Palavras – chave: Leitura, Faxinais, Representações. Resumo



Baixar 9.26 Kb.
Encontro29.07.2016
Tamanho9.26 Kb.
HISTÓRIA DA LEITURA NOS FAXINAIS
Jacieli Domingues Pereira (ICV- Unicentro), Hélio Sochodolak (Orientador – Departamento de História / Unicentro)
Palavras – chave: Leitura, Faxinais, Representações.
Resumo
Estando inserido em um projeto maior que visa investigar a história das comunidades faxinalenses da região de Irati, este trabalho tem como alvo o Faxinal Marmeleiros, situado no município de Rebouças – PR. Utilizando a pesquisa de campo para coletar documentos e a história oral como recurso, pretende-se investigar as representações da leitura, procurando compreender o papel que ela exerce na comunidade em destaque.
Introdução
A historiografia cultural da leitura preocupa-se com três questões principais: a primeira questão é a da variação na forma de ler dos indivíduos ou dos grupos sociais ao longo da história. Em segundo lugar a busca de significados “no mundo e no interior de si mesmo” é uma necessidade que motiva o ser humano à leitura e à representação de novos significados. Em terceiro lugar a possibilidade de ao compreender como indivíduos do passado leram, compreender sua forma de pensar o mundo.

A história da leitura preocupa-se com as questões dos “porquês?” e dos “comos?”, o que exige do pesquisador se transportar à época a que se propôs estudar, a fim de responder tais questões e atender seus próprios anseios.

Com tal intuito é que através da história da leitura nos faxinais, pretende-se compreender qual a visão que seus habitantes tinham do mundo, partindo das leituras que faziam. Far-se-á uma busca também pó investigar como essa leitura contribuiu para o desenvolvimento da cultura faxinalense e suas representações.
Materiais e Métodos
A história oral será basicamente a metodologia de trabalho, porém os depoimentos colhidos não serão tratados como evidências de acontecimentos, mas como conjunto de enunciados coerentes e abertos que constroem e transmitem conhecimento. O contato tanto com os habitantes atuais, quanto com os antigos moradores do Faxinal e a permanência no local de pesquisa serão privilegiados. Fontes escritas também serão utilizadas, sendo estes textos que servem como referencial de leitura à comunidade faxinalense. Serão igualmente utilizadas fotos, diários e outras fontes que forneçam indícios para a pesquisa histórica. Outra rica fonte que será pesquisada são as escolas multisseriadas que normalmente encontra-se em comunidades como esta. Estas escolas servirão de ponto de partida para investigação dos hábitos de leitura nos faxinais.
Resultados e discussão
As comunidades que se organizam na forma de faxinais, fornecem um campo muito amplo de pesquisa para a historiografia. A cultura desses povos tem muito ainda a ser explorada. E é por isso que se pretende tomá-la como objeto de estudo a fim de desvendar traços inéditos desse povo tão rico culturalmente.

Os resultados dessa pesquisa ainda não podem ser expostos, por tratar-se de um trabalho ainda em fase de início. Porém fica a expectativa de no decorrer do projeto alcançar resultados surpreendentes e provocar o entusiasmo para novos estudos.


Conclusões
Como fica claro, por tratar-se de uma pesquisa ainda em desenvolvimento não é possível lançar mão de conclusões. Ainda há muito no que se trabalhar, muitas fontes orais e escritas para se analisar, e muitas incógnitas ainda não resolvidas. Seria irresponsabilidade apontar qualquer tipo de conclusão nessa fase do trabalho, sendo portanto, indispensável o aprofundamento das pesquisas no intuito de se chegar a conclusões coerentes com o propósito a que se destina este projeto.
Referências

MANGUEL, Alberto. Uma História da Leitura. Companhia das Letras. São Paulo, 1997.


CHARTIER, Roger. O mundo como representação. Revista Estudos Avançados, São Paulo: Instituto de Estudos Avançados da USP, n.11, v. 5, p.173-191, 1995.
ALBERTI, Verena. O lugar da história oral: o fascinio do vivido e as possibilidades de pesquisa. In: Ouvir Contar: Textos em História oral. 1ª edição. FGV, Rio de Janeiro, 2004.


©principo.org 2016
enviar mensagem

    Página principal