Prelecionistas: caio césio salgado, cristina moreira bonafé, eliel alves ferreira, rafael simões tomaz



Baixar 13.88 Kb.
Encontro29.07.2016
Tamanho13.88 Kb.
UNIVERSIDADE FEDERAL DE VIÇOSA

PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM GENÉTICA E MELHORAMENTO

MESA REDONDA
Prelecionistas: CAIO CÉSIO SALGADO, CRISTINA MOREIRA BONAFÉ, ELIEL ALVES FERREIRA, RAFAEL SIMÕES TOMAZ

Orientadora: JORGE ABDALA DERGAM DOS SANTOS

GENÉTICA DA INTELIGÊNCIA

Como teria surgido a inteligência? Como o cérebro converte uma massa de sinais elétricos e químicos naquilo que conhecemos como padrões de pensamento e consciência? Qual a relação entre genética e hereditariedade? Em vista que o conceito evolutivo; a exploração ou rejeição simples e oportunista das possibilidades na medida em que elas surgem, e, em troca, a mesma possibilidade pode ser favorável ou desfavorável, dependendo das circunstâncias ambientais de um dado momento qualquer, aliado aos conceitos genéticos modernos permitiu uma melhor compreensão dos processos de Genética e inteligência.

Um longo e extraordinário processo evolutivo fez de nossos ancestrais agentes transformadores. Criaturas singulares, únicas entre os animais, os humanos usaram seu corpo e sua mente na investigação da natureza. Embora desconhecida muitas das etapas do desenvolvimento do cérebro humano, sabemos, por exemplo, que o tamanho do cérebro que começou a aumentar dois milhões de anos atrás e que nossa inteligência teria surgido principalmente pelo aprimoramento de alguma especialização cerebral, como a linguagem, o que nos permitiu dar um salto em esperteza e previsão.

Vários tipos de inteligência são relatados na literatura, sendo que as mais comumente encontradas são: inteligência relacional, cognitiva, múltiplas e emocional. A inteligência relacional está ligada à capacidade do indivíduo se relacionar; a cognitiva se refere ao aprendizado em geral; nas múltiplas estão englobados sete tipos de inteligência (lógica-matemática, lingüística, musical, espacial, corporal-cinestésica, interpessoal e intrapessoal) que pode dizer que é uma fragmentação da inteligência cognitiva; a inteligência emocional refere-se ao processamento de informações emocionais (MUNIZ & PRIMI, 2008).

O controle genético da cognição envolve genes pleiotrópicos, herança qualitativa e quantitativa. Desta forma, a herdabilidade das funções cognitivas varia de baixa a alta. É importante ressaltar que para realização de uma tarefa é necessária a interação de vários processos cognitivos (KOVAS & PLOMIN, 2006; KOTEN Jr. et al. 2009).

O entendimento dos mecanismos fisiológicos e moleculares que coordenam a aquisição de conhecimento por parte do ser humano ainda constitui um desafio para a ciência. Inúmeras desordens psiquiátricas e neurológicas como a doença de Alzheimer, esquizofrenia, mal de Parkinson, e tantas outras como a depressão e os diversos distúrbios comportamentais estão associados a distúrbios nos mecanismos moleculares da aquisição de conhecimento e da memória. Sabe-se hoje que muitas dessas desordens têm como causa mutações em diversos genes estando associados, ainda, a numerosos fatores ambientais (LEE & SILVA, 2009). Neste contexto, entendimento dos mecanismos moleculares que regem a aquisição de conhecimento é de suma importância no combate às patologias e na melhoria da qualidade de vida dos portadores de tais síndromes.

A susceptibilidade à depressão, por exemplo, que já é considerada um dos males do século XXI, apresenta fatores genéticos, que faz com que determinados indivíduos sejam mais susceptíveis às condições de estresse do que outros. Estudos revelaram que genes envolvidos na resposta dos neurônios a condições de estresse encontram-se em regiões de cromatina condensada, e são modulados por fatores de remodelamento da cromatina (KRISHNAN & NESTLER, 2008). Indivíduos mais susceptíveis às condições de estresse não apresentam um sistema de regulação tão eficiente quanto o de indivíduos normais.

Entretanto, tal visão puramente molecular e mecanicista desconsidera questões éticas. Até que ponto um distúrbio comportamental deve ser considerado como uma doença; ou até que ponto um déficit de inteligência cognitiva deve ser considerado como uma anormalidade mental? Como educar uma criança “superdotada” que apresenta dificuldades de relacionamento? Será a inteligência determinada somente por fatores genéticos? A manipulação gênica poderá aumentar significativamente a inteligência dos seres humanos? Tais questionamentos devem ser considerados quando o objeto de estudo é o ser humano. A ciência não apenas resolve, mas cria novos problemas que necessitam de um posicionamento ético, pois nem tudo o que é possível é justificável. Para se tomar uma posição é necessário conhecimento, o que não é nada fácil nessa área de constantes mudanças e descobertas.


REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS PRINCIPAIS
KOTEN JR., J. W.; WOOD, G.; HAGOORT, P.; GOEBEL, R.; PROPPING, P.; WILLMES, K.; BOOMSMA, D. I. Genetic Contribution to Variation in Cognitive Function: An fMRI Study in Twins. Science, v.323, n.27, p.1737-1740, 2009.

KOVAS, Y.; PLOMIN, R. Generalist genes: implications for the cognitive sciences. TRENDS in Cognitive Sciences, v.10, n.5, p.198-203, 2006.

LEE, YS., SILVA, AJ. The molecular and cellular biology of enhanced cognition. NATURE Reviews. Neuroscience. v.10, 126-140, 2009.

MUNIZ, M.; PRIMI, R. Inteligência emocional e personalidade avaliada pelo Método de Rorschach. Psico, v.39, n.1, p.48-57, 2008.

K

Jorge Abdala Dergam dos Santos (Moderador)


Caio Césio Salgado

(Prelecionista)

Eliel Alves Ferreira

(Prelecionista)

Cristina Moreira Bonafé

(Prelecionista)

Rafael Simões Tomaz



(Prelecionista)
RISHNAN, V. & NESTLER, EJ. The molecular neurobiology of depression. NATURE. Vol 455, 2008. DOI:10.1038/nature07455


©principo.org 2016
enviar mensagem

    Página principal