeus. Seu irmão Polideuces (Pólux cm latim) era mortal, gerado pelo vai Tíndaro de Esparta. Castor e Pólux lutaram com outro par de gêmeos, chamados Idas e Linceu; Pólux foi morto. Castor lamentou-se tão amargamente que Zeus prometeu

conceder-lhes períodos alternados no inferno e no Monte Olimpo, para que pudessem fi­car juntos.



Cérbero [grega]. O monstruoso cão de três cabeças que guarda o portão do inferno.

Cibele [frigia]. Uma das grandes deusas da fertilidade da Ásia Menor, em geral é mostrada num carro conduzido por leões. Os ritos de seu culto eram particularmente sangrentos. Era adorada junto com seu filho-amante Átis, que se castrou num acesso de loucura infligido nele pela própria mãe.

Clitemnestra [grega]. Esposa do rei Agamenon de Argos, tramou com seu amante Egisto o assassinato do marido após seu regresso da guerra de Tróia. Em vingança, e por ordem do deus Apoio, seu filho Orestes a assassinou; devido a esse crime, as Erínias o enlouquece­ram. (Ver pág. 87.)

Cloto [grega]. Uma das três Moirai ou Parcas, Cloto é a fiandeira que tece os fios do destino mortal.

Cocito [grega]. Um dos rios do inferno. O nome significa "o que se lamenta".

Crono [grega]. Equivale ao Saturno romano. Filho de Urano e Géia, é uma divindade da ter­ra e um deus da fertilidade. Liderou a rebelião dos Titãs contra o pai, castrando-o com uma foice e tornando-se rei dos deuses. Acabou sendo destronado por um de seus filhos, Zeus. É retratado como um velho.

Dátilos [grega]. Deuses anões, servos da Grande Mãe. São ferreiros, artesãos e cuidam das plantas e dos animais.

Dédalo [grega]. Mestre artesão de Creta, incumbido pelo rei Minos de construir um labirinto para abrigar o monstruoso Minotauro. Ver Minos.

Deméter, Ceres [grega]. Filha de Crono e Irmã de Zeus, é a deusa da agricultura e da colheita. É uma deusa da terra, em geral retratada com sua filha virgem, Perséfone, mas sem marido ou consorte.

Dia [grega]. Outro nome de Géia ou Réia, a deusa da terra.

Dioniso, Baco [grega]. Um deus complexo e multifacetado, é ao mesmo tempo uma divinda­de da vida, do êxtase e da sexualidade, e um deus da morte. Filho de Zeus com Sêmele, é retratado como jovem e vagamente andrógino. Hera o enlouqueceu, e ele perambulou por todo o mundo ensinando a arte da viticultura e iniciando homens e mulheres em seus mistérios orgiásticos. Quando criança, foi despedaçado pelos Titãs e devolvido à vida. Há muita crueldade em sua natureza, porém ele é um deus redentor que concede o misté­rio da vida eterna.

Diquê [grega]. Outro nome de Astréia, a deusa da justiça. Diquê personifica a justiça da na­tureza, a seqüência ordenada das estações.

Dis [romana]. Outro nome de Plutão, deus do inferno. O nome significa "rico".

Ea [babilônica]. Deus da água, também é um deus criador de suprema sabedoria. É retratado como uma cabra com cauda de peixe, de onde se deriva a imagem da cabra-peixe capri­corniana. É o padroeiro da mágica e o criador do homem, que modelou em argila.

Édipo [grega]. O nome significa "pés inchados". Era o filho indesejado do rei Laio e da rai­nha Jocasta, de Tebas. Um oráculo lhe disse que ele iria assassinar o pai e tornar-se mari­do da mãe: seus árduos esforços para evitar esse destino acabaram por desencadeá-lo. (A história completa de Édipo está na página 151.)

Eeto [grega]. Rei da Cólquida, era filho do deus-sol Hélio. Tornou-se guardião do Tosão de Ouro e conservou-o até que a filha, Medéia. apaixonou-se pelo herói Jasão, fugindo com o amante e o Tosão. Ver Jasão e Medéia.

Egisto [grega]. Amante da rainha Clitemnestra de Argos, conspirou com ela para assassinar o marido, Agamenon, quando o rei voltou da guerra de Tróia. O próprio Egisto foi as­sassinado por Orestes, filho de Clitemnestra e Agamenon. Ver Orestes. (A história com­pleta de Orestes está na página 87.)
1   ...   15   16   17   18   19   20   21   22   23


©principo.org 2016
enviar mensagem

    Página principal