Pastoral do menor 25 anos a serviço da vida de crianças e adolescentes



Baixar 18.48 Kb.
Encontro28.07.2016
Tamanho18.48 Kb.
PASTORAL DO MENOR 25 ANOS A SERVIÇO DA VIDA DE CRIANÇAS E ADOLESCENTES

Um pouco de história...

Em 1977 na Arquidiocese de São Paulo, a Pastoral do Menor começa sua história, enquanto ação da igreja.

Essa história vai se estendendo, sem mesmo estar organizada, e em 1984 na Arquidiocese de Vitória, numa sala cedida pela Caritas, tem inicio um trabalho com meninos e meninas que transitavam pelo centro de Vitória oriundos do IESBEM e de famílias que migravam do interior para a cidade em busca de uma vida melhor.

Esse início de trabalho contou com o incentivo de Dom João Batista da Motta e Albuquerque que se sensibilizou com a realidade das crianças e adolescentes.

Mesmo sem metodologia de trabalho, vai-se percebendo que as crianças e adolescentes deveriam ser atendidas na comunidade de origem preservando assim os vínculos familiares, comunitário e escolar.

Com a ajuda da Irmã Nair Oliveira, surge então o primeiro espaço alternativo com o nome “Da-me sua mão”. Junta-se ao trabalho Joana funcionária do IESBEM liberada para a Pastoral do Menor que ensinava trabalhos manuais. Mais tarde Pe. Rômulo Balestrero, pároco da Paróquia Bom Pastor em Campo Grande assume o projeto que passa a se chamar REAME (Recanto de Atendimento ao Menor) que funciona hoje no bairro Cruzeiro do Sul.

As iniciativas vão tomando forma e ao mesmo tempo, em 25 de janeiro de 1985 na Assembléia Geral da Cáritas Arquidiocesana de Vitória no salão do IPAV, Dom Silvestre expôs sua preocupação em relação ao problema do menor abandonado (termos da época) na Grande Vitória que assumiu proporções alarmantes. Afirmou que acreditava ter chegado a hora da Igreja de Vitória dedicar-se mais profundamente ao estudo do problema e por em ação os recursos disponíveis a procura de alguma solução. Em vista disso sugeria que se criasse um departamento de assistência ao menor com o nome de “Centro de Pastoral do Menor” ligado a Cáritas Arquidiocesana de Vitória. A proposta foi colocada em discussão e aprovada em unanimidade.



(Livro de Atas das Assembléias Gerais de 1967 a 1996 - pagina 34).

Em seguida surge outro projeto com a compra de um terreno em Nova Rosa da Penha com recursos dos Salesianos que se chamou na época de CAM (Centro de Atendimento ao Menor) hoje CNG (Centro Nova Geração).

A Pastoral do Menor é a ação concreta da Igreja no Brasil, que a partir do Doc. 54 da CNBB, propõe orientações práticas para uma ação evangelizadora de Serviço, Diálogo, Anúncio e Testemunho. É uma Pastoral com uma Mística e Identidade próprias, alimentada pela espiritualidade, na promoção e defesa da criança e do adolescente empobrecidos desrespeitados em seus direitos fundamentais, é o seu jeito de ser e de agir.

A Pastoral do Menor é uma pastoral de conflito. Sua luta é também política. Sua ação não visa sustentar e reproduzir o sistema social marginalizante. A postura dessa pastoral é política porque denunciadora das raízes do mal social que geram esse modelo excludente, e que mexe no quadro estrutural dessa sociedade.

E, para a Pastoral do Menor, tem se tornado importante a idéia de que mais do que fazer pelas ou com as crianças, é necessário “fazer, fazer”. Significa conclamar ao compromisso as forças sociais, comunitárias, políticas... Daí que nossas ações não substituem o dever da sociedade ou do poder público.

Na implementação do artigo 227 da Constituição Federal, a Pastoral do Menor saiu na frente na articulação da sociedade, nas manifestações públicas, coleta de assinaturas, na conscientização sobre a situação da criança e do adolescente que resultou na Lei 8.069/1990 que é o Estatuto da Criança e do Adolescente.

A Pastoral do Menor se organiza a partir dos núcleos de base nas comunidades paroquiais ou organizações voltadas à defesa da criança e do adolescente empobrecidos e em situação de risco pessoal e social. Conta com uma coordenação em âmbito arquidiocesano realizando formações, capacitação e assembléias, em nível Regional (no nosso caso Regional Leste II) e em âmbito Nacional.

OBJETIVO GERAL

A Pastoral do Menor se propõe, à luz do Evangelho, estimular um processo que visa a sensibilização, a conscientização crítica, a organização e a mobilização da sociedade como um todo, na busca de uma resposta transformadora, global, unitária e integrada à situação da criança e do adolescente empobrecidos, promovendo, nos projetos de atendimento direto a participação das Crianças e Adolescentes como protagonistas do mesmo processo.

OBJETIVOS ESPECÍFICOS

g)      Sensibilizar os vários segmentos da sociedade para posturas e ações efetivas em favor da defesa dos direitos;

h)      Estimular o trabalho de base dentro da linha comunitária, em vista de uma democracia participativa;

i)        Incentivar um novo tipo de relação entre crianças e adolescentes, educadores e comunidades em geral;

j)        Desenvolver ações capazes de apontar caminhos a serem assumidos pela sociedade e pelo poder público;

k)     Denunciar toda forma de negligência e violência contra a criança e o adolescente;

l)        Sensibilizar e mobilizar os diversos segmentos da Igreja e da Sociedade acerca das crianças e do adolescentes, como sujeitos de direitos garantidos no Estatuto da Criança e do Adolescente.

Tem como missão promover vida digna as crianças e adolescentes à luz do Evangelho contribuindo para a transformação da sociedade.

E para organizar melhor a missão contamos com um importante instrumento que é o Projeto Político com seus quatro eixos: Mística, Solidariedade, Justiça e Organização.

O trabalho da Pastoral do Menor se desenvolve em quatro áreas:

1) Crianças e adolescentes empobrecidos e em situação de risco

2) Adolescente autor (a) de ato infracional

3) Família das crianças e adolescentes

4) Políticas Públicas de promoção e defesa dos direitos das crianças e adolescentes

Atividades em que a Pastoral do Menor tem atuação: campanha contra o rebaixamento da idade penal, mobilização pela erradicação do trabalho infantil, contra a violência doméstica e exploração sexual, cumprimento do Estatuto da Criança e Adolescente.

Ao longo desses 25 anos a Pastoral do Menor continua sendo presença, anúncio e denúncia em favor dos empobrecidos e excluídos, nos espaços de defesa e promoção: Conselhos Municipais e Estadual dos Direitos da Criança e do Adolescente, Fórum DCA, Conselhos Tutelares, no atendimento e na formulação de Políticas Públicas.

Hoje somos 19 Centros Educacionais comunitários, 2 Casas Lares, 3 Abrigos e 2 Liberdade Assistida Comunitária distribuídos nos municípios de Cariacica, Vila Velha, Vitória, Serra e Guarapari. Atendemos aproximadamente 5.000 crianças e adolescentes de 7 a 17 anos e 600 pessoas para o atendimento (educadores, assistentes sociais, pedagogos, psicólogos).

Desenvolvemos um trabalho Pastoral semanal com os (as) adolescentes privados de liberdade na UNIS/UNIP de Cariacica e Maruipe.

Contamos com apoio da Mitra A. de Vitória e Cáritas A. de Vitória e muitos parceiros: Empresas, Prefeituras, comunidades, voluntários...



Celebrar a caminhada da Pastoral do Menor é celebrar a VIDA com seus desafios e conquistas, é ser presença na vida dos meninos e meninas empobrecidos e em situação de risco.

A nossa missão também é sua, pois nos foi dada por JESUS: “Quem acolhe o menor a mim acolhe”. (Mc 9,37)


©principo.org 2016
enviar mensagem

    Página principal