Pequeno porém decente Estudo sobre Fé Welington Coorporation


O Sacerdócio e o ministério de Intercessão



Baixar 303.32 Kb.
Página8/10
Encontro02.08.2016
Tamanho303.32 Kb.
1   2   3   4   5   6   7   8   9   10

O Sacerdócio e o ministério de Intercessão


1 “Ao terceiro dia Ester se vestiu de trajes reais, e se pôs no pátio interior do palácio do rei, defronte da sala do rei; e o rei estava assentado sobre o seu trono, na sala real, defronte da entrada.”

2 “E sucedeu que, vendo o rei à rainha Ester, que estava em pé no pátio, ela alcançou o favor dele; e o rei estendeu para Ester o cetro de ouro que tinha na sua mão. Ester, pois, chegou-se e tocou na ponta do cetro.”

3 “Então o rei lhe disse: O que é, rainha Ester? qual é a tua petição? Até metade do reino se te dará.”

4 “Ester respondeu: Se parecer bem ao rei, venha hoje com Hamã ao banquete que tenho preparado para o rei.”

5 “Então disse o rei: Fazei Hamã apressar-se, para que se cumpra a vontade de Ester. Vieram, pois, o rei e Hamã ao banquete que Ester tinha preparado.”




  • Realizar seu ofício sacerdotal. Interceder. Lutar com Deus. Arrazoar. Jamais desistir. O intercessor SÓ RECUA COM ORDEM DIRETA DE DEUS (E AS VEZES NEM ASSIM). A dor e a compaixão são produtos da Operação de Deus no coração do Intercessor. Enquanto existir dor, o que vale é " Todas as promessas de Deus nele são sim." O intercessor se coloca entre Deus e os homens. E sempre do lado mais fraco. Não importa-lhe conhecer a vontade de Deus para uma situação. Importa-lhe amar e lutar.

Pv:31:8:


Abre a tua boca a favor do mudo, pela causa de todos que são designados à destruição.

Pv:31:9:


Abre a tua boca; julga retamente; e faze justiça aos pobres e aos necessitados.

Ecl:5:6:


Não consintas que a tua boca faça pecar a tua carne, nem digas diante do anjo que foi erro; por que razão se iraria Deus contra a tua voz, e destruiria a obra das tuas mãos?

O que é Intercessão


Colocar-se entre duas pessoas, interpelar em favor de terceiros. Apelar numa corte de justiça por um cliente, pelo réu, ao juiz. Solicitar um benefício de um governante para alguém. Se colocar entre Deus e o homem, como intermediário. O ofício de intercessão dos crentes em cristo é um ofício sacerdotal, possui várias qualidades inerentes ao cargo.



  • O intercessor é chamado e ordenado por Deus. Ele tem uma nomeação para o cargo.

Apc:5:10:

E para o nosso Deus os fizeste reis e sacerdotes; e eles reinarão sobre a terra.




  • Ele é possui cooperação do ministério de Intercessão de Cristo. (conforme hebreus)

  • Esse cargo é vitalício. Todo crente é Sacerdote.


O que é Intercessão

Colocar-se entre duas pessoas, interpelar em favor de terceiros. Apelar numa corte de justiça por um cliente, pelo réu, ao juiz. Solicitar um benefício de um governante para alguém. Se colocar entre Deus e o homem, como intermediário. O ofício de intercessão dos crentes em cristo é um ofício sacerdotal, possui várias qualidades inerentes ao cargo.

  • O intercessor é chamado e ordenado por Deus. Ele tem uma nomeação para o cargo.

Apc: 5:10:

E para o nosso Deus os fizeste reis e sacerdotes; e eles reinarão sobre a terra.

  • Ele é possui cooperação do ministério de Intercessão de Cristo. (conforme hebreus)

  • Esse cargo é vitalício. Todo crente é Sacerdote.

O intercessor é o único ministério em que conhecer de antemão a vontade de Deus não é essencial para definir uma situação. O ministério do intercessor é LUTAR por uma causa, LUTAR pela VIDA, pela MANIFESTAÇÃO DO PODER, PELO LIVRAMENTO, PELA RESTAURAÇÃO, PELA CURA. O intercessor não se resigna diante de nenhuma adversidade, de nehuma situação e não aceita como vontade de DEUS nenhuma coisa que angustie seu coração. Um intercessor só para de interceder por algo que esteja destruindo vidas, se DEUS o PARAR, e o fizer de modo SOBRENATURAL. Por definição, o diabo veio para ROUBAR, MATAR e DESTRUIR. Normalmente uma situação em que haja perda da capacidade de viver, seja pela enfermidade, depressão, onde houver destruição da vontade de viver e por fim a morte, seja ela espiritual ou real, já terá elementos SUFICIENTES para considerá-la de origem maligna.

A Avaliação de um intercessor não é baseada em conceitos de teologia, ele não diz: “seja feita ó Deus a sua vontade” porque a sua função é questionar através da intercessão a qualquer situação suspeita, tendo PLENO AVAL DIVINO para assim fazer continuamente. O não saber a vontade de Deus para alguma situação para o INTERCESSOR é o que basta para CONTINUAR LUTANDO até que a situação se resolva.

O intercessor não necessita conhecer de antemão ou respeitar a vontade daquele por quem levanta a sua intercessão. Não respeita, a vontade humana. Se alguém quiser ir para o inferno, terá que lutar contra o intercessor.

O intercessor não leva em consideração nem o que ele entende como vontade de Deus, e nem o que a vontade dos homens manifesta Quando procede assim é porque faz parte de seu ofício, sendo o ato de interceder desígnio da vontade de Deus estabelecido nas Escrituras. O INTERCESSOR recebe de Deus o poder a força necessária para realizar seu ofício.

Esta é a maior revelação sobre o ministério de intercessão. A intercessão é a resposta de Deus para a burrice e inconsistência humana, para sua teimosia, resguardadas (infelizmente) pela capacidade do homem de recusar a vontade de Deus, resguardadas pelo livre arbítrio ao qual Deus não pode ultrapassar sobre a pena de corromper suas próprias leis.

O intercessor é homem, pode agir sobre a vontade humana. Assim como podemos "forçar" o amigo a desistir da droga, bater no irmão porque bebeu demais ou gritar e impedir a conduta imprópria de um filho. Assim como a namorada pode EXIGIR respeito e consideração para o namorado, assim como a esposa pode EXIGIR a fidelidade do marido. O intercessor EXIGE que o obstinado seja impedido de continuar sua descida sem retorno.

O intercessor é a rocha entre o obstinado e o inferno.

O papel do intercessor é de um filho que educadamente, mais com firmeza absoluta REIVINDICA as promessas que lhe são LEGADO e HERANÇA divina das mãso do PAI, e que com relação ás obras de Satanás, EXIGE que sejam destruídas. O crente não pede com gentileza aos demonios que saiam. Ele ORDENA. Do mesmo modo Ele não age como lama, pó ou um miserável diante de DEUS, porque agiria FALSAMENTE, CONTRARIANDO as Escrituras quanto aquilo que ele é em Cristo, quando invoca ou intercede. Ainda que num momento de desespero e dor o crente chore, suplique, clame a Deus que o socorra JAMAIS TEM O DIREITO DE FAZER TAL COISA DESPREZANDO AQUILO QUE É. Mesmo na fraqueza, ele continua sendo filho, nunca um desgraçado, ainda que se sinta como tal. A oração intercessora não é despida de humildade, mas não é revestida de lamúria. O crente ao mesmo tempo que diz, preciso de ti, sem ti não sou nada, é forçado pelas escrituras a declarar que possue direitos pelo sangue derramado, que tem acesso as promessas, que foi ADOTADO, que é reino, que é sacerdócio, que é herdeiro. Que está ESCRITO. Deus não se ofende quando questionado sobre suas promessas. Deus não se entristece quando crentes invocam a sua Palavra. Mas milhares tem ofendido a Deus por orarem como mortos, pre-destinados a destruição, como se não fossem responsáveis por realizações eternas e coparticipantes das riquezas celestiais. Todo pastor que ensina que os crentes em Cristo não possuem direitos são tão mentirosos quanto áqueles que ensinam que este pode mandar em Deus. Se o crente mentir sobre o que é, sua oração terrá pouca eficácia.

Gn: 32:28:

Então disse: Não te chamarás mais Jacó, mas Israel; pois como príncipe lutaste com Deus e com os homens, e prevaleceste.


Meu amado irmão em Cristo.

Rogo contempla a profundidade deste chamado. Temos o nome de Israel sobre nós. Este nome profético simboliza nosso ministério de Intercessão.


Rom:9:8:

Isto é, não são os filhos da carne que são filhos de Deus, mas os filhos da promessa são contados como descendência.

Ef:2:12:

Que naquele tempo estáveis sem Cristo, separados da comunidade de Israel, e estranhos às alianças da promessa, não tendo esperança, e sem Deus no mundo.

Ef:2:13:

Mas agora em Cristo Jesus, vós, que antes estáveis longe, já pelo sangue de Cristo chegastes perto.

Ef:2:14:

Porque ele é a nossa paz, o qual de ambos os povos fez um; e, derrubando a parede de separação que estava no meio,

Ef:2:20:

Edificados sobre o fundamento dos apóstolos e dos profetas, de que Jesus Cristo é a principal pedra da esquina;


Fiz questão de pegar todos os textos acima. Somos Israel. Somos filhos de Abraão. Parentes de Isaque. Descendentes de Jacó. Nosso pai Jacó lutou a noite toda com DEUS, no vau de jaboque e venceu.
Paradoxos
Moisés também lutou, demandou, arrazoou, INTERCEDEU diante de Deus, quando o povo pecou:

Ex:32:9:


Disse mais o SENHOR a Moisés: Tenho visto a este povo, e eis que é povo de dura cerviz.

Ex:32:10:

Agora, pois, deixa-me, para que o meu furor se acenda contra ele, e o consuma; e eu farei de ti uma grande nação.

Ex:32:11:

Moisés, porém, suplicou ao SENHOR seu Deus e disse: Ó SENHOR, por que se acende o teu furor contra o teu povo, que tiraste da terra do Egito com grande força e com forte mão?

Ex:32:12:

Por que hão de falar os egípcios, dizendo: Para mal os tirou, para matá-los nos montes, e para destruí-los da face da terra? Torna-te do furor da tua ira, e arrepende-te deste mal contra o teu povo.
Moisés se coloca entre Deus e o Povo pecador. Essa é a posição do intercessor, e a maior característica do SACERDÓCIO, INTERMEDIAR, tomar partido a favor de alguém que necessita de graça para não perecer. O povo não MERECIA ao Deus que os libertára, ingratos, adoradores de ídolos. Infiéis. O sacerdote não pesa a CULPA de homens, mas sua NECESSIDADE de graça, de justiça, de perdão. Ele ADVOGA uma causa, seja contra DEUS, seja contra homens.

Era desejo real de Deus matar a toda uma nação? Não. Mas suas faltas eram tremendas e justificariam plenamente o abandono. O desejo divino de abençoar estava tolhido pela intransigencia humana. Se continuassem a viver aquele tipo de vida, o tabernáculo, o sacerdócio, as ofertas, o ministério profético, as práticas da Lei, tudo seria em vão. O salário do pecado é a morte, é a separação de Deus, é a impossibilidade da operação do poder de Deus, é a finaização antecipada de planos que conduzem para a vida eterna. Quando Deus emite aquela “sentença”, é como uma declaração de que assemelha a rejeição de um marido á sua esposa, de um pai a seus filhos, de um rei à seus súditos. Era uma declaração de indignidade, de perda de compromisso.
Ex:32:9:

Disse mais o SENHOR a Moisés: Tenho visto a este povo, e eis que é povo de dura cerviz.

Ex:32:10:

Agora, pois, deixa-me, para que o meu furor se acenda contra ele, e o consuma; e eu farei de ti uma grande nação.


Essa palavra ecoaria nas gerações futuras, assim como nos ouvidos de todos aqueles que a escutaram por todos os dias de sua vida. Deus os declara incrédulos, os declara insensíveis. E essa situação não pode continuar, porque seria como se estivessem mortos, porque a insensibilidade espiritual se assemelha a morte.
Deus aguarda uma resposta de um intercessor. Ele provocou uma atitude de alguém. Ele PROVOCOU a Israel, uma nação que possue uma PROMESSA dada a Abraão, Repetida a Isaque, Confirmada em Jacó...

Eles possuem direitos que lhes são anteriores ao nascimento, uma palavra que lhes fora dada pelo mesmo DEUS quatrocentos e cinquenta anos antes, quando nenhum deles ainda existia, fortalecida por um juramento.


Gen 26:3 peregrina nesta terra, e serei contigo e te abençoarei; porque a ti, e aos que descenderem de ti, darei todas estas terras, e confirmarei o juramento que fiz a Abraão teu pai;
Planos de Deus não ocorrem sem a atuação de intercessores. Deus aguarda a manifestação de homens que intercedam. Realidades proféticas podem ser impedidas pela iniquidade humana. O futuro é fruto pode ser muitas vezes o resultado de uma intercessão. A intercessão mudará o curso da história, retomará a direção, destruirá o poder do pecado, aniquilará o peso da acusação, reivindicará motivos do coração de Deus, reclamará as promessas, se firmará na visão de que DEUS é um Deus que abençoa, que possui PLANOS de BONDADE, que concede VITÓRIA, que traduz seus gestos em PAZ, que confirma a caminhada de seus servos com ALEGRIA. Que transforma o pranto em regozijo, a tristeza em folguedo, a destruição em vida, a morte em ressurreição, e o desastre em um milagre de dimensões inusitadas.

Perceba que o intercessor não raciocina, pesa, considera, medita, sobre o que é ou deixa de ser a vontade de Deus para uma determinada situação. A vontade de Deus não lhe é revelada a um intercessor mediante palavras, textos, raciocínio, conjecturas, assimilações. Existe uma voz no seu coração, um sentimento, um peso que vai além da LINGUAGEM. Seu chamado é a de alguém que não se intimida com realidades, ainda que sejam profética. Não pensa sobre o que é ou deixa de ser o limite de pecaminosidade humana. Não se intimida pela excessiva dignidade divina ou pela total ausência da mesma por parte da terceira parte. O intercessor é chamado para questionar a Deus. Para intermediar, para indignar-se contra uma situação de dor, ou qualquer que envolva o próximo numa situação inferior a si mesmo. Deus dá uma ordem a Moisés, concede-lhe uma promessa e mesmo assim Moisés declara a DEUS o QUE SENTE E O QUE PENSA da situação. E Deus RESPEITA a decisão de Moisés.
Ex:32:10:

Agora, pois, deixa-me, para que o meu furor se acenda contra ele, e o consuma; e eu farei de ti uma grande nação.

Ex:32:11:
Observe que DEUS considera a Moisés de tal modo que NÃO REALIZARÁ O QUE ESTÁ DIZENDO SE NÃO HOUVER A CONCORDANCIA DO INTERCESSOR.
Existem vários significados ocultos neste texto.
Um deles é de que o Espírito santo não poderá realizar coisas além daquelas que seus ministros CONCORDAREM. A IGREJA MORRE NA INCREDULIDADE DE SEUS ADMINISTRADORES.

A outra é que HÁ UM COMPROMISSO ASSUMIDO ENTRE DEUS E A SUA IGREJA. A operação de Deus é limitada pela liberdade que damos para que ele atue. A fé é tolhida pela teologia, os milagres pela imcompreensão do papel da igreja. Nós não somos menores do que aquilo que as Escrituras declaram a nosso respeito. Nossos papéis não são inferiores aos que são CONCEDIDOS por Deus as nossas vidas por intermédio do seu Espírito. Deus não espera nada menos do que OUSADIA e CORAGEM de intercessores. Não existe ministério de intercessão sem OUSADIA, sem CORAGEM, sem DESAFIO, sem ARGUMENTAÇÃO, sem EXPOSIÇÃO a DEUS de suas promessas.


Exo 32:11 Moisés, porém, suplicou ao Senhor seu Deus, e disse: ó Senhor, por que se acende a tua ira contra o teu povo, que tiraste da terra do Egito com grande força e com forte mão?

Exo 32:12 Por que hão de falar os egípcios, dizendo: Para mal os tirou, para matá-los nos montes, e para destruí-los da face da terra?. Torna-te da tua ardente ira, e arrepende-te deste mal contra o teu povo.

Exo 32:13 Lembra-te de Abraão, de Isaque, e de Israel, teus servos, aos quais por ti mesmo juraste, e lhes disseste: Multiplicarei os vossos descendentes como as estrelas do céu, e lhes darei toda esta terra de que tenho falado, e eles a possuirão por herança para sempre.
Exo 32:14 Então o Senhor se arrependeu do mal que dissera que havia de fazer ao seu povo.
Veja que é uma SÚPLICA, e mesmo SUPLICANDO Moisés não abre mão DE CITAR O JURAMENTO E A PROMESSA DE DEUS.
O intercessor não olha para si. Olha para a PALAVRA. Ele conhece suas fraquezas, e quando intercede por si até pode lembra-las a DEUS. Mas a base para a intercessão milagrosa é a JUSTIÇA de DEUS e não a sua MISERICÓRDIA. O intercessor depende da misericórdia de Deus, mas não ora baseado nela. O intercessor depende da vontade de Deus, mas não ora baseado nela. Ele ora baseado no que entende como justo. Ele reivindica livramento do que lhe trás sofrimento. Ele COMBATE a tudo que compreende como injusto e maligno na vida de outra pessoa. O mistério da intercessão se BASEIA NA MISERICÒRDIA, que já foi estabelecida numa cruz com base na tortura e na morte de Jesus. Mas o que esta reivindica é JUÌZO, JUSTIÇA. A morte de Cristo concede DIREITO ao crente de DESTRUIR obras malignas. A opressão, a injustiça, os espíritos de enfermidade, a cura milagrosa, os sinais e prodígios na terra são frutos de uma sentença sobre o inferno. Os milagres, sinais e prodígios são produtos da justiça, são benefícios da justiça que vem pela fé. Deus considera como JUSTIÇA um milagre. A resposta a oração de crentes em Cristo é considerado como algo JUSTO diante de DEUS.

O intercessor só existe como um arranjo da graça, este é o significado maior do sacerdócio, ele é considerado com misericórdia por Deus, mas sua fé é baseada em promessas, em compromissos que DEUS assumiu diante dos anjos, homens e demónios, compromissos selados com o sangue do calvário, firmados em juramentos, em promessas, e no mistério da fé. A fé jamais deixará de mover o coração de Deus. A firme convicção de que ele QUER fazer o que prometeu através de todos os seus profetas, através de CRISTO e através do seu Espírito é a base normal da oração intercessora.


Moisés seguiu o conselho de Jó:
Jo:23:4:

Exporia ante ele a minha causa, e a minha boca encheria de argumentos.
Moisés não meditou na onipotência de Deus. O chão tremia. Os trovões rasgavam os céus. O firmamento se encheu de fogo e de fumaça espessa. A voz de Deus estremeceu a eternidade.

O Senhor diz: DEIXA-ME.

Deixa-me, deixa que meu furor se acenda.

DEUS PEDE PASSAGEM, PEDE PERMISSÃO. LEIA DE NOVO.



DEIXA-ME

Ex:32:10:

Agora, pois, deixa-me, para que o meu furor se acenda contra ele, e o consuma; e eu farei de ti uma grande nação.

E Moisés diz não.

Somos intercessores. Como uma ursa cujos filhotes foram roubados. Rugindo como o leão faminto. Tubarões quando sentem o cheiro do sangue da vítima. Só nos importa a libertação do aflito e a preservação para a vida. Este é o significado do ministério de intercessão. Uma igreja intercessora, só recua da benção, morta. Por mais ousada, absurda e descabida que possa (e é) parecer esta declaração, Deus não pode passar por cima de um intercessor, necessita que pedir passagem.

Não que necessite. Ele o faz porque é esse o arranjo que predeterminou para si, como figura do sacerdócio que AGORA Jesus exerce. A AUTORIDADE de um intercessor não vem de sua humanidade. VEM de CRISTO. Cristo está a direita de Deus Pai, e é ele que LEGITIMA a situação. Se Deus não ouvir um intercessor que ora com sinceridade, é como se desprezasse seu FILHO que recebeu o que? TODA A AUTORIDADE. Se Deus passa por cima de um intercessor, e este repreenta a JESUS em seu ministério de intercessão, é como se o Pai negasse a eu próprio Filho. Nós não somos JESUS, nós representamos a Jesus. Significa que DEUS LEVARÁ EM CONSIDERAÇÃO a nossa intercessão no DESENVOLVIMENTO de seus PLANOS!!!

Semelhante ao que faz com o profeta, em que nada Ele faz sem compartilhar, sem aviso prévio. Para passar Deus tem que lutar. A luta simboliza o ESCLARECIMENTO de Deus, às nossas petições.

É o PROCESSO JUDICIAL em que EXPOMOS nossos argumentos. Gritamos. Choramos. Reclamamos. Rasgamos nossos corações. Gritamos na face de Deus suas promessas, ou sussurramos aos seus ouvidos os nossos porquês, nossos motivos e razões.



O crente quando ora é como uma criança. Mas, quando intercede, deve se portar como um samurai.
É um guerreiro de Deus.
É um homem de verdade. É um muro intransponível. É uma muralha.

Uma força cósmica, cuja fonte tem endereço – Direita do trono de Deus – e possui um nome – O nome de Jesus.


Observações:
Faz parte de seu ofício.
SE O JUSTO RECUAR EU NÃO TENHO PRAZER... NELE... Amém.

Rom:9:8:


Isto é, não são os filhos da carne que são filhos de Deus, mas os filhos da promessa são contados como descendência.

Ef:2:12:


Que naquele tempo estáveis sem Cristo, separados da comunidade de Israel, e estranhos às alianças da promessa, não tendo esperança, e sem Deus no mundo.

Ef:2:13:


Mas agora em Cristo Jesus, vós, que antes estáveis longe, já pelo sangue de Cristo chegastes perto.

Ef:2:14:


Porque ele é a nossa paz, o qual de ambos os povos fez um; e, derrubando a parede de separação que estava no meio,

Ef:2:20:


Edificados sobre o fundamento dos apóstolos e dos profetas, de que Jesus Cristo é a principal pedra da esquina;
Fiz questão de pegar todos os textos acima. Somos Israel. Somos filhos de Abraão. Parentes de Isaque. Descendentes de Jacó. Nosso pai Jacó lutou a noite toda com DEUS, no vau de jaboque e venceu.

Moisés o fez quando o povo pecou:

Ex:32:9:

Disse mais o SENHOR a Moisés: Tenho visto a este povo, e eis que é povo de dura cerviz.

Ex:32:10:

Agora, pois, deixa-me, para que o meu furor se acenda contra ele, e o consuma; e eu farei de ti uma grande nação.

Ex:32:11:

Moisés, porém, suplicou ao SENHOR seu Deus e disse: Ó SENHOR, por que se acende o teu furor contra o teu povo, que tiraste da terra do Egito com grande força e com forte mão?

Ex:32:12:

Por que hão de falar os egípcios, dizendo: Para mal os tirou, para matá-los nos montes, e para destruí-los da face da terra? Torna-te do furor da tua ira, e arrepende-te deste mal contra o teu povo.

Moisés seguiu o conselho de Jó:

Jo:23:4:

Exporia ante ele a minha causa, e a minha boca encheria de argumentos.

Somos intercessores. Como a ursa cujos filhotes foram roubados. Rugindo como o leão faminto. Tubarões quando sentem o cheiro do sangue da vítima. Só nos importa a libertação do aflito e a preservação para a vida. Este é o significado do ministério de intercessão. Uma igreja intercessora, só recua da benção, morta. Deus não pode passar por cima de um intercessor, tem pedir passagem. Semelhante ao que faz com o profeta, em que nada Ele faz sem compartilhar, sem aviso prévio. Para passar Deus tem que lutar. A luta simboliza o ESCLARECIMENTO de Deus, às nossas petições. É o PROCESSO JUDICIAL em que EXPOMOS nossos argumentos. Gritamos. Choramos. Reclamamos. Rasgamos nossos corações. Gritamos na face de Deus suas promessas, ou sussurramos aos seus ouvidos os nossos porquês, nossos motivos e razões. O crente quando ora é uma criança. Mas quando intercede, é um samurai celestial. Um guerreiro de Deus. É um homem. É um muro. Uma muralha. Uma força cósmica.

Faz parte de seu ofício. SE O JUSTO RECUAR EU NÃO TENHO PRAZER NELE.

Amém.

O desejo de libertar os filhos da dor. Faz parte deste ministério
Apc:21:4:

E Deus limpará de seus olhos toda a lágrima; e não haverá mais morte, nem pranto, nem clamor, nem dor; porque já as primeiras coisas são passadas.


Este texto, abaixo, na verdade é uma coincidencia lingüistica para a língua portuguesa; na bíblia hebraica Dor não significa dor como no português, era um nome próprio de um reino antigo, inclusive deve ser palavra de origem cananita. Mas, a visão é acolhedora, pertinente ao estudo. Até por semelhanças lingüisticas podemos aprender algumas lições da bíblia.
Jos:12:7:

E estes são os reis da terra aos quais Josué e os filhos de Israel feriram aquém do Jordão para o ocidente, desde Baal-Gade, no vale do Líbano, até ao monte Halaque, que sobe a Seir; e Josué a deu às tribos de Israel em possessão, segundo as suas divisões.

Jos:12:23:

O rei de Dor no outeiro de Dor, outro; o rei de Goiim em Gilgal, outro;
Os filhos "daquele que luta com Deus"* feriram o rei da dor no outeiro da dor.


  • Israel em hebraico

Que possamos ferir o rei da dor no outeiro da dor. Vencer a Satanás, no monte cálvario, onde a dor do Salvador libertou a humanidade da dor.


Pv:15:13:

O coração alegre aformoseia o rosto, mas pela dor do coração o espírito se abate.

Pv:15:15:

Todos os dias do oprimido são maus, mas o coração alegre é um banquete contínuo.


  • A violência do Reino de Deus sobre as trevas, a sujeição do inferno. Tem luta. E muita. Situações de oposição, resistência maligna de modo inconcebível.



Compartilhe com seus amigos:
1   2   3   4   5   6   7   8   9   10


©principo.org 2019
enviar mensagem

    Página principal