Primeiros socorros



Baixar 222.64 Kb.
Página2/6
Encontro06.08.2016
Tamanho222.64 Kb.
1   2   3   4   5   6

AVALIAÇÃO SECUNDÁRIA

Somente após completar todos os passos da avaliação primária é que se parte para a secundária, onde deve-se fazer a inspeção da cabeça aos pés, de forma a observar a presença de alterações:



  • Estado de Choque

  • Fraturas

  • Objetos encravados

  • Deslocamento de articulações, etc.


SINAIS VITAIS
Os sinais vitais nos fornecem dados pelos quais podemos avaliar as condições do organismo, auxiliar no diagnóstico de algumas doenças e na determinação do tratamento.

As medidas encontradas na verificação dos sinais vitais variam de acordo com sexo, idade, atividades, condições ambientais e emocionais, horário, doenças, etc.




  1. TEMPERATURA



É um indicador confiável da atividade corporal (metabolismo).

A temperatura sofre alterações de acordo com alguns fatores:


  • Horário: mais baixa pela manhã, mais alta a noite;

  • Aumentam a temperatura: exercícios, cansaço mental e físico, emoções, nervosismo, processo digestivo, não ingestão de líquidos, infecções, processos inflamatórios, doenças nervosas e cardíacas;

  • Diminuem a temperatura: repouso, sono, inanição, hemorragia, estado de choque, tumor cerebral, drogas deprimentes do Sistema Nervoso Central.

Os valores encontrados de normalidade da temperatura são:




  • Axilar – de 36ºC a 36,8ºC;

Os valores encontrados na verificação da temperatura axilar nos casos de hipotermia são:




  • Colapso – de 34ºC a 34,9ºC;

  • Subnormal – de 35ºC a 35,9ºC.

Os valores encontrados na verificação da temperatura axilar nos casos de hipertermia são:




  • Subfebril – de 36,9ºC a 37,4ºC;

  • Febril – de 37,5ºC a 38ºC;

  • Febre – de 38,1ºC a 39ºC;

  • Pirexia – de 39,1ºC a 40ºC;

  • Hiperpirexia – acima de 40ºC.

Os sintomas mais comuns encontrados nas pessoas em estado febril são: sede, pele quente, vermelhidão da face, aumento do brilho dos olhos, agitação ou prostração, calafrios, mal-estar e lábios secos.


PRIMEIROS SOCORROS:
Os cuidados recomendados nos casos de hipertermia são: ingestão de muito líquido, aplicações frias no tórax (com álcool ou éter), aplicação de gelo nas pregas inguinais e axilares, roupas leves, repouso, banho com água em temperatura mais baixa que o corpo.
Os cuidados recomendados nos casos de hipotermia são: ingestão de alimentos quentes, repouso, manter-se aquecido, alimentação rica em calorias.

Providenciar ajuda especializada.



2. PULSO
É a expansão e a contração alternada de uma artéria quando uma onda de sangue é impulsionada através dela pelos batimentos cardíacos. É a onda de distensão de uma artéria. A medida que o ventrículo esquerdo se contrai, impulsionando o sangue pela aorta, as artérias em resposta a esta pressão, se expandem possibilitando o movimento do sangue.
O pulso pode ser verificado nas artérias radial, braquial, carótida, femural.

O pulso pode variar quanto a freqüência, volume e ritmo.




Freqüência – é o número de batimentos cardíacos por minuto:




  • No adulto (60 a 80 bpm);

  • Na criança (100 a 130 bpm);

  • No RN (130 a 140 bpm).

Chama-se BRADICARDIA o batimento cardíaco lento, TAQUICARDIA o batimento cardíaco acelerado e NORMOCARDIA o batimento cardíaco normal.


Volume relaciona-se com a quantidade de sangue impulsionado através das artérias. Quanto ao volume, o pulso pode ser cheio ou normal; fino ou filiforme.
Ritmo é a regularidade ou não dos intervalos e intensidade dos batimentos cardíacos. Quanto ao ritmo, o pulso pode ser regular ou rítmico: irregular ou arrítmico

Sofre alterações em razão de determinados processos:



Digestão

Exercícios

Febre

Banho frio




Banho quente

Choque

Bloqueio
PRIMEIROS SOCORROS:


Repouso

Caso o pulso esteja fraco e rápido, elevar se possível os membros inferiores da vítima para facilitar o retorno venoso.

Providenciar ajuda especializada

3. RESPIRAÇÃO
É o processo no qual ocorre a troca de oxigênio e gás carbônico entre o corpo e o meio ambiente, através da inspiração ou entrada de ar nos pulmões e expiração ou saída de ar dos pulmões.

A respiração deve ser avaliada quanto a freqüência (número de movimentos respiratórios por minuto), ritmo (regularidade ou irregularidade dos intervalos da respiração), profundidade (intensidade da respiração, podendo ser superficial, profunda, estertorosa ou difícil).




  • Eupnéia – respiração normal.

  • Bradipnéia – respiração lenta.

  • Taquipnéia – respiração acelerada.

  • Apnéia – ausência de respiração.

  • Dispnéia – respiração difícil.

  • Ortopnéia – respiração difícil na posição deitada.

As variações normais da freqüência respiratória são:




  • No adulto (16 a 20 rpm);

  • Nas crianças (20 a 25 rpm);

  • Nos lactentes (30 a 40 rpm);

Existem fatores que alteram a respiração:



  • Sono e banho quente – diminuem a respiração;

  • Emoções, exercícios e banho frio – aumentam a respiração.


PRIMEIROS SOCORROS:
Ventilar o ambiente

Afrouxar as roupas da vítima (sem criar constrangimentos)

Manter a vítima recostada

Providenciar ajuda especializada



4. ESTADO DE CONSCIÊNCIA


  • Uma Pessoa pode estar inconsciente por desmaio, estado de choque, coma, convulsões, intoxicação por drogas e morte.

  • No desmaio há uma breve perda da consciência e diminuição do tônus muscular.

  • O como caracteriza-se pela perda de consciência mais prolongada podendo a vitima apresentar gradativamente perda dos estímulos dolorosos e reflexos.

  • As crises epilépticas se caracterizam pela perda da consciência seguida de contrações musculares involuntárias generalizadas

  • Pode advir inconsciência após a ingestão abusiva de drogas, e neste caso a inconsciência perdurará até o decréscimo do nível sanguíneo do princípio ativo da droga.

  • No estado de choque a agitação precede o torpor.

  • A morte surge com o desarranjo das funções vitais. Apnéia, parada cardíaca, morte cerebral, morte biológica.



5.COR E UMIDADE DA PELE

Devem ser observadas na face e nas extremidades dos membros onde as alterações são mais facilmente identificadas.

A cianose ocorre por acumulo de sangue venoso nos quadros de exposição ao frio , parada cardio respiratória , estado de choque e morte.

A palidez cutânea ocorre devido a vasoconstrição periférica que ocorre nos casos de necessidade de aumento de aporte de sangue para os órgão nobres.

Pele avermelhada ocorre por vasodilatação , por exposição ao calor , queimaduras ou por traumatismos.

A pele fria e viscosa é encontrada nos casos de choque.

Pele amarelada é sinal de icterícia ou hipercarotenemia.

UNIDADE III


FERIDA
É uma ruptura na continuidade de qualquer estrutura corporal, interna ou externa, causada por meios físicos, químicos, mecânicos ou biológicos.
As Feridas podem ser assim classificadas:


  • De acordo com a presença ou ausência de microrganismos em:


Ferida asséptica (limpa) → ausência de microrganismos patogênicos.

Ex.: incisão cirúrgica


Ferida séptica (contaminada) → presença de microrganismos patogênicos em pouca quantidade que não chega a causar infecção.

Ex.: feridas provocadas por acidentes


Ferida infectada → presença de microrganismos patogênicos em grande quantidade que chegam a causar infecção.

Ex.: abscesso, necrose de tecido




  • De acordo com a presença ou ausência de uma solução de continuidade no revestimento superficial da pele ou mucosa em :


Ferida aberta → quando há uma ruptura da pele ou da mucosa, deixando tecidos em contato com o meio exterior.

Ex.: cortes na cavidade abdominal com visceração


Ferida fechada → quando não há ruptura da pele ou da mucosa.

Ex.: fratura de fêmur devido queda




  • De acordo com a sua etiologia por acidente ou não:


Traumática ou acidental → como ocorre em condições séptica, geralmente se torna uma ferida infectada.

Ex.: acidentes


Intencional É produzida com uma finalidade especial, usualmente em condições asséptica.

Ex.: ferida operatórias, são portanto feridas asséptica que só em condições especiais se tornam sépticas.




  • De acordo com a maneira que ocorrem, em:


Ferida incisas ou cortante → provocada por instrumentos cortantes, apresentam os bordos lisos, conservando-se intactos os tecidos circunvizinhos. A hemorragia é abundante porém fácil de ser estancada.

Ex.:corte com faca ou arma branca .

É caracterizada por ter os bordos regulares e não há perda de tecidos.
Ferida contusas → provocada por quedas e pancadas, em que os tecidos vizinhos ficam traumatizados.

A hemorragia é pequena, mas a cicatrização é lenta devido a maceração do bordo da ferida.

Ex.: lesão gerada por uma paulada.



Ferida lacerada ou dilaceranteproduzida por acidentes, principalmente por máquinas apresentando laceramento dos tecidos. A hemorragia é em pouca quantidade devido os vasos ao serem cortados, são torcidos, provocando uma hemostasia parcial.

Ex.: esmagamento, acidente de trabalho

É caracterizada por ter os bordos irregulares e perda de tecidos.



Ferida perfurante ou puntiforme → provocada por instrumentos ponteagudos. Este tipo de ferida é o mais perigoso, não só pela sua profundidade que pode atingir órgãos vitais, como pela hemorragia que muitas vezes é difícil de ser controlada e como pela dificuldade de desinfecção, podendo advir sérias infecção.

Ex.: prego, arma de fogo


Ferida tóxica → resultam de uma picada ou mordida de um animal ou inseto que ao picar ou morder deixa uma substância tóxica nos tecidos.

Ex.: mordida de cão raivoso, cobra, picada de abelha.




PRIMEIROS SOCORROS

CORTES MENORES E ESCORIAÇÕES

Lave a pele ao redor do ferimento com água e sabão. Mantenha o ferimento sob água corrente por cinco minutos para remover toda sujeira e bactérias. Seque-a delicadamente e aplique álcool 70% e coloque uma bandagem estéril ou limpa sobre a ferida. Procurar ajuda médica especializada para avaliar a necessidade da profilaxia contra o tétano.

ABERTURA DOS FERIMENTOS

Se um ferimento não ficar junto em suas extremidades, envolva uma bandagem de gaze (ou uma camiseta ou meias limpas) ao redor do ferimento e procure um médico ou hospital de emergência. Sempre vá ao departamento de emergência: se o ferimento tiver vidro; se for na face, mãos ou pé ou se ocorrer em uma pessoa com baixa circulação. Se um objeto estiver cravado ao ferimento, não o remova. Envolva levemente uma bandagem de gaze ao redor da ferida e vá ao hospital mais próximo.



EVISCERAÇÃO – Exteriorização de órgãos ou partes destes.

Não toque nas vísceras, nem tente coloca-la no lugar.Cubra as vísceras com compressas úmidas e limpas. Verificar os sinais vitais de 15 em 15 minutos Procurar ajuda médica especializada.



MORDIDAS DE ANIMAIS:

Lavar o local com água limpa e sabão em abundancia. Procurar ajuda médica especializada para medidas de prevenção contra a raiva e tétano. Observar o animal.



QUEIMADURAS

Queimaduras

A pele é a barreira natural de proteção do corpo contra a agressão de microorganismos, agentes físicos e químicos e auxilia no controle da temperatura e na retenção de líquidos. Uma vez lesada pela queimadura, estes fatores são imediatamente alterados.



As queimaduras, com muita freqüência, atingem estruturas além da pele. Podem ser atingidos músculos, ossos, nervos e vasos sangüíneos e ainda os olhos e as vias aéreas.
As queimaduras podem ser classificadas e avaliadas em sua gravidade de acordo com:

  • O agente causador.

  • A profundidade (camadas de pele que atinge).

  • A extensão (área corpórea atingida).

De acordo com o agente causador, a queimadura pode ser:

Queimaduras

Fontes

Térmica


Chamas ou calor do fogo, vapor, líquidos quentes, objetos aquecidos.

Química

Diversos ácidos ou bases.

Elétrica

Correntes alternadas, contínuas ou raios.

Pela Luz (atingindo principalmente os olhos )

Luz intensa ou luz ultravioleta (inclusive a  luz solar).

Por Radiação

Radiações nucleares, luz ultravioleta ou infravermelha.
1   2   3   4   5   6


©principo.org 2016
enviar mensagem

    Página principal