Plano de ensino de disciplina



Baixar 27.65 Kb.
Encontro29.07.2016
Tamanho27.65 Kb.
UNIVERSIDADE FEDERAL DO CEARÁ

PLANO DE ENSINO DE DISCIPLINA





Ano/Semestre

2005.2




1 – Identificação

1.1 Centro: Humanidades

1.2 – Departamento: Comunicação Social

1.3 – Disciplina: História do Jornalismo Brasileiro

1.4 Código:


HE- 401

1.5 Caráter:

1.6 Carga Horária:


60 h/ aula

Sem.

Anual

Obrig.

Opt.

x

x

04 Créd.

1.7 – Professor: Francisco GILMAR Cavalcante DE CARVALHO– Fones: 3495.1827 e 9995.3371

1.8 – Curso: Comunicação Social – Habilitação em Jornalismo





2 – Justificativa







3 – Ementa

O Jornalismo e a História. A História do jornalismo brasileiro: imprensa da colônia aos dias atuais. A imprensa alternativa. O jornalismo operário. História do Rádio e da TV.




4 – Objetivos - Gerais e Específicos

Levar informações e propiciar discussões sobre a importância e os rumos do jornalismo, como documento que retrata o cotidiano, numa teia complicada que envolve ideologias, estereótipos, tráfico de influências e as premissas mercadológicas da independência, pluralismo e apartidarismo. Nesses tempos de novas tecnologias, de jornalismo “on line” e de valorização das mídias, num contexto de intensa globalização, a disciplina pretende dar uma visão diacrônica, ao mesmo tempo em que tenta acentuar a possibilidade de uma leitura crítica dos jornais.





5 – Descrição do Conteúdo/Unidades

5.1 Carga Horária

UNIDADE I – INTRODUÇÃO


Apreciação do programa. Orientação sobre técnicas de ensino e desenvolvimento do trabalho e critérios de avaliação. Análise da bibliografia. Cronograma de atividades e definições de tarefas.

MÓDULO I- IMPRENSA NO BRASIL COLÔNIA

Da proibição dos prelos aos três níveis de censura.

A diferença de atitude de Espanha e Portugal em relação à imprensa nos novos territórios.


A chegada da Corte e das primeiras máquinas


A circulação do Diário do Rio de Janeiro e do Correio Brasiliense, em Londres. A figura de Hipólito José da Costa.

MÓDULO II - A IMPRENSA DA INDEPENDÊNCIA ÀS REGÊNCIAS

A Revolução do Porto e a liberdade de imprensa no Brasil. A abertura para se fazer a Independência. Fechamento com o golpe que dissolveu a Constituinte. Crise e a volta de D. Pedro I a Portugal. As Regências e os pasquins. A imprensa da conflagração.

MÓDULO III - A IMPRENSA DO SEGUNDO REINADO

O golpe da maioridade e a aparente pacificação do país. Os jornais de grande formato. A constituição de A Província de S. Paulo como sociedade por cotas. A influência da literatura com as crônicas e os folhetins. A luta pela Abolição e pela República.

MÓDULO IV - A PRIMEIRA METADE DO SÉCULO XX

O Jornal do Brasil como sinônimo de avanços técnicos. A Folha de S. Paulo e O Globo. A entrada em cena do rádio. A Revolução de 30 e a censura estado-novista. O advento da televisão.

MÓDULO V - A SEGUNDA METADE DO SÉCULO XX

O golpe de 64 e a censura. A Rede Globo e sua importância em detrimento do modelo dos Diários Associados. O nacionalismo de Samuel Wainer. A Anistia, a redemocratização. A segmentação do rádio e a pulverização das revistas.

MÓDULO VI - A CONTEMPORANEIDADE


O jornalismo ”on line”. Novas tecnologias e globalização.

02 H

10 H

10 H

10 H


12H
12H

04 H





6 – Metodologia de Ensino

Aulas expositivas, seminários, visita à Biblioteca Pública Governador Menezes pimentel para exame das coleções do Correio Braziliense, ao Setor de Microfilmes e à Hemeroteca e ao Museu do Ceará para contato com o Memorial Frei Tito de Alencar Lima com exemplares da imprensa alternativa ao golpe de 1964, com elaboração de relatórios e discussões sobre a importância das visitas.




7 – Atividades Discentes

Os estudantes participam de discussões, leituras de textos específicos e mantêm contato com edições fac-similadas ao longo do semestre letivo.




8 – Avaliação

A avaliação será feita a partir de uma monografia a ser entregue na última semana das aulas, cujas normas serão distribuídas no início do semestre letivo.




9 – Bibliografia

ABRAMO, Cláudio. A regra do jogo – o jornalismo e a ética do marceneiro. São Paulo (SP), Companhia das Letras, 1988.

AZEVEDO, Katia. Mutirão, o alternativo do Ceará. Fortaleza, Museu do Ceará, 2003

ALTMAN, Fábio. A arte da entrevista – uma antologia de 1823 aos nossos dias. São Paulo (SP), Scritta, 1995

BAHIA, Juarez. Jornal, história e técnica – as técnicas do jornalismo. Vol. 2. 4ª edição revista e aumentada. São Paulo (SP), Editora Ática, 1990.

BALZAC, Honoré. Os jornalistas. Tradução: João Domenech. Rio de Janeiro (RJ), Ediouro, 2004.

FERREIRA, Maria Nazareth. A imprensa operária no Brasil- 1880 / 1920. São Paulo, Brasiliense, 1978

FREYRE, Gilberto. O escravo nos anúncios de jornais brasileiros do século XIX. São Paulo, Editora Nacional, Recife, Instituto Joaquim Nabuco, 1979

JOBIM, Danton. Espírito do jornalismo. Coleção Clássicos do Jornalismo Brasileiro. São Paulo (SP), Edusp, 1992.

LIMA SOBRINHO; Barbosa. Antologia do Correio Braziliense. Rio, Cátedra, 1977

MEDINA, Cremilda. Profissão jornalista: responsabilidade social. Rio de Janeiro, Forense / Universitária, 1982

NOBRE, Geraldo. Introdução à História do Jornalismo Cearense. Fortaleza, Grecel, 1976

RIZZINI, Carlos. O livro, o jornal e a tipografia no Brasil – 1500 /1822. São Paulo, IMESP, 1988

SÁ, Adísia. O jornalista brasileiro. Fortaleza, IOCE, 1985

SCHWARCZ, Lilian Moritz. Retrato em branco e negro. São Paulo, Companhia das Letras, 1987

SODRÉ, Nelson Werneck. História da Imprensa no Brasil. Rio de Janeiro, Maud, 2002

VILAS BOAS, Sérgio. O estilo magazine – o texto em revista. Coleção Novas Buscas em Comunicação, vol. 52. São Paulo (SP), 1996.






Compartilhe com seus amigos:


©principo.org 2019
enviar mensagem

    Página principal