Palavras chave



Baixar 60.79 Kb.
Encontro27.07.2016
Tamanho60.79 Kb.
IMPLICAÇÕES DA TEORIA DE VYGOTSKY AOS PROCESSOS DE APRENDIZAGEM E DESENVOLVIMENTO EM AMBIENTES MEDIADOS PELO COMPUTADOR
Adriana Richit1

"O processo de ensino-aprendizagem inclui sempre aquele que aprende, aquele que ensina e a relação entre essas pessoas". (Vygotsky)
PALAVRAS CHAVE

Tecnologias informáticas, aprendizado, desenvolvimento, mediação, signos, sistemas de símbolos, zona de desenvolvimento proximal, ambiente de aprendizagem.


RESUMO

O presente artigo tem por objetivo apontar algumas das implicações da teoria sócio-histórico-cultural de Vygotsky ao processo de desenvolvimento do indivíduo em um ambiente de aprendizagem mediado pelo computador. Da mesma forma, procura abordar os fundamentos desta teoria com o intuito de situar o leitor em sua leitura e reflexão.


ABSTRACT

The objective of this paper is to highlight some implications of Vygotsky socio-historical-cultural theory for the developmental process of the individual in a computer mediated learning environment. We also seek to address the foundations of this theory with the intention of situating the reader in his/her reading and reflection.



INTRODUÇÃO

Os processos de aprendizagem e desenvolvimento do indivíduo no contexto atual, no qual a difusão de informações e a apropriação do conhecimento ocorrem de forma acelerada e eficiente em conseqüência dos grandes avanços nos setores científico e tecnológico, têm revelado novas necessidades e desafios à prática pedagógica e também a participação do indivíduo na sociedade e na transformação da mesma.

Considerando os aspectos colocados acima, é notável a influência do meio e de todos os seus aparatos ao comportamento e ação do indivíduo, bem como ao seu desenvolvimento, conforme sugere e teoria de Vygotsky. Assim, consideramos necessária uma reflexão sobre os processos de ensino e aprendizagem que podem ser mediados por estas tecnologias, entre elas, o computador, que se constitui o foco de análise deste texto.

Portanto, o propósito deste texto é analisar a relevância da utilização das tecnologias de informação e comunicação e suas aplicações e implicações nos processos de ensino e aprendizagem, tomando a teoria de Vygotsky como aporte teórico.

Partindo deste propósito, consideramos necessária uma revisão de alguns dos conceitos da teoria sócio-histórico-cultural de Vygotsky para assim poder relacioná-los às ações pedagógicas no processo educativo e discutir as implicações das tecnologias aqui consideradas no fazer pedagógico e na prática docente.

No que concerne à ação do professor, é fundamental que ele tenha compreensão dos fundamentos da teoria de Vygotsky, à medida que os toma como alicerces à sua prática pedagógica, evitando assim, discrepâncias ou antagonismos entre teoria e prática.

Consideramos necessário, também, que esses professores tenham clareza dos objetivos daquilo que estão propondo, das necessidades específicas do contexto social que atuam, bem como do tipo de indivíduo que pretendem formar para interagir neste, pois só assim poderão escolher metodologias e recursos adequados a essas práticas, avaliando necessidades, desafios, possibilidades e limitações que surgem com a utilização destes instrumentos.

É importante lembrar que o uso de tecnologias informáticas nos processos de ensino aprendizagem geram conflitos, dúvidas e insegurança por parte do professor, pois uma mudança metodológica desestrutura a sua prática docente e provoca um certo desequilíbrio na forma de conduzir o processo de ensino devido à instabilidade oferecida pela ferramenta utilizada e pelos imprevistos e desafios que esta atividade pode gerar.





  1. A TEORIA SÓCIO-HISTÓRICO-CULTURAL DE VYGOTSKY

Lev Semynovich Vygotsky nasceu em Orsha, Bielo-Rússia, em novembro de 1896 e morreu em junho de 1934, com apenas 38 anos, vítima de tuberculose, doença que o acompanhou desde os 20 anos de idade. Embora sua carreira tenha sido breve, suas contribuições à Psicologia deram novos rumos às pesquisas nesta área na época e tornaram-se elementares a compreensão do processo de desenvolvimento do indivíduo até os dias atuais.

Vygotsky, desde muito jovem, demonstrou grande preocupação com a questão do desenvolvimento do ser humano e, em todas as suas experiências e pesquisas, sempre buscou explicar os processos de aprendizado e desenvolvimento e sua relação com aspectos sociais. Assim, sua teoria se baseia no princípio de que o desenvolvimento do indivíduo se dá como resultado de um processo sócio-histórico e cultural, enfatizando o papel da linguagem e da aprendizagem nesse desenvolvimento à medida que este indivíduo interage com seu meio. Para Vygotsky (1989), a linguagem humana é o principal instrumento de mediação verbal, constituindo-se como o sistema simbólico fundamental na mediação sujeito objeto.

Embora tenha sido breve, em conseqüência de uma morte precoce, a carreira de Vygotsky é marcada pela produção de muitos trabalhos no campo da psicologia, além de ter dado contribuições significativas às áreas de pedagogia, filosofia, literatura, deficiência física e mental onde fora professor e pesquisador. Devido a estas experiências e a complexidade e abrangência dos seus estudos, a maioria das suas proposições e conclusões são aceitas e estudadas atualmente.


    1. Aspectos relevantes na teoria de Vygotsky

De acordo com a teoria sócio-histórico-cultural de Vygotsky, a origem das mudanças que ocorrem no Homem, ao longo do seu desenvolvimento, está vinculada as interações que ocorrem entre sujeito e sociedade, cultura e história de vida, além das oportunidades e situações de aprendizagem que promovem este desenvolvimento durante toda a existência do indivíduo, considerando a influência das várias representações de signo, uso de diferentes instrumentos, e influência da cultura e história, propiciando o desenvolvimento das funções mentais superiores.

Para o desenvolvimento do indivíduo, as interações com o outro social são, além de necessárias, fundamentais, pois delas emergem signos e sistemas de símbolos que são portadores de mensagens da própria cultura, os quais, do ponto de vista genético, têm primeiro uma função de comunicação e logo uma função individual, à medida que são utilizados como instrumentos de organização e controle da conduta do indivíduo.

Almeida (2000), abordando a questão da relação Homem-mundo afirma que,

A teoria de Vygotsky tem como perspectiva o homem como um sujeito total enquanto mente e corpo, organismo biológico e social, integrado em um processo histórico. A partir de pressupostos da epistemologia genética, sua concepção de desenvolvimento é concebida em função das interações sociais e respectivas relações com processos mentais superiores, que envolvem mecanismo de mediação. As relações homem-mundo não ocorrem diretamente, são mediados por instrumentos ou signos fornecidos pela cultura.


Vygotsky demonstrou, em seus estudos, grande preocupação por compreender e descrever o processo de desenvolvimento do indivíduo, de modo que sua teoria baseia-se neste aspecto sob influência de fatores externos do meio e da interação desse indivíduo com outros indivíduos desse meio.

Assim, ao formular a sua teoria, Vygotsky abordou conceitos que são essencialmente importantes em seu trabalho por serem necessários à compreensão do processo de desenvolvimento. Os conceitos abordados por ele são: mediação simbólica, signos, sistemas de símbolos, zona de desenvolvimento proximal, desenvolvimento e aprendizado.

A mediação, segundo Vygotsky, é o processo pelo qual a ação do sujeito sobre o objeto é mediada por um determinado elemento. Por exemplo, a ação de um pintor sobre sua obra é mediada pelo pincel. Neste exemplo o elemento mediador (pincel) possibilita a transformação do objeto (quadro). Esta etapa intermediária “pincel  quadro” é denominada mediação. Então, mediação é o processo de intervenção de um elemento intermediário numa relação - a relação deixa de ser direta e passa a ser mediada por esse elemento.

A questão da mediação nos remete, forçosamente, a explicitar aspectos inerentes ao elemento mediador que o classificam em três categorias: instrumentos, signos e sistemas simbólicos.

O instrumento, de acordo com Vygotsky, é o elemento mediador que age entre o sujeito e o objeto do seu trabalho, com a função de ampliar as possibilidades de transformação da natureza, ou seja, ele é criado ou usado para se alcançar um determinado objetivo. Ele é, então, um objeto social e mediador da relação do indivíduo com o mundo.

É importante lembrar que o instrumento carrega consigo, além da função para o qual foi criado, também a sua forma de uso que foi se configurando no decorrer da história do grupo que o utilizava.

Os signos também são mediadores, porém sua função se faz presente na atividade psicológica, por esta razão Vygotsky os denomina instrumentos psicológicos. O signo é intrínseco ao indivíduo e tem por função regular e controlar as ações psicológicas do mesmo. Eles agem no sentido de ativar uma outra atividade psicológica, memória, por exemplo, pois representam ou expressam objetos, fatos.

Símbolo, por sua vez, é um recurso utilizado pelo indivíduo para controlar ou orientar a sua conduta, desse modo, o indivíduo se utiliza desses recursos para interagir com o mundo. À medida que o indivíduo internaliza os signos que controlam as atividades psicológicas, ele cria os sistemas simbólicos que são estruturas de signos articuladas entre si. O uso de sistemas simbólicos, como a linguagem, por exemplo, favoreceu o desenvolvimento social, cultural e intelectual dos grupos culturais e sociais ao longo da história.

Vygotsky enfatiza, em seus estudos, a importância da linguagem como instrumento que expressa o pensamento, afirmando que a fala produz mudanças qualitativas na estruturação cognitiva do indivíduo, reestruturando diversas funções psicológicas, como a memória, a atenção voluntária, a formação de conceitos etc.

Portanto, a linguagem age decisivamente na estrutura do pensamento, além de ser o instrumento essencial ao processo de desenvolvimento. A linguagem, em seu sentido amplo, é considerada por Vygotsky instrumento, pois ela age no sentido de modificar estruturalmente as funções psicológicas superiores, da mesma forma que os instrumentos criados pelos Homens modificam as formas humanas de vida.

Outro conceito muito importante proposto por Vygotsky é a zona de desenvolvimento proximal, que se refere à “região” ou “distância” entre aquilo que o aluno já sabe, que já foi assimilado, isto é, aquilo que ele consegue fazer sozinho, daquilo que o indivíduo pode vir a aprender ou a fazer com a ajuda de outras pessoas, denominado desenvolvimento potencial.

De acordo com Vygotsky (1998), a zona de desenvolvimento proximal (ZDP) da criança é a distância entre seu desenvolvimento real, que se costuma determinar através da solução independente de problemas e o nível de seu desenvolvimento potencial, determinado através da solução de problemas sob a orientação de um adulto ou em colaboração com companheiros mais capazes.

De todos os conceitos propostos por Vygotsky, a zona de desenvolvimento proximal é o conceito que mais aplicações obteve na área da educação, pois é na zona de desenvolvimento proximal que deve acontecer a intervenção pedagógica do professor.

Em seu trabalho investigativo sobre as Aplicações de Vygotsky à Educação Matemática, Moysés (2004, p.162) diz que:

No que tange ao desenvolvimento das funções psíquicas dos alunos, o conceito de ZDP foi, sem dúvida, o principal suporte para que o professor pudesse levá-los ao desenvolvimento de tais funções. Ao lado dele, também, as idéias acerca da atividade compartilhada e da relação entre a atividade e consciência ajudaram nessa tarefa.

As implicações que o conceito de zona de desenvolvimento proximal traz para a prática docente são inúmeras, uma vez que explorar essa “região” leva o professor a enfrentar novos desafios, que exigem dele maior atenção para com o processo educativo.

A aprendizagem ou aprendizado é o processo no qual o indivíduo se apropria de informações e conhecimentos que são apresentados a ele por meio da sua interação com o meio. Ela se dá a partir do momento em que signos e sistemas simbólicos são internalizados pelo sujeito, contribuindo para o desenvolvimento das funções mentais superiores do mesmo.

De acordo com Vygotsky (1987, p. 101), O aprendizado adequadamente organizado resulta em desenvolvimento mental e põe em movimento vários processos de desenvolvimento que, de outra forma, seriam impossíveis de acontecer”.



Para Oliveira (1997, p. 57), aprendizado é

o processo pelo qual o indivíduo adquire informações, habilidades, atitudes, valores, etc, a partir de seu contato com a realidade, o meio de seu contato com a realidade, o meio ambiente, as outras pessoas. É um processo que se diferencia dos fatores inatos, [...] e dos processos de maturação do organismo, independentes da informação do ambiente (a maturação sexual, por exemplo).
Outro conceito extremamente importante e presente em diversos momentos no texto é desenvolvimento, o qual está diretamente relacionado ao aprendizado do indivíduo e representa a evolução das funções mentais superiores, que são, o pensamento e as estruturas cognitivas e o intelecto.

Assim, podemos perceber que existe uma estreita relação entre aprendizado e desenvolvimento, ou seja, o aprendizado permite ao indivíduo a maturação das suas funções psicológicas propiciando o seu desenvolvimento.

De acordo com as concepções formuladas por Vygotsky (1998) e que são apresentadas neste texto, proponho uma representação da relação entre aprendizado e desenvolvimento visando salientar a dependência de um para com o outro.

A representação a seguir sugere que a aprendizagem (setas) impulsiona o desenvolvimento (espiral) de modo que o nível de desenvolvimento potencial passa a ser real e assim sucessivamente. Nessa passagem o indivíduo retrocede, em alguns momentos, no seu processo de desenvolvimento, de modo que ele pode vir a reviver algumas situações ou experiências, as quais poderão conduzi-lo, devido à ação reflexiva sobre os aspectos concernentes e estas situações e daqueles que emergem desta reflexão, a um nível mais adiantado de desenvolvimento.






Aprendizado

Interferências

do meio: signos, símbolos,

sistemas de símbolos, etc



Desenvolvimento
Vale salientar que esse retrocesso não significa que o indivíduo regrediu no seu desenvolvimento, ou que desaprendeu algo, mas sim, que ele vai reviver algumas experiências ou situações que não foram bem resolvidas ou bem sucedidas, porém em outro momento de sua vida, no qual ele já possui maior maturidade com relação àquelas experiências já vividas. Ou seja, esse retroceder permite que ele reestruture algumas de suas funções psicológicas o que o leva a um patamar mais elevado em seu processo evolutivo.



  1. A TEORIA DE VYGOTSKY E AS TECNOLOGIAS INFORMÁTICAS

2.1. O papel das tecnologias informáticas no processo de aprendizagem

Pensar no processo de desenvolvimento cognitivo do indivíduo, nos dias atuais pressupõe a necessidade de consideramos a presença das tecnologias informáticas no contexto o qual o mesmo está inserido. Desta forma, é necessário compreender a função que este tipo de instrumento exerce no respectivo processo.

Do ponto de vista de Vygotsky o indivíduo se desenvolve à medida que interage com o meio e com os outros indivíduos através do movimento de internalização e externalização (dialética) de signos e sistemas de símbolos e sofre as interferências desse meio. Então, considerando que, para Vygotsky, o meio exerce grandes influências no desenvolvimento desse indivíduo, deve-se refletir sobre o papel da escola na sociedade contemporânea, na qual, as tecnologias, particularmente informáticas, são presença marcante, à formação de indivíduos sociais atuantes na mesma.

Nesta perspectiva, à interferência da escola faz-se necessária no sentido de oferecer ao aluno oportunidades significativas de construção de conhecimentos e valores que estão atrelados a atual conjuntura social, e principalmente, promovendo a utilização das tecnologias informáticas como instrumentos auxiliares à prática pedagógica com o objetivo de promover interação, cooperação, comunicação e motivação a fim de diversificar e potencializar as relações inter e intrapessoais mediante situações mediatizadas, que venham a dar um novo significado ao processo de aprendizagem. Isto é, as relações entre sujeitos e, entre sujeitos e tecnologias colabora para a estruturação do conhecimento do grupo que a utiliza, bem como para o desenvolvimento desses sujeitos, o que caracteriza o coletivo seres humanos com mídias, proposto por Lévy (1993, 1999).

O coletivo seres humanos com mídias pressupõe uma interdependência e uma completude entre humanos e tecnologias e, de acordo com Borba (2004, p. 305),

As tecnologias são produtos humanos, e são impregnadas de humanidade, e reciprocamente o ser humano é impregnado de tecnologia. Neste sentido, o conhecimento produzido é condicionado pelas tecnologias e, em particular, pelas tecnologias da inteligência, denominadas mídias por mim para enfatizar o aspecto comunicacional.


Assim, acreditamos que o indivíduo ao interagir com uma tecnologia informática, um computador ou software, por exemplo, internaliza os signos e sistemas de símbolos dessa ferramenta e externaliza os mesmos em suas atividades ou representações de modo que o computador age como um mediador entre o sujeito (usuário) e o objeto de seu estudo (uma idéia, por exemplo).

Esta questão nos remete a outra de igual importância, que é a necessidade de avaliarmos também a linguagem disponível nestas ferramentas de modo que a atividade docente não se torne ainda mais fatídica para os professores e para os alunos, à medida que os mesmos buscam a compreensão de determinados conceitos através da utilização de um software com uma linguagem complexa demais, ou com uma interface de difícil interação.

De acordo com Pais (2002) as tecnologias digitais ou software devem ser ajustados à linguagem dos alunos, isto é, devem apresentar uma interface de fácil interação, determinando a necessidade de serem avaliados segundo padrões vistos não somente sob o ponto de vista do nível de cognição e do valor do feedback, mas segundo padrões culturais do sujeito.

Num ambiente de aprendizagem com a presença do computador, o aprendiz tem acesso a muitos outros sistemas de signos, os quais compõem a interface e o ambiente de interação do software, que controlam e regulam o seu comportamento e também as suas funções psicológicas.

Assim, quanto mais sistemas simbólicos ele tiver internalizado por meio da sua interação com o computador e mais relações estabelecer entre eles, mais aprendizado ele alcança e conseqüentemente, ele sofre uma reorganização nas suas funções psicológicas, a qual possibilita um avanço em seu processo de desenvolvimento.

No entanto, lembramos que os signos assimilados pelo indivíduo são intrínsecos a ele, ou seja, são resultantes da dialética2 internalização/externalização desses sistemas simbólicos. Logo, estão relacionados à capacidade da mente associar estes signos à representação de objetos concretos, fenômenos, coisas, etc., assim como a linguagem o faz.

Frawley (2000, p. 74) refletindo sobre a questão da representação simbólica e as possibilidades de ampliação da mesma oferecida pela informática, afirma que,

Para aprender, a mente deve ser capaz de representar as suas hipóteses a si mesma, permitindo que sejam verificadas. O sistema representacional mais robusto, sistemático e produtivo [...] é semelhante à linguagem, construído a partir de símbolos organizados em fórmulas sob limitações de regras. O código interno não só é, mas tem que ser, uma linguagem proposicional do pensamento.


As colocações acima supõem que a construção do conhecimento (desenvolvimento) dos sujeitos implica numa relação entre sujeito, tecnologias e idéias (conceitos), como forma de criar um sistema simbólico robusto que expresse a ação mental do indivíduo sobre este instrumento (computador) e que possa, realmente ser internalizado por ele.

A relação sujeito computador idéia está representada no esquema abaixo e tem o propósito de enfatizar a importância da interação do indivíduo com este tipo de instrumento, bem como a interdependência existente entre eles.




Sujeito Idéia (conceito)

Instrumento

Legenda

Signos do meio

Signos do indivíduo

Através da representação acima, podemos dizer que o computador age como instrumento mediador entre o aluno (sujeito) e o objeto de sua ação (idéia ou conceito), propiciando uma investigação e uma reflexão para cada ação realizada, instigando o usuário a explorar as suas potencialidades, as quais o levam a interiorização de novos sistemas simbólicos que são apresentados pelo meio e pelo computador/software, ou seja, proporcionando o desenvolvimento do indivíduo.

Nesta perspectiva, o resultado desta interação pode propiciar a continuidade da espiral representada anteriormente, a qual relaciona a aprendizagem e o desenvolvimento, pois, ao assimilar novos sistemas de símbolos o aluno passa a usá-los em diversas situações e contextos, acadêmicos ou não, caracterizando o aprendizado. Este aprendizado por sua vez, impulsiona o desenvolvimento à medida que promove avanços em seu nível de desenvolvimento real e potencial.

De acordo com Ponte (1986, p. 118), “o computador atua como um objeto transicional, mediando relações que são em última instância de pessoa para pessoa”. Ou seja, o computador, além de servir como instrumento para o aprendiz alcançar seus objetivos, também pode ampliar a zona de desenvolvimento proximal do indivíduo à medida que surgem obstáculos à atividade que está sendo executada ou quando são propostos desafios que o fazem investigar sobre o tema abordado, a refletir sobre o objeto de sua construção e, também, sobre as propriedades específicas do conceito imbricado nessa construção favorecendo a internalização das mesmas pelo indivíduo. Essa internalização pode ser observada no próprio diálogo com o aluno ou na complexidade dos resultados de suas tarefas.




    1. O papel do aluno

O aluno, de acordo com os pressupostos da teoria de Vygotsky, é o sujeito ativo do seu processo de aprendizado e desenvolvimento, pois é ele quem age sobre o instrumento mediador de sua ação. Desta forma ele precisa estar apto a interagir com esta ferramenta, dominar suas funções, signos e sistemas de símbolos para que a sua conduta seja consciente e planejada.

Pais (2002), corroborando com esta concepção, afirma que o aluno necessita estar familiarizado com o ambiente de aprendizagem que tem o computador como instrumento mediador e com a interface a qual vai interagir para que sua atenção esteja centrada no objetivo do trabalho, para que na interação entre ambos, ele possa internalizar novos sistemas de símbolos, modificando sua ação sobre aquilo que está construindo, representando ou investigando, além de estar ampliando seu universo simbólico e a sua capacidade de abstração.

Do ponto de vista do Construcionismo3, o processo de assimilação (aprender algo) parte do pressuposto de que o conceito abordado deve ser significativo para o indivíduo além de que, deve despertar-lhe prazer e ser resultado de sua construção por meio do uso do computador (Papert, 1994). Nesta concepção, o fazer pedagógico deve permitir que o aluno assuma o comando de seu próprio desenvolvimento, isto é, no ambiente construcionista de aprendizagem, o indivíduo tem autonomia para planejar e executar suas ações (físicas e mentais) e refletir sobre elas, assumindo desta forma o comando de seu desenvolvimento.

Partindo deste princípio, para que a construção do conhecimento aconteça de forma mais positiva, é necessário que a aprendizagem esteja estruturada nas vivências cotidianas do aprendiz, nas suas necessidades e anseios. Isto significa que, aquilo que o aluno aprende deve fazer parte de sua vivência, da sua experiência, tornando-se mais significativa para ele. Este aspecto estabelece uma convergência entre as idéias e Vygotsky e as idéias construcionistas, reforçando a questão da influência do meio sobre o desenvolvimento do indivíduo e, portanto do papel das tecnologias informáticas nos novos modos de se produzir conhecimento.

Portanto, se as tecnologias informáticas fazem parte do contexto do aluno, então, a interação entre ambos (indivíduo/computador) precisa ser investigada como forma de favorecer o aprendizado e contribuir à construção do conhecimento.

O contato prolongado com o computador pode ter reflexos no amadurecimento dos processos cognitivos dos alunos. A inteligência é sensível em muitos aspectos ao ambiente que a rodeia. Mas também é um produto da sua própria interação com os instrumentos de natureza cultural com que formula o pensamento. Por isso, o computador deve ser visto tanto nas suas implicações nos processos cognitivos conhecidos, como nas suas possibilidades de gerar e promover o desenvolvimento de novos processos cognitivos (PONTE, 1986, p. 110).


Nesta perspectiva, para que a construção de conhecimento seja favorecida por estes instrumentos, é necessário que o aluno disponha de tempo para aprofundar seu domínio sobre esta ferramenta, seus recursos e sobre os signos apresentados pela mesma (Pais, 2002) e, principalmente, que seja orientado e incentivado pelo agente organizador desse ambiente de aprendizagem no planejamento e execução de suas ações.


    1. Ação organizadora do professor neste ambiente de aprendizagem

Sabemos que a decisão de aderir ao uso de novas tecnologias, ou a qualquer outra metodologia inovadora no ambiente escolar é uma tarefa difícil, principalmente porque os professores em geral têm receio de “perder” o controle da aula. De acordo com Borba e Penteado (2003, p. 56), “as inovações educacionais, em sua grande maioria, pressupõem mudança na prática docente, não sendo uma exigência exclusiva daquelas que envolvem o uso de tecnologia informática”.

A função do professor na teoria vygotskyana aplicada em ambientes informatizados de aprendizagem é de vital importância. É ele quem vai fornecer ao aluno os novos signos e sistemas de símbolos que estas ferramentas apresentam, cabendo-lhe todas as responsabilidades que esta tarefa pressupõe. Também compete a ele a tarefa de organizar esse ambiente propiciando condições para que o grupo seja instigado a investigar, refletir e debater sobre determinados conceitos e a formular novas conjecturas sobre estes.

Para Ponte (1986, p. 93),
Os professores não podem deixar reduzir-se ao papel de correias de transmissão, baseando o seu ensino em produtos educacionais padronizados e prontos para usar. A eles deve caber a responsabilidade de desenvolver alternativas educacionais apropriadas para os seus alunos e, em particular, o poder de decidir como usar o computador.
Agindo como organizador do ambiente e dos recursos oferecidos pelo computador ou software o professor estará contribuindo para que o processo de mediação aluno  objeto (idéia ou conceito) realizado pelo computador favoreça o aprendizado. Assim, ele também contribui para a ampliação da zona de desenvolvimento proximal do aluno, na medida em que este aprende e conseqüentemente se desenvolve.

Segundo Valente (1996), o professor deve promover reflexões sobre as hipóteses do aluno e auxiliá-lo no estabelecimento de relações entre o ocorrido e o pretendido, isto é, adequar suas intervenções ao estilo do aluno e à situação contextual, enfim atuar dentro da zona de desenvolvimento proximal (ZDP).

Outro aspecto relevante na atuação do professor neste ambiente permeado pelo computador concerne a sua ação, a qual, para que possa favorecer ao aprendizado e ao desenvolvimento, requer que ele conheça profundamente o instrumento que está utilizando, assim como todas as funções e recursos que o mesmo oferece. Ele também precisa dominar a linguagem que este recurso possui, além de elaborar uma proposta de atividades bem planejadas com objetivos bem definidos e metodologia adequada.

Ponte (1986, p. 86), argumenta que o professor, além de assumir uma nova postura pedagógica com a presença das tecnologias informáticas, vai enfrentar outros desafios em função da adoção deste recurso como auxiliar à sua prática, pois

O computador coloca assim o professor perante a necessidade de adquirir um conjunto diversificado de competências e conhecimentos que incluem uma compreensão do seu papel nas várias áreas da atividade social, um conhecimento das possibilidades e limitações como instrumento educativo, a capacidade de encontrar, selecionar e usar programas já feitos.
Além disso, conhecer o processo mental pelo qual o indivíduo realiza alguma tarefa é fundamental para se compreender o papel e a necessidade da intervenção pedagógica do professor dentro da ZDP do aluno promovendo o desenvolvimento do mesmo. Entretanto, esta intervenção deve ser analisada e discutida levando em conta as atribuições do professor e todos os princípios básicos que a função docente abarca, segundo a teoria de Vygotsky, buscando-se desta forma, caracterizar a ação do professor no contexto social em que atua.

Mas, se o contexto social está em constante mutação, então, o papel do professor precisa ser constantemente repensado e modificado, o que nos faz concluir que estamos em uma roda viva e que esta discussão não pode ser encerrada, assim como o processo de formação docente também é inconcluso.


CONSIDERAÇÕES FINAIS

A preocupação demonstrada por Vygotsky em suas investigações não só deu novos rumos às pesquisas no campo da psicologia, mas também, contribuiu para que muitos outros pesquisadores se propusessem a compreender o processo de desenvolvimento do indivíduo, além de buscarem investigar as contribuições e atribuições da escola nesta tarefa, como forma de colaborar para a formação dos indivíduos que atende, preparando-os para agir e interagir em seu meio de forma consciente e planejada em diferentes momentos históricos.

Estas colocações sugerem uma reflexão acerca da disparidade existente entre escola e realidade, pois, sabemos que a escola, de um modo geral, não tem conseguido acompanhar satisfatoriamente o desenvolvimento tecnológico e científico da sociedade e, como conseqüência, tem falhado na sua função de preparar o aluno para interagir na mesma e, também, na promoção do seu desenvolvimento cognitivo. Por outro lado, há um movimento de discussão e reflexão que tem buscado modificar a realidade do contexto educacional, ao mesmo tempo em que busca trazer os aparatos e instrumentos tecnológicos para este meio com o intuito de propor novas formas de produzir conhecimento.

Este movimento traz consigo a necessidade de professores e educadores repensarem suas práticas pedagógicas bem como a metodologia das suas propostas de trabalho. Se a escola precisa estar agindo em conformidade com as necessidades do grupo social, o qual atente, então, as tecnologias não podem continuar sendo vistas apenas através das janelas das instituições, elas devem integrar o ambiente educacional e a atividade pedagógica. Além disso, se as mesmas fazem parte do contexto social de muitos indivíduos, então, é fato que eles estão sendo influenciados pelas mesmas, assim como, seu modo de pensar e agir e a forma como o conhecimento social deste grupo é produzido.

A utilização das tecnologias informáticas como instrumento auxiliar a prática pedagógica, além de favorecer o aprendizado e o desenvolvimento do indivíduo por meio da internalização de novos sistemas simbólicos pode, também, contribuir para intensificar e fortalecer a interação professor  aluno e a relação aluno aluno. Estas considerações revelam, conforme concepções defendidas por Vygotsky, a forte influência que o meio (contexto social) exerce sobre o desenvolvimento do ser humano, o papel preponderante dos sistemas de símbolos neste processo e a relevância da interação com o outro social à dinâmica da internalização e externalização destes novos sistemas simbólicos.

Além disso, o acelerado avanço tecnológico tem se constituído em um processo de aprender continuamente por parte do professor, uma vez que, a sociedade recebe constantemente novos instrumentos e recursos tecnológicos e ele (o professor) precisa apropriar-se dos mesmos e incorporá-los na sua prática docente, buscando promover ambientes interativos que favoreçam a aprendizagem e o desenvolvimento do indivíduo na medida que possibilitam agir na zona de desenvolvimento potencial do aluno. Nesta perspectiva o professor também está sendo influenciado pelo meio e, conseqüentemente está em pleno processo de desenvolvimento.

Um ambiente interativo de aprendizagem se caracteriza como um espaço onde todos têm a possibilidade de falar, de expressar idéias, levantar hipóteses, discutir, tomar decisões e ter autonomia para planejar e executar suas ações, conduzindo seu aprendizado e desenvolvimento. Esse ambiente, também proposto pelo Construcionismo, tem como sujeito ativo o aluno e a sua ação neste meio faz com que ele se perceba parte de um processo dinâmico de construção do próprio conhecimento a partir da ação organizadora do professor e da ação do instrumento mediador (computador).

No entanto, este ambiente só é possível se o professor tiver consciência e compreensão das implicações que seu fazer abarca, bem como da necessidade de estar trazendo a realidade do indivíduo e as suas experiências para o contexto escolar e acadêmico, conforme já discutido neste texto. Ou seja, a mutabilidade do contexto social faz com que as discussões concernentes à prática docente estejam sempre abertas a novas reflexões.

A título de conclusão, pode-se dizer que, as concepções de aprendizado e desenvolvimento propostas por Vygotsky não variam em função do momento histórico, mas sim, que de acordo com o momento, os processos que levam ao aprendizado e ao desenvolvimento devem ser repensados de modo a adequar-se às novas condições do contexto social. Por exemplo, num determinado momento a linguagem e a escrita, foram o mecanismo propulsor do desenvolvimento social, intelectual e cultural dos indivíduos, hoje a apropriação de sistemas simbólicos digitais está levando a humanidade a um novo momento histórico, marcado pela transformação e potencialização dos processos de transmissão de informação e construção do conhecimento.
BIBLIOGRAFIA

ALMEIDA, M. E. B. de. Informática e Formação de professores. Brasília: Ministério da Educação, 2000.

BORBA, M. C. Dimensões da Educação Matemática a Distância. In: BICUDO, M.A; BORBA, M.C. (Orgs.). Educação matemática: pesquisa em movimento. São Paulo: Cortez, 2004.

BORBA, M.C; PENTEADO, M.G. Informática e Educação Matemática. 3. ed. Belo Horizonte: Autêntica, 2003.

FRAWLEY, W. Vygotsky e a ciência cognitiva: linguagem e integração das mentes social e computacional. Porto Alegre: ARTMED, 2000.

LÉVY, P. A inteligência coletiva: por uma antropologia do ciberespaço. 2. ed. Tradução de Luiz Paulo Rouanet. São Paulo: Loyola, 1999.

LÉVY, P. As tecnologias da inteligência: o futuro do pensamento na era da informática. Rio de Janeiro: Editora 34, 1993.

MOYSÉS, L. Aplicações de Vygotsky à Educação Matemática. São Paulo: Papirus, 1997.

OLIVEIRA. M. K. de. Vygotsky: Aprendizado e Desenvolvimento, um Processo Sócio Histórico. 4. ed. São Paulo: Scipione, 1993.

PAPERT, S. A máquina das crianças: repensando a escola na era da informática.Tradução de Sandra Costa. Porto Alegre: Artes Médicas, 1994.

PAIS, L. C. Tecnologias informáticas e educação escolar. Belo Horizonte: Autêntica, 2002.

PONTE, J. O computador: Um Instrumento da Educação. Lisboa: Texto, 1986.

VALENTE, J.A. O papel do professor no ambiente Logo. In: VALENTE, J.A. (Org.). O papel do professor no ambiente Logo: formação atuação. Campinas: Unicamp/Nied, 1996.

VIGOTSKY, L.S. A formação social da mente. São Paulo: Livraria Martins Fontes Editora Ltda, 1998.

VIGOTSKY, L.S. Pensamento e Linguagem. São Paulo, Martins Fontes, 1987.

VIGOTSKY, L.S. Pensamento e Linguagem. São Paulo, Martins Fontes, 1989.



1 Aluna, em nível de mestrado, do Programa de Pós Graduação em Educação Matemática da UNESP de Rio Claro, SP, sob orientação do professor Marcus Vinicius Maltempi.

Membro do Grupo de Pesquisa em Informática, outras Mídias e Educação Matemática – GPIMEM, da respectiva instituição.

Licenciada em Matemática e Especialista em Educação Matemática pela Universidade Regional Integrada do Alto Uruguai e das Missões – URI, Campus de Erechim.

Professora de Matemática e Física (em licença) da Rede Pública Estadual de Ensino do Rio Grande do Sul e, (ex) professora do Instituto Anglicano Barão do Rio Branco, na cidade de Erechim, RS.



e-mail: adrianarichit@via-rs.net

2A dialética é abordada por Vygotsky como sendo o movimento de internalização, assimilação e externalização de um determinado sistema simbólico, o qual é realizado pelo indivíduo. Neste movimento o indivíduo externaliza apenas os símbolos que estão relacionados a coisas, fenômenos ou situações familiares e que eram significativas para ele, e, portanto, que foram assimiladas.

3 O Construcionismo, o qual dedico parte de meus estudos, é uma teoria de aprendizagem proposta por Seymour Papert que concebe a aprendizagem como resultado da construção de um artefato pelo indivíduo (por exemplo, um programa ou um projeto). Tal construção atende aos interesses do indivíduo e serve ao seu desenvolvimento.





©principo.org 2016
enviar mensagem

    Página principal