Pesquisa e relatório da cpi comprovam eficiência e seriedade da Petros



Baixar 18.09 Kb.
Encontro24.07.2016
Tamanho18.09 Kb.
Pesquisa e relatório da CPI comprovam

eficiência e seriedade da Petros

Durante nove meses, a Petros e outros fundos de pensão sofreram a maior devassa da história do sistema de previdência complementar fechada. Sempre segura quanto aos seus procedimentos, essa diretoria agiu de pronto já na primeira denúncia sem fundamento publicada na imprensa e alimentada por fontes desqualificadas. A Fundação, que sempre manteve as portas abertas para os órgãos fiscalizadores do Executivo, Legislativo e Judiciário e imprensa, como mais uma forma de prestar contas aos seus participantes, às patrocinadoras e à sociedade em geral, para que recebessem com a maior agilidade possível os devidos esclarecimentos.


Em março último, pesquisa de satisfação, realizada pelo Instituto Coppead, da UFRJ – Universidade Federal do Rio de Janeiro, junto aos participantes e patrocinadoras da Petros, mostrou total confiança nesta administração. O levantamento aponta que 64,9% dos participantes estão satisfeitos ou muito satisfeitos com a Petros, enquanto 87,1% das patrocinadoras mostram-se satisfeitos ou muito satisfeitos. E, ao fim, a CPI dos Correios, via sub-relatoria dos fundos de pensão – depois de municiar a imprensa com denúncias recheadas de números e ilações fantasiosos – finalmente apresentou um relatório que não dá respaldo ao que jogou aos quatro ventos.
O relatório da CPI dos Correios, apresentado em 30 de março de 2006, também comprova a seriedade da Petros no trato do patrimônio de seus participantes. A maioria das acusações feitas à Petros não teve substância suficiente para constar do relatório e, nos casos onde a Fundação é citada, há erros crassos de informação ou interpretação. Veja alguns exemplos:

AUTOS DE INFRAÇÃO – Em razão da grande defasagem de datas em relação à operação, o destaque dos autos de infração da SPC – Secretaria de Previdência Complementar contra a Petros, na página 1696, induz que a gestão atual é quem teria cometido as irregularidades. O auto de infração de 03 de novembro de 2005 é relativo a aplicação que fora contabilizada como prejuízo no balanço da Fundação de 1999. O mesmo ocorre em relação a operação relativa ao consórcio Telemar, formado em 1998 na época da privatização, mas com auto de infração de 2004. O documento apresenta ainda uma lista de outras seis autuações contra a Petros, todas com eventos ocorridos antes de 2000.


O erro grave que o relatório incorre é o seguinte: autuação da SPC, ocorrida em 2003, inabilitou para o exercício da profissão, durante oito anos, quatro ex-dirigentes da Fundação. A punição se deu em razão de contrato lesivo da Petros com o Banco Opportunity, ocorrido em novembro de 1996, e compra de títulos precatórios do Estado de Santa Catarina, que se deu em outubro de 1996. O relatório não cita o caso.
2.

BANCO SANTOS - O relatório, em sua página 1224, cita que a Petros teria investimentos em debêntures do Banco Santos (Procid). No entanto, ao contrário do que afirma o documento, a Fundação desde 2002 não fez nenhuma aplicação neste banco ou em qualquer empresa pertencente ao grupo e não perdeu nenhum centavo com este banco.


BANCOS BMG E RURAL – As várias denúncias a respeito das aplicações nestes bancos igualmente não se sustentam, mas o relatório, em suas páginas 1348 e 1349, reprisa equívocos, mesmo após as constantes retificações solicitadas pela Petros. O documento soma erroneamente operações de renovação de CDBs, segundo critério equivocado estabelecido pelo próprio documento. Não foram atualizados os valores nominais das aplicações, de forma a sub-avaliar os volumes aplicados em 2000, 2001 e 2002. Não foram incluídas ainda neste documento cotas de FIFs que a Petros possuiu do BMG em 2000, 2001 e 2002. No entanto, incluiu, indevidamente, aplicação em cotas de FIF no valor de R$ 22,5 milhões, de 2004, que não existiu.
CONTRATO COM O CITIGROUP – O acordo entre os fundos de pensão e o Citigroup foi amplamente divulgado pelas fundações. A sua assinatura se deu, fundamentalmente, para proteger os investimentos realizados pelos fundos de pensão e assegurar o direito dos participantes destas entidades. As condições foram acordadas para que o Citigroup possa vir a exercer a opção de venda em duas destas empresas (Brasil Telecom e Telemar). Tais premissas foram definidas conforme avaliações técnicas e, principalmente, com valores semelhantes às ofertas já apresentadas por investidores interessados nas participações.

A CPI não se aprofundou nas investigações sobre as relações entre a BrT, quando da administração sob a responsabilidade do Opportunity, e as empresas DNA e SMP&B, com as quais a operadora chegou a assinar contratos no valor de R$ 50 milhões, rescindidos no primeiro semestre de 2005.


O relatório faz referência aos vultosos repasses financeiros feitos à DNA e SMP&B por duas outras empresas dirigidas por indicados de Daniel Dantas, a Telemig Celular e a Amazônia Celular, mas não explica se os R$ 158 milhões repassados pelas duas telefônicas corresponderam à realização de serviços.

FUNDO ASM -FCVS – Não houve perda para a Petros neste fundo, ao contrário do que infere o relatório suas páginas 1353, 1354 e 1355. Os valores das cotas respeitaram parâmetros de mercado e estão rendendo dentro do esperado, resultado comprovado pela CETIP, SPC e CVM.


3.

O fundo foi integralizado em março de 2005 e não em abril de 2004, e foi aprovado pela Diretoria Executiva da Petros após recomendação do Comitê de Investimentos da Fundação, sem qualquer ingerência externa. Este Comitê é integrado por três técnicos da área de Investimentos, dois representantes das duas maiores patrocinadoras (Petrobras e BR Distribuidora) e um representante dos participantes da Fundação. Portanto, a Fundação só efetuou a aplicação em março de 2005, após o banco Bradesco ter assumido a administração do fundo, ter realizado a auditoria dos contratos e verificado a situação legal de todos os documentos existentes.


GLOBALPREV – Desde julho de 2005, a Petros vem esclarecendo que os contratos junto à Globalprev foram realizados de forma estritamente legal, obedecendo à política de contratação da Fundação, que é aprovada pelo Conselho Deliberativo da entidade. De 2003 a 2005 a Petros despendeu R$ 3.514.647,87 em serviços de consultoria e auditoria atuarial prestados por cinco empresas. Desse total, os contratos com a Globalprev representaram R$ 515.457,36 (14,7% de todo o montante).
Um dos erros presentes no relatório é a afirmação, na página 1358, de que o senhor José Valdir Gomes era sócio da Globalprev em 2003, concomitantemente ao cargo de diretor da SPC – Secretaria de Previdência Complementar, o que não procede. O senhor José Valdir Gomes nunca foi sócio da Globalprev.

Não houve nenhum tipo de ingerência neste ou em qualquer outro contrato realizado pela entidade. A insinuação de que o ex-ministro Luiz Gushiken teria influenciado na contratação da empresa em razão de ser sócio de antecessora desta não se sustenta, restando à CPI indicar investigação pelo Ministério Público, sem qualquer prova de irregularidades.


NEGOCIAÇÃO DE TÍTULOS PÚBLICOS – Além de erros metodológicos no cálculo de pretensas perdas, o relatório apresenta dois erros grosseiros de datas a respeito de negociação com títulos públicos referentes a Petros. A confusão de datas atribui, de forma equivocada, estes hipotéticos erros à atual gestão da Petros.

Operação realizada em janeiro de 2002, que teria causado, segundo o relatório, perda de R$ 57.769,00, é apontada, na página 1412, como se tivesse ocorrido em 2004.

Outra operação que inverte datas é a referente a uma pretensa perda de R$ 139.100,00. O relatório afirma, na página 1405, que esta operação deu-se em 01 de julho de 2003, quando, na verdade, foi realizada em 07 de janeiro de 2003. O documento cita operações, realizadas por esta gestão junto à Laeta DTVM e Euro DTVM. A Petros não opera com estas duas corretoras há pelos menos cinco anos.
TELEMAR – A Petros esclareceu reiteradamente que, em razão de impedimento legal da Anatel, está afastada da participação na Telemar, desde 2001. Não tem, portanto, nenhuma influência em seus negócios e repudia qualquer ilação em contrário.

Diretoria Executiva


Petros – Fundação Petrobras de Seguridade Social
Rua do Ouvidor nº 98 – 6º andar – Centro – CEP 20040-030 – Rio de Janeiro – RJ – Brasil

portal: http://www.petros.com.br – e-mail:jp@petros.com.br



atendimento: 0800-560055 – ouvidoria: (21)2506-0855





©principo.org 2016
enviar mensagem

    Página principal