Plano de ensino disciplina: Antropologia Período: 2014 / 1 Carga horária: 60 h/a Semestre: 1º Professor



Baixar 34.78 Kb.
Encontro01.08.2016
Tamanho34.78 Kb.
PLANO DE ENSINO
Disciplina: Antropologia Período: 2014 / 1

Carga horária: 60 h/a Semestre:

Professor: Dr. Aumeri Carlos Bampi Curso: Pedagogia
EMENTA:

As correntes do pensamento antropológico no que diz respeito à descrição,


interpretação e análise das formas de organização social dos agrupamentos
humanos. Os debates que marcaram a trajetória da disciplina e as
noções-chave da Antropologia Social. Oscilação das abordagens entre o
funcionalismo, estrutura e o processo como instrumentos analíticos para
compreender as dinâmicas sociais na experiência humana. Conceitos de
parentesco, trocas materiais e simbólicas, constituição social da pessoa,
pensamento simbólico, mito e ritual, permanência e mudança. As noções de
alteridade e etnocentrismo, a formação de representações e identidades
sociais, os encontros inter-culturais. Apresentação da Antropologia como
ciência do “outro” e introdução ao método etnográfico.

CONTEÚDOS PROGRAMÁTICOS:


  1. O que é Antropologia? Origem, história e desenvolvimento da Antropologia. O campo da antropologia no contexto das ciências.

  2. Biologicamente cultural: o homem como ser bio-antropho-cósmico.

  3. Cultura e culturas. Cultura e civilização. O etnocentrismo nas culturas.

  4. Antropologia e diversidade cultural. A questão do outro (o diferente, a mulher, a criança, o adolescente, o jovem, o idoso, o presidiário, o trabalhador, o portador de necessidade, o louco, o indígena, o negro, o migrante...)

  5. Passos iniciais da antropologia: a formação de uma literatura “etnográfica” sobre a diversidade cultural. Relatos de viagens

  6. O evolucionismo social. Uma visão de gabinete sobre os humanos diferentes em diferentes culturas.

  7. A escola Sociológica Francesa e a definição dos fenômenos sociais e a investigação sócio-antropológica.

  8. O funcionalismo.

  9. O culturalismo norte-americano.

  10. O estruturalismo.

  11. A antropologia interpretativa.

  12. A antropologia pós-moderna ou crítica.

  13. Antropologia e educação: a entnografia na descrição e estudo profundo da realidade educativa. Os métodos e procedimentos da pesquisa antropológica.

  14. Antropologia e pedagogia: diálogo mais que necessário.

  15. O trabalho do antropólogo e o trabalho do pedagogo: peculiaridades, similaridades e interdisciplinaridade.

  16. Diversidade cultural: inclusão, exclusão e sincretismo.

  17. As comunidades educativas escolares como comunidades culturais. A antropologia urbana e a escola cidadã. A escola do campo e a cultura do homem do campo. O reconhecimento do “outro” na educação escolar.

  18. Os professores como sujeitos sócio-culturais. A feminilização do trabalho na educação escolar. Valorização/desvalorização da docência no Brasil

  19. A escola e a antropologia da criança. Honrar a infância como condição humana fundante.

  20. Criança, meio ambiente e cidadania

  21. Análise dos componentes culturais e antropológicos que constituem o povo brasileiro. A marcha para oeste a as implicações socioambientais no Mato Grosso. A diversidade cultural na escola brasileira.

  22. Antropologia e educação no Mato Grosso. Experiências da Universidade do Estado de Mato Grosso. Uma universidade multicultural e multifacetada. O universo multicultural da universidade.


METODOLOGIA


  1. Aulas expositivas;

  2. Leituras individuais;

  3. Estudos em grupo e debates;

  4. Exposição de filmes e documentários;

  5. Pesquisa em biblioteca e Internet;

  6. Seminário*;

  7. Mostra cultural;

  8. Vivência antropológica.


AVALIAÇÃO


  1. Presença e assiduidade;

  2. Participação e debate em sala de aula e planejamento, participação e desenvolvimento dos seminários;

  3. Participação na organização e apresentação do Seminário temático em grupo;

  4. Produção escrita individual.


BIBLIOGRAFIA

 ARIÈS, P. (1981) História Social da Criança e da Família. 2 ed., Rio de Janeiro:Guanabara.

AUZIAS, J.-M. (1978) A Antropologia Contemporânea. São Paulo: Cultrix.

BALANDIER, G. (1976) Antropológicas. São Paulo: Edusp.

BERGER, P. L. & LUCKMANN, T. (1987) A Construção Social da Realidade: tratado de sociologia do conhecimento. 7 ed., Petrópolis: Vozes.

BOURDIEU, P. (1982) Condição de classe e posição de classe. In: Bourdieu, P. A Economia das Trocas Simbólicas. São Paulo: Perspectiva, p. 3-25.

_______ (1983b) A juventude é apenas uma palavra. In: Bourdieu, P. Questões de Sociologia. Rio de Janeiro: Marco Zero, p. 112-121.

BRANDÃO. C. R. (1984). O que é folclore. São Paulo: Brasiliense.

BRITO, S. DE. (1968) (org.) Sociologia da Juventude. Rio de Janeiro: Zahar, 4vs.

CABRAL, O. R. (1979) Nossa Senhora do Desterro. Florianópolis: Lunardelli, 2vs.

CAIAFA, J. (1985) Movimento Punk na Cidade: a invasão dos bandos sub. Rio de Janeiro: Jorge Zahar Editor.

CALDAS, W. (1991) Futebol: a arte e a força. Comunicações e Artes. São Paulo, n. 25, jun, p. 61-77.

CALDEIRA, T. P. do R. (1988) A presença do autor e a pós-modernidade em antropologia. Novos Estudos CEBRAP. n. 21, p. 133-157.

CANCLINI, N. G. (1983) As Culturas Populares no Capitalismo. São Paulo: Brasiliense.

_______ (1988) Cultura transnacional y cultura popular. In: Canclini, N. G. & Roncagliolo, R. (orgs.) Cultura Transnacional y Culturas Populares. Lima: IPAL (Instituto para América Latina), p. 19-69.

_______ (1989) Culturas Híbridas: estrategias para entrar y salir de la modernidad. México: Ed. Grijalbo.

CARDOSO, F. L. (1994) Orientação Sexual Masculina numa Comunidade Pesqueira. Dissertação de Mestrado apresentada ao Programa de Pós-Graduação em Antropologia Social/UFSC, mimeo.

CARDOSO, R. C. L. (1986) Aventuras de antropólogos em campo ou como escapar das armadilhas do método. In: Cardoso, R.C.L. (org.). A Aventura Antropológica: teoria e pesquisa. 2 ed., Rio de Janeiro: Paz e Terra, p. 95-105.

CARDOSO DE OLIVEIRA, R. (1976) Identidade, Etnia e Estrutura Social. São Paulo: Pioneira.

_______ (1988) A categoria da (des)ordem e a pós-modernidade da antropologia. In: Cardoso de Oliveira, R. Sobre o Pensamento Antropológico. Rio de Janeiro: Tempo Brasileiro, p. 91-107.

CLASTRES, P. (1986) Da tortura nas sociedades primitivas. In: Clastres, P. A Sociedade contra o Estado: pesquisas de Antropologia Política. 2 ed., Rio de Janeiro: Francisco Alves.

CLIFFORD, J. (1983) De l’autorite en ethnographie. L’Ethnographie. v. 79, n. 90/91, p. 87-118.

COPANS, J. (1970/71) Quelques réflexions. Lest Temps Moderns. nº 293-294, dez/jan, p. 1179-1193.

_______ (1974) Da etnologia à antropologia. In: Copans, J. et al. Antropologia Ciência das Sociedades Primitivas? Lisboa: Edições 70, p. 11-41.

COPANS, J. et al. Antropologia Ciência das Sociedades Primitivas? Lisboa:Edições 70.

CORBIN, A. (1989) O Território do Vazio: a praia e o imaginário ocidental. São Paulo: Companhia das Letras.

CORRÊA, M. (1987) História da Antropologia no Brasil (1930-1960). São Paulo: Vértice.

CUNHA, M. C. da. (1986) De amigos formais e pessoa; de companheiros, espelhos e identidades. In: Cunha, M.C. da. Antropologia do Brasil: mito, história, etnicidade. São Paulo: Brasiliense, p. 53-62

DaMATTA, R. (1978) O ofício de etnólogo ou como ter anthropological blues. Boltetim do Museu Nacional - Nova Série. n. 27, maio.

_______ (1987) Relativizando: uma introdução à Antropologia Social. São Paulo: Rocco.

DURKHEIM, É. (1977) Las Règles de la Méthode Sociologique. Paris: Presses Universitaires de France.

_______ (1988) Sociologia da religião e teoria do conhecimento. In: Rodrigues, J.A. (org.). Émile Durkheim:Sociologia. 4 ed., São Paulo: Ática, p. 147-160.

ERIKSON, E. H. (1976a) Identidade, Juventude e Crise. 2 ed., Rio de Janeiro: Zahar.

_______ (1976b) Infância e Sociedade. 2 ed., Rio de Janeiro: Zahar.

FORACCHI, M. M. (1972) A Juventude na Sociedade Moderna. São Paulo: Pioneira:Edusp.

FOUCAULT, M. (1966) As Palavras e as Coisas: uma arqueologia das ciências humanas. São Paulo: Martins Fontes.

FREIRE, P. Pedagogia da indignação. São Paulo: Editora Unesp, 2000. – esta obra foi fornecida digitalmente aos alunos via e-mail.

FREITAS, R. S. DE (1985) Bordel, Bordéis: negociando identidades. Petrópolis:Vozes.

GEERTZ, C. (1978) A Interpretação das Culturas. Rio de Janeiro: Zahar.

GUATTARI, F. & ROLNIK, S. (1986) Micropolítica: cartografias do desejo. Petrópolis: Vozes.

GODÓY, M. (2004). Os desafios da antropologia em favor da interdisciplinaridade. Tempo & Memória. Ano 2, nº 2, jan – jul 2004.

HÉRITIER, F. (1976) Adolescence et sexualité. Revue Trimestrielle de l’Ecole des Parents et des Educateurs. n. 73, out., p. 3-12.

_______ (1985) La construction de l’identite: du soi avec de l’autre. Collége de France, mimeo.

HUBERMAN, L. (1976) História da Riqueza do Homem. 12 ed., Rio de Janeiro: Zahar.

KRECK, D. et al. (1975) O Indivíduo na Sociedade. 3 ed., São Paulo:Pioneira.

KROEBER, A. L. (1965) (org.) Cultura y Sociedad. Buenos Aires: Libros Basicos.

KUPER, A. (1978) Antropólogos e Antropologia. Rio de Janeiro: Francisco Alves.

LAPLANTINE, F. (1988) Aprender Antropologia. São Paulo: Brasiliense.

LEACH, E. R. (1974) Repensando a Antropologia. São Paulo: Perspectiva.

LEAL, O. F. (1986) A Leitura Social da Novela das Oito. Petrópolis: Vozes.

LÈVI-STRAUSS, C. (1962) A crise moderna da antropologia. Revista de Antropologia. v. 10, n 1/2, jun/dez.

MACEDO, C. C. (1986) O contexto cultural do verão. Folhetim. São Paulo, 04.05.86, p.8-10.

MACHADO NETO, Z. (1980) As meninas - sobre o trabalho da criança e da adolescente na família proletária. Ciência e Cultura. n. 6, p. 671-683.

MALINOWSKI, B. (1978) Argonautas do Pacífico Ocidental. 2 ed., São Paulo:Abril Cultural (Coleção Os Pensadores).

MANNERS, R.A. & KAPLAN, D. (1968) Notes on theory and non-theory in Anthropology. In: Manners, R.A. & Kaplan, D. (eds). Theory in Anthropology. Chicago: Aldine, p. 1-12.

MAUSS, M. (1972) Manual de Etnografia. Lisboa: Ed.Portico.

_______ (1974a) Uma categoria do espírito humano: a noção de pessoa, a noção do ‘eu’. In: Mauss, M. Sociologia e Antropologia. São Paulo: EPU/EDUSP, v. 1, p. 207-241.

_______ (1974b) As técnicas corporais. In: Mauss, M. Sociologia e Antropologia. São Paulo: EPU/EDUSP, v. 2, p. 208-233.

_______ (1974c) Relações reais e práticas entre a psicologia e a sociologia. In: Mauss, M. Sociologia e Antropologia. São Paulo: EPU/EDUSP, v.1, p. 177-206.

MEAD, G. H. (1970) The self. In: Worsley, Peter (ed.). Modern Sociology: introductory readings. Londres: Penguin Books, p. 43-49.

MEAD, M. (1961) Adolescencia y Cultura en Samoa. 2 ed., Buenos Aires: Paidos.

_______ (1979) Sexo e Temperamento. São Paulo: Perspectiva.

MORA, J. F. (1975) Diccionario de Filosofia. Buenos Aires: Sudamericana, p. 795-796.

MORGAN, LEVIS H. (1976) A Sociedade Primitiva. Lisboa: Presença.

PEIRANO, M. G. S. (1983) Etnocentrismo às avessas: o conceito de sociedade complexa. Dados: Revista de Ciências Sociais. v. 26, n. 1, p.97-115.

POIRIER, J. (1981) História da Etnologia. São Paulo: Cultrix/Edusp.

PRETI, D. (1984) A Gíria e Outros Temas. São Paulo: T.A.Queiróz/UDDSP.

RIBEIRO, Darcy. O povo brasileiro. São Paulo: Companhia das Letras, 1995.

ROCKWELL, E. & EZPELETA, J. (1986) Observação Participante. São Paulo: Cortez.

RODRIGUES, A. (1972) Psicologia Social. Petrópolis: Vozes.

ROCHA, E. (1988). O que é etnocentrismo. São Paulo: Brasiliense.

ROMANELLI, G. (s/d) Famílias de classes populares: socialização e identidade masculina. Departamento de Psicologia e Educação, FFCLRP - USP, mimeo.

RUBEN, G. R. (1988) Teoria de identidade: uma crítica. Anuário Antropológico/86. p. 75-92.

SANTOS, C. N. F. dos. (1980) Como e quando pode um arquiteto virar antropólogo. In: Velho, G. (coord.) O Desafio da Cidade: novas perspectivas da Antropologia Brasileira. Petrópolis:Vozes, p. 37-57.

SILVA Jr. H. A discriminação nas escolas: entre a prática e a lei. Brasília: UNESCO, 2002.

SOUZA. M. (2006). Por uma educação antropológica: comparando as idéias de Bronislaw Malinowsky e Paulo Freire. Revista Brasileira de Educação, v. 11, nº33. UFPA.

STOLCKE, V. (1993) Cultura européia: uma nova retórica da exclusão? Revista Brasileira de Ciências Sociais. Ano 8, n. 22, p. 20-31.

TEDLOCK, D. (1988) A tradição analógica e o surgimento de uma antropologia diabólica. Anuário de Antropologia/85.

TODOROV, T. (1988) A Conquista da América: a questão do outro. 2 ed., São Paulo: Martins Fontes.

TURNER, V. W. (1974) O Processo Ritual: estrutura e anti-estrutura. Petrópolis: Vozes.

VAN GENNEP, A. (1975) Os Ritos de Passagem. Petrópolis: Vozes.

VELHO, G. (1980) O antropólogo pesquisando em sua cidade: sobre conhecimento e heresia. In: Velho, G. (coord.) O Desafio da Cidade: novas perspectivas para a Antropologia Brasileira. Petrópolis: Vozes, p. 13-21.

_______ (1985) O estudo do comportamento desviante: a contribuição da Antropologia Social. In: Velho, G. (org.) Desvio e Divergência: uma crítica da patologia social. 5 ed., Rio de Janeiro: Jorge Zahar, p. 11-28.

_______ (1986) Subjetividade e Sociedade, uma experiência de geração. Rio de Janeiro: Zahar.

_______ (1987) Observando o familiar. In: Velho, G. Individualismo e Cultura: notas para uma antropologia da sociedades contemporânea. 2 ed., Rio de Janeiro: Jorge Zahar, p. 121-132.

_______ (1987a) Projeto, emoção e orientação em sociedades complexas. In: Velho, G. Individualismo e Cultura: notas para uma antropologia da sociedades contemporânea. 2 ed., Rio de Janeiro: Jorge Zahar, p. 13-37.

_______ (1988) Memória, identidade e projeto. Revista Tempo Brasileiro. v. 95, n. 5/8, p. 119-126.

_______ (org.) (1990) Individualismo e Juventude. Comunicação. Programa de Pós-Graduação em Antropologia Social/Museu Nacional, n. 18.

VELHO, G. & VIVEIROS DE CASTRO, E. de. (1978) O conceito de cultura e o estudo das sociedades complexas. Artefato, Ano 1, n. 1.

VIVEIROS DE CASTRO, E. (1986) Araweté: os deuses canibais. Rio de Janeiro: Jorge Zahar, cap. VII.

ZALUAR, A. (1986) Teoria e prática no trabalho de campo: alguns problemas. In: Cardoso, R.C.L. (org.) A Aventura Antropológica: teoria e pesquisa. 2 ed., Rio de Janeiro: Paz e Terra, p.107-123.

_______ (1994) Relativismo cultural na cidade? In: Zaluar, A. Condomínio do Diabo. Rio de Janeiro: Revan/Ed. UFRJ, p.202-219.

ZARUR, G. C. L. (1976) Envolvimento de antropólogos e desenvolvimento da Antropologia no Brasil. Boletim do Museu do Índio: Antropologia. Fundação Nacional do Índio, n. 4, abril.

WOORTMANN, K. (1982) Casa e família operária. Anuário Antropológico/80. Rio de Janeiro / Fortaleza: Tempo Brasileiro/UFCE.


FILMOGRAFIA PROPOSTA E ASSISTIDA:
1. A ORIGEM DA VIDA I e II.

2. A EVOLUÇÃO HUMANA.

3. O PODER DO CÉREBRO - BBC

4. 1492 – A CONQUISTA DO PARAÍSO.

5. A MISSÃO.

6. HISTÓRIA DAS RELIGIÕES – O CRISTIANISMO – AS RELIGIÕES AFRICANAS – RELIGIÕES NATIVAS DA AMÉRICA – O ISLAMISMO.

7. OSAMA.

8. CRONICAMENTE INVIÁVEL.

9. QUANTO VALE OU É POR KILO.

10. CRIANÇA: A ALMA DO NEGÓCIO

11. HOME: NOSSO PLANETA, NOSSA CASA

12. TERRA VERMELHA – “TERRA DOS HOMENS VERMELHOS”

13. DOCUMENTÁRIO IKPENG – CRIANÇAS DO XINGU

14. CRIANÇAS INVISÍVEIS

15. DOCUMENTÁRIO: O POVO BRASILEIRO – Darcy Ribeiro

16. BRASIL: UMA HISTÓRIA INCONVENIENTE.



17. CURTA: O XADREZ DAS CORES

18. O VALE DOS ESQUECIDOS


©principo.org 2016
enviar mensagem

    Página principal