Paramahansa yogananda



Baixar 1.85 Mb.
Página1/55
Encontro22.07.2016
Tamanho1.85 Mb.
  1   2   3   4   5   6   7   8   9   ...   55
PARAMAHANSA YOGANANDA



AUTOBIOGRAFIA
DE UM IOGUE
CONTEMPORÂNEO

“Se não virdes sinais e milagres, não crereis”– João. 4:48.



Dedicada à memória de Lutero Burbank

Um Santo Americano”


Introdução


É esta a primeira vez que um autêntico iogue hindu escreve a história de sua vida para leitores do Ocidente. Descrevendo com vívidos detalhes muitos anos de treinamento espiritual com Siri Yukteswar, um mestre que em muito se asseme­lhava ao Cristo, revela aqui o autor um aspecto fascinante e pouco conhecido da moderna Índia.

Paramahansa Yogananda foi o primeiro gran­de mestre da Índia a viver no Ocidente durante um longo período (mais de trinta anos). Iniciou na ioga 100.000 estudantes   técnicas científicas para despertar a consciência divina do homem. Neste livro ele explica, com clareza científica, as leis sutis mas definidas pelas quais os iogues realizam milagres e alcançam o autodomínio.

Yogananda, diplomado pela Universidade de Calcutá, escreve, com inesquecível sinceridade e incisiva agudeza. Capítulos cheios de vida são dedicados a suas visitas ao Mahatma Gandhi, a Rabindranath Tagore, a Luther Burbank e a There­se Neumann   a católica estigmatizada da Bavá­ria. Este livro foi traduzido para doze idiomas.

Paramahansa Yogananda   Um Iogue na Vida e na Morte


Paramahansa Yogananda entrou em mahásamádhi (a derradeira vez que um iogue abandona conscientemente seu corpo) em Los An­geles, na Califórnia, em 7 de março de 1952, após concluir seu discurso num banquete em homenagem a Sua Excelência Binay R. Sen, embai­xador da índia. O relato da partida do muito amado iogue apareceu no número de março de 1952 de SeIf Realization Fellowship Magazine (Los Angeles) e no semanário Times de 4 de agosto de 1952.

O grande instrutor mundial demonstrou o valor da ioga (técnicas científicas para chegar à percepção de Deus como realidade) não apenas em vida, mas também na morte. Semanas após haver partido, sua face inalterada brilhava com o divino esplendor da incorruptibilidade.

O sr. Harry T. Rewe, diretor do Cemitério de Forest Lawn, de Los Angeles (onde o corpo do grande mestre jaz temporariamente) enviou a SeIf Realization Fellowship uma carta com firma reconhecida, da qual são extraídos os seguintes trechos:

“A ausência de quaisquer sinais visíveis de decomposição no ca­dáver de Paramahansa Yogananda constitui o mais extraordinário caso de nossa experiência... Nenhuma desintegração física era visível no corpo, mesmo vinte dias após a morte... Nenhum indício de bolor revelava se em sua pele e nenhum dessecamento (secagem) ocorreu nos tecidos orgânicos. Tal estado de preservação perfeita de um corpo, até onde vão nossos conhecimentos dos anais mortuários, é algo sem para­lelo... Ao receber o corpo de Yogananda, os funcionários do cemitério esperavam observar, através da tampa de vidro do caixão, os costu­meiros e progressivos sinais de decomposição física. Nossa admiração crescia à medida que os dias passavam sem trazer qualquer mudança visível no corpo em observação. O corpo de Yogananda permanecia evi­dentemente num estado fenomenal de imutabilidade.



“Nenhum odor de decomposição emanou de seu corpo em qualquer tempo ... A aparência física de Yogananda em 27 de março, pouco antes de colocar se a tampa de bronze no ataúde, era a mesma de 7 de março. Ele parecia, em 27 de março, tão cheio ' de frescor e intocado pela corrupção, como na noite de sua morte. Em 27 de março, não ha­via, em absoluto, motivo para se afirmar que seu cor po sofrera qualquer desintegração física visível. Por estas razões, declaramos novamente que o caso de Paramahansa Yogananda é único em nossa experiência.”

Índice


Introdução 2

Paramahansa Yogananda   Um Iogue na Vida e na Morte 2

Índice 3

Capítulo 1 - Meus pais e minha infância 5

Capítulo 2 - A morte de minha mãe e o amuleto místico 10

Capítulo 3 - O Santo com dois corpos 14

Capítulo 4 - Minha fuga interrompida rumo ao Himalaia. 18

Capítulo 5 - Um “Santo dos Perfumes”exibe seus prodígios 25

Capítulo 6 - O Swâmi Tigre 30

Capítulo 7 - O Santo que se levita 35

Capítulo 8 - Jâgadis Chandra Bose, Grande Cientista da Índia 38

Capítulo 9 - O devoto bem aventurado e seu romance cósmico 43

Capítulo 10 - Encontro meu Mestre, Sri Yuktéswar 47

Capítulo 11 - Dois jovens sem dinheiro em Brindában 53

Capítulo 12 - Anos no eremitério de meu Mestre 58

Capítulo 13 - O santo que não dorme 74

Capítulo 14 - Uma experiência em consciência cósmica 78

Capítulo 15 - O roubo da couve flor 83

Capítulo 16 - Mais esperto que os Astros 89

Capítulo 17 - Sasi e as três safiras 94

Capítulo 18 - Um maometano, autor de prodígios 98

Capítulo 19 - Meu Mestre, em Calcutá, aparece em Serampore 101

Capítulo 20 - Não visitamos Cachemira 103

Capítulo 21 - Visitamos Cachemira 106

Capítulo 22 - O coração de uma imagem de pedra 111

Capítulo 23 - Recebo meu diploma universitário 114

Capítulo 24 - Eu me torno monge da Ordem dos Swãmis 118

Capítulo 25 - Meu irmão Ananta e minha irmã Nalini 122

Capítulo 26 - A Ciência de Kriya Yoga 125

Capítulo 27 - Fundação de uma escola de Ioga em Ranchi 130

Capítulo 28 - Renascimento e descoberta de Káshi 135

Capítulo 29 - Rabindranáth Tagore e eu comparamos sistemas de educação 138

Capítulo 30 - A Lei dos Milagres 141

Capítulo 31 - Uma entrevista com a Mãe Sagrada 147

Capítulo 32 - Rama é ressuscitado 152

Capítulo 33 - Bábaji, O Cristo Iogue da Índia Moderna 156

Capítulo 34 - Materialização de um Palácio no Himalaia 161

Capítulo 35 - A vida crística de Láhiri Mahásaya 168

Capítulo 36 - Interesse de Bábají pelo Ocidente 174

Capítulo 37 - Vou à América 179

Capítulo 38 - Lutero Burbank   um santo entre as rosas 184

Capítulo 39 - Teresa Neumann, a estigmatizada católica 187

Capítulo 40 - Regresso à Índia 192

Capítulo 41 - Ídolo na Índia Meridional 196

Capítulo 42 - Últimos dias com meu Guru 203

Capítulo 43 - A ressurreição de Sri Yuktéswar 211

Capítulo 44 - Com Mahátma Gandhi em Wardha 221

Capítulo 45 - A “Mãe Saturada de Beatitude” 230

Capítulo 46 - A mulher iogue que nunca se alimenta 233

Capítulo 47 - Regresso ao Ocidente 239

Capítulo 48 - Em Encinitas, na Califórnia 242

Capítulo 49 - O período de 1940 a 1951 244

Objetivos e Ideais da Self Realization Fellowship 251


  1   2   3   4   5   6   7   8   9   ...   55


©principo.org 2016
enviar mensagem

    Página principal