Pr. Rafael Monteiro



Baixar 28.9 Kb.
Encontro30.07.2016
Tamanho28.9 Kb.
JUSTIÇA IMPUTADA: UMA IDÉIA DIVINA

Pr. Rafael Monteiro



INTRODUÇÃO:
Numa escola um moço excepcional era observado por seus professores. Eles viam que seu futuro era muito promissor depois de secundário

Direito na Universidade local e iniciou sua vida buscando fama e fortuna. Este moço no entanto tinha paz. Era profundamente espiritual e se sentia esmagado por um sentimento de pecado. Resolveu entrar num mosteiro onde esperava encontrar paz.


Cria que Deus estivesse zangado com ele e fazia penitencias.


  1. Comia apenas uma vez por dia

  2. Jejuava e pelo menos 100 dias durante o ano

  3. Dormia no chão frio e sem cobertor

  4. Seus superiores preocupados mandaram-no estudar os escritos de Pedro Lombardo, Tomaz de Aquino, e outros como não desse resultado o aconselharam que fizesse uma peregrinação à Roma, voltou mais aflito ainda. E não sabendo como ajudá-lo eles o mandaram lecionar teologia na Universidade de Vitembergue. Estava preparando o texto para apresentar diante de seus alunos sobre o livro de Romanos quando se deparou com o texto que mudaria o curso de sua vida e da história do mundo.

Rom. 1:17


Diz Ellen. G. White: “Experimentou por meio das obras obter o favor divino, mas não ficou satisfeito até que um raio de luz do céu expeliu as trevas de sua mente, levando-o a confiar, não em obras meritórias, mas nos méritos do sangue de Cristo”. Spirit. Gifts, 1:120.
O dilema de Lutero tem sido o maior de todos os problemas religiosos de todos os tempos.
Jó. 25:4 – Jó. 14:4 – Heb. 12:29 – Êxodo. 33:20.
Como nossa justiça e como trapo de imundícia necessitaríamos de outra para estarmos na presença de Deus. (isto é a justiça de Deus).
Rom. 1:17; diz que esta outra justiça é a de Deus e o caminho para obtê-la pela fé.
I – OS ADVENTISTAS EM CRISE DE FÉ: HISTÓRIA DENOMINACIONAL
A experiência de Lutero se assemelha a de muitos irmãos crentes na tríplice mensagem. Vivem uma vida sem a fé que salva.
Notemos alguma coisa de nossa história rapidamente.
1. Em 1888 realizou-se a comentada assembléia da Associação Geral em Minneapolis, quando dois pastores proeminentes, A.T.Jones e E. J. Waggoner apresentaram seus pontos de vistas sobre a justificação pela fé. Generalizou uma crise sem precedentes na história da igreja adventista. Notem as causas:
a. Nossos pioneiros criam na expiação de Jesus como único meio de salvação. O problema que todos eram mileristas e já haviam passado por aquilo que se chama de conversão. Temos como novo nascimento, conversão, arrependimento de pecados, eram aceitos como tais, mas a ênfase era dada nos pontos de vistas que nos fazem um povo distinto dos demais: lei, sábado, etc... Imortalidade condicional. Isto gerou uma crise espiritual pois os novos conversos não recebiam uma experiência verdadeira em Cristo ao se unirem a igreja. S.C. 38
b. 1887 livro publicado “O Instituto Bíblico”, 352 págs. Urias Smith e Tiago White, não menciona jamais sobre salvação pela fé em Cristo Jesus.
c. O amor ao debate uma característica do ministério de muitos pastores. Os adventistas poucos a princípio foram crescendo e as igrejas protestantes em geral começaram a atacá-los. Os triunfos conseguidos dos debates generalizou-se em espírito de suficiência própria e de independência pessoal o que levou alguns de nossos melhores pastores a apostasia.

Hirão Case

Moisés Hull

B.F. Sook – W.H. Brenkerhof – D.M. Canright


d. Uma terceira causa, resultado das duas primeiras. O assunto dominante por décadas era a lei, lei,lei sem menção de Cristo. Sábado, Sábado. Sem Cristo. Assim foi. O legalismo estava em toda parte. E.G.White durante os anos de 1879 a 1888 insistiu em uma grande reforma espiritual entre os adventistas. E este chamado foi respondido por certo homem. Um autodidata. J. H. Waggoner (Joseph Harves Waggoner). Evangelista de êxito tinha apenas seis meses de escola. Antes de ser adventista fora batista e redato de um pequeno jornal político em Nesconsin.
e. Em 1874 publicou uma série de artigos na Sinais dos Tempos. Em 1881 substituiu Tiago White na redação dos Sinais dos Tempos. E em cada novo periódico saia um artigo pelos menos, sobre o assunto da justificação pela fé. Em 1884 a 1885 cercou-se de dois jovens discípulos. Ellet J. Waggoner seu filho, estudar antes medicina e agora era ministro. Alonzo D.T.Jones um soldado convertido que mais tarde entrou para as fileiras do ministério.
f. Tal mensagem parecia extrema e radical e alguns de nossos membros e a igreja que dormia em seu legalismo. Ao curcularem as cópias do Sinais dos Tempos surgiu uma controvérsia que culminou no debate da Assembléia Geral de 1888.
g. Havia 27.000 adventistas então. Era a 27ª Assembléia realizada entre 17 de outubro e 5 de novembro. Um total de 90 delegados. O presidente era G.I.Butler estava doente e não compareceu a Assembléia não foi eleito em seu lugar foi o pastor O.A. Olsen um líder da igreja na Europa. A maioria dos obreiros chegou uma semana antes para assistir um concílio ministerial entre 10 e 17 de outubro. Ai foi preparado o palco para um terrível conflito que se desenvolveria mais tarde. O pastor J.H.Waggoner estava doente e não compareceu. Foram Ellet J. Waggoner e Alozzo D. T. Jones. Logo no inicio das discussões foram evidenciados 3 grupos distintos:
1. Os que aceitavam e recebiam com alegria.

2. Os que rejeitaram completamente resistindo a mss.

3. Os indecisos, os neutros.
h. Pelo menos 23 homens se opuseram as mss. Destes os mais importantes fora:
1. Pastor W.W. Prescott, diretor do colégio de Battle Creeck

2. Pastor R.C. Porter, presidente da Assoc. do Minesota

3. Pastor Lê Rog Nicola mais tarde se tornou séc. da A.G.

4. Pastor Izaque D. Van Horn, pres. Da ass. do Michigão

5. Pastor G.I. Butler, então pres. Da Conf. Geral.

6. Pastor Urias Smith redator da R/H e séc. da Ass. Geral


Nota: salientar o problema entre Urias Smith e os dois obreiros jovens.

i. Dia 17 de outubro se encerrou a reunião sem solução para o caso. O problema da questão era uma solução individual. Não foi tomado nenhum voto da Associação Geral admitindo ou rejeitando a mensagem. Apesar da crise alguma coisa se aprende com ela a crise. Forças que ajudaram a sair da crise:


1. Os que haviam aceito a mensagem se regozijaram nela.

2. E.G. White deu início a publicações de livros sobre o assunto. VC,DTN,MDC,PJ.

3. A.T. Jones, Waggoner e E.G.White percorreram o país inteiro assistindo campais e pregando ao povo.

4. Surgimento dos concílios ministeriais anuais. De 1889 a 1896. Muitos oponentes voltam a compreender a mensagem da Justificação pela Fé. Em 1891 Urias Smith aceitou o test. De E.G.White e confessou erro. Em 1893 Butler confessou também seu erro.

j. A crise encerra com o capítulo mais triste. 4 oponentes da mss., saíram da igreja. E os dois paladinos da justificação pela Fé apostataram. A.T. Jones e E.J. Waggoner.
II – CONCEITOS ERRONEOS DE FÉ: FÉ NA IGREJA
1. A fé que salva é fé na igreja. Salientam a igreja demasiadamente diante dos filhos. E jovens. E Cristo não aparece.
“Há muitos que parecem imaginar que observância exteriores são suficientes para a salvação. Mas formalismo e rigorosa assistência aos serviços religiosos, falharão em trazer a paz de Deus que excede todo entendimento. Somente Jesus pode dar-nos a paz”. RH 18-11-1890
2. A fé salva é fé nas doutrinas. Intelectualização da verdade. Alguns pensam que colocar a mess., na cabeça já dizeram o máximo. Daniel 2 quando chega na pedra que Cristo o tempo já acabou e não se apresenta o Cristo das profecias. Estuda-se o Apocalipse e Cristo não é o centro do estudo fica sem frutos o estudo.
3. A fé que salva é a fé – Boas Oovas. O orgulho das realizações humanas. Boas Obras são resultados da fé verdadeira mas Ele não nos salva por causa das boas obras. Somos salvos por fé. A justiça em Rom. 1:17 e a de Deus que aceita pela fé.


  1. Zac. 3:1-3. Josué vestido com roupas novas e limpas.

Isa. 64:6 – Gál.3:11 – Rom. 3:28 – Efés. 2:3,9

E.G.White: “O que é justificação pela fé? É a obra de Deus ao lançar a glória do homem no pó e fazer pelo homem aquilo que ele não pode fazer”. RM 456.


III – O QUE É ENTÃO A FÉ QUE SALVA: Cont. da Seção I
1. A fé que salva é completa submissão a pessoa de Cristo. Jer. 23:6; II Cor. 5:21
Fé: batogh vt – quer dizer abraçar-apegar-se no sentido de apoiar-se

Chasah vt – buscar refúgio

Pistis nt - entrega própria com confiança. A idéia no gr. E de um marinheiro a afogar-se e agarrando-se a um pedaço de medeira.
2. A fé que salva é uma experiência pessoal com Jesus Cristo. Cada dia.

Col. 1:27


3. Aparente contraste entre Paulo e Tiago:
Paulo: O justo viverá por fé

Tiago: Mostra-se essa tua fé com as obras e eu com as obras te mostrarei a minha fé.


Paulo combatia um pto. De vista errônea sobre justificação (mileristas)
Tiago combatia um ponto de vista errôneo sobre a fé.
Tiago combatia um ponto de vista errôneo sobre a fé
Tiago condena uma fé morta que não tem frutos; Paulo rejeita obras contendo algum ato meritório. Tiago diz que uma fé inativa não pode justificar-nos. Paulo diz que obras meritórias não pode justiçar-nos.
Fé é a causa de nossa salvação, e as boas obras constituem o resultado. Boas obras indicam que a nossa fé é genuína.
CONCLUSÃO
A cruz no cimo da igreja (Ilustração)

A mulher do poço de jacó (Ilustração)

O filho pródigo (Ilustração, a Pelo)

Ladrão na cruz (Ilustração)

O ladrão na alcova (Ilustração)

Os lenços da macieira

Os laços na macieira (Ilustração)

Os galhos da macieira estavam

Cheios de laços brancos

Quando a aceitação do Filho que voltava para a casa paterna.








Catálogo: arquivos -> ACOES%20DE%20ESPERANCA DVD -> SEMINARIOS -> A%C3%87%C3%95ES%20DE%20ESPERAN%C3%87A -> MATERIAIS%20DIVERSOS -> Materiais%20Varios%20Autores -> 03%20-%20Pr.%20Rafael%20Monteiro -> Serm%C3%B5es%20Rafael
arquivos -> Ementa: contribuiçÃo previdenciária de agentes políticos – restituiçÃo procedimentos
arquivos -> Estado de santa catarina requerimento de certidão de tempo de contribuiçÃo ctc e declaraçÃo de tempo de contribuiçÃo dtc
arquivos -> Agricultura orgânica como contribuiçÃo para um meio ambiente sustentavel
arquivos -> Questões Possíveis
arquivos -> Estado de santa catarina requerimento de certidão de tempo de contribuiçÃo ctc e declaraçÃo de tempo de contribuiçÃo dtc
arquivos -> Encargos sociais: regime para empresas normais
Serm%C3%B5es%20Rafael -> Das coisas que devem acontecer muito em breve
Serm%C3%B5es%20Rafael -> Pr. Rafael Monteiro
03%20-%20Pr.%20Rafael%20Monteiro -> A missão urbana alcançando os secularizados com o evangelho introduçÃO


Compartilhe com seus amigos:


©principo.org 2019
enviar mensagem

    Página principal