Península dos báLCÃs ana Lúcia Loureiro Sampaio



Baixar 13.58 Kb.
Encontro29.07.2016
Tamanho13.58 Kb.
PENÍNSULA DOS BÁLCÃS

Ana Lúcia Loureiro Sampaio

Gosto muito das idéias que me dão e procuro colocá-las em prática, na medida do possível e quando se faz oportuno. Muito obrigada pelas críticas e pelas palavras de estímulo. Tudo isso é muito bom, a fim de aprimorar esta proposta de estudo de História e Geografia, que nos permitirá entender melhor os selos dos países e o mundo em que vivemos.

Vocês todos já sabem que estamos tratando de conhecer melhor os novos países, ou melhor, que pensamos ser novos, situados na Península dos Bálcãs ou Península Balcânica.

Mas não havíamos ainda, estudado mais a fundo, para saber o que é essa península. Pois é gente, faz falta, agora, um mapa, mas dentro de pouco tempo esse problema estará resolvido; e vocês vão ter uma bela surpresa.

Mas voltemos a Península dos Bálcãs, que é o nosso problema no presente momento. Pensem no mapa da Europa, imaginem a “bota” que é a Itália, pendurada na Europa Ocidental e mergulhando no mar Mediterrâneo (essa todo mundo conhece); logo ao lado direito, há um outro apêndice bem mais largo e menos protuberante que acompanha quase que paralelamente toda a extensão da “bota”, terminando também no mar Mediterrâneo; lembra um vulcão de cabeça para baixo com a Grécia ladeando a cratera e as ilhas gregas servindo de fumaça. Este vulcão é a Península dos Bálcãs e, sua história também não é muito diferente dessa imagem.

O nome da península é devido a um grande maciço da Bulgária, os montes Bálcãs no nordeste dessa península. O mar estreito que fica entre as penínsulas, Itálica e Balcânica, chama-se Adriático e o que banha o litoral oeste da Península Balcânica (Bulgária e a Turquia) é o mar Negro.

Na Península Balcânica, atualmente, estão os seguintes países: Eslovênia, Croácia, Bósnia-Herzegóvina, Montenegro, Albânia, Kosovo, Sérvia, parte da Romênia (sul), Bulgária, Macedônia, Grécia e Turquia (parte européia).

É a mais oriental das penínsulas mediterrâneas, situada entre o os mares Adriático e Negro, ao sul dos vales dos rios Sava e Danúbio, e separando, no extremo Sul o Mediterrâneo ocidental, do Mediterrâneo oriental, por meio de diversas ilhas e pequenas penínsulas espalhadas.

É povoada por mais de 50.000.000 de habitantes de diversas etnias, religiões, hábitos e costumes. O clima é mediterrâneo no litoral e nas ilhas e predominantemente continental no interior em especial ao leste. Trata-se de um ponto estratégico; a porta da Ásia e do Mediterrâneo oriental. A península é dividida politicamente em países diferentes, porém apresenta características econômicas semelhantes; concentração de agricultura na planície, às vezes irrigada, ligada ao despovoamento da montanha. Exploração de minérios principalmente não ferrosos e urbanização sempre crescente. A relativa industrialização e o desenvolvimento do turismo não impedem a falta de empregos e a imigração; principalmente de gregos e turcos.

A península foi no curso da História um cadinho onde se fundiram povos vindos do Norte e do Leste. Os ilírios e os trácios já lá estavam desde os tempos pré-históricos, vieram os aqueus, depois os dórios no II milênio AC e os celtas no século IV AC. Ocupada pelos romanos no século II AC, que chegaram até o Danúbio, a península foi dividida em várias províncias depois agrupadas na prefeitura da Ilíria que quando ocorreu a divisão do Império ficou com a parte do Império Romano oriental de Constantinopla. Os germanos, lombardos e ávaros instalaram-se na região e a partir do século VI foram sendo substituídos por outros povos vindos da Ásia; uns de origem eslava (sérvios e croatas) outros eslavizados (búlgaros de origem tártara). Esses povos expulsaram para as regiões montanhosas a população autóctone; isto é nativa, ainda existente; como os albaneses, e deram origem a Estados. Dois impérios búlgaros nos séculos X a XII e ao reino da Sérvia nos séculos XII a XIV. Entretanto, antagonismos nacionais, oposições religiosas, e múltiplas tradições culturais muito diversificadas, fomentaram inúmeros conflitos e impedindo que a região tivesse estabilidade política e coesão. Dessa forma, não foi possível resistir à invasão dos turcos otomanos.

A península ficou sob domínio político e religioso (islamismo) dos turcos até o final do século XVII Quando a Europa Cristã lançou-se a reconquista desse território, principalmente por iniciativa da Áustria e da Rússia. Mas as divergências entre essas duas potências provocaram uma série de conflitos e escaramuças que envolveram as grandes potências européias, iniciando um longo período de instabilidade que durou até as duas Guerras Mundias no século XX.

Aproveitando essas rivalidades das nações européias e a derrocada dos otomanos, os povos balcânicos recuperaram a independência; a Grécia e a Sérvia em 1830, os principados romenos de Valáquia e Moldávia em 1856 e a Bulgária em 1878. Em seguida disputaram entre si os despojos do Império Otomano na península. No começo do século XX esses conflitos contribuíram para desencadear a I ª Guerra Mundial, durante a qual a península, com exceção da Grécia foi ocupada pelas potências centrais (Império Austro-Húngaro). Os tratados de 1919 e 1920, concebidos segundo o princípio das nacionalidades, criaram a Iugoslávia, formada pela reunião dos países sérvios. No fim da II ª Guerra Mundial, que reavivou velhas hostilidades fundiu-se toda a Iugoslávia na península, deixando de lado apenas a Grécia, a Turquia, a Albânia e a Bulgária estas últimas, alinharam-se ao grande bloco da União Soviética e aos demais países socialistas da Europa do Leste. A Grécia e a Turquia se reaproximaram das potências ocidentais. A Iugoslávia, a princípio esteve alinhada á União Soviética, mas logo se tornou independente da União soviética e demais países do bloco comunista, apesar de manter um governo de regime socialista sob a mão de ferro do marechal Tio, que conseguiu segurar toda e mistura de etnias, religiões.

Às vezes é preciso voltar muito na História, como fizemos hoje, para poder situar um ou mais povos no tempo e no espaço para que se possa entender o presente. Falei apenas das situações principais, para se traçar um esboço rápido e nos permitir entender tantas diferenças e tantas dificuldades e desentendimentos entre países e povos vizinhos espremidos num espaço tão pequeno do nosso planeta.

Antes de falar da Eslovênia e da Croácia; deveria ter tentado explicar, como é e como se desenvolveu a península em que esses países estão. Parece-me, que por lá, até bem pouco tempo, nunca houve realmente um momento de paz, de satisfação e principalmente de liberdade. Espero que agora, com todos independentes uns dos outros, possam crescer, progredir, prosperar e principalmente estarem em paz uns com os outros.

Quanto mais leio, mais estudo e pesquiso, vou tendo uma sensação cada vez maior e mais triste de que nós aqui da Terra, somos ainda muito atrasados e muito ignorantes. Não é só aquela infeliz península que viveu até bem pouco tempo, estropiada, aos trancos e barrancos; é o mundo inteiro, gente! É um querendo comer o outro; basta voltarmos nossos olhos para o Oriente Médio, onde israelenses e palestinos jamais chegam a um acordo e acho que desde que o mundo é mundo vivem se matando ( basta ler a Bíblia para saber). Os americanos e iraquianos se destroçam em nome de uma liberdade, de uma democracia ou, sei lá do que! Destruíram uma cidade histórica, linda como Bagdá, da qual restam apenas ruínas e, quanta gente já morreu e continua morrendo a cada dia! É ignorância mesmo, bestialidade, atraso!

É isso, meus queridos, a Península dos Bálcãs deu bem no que pensar. Para que tanto sectarismo, se todos nós somos irmãos, filhos de um mesmo Pai?



Da próxima vez vamos estudar a Sérvia. Aguardo, como sempre, as suas sugestões, críticas e correções. São elas que irão fazer nosso estudo melhor.


©principo.org 2016
enviar mensagem

    Página principal