Pedagogia waldorf (Diversos textos retirados de sites diferentes) Introdução V. W. Setzer



Baixar 186.25 Kb.
Página3/4
Encontro18.07.2016
Tamanho186.25 Kb.
1   2   3   4



 


Anabá






1º ano:Contos de fadas, introdução à escrita e leitura, aritmética.

2º ano: Fábulas e lendas, desenvolvimento do ritmo e fluidez na leitura e escrita, aritmética.

3º ano: Histórias do Antigo Testamento, leitura e letra cursiva, gramática e aritmética, horta, pão, casa, indicação de um instrumento musical individual.

4º ano: Mitologia nórdica, antropologia, leitura, composição e gramática, frações, geografia local.

5º ano: História antiga (Pérsia, Babilônia, Mesopotâmia, Egito e Grécia), leitura, composição e gramática, geografia do país, botânica, geometria à mão livre e números decimais.




6º ano: História romana e medieval, matemática e geometria com instrumentos, geografia das Américas, física básica. Costura e trabalho em madeira, astronomia e mineralogia.

7º ano: Reforma e Renascimento, as grandes navegações, as grandes invenções, geometria, álgebra, química, geografia da Europa, nutrição e fisiologia, desenho em preto e branco, biologia (sistema digestivo, respiratório e circulatório).

8º ano: História moderna, geometria e álgebra, geografia mundial, química orgânica, leitura, gramática e composição, biologia (sistema ósseo e muscular).

9º ano: História contemporânea, física, tec. das primeiras máquinas do século XIX, matemática (probabilidade), geometria (parábola), biologia (reprodução), geografia (geologia do planeta), química (decomposição da matéria orgânica), História da Arte, literatura, gramática.

1º ao 9º ano: Trabalhos manuais, alemão, inglês, música, religião, jogos, euritmia e disciplinas do currículo oficial.





 


Jardim de Infância

Se você quer que seu filho seja brilhante conte a ele contos de fadas. Se você o quer muito brilhante, conte-lhe ainda mais contos de fadas”.
Albert Einstein

Brincar é o trabalho sério da criança

Os sentidos, as janelas para o mundo – Nos primeiros sete anos de vida, educar é permitir à criança exercitar seus sentidos. Todas as atividades do Jardim devem atender ao desenvolvimento sensório. Os sentidos são as janelas do corpo para o mundo, para o mundo da natureza e do meio ambiente, e para o mundo da outra pessoa.Todos os sentidos se suportam uns aos outros, se inter-relacionando e permitem entender o “sentido” do mundo.

O Mundo é bom – A imaginação e a criatividade são encorajadas através do brincar. O Jardim deve criar condições para que a fantasia e a vontade da criança se desenvolvam. Para isso, elas brincam, cantam, dançam, desenham, pintam, cozinham, fazem teatro, costuram e ouvem histórias.

Ritmo/ Repetição/ Imitação – No cotidiano da criança pequena deve-se criar ritmos que se repetem diariamente, semanalmente, mensalmente e anualmente. Eles são fonte de saúde para os pequenos. O amor pela repetição pode ser visto no desejo de ouvir a mesma história dia após dia.

Dia e Noite / Estações do Ano – A existência de uma ORDEM no Universo e de seu milagroso equilíbrio de forças é confirmada e vivenciada em ritmo anual com as Festas do Ano, que são cuidadosamente preparadas pelas crianças e pelos professores.

Ritmo diário:


- Desenho ou pintura.
- Música e poemas em várias línguas (formação do aparelho fonador, auditivo).
- Brincar livre dentro da sala.
- Culinária, modelagem, teatro.
- Lanche – ritual com verso de agradecimento pela refeição, momento em que se estimula o respeito e o compartilhar a refeição.
- Brincar no jardim.
- Histórias de contos de fadas ou teatro.

Ritmo semanal:


- A cada dia da semana uma atividade diferente:
desenho, modelagem, culinária, trabalhos manuais, pintura e euritmia

Ritmo mensal:


- Em cada mês um tema diferente é desenvolvido nas rodas historiadas e contos, de acordo com a época do ano.

Ritmo anual:


- Em cada estaçãoé enfatizada a sua característica,
com festas, teatros, etc.

Os ritmos pertencem à vida e a todas as criaturas que vivem. Quando se permite às crianças se desenvolverem em um ritmo natural, elas aprendem mais rapidamente.



Movimento:
É dada uma grande importância ao movimento,
para o qual são proporcionadas as melhores condições e estímulos.
É neste âmbito que a criança pequena desenvolve-se neurologicamente, preparando assim a prontidão necessária para a aprendizagem no Ensino Fundamental.

Ensino Fundamental

Como devemos educar para desenvolver toda a personalidade, não só a inteligência e a memória, mas a imaginação criadora, o caráter, vontade e o equilíbrio emocional, para um julgamento justo e ações corretas?
Como os conteúdos de Línguas, de Matemática, de História, de Geografia e de Ciências formam, através de suas leis, a estrutura e desenvolvimento do ser humano?


Imaginação, Admiração e Criatividade

O Mundo é Belo – O objetivo da Pedagogia Waldorf é educar o ser humano por meio da Arte. Todas as atividades têm o elemento artístico como base e, através deste elemento, procura-se desenvolver o conhecimento que vai atuar no pensar do aluno de forma geral, estimulando seu amor ao próximo e o respeito à natureza. O currículo proporciona uma visão ampla das matérias e a aquisição de conhecimentos gerais, além de preparar para o exercício da cidadania.

Apresentações regulares de Música, Euritmia e Teatro fazem parte do currículo. Essas atividades culminam com a encenação de uma peça de teatro, no 8º ano, para toda a comunidade escolar. Viagens de estudo em campo complementam o conteúdo teórico das diversas matérias.



O Professor de Classe – Se o professor entende da sua arte, a arte de ensinar, se ela é aplicada com carinho e amor, e se o professor consegue formar uma classe, sua durante os oito anos do Ensino Fundamental, que trabalha com alegria, ir à escola torna-se, para as crianças, desde o Jardim de Infância até o Ensino Médio, um prazer renovado a cada dia.

Os alunos permanecem com um mesmo professor de classe do 1º ao 8º ano, ou seja, até atingirem os 14 anos de idade – excetuando-se nas aulas de línguas e de artes. Como neste período não ocorre a mudança de professores, um forte relacionamento se desenvolve tanto entre as crianças e o professor, bem como entre elas mesmas. O professor é capaz de conhecer cada criança em profundidade e então responder às necessidades educacionais e formativas de cada uma.



No período entre os sete e os catorze anos, as crianças aprendem as habilidades básicas para que o mundo lhes faça sentido:
- Alfabetização, Matemática e habilidades sociais, aprendendo assim como os seres humanos se relacionam
com o mundo ao seu redor.
- Entendimento profundo da História, do mundo natural e das realizações da humanidade.
- Desenvolvimento das capacidades artísticas, práticas, intelectuais e científicas, por meio das quais as crianças conquistam autoconfiança, iniciativa e imaginação.

Música – Não se pode imaginar uma escola Waldorf sem música e sem canto. Logo pela manhã se ouvem, de todas as classes, as canções alegres e as flautas doces. Tanto o ritmo do dia como o do ano levam a marca da música. Aulas de canto e flauta começam já na 1ª série. A partir da 3ª série, são iniciadas as vivências de violino, viola e violoncelo e, da 5ª série em diante, as crianças podem participar da orquestra da Escola.

Trabalhos Manuais – Fazendo tricô ou tecelagem, trabalhos de escultura, marcenaria e sobre metais, os meninos e as meninas desenvolvem uma habilidade manual que normalmente incentiva as faculdades mentais, fazendo nascer um pensar mais móvel, mais sutil. As exigências profissionais, contrariamente ao que possa parecer, não são satisfeitas por uma aprendizagem unilateral excessiva. Pelo contrário, será tanto mais apto, inclusive para profissões altamente especializadas, aquele cujo conjunto de faculdades é desenvolvido harmoniosamente, sem qualquer especialização prévia.


Currículo inter-relacionado horizontal e verticalmente – A Pedagogia Waldorf está baseada em um currículo que reconhece as necessidades da criança em crescimento/desenvolvimento. Todas as matérias curriculares são integradas num ensino que usa a informação apenas como um dos meios para a formação, e que visa desenvolver a criatividade, a imaginação e a integração social.

Ensino em Épocas / Aula Principal – A divisão das matérias em aulas de 45 minutos, distribuídas durante a semana, foi substituída por “Aulas Principais” e Ensino em Épocas. Matérias que requerem muita descrição narrativa, como História, podem ser abordadas em profundidade todas as manhãs por três ou quatro semanas em períodos de 110 minutos. Após essas semanas, o aprendizado é então levado ao “esquecimento”, ou seja, deixa-se o conteúdo descansar na criança. Enquanto este conteúdo decanta uma nova matéria se inicia. Este método leva à consolidação da matéria em questão.

Avaliação – O boletim das crianças não tem o formato de uma série de tópicos com itens a serem marcados pelos professores. Em vez disso, o progresso das crianças é descrito detalhadamente em boletins manuscritos, nos quais são mencionadas as habilidades sociais e virtudes como perseverança, interesse, automotivação e força de vontade. Assim, busca-se criar uma imagem geral do desenvolvimento da criança no período.

Euritmia, uma Arte do Movimento – Criada no início do século passado, período em que as artes em geral passavam por profundo questionamento e conscientização de seus elementos artísticos fundamentais, a Euritmia é também fruto desse espírito moderno, que busca a essência da expressão artística. Por basear-se na mesma concepção do ser humano, também desenvolvida por Rudolf Steiner nos seus estudos fenomenológicos, sobre a qual se esteia toda a Pedagogia “Waldorf”, a Euritmia está intimamente ligada a essa forma de educação.
Ao trabalhar sempre com obras de arte literárias e musicais, a Euritmia, adaptada a cada faixa etária, acompanha a criança do Maternal ao Ensino Médio da escola Waldorf, contribuindo para o desenvolvimento sadio do indivíduo.

Educação Física – Aqui também se tem como base a imagem do homem, tal como nas outras matérias. Para cada ano, além das modalidades tradicionais, há a Ginástica Bothmer, composta de exercícios físicos criados com o intuito de levar o jovem a vivenciar o espaço em toda a sua dimensão.

Ensino de duas Línguas Estrangeiras, Alemão e Inglês – O estudo do Alemão e do Inglês começa na 1ª série do Ensino Fundamental. Até a 3ª série, ele é feito através de versos, canções, jogos e dramatizações, próprios das respectivas culturas, com ênfase na linguagem oral. A partir da 4ª série, a escrita e a leitura são introduzidas e, na 5ª série, tem início a sistematização da gramática. Da 6ª série em diante, dividem-se as classes em grupos menores, o que possibilita um maior aprofundamento e um melhor aproveitamento.

 

Ensino Médio



O elemento artístico não é utilizado como uma faculdade em si, mas como veículo didático para todas as matérias.

Integrar Ciência – Arte

O Mundo é verdadeiro – Aos catorze anos de idade, os jovens entram no Ensino Médio em que vivenciarão as matérias obrigatórias do currículo oficial, além de um maior e mais profundo programa de estudos, que lhes proporcionará uma rica variedade de experiências. Tais estudos incluem História da Arte, Pintura, Zoologia, Ecologia, Antropologia, Meteorologia, Escultura, Tecnologia e Informática, Drama/Teatro, Coral, Orquestra, Trabalho em Metal, Litografia e Encadernação.

Capacidade de julgamento – Na adolescência, o jovem conquista a capacidade de julgar, através do uso pleno do seu pensar. Assim, surge também o idealismo e a posição crítica perante o mundo. O jovem quer atuar, questionar, entender o mundo que o rodeia e o mundo interior que ele começa a experimentar. Agora, o ensino precisa estimulá-lo a refletir sobre a realidade externa e sobre si mesmo.

Educar o pensar livre é o desafio do Ensino Médio. Livre dos mecanismos e metodologias que massificam posturas e comportamentos. Livre dos preconceitos e das formas pré-concebidas. Aqui, se busca o desabrochar da individualidade. Neste sentido, os alunos realizam viagens de aprofundamento, que são fontes de vivências profundas, e concluem o 12º ano apresentando a toda a comunidade escolar um “Trabalho Anual”.



Artes – Do 1º ao 8º ano, a pintura faz parte da aula principal de uma escola Waldorf, sendo uma das atribuições do professor de classe. A pintura que narra ou desenha, realizada com os ‘tijolinhos’ ou lápis de cera e, mais tarde com lápis de cor, está presente em todas as matérias, de matemática a línguas estrangeiras. Além dela, os alunos fazem aquarela uma vez por semana. Numa primeira etapa, o currículo de artes procura introduzir as crianças no mundo das Cores e de que forma pode ser expressa. É importante que este contato seja o mais ‘puro’possível, livre de interferências de um desenho figurativo para se preservar a espontaneidade da criança na vivência das cores.
A partir do 6º ano, os alunos enfrentam o desafio de descobrir a ‘ilusão’ provocada pela tridimensionalidade. O curso de desenho tridimensional é dado pelo próprio professor de classe e o objetivo é unir a vivência das cores com a criatividade da composição. A partir do 8º ano, os alunos ampliam seus conhecimentos construindo Perspectivas com régua. O foco do currículo de artes no 9º ano é a aplicação da Perspectiva em Luz/Sombra em desenhos mais complexos, feitos à mão livre. O ensino de Luz/Sombra prossegue no 10º e 12º anos. No 11º ano, durante a vivência de Parsifal, além das intensas considerações filosóficas que envolvem os estudos dessa lenda medieval, os jovens pintam cenas da história expressando as vivências pessoais do conteúdo. O objetivo do ensino de artes não é formar futuros artistas e sim possibilitar o desenvolvimento do Pensar pela prática contínua da concretização, em forma de desenho, pintura etc, de algo imaginado. Pensar significa estabelecer como usar os materiais e fazer combinações para ocupar um determinado espaço.

Tecnologia/Informática – No contexto do ensino Waldorf, é relevante o fato de que as matérias científicas e humanas têm o mesmo peso. Por isso, o conhecimento e a compreensão de tecnologia são essenciais para o homem moderno. E a informática, naturalmente, está inserida nesse processo. Para uma pedagogia orientada pelo próprio ser humano, como a Waldorf, o ensino da informática deverá transmitir o entendimento dos elementos básicos do computador e tornar transparente os princípios de seu funcionamento. A informática permite bons resultados quando aplicada em determinadas matérias como matemática e física. No primeiro caso, os sistemas de números, o binário em particular, são largamente indicados como para o 9º ano. A Álgebra de Boole também tem se revelado bastante útil, nas aulas de classes mais adiantadas.

Viagens de aprofundamento – No 9º ano, a consciência ecológica é desenvolvida através da atividade prática intensiva em uma Fazenda Biodinâmica, durante uma semana.

No 10º ano, a Matemática e a Geometria encontram aplicação prática durante 10 dias no campo. Em viagens específicas, os alunos aprendem Agrimensura.

No 11º ano, faz-se uma análise filosófica e cultural da obra literária Parsifal, durante uma semana em viagem de estudo. Faz parte do 11º ano o estudo, ensaio e apresentação de uma peça teatral.

Finalmente, no 12º ano, a Monografia de fim de curso é um dos pontos altos da vida escolar. Cada jovem apresenta à comunidade escolar um trabalho, fruto da pesquisa de um tema do seu interesse.



Avaliação – A partir do 9º ano, o aluno é avaliado através de provas e trabalhos individuais. Durante o ano, ele receberá um Boletim Quadrimestral e, ao final, um Boletim Descritivo, contendo um panorama completo do seu aproveitamento.

No final do 12º ano, todos os alunos recebem o Certificado de Conclusão de Curso e o Boletim, com a avaliação geral das matérias lecionadas.

 


A Escola – Microcosmo Social

As atividades sociais fazem da Escola Waldorf Rudolf Steiner um espaço de encontro em torno de um foco de interesse: a educação dos alunos. Isso pode ser observado pela seqüência de um típico dia letivo que, além do curso curricular, toma outra vida com as palestras à comunidade escolar, as atividades pedagógicas e artísticas e os encontros, que permitem a integração de pais, convidados e professores.

As festas escolares, o Bazar Natalino e outras atividades, como as viagens de classe, fazem da Escola um importante centro de convivência.

A existência de Escolas Waldorf no mundo inteiro facilita aos nossos alunos entrar em contato com outras nacionalidades e freqüentar escolas no exterior, aumentando seus conhecimentos de línguas estrangeiras e ampliando seus horizontes.

O inverso também acontece: muitas vezes temos, temporariamente, entre nós alunos e educadores de outros países.

 

BIOGRAFIAS:



Rudolf Steiner.

Em 27 de fevereiro de 1861, nascia em Kraljevec, Áustria, Rudolf Steiner. Apesar de seu interesse humanístico, despertado ainda na infância por uma sensibilidade para assuntos espirituais, cumpriu em Viena, a conselho do pai, estudos superiores de ciências exatas. Por seu desempenho acadêmico, a partir de 1883 tornou-se responsável pela edição dos escritos científicos de Goethe na coleção Deutsche Nationalliteratur. Convidado a trabalhar no Arquivo Goethe-Schiller em Weimar (Alemanha), Steiner transferiu-se para essa cidade em 1890, onde residiu até 1897. Ali desenvolveu um grande interesse cognitivo e uma conseqüente atividade literário-filosófica, sendo dessa época sua obra fundamental A filosofia da liberdade (1894). Após alguns anos em Berlim como redator literário, passou a dedicar-se a uma intensa atividade de conferencista e escritor, no intuito de expor e divulgar os resultados de suas pesquisa científico-espirituais, de início no âmbito da Sociedade Teosófica e mais tarde da Sociedade Antroposófica, por ele fundada. Steiner morreu em Dornach (Suíça), em 1925, deixando extraordinárias contribuições nos campos das artes, da organização social, da pedagogia (Waldorf), da medicina, da farmacologia, da agricultura, da pedagogia curativa, etc.




Breve Biografia de Rudolf Steiner

     Aos vinte e sete dias do mês de fevereiro, do ano de mil oitocentos e sessenta e um, nasce em Kraljevec, Áutria/Hungria, Rudolf Steiner. Primeiro filho do ferroviário Joham, viveu nesta cidade até um ano e mio de idade.


     Até os oito anos de idade, Steiner morou em Pottschach, Áustria. Uma cidade de natureza abundante. A família, de condições modestas, com mais um casal de filhos, morava no edifício da estação de trens, de onde Steiner convivia com a natureza e a tecnologia da época.
     Seu pai, por força da profissão, foi transferido, novamente, para uma aldeia de Neudörfl, nos Alpes. Local também de natureza farta, acolheu o menino Steiner dando-lhe condições de desfrutá-la. Nesta mesma cidade Steiner passou a freqüentar a escola, já que até esta idade seu pai se encarregou pessoalmente de sua educação devido uma briga com o professor.
     Aos nove anos, quando entrou em contato com a geometria, Steiner ficou tão encantado, que dizia ter encontrado a felicidade pela primeira vez em sua vida.
     Uma pequena observação se faz ao menino Steiner, que aos oito anos de idade teve despertada a sua paranormalidade, mas a manteve em segredo devido aos preconceitos da época. Para integrar o seu dom, mantendo a lucidez, julgou ser necessário ter uma visão concreta da realidade e para isso entregou-se aos estudos da matemática, ciências naturais e filosofia.
     A partir do décimo ano de vida, passou a freqüentar o Liceu em uma cidade próxima a de sua moradia chamada Wiener-Neustadt. No seu mundo matemático, em pouco tempo dominou sozinho cálculo integral, e por ser autodidata adquiriu outros conhecimentos na área da matemática como estatística e geometria descritiva, esta última a sua grande paixão. Reconhecido pelo Liceu por seus feitos como estudante, recebeu uma nota que jamais havia sido dada pela instituição.
     Aproximadamente aos quatorze anos, lendo uma obra filosófica de Kant (A Crítica da Razão Pura), estudou profundamente a filosofia kantiana, sem deixar seus estudos pela matemática e ciências naturais.
     Gradua-se no Liceu com nota exemplar, aos dezoito anos e matricula-se na Escola Politécnica de Viena, aconselhado por seu pai. Entre o término no Liceu e o começo na Escola Politécnica, Steiner prosseguiu seus estudos sobre filosofia completando sua leitura sobre Kant e partindo para Fichte, Hegel e Schelling, com esses estudos queria ligar o domínio supranatural à natureza, mantendo ainda em segredo seu dom paranormal.
     Já com uma boa base em seus estudos, o seu objetivo era se contrapor ao mundo materialista e as idéias científicas do meio do século XIX, e para este combate deveria ter um conhecimento profundo sobre esses assuntos para ser então, digno de expor o que era capaz de compreender.
     Entre 1890/97, trabalhou como colaborador do Arquivo Schiller-Goethe com a edição dos escritos goethianos. Deste ponto foi dada a partida para seu vôo solo sendo autor e editor do prólogo da primeira edição das Obras Científicas Completas de Goethe, sendo também dessa época a sua obra fundamental: A Filosofia da Liberdade (1894).
     Após alguns anos em Berlim, dedicou-se a atividade de conferencista e escritor com a finalidade de divulgar os resultados de sua pesquisa científico-espiritual, fazendo-as na Sociedade Teosófica e mais tarde na Sociedade Antroposófica (1913), esta última fundada por ele tendo como colaboradora Marie von Sievers, com quem se casaria em 1914, passando a se chamar Marie Steiner.
     Em 1919, Steiner foi convidado por Emil Moet, proprietário da Fábrica de Cigarros Waldorf-Astória, para uma série de palestras para os trabalhadores de sua fábrica. Com uma boa receptividade do trabalho, os trabalhadores solicitaram a Steiner que fundasse e dirigisse uma escola para seus filhos já com o apoio e financiamento de Emil Moet.
     Steiner concordou com a idéia dos trabalhadores, colocando como condições que a escola seria aberta para todas as crianças, que tivesse um currículo unificado de doze anos e que os professores também compactuassem de seu ideal.
     Fechado o acordo entre Emil Moet e Rudolf Steiner, aos sete dias do mês de setembro de mil novecentos e dezenove, foi aberta a Primeira Escola Waldorf - Die Freie Waldorfschule (A Escola Waldorf Livre), em Stuttgard, Alemanha, onde existe até os dias de hoje.
     Em trinta de março de mil novecentos e vinte e cinco, falece aos sessenta e quatro anos, em Dornach, Suíça, deixando extraordinárias contribuições em diversos campos da arte, medicina, farmacologia, agricultura, vida social, pedagogia (Waldorf e Curativa), arquitetura e teologia, dentre outros feitos.

Catálogo: groups -> 24662337
groups -> 14-1 Ciclo de conversão de caixa
groups -> Gerência 5 recursos humanos 7 comercial 9 contábil/fiscal/financeira 20 tele(marketing) 27 atendente 29 design/publicidade/comunicaçÃO 30 informática 31 comércio exterior 36 logística / almoxarifado / expediçÃO 36 engenharia 41 projetos
groups -> Formado ou cursando Contábeis, Administração, Economia, Direito. Rotinas e experiência de constituição de Empresas, conhecimento de órgãos públicos. Salário à combinar + vr +VT, horário comercial. Bairro São Francisco
groups -> 1 Para o trabalhador avulso, pode ser considerado como salário de contribuição: a as gorjetas
groups -> Logo correta é a letra "C"
groups -> Introdução
groups -> O conceito, a doutrina e as origens do cooperativismo
groups -> Marshall berman tudo que é SÓlido desmancha no ar a aventura da modernidade
groups -> 1 concurso de pessoas
24662337 -> Os pressupostos teóricos de matthew lipman


Compartilhe com seus amigos:
1   2   3   4


©principo.org 2019
enviar mensagem

    Página principal