Press release



Baixar 15.27 Kb.
Encontro26.07.2016
Tamanho15.27 Kb.



PRESS - RELEASE

Lançamento livro MULHERES CORTICEIRAS

A Euronatura - Centro para o Direito Ambiental e Desenvolvimento Sustentado, é uma Organização Não-Governamental de Ambiente (ONGA), fundada em 1997, que orienta a sua intervenção como centro de estudos e investigação, materializando os seus objectivos numa perspectiva positiva, informativa e inovadora; numa tentativa constante de fundação de novos conceitos através da reunião da Economia, Ambiente e Sociedade.


No que concerne ao âmbito das políticas florestais, é desde 2006 que a Euronatura desenvolve investigação em «História, Cultura e Política Florestal». Neste sector específico, vem desenvolvendo um trabalho de pesquisa, que envolve aspectos históricos, políticos, socioeconómicos, e de comunicação sobre a fileira da cortiça; material nobre que desde sempre foi fonte de interesse e exploração por Portugal, maior produtor mundial de cortiça. Os produtos finais, que se obtiveram entre 2007 e 2009, foram o desenvolvimento dos projectos de investigação histórica sobre a figura do silvicultor «Joaquim Vieira Natividade 1899-1968» e sobre a «Junta Nacional da Cortiça 1936-1972», realizados pelo engenheiro florestal Ignacio García Pereda. O site www.promocork.com, ferramenta que a Euronatura criou para divulgar a investigação corticeira que tem desenvolvido até agora, apresenta os resultados finais dos projectos e além disso, oferece uma informação detalhada sobre o material e o valor da cortiça em 11 línguas diferentes.

A Euronatura, em 2010, lançou o projecto «MULHERES CORTICEIRAS», continuando assim a dinâmica de acção que tem sempre mostrado nas suas investigações, ou seja, constituir uma viragem no conhecimento de áreas pouco estudadas.



A inovação e a particularidade do presente projecto residem no contributo que a Euronatura pretende destinar à valorização e ao reconhecimento identitário de mulheres que estão no presente totalmente envolvidas no âmbito do sector corticeiro. Para a Euronatura, foi importante conhecer as experiências destas mulheres na sua vida académica, laboral e pessoal, reconhecendo uma dedicação e um carisma tipicamente feminino num território que durante muito tempo foi, e ainda hoje é, sobretudo masculino.
O projecto desenvolveu-se através da recolha de depoimentos na forma de entrevista, onde surgiram histórias contadas no feminino e que abordaram o trabalho e o envolvimento das mulheres na fileira da cortiça, numa tentativa de percepção de uma abordagem e sensibilidade particulares da mulher em relação a esse mundo.
Houve uma fase de pesquisa, realização e recolha de depoimentos, que constituiu a parte mais importante e demorosa do projecto e que constou de 17 entrevistas a mulheres consideradas representativas neste sector, pois foi uma escolha de personalidades actuais mas muito diferentes entre elas. Obteve-se assim um resultado final completo e enriquecedor, de facto a área de investigação abrangeu figuras notáveis da engenharia florestal, como Sofia Leal (investigadora do ISA), Augusta Costa (engenheira da Estação Florestal), Isabel Melo (engenheira da ACHAR); proprietárias de montados como Teresa Ramada-Curto; operárias de fábrica e mulheres de campo (Adriana e Joaquina Lopes); presidentes da Câmara, como Maria Isabel Soares, presidente da Câmara Municipal de Silves; responsáveis pelo pelouro do sector do património cultural ou do gabinete de planeamento e desenvolvimento económico como Cármen Carvalho da Câmara Municipal de Grândola e Susana Ribeiro da Cruz da Câmara Municipal de Coruche; jornalistas como Cláudia Gonçalves da APCOR; a coordenadora executiva da AGP (Associação Guias de Portugal) Joana Henriques; arquitectas como Vera Schmidberger do atelier SLA – Arquitectos associados e designers como Ana Mestre da SUSdesign; mulheres empresárias em cargo de dirigentes como Joana Amorim da Fruticor e Sandra Correia da Pelcor. Foram também entrevistadas personalidades de grande referência no campo da museologia industrial (corticeira) como Graça Filipe, agora subdirectora do Instituto de Museus e da Conservação (Ministério de Cultura) e Fátima Afonso, técnica no Ecomuseu (pólo da Mundet, antiga fábrica corticeira) da Câmara Municipal de Seixal.
O interesse principal desta investigação foi conhecer a percepção das mulheres dentro desta área específica e, através delas, identificar eventuais peculiaridades, qualidades, fraquezas que caracterizam o sector. Os estudos sobre estas mulheres, para além de informarem o público da realidade de extrema riqueza do recurso primário e económico que é a cortiça em Portugal, conseguiram, neste caso específico, demonstrar o dinamismo, a eficiência e a «revolução» positiva que cada uma delas, jovem e inovadora, traz ao sector. O presente resultado, que a Euronatura pretendeu demonstrar com esse projecto, deve portanto oferecer um reconhecimento e uma justa valorização a estas mulheres ainda marginalizadas, e deve surpreender, estimular o sector para que o protagonismo feminino, aqui encontrado, seja uma mais-valia e uma componente de ajuda essencial nos contínuos desafios da fileira da cortiça.
O livro constitui o terceiro volume da Colecção: «História, Cultura e Política Florestal», da ONGA Euronatura e o seu lançamento ocorrerá no próximo dia 30 de Novembro 2010, pelas 18h00, no decorrer da Feira do Montado (em Portel), com a presença da investigadora Stefania Mattarello, coordenadora do projecto, e com a intervenção do Secretário de Estado das Florestas e Desenvolvimento Rural, Rui Pedro Barreiro, de um representante da Secretária de Estado da Igualdade, da engenheira florestal Sofia Leal e da produtora florestal Teresa Ramada-Curto.



Coordenadora do Projecto:
Stefania Mattarello
EURONATURA

Telefone: (+351)21 386 8420



stefania.mattarello@euronatura.pt

www.promocork.com

www.euronatura.pt




Patrocinadores:








©principo.org 2016
enviar mensagem

    Página principal