Plano de marketing



Baixar 479.7 Kb.
Página7/7
Encontro19.07.2016
Tamanho479.7 Kb.
1   2   3   4   5   6   7



Empresas selecionadas Ethos

24X7 CULTURAL

Accor Brasil  

Aché

ALCOA ALUMÍNIO

AmBev

Arch Química  

ARCOR

AutoBan   

Avon

Banco ABN AMRO Real S/A 

Banco Bradesco

Banco HSBC  

Banco Itaú  

Banco JP Morgan

Banco Safra  

Banco Santander

Bombril

Böehringer Ingelheim

Camargo Corrêa

Carrefour

Conexão Social Organização e Gestão Empresarial

DuPont

Elektro

Estapar Estacionamentos

Febrafarma

Johnson & Johnson

Klabin

Modus Faciendi - Soluções em Desenvolvimento Social e Ação Educativa

Nestlé

Núcleo Arte e Papel

Olhar Cidadão

Reckitt Benckiser

SCI / Equifax

Serasa S/A

SOFTTEK DO BRASIL

Unilever Brasil Ltda

Unisys Brasil Ltda.

VOTORANTIM CELULOSE E PAPEL

Wal Mart







Empresas selecionadas Abrinq

Laborprint Gráfica e Editora Ltda

MD-C Comunicação e Marketing Ltda

Santander Banespa - Banco do Estado de São Paulo S/A

Telelok Central de Locações e Comércio Ltda

ZPS Franquia Ltda

Sugestão de empresas de web design e de gráfica:

http://www.oscarflues.com.br/ Tel: 55146900 /55146907 /Av. Guarapiranga,2491

www.gavilan.com.br Tel: 66532021

http://www.bitcompany.com.br/bitcidadania.asp

http://www.imagemcidadania.org.br/Paginas/redesocial.htm

http://www.brainter.com.br/

www.tomatecom.com.br

Sacomã Gráfica e Editora Ltda EPP



Contato com Embaixadas



Embaixada


Contato

Programa/Info

Japão




Consulado Geral em São Paulo

Av. Paulista, 854, 3°andar

São Paulo-SP, cep 01310-913

Tel: (11) 3254-0100

E-mail: consuladogeraldojapao@nethall.com.br

http://www.sp.br.emb-japan.go.jp


Assistência a Projetos Comunitários e de Segurança Humana (APC)
A ONG deve encaminhar uma solicitação à Embaixada ou aos Consulados do Japão da sua jurisdição. Ao formulário de solicitação, deve-se anexar um orçamento detalhado do projeto; um mapa de projeção do local onde será desenvolvido o projeto; um estudo de viabilidade; orçamentos (de 3 fornecedores diferentes) especificando os valores dos serviços e dos materiais; e documentos de apresentação (por exemplo, panfletos), o estatuto e o documento do orçamento anual da organização requerente

http://www.br.emb-japan.go.jp/portugues/index.html


Alemanha



Divisão de Cooperação Técnica e Financeira Alemanha/Brasil

Embaixada da Alemanha

SES Av. das Nações – Lt. 25 – Qd. 807

70415-900 – Brasília/DF

Tel.: 61 442-7000


Consulado Geral da República Federal da Alemanha
Av. Brigadeiro Faria Lima, 2092; 12º Andar
Jardim Paulistano
01451-905 São Paulo - SP
Tel.: (011) 3097-6644
Fax: (011) 3815-7538
E-mail: info@sao-paulo.diplo.de

Cooperação Técnica e Financeira
A ONG deve enviar

Formulário de solicitação dirigido ao Departamento de Cooperação Técnica da respectiva missão com uma breve descrição do projeto, contendo justificativa da medida solicitada, clientela beneficiada, objetivo da medida e resultados esperados de sua execução, bem como contribuição própria;

Breve descrição da instituição solicitante, cópia do registro como instituição sem fins lucrativos, cópia da ata de fundação;

Dois (2) orçamentos dos equipamentos solicitados, emitidos por duas firmas diferentes, em papel timbrado.

http://www.brasilia.diplo.de/pt/05/Wirtschaftliche__Zusammenarbeit/info__pequenos_20projetos.html


Austrália





DAP Brasil
Assistente de Pesquisa
Embaixada da Austrália
SES Av. das Nações Quadra 801 Conj. K Lote 07
Brasília, DF 70.200-010
Tel: 3226 3111

Fax: 3226 1112



Programa de Assistência Direta Brasil (DAP Brasil)
Não existe um formulário padrão para a solicitação, que deverá conter informações sobre as melhorias a serem realizadas com os recursos, sobre a natureza assistencial e promotora do desenvolvimento do projeto e sobre a ligação entre o projeto e a comunidade.

http://www.brazil.embassy.gov.au/brasportuguese/Development_cooperat.html


Folha de São Paulo

São Paulo, domingo, 26 de março de 2006
RETRATO DO BRASIL

BPC, programa que transfere renda, irá movimentar R$ 9 bi

Benefício para deficientes e idosos supera Bolsa-Família

LUIZ FERNANDO VIANNA
DA SUCURSAL DO RIO

Programa de transferência de renda para idosos e deficientes, o BPC (Benefício de Prestação Continuada) cresce, em média, 10% ao ano, atinge 2,1 milhões de pessoas e, com o aumento do salário mínimo, passará a movimentar mais de R$ 9 bilhões, superando o Bolsa-Família. Mas, segundo um estudo recém-concluído, o programa poderia ser maior.


O trabalho da Universidade de Brasília, do Anis (Instituto de Bioética, Direitos Humanos e Gênero) e do Centro Internacional da Pobreza da ONU (Organização das Nações Unidas) sugere mudanças para que mais pessoas sejam beneficiadas.
"O critério de seleção é tão restritivo que só pessoas com deficiências muito graves são beneficiadas. Entendemos que deveriam ser aceitos os que vivem a experiência da desigualdade por ter funcionalidades diferentes das consideradas normais", diz Debora Diniz, professora da UNB e uma das autoras do estudo.
O conceito de funcionalidade, adotado pela Organização Mundial de Saúde, leva em conta, no caso dos deficientes, o contexto social em que eles vivem.
"Um cego que more em uma favela cheia de barreiras e não possa ter um guia precisa muito mais de um benefício do que um cego em melhores condições", exemplifica Ana Lígia Gomes, secretária nacional de Assistência Social.
Segundo ela, há uma minuta de decreto, preparada pelos ministérios do Desenvolvimento Social e da Previdência, mudando critérios de seleção a partir do conceito de funcionalidade.
São os médicos do INSS que avaliam os candidatos. Segundo Gomes, 15% dos pedidos de deficientes são indeferidos.

Justiça
Há quem recorra à Justiça em caso de ter o pedido negado. Tiveram ganho de causa, por exemplo, um portador do vírus da Aids em Porto Alegre e uma mulher que sofria da doença de Huntington -mal degenerativo marcado por fortes espasmos- em São Paulo. Irmã da coordenadora da Associação Brasil Huntington, Maria do Rosário morreu após três anos recebendo o BPC.
"Só um deficiente por família pode receber o benefício. Mas doenças genéticas atingem várias pessoas na família", diz Diniz, que sonha com o dia em que os responsáveis pelos deficientes também possam receber o BPC.
Do 1,1 milhão de deficientes físicos e mentais beneficiados- o restante é de idosos- 30% são menores. É caso de Jeane, 4, de Nova Iguaçu (Baixada Fluminense). Seus pais recebem um salário mínimo para cuidar da menina, que tem síndrome de Down.
O BPC não é legalmente incompatível com outros programas sociais, mas o Bolsa-Família praticamente o inviabiliza, já que com ele a renda familiar per capita ultrapassa 25% do salário mínimo, teto estabelecido para alguém receber os atuais R$ 300 mensais.
Enquanto o Bolsa-Família é um programa de governo, o BPC, que existe desde 1996, está previsto na Constituição, e não pode ter suas verbas contigenciadas.
Os beneficiados aumentaram desde 2004, quando a idade-limite baixou de 67 para 65 anos. Os idosos só têm de comprovar falta de renda. "[O valor] não é suficiente, mas já cobre metade das despesas", diz Adélia da Silva, 76. Como seu patrão nunca assinou sua carteira, ela não pôde se aposentar. O BPC é sua única renda.

Colaborou PEDRO SOARES, da Sucursal do Rio



Extraído de : http://www1.folha.uol.com.br/fsp/brasil/fc2603200621.htm

1   2   3   4   5   6   7


©principo.org 2016
enviar mensagem

    Página principal