Primeiros socorros



Baixar 222.64 Kb.
Página4/6
Encontro06.08.2016
Tamanho222.64 Kb.
1   2   3   4   5   6

HEMORRAGIA




    É a perda de sangue devido ao rompimento de um vaso sangüíneo (veia ou artéria).

A hemorragia abundante pode levar a morte de 3 ‘a 5 minutos.

O sangue arterial que é rico em O2 e nutrientes para as células do corpo é vermelho vivo e apresenta pressão maior que o sangue venoso que é de um tom vermelho mais escuro por ser rico em CO2 e elementos não utilizados pelas células do organismo.


ETAPAS BÁSICAS DO SOCORRO


  • COMPRESSÃO LOCAL

  • ELEVAÇÃO DO MEMBRO

  • COMPRESSÃO A DISTÃNCIA

  • GARROTE COM CONTROLE DA PRESSÃO EXERCIDA.

  • TORNIQUETE




  • Compressão local:




    1. Use uma compressa limpa e seca (lenço, gaze, pano etc...).

    2. Coloque a compressa sobre o ferimento

    3. Pressione com firmeza

    4. Use atadura, gravata etc par amarrar a compressa e mantê-la firme no lugar.



  • Elevação do membro:





  • Elevando o membro, dificultamos a chegada de sangue no mesmo , favorecendo a coagulação no local do ferimento.

Compressão à distância:




  • Pressione fortemente com o dedo ou com a mão, de encontro ao osso, nos pontos onde as veias ou artérias são mais fáceis de encontrar.




  • Garrote :

Com tiras de pano resistente e largas ( NUNCA usar arame, fios, cadarço de sapatos etc ) dá-se um nó apertado sobre uma volta do pano, objetivando estancar a hemorragia pela ausência de circulação no local . Deverá ser liberado fluxo de sangue a cada 10 minutos.

  • Registre visivelmente o horário do garrote



  • Torniquete:




  • O torniquete é usado para controlar a hemorragia quando a vítima tiver amputação traumática de membros superiores ou inferiores, esmagamentos ou dilaceramentos.

  • Seguindo os passos da colocação do garrote, acrescente um pedaço de madeira sobre o qual faremos um outro nó.

  • Torça o pedaço de madeira até parar a hemorragia, fixe o pedaço de madeira.

  • Libere o torniquete a cada 10 minutos ou sempre que as extremidades apresentarem-se cianóticas.

  • Não cubra o torniquete ou extremidades.

  • Ao liberar o torniquete, comprima o curativo sobre a ferida.

  • Registre visivelmente o horário do torniquete



SUSPEITA DE HEMORRAGIA INTERNA
O sangue não aparece, a hemorragia é resultante de uma lesa interna.

Principais sintomas:



  • Pulso fraco e rápido

  • Pele fria

  • Palidez intensa

  • Sede

  • Tonturas, podendo haver inconsciência.


PRIMEIROS SOCORROS





  • Manter a vítima DEITADA, membros inferiores elevados, excetuando na suspeita de fratura de crânio ou derrame cerebral.

  • Aplicar compressa de gelo no possível local, atentando para proteger o gelo com um pano, papel etc.

  • Observe sinais vitais a cada 15 minutos.

  • Procure ajuda médica imediata.


HEMORRAGIA NASAL



PRIMEIROS SOCORROS:


  • Manter a vítima sentada

  • Manter a cabeça voltada par trás e aperte-lhe a narina na qual apresenta o sangramento por 5 minutos

  • Caso a hemorragia não ceda, coloque um tampão de gaze por dentro da narina e uma compressa de gelo sobre o local, protegido com um pano.

  • Procurar ajuda médica.

  • Caso a vítima esteja inconsciente, mantenha a cabeça da vítima lateralizada para evitar o bronco aspiração da secreção sanguinolenta.


HEMORRAGIA DOS PULMÕES

O sangue é espumoso e vermelho vivo.



PRIMEIROS SOCORROS





  • Manter a vítima em repouso , recostada para desta forma melhor respirar.

  • Mantenha a vítima calma, evite que esta fale.

  • Verifique sinais vitais de 15 em 15 minutos.

  • Caso a vítima esteja inconsciente, mantenha a cabeça da vítima lateralizada para evitar o bronco aspiração da secreção sanguinolenta.



HEMORRAGIA DO ESTOMAGO

O sangue é escuro, tipo borra de café. A vítima refere episódios de náuseas e vômitos.



PRIMEIROS SOCORROS





  • Manter a vítima DEITADA , membros inferiores elevados , excetuando na suspeita de fratura de crânio ou derrame cerebral.

  • Aplicar compressa de gelo no possível local, atentando para proteger o gelo com um pano, papel etc.

  • Observe sinais vitais a cada 15 minutos.

  • Procure ajuda médica imediata.

Caso a vítima esteja inconsciente, mantenha a cabeça da vítima lateralizada para evitar o bronco aspiração da secreção sanguinolenta.




UNIDADE IV

DESMAIO

É a diminuição da circulação e oxigenação cerebral.

Causas:


  1. Ambientes com muitas pessoas, sem uma adequada ventilação

  2. Emoções fortes

  3. Fome

  4. Insolação

  5. Inadequado recebimento de circulação e oxigênio no cérebro

  6. Dor intensa

  7. Outras causas

Sinais e Sintomas:

  • Palidez (pele descorada)

  • Pulso rápido e fraco

  • Sudorese (suor)

  • Perda dos sentidos



PRIMEIROS SOCORRO:

  • Arejar o ambiente, ou transportar a vítima para um local com melhor ventilação.

  • Elevar os membros inferiores, com uma mochila, roupas, etc. com isso, o sangue circula em maior quantidade no cérebro e nos órgãos nobres.

  • Virar a cabeça para o lado, evitando que a vítima venha a vomitar e possa se asfixiar.

  • Afrouxar a roupa, para uma melhor circulação.

  • Após o desmaio ter passado, não dê água imediatamente, para evitar que a vítima se afogue, pois ainda não está com seus reflexos recuperados totalmente.

  • O mesmo em relação a deixá-la caminhar sozinha imediatamente após o desmaio. Faça-a sentar e respirar fundo, após auxilie-a a dar uma volta, respirando fundo e devagar.

  • Com isso, o organismo se readapta a posição vertical e evita que ela possa desmaiar novamente, o que pode ocorrer se ela levantar bruscamente.

  • Após esses procedimentos, pode dar água a vítima.

Se ainda não houve o desmaio:

Quando a vítima está prestes a desmaiar, faz-se outro procedimento:

Sentar a vítima numa cadeira, fazer com que ela coloque a cabeça entre as coxas e o socorrista faça pressão na nuca para baixo, ( com a palma da mão), enquanto ela força a cabeça para cima por alguns segundos. Esse movimento fará com que aumente a quantidade de sangue e oxigênio no cérebro.

Realize esse procedimento umas 3 vezes.




CONVULSÕES

Distúrbio que ocorre no cérebro podendo ocasionar contrações involuntárias da musculatura, provocando movimentos desordenados e em geral, perda da consciência.

Causas:


  1. Acidentes com traumatismo de crânio

  2. Febre alta

  3. Epilepsia

  4. alcoolismo

  5. Drogas

  6. Determinados medicamentos

  7. Tumores cerebrais

  8. toxoplasmose

  9. Lesões neurológicas

  10. choque elétrico

  11. Origem desconhecida

  12. Outras causas

Sinais e Sintomas:

  • Agitação psicomotora

  • Espasmos musculares (contrações) ou não

  • Salivação intensa ("baba”)

  • Perda dos sentidos

  • Relaxamento dos esfíncteres podendo urinar e evacuar, durante a convulsão.



PRIMEIROS SOCORROS:

  • Afastar objetos do chão que possam causar lesões ou fraturas

  • Afastar os curiosos, dar espaço para a vítima.

  • Proteger a cabeça da vítima com a mão, roupa, travesseiro, etc,

  • Lateralizar a cabeça para que a saliva escorra, evitando com isso que venha a se afogar

  • Não imobilizar membros (braços e pernas), deixá-los livres

  • Afrouxar roupas

  • Observar se a respiração está adequada, se não há obstrução das vias aéreas.

  • Não tracionar a língua ou colocar objetos na boca para segurar a língua (tipo colher, caneta, madeira, dedos, etc.)

  • Ao lateralizar a cabeça, a língua lateralizou-se também, liberando a passagem do ar.

  • Limpar as secreções salivares, com um pano ou papel, para facilitar a respiração.

  • Após passar a convulsão, se a vítima quiser dormir, deixe-a descansar, enquanto aguarda o socorro.

  • Não medique a vítima, mesmo que ela tenha os medicamentos. Os reflexos não estão totalmente recuperados, e ela pode se afogar ao engolir o comprimido e a água.

  • Se a convulsão for provocada por febre alta (geralmente em crianças), atenda da mesma maneira como descrito no atendimento e dê-lhe um banho com água morna de chuveiro, vista-a com roupas leves e providencie a atendimento médico.

Se a convulsão for provocada por acidente ou atropelamento, não a retire do local, atenda-a e aguarde a chegada do socorro médico. É grave e tem risco de vida, se for transportada inadequadamente, pode morrer.

Estado Pós-Convulsivo:



É o que ocorre após a convulsão. A vítima pode apresentar algum destes sintomas:

  • Sono

  • Dificuldade para falar

  • Palavras sem nexo

  • Sair caminhando sem direção, etc.

Não deixe a vítima sozinha nesta fase, pois ela pode atravessar a rua e ser atropelada.

UNIDADE V
1   2   3   4   5   6


©principo.org 2016
enviar mensagem

    Página principal