Prefacio a 3á edi ao



Baixar 5.26 Mb.
Página2/77
Encontro29.07.2016
Tamanho5.26 Mb.
1   2   3   4   5   6   7   8   9   ...   77

PARTE 2

OS PRIMÓRDIOS


DA ADMINISTRAÇÃO
A Administração, tal como a encontramos hoje, é o resultado histórico e integrado da contribuição cumulativa de numerosos precursores, alguns filósofos, outros físicos, economistas, estadistas, e outros até mesmo empresários que, no decorrer dos tempos, foram, cada qual no seu campo de atividades, desenvolvendo e divulgando as suas obras e teorias.

Assim sendo, não é de se estranhar que a moderna Administração utilize largamente certos conceitos e princípios descobertos e utilizados nas Ciências Matemáticas (inclusive a Estatística), nas Ciências Humanas (como a Psicologia, Sociologia, Biologia, Educação etc.), nas Ciências Físicas (como a Física, Química etc.), como também no Direito, Engenharia etc.

A história nos demonstra que a maioria dos empreendimentos militares, sociais, políticos, econômicos e religiosos teve uma estrutura orgânica piramidal. Embora de forma não muito regular, essa pirâmide retrata uma estrutura hierárquica, concentrando no vértice as funções de poder e de decisão. A teoria da estrutura hierárquica não é nova: Platão, Aristóteles, Hamurabi etc. já tratavam dela. A Bíblia nos conta os conselhos de Jetro, sogro de Moisés e sacerdote de Midiã; que, notando as dificuldades do genro em atender ao povo e julgar as suas lides, num dia em que aguardava o líder durante o dia inteiro em uma sela, à espera de suas decisões para cada caso, perguntou a Moisés:

L - Que é isto que fazes ao povo? Por que te assentas se, e todo o povo está em pé diante de ti, desde a manhã até o por-do-sol?

Ao que Moisés respondeu:

- É porque o povo vem a mim para consultar a Deus. Quando tem alguma quesito, vem a mim, para que eu julgue entre um e outro, e lhe declare os estatutos de Ikus e as suas leis.

Jetro, porém, o admoestou:

- Não é bom o que fazes. Sem dúvida, desfalecerás, assim tu, como este povo que está contigo: pois isto é pesado demais para ti; tu não o podes fazer assim, sozinho. Ouve, pois, minhas palavras. Eu te aconselharei, e Deus seja contigo. Representa o povo perante Deus. Leva a Deus as suas causas, ensina-lhes os estatutos e as leis, e faze-lhes saber o caminho em que devem andar, e a obra que devem fazer. Procura dentre o voz homens capazes, tementes a Deus homens de verdade, aos quais aborreça a avareza. Põe-nos sobrepeles, por chefes de 1000, chefes de 100, chefes de 50 e chefes de 10 para que julguem este povo em todo tempo. Toda causa grave, trá-la-ão a ti, mas toda causa pequena, eles mesmos a julgarão. Será assim, mais fácil para ti, e eles levarão a carga contigo. Se isto fizeres, e assim Deus to mandar, poderás então suportar; e assim, também, todo este povo tornará em paz ao seu lugar.

Exodo, cap.18, v.13-27

O texto bíblico conta que Moisés seguiu os conselhos do sogro: escolheu homens capazes de todo o Israel e dele ou-Ihes autoridade como se fossem os seus representantes - chefes de 1000, chefes de 100, chefes de 50 e chefes de 10 - que dali para a frente passaram a exercer jurisdição, conforme o nível de competência delegada. Todas as causas simples, julgaram-nas eles mesmos, enquanto apenas as mais graves trouxeram-nas a Moisés.

Certas referências pré-históricas acerca das magníficas construções erigidas durante a Antigüidade no Egito, na Mesopotâmia, na Assíria, testemunharam a existência, em remotas épocas, de dirigentes capazes de planejar e guiar os esforços de milhares de trabalhadores em monumentais obras que perduram até os nossos dias.

Os papiros egípcios atribuídos à época de 1300 a.C. já indicam a importância da organização e administração da burocracia pública no Antigo Egito. Na China, as parábolas de Confúcio sugerem práticas para a boa administração pública.



CRONOLOGIA DOS PRINCIPAIS EVENTOS DOS PRIMÓRDIOS DA ADMINISTRAÇÃO

Anos Autores Eventos

4000 a.C. Egípcios Reconhecimento da necessidade de planejar, organizar e controlar.

2600 a.C. Egípcios Descentralização na organização.

2000 a.C. Egípcios Reconhecimento da necessidade de ordens escritas. Uso de consultoria de sta,f I.

1800 a.C. Hamurabi Uso de controle escrito e testemunhal; estabelecimento do salário

(Babilônia) mínimo; reconhecimento de que a responsabilidade não pode ser transferida.

1491 a.C. Hebreus Conceitos de organização; prinCipio escalar; princípio da exceção.

600 a.C. Nabucodonosor Controle de produção e incentivOs salariais.

(Babilônia)

500 a.C. Mencius Reconhecimento da necessidade de sistemas e padrôes.

(China)


400 a.C. Sócrates (Grécia) EnunCiado da universalidade da Administração.

Ciro (Pérsia) Reconhecimento da necessidade de relações humanas; uso dó estudo de movimentos, arranjo físico e manuseio de materiais.

Platão (Grécia) Enunciado do princípio da especialização.

175 a.C. Cato (Roma) Uso de descrições de funções.

20 Jesus (Judéia) Unidade de comando; regulamentos; relações humanas.

284 Dioclécio (Roma) Delegação de autoridade.

1436 Arsenal de Veneza Contabilidade de custos; verificações e balanços para controle; numeração de inventários; intercâmbio de partes; utilização da técnica de linha de montagem; uso da Administração de Pessoal; estondardização das partes; controle de inventário; controle de Custos.

1525 Niccoló Machiavell(Itália) Confiança no princípio do consenso da massa; reconhecimento da necessidade de coesão na organização; enunciado das qualidades de liderança; descrição de táticas políticas.

1767 Sir James Stuart (Inglaterra) Teoria da fonte da autoridade; impacto da automação; diferencia ção entre gerentes e trabalhadores baseada nas vantagens da especialização.

1776 Adam Smith(Inglaterra) Aplicação do princípio de especialização aos trabalhadores manufatureiros; conceitos de Controle.

1799 Eli Whitney (EUA) Método cientifico; uso da contabilidade de custos e do controle de qualidade; aplicação do conceito de internacionalização das partes; reconhecimento da amplitude administrativa.

1800 James Watt Procedimentos padronizados de operação; especificações; métodos de trabalho; planejamento; incentivo salarial; tempos-

MathewBoulton (Inglaterra) padrões; dados padronizados; gratificações natalinas; seguros mútuos aos empregados; utilização de auditoria.

1810 Robert Owen(Inglaterra) Reconhecimento e aplicação de práticas de pessoal; assunção da responsabilidade pelo treinamento dos operários; introdução de planos de casas para os operários.

1832 Charles Babbage (Inglaterra) Énfase na abordagem científica; ênfase na especialização; divisãodo trabalho; estudo de tempos e movimentos; contabilidade de custos; efeito das várias cores na eficiência do operário.

1856 Daniel C. McCallum (EUA) Uso de organogramas para mostrar a estrutura organizacional: aplicação da Administração sistemàtiea cm ferrovias.

1886 Henry MMcalfe (EUA) Pane da Administração; ciência da Administração.

Frederick W. Taylor Administração cientifica; ampliação de sistemas; Administra ao de

Pessoal; necessidade de e entre o trabalho e a gerência; salários elevados; divisão eqüitativa entre trabalho e gerência; organização funcional; princípio da exceção aplicado à oficina; sistema de custos; estudo de métodos; estudo de tempos; definição da Administração cientifica; ênfase na tarefa administrativa; ênfase na pesquisa, planejamento, controle e cooperação.
Apesar de todo o progresso ocorrido no conhecimento humano, a chamada "Ciência da Administração" somente surgiu no despontar do século XX, como um acontecimento histórico da maior transcendência. A TGA é uma área nova e recente do conhecimento humano. Para que ela surgisse foram necessários muitos séculos de preparação e muitos antecedentes históricos capazes de permitir e viabilizar as condições indispensáveis ao seu aparecimento.



Compartilhe com seus amigos:
1   2   3   4   5   6   7   8   9   ...   77


©principo.org 2019
enviar mensagem

    Página principal