Por uma outra globalizaçÃO (do pensamento único à consciência universal) Milton Santos



Baixar 0.49 Mb.
Página1/11
Encontro29.07.2016
Tamanho0.49 Mb.
  1   2   3   4   5   6   7   8   9   10   11
POR UMA OUTRA GLOBALIZAÇÃO

(do pensamento único à consciência universal)
Milton Santos

Neste livro, Milton Santos propõe uma interpretação multidisciplinar do mundo contemporâneo, em que realça o papel atual da ideologia na produção da história e mostra os limites do seu discurso frente à realidade vivida pela maioria das nações.

A tirania da informação e a do dinheiro são apresentadas como os pilares de uma situação em que o progresso técnico é aproveitado por um pequeno número de atores globais em seu benefício exclusivo. O resultado é o aprofundamento da competitividade, a produção de novos totalitarismos, a confusão dos espíritos e o empobrecimento crescente das massas, enquanto os Estados se tornam incapazes de regular a vida coletiva. É uma situação insustentável.

O autor enxerga nas reações agora perceptíveis na Ásia, mas também na África e na América Latina e nos movimentos populares protagonizados pelas camadas mais pobres da população, a semente de uma evolução positiva, que deverá conduzir ao estabelecimento de uma outra globalização. A tônica desta hora é a mensagem de esperança na construção de um novo universalismo, bom para todos os povos e pessoas.

Este novo livro de Milton Santos trata da globalização como fábula, como perversidade e como possibilidade aberta ao futuro de uma nova civilização planetária.

Os atores mais poderosos desta nova etapa da globalização reservam-se os melhores pedaços do Território Global e deixam restos para os outros. Mas a grande perversidade na produção da globalização atual não reside apenas na polarização da riqueza e da pobreza, na segmentação dos mercados e das populações submetidas, nem mesmo na destruição da Natureza. A novidade aterradora reside na tentativa empírica e simbólica de construção de um único espaço unipolar de dominação. A tirania do Dinheiro e da Informação, produzida pela concentração do capital e do poder, tem hoje uma unidade técnica e uma convergência de normas sem precedentes na história do capitalismo.

O seu caráter globalmente destrutivo acaba porém sendo contraditório, levando à resistência parcelas crescentes da humanidade a partir de seus distintos “lugares”. O velho otimismo do grande geógrafo brasileiro reaparece em relação às cidades, como espaço de liberdade para a cultura popular em oposição à cultura midiática de massas, como espaço de solidariedade na luta dos “de baixo” contra a escassez produzida pelos “de cima”. A visão de uma nova horizontalidade na luta dos oprimidos contra a verticalidade dos opressores é comovedora e estimulante, já que conduz a uma nova utopia.

Produz-se assim, diz ele, uma nova centralidade do social que constitui a base para uma nova política. Não podendo a esmagadora maioria “consumir o Ocidente globalizado” em suas formas puras (financeira, econômica e cultural), aumentará a resistência à dominação ultraliberal e consumista propagandeada pelas grandes organizações dos meios de comunicação de massas. A alienação tende a ser substituída por uma nova consciência, uma nova filosofia moral, que não será a dos valores mercantis mas sim a da solidariedade e da cidadania.

A unificação da técnica e das normas instrumentais poderá servir então, dialeticamente, de trampolim para uma nova humanidade, para novos valores simbólicos que em sua interfecundação e espalhamento abra caminhos a uma nova civilização planetária. A História Universal seria então a da nossa humanidade comum e não mais a dos dominadores.

Maria da Conceição Tavares

___________________________________________________________________

Milton Santos é geógrafo, professor emérito da Universidade de São Paulo, ganhador do Prêmio Internacional de Geografia Vautrin Lud em 1994 e autor de mais de 30 livros e 400 artigos científicos, publicados em diversos idiomas.

Sumário


Prefácio 06



  1. Introdução Geral 08



  1. O mundo como fábula, como perversidade e como possibilidade 08

O mundo tal como nos fazem crer: a globalização como fábula 08

O mundo como é: a globalização como perversidade 09

O mundo como pode ser: uma outra globalização 09



  1. A Produção da Globalização 11



Introdução 11

  1. A unidade técnica 11

  2. A convergência dos momentos 13

  3. O motor único 13

  4. A cognoscibilidade do planeta 15

  5. Um período que e uma crise 15



  1. Uma Globalização Perversa 18



Introdução 18

  1. A tirania da informação e do dinheiro e o atual sistema ideológico 18

A violência da informação 18

Fábulas 19

A violência do dinheiro 21

As percepções fragmentadas e o discurso único do “mundo” 21



  1. Competitividade, consumo, confusão dos espíritos, globalitarismo 22

A competitividade, a ausência de compaixão 22

O consumo e o seu despotismo 23

A informação totalitária e a confusão dos espíritos 24

Do imperialismo ao mundo de hoje 24

Globalitarismo e totalitarismos 25


  1. A violência estrutural e a perversidade sistêmica 26

O dinheiro em estado puro 27

A competitividade em estado puro 27

A potência em estado puro 27

A perversidade sistêmica 28



  1. Da política dos Estados à política das empresas 29

Sistemas técnicos, sistemas filosóficos 30

Tecnociência, globalização e história sem sentido 31

As empresas globais e a morte da política 32


  1. Em meio século, três definições da pobreza 33

A pobreza “incluída” 33

A marginalidade 34

A pobreza estrutural globalizada 34

O papel dos intelectuais 35



  1. O que fazer com a soberania 36

  1. O Território do Dinheiro e da Fragmentação 38



Introdução 38

  1. O espaço geográfico: compartimento e fragmentação 38

A compartimentação: passado e presente 39

Rapidez, fluidez, fragmentação 40

Competitividade versus solidariedade 41


  1. A agricultura científica globalizada e a alienação do território 42

A demanda externa de racionalidade 42

A cidade do campo 43



  1. Compartimentação e fragmentação do espaço: o caso do Brasil 44

O papel das lógicas exógenas 44

As dialéticas endógenas 45



  1. O território do dinheiro 46

Definições 46

O dinheiro e o território: situações históricas 46

Metamorfoses das duas categorias ao longo do tempo 47

O dinheiro da globalização 47

Situações regionais 48

Efeitos do dinheiro global 49

Epílogo 50


  1. Verticalidades e horizontalidades 50

As verticalidades 50

As horizontalidades 52

A busca de um sentido 53


  1. A esquizofrenia do espaço 54

Ser cidadão num lugar 54

O cotidiano e o território 54

Uma pedagogia da existência 55



  1. Limites à Globalização Perversa 57



Introdução 57

  1. A variável ascendente 57

  2. Os limites da racionalidade dominante 58

  3. O imaginário da velocidade 59

Velocidade: técnica e poder 59

Do relógio despótico às temporalidades divergentes 60



  1. Just-in-time versus o cotidiano 61

  2. Um emaranhado de técnicas: o reino do artifício e da escassez 61

Do artifício à escassez 62

Da escassez ao entendimento 63



  1. Papel dos pobres na produção do presente e do futuro 63

  2. A metamorfose das classes médias 65

A idade de ouro 65

A escassez chega às classes médias 66

Um dado novo na política 67


  1. A Transição em Marcha 68



Introdução 68

  1. Cultura popular, período popular 68

Cultura de massas, cultura popular 69

As condições empíricas da mutação 70

A precedência do homem e o período popular 70


  1. A centralidade da periferia 71

Limites à cooperação 72

O desafio ao Sul 72



  1. A nação ativa, a nação passiva 74

Ocaso do projeto nacional? 74

Alienação da nação ativa 74

Conscientização e riqueza da nação passiva 75


  1. A globalização atual não é irreversível 76

A dissolução das ideologias 76

A pertinência da utopia 77

Outros usos possíveis para as técnicas atuais 79

Geografia e aceleração da história 79

Um novo mundo possível 80


  1. A história apenas começa 82

A humanidade como um bloco revolucionário 82

A nova consciência de ser mundo 83

A grande mutação contemporânea 83

Prefácio


Este livro quer ser uma reflexão independente sobre o nosso tempo, um pensamento sobre os seus fundamentos materiais e políticos, uma vontade de explicar os problemas e dores do mundo atual. Mas, apesar das dificuldades da era presente, quer também ser uma mensagem portadora de razões objetivas para prosseguir vivendo e lutando.

O trabalho intelectual no qual ele assenta é fruto de nossa dedicação ao entendimento do que hoje é o espaço geográfico, mas é também tributário de outras realidades e disciplinas acadêmicas.

Diferentemente de outros livros nossos, o leitor não encontrará aqui listagens copiosas de citações. Tais livros enfocavam questões da sociedade, verdadeiras teses, isto é, demonstrações sustentadas e ambiciosas, dirigidas sobretudo à seara acadêmica, levando, por isso, o autor a fazer, ao pequeno mundo dos colegas, a concessão das bibliografias copiosas. Todo mundo sabe que esta se tornou quase uma obrigação de scholarship, já que a academia gosta muito de citações, quantas vezes ociosas e até mesmo ridículas. Sem dúvida, este livro também se dirige a estudiosos, mas sobretudo deseja alcançar o vasto mundo, o que dispensa a obrigação cerimonial das referências. Não quer isso dizer que o autor imagine haver sozinho redescoberto a roda; sua experiência em diferentes momentos do século e em diversos países e continentes é também a experiência dos outros a quem leu ou escutou. Mas a originalidade é a interpretação ou a ênfase própria, a forma individual de combinar o que existe e o que é vislumbrado: a própria definição do que constitui uma idéia.

Este livro resulta de um longo trabalho, árduo e agradável. A maioria grande dos seus capítulos é inédita em sua forma atual. E é também, de algum modo, uma reescritura de aulas, conferências, artigos de jornais e revistas, entrevistas à mídia, cada qual oferecendo um nível de discurso e a respectiva dificuldade. Somos muitíssimo gratos a todos os que colaboraram para esse diálogo e até mesmo àqueles que desconheciam estar participando de uma troca. Dentre os primeiros, quero destacar os atuais companheiros do projeto acadêmico ambicioso que, desde 1983, venho conduzindo no Departamento de Geografia da Universidade de São Paulo: minha incansável colaboradora, doutora María Laura Silveira, que leu o conjunto do manuscrito, e a professora doutora Maria Ângela Faggin Pereira Leite, assim como as doutorandas Adriana Bernardes, Cilene Gomes e Mônica Arroyo e os mestrandos Eliza Almeida, Fábio Contel, Flávia Grimm, Lídia Antongiovanni, Marcos Xavier, Paula Borin e Soraia Ramos. Ao Departamento de Geografia da Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas que me acolhe e estimula e particularmente ao Laboratório de Geografia Política e Planejamento Territorial e Ambiental (Lapoban), coordenado por meu velho amigo Armen Mamigonian, vão, também, meus agradecimentos. Estes também incluem os colegas Maria Adélia A. de Souza, Rosa Ester Rossini e Ana Clara Torres Ribeiro, com quem colaboro há cerca de 20 anos.

Aos colaboradores gratuitos, encontrados em inúmeras viagens pelo país ou participantes de conferências, debates e congressos, sou também devedor pelas suas intervenções e sugestões. Sou grato à Folha de S. Paulo e ao Correio Braziliense pela autorização para republicação de artigos meus na sua forma original ou modificada. Ainda no capítulo dos agradecimentos, uma palavra especial vai à geógrafa Flávia Grimm, que teve a paciência de acolher os cansativos ditados de manuscrito de que resulta este livro. A assistência da geógrafa Paula Borin outra vez mostrou-se valiosa. Sou, também, muito sensível ao apoio recebido do Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico (CNPq), da Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado de São Paulo (FAPESP). Essas agências não contribuíram diretamente para este trabalho, mas a produção intelectual é sempre unitária, uma oba ou pesquisa sendo sempre um subproduto das demais. Também, como sempre, o estímulo recebido de minha mulher, Marie Hélène, foi muito precioso.

Ao contrário de um autor francês Joël de Rosnay, que, no prefácio ao seu livro Le Macroscope, sugeriu aos seus leitores começar a leitura por onde quiserem, devo fazer uma outra advertência. Se alguém ler inicialmente ou separadamente os primeiros capítulos, pode considerar o autor pessimista; e quem preferir os últimos, poderá imaginá-lo um otimista. Na realidade, o que buscamos foi, de um lado, tratar da realidade tal como ela é, ainda que se mostre pungente; e, de outro lado, sugerir a realidade tal como ela pode vir a ser, ainda que para os céticos nosso vaticínio atual apareça risonho.

A ênfase central do livro vem da convicção do papel da ideologia na produção, disseminação, reprodução e manutenção da globalização atual. Esse papel é também, uma novidade do nosso tempo. Daí a necessidade de analisar seus princípios fundamentais, apontando suas linhas de fraqueza e de força. Nossa insistência sobre o papel da ideologia deriva da nossa convicção de que, diante dos mesmos materiais atualmente existentes, tanto é possível continuar a fazer do planeta um inferno, conforme no Brasil estamos assistindo, como também é viável realizar o seu contrário. Daí a relevância da política, isto é, da arte de pensar mudanças e de criar as condições para torná-las efetivas. Aliás, as transformações que a história ultimamente vem mostrando permitem entrever a emergência de situações mais promissoras. Podem objetar-nos que a nossa crença na mudança do homem é injustificada. E se o que estiver mudando for o mundo?

Estamos convencidos de que a mudança histórica em perspectiva provirá de um movimento de baixo para cima, tendo como atores principais os países subdesenvolvidos e não os países ricos; os deserdados e os pobres e não os opulentos e outras classes obesas; o indivíduo liberado participe das novas massas e não o homem acorrentado; o pensamento livre e não o discurso único.

Como acreditamos na força das idéias – para o bem e para o mal – nesta fase da história, em filigrana aparecerá como constante o papel intelectual no mundo de hoje, isto é, o papel do pensamento livre. Por isso, nos primeiros projetos de redação havia o intuito de dedicar um capítulo exclusivo à atividade intelectual genuína. Todavia achei melhor discutir esse papel em diferentes momentos da redação, sempre que a ocasião se levantava.

O livro é formado de seis partes, das quais a primeira é a introdução. A segunda inclui cinco capítulos e busca mostrar como se deu o processo de produção da globalização. Este tema já havia sido tratado de alguma forma em outras publicações e livros meus. A terceira parte, formada por seis capítulos, busca explicar por que a globalização atual é perversa, fundada na tirania da informação e do dinheiro, na competitividade, na confusão dos espíritos e na violência estrutural, acarretando o desfalecimento da política feita pelo Estado e a imposição de uma política comandada pelas empresas. A quarta parte mostra as relações mantidas entre a economia contemporânea, sobretudo as finanças, e o território. Esta parte é constituída de seis capítulos, dos quais o último poderia também se incluir na parte seguinte, pois, por meio da noção de esquizofrenia do território, mostramos como o espaço geográfico constitui um dos limites a essa globalização perversa. É essa idéia de limite à história atual que se impõe na quinta parte, em que são mostrados ao mesmo tempo os descaminhos da racionalidade dominante, a emergência de novas variáveis centrais e o papel dos pobres na produção do presente e do futuro. A sexta parte, uma espécie de conclusão, é dedicada ao que imaginamos ser, nesta passagem de século, a transição em marcha. Aqui, os temas versados realçam as manifestações pouco estudadas do país de baixo, desde a cultura até a política, raciocínio que se aplica também à própria periferia do sistema capitalista mundial, cuja centralidade apresentamos como um novo fator dinâmico da história. É, exatamente, porque esses atores, eficazes mas ainda pouco estudados, são largamente presentes, que acreditamos não ser a globalização atual irreversível e estamos convencidos de que a história universal apenas começa.



I - INTRODUÇÃO GERAL

1. O mundo como fábula, como perversidade e como possibilidade
Vivemos num mundo confuso e confusamente percebido. Haveria nisto um paradoxo pedindo uma explicação? De um lado, é abusivamente mencionado o extraordinário progresso das ciências e das técnicas, das quais um dos frutos são os novos materiais artificiais que autorizam a precisão e a intencionalidade. De outro lado, há, também, referência obrigatória à aceleração contemporânea e todas as vertigens que cria, a começar pela própria velocidade. Todos esses, porém, são dados de um mundo físico fabricado pelo homem, cuja utilização, aliás, permite que o mundo se torne esse mundo confuso e confusamente percebido. Explicações mecanicistas são, todavia, insuficientes. É a maneira como, sobre essa base material, se produz a história humana que é a verdadeira responsável pela criação da torre de babel em que vive a nossa era globalizada. Quando tudo permite imaginar que se tornou possível a criação de um mundo veraz, o que é imposto aos espíritos é um mundo de fabulações, que se aproveita do alargamento de todos os contextos (M. Santos, A natureza do espaço, 1996) para consagrar um discurso único. Seus fundamentos são a informação e o seu império, que encontram alicerce na produção de imagens e do imaginário, e se põem ao serviço do império do dinheiro, fundado este na economização e na monetarização da vida social e da vida pessoal.

De fato, se desejamos escapar à crença de que esse mundo assim apresentado é verdadeiro, e não queremos admitir a permanência de sua percepção enganosa, devemos considerar a existência de pelo menos três mundos num só. O primeiro seria o mundo tal como nos fazem vê-lo: a globalização como fábula; o segundo seria o mundo tal como ele é: a globalização como perversidade; e o terceiro o mundo como ele pode ser: uma outra globalização.


O mundo tal como nos fazem crer: a globalização como fábula
Este mundo globalizado, visto como fábula, erige como verdade um certo número de fantasias, cuja repetição, entretanto, acaba por se tornar uma base aparentemente sólida de sua interpretação (Maria da Conceição Tavares, Destruição não criadora, 1999).

A máquina ideológica que sustenta as ações preponderantes da atualidade é feita de peças que se alimentam mutuamente e põem em movimento os elementos essenciais à continuidade do sistema. Damos aqui alguns exemplos. Fala-se, por exemplo, em aldeia global para fazer crer que a difusão instantânea de notícias realmente informa as pessoas. A partir desse mito e do encurtamento das distâncias – para aqueles que realmente podem viajar – também se difunde a noção de tempo e espaço contraídos. É como se o mundo se houvesse tornado, para todos, ao alcance da mão. Um mercado avassalador dito global é apresentado como capaz de homogeneizar o planeta quando, na verdade, as diferenças locais são aprofundadas. Há uma busca de uniformidade, ao serviço dos atores hegemônicos, mas o mundo se torna menos unido, tornando mais distante o sonho de uma cidadania verdadeiramente universal. Enquanto isso, o culto ao consumo é estimulado.

Fala-se, igualmente, com insistência, na morte do Estado, mas o que estamos vendo é seu fortalecimento para atender aos reclamos da finança e de outros grandes interesses internacionais, em detrimento dos cuidados com as populações cuja vida se torna mais difícil.

Esses poucos exemplos, recolhidos numa lista interminável, permitem indagar-se, no lugar do fima da ideologia proclamado pelos que sustentam a bondade dos presentes processos de globalização, não estaríamos, de fato, diante da presença de uma ideologização maciça, segundo a qual a realização do mundo atual exige como condição essencial o exercício de fabulações.


O mundo como é: a globalização como perversidade
De fato, para a grande maior parte da humanidade a globalização está se impondo como uma fábrica de perversidades. O desemprego crescente torna-se crônico. A pobreza aumenta e as classes médias perdem em qualidade de vida. O salário médio tende a baixar. A fome e o desabrigo se generalizam em todos os continentes. Novas enfermidades como a SIDA se instalam e velhas doenças, supostamente extirpadas, fazem seu retorno triunfal. A mortalidade infantil permanece, a despeito dos progressos médicos e da informação. A educação de qualidade é cada vez mais inacessível. Alastram-se e aprofundam-se males espirituais e morais, como os egoísmos, os cinismos, a corrupção.

A perversidade sistêmica que está na raiz dessa evolução negativa da humanidade tem relação com a adesão desenfreada aos comportamentos competitivos que atualmente caracterizam as ações hegemônicas. Todas essas mazelas são direta ou indiretamente imputáveis ao presente processo de globalização.


O mundo como pode ser: uma outra globalização
Todavia, podemos pensar na construção de um outro mundo, mediante uma globalização mais humana. As bases materiais do período atual são, entre outras, a unicidade da técnica, a convergência dos momentos e o conhecimento do planeta. É nessas bases técnicas que o grande capital se apóia para construir a globalização perversa de que falamos acima. Mas, essas mesmas bases técnicas poderão servir a outros objetivos, se forem postas ao serviço de outros fundamentos sociais e políticos. Parece que as condições históricas do fim do século XX apontavam para esta última possibilidade. Tais novas condições tanto se dão no plano empírico quanto no plano teórico.

Considerando o que atualmente se verifica no plano empírico, podemos, em primeiro lugar, reconhecer um certo número de fatos novos indicativos da emergência de uma nova história. O primeiro desses fenômenos é a enorme mistura de povos, raças, culturas, gostos, em todos os continentes. A isso se acrescente, graças aos progressos da informação, a “mistura” de filosofias, em detrimento do racionalismo europeu. Um outro dado de nossa era, indicativo da possibilidade de mudanças, é a produção de uma população aglomerada em áreas cada vez menores, o que permite ainda maior dinamismo àquela mistura entre pessoas e filosofias. As massas de que falava Ortega y Gasset na primeira metade do século (La rebelión de las masas, 1937), ganham uma nova qualidade em virtude da sua aglomeração exponencial e de sua diversificação. Trata-se da existência de uma verdadeira sociodiversidade, historicamente muito mais significativa que a própria biodiversidade. Junte-se a esses fatos a emergência de uma cultura popular que se serve dos meios técnicos antes exclusivos da cultura de massas, permitindo-lhe exercer sobre esta última uma verdadeira revanche ou vingança.

É sobre tais alicerces que se edifica o discurso da escassez, afinal descoberta pelas massas. A população aglomerada em poucos pontos da superfície da Terra constitui uma das bases de reconstrução e de sobrevivência das relações locais, abrindo a possibilidade de utilização, ao serviço dos homens, do sistema técnico atual.

No plano teórico, o que verificamos é a possibilidade de produção de um novo discurso, de uma nova metanarrativa, um novo grande relato. Esse novo discurso ganha relevância pelo fato de que, pela primeira vez na história do homem, se pode constatar a existência de uma universalidade empírica. A universalidade deixa de ser apenas uma elaboração abstrata na mente dos filósofos para resultar da experiência ordinária de cada homem. De tal modo, em um mundo datado como o nosso, a explicação do acontecer pode ser feita a partir de categorias de uma história concreta. É isso, também, que permite conhecer as possibilidades existentes e escrever uma nova história.





Compartilhe com seus amigos:
  1   2   3   4   5   6   7   8   9   10   11


©principo.org 2019
enviar mensagem

    Página principal