PreparaçÃo dum encontro método da Leitura Orante adaptado à catequese – encontro de catequizandos Orientação 1º momento acolhimento



Baixar 58.16 Kb.
Encontro01.08.2016
Tamanho58.16 Kb.


PREPARAÇÃO DUM ENCONTRO

Método da Leitura Orante adaptado à catequese – encontro de catequizandos
Orientação 1º momento - acolhimento

Texto bíblico: Jo 15, 11-32


Acolhimento

Preparação Ambiencial



Descrição/objetos – símbolos utilizados/música

Recursos

Local: sala de catequese ou outra sala

Ambiente: acolhedor e pouco iluminado com música de fundo

Símbolos a utilizar: Flauta

Sentar-se em círculo ou semicírculo à volta da Bíblia, consoante o espaço (pretende-se que a bíblia tenha um lugar de destaque e que todos a possam ver)



Velas

Bíblia


Almofadas

Estampa para oferecer

Manta para se sentarem no chão

Leitor de CD e CD de música de relaxamento



Acolhimento Individual/Coletivo

Atividade

Conteúdos

1.Dinâmica no exterior

2.Indicações acerca da atividade que vai decorrer



1-Acolhimento individual personalizado

2-Acolhimento coletivo

3-Exercício da flauta


  1. O que é isto?

  2. De onde vem?

  3. Que é necessário para ela tocar?

  4. Isto tem um segredo… só vos revelo no fim do encontro… é um segredo que dá respostas a tudo o que estamos a viver… crise, violência … No fim falamos…

4- Regras para o encontro:



  1. O que vão encontrar (sala, luz, os símbolos…)

  2. Condições para passarmos um momento feliz:

- Depende de cada um o momento ser bom

- Seguir as orientações sugeridas

- ENTREGAR OS TELEMOVEIS – são capazes de aceitarem um desafio especial de quem vos quer ver felizes??? Bora lá!

-Silêncio – agarrar as palavras – Quebrar o silêncio põem em causa a experiência dos outros. NÃO PODE


4-fazer entrar os catequizandos um a um –e dizer ao ouvido: Queres ser feliz? Está atento ao que se vai passar esta noite!!! Se não podes perder o comboio da vida!


Momento de transição

Convidar ao silêncio e a entrar na sala


Convidar a Parar – Como posso habitar o aqui e agora no silêncio?

Atividade

Conteúdos/ Estratégias

Recursos

Preparação para a escuta- dominar o corpo e provocar silêncio



Sentar-se de forma confortável; provocar o silêncio pedindo para escutar a música; convidar a fechar os olhos; libertar-se de tudo que possa provocar distração.

Exercícios de relaxamento:


a-Escolher uma vela e fixar o olhar na chama da vela (seguir o seu movimento e não pensar em mais nada).

  • Fechar os olhos e visualizar a vela e a sua chama.

  • Respirar profundamente (2X)

  • Inspirar e expirar suavemente

  • Concentrar-se no ritmo da respiração

  • Sentir o ar a entrar e a sair dos pulmões

  • Inspirar profundamente, encher bem os pulmões de ar e libertá-lo suavemente

b-Sentir que Deus está presente, sentir a

sua presença que enche o ser de alegria

Oração ao Espírito: Ruah, Espírito Santo de tantos nomes, amor inenarrável do meu Deus ajuda-me a acolher a Palavra, ajuda-me a escutá-la e a compreende-la, a pô-la em prática no concreto da minha vida.

Leitor de CD


Música de relaxamento, volume baixo



Momento de transição

Depois de rezarmos ao Espírito para nos preparar o coração para escutar a Palavra, peço que agora, iniciem comigo uma viagem.






  1. Leitura Orante da Palavra- Lectio Divina


Convidar a Ler - Que diz o texto?

Actividade

Conteúdos/ Estratégias

Contextualização
Leitura

Tempo de encontro com a Palavra em silêncio

Ressonância

Compreender o texto




1- Contextualização.

Imaginem que estão sentados de baixo de uma árvore, algures em Israel, numa tarde de muito calor. À vossa volta, encontra-se uma multidão de homens e mulheres, vestidos de túnicas cumpridas e sujas de terra. A vossa frente, enquanto Jesus fala do Reino, …- Aproximavam-se todos os cobradores de impostos e pecadores para o ouvirem. Mas os fariseus e os doutores da Lei murmuravam entre si, dizendo: «Este acolhe os pecadores e come com eles.» Jesus propôs-lhes, então, esta parábola: (contar)


A ovelha perdida (Mt 18,10-14) - 4«Qual é o homem dentre vós que, possuindo cem ovelhas e tendo perdido uma delas, não deixa as noventa e nove no deserto e vai à procura da que se tinha perdido, até a encontrar? 5Ao encontrá-la, põe-na alegremente aos ombros 6e, ao chegar a casa, convoca os amigos e vizinhos e diz-lhes: ‘Alegrai-vos comigo, porque encontrei a minha ovelha perdida.’ 7Digo-vos Eu: Haverá mais alegria no Céu por um só pecador que se converte, do que por noventa e nove justos que não necessitam de conversão.»
A dracma perdida - 8«Ou qual é a mulher que, tendo dez dracmas, se perde uma, não acende a candeia, não varre a casa e não procura cuidadosamente até a encontrar? 9E, ao encontrá-la, convoca as amigas e vizinhas e diz: ‘Alegrai-vos comigo, porque encontrei a dracma perdida.’ 10Digo-vos: Assim há alegria entre os anjos de Deus por um só pecador que se converte.»

2- Leitura do texto bíblico - Lc 15,11-32 de forma pausada e calmamente.


Vamos ouvir o texto como se fora a primeira vez, quer o tenhamos estudado ou não… sem o interpretar… escutando todas as palavras.
3-Ficar em silêncio – releitura pessoal do texto (manter os olhos fechados) Durante alguns momentos, deixar que o texto fazer eco no coração dos ouvintes.

Convidar a reler o texto interiormente. Procurar pormenores nunca descobertos.


O que mais me chamou, que mais me tocou a atenção nesta passagem?
4-Fazer eco da Palavra em voz alta (repetir a palavra que mais me tocou/marcou)
5- Abrir os olhos lentamente… e iniciar o processo de leitura do texto
a- Leitura do texto – Lc 15,11-32

  1. Esta parábola, que são três numa, está construída sobre um enigma matemático. Que números aparecem e que relação têm entre eles?

  2. Quem se aproxima de Jesus? Para quê? (uns para ouvirem – outros para os vigiarem – o apanharem em falso?)

  3. Quem são os que o foram ouvir, escutar? Porquê?

  4. Quem são os que o foram vigiar? Porquê?

  5. Porque que é que Jesus começa a contar três parábolas, que formam juntas uma só? (murmurar dos fariseus)

  6. O que acontece no primeiro momento da parábola? (Ovelha)

  7. Que vos chama a atenção? Que tem de particular este pastor? (número, a importância da ovelha, a festa, o gesto, a loucura do gesto do pastor…)

  8. Que vos chama a atenção no segundo momento? (dracma)

  9. Terceiro momento, quem são protagonistas da parábola?

  10. Dois Filhos? Têm a certeza? (enigma a desvendar no fim)

  11. Que se passa com o Pai e o filho mais novo?

  12. Que se acontecesse ao filho mais novo? (pedir a herança = declarar a morte ao pai e renegar a condição de filho)

  13. Porque sai ele de casa? (fazer a sua vontade – a liberdade fora do amor traz graves consequências)

  14. Porque regressa ele à casa do pai? (não se arrepende do fez, não se dá conta do que fez, só quer satisfazer as suas necessidades – ser servo do pai para usufruir das regalias dos servos)

  15. Que representa, naquela cultura ir tratar os porcos? (animal impuro – e quem deles se ocupa é impuro)

  16. Que vos chama a atenção no Pai? (corre- vai ao encontro -acolhe o filho – escanda-lo – mostra pai sem honra, fraco, sem dignidade)

  17. Que sinais nos indicam que o pai o recebe de novo como filho (sandálias – anel (aliança) – túnica – festa )

  18. Como reage o filho mais velho? (não se considera irmão- esse teu filho)

  19. Ele é filho? (enigma -não tem filhos): ele vê o pai como um patrão: ‘Há já tantos anos que te sirvo sem nunca transgredir uma ordem tua, e nunca me deste um cabrito para fazer uma festa com os meus amigos)

  20. Como responde o pai ao filho mais velho?

  21. Como termina a história? (não sabemos como termina) A quem toca tomar a decisão?

  22. Qual a relação entre os irmãos?

b- Leitura simbólica do texto



  1. Que relação existe entre os dois irmãos e as pessoas que escutavam Jesus? (mais novo – pagãos e pecadores públicos; o mais velho eram os judeus, fariseus, doutores da lei e lideres religiosos -a murmurarem frente a Jesus-)




  1. Esta parábola, está construída sobre um enigma matemático. Qual é ele? (99/1 ovelha perdida; 9/1dracma perdida; 1/1pai bondoso) - (caminhada da diferença para a igualdade pela simbologia dos números – caminhada da diferença e da distância até chegar à proximidade e ao acolhimento dos 2 irmãos em pé de igualdade no coração do Pai - lógica do amor de que cada um é importante)

  2. Quem é este pastor, esta mulher, este pai?

  3. Que nos espanta?

  4. Se fosse-mos nós que faríamos no lugar deste Pai? Qual a lógica do pai? qual a nossa lógica?

  5. Quais as características do perdão deste pai? (acolhe, vai ao encontro, não espera que o outro se arrependa, não culpabiliza, retoma a relação como se nada tivesse acontecido… ) (o amor, a intensidade, a desmesura do perdão do PAI. Se significa para Deus ser PAI)

  6. De entre os seres humanos quem é o mais importante para o Pai? (cada um é único… e ele restabelece as relações de quem se sente longe… fora de casa… culpado…)

  7. Que nos espanta????




Momento de transição

Depois de percorrer todo o caminho de reencontro entre o filho e o Pai vamos reler o percurso da nossa vida a partir do texto. Será que eu estou implicado neste texto?



Convidar a Meditar- Que nos diz o texto?

Atividade

Conteúdos/ Estratégias

Releitura do texto
Tempo de encontro pessoal com o texto

1-Convidar a fechar os olhos

2- Convidar a recordar o texto? Recordar o que mais tocou?

3- Colocar algumas perguntas para ajudar a interiorizar e a confrontar o texto com a vida.


  1. Que me espanta neste Pai? Neste Deus?

  2. Quem é o pai para mim/Deus? Como o vejo? Deixo-me amar por Ele?

  3. Em que aspetos me sinto filho mais novo e em que aspetos me sinto como filho mais velho?

  4. Qual a minha relação com o Pai? Sinto-me dentro ou fora de casa?

  5. Como me sinto irmão e vivo a relação com eles?

  6. Gostava de sentir o seu abraço e sentir o seu perdão?

4- Convidar a dialogar, partilhar a experiência interior: Alínea a) e b)




Momento de transição

Depois de termos ouvido este texto, de o compreendermos melhor, de olharmos para a nossa vida vamos conversar, dialogar ao jeito de Jesus, como filhos com o Pai.


Convidar a Orar- Que dizemos ao Senhor em resposta à sua Palavra?

Actividade

Conteúdos/ Estratégias

Tempo de silêncio

Pôr-se à escuta




Continuar de olhos fechados…
Orar/Rezar é falar com o Jesus/com o Pai, dialogar. A oração implica falar e escutar.


  1. Que digo ao Pai? O que me diz o Pai?

  2. Que dores, sofrimentos, pecados ponho nas suas mãos?

  3. Que lhe peço para poder acolher o seu perdão o seu abraço?

O que digo espontaneamente ao Senhor:



  • Dou graças

  • Ponho a minha vida nas suas mãos

  • Peço perdão

  • Peço ajuda

  • Dialogo sobre o que descobri no texto




Momento de transição

Chegou o momento de olhar para o pai com toda a força do nosso amor de filhos.


Convidar a Contemplar -Que descubro do meu Deus, do meu Pai, de Jesus?

Atividade

Conteúdos/ Estratégias

Silêncio
Contemplação

1- Solicitar que cada catequizando pegue no postal (tela do Filho Pródigo de Rembrandt) ou Desenrolar o cartaz, colocar um foco…

2-Convidar a olhar/contemplar:



  • Cor – amarelo – luz na zona das mãos…

  • Cabeça do filho mais novo: de recém-nascido – pousada no ventre materno do pai

  • Mãos masculinas e feminina: imagem patena e materna

  • Olhar do pai: serenidade, paz

3- Fechar os olhos e sentir o abraço do Pai

4- Convidar a repetir 15 x a frase: Obrigado pai porque me acolhes e me amas como sou…



Momento de transição

Depois de ter saboreado o amor do Pai, recebido o seu abraço e perdão? Aceito converter-me - verter-me para Deus? Que posso fazer?


Convidar a Discernir/ Decidir/Agir - Qual a conversão da mente, do coração e, da vida que Deus nos pede?

Actividade

Conteúdos/ Estratégias

1-Pensar na própria vida

Compromisso


2- partilha

1- Convidar a fechar os olhos e a pensar:

  • Em que aspetos sinto que preciso do perdão do pai?

  • Que posso fazer para corresponder ao seu amor? (pouco/pequeno/ possível)

2-Parilha do compromisso.

3- Convidar à reconciliação (sacramento)


Transição

Depois de acompanhamos a samaritana e de nos encontrar-mos com Jesus,


Convidar a Recordar - Que experimentei? Que descobri? Que levo no coração?

Actividade

Conteúdos/ Estratégias

Diálogo acerca da experiência

DESVENDAR SEGREDO DA FLAUTA

  1. Alguém consegue relacionar esta flauta com o texto?

  2. O que é esta flauta? O que representa? (flauta= mundo- nós- Deus, o espírito é interior, o ar… a nossa tarefa é abrir buracos na nossa vida e deixar que Deus sai para e na nossa vida)

  3. Quando a flauta toca o mal não tem poder… o banquete, todos irmãos, acolhendo e vivendo no amor do pai???

  4. Quais são as personagens do novo testamento que ao encontrarem-se com o pais se tornam pessoas felizes??? (Zaqueu, Pedro depois de trair… Samaritana…)

5-Que me chamou mais a atenção durante o encontro?

6-Que descobri?

7-O que senti, vivi?...



Texto bíblico Lc 15,11-32



15 Parábolas sobre a misericórdia - 1Aproximavam-se dele todos os cobradores de impostos e pecadores para o ouvirem. 2Mas os fariseus e os doutores da Lei murmuravam entre si, dizendo: «Este acolhe os pecadores e come com eles.» 3Jesus propôs-lhes, então, esta parábola:
A ovelha perdida (Mt 18,10-14) - 4«Qual é o homem dentre vós que, possuindo cem ovelhas e tendo perdido uma delas, não deixa as noventa e nove no deserto e vai à procura da que se tinha perdido, até a encontrar? 5Ao encontrá-la, põe-na alegremente aos ombros 6e, ao chegar a casa, convoca os amigos e vizinhos e diz-lhes: ‘Alegrai-vos comigo, porque encontrei a minha ovelha perdida.’ 7Digo-vos Eu: Haverá mais alegria no Céu por um só pecador que se converte, do que por noventa e nove justos que não necessitam de conversão.»
A dracma perdida - 8«Ou qual é a mulher que, tendo dez dracmas, se perde uma, não acende a candeia, não varre a casa e não procura cuidadosamente até a encontrar? 9E, ao encontrá-la, convoca as amigas e vizinhas e diz: ‘Alegrai-vos comigo, porque encontrei a dracma perdida.’ 10Digo-vos: Assim há alegria entre os anjos de Deus por um só pecador que se converte.»
Os dois filhos - 11Disse ainda: «Um homem tinha dois filhos. 12O mais novo disse ao pai: ‘Pai, dá-me a parte dos bens que me corresponde.’ E o pai repartiu os bens entre os dois. 13Poucos dias depois, o filho mais novo, juntando tudo, partiu para uma terra longínqua e por lá esbanjou tudo quanto possuía, numa vida desregrada. 14Depois de gastar tudo, houve grande fome nesse país e ele começou a passar privações. 15Então, foi colocar-se ao serviço de um dos habitantes daquela terra, o qual o mandou para os seus campos guardar porcos. 16Bem desejava ele encher o estômago com as alfarrobas que os porcos comiam, mas ninguém lhas dava. 17E, caindo em si, disse: ‘Quantos jornaleiros de meu pai têm pão em abundância, e eu aqui a morrer de fome! 18Levantar-me-ei, irei ter com meu pai e vou dizer-lhe: Pai, pequei contra o Céu e contra ti; 19já não sou digno de ser chamado teu filho; trata-me como um dos teus jornaleiros.’ 20E, levantando-se, foi ter com o pai.

Quando ainda estava longe, o pai viu-o e, enchendo-se de compaixão, correu a lançar-se-lhe ao pescoço e cobriu-o de beijos.

21O filho disse-lhe: ‘Pai, pequei contra o Céu e contra ti; já não mereço ser chamado teu filho.’

22Mas o pai disse aos seus servos: ‘Trazei depressa a melhor túnica e vesti-lha; dai-lhe um anel para o dedo e sandálias para os pés.

23Trazei o vitelo gordo e matai-o; vamos fazer um banquete e alegrar-nos,

24porque este meu filho estava morto e reviveu, estava perdido e foi encontrado.’ E a festa principiou. 25Ora, o filho mais velho estava no campo. Quando regressou, ao aproximar-se de casa ouviu a música e as danças. 26Chamou um dos servos e perguntou-lhe o que era aquilo. 27Disse-lhe ele: ‘O teu irmão voltou e o teu pai matou o vitelo gordo, porque chegou são e salvo.’ 28Encolerizado, não queria entrar; mas o seu pai, saindo, suplicava-lhe que entrasse. 29Respondendo ao pai, disse-lhe: ‘Há já tantos anos que te sirvo sem nunca transgredir uma ordem tua, e nunca me deste um cabrito para fazer uma festa com os meus amigos; 30e agora, ao chegar esse teu filho, que gastou os teus bens com meretrizes, mataste-lhe o vitelo gordo.’ 31O pai respondeu-lhe: ‘Filho, tu estás sempre comigo, e tudo o que é meu é teu. 32Mas tínhamos de fazer uma festa e alegrar-nos, porque este teu irmão estava morto e reviveu; estava perdido e foi encontrado.’»



_______________________________________________ S D E C___________________________________________

Diocese do Porto



©principo.org 2016
enviar mensagem

    Página principal