Paradoxos na formação continuada de professores a partir da psicanálise



Baixar 34.44 Kb.
Encontro23.07.2016
Tamanho34.44 Kb.
Paradoxos na formação continuada de professores a partir da psicanálise
Aline Gasparini Montanheiro
Mestranda – FEUSP
Resumo

O presente artigo propõe analisar o sentido da atualização presente na formação continuada de professores à luz do paradigma do problema-solução proposto por Milner e Miller em 2006. A partir de uma breve análise do contexto em que os cursos de formação continuada surgem, entendemos que a formação docente, nesse sentido, pode aludir à lógica capitalista de complementaridade entre sujeito e objeto.


Palavras-chave: formação continuada de professores, capitalismo, psicanálise.
Sabemos que a preocupação pública em relação à formação dos docentes em exercício tem crescido ao longo das últimas décadas e, consequentemente, temos visto aumentar em grande número a oferta de cursos de formação continuada para professores. Há uma exigência social para que o professor se forme constantemente, se atualize e, ao mesmo tempo, uma vontade do próprio docente de buscar tal formação, à medida que novas condições sociais são impostas. Algo do discurso capitalista nos chamou a atenção nesse âmbito, de modo a estabelecermos certa relação entre os sentidos que a formação continuada tem assumido socialmente e as tentativas de aplacamento do mal-estar contemporâneo, desveladas por um olhar psicanalítico sobre o tema.

Pensando na psicanálise como uma forma de interrogar discursos através dos quais se estabelece o laço social dos sujeitos, procuramos explicitar pontos de imbricação entre o discurso capitalista e o educacional, especificamente no que tange a formação continuada de professores, a partir do paradigma do problema-solução proposto por Miller e Milner (2006). Antes de fazê-lo, cabe evidenciar o que estamos considerando como formação continuada e o que tem levado tal formação a ser colocada como um imperativo em nossa sociedade atual.

De fato, há muitas ações que hoje chamamos de educação continuada, que são variadas entre si e que podem abranger desde atividades mais institucionalizadas e estruturadas, realizadas após o término da graduação ou depois da entrada no magistério, até qualquer prática que favoreça o aprimoramento profissional, de caráter mais diverso, como horários coletivos, reuniões pedagógicas, palestras etc (GATTI, 2008). Escolhemos focar nosso olhar para os cursos mais próximos da primeira categoria sugerida acima: aqueles que são mais institucionalizados, podendo ser oferecidos pelo governo (fruto de parceria público-privada ou não), secretarias de educação, propostas pela própria escola ou por instituições particulares, para professores já em exercício da profissão.

De acordo com Gatti (2008), o aumento da oferta e realização de cursos de formação continuada se deu principalmente a partir das seguintes razões: as condições específicas da sociedade contemporânea e os desafios impostos à educação atualmente, bem como a criação do “discurso da atualização e da necessidade de renovação” (idem, p. 58). A autora mencionada contextualiza esse crescimento da formação continuada da seguinte forma:


Nos últimos anos do século XX, tornou-se forte, nos mais variados setores profissionais e nos setores universitários, especialmente em países desenvolvidos, a questão da imperiosidade de formação continuada como um requisito para o trabalho, a ideia da atualização constante, em função das mudanças nos conhecimentos e nas tecnologias e das mudanças no mundo do trabalho. Ou seja, a educação continuada foi colocada como aprofundamento e avanço nas formações dos profissionais. Incorporou-se essa necessidade também aos setores profissionais da educação, o que exigiu o desenvolvimento de políticas nacionais ou regionais em resposta a problemas característicos de nosso sistema educacional. (GATTI, 2008, p. 58).
Observamos que o sentido da atualização, renovação e mudança está com frequência permeando o discurso da formação continuada. Esse tipo de discurso pode também ser notado no relatório redigido para a Fundação Carlos Chagas, que trata das implementações de políticas públicas na área da formação de professores:
De fato, as escolas atuais requerem, com urgência, a Formação Continuada de seus professores, como condição sine qua non para conseguirem fazer frente aos desafios que a profissão lhes coloca. O panorama é tal que não se concebe mais uma oferta educacional pautada apenas pela formação inicial e/ou pela prática acumulada dos docentes. A mudança no sentido esperado exige e apoia-se na formação contínua e, portanto, na atualização dos recursos humanos disponíveis. (FUNDAÇÃO CARLOS CHAGAS, 2011, p. 13)
Tal imperativo da atualização pode estar relacionado ao fato de que também se verifica um grande crescimento do uso de avaliações externas e de documentos internacionais para inferir sobre a situação da educação hoje, sobretudo no que diz respeito à esfera pública. Muitos cursos são criados com base nos resultados aferidos nessas avaliações. Acreditamos que há uma relação direta entre esta dinâmica de concepção de cursos e aumento de sua oferta com a lógica capitalista, em que se avalia para encontrar o problema e, em seguida, propõe-se a solução, possibilitando uma imagem de eficiência.

Um recente estudo da Fundação Vitor Civita (2014) nos dá indícios sobre como se identifica o problema na educação escolar e, por meio da formação continuada dos professores, se propõe solucioná-lo. Este trabalho promoveu uma pesquisa sobre as modalidades e práticas de formação continuada no Brasil a partir de dezenove Secretarias de Educação, sendo seis Secretarias Estaduais de Educação e treze Secretarias Municipais de Educação. Ele mostra a estreita relação entre a emergência das propostas de formação continuada e as avaliações, principalmente aquelas que correspondem às provas institucionais realizadas pelos alunos. A partir de sua leitura, entendemos que a maioria das Secretarias de Educação (SEs) pesquisadas tem lançado mão de avaliações (externas ou internas às unidades escolares) para planejar as ações de formação continuada. Vejamos:


Os resultados mostraram que uma prática comum e bastante recorrente nas SEs para identificar necessidades e traçar o planejamento das ações de formação continuada é o uso dos resultados alcançados pelas escolas de suas respectivas redes de ensino em avaliações de sistema em âmbito estadual e nacional (caso do Saeb1, da Prova Brasil, do Enem2) e, sobretudo, do Ideb. Dados obtidos no processo de acompanhamento junto às escolas também foram empregados.

Em todas as redes investigadas, as equipes de formação manifestaram a necessidade de discutir os resultados das avaliações de sistema para definir demandas de formação, mesmo que essa prática, na maioria dos casos, não seja realizada de forma sistemática. As avaliações de sistema, ao que parece, têm cumprido a função de subsidiar as decisões em matéria de políticas educacionais nas SEs. (FUNDAÇÃO VITOR CIVITA, 2014)

Tal estudo confirma que a formação dos docentes em exercício é planejada a partir de certo diagnóstico, tal como é nomeado algumas vezes ao longo do trabalho, realizado pelas Secretarias de Educação ou equipes de formação. Em alguns casos, o Coordenador Pedagógico da escola identifica e encaminha as demandas dos professores às Secretarias de Educação e, em outros, as próprias Secretarias corresponsabilizam equipes de formação do órgão central e das escolas para definir as demandas (FUNDAÇÃO VITOR CIVITA, 2014). “Nessa situação, tenta-se promover situações nas quais os professores venham a se sentir mais implicados” (Idem).

Outras evidências que embasam a utilização das avaliações como meio de concepção de cursos de formação diz respeito à própria natureza da maioria dos cursos propostos. Por meio da leitura da pesquisa supramencionada, a maior parte dos cursos era sobre o ensino de Matemática e Português, bem como sobre alfabetização, conteúdos da avaliação externa. A pesquisa mostrou que grande parte direciona-se aos professores e professoras dos primeiros anos do Ensino Fundamental. Além desses tipos de cursos, havia aqueles relacionados ao “como fazer”, às metodologias de ensino e os que tratam de confrontar experiências dos professores em sala de aula (FUNDAÇÃO VITOR CIVITA, 2014). Em resumo:


Pode-se concluir, portanto, que as demandas formativas advêm, principalmente, das dificuldades e das necessidades dos alunos e dos professores, as quais são identificadas tanto por meio dos resultados obtidos pelos alunos nas diversas avaliações a que são submetidos como evidenciadas por meio do acompanhamento realizado junto às escolas. (FUNDAÇÃO VITOR CIVITA, 2014)
Relacionaremos, então, este contexto explicitado anteriormente a algumas ideias psicanalíticas sobre como se opera, no capitalismo, a avaliação em políticas públicas, da qual a educação (e, sobretudo, a formação docente, como estamos analisando) não escapa.

Miller e Milner (2006) discutem acerca de uma lógica política baseada na avaliação dos problemas e na sucessiva criação de soluções, a qual consideramos ser representativa do modus operandi capitalista que procuramos discutir em sua intersecção com a formação de professores. Para tais autores, há a extensa criação de problemas e sua consequência direta, qual seja, a de sempre se propor uma solução para eles. Para Milner, as relações, sobretudo políticas, estariam simbolicamente representadas pelo que ele chama de paradigma do problema-solução.

Estabelecemos uma analogia entre tal paradigma e as questões educacionais propostas, sobretudo no que tange o lugar conferido aos cursos de formação continuada, como temos procurado desenvolver. Os cursos surgem, numa análise a partir da fórmula problema-solução, como possível solução aos supostos problemas presentes no âmbito educativo. O autor questiona, primeiramente, as próprias condições em que o problema é criado, como se este aparecesse e já fosse concebido como verdade, um axioma, usando sua palavra. Vejamos:
Começa-se por estabelecer que há um problema; começa-se levantando-o. Por quê? Porque surge uma queixa na sociedade. É inútil tentar saber se essa queixa é ou não fundamentada, se ela é maciça; ela se estabelece como se fosse um axioma. Ora, quando um problema se coloca na sociedade, demanda-se aos políticos encontrar uma solução. Tal é o paradigma das relações entre os políticos e a sociedade no universo moderno. (MILLER; MILNER, 2006, p. 3)
Em relação ao problema que nos cabe, observamos que há uma demanda social, por exemplo, para que o professor se atualize constantemente, constituindo-se um dos sentidos mais expressivos para a proposição dos cursos de formação continuada hoje. Porém temos nossas dúvidas se é uma crítica que procede em todas as escolas brasileiras, de forma generalizada, que tipo de atualização se almeja (uma renovação de ordem tecnológica? Novos métodos para o ensino? Educação alinhada às perspectivas dos países ditos desenvolvidos?), se se diz respeito à mudança em relação à educação do passado etc. Questionamos-nos, portanto, sobre em que termos o problema - “atraso” na prática docente - aparece socialmente: atualização em relação a quê?

Tal paradigma do problema-solução leva-nos a pensar sobre certa lógica binária na qual a educação muitas vezes se encontra imbricada hoje em dia. Tal lógica pode se expressar, por exemplo, na intenção de se atualizar o ensino substituindo o problema por uma solução que não mais gere o incômodo inicial, solução esta presente no próprio campo educativo, que mantém as condições externas a ele tais como são. Milner (2006) afirma que as soluções hoje encontradas para os problemas levantados agem no sentido de uma equivalência ao problema, que não o cause mais, tratando-se de uma solução por substituição: “O que caracteriza uma solução, quando ela é boa? Bom, ela substitui salva societate - preservando-se todo o resto da sociedade - algo que causava um problema por outra coisa que faz com que o problema não exista mais”. (MILLER; MILNER, 2006, p. 3)

Fazemos, então, uma analogia entre o modo como a formação continuada é concebida e o paradigma do problema-solução explicitado por Milner (2006): a formação de professores em exercício aparece como solução que pretende ir de encontro com o problema identificado; dito de outro modo, ela seria o recurso que responde com o máximo de exatidão pretendida às “necessidades dos alunos e professores” (FUNDAÇÃO VITOR CIVITA, 2014). Tais necessidades, por sua vez, são diagnosticadas por meio das avaliações dos alunos ou pelo acompanhamento de profissionais junto à escola, que poderiam identificar aquilo que precisa ser melhorado.

Para Milner, o fato de se empreender uma avaliação já engendra, nessa lógica, o aparecimento de sua solução correspondente. Nessa perspectiva, avalia-se para encontrar o problema e, como consequência imediata, propor-se uma solução. Daí se erige a eficiência, valor simbólico característico de nossos tempos, típico do discurso capitalista. Sobre isso, o autor continua sua divagação da seguinte forma:


No caso que nos ocupa, pela versão amena que é apresentada aos amantes da conciliação, poderíamos acreditar que o simples fato de avaliar constitui o alfa e o ômega da solução. Bastaria, então, que tenha havido avaliação para que tenha havido solução. Em todo caso, a lógica é perfeita, posto que nos dois casos funciona a mesma estrutura de substituição por equivalência, salva-sociate. (MILLER; MILNER, 2006, p. 4)
Tomando emprestadas as ideias do referido autor, podemos pensar que há questões ou “problemas” na educação que são estruturais, isso é, que fazem parte e são características constitutivas da dinâmica educativa. Como exemplo disso, temos que o curso de formação continuada para os docentes e aquilo que eles empregarão em sala de aula, nunca terá uma correspondência direta; assim como o ensino dos professores nunca será equivalente à aprendizagem adquirida pelos alunos; a avaliação das crianças também não aferirá com exatidão aquilo que elas realmente sabem; o saber teórico não se alinhará de forma totalmente conciliatória com saber prático, e assim por diante. É disso que a psicanálise trata e que os discursos imersos nessa lógica do problema-solução parecem se esquecer: muitos problemas estão truncados de partida. Sempre haverá algo que impedirá sua plena solução e esta, por sua vez, nunca será equivalente ou adaptada ao problema.

Paradoxalmente, há agentes educativos com discursos que parecem ir na contramão desses em que as avaliações diagnosticam problemas e exprimem rapidamente as soluções adaptadas a eles. Um exemplo se encontra no próprio estudo da Fundação Vitor Civita, em que se inicia evidenciando a lógica das avaliações, para em seguida colocar uma fala interessante:


Várias SEs atribuem a melhoria das escolas nas avaliações do Ideb à formação continuada. Há, ainda, SEs que utilizam os indicadores do Ideb para nortear os formadores quanto às ações que devem ser empreendidas junto aos docentes e não como uma meta em si: “[...] nós não vamos trabalhar para o Ideb, não estamos atuando em função do índice estatístico: tem que fazer o trabalho para formar o cidadão. Aí a estatística vai aparecer! Essa história de a escola trabalhar para atingir uma meta numérica esvazia toda a concepção do trabalho formativo” (Secretario de uma das SMEs pesquisadas). (FUNDAÇÃO VITOR CIVITA, 2014, grifo nosso).
Do nosso ponto de vista, a fala é emblemática ao escancarar o esvaziamento da formação dos sujeitos (seja o professor, seja o aluno) quando se objetiva apenas a melhoria do índice nas avaliações, por exemplo: trabalha-se apenas para atingir a estatística, desvinculada de um ensino em nome de algo – como, por exemplo, o de formar o cidadão, no caso da opinião do referido secretário de educação. Quando se foca apenas na questão do ensino (ou da formação) para um fim determinado, estamos numa relação de complementaridade entre sujeito e objeto.

O paradigma do problema-solução também nos alude a tal complementaridade, em que a solução se encaixa com exatidão no problema levantado, como o objeto que se encaixaria no desejo do sujeito. Nos parece que tratam-se de fórmulas de aplacamento do mal-estar, que simplificam as finalidades para sustentar uma imagem de eficiência. Pensamos que, em matéria de educação, estabelecer uma relação fechada, causal e direta entre meios e fins, problema e solução, sujeito e objeto, diz de uma impossibilidade intrínseca, cuja inscrição não cessará de acontecer.



Sendo assim, entendemos que o sentido da atualização constante presente sobremaneira na formação continuada de professores erige como um paradoxo, já que tal atualização nunca corresponderá exatamente àquilo que necessita a educação no tempo em que ela acontece. Como já dizia Freud, a educação é uma profissão impossível, no sentido psicanalítico do termo, o que significa que ela não pode ser controlada e tampouco é passível de previsão. Considerar essa quota de impossibilidade, que, inclusive, faz referência ao inconsciente, pode significar que certos limites na formação e prática docentes não são problemas a serem solucionados, mas dizem de algo intrínseco à educação que jamais será eliminado.
REFERÊNCIAS
Fundação Carlos Chagas. Formação continuada de professores: uma análise das modalidades e das práticas em estados e municípios brasileiros / Relatório final. São Paulo: Fundação Carlos Chagas, 2011.
Fundação Vitor Civita. Formação continuada de professores: uma análise das modalidades e das práticas em estados e municípios brasileiros. São Paulo: Fundação Vitor Civita, 2014. Modo de acesso: http://www.fvc.org.br/estudos. E-ISBN: 978-85-88988-28-6.
Gatti, B. A. “Análise das políticas públicas para formação continuada no Brasil, na última década”. In: Revista Brasileira de Educação. Vol 13. N. 17, p.57-70, jan.-abr. 2008.
Miller, J. A; Milner, J. C. Você quer mesmo ser avaliado? : Entrevistas sobre uma máquina de impostura. Barueri, SP: Manole, 2006.


1 Sistema de Avaliação da Educação Básica

2 Exame Nacional do Ensino Médio

Catálogo: secoes -> inst -> novo -> agenda eventos -> inscricoes -> PDF SWF
PDF SWF -> ContribuiçÕes psicanalíticas acerca da posiçÃo subjetiva do adolescente na sua relaçÃo com o saber
PDF SWF -> As contribuições de Jacques Lacan sobre a forma de tratamento empregada por Melanie Klein no Caso Dick
PDF SWF -> Psicanálise e formaçÃo de professores: da impotência ao impossível da educaçÃO
PDF SWF -> Esef-upe marcos Garcia Neira
PDF SWF -> Teorias sobre alfabetização de crianças: de que debate se trata?
PDF SWF -> Psicanálise, educaçÃo e o mal estar na formaçÃo de professores
PDF SWF -> ConsideraçÕes sobre a arte do fuxico numa articulaçÃo com a inibiçÃo da aprendizagem. Ludmilla Lopes da Fonsêca1 Resumo
PDF SWF -> A singularidade e a escuta nas relaçÕes escolares: o que dizem os docentes de uma escola pública Elisabete Cardieri Resumo
PDF SWF -> Os imperativos da contemporaneidade e o não-lugar da adolescência Kaio Adriano Batista Fidelis1 Marcelo Ricardo Pereira2
PDF SWF -> Autoridade docente inscrita na contemporaneidade: implicações no ato pedagógico Telma Lima Cortizo


Compartilhe com seus amigos:


©principo.org 2019
enviar mensagem

    Página principal