Prelúdio para uma obra: as licenças para a publicaçÃo das máximas de virtude e formosura



Baixar 41.9 Kb.
Encontro31.07.2016
Tamanho41.9 Kb.


PRELÚDIO PARA UMA OBRA: AS LICENÇAS PARA A PUBLICAÇÃO DAS MÁXIMAS DE VIRTUDE E FORMOSURA

Conceição Flores

Maria Arisnete Câmara de Morais

UFRN


Introdução

Há 251 eram publicados, em Lisboa, dois livros escritos por dois irmãos nascidos no Brasil. Refiro-me às Máximas de virtude e formosura de Teresa Margarida da Silva e Orta e às Reflexões sobre a vaidade dos homens de Matias Aires. É sobre as licenças concedidas para a publicação do livro escrito por Teresa Margarida que irei me debruçar. Conto, no entanto, alguns aspectos da história de vida da autora e introduzo as Máximas de virtude e formosura por considerar serem esses aspectos relevantes para a compreensão da demora na concessão das licenças.



Uma vida que se conta

Teresa Margarida da Silva e Orta nasceu em São Paulo, em 1711. O pai, José Ramos da Silva, tinha chegado ao Brasil, em 1695, com pouco mais de 12 anos, como criado de servir. Era filho natural de Valério Ramos e de Maria da Silva, lavradores, naturais e residentes na freguesia de São Miguel de Beire, bispado do Porto. Após permanência na Bahia, capital da colônia, veio tentar a sorte em São Paulo, onde se casou, em 1704, com Dona Catarina Dorta, brasileira, de sangue mestiço, mas também descendente dos Orta, família tradicional portuguesa. José Ramos da Silva notabilizou-se durante a invasão francesa ao Rio de Janeiro (1710). À época, já era um próspero comerciante, fortuna alcançada, sobretudo, com negócios para as Minas Gerais.

Em 1716, regressou ao reino com a família, mantendo através de seus procuradores importantes negócios no Brasil. Se a esta família faltava a nobreza de sangue, sobejava a riqueza e a determinação do patriarca em obter as honrarias necessárias para ascender socialmente. Feito Familiar do Santo Ofício, tendo recebido o título de Cavaleiro da Ordem de Cristo e arrematado o contrato de dízima da Alfândega do Rio de Janeiro, comprou, em 1722, o cargo de Provedor da Casa da Moeda de Lisboa, um dos cargos mais cobiçados do reino. Era, então, rei de Portugal D João V cujo reinado “se pode chamar o século de Ouro” (SOUZA, 1953, vol. VIII, p. III).

A família tinha três filhos: Matias Aires, o mais velho, educado pelos jesuítas no Colégio de Santo Antão; Teresa Margarida e Catarina Josefa, educadas no Convento das Trinas, e destinadas à vida religiosa. Este convento, fundado em 1661, acolhia meninas entre os 7 e os 25 anos “por educandas, a esperarem lugar para serem religiosas, e juntamente se criarem na virtude, e nas cerimônias” (S. JOSÉ, 1794, p. 218). O destino das mulheres da classe mais abastada se fazia consoante a vontade paterna: ou religiosa ou esposa, segundo os interesses financeiros familiares. No primeiro caso, desde cedo eram educadas em conventos, se não permaneciam no “gineceu sob a vigilância da mãe” (GARRETT, 1829, p. XX).

José Ramos da Silva, conforme prática comum da época, parece ter planejado concentrar toda a riqueza nas mãos do filho varão. A mais nova, Catarina, será freira, não se sabe se por vocação ou adesão, e chegará a abadessa do Convento de Odivelas. O hábito não pressupunha vocação religiosa, mas adesão ao “poder simbólico” exercido pela família e pela Igreja (BOURDIEU, 1999). Diderot, em A religiosa, narra as desventuras de Suzanne, uma jovem encerrada num convento pelas conveniências familiares, que jura ter declarado solenemente não desejar professar e pretender ser “tudo, menos religiosa”. Suzanne conta o que aconteceu a partir daquele momento. Diz ela: “fui trancafiada na cela; impuseram-me o silêncio; fiquei isolada de todo mundo, inteiramente abandonada; e vi, claramente, que se haviam resolvido a dispor de mim sem mim” (DIDEROT, 1986, p. 51).

Quanto a Teresa Margarida, outro foi o seu destino. Conhecera, provavelmente nos “dias de grade” do convento das Trinas, Pedro Jansen Moller, 10 anos mais velho, por quem se apaixonara. Contrariados os planos paternos, que visavam concentrar a riqueza nas mãos do filho varão ou quando muito a realização de algum casamento vantajoso, a história de amor terá um final feliz pela transgressão da menina ao poder paterno. A autora tinha apenas dezesseis anos e, demonstrando querer ser dona do seu destino, solicitou dispensa matrimonial ao Patriarcado de Lisboa para poder casar-se sem a autorização paterna. Consultei, na Torre do Tombo, o processo de dispensa matrimonial de Teresa Margarida e vi os argumentos invocados para que lhe fosse concedida a dispensa matrimonial. Ela argumenta que o pai a mantinha seqüestrada na Quinta da Agualva, (Belas, arredores de Lisboa), a submetia a maus tratos e que era seu desejo receber por esposo a Pedro Jansen Moller de quem se encontrava grávida.

O pai, José Ramos da Silva, inconformado com a autorização obtida pela filha que se casou a 20 de janeiro de 1728, não aceitou as diligências conciliatórias do jovem casal. Para padrinho do primeiro dos doze filhos de Teresa Margarida, foi convidado o pai; para madrinha do segundo, a mãe Dona Catarina. Nenhum compareceu aos batizados, mas o pai não deixou de assistir ao casal com elevadas quantias de dinheiro, queixando-se, contudo, do genro arrivista e das atitudes da filha (cf.ENNES, 1947, p. 38, 423-8).

Conforme notícia publicada no Folheto de Lisboa, de 16 de dezembro de 1743, morreu o pai da autora. Diversas petições feitas por Pedro Jansen Moller – existentes no Arquivo Histórico Ultramarino, referentes ao Conselho Ultramarino Brasil - Maranhão – dão conta das dificuldades financeiras em que a família se encontrava para saldar dívidas contraídas para estabelecer uma serração de madeiras em Icatu, comprada em 1739. Algumas são pedidos de moratória e o argumento recorrente é o recebimento, em breve, da herança do sogro.

A morte do marido, em 1753, deixou Teresa Margarida numa delicada situação financeira e com doze filhos para educar. Os processos por ela movidos contra o irmão Matias Aires, para reivindicar a sua parte na fortuna paterna, pois o pai a deserdara, arrastaram-se pelos tribunais. Feriam os interesses do irmão, herdeiro universal, que alegava ter esta recebido em vida do pai somas ultrapassando significativamente o que lhe caberia pela legítima.

Em 1770, por acobertar os amores de seu filho Agostinho, o mais novo da numerosa prole, com Teresa Mello, da importante Casa dos Melo, Teresa Margarida foi presa no mosteiro de Ferreira de Aves, a mando do Marquês de Pombal. O filho foi degredado para Angola, a futura nora presa num convento, privada dos bens de família e desnaturalizada, isto é, impedida de usar o nome de família. Terão os três que esperar a morte de D. José para que as arbitrariedades cometidas pelo Marquês, parente de Teresa Melo, fossem remidas por D. Maria I. Posta em liberdade em 1777, Teresa Margarida irá viver, em Lisboa, na companhia de seu cunhado, o monsenhor e inquisidor Joaquim Jansen Moller. Morreu a 20 de outubro de 1793, em Belas, onde está sepultada.



Apresentando as Máximas de Virtude e Formosura

As Máximas de virtude e formosura com que Diófanes, Clymenea e Hemirena, Príncipes de Tebas, venceram os mais apertados lances da desgraça foram publicadas em 1752. A página de rosto atestava a autoria como sendo de Dorothea Engrassia Tavareda Dalmira, anagrama perfeito de Dona Theresa Margarida da Silva e Orta. Em 1759, quando Barbosa Machado publicou a Biblioteca Lusitana, incluiu um verbete sobre ela onde se lê:

Ornada de sublime engenho, e agudo entendimento fez admiráveis progressos assim na Poética, como na Oratória. A instrução das línguas mais polidas da Europa lhe fez patentes os mais delicados conceitos, que felizmente praticou na seguinte obra, em que compete a discrição com a elegância:

Máximas de virtude e formosura com que Diófanes, Climenéia e Hemirena, príncipes de Tebas, venceram os mais apertados lances da desgraça. Lisboa, por Miguel Manescal da Costa, 1752, 8º.

Saiu com o suposto nome de Dorotéia Engrássia Tavareda Dalmira (1759, vol. IV, 271).

O romance dividido em cinco livros, na primeira edição, introduzidos por um sumário que antecipa os fatos a ser narrados, conta as desventuras sucedidas a Diófanes e a Climenéia, reis de Tebas, e a sua filha Hemirena, após uma tormenta que desbaratou a esquadra, na qual seguiam para Delos, onde se realizaria o casamento de Hemirena com Arnesto, príncipe daquela cidade. Atacados e feitos prisioneiros pelos seus inimigos de Argos, são levados para terra, separados e vendidos como escravos. A partir desse momento, sucedem-se as desventuras do pai, mãe e filha. Maltratados como escravos, sofrem humilhações e perseguições, padecem enfermidades, suportando estoicamente as provas por que passam. Nessa trama, destaca-se Hemirena, personagem principal. A virtude inquebrantável, o amor e dedicação filial, a fidelidade ao noivo, a sabedoria e a modéstia, a bondade e a caridade, associados à coragem e determinação, são algumas das qualidades de Hemirena. Esta heroína, assumindo uma identidade masculina, foge dos “perigos, com que o amor ameaça a formosura” (Orta, 1945, p. 37) e empreende a busca dos pais para que, juntos, possam retornar à pátria. É sob o nome de Belino e uma persona masculina que Hemirena reencontra os pais e o noivo que, disfarçado, saíra de Delos a procurá-la. Toda a teia romanesca se desenvolve a partir da ação de Hemirena/Belino, finalizando a história com a volta de Diófanes e Climenéia a Tebas e o casamento de Hemirena e Arnesto. A trama é pretexto para a defesa de princípios iluministas, entre os quais se destaca a de guia de comportamento para a educação das mulheres, elogio à vida natural e simples do campo, preconizando a construção de uma sociedade onde os mestres deveriam ter “regalias, isenções e boa renda” e na qual não se “consentiria que houvessem escravos” (ORTA, 1945, p. 124 e 247), projeto utópico para o Portugal do século XVIII e dos séculos vindouros.



A história da publicação

O romance veio a lume no ano de 1752. Nesse mesmo ano, como já referi, é publicado Reflexões sobre a vaidade dos homens, escrito por Matias Aires, irmão da autora. Enquanto o livro de Matias Aires teve todas as licenças, isto é, a do Santo Ofício, a do Ordinário e a do Paço, concedidas respectivamente a 4 de maio, 5 de junho e 17 de junho de 1752, tendo sido impresso na Oficina de Francisco Luís Ameno, Impressor da Rev. Fábrica da S. Igreja de Lisboa, no mesmo ano, o livro de sua irmã havia demorado cerca de dois anos para ser publicado. Matias Aires dedica a obra ao rei D. José, e talvez seja esse um dos motivos para a rapidez da liberação.

Teresa Margarida depositara o livro, provavelmente, em 1750, pois a primeira das licenças concedidas, a do Santo Ofício, está datada de 17 de novembro de 1750. O censor, Rodrigo de Sá, declara:

Falo com experiência própria, porque principiando a ler este livro obrigado da obediência, brevemente senti trocada a força do preceito em atractivos da vontade, estimulando-me a prosseguir a leitura, não tanto a superioridade do império, quanto a recreação do ânimo. Bem empregado tempo em que a autora gastou nesta composição, e estudos a ela conducentes (1752).1

Considera o censor também que “devem subir de ponto os elogios desta Escritora, por isso mesmo que nesta sua obra chegou com felicidade a tocar aquele subido ponto de acerto”. Os enaltecidos comentários terminam com a fórmula habitual, “nada contém este livro contra a nossa Santa Fé, e bons costumes, pelo que julgo por muitos títulos digno de estampa”. Concedida esta autorização, vai o texto para as mãos de Frei José de São Gualter Lamatide, Leitor Jubilado, qualificador do Santo Ofício, Consultor da Bula, e Examinador das Três Ordens Militares. E, novamente, a autorização excede as tradicionais fórmulas. Cito as palavras deste censor:

Não faltaram maldizentes, que chegaram a proferir, e se atreveram a escrever, que as mulheres eram uns erros da natureza, e uns indivíduos infelizes do sexo frágil; mas o certo é que nas letras e armas, que são os dois pólos de toda a glória varonil, podem as mulheres competir com os maiores homens do mundo, porque com prudentes conselhos de mulheres se têm remediado desordens, que os homens mais sábios não descobriram remédio.

Refere-se o censor, por um lado, às críticas históricas dirigidas ao sexo feminino; por outro, afirma que as mulheres “nas letras e armas” podem competir com os “maiores homens do mundo”.E, na continuação, cita os exemplos bíblicos de Sara, Débora, Éster e Judite, dizendo ter sido essas mulheres “libertadoras e restauradoras de suas pátrias, sendo sempre mais valente o entendimento, que a espada”. Como se pode ver, parece estarmos perante uma defesa das mulheres, uma justificativa para publicação desta obra, pois Frei José entende que “à discreta obra desta autora erudita fica devedora o mesmo Paço, por ter nela documentos de como se devem reger os Reinos, conservar os Estados, e aumentar os comércios”. Palavras surpreendentes estas, por acreditar-se então, que os romances “depois de terem tornado muitas delas [mulheres] ousadas, tornavam-nas sagazes, chegando a defender que uma mulher não pode estudar nem ler sem se tornar viciosa” (Bosc, 1662. Apud Desaive: 1991: 313-4). Termina o censor, desejando que a obra “conserve na posteridade a fama de sua Autora”, fato de que hoje eu e outras pesquisadoras damos testemunho.

Esta autorização foi concedida em Lisboa, a 21 de dezembro de 1750 no Convento de São Francisco. Alguns dias antes, a 19 de dezembro de 1750, havia sido concedida a autorização do Ordinário por Manoel Monteiro, Acadêmico do Número da Academia Real, Árcade de Roma e Examinador das Três Ordens Militares. Este censor, à semelhança dos anteriores, comenta a obra de forma bastante elogiosa, mas outro parece ser o seu objetivo. Vejamos algumas passagens desta autorização:

Fiquei certificado com a leitura, que é todo da sua Autora, circunstância tão rara e decorosa (...) que bastaria para singularizá-la entre os Autores mais célebres das Ciências, e das faculdade, pois muitos deles repetiram, como eco, parte do que disseram outros, que primeiramente escreveram. (...) Não repete, como eco, o que já se disse, tudo é com novidade. Não traslada os discursos estranhos, escreve os seus naturalíssimos discursos. Não usa de conceitos alheios, todos os de que usa são próprios.

Parece estarmos presenciando uma defesa avant la lettre do conceito de originalidade que será tão caro aos românticos, pois o que a autora apresentatudo é com novidade”. Esta justificativa é dada por um homem de autoridade, membro da Academia Real, Árcade de Roma que advoga “a erudição copiosa”, conhecimentos de Ética, Filosofia, História Eclesiástica e Profana, e Mitologia. A 5 de dezembro do mesmo ano, no entanto, Frei R. de Lancastre Trigoso já autorizara que o livro fosse impresso, devendo voltar, como de praxe, para ser “conferido para se dar licença que corra, sem o qual não correrá”.

A 10 de janeiro de 1751, é expedida a licença do Paço por Ignácio de Carvalho, Cavaleiro professo da Ordem de Cristo e Acadêmico da Academia Real. E, desta feita, a defesa do livro é enfocada por um novo viés, continuação do já anunciado por Manoel Monteiro. Para Ignácio de Carvalho:

É uma história ideada, e semelhantes histórias são uns poemas incompletos da espécie épica, pela falta do metro. Esta forma de compor é tão antiga, que nas nações da Ásia lhe assinam o seu princípio, dela passou aos Árabes, deles aos Espanhóis, e destes aos Franceses, e ultimamente todas as nações políticas, e polidas a estimaram, praticando-a, e com freqüente uso, com tantos séculos de duração e com múltiplas composições.

Fazendo a defesa do romance e historicizando de forma imprecisa o seu surgimento, julga este censor ser em Portugal “indesculpável descuido, e culpável nota (...) [não haver] tradução alguma destas histórias, ou alguma história semelhantemente escrita”. A lacuna existente nas Letras portuguesas, segundo este censor, é preenchida e superada pela autora, pois, como nos diz: “Não tem comparação esta história, os efeitos participam a natureza de suas causa, como havia de deixar de ser única esta história em tudo, sendo em tudo única a sua Autora?”

Ignácio de Carvalho parece também conhecer a autora que se escondia sob o pseudônimo, pois, recorrendo à mitologia, afirma:



e quando quisesse encobri-lo, como Têtis a seu filho Aquiles, entre as filhas de El-Rei Licomedes, ele, como Aquiles, inflamado do espírito egrégio, que influi o ilustre nascimento, havia de descobrir quem lhe dera o ser.

Tendo o casal Teresa Margarida e Pedro Jansen amigos influentes, entre os quais se destacavam: Alexandre de Gusmão - secretário de D. João V; Francisco Mendes de Góis - agente diplomático de D. João V, em Paris, que acolheu o filho mais velho da autora quando este foi estudar em França; o Infante D. Manuel – irmão do rei; freqüentaria, provavelmente, o Paço. É plausível que o censor soubesse quem era a autora que se encobria pelo anonimato.

Vale a pena destacar que o romance deve ter sido entregue no Paço ainda em vida de D. João V, isto é, antes de julho de 1750, já que inicialmente era dedicado à rainha mãe Dona Mariana de Áustria ,conforme se depreende pelo texto de Frei José de São Gualter Lamatide, qualificador do Santo Ofício. Sugere o censor na autorização datada de 21 de dezembro de 1750 que a autora deveria oferecê-lo à “Sereníssima Senhora Princesa do Brasil”. A escritora acata a decisão do censor e o livro é oferecido à “Princesa Nossa Senhora A Senhora D. Maria Francisca Isabel Josefa Antónia Gertrudes Rita Joana”, a futura D. Maria I, então com 19 anos.

Assim, nada obsta para a impressão do livro, e em 19 de janeiro de 1751, é dada ordem para que o livro seja impresso. Teria que voltar para ser taxado e entrar em circulação, mas só no ano seguinte, passado um ano sobre a última autorização, vem o livro a público.

Uma nota publicada na Gazeta de Lisboa, número 28, de 20 de agosto de 1752, informa:

Também saiu à luz o livro intitulado Máximas de virtude e formosura, obra discreta, erudita, política, e moral, em que a sua autora, se não estrangeira ao menos peregrina, no discurso, e na elegância, imita ou excede ao Sapientíssimo Fénelon na sua viagem de Telêmaco fazendo-se digna das mais atenciosas venerações. Vende-se na loja de Francisco da Silva de fronte de S. António.

O redator da notícia já havido lido o livro e estabelecia a comparação com o romance de formação As aventuras de Telêmaco, escrito por Fénelon (1651-1715) que, nomeado por Luís XIV, preceptor do duque de Bourgogne, neto do rei, para este escrevera em 1689 o livro. O objetivo da obra era o de transmitir ao discípulo princípios fundamentais para bem governar, denunciando, alegoricamente, valores vãos como o luxo e a pompa da corte do Rei Sol. Teresa Margarida, no prólogo, diz ser impelida por “o amor da honra, o horror da culpa, a inclinação às ciências, o perdoar a inimigos, a compaixão da pobreza, e a constância nos trabalhos” e ter desprezado o medo de sua própria incapacidade. Diz a autora que é “estrangeira” e já ter “visto bastante para poder contemplar soberanas propriedades, assentando em que não há vapores tão elevados, que possam formar sombras no Olimpo” (ORTA, 1945, p. 1). Ou seja, a formação intelectual da escritora vinculava-se ao grupo dos “estrangeirados”, aos intelectuais que, formados no estrangeiro ou por leituras, partilhavam os ideais do Iluminismo, rompendo o isolacionismo e obscurantismo vigente em Portugal. Mas o sentimento de exílio que acompanha todos os personagens do romance, provavelmente, é partilhado pela autora. Muitos dos “estrangeirados” eram brasileiros, entre os quais, certamente, muitos sentiam-se como os que estudavam em Coimbra e haviam escolhido para sua padroeira Nossa Senhora do Desterro.

Concluindo

O romance teve, certamente, uma boa acolhida dos leitores, pois parece ter-se esgotado a primeira impressão rapidamente, já que, ainda em 1752, é reimpresso com uma errata. Em 1777, surgem outras duas edições: uma intitulada Aventuras de Diófanes, imitando o sapientíssimo Fénelon na sua viagem de Telêmaco, acusando a recepção crítica da obra; outra cujo título Aventuras de Diófanes, ou Máximas de virtude e formosura com que Diófanes, Climenéia e Hemirena, príncipes de Tebas, venceram os mais apertados lances da desgraça mantém ainda vinculação com o título original. Teriam essas edições sido custeadas pelo Paço, já que reinava D. Maria I a quem tinha sido dedicado o romance? Em 1790, uma nova edição cuja folha de rosto estampava Aventuras de Diófanes, imitando o sapientíssimo Fénelon na sua viagem de Telêmaco – por Dorotéia Engrássia Tavareda Dalmira – seu verdadeiro autor, Alexandre de Gusmão. As edições de 1777 e 1790 foram impressas na Régia Oficina Tipográfica.

Protegeria a rainha a autora? Qual seria a intenção de atribuir o texto a Alexandre de Gusmão? Em 1818, o livro é reeditado, mas com mutilações. Passado quase um século de limbo, o romance é editado em 1945, pela Imprensa Nacional do Rio de Janeiro, devido aos estudos do pesquisador Ernesto Ennes, descendente da família de Matias Aires, portanto ainda aparentado com a autora. Em 1993 – publicada pela Graphia, editora carioca – no segundo centenário da morte de Teresa Margarida, saiu uma nova edição intitulada Obra reunida, organizada por Ceila Montez, que agrega outros escritos. Em 2002, a editora Caminho publicou uma edição crítica dirigida por Maria de Santa Cruz, na qual vêm a público as licenças concedidas para publicação .

REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS

AIRES, Matias. Reflexões sobre a vaidade dos homens ou Discursos morais sobre os efeitos da vaidade. Lisboa: Officina de Francisco Luís Ameno, MDCCLII.

BOURDIEU, Pierre. A dominação masculina. Trad. de Maria Helena Kühner. Rio de Janeiro: Bertrand, 1999.

DALMIRA, Dorothea Engrassia Tavareda. Maximas de virtude, e formosura, com que Diofanes, Clymenea e Hemirena, Principes de Thebas, vencêrão os mais apertados lances da desgraça, offerecidas à Princeza Nossa Senhora a Senhora D. Maria Francisca Isabel Josefa Antonia Gertrudes Rita Joana. Lisboa: Officina de Miguel Manescal da Costa, MDCCLII.

DESAIVE, Jean-Paul. “Ambiguidades do discurso literário”. In: DUBY, G. e PERROT, Michelle (org). História das mulheres no Ocidente: do Renascimento à Idade Moderna. Vol. 3. Lisboa: Edições Afrontamento, 1994, p. 301-339.

DIDEROT, Denis. A religiosa. Trad. de Antonio Bulhões e Miécio Bénac. São Paulo: Círculo do Livro, 1986.

DUBY, G. e PERROT, Michelle. “Escrever a história das mulheres”. In: DUBY, G. e PERROT, Michelle (org). História das mulheres no Ocidente: do Renascimento à Idade Moderna. Vol. 3. Lisboa: Edições Afrontamento, 1994, p. 7 e 8.

ENNES, Ernesto. Dois paulistas insignes: Teresa Margarida da Silva e Orta. Vol. II. São Paulo: Companhia Editora Nacional, 1952.

______. “Uma escritora brasileira do século XVIII: D. Teresa Margarida da Silva e Orta”. In: ______. Estudos sobre a história do Brasil. São Paulo: Companhia Editora Nacional, 1947, p. 12-61.

GARRETT, Almeida. Da educação. Londres: Sustenance e Stretch, 1829.



GAZETA DE LISBOA. Lisboa, no 28, 20 de agosto de 1752, p. 476.

GORÉ, Jeanne-Lydie. “Introduction”. In: FÉNELON. Télémaque. Paris: Garnier-Flamarion, 1968, p. 25-55.

MACHADO, Diogo Barbosa. Biblioteca Lusitana. Vol. IV. Coimbra: Atlântida, 1965-1967. Reprodução da ed. “Princeps”, de 1741-1759.

ORTA, Teresa Margarida da Silva e. Aventuras de Diófanes. Rio de Janeiro: Imprensa Nacional, 1945.

______. Obra reunida. Introdução, pesquisa bibliográficas e notas: Ceila Montez. Rio de Janeiro: Graphia Editorial, 1993.

______. Aventuras de Diófanes. Edição crítica de Maria de Santa Cruz. Lisboa: Caminho, 2002.

S. JOSÉ, Frei Jerônimo de. Historia chronologica da esclarecida ordem da SS. Trindade, redempção de cativos,da provincia de Portugal. Lisboa: Officina de Simão Thaddeo Ferreira, MDCCXCIV.

SOUZA, António Caetano de. História genealógica da Casa Real portuguesa. Coimbra: Atlântida, 1951.



1As licenças concedidas para a publicação do romance apenas integram a edição de 1752, figurando, no início da obra, em páginas não numeradas. As citações referentes às autorizações não apresentam referência bibliográfica, pois a transcrição que utilizo é a da edição de 1752. O livro pertence ao Dr. José Mindlin e foi gentilmente cedido para consulta por seu proprietário. A editora Caminho publicou, em 2002, uma edição crítica da obra na qual as licenças também são transcritas. A ortografia foi atualizada, mantive, no entanto, as diferenças ortográficas que são vigentes em Portugal até os nossos dias.


©principo.org 2016
enviar mensagem

    Página principal