Pr. Abram de Graaf Texto: Provérbios 20, 12 Revisado 10/01/2015 Liturgia Leitura: Mateus 20, 29-34



Baixar 23.29 Kb.
Encontro02.08.2016
Tamanho23.29 Kb.


Texto: Provérbios 20, 12 Revisado 10/01/2015 Liturgia

Leitura: Mateus 20, 29-34

Queridos irmãos em Cristo Jesus,


O ouvido que ouve e o olho que vê,

O Senhor os fez, tanto um como o outro”.
Quando lemos este texto nós nos perguntamos o que esta palavra do Senhor quer nos dizer? Qual é a sabedoria dessa palavra? Muitas pessoas tentaram resolver, mas muitas vezes o texto continua um enigma. Vamos também observar o texto e nos perguntar: o que Deus quer dizer a nós?
Não pode ser somente a idéia que Deus criou o homem, os seus olhos e os seus ouvidos, porque a Bíblia já revelou isso no livro de Gênesis. Um livro histórico que nos informa sobre os fatos da criação. O livro de Gênesis é assim, mas o livro dos Provérbios é diferente. Este livro fala sobre a sabedoria de Deus; sobre o temor do Senhor e sobre o Grande Mandamento: amar a Deus e amar aos nossos próximos. Este livro nos ensina como devem ser as nossas relações.
Nós devemos AMAR! Amar a Deus; e AMAR o nosso próximo. A esposa, os pais, o filho, o amigo, o irmão, o pobre, o preguiçoso, o justo, o sábio, o rei etc. Os Provérbios mostram todas essas pessoas e nos explica como devemos tratá-las. Como devemos amá-las.
Agora, só é possível ter relações com essas pessoas se podemos VER E OUVIR; Uma pessoa que não pode ver, tem uma grande deficiência em construir relações, porque não pode ver. Mas ainda pode ouvir. O ouvido do cego é muito importante. O cego consegue ouvir detalhes, que uma pessoa normal não consegue ver.
Então imagine que o cego também perderá a sua audição....!

Li uma vez um livro sobre um cego, que foi maltratado por criminosos. Ele ouviu certas coisas e contou a história a polícia. Depois os criminosos pegaram o cego e destruíram os ouvidos dele. Imagine! O cego perdeu todo contato com o mundo em seu redor.


Os nossos olhos e os nossos ouvidos servem para fazer e manter as nossas relações! Devemos pensar nisso, se lermos o provérbio 20,12
O ouvido que ouve e o olho que vê,

O Senhor os fez, tanto um como o outro”.
O Senhor fez ambos com um objetivo: olhar com amor; ouvir com amor.

O Senhor usou os seus olhos e os seus ouvidos assim. Pensam por exemplo em Êxodo 3, 7-8!


O Senhor viu a aflição do seu povo;

O Senhor ouviu o seu clamor por causa dos seus exatores.

Conheça-lhe o seu sofrimento,

Por isso, desci a fim de livrá-lo da mão dos egípcios.
O Senhor olha com amor e ouve com amor, e depois age com amor. Assim deve ser! Mas muitas pessoas não são assim. Presta atenção à história do bom Samaritano (Lucas 10, 25-37). Todo mundo conhece essa história! Houve um homem, que foi assaltado e os ladrões deixaram-no semimorto na beira da estrada. Casualmente descia um sacerdote por aquele mesmo caminho e, VENDO-O, passou de largo; Semelhantemente, um levita descia por aquele lugar e, VENDO-O, também passou de largo.
Esta situação é muito triste, irmãos. O Sacerdote e o Levita VIRAM o homem, mas não o ajudaram! O Sacerdote e o Levita: dois homens que conheciam a lei! Eles conheciam a história do povo de Israel no Egito. Eles a conheciam muito bem, porque a história era lida e contada todo ano na época da Páscoa. Eles conheciam Êxodo 3, 7-8!

O Senhor viu a aflição do seu povo;



O Senhor ouviu o seu clamor por causa dos seus exatores.

Ele conheceu o seu sofrimento, por isso, ele desceu a fim de livrá-lo”.
Estes servos do Senhor deviam agir da mesma maneira. Mas não fizeram...! O problema não era somente o fato que o Sacerdote e o Levita o viram e passaram de largo; O problema mais profundo é que os dois não CONHECIAM Moisés e os profetas; eles não conheciam a LEI do Senhor. Eles não viviam conforme o Grande Mandamento. Por causa disso eles não ajudaram o homem na beira da estrada. Eles não ouviram com amor, nem olharam com amor, e por causa disso não desceram para ajudá-lo.
Agora irmãos: É muito fácil condenar os atos deles! Talvez seja melhor perguntar: como está com a nossa vida? Como funcionam os nossos olhos e os nossos ouvidos?

Observamos para ajudar; ouvimos com amor? OU somos filhos modernos da televisão? Televisão quer dizer: Ver de longe; ver numa distancia. A televisão nos ensina a ver numa distancia, mas também VER COM DISTANCIA! VER SEM AMOR!


Através da televisão observamos os crimes e a corrupção em São Paulo, em Bagdá, em qualquer parte do mundo. Observamos e ouvimos, mas sem fazer nada. A televisão mostra as vítimas, mas passa de largo. Quantos aqui observaram a situação das pessoas que (........procura um exemplo atual.........) e ajudaram? Os nossos olhos são saturados em ver a miséria das pessoas. Andamos de carro e de ônibus e observamos as crianças na rua; crianças pobres, famintas e doentes. Observamos, mas passamos de largo.
Somos como o Sacerdote e o Levita, que estavam com pressa e pensaram na sua agenda. O Samaritano teve também uma agenda, mas ele olhou com amor, e se compadeceu. Ele parou, o ajudou e o levou para uma hospedaria.

Ele olhou com amor.


Jesus também é assim. No final da sua vida, ele estava subindo para Jerusalém. Foi na semana santa. Ele sabia o que aconteceria em Jerusalém! Os Sacerdotes, e os Fariseus iam pegá-lo e matá-lo. Ele sabia. Mas será que ele estava preocupado com isso?
Como estaria a sua vida, irmão, se sabe que vai morrer no final dessa semana, na sexta feira. Como estaria a sua vida? Calma e relaxada? Ou angustiada e com muito estresse? Muitas pessoas, que estão doentes e que sabem que a sua vida está numa fase final, ficam introvertidas. Elas não prestam mais atenção ao que acontece em redor delas. Elas só pensam em si mesmas. Elas só pensam na sua vida, no seu corpo;

A dor do seu corpo, a dor da sua cabeça toma toda a sua atenção.

Elas se preocupam com isso e não têm mais atenção para os problemas dos outros. Jesus estava na final da sua vida: a última semana. Mas caminhando para Jerusalém, Jesus OUVIU a voz de dois cegos a beira do caminho (Mateus 20, 29-34). Ele os ouviu no meio do barulho da multidão, porque houve muitas pessoas na estrada. Todo mundo indo para Jerusalém.
A multidão também os ouviu e os repreendia para que se calassem.

A multidão estava saturada. Não queria ouvir a voz desses homens.

A multidão estava com pressa, queria entrar em Jerusalém com Jesus;

A multidão ouviu o grito de socorro, mas eles passaram a largo.

Pior ainda: eles os repreendia para que se calassem: Cale a boca!
Mas os dois gritavam cada vez mais. Como se soubessem o que ia acontecer em Jerusalém. Os cegos gritavam como se soubessem que seria a única chance na sua vida. OU hoje ou NUNCA MAIS!

SENHOR, FILHO DE DAVI, TEM MISERICORDIA DE NÓS!”


Existem bastantes pessoas que conseguem negar um apelo como esse. Mas Jesus não conseguiu. Ele é como o Senhor na época de Moisés.

O Senhor viu a aflição do seu povo; O Senhor ouviu o seu clamor por causa dos seus exatores. Conheça-lhe o seu sofrimento, por isso, desceu a fim de livrá-lo.

Jesus conhecia a lei. Jesus conhecia Moisés e os profetas.... como ninguém!

Então, ele parou, os chamou e perguntou: Que quereis que eu vos faça?

E eles responderam: Senhor, que se nos abram os olhos!


Estes homens queriam ver. Eles só podiam OUVIR. Mas eles queriam VER.

Eles estavam conscientes - como ninguém aqui - o que este provérbio queria dizer:

O Senhor os fez, tanto um como o outro: O ouvido que ouve e o olho que vê!”

O Senhor os fez para usar.... com amor.


Então de fato, estes dois homens tinham uma deficiência dupla.

A primeira deficiência: Eles eram cegos e não podiam ver. Eles dependiam dos outros.

A segunda deficiência: Eles não podiam ver com amor ....para ajudar os outros.

O ouvido deles só funcionava para ouvir os outros passando e para pedir ajuda.

Eles não podiam ver, nem ajudar.

Uma deficiência dupla.


Mas eles queriam ver.

Eles estavam loucos de vontade para ver.

Eles estavam loucos como cachorros, que querem sair para ver o que está acontecendo fora da casa. Já viu isso, irmãos? Pegue a coleira do cachorro para andar com ele. Já viu? Ele fica doido de alegria. Ele pula, dança, late; doido para sair. Estes cegos também! Eles gritaram cada vez mais, porque queriam ver! Ver para crer!

Jesus abriu os olhos deles para que os usassem com amor.

O texto diz: Condoído, Jesus tocou-lhes os olhos,

e imediatamente recuperaram a vista e o foram seguindo.
Prestem atenção nessas últimas palavras, irmãos: e o foram seguindo!

A vista dos cegos se recuperou em dois sentidos. Eles começaram a ver; esta foi a primeira benção; E eles começaram a ver.... Com amor; esta foi a segunda benção; Eles abriram os seus olhos e viram o Senhor que fez tanto o ouvido como o olho. Eles abriram os seus olhos e amaram Jesus e o foram seguindo.


Como está com os seus olhos, irmãos? Como está com os seus ouvidos? Vocês ouvem o evangelho de Jesus.... Com amor? Vocês usam os seus olhos e lêem a Bíblia... com amor? O Senhor lhes deu olhos e ouvidos, para amar.

Foi ele que disse a Tomé (João 20,29)



Porque me viste, creste?

Bem aventurados os que não viram e creram!

Amém!
Cântico: Cantai! Exultai! O Messias chegou !


www.irbmaceio.com.br





Compartilhe com seus amigos:


©principo.org 2019
enviar mensagem

    Página principal