“Princípios e Práticas de Elementoterapia”



Baixar 326.49 Kb.
Página1/4
Encontro05.08.2016
Tamanho326.49 Kb.
  1   2   3   4
MAGIA ELEMENTAL

“Princípios e Práticas de Elementoterapia”


Coleção Michael

Introdução

1. Uma Breve História da Magia

2. A Ordem Natural

3. A Anatomia Oculta do Homem

4. Magia Elemental nas Religiões

5. Os Anjos e Mestres Cabalísticos da Cura

6. O Poder dos Mantras

7. Os Sete Raios das Plantas
II. RELATOS INTERESSANTES

1. Helena Blavatsky = Experiências com um Gnomo

2. Carlos Castañeda = O Elemental do Peiote

3. Samael Aun Weor (a) = O Elemental do Gato

4. Samael Aun Weor (b) = Elementais das Aves

5. Edward Bullwer Lytton = O Guardião do Umbral

6. Francisco Valdomiro Lorenz = Briga Entre Gnomos

7. Dora van Gelder = Um Deva dos Ciclones


III. FORMULÁRIO PRÁTICO DE MAGIA

Conjuração dos Quatro

Conjuração dos Sete

Invocação do Sábio Salomão

Oração Gnóstica

Exorcismo do fogo

Exorcismo do Ar

Exorcismo da Água

Exorcismo da Terra

Regentes do Ar

Clavícula de Salomão

Exorcismo da Lua

Exorcismo de Mercúrio

Exorcismo de Vênus

Exorcismo do Sol

Exorcismo de Marte

Exorcismo de Júpiter

Exorcismo de Saturno

Conjuração de São Miguel Arcanjo

Anjos Cabalísticos

Símbolos Mágicos

Quadrado Mágico da Lua

Quadrado Mágico de Mercúrio

Quadrado Mágico de Vênus

Quadrado Mágico do Sol

Quadrado Mágico de Marte

Quadrado Mágico de Júpiter

Quadrado Mágico de Saturno



INTRODUÇÃO
Este livro é o primeiro de uma série, lançada pelos membros do Instituto Arcanjo Michael(IAM), de São Bernardo do Campo, que tem como finalidade divulgar sinteticamente a Sabedoria Esotérica, dispersa e muitas vezes confusa. Apesar de não estar filiado a nenhuma escola ou instituição( respeitamos todas obviamente), o IAM defende uma linha eminentemente gnóstica, universalista, por reconhecer que em seu espírito e seus ensinamentos manifestam-se os verdadeiros valores contidos nas vibrações espirituais da Era de Aquário.

MAGIA ELEMENTAL pretende entregar ao leitor uma visão mais ampla, inteligível, desse mundo paralelo ao nosso, mágico e poderoso, luminoso e cheio de vida, conhecido cientificamente como 4a. Dimensão, que sempre foi visitada pelas mentes inspiradas dos grandes Buscadores dos Mistérios. As práticas, os mantras, os nomes sagrados, as conjurações etc., inseridos aqui podem ser praticados pelo leitor para que ele perceba a realidade maravilhosa desses seres elementais que povoam abundantemente a natureza. Isso serve para nos conscientizarmos mais profundamente ainda sobre a manifestação maravilhosa de Deus dentro de Sua Criação. Onde houver vida e harmonia, ali Ele estará.

A novíssima Era aquariana requer pessoas práticas, que sintam, vejam e apalpem as realidades supra-físicas da natureza, para que eles deixem de simplesmente acreditar e passem a vivenciar, aprendendo diretamente da própria Natureza.

Este livro pretende resgatar uma Sabedoria Superior mantida pura pelas Escolas de Mistérios. Essa Sabedoria elemental foi venerada e profundamente vivenciada pelas portentosas culturas e civilizações do passado, como a egípcia, a maia, a grega etc. Cremos que já é mais do que hora trazermos à tona a Luz dos grandes Deuses da Natureza, os Gurus - Devas, Aqueles que escolheram a Senda Dévica, para que nós mesmos sejamos os maiores beneficiários.

A sabedoria gnóstica afirma que existem milhares de Templos e Igrejas elementais ocultos no mundo etérico. Se formos dignos de penetrar em suas portas, temos certeza que lá encontraremos Seres desejosos de entregar seu Amor, Sabedoria e Mistérios para que possamos adquirir em Paz nossa verdadeira identidade espiritual.

Esperemos que o conteúdo desta pequena obra, feita com muito carinho para você, seja útil para sua cultura intelectual e seu anelo espiritual. Aguarde para breve outras publicações. Boa leitura...



I

UMA BREVE HISTÓRIA DA MAGIA
Os conceitos de Magia, Esoterismo, Espiritualismo etc., sempre estiveram ligados à Humanidade ao longo da história. As doutrinas esotéricas não eram motivo de estudos de ignorantes, supersticiosos e medrosos, como quer que se acredite e aceite na atualidade, mas por uma “nobreza”que tem mantido a chama de um Conhecimento Superior. É essa mesma Tocha do supremo conhecimento espiritual a que sempre foi barreira contra a ignorância, as trevas, o caos, a intolerância.

A própria definição de Magia expressa bem sua verdadeira finalidade. Do persa Magh, que significa Sábio, essa palavra originou outras, como Magister, Magistério e Magnum. Portanto, Magia vem significar, basicamente, a sabedoria de todo o conhecimento que capacita o homem a desvendar e dominar o Universo, a Natureza e a si próprio. Outro termo para Magia é a aplicação da Consciência e da Vontade sobre todas as forças da Natureza, não só as físicas, tridimensionais, mas aquelas que estão fora da esfera de nossos cinco sentidos. Em síntese, é a aplicação da ciência e da vontade sobre as diversas manifestações da vida. É a Ciência Total...


Origens Fantásticas da Magia
Em seu livro apócrifo, o profeta Enoch nos fala sobre as origens de muitos ramos do conhecimento:

“Quando os filhos dos homens se multiplicaram naqueles dias, aconteceu que lhes nasceram filhas elegantes e belas".

E quando os Anjos, os Filhos dos Céus, as viram, ficaram apaixonados por elas...

"E escolheram cada qual uma mulher; e delas se aproximaram e coabitaram com elas; e lhes ensinaram a feitiçaria, os encantamentos e as propriedades das raízes e das árvores.”

E continua Enoch, afirmando que os Anjos caídos, ainda com bastante Conhecimento, ensinaram a arte de resolver os sortilégios, observar as estrelas, os caracteres mágicos, os movimentos da Lua, a arte de interpretar os signos, confeccionar talismãs etc. (Vide Livro de Enoch, cap. 8). Que época é essa, citada por Enoch?

Em sua portentosa obra O Timeu, Platão nos comenta que ouvira falar de uma legendária e poderosa civilização, a atlante, da boca de seu avô Crisitos, o qual ouvira do próprio Sólon ensinamentos dados a ele por sacerdotes-magos do templo egípcio de Saís. Segundo nos repassa Platão, essa civilização, a Atlântida, foi um conjunto de sete gigantescas ilhas que ficavam além das Colunas de Hércules, quer dizer, no Oceano Atlântico. Para o sábio discípulo de Sócrates, a origem de todo o conhecimento espiritual e mágico foi atlante.

Numa passagem do Timeu, lê-se: “Os atlantes eram uma raça de Deuses que degenerou da sua origem celeste porque se aliou freqüentemente com as filhas dos mortais; por isso, Júpiter os puniu, destruindo o país em que habitavam".

Ou seja, a origem de todo conhecimento remonta à Atlântida, aos arcaicos períodos de nossa história, em nada aceitos pela ciência materialista de hoje. Temos como fiéis depositários dos atlantes os egípcios(os quais, por meio dos gregos e depois dos árabes, foram a base de toda a magia ocidental). Temos também como filhos dessa tradição esotérica atlante os indianos e chineses, pelo lado oriental, e os maias, incas e astecas, nas Américas. Estudando-se as raízes lingüísticas de muitos povos que oficialmente nada têm em comum, percebemos muitas palavras semelhantes, senão, idênticas. Temos como exemplo o maia e o chinês mandarim, onde foram achadas mais de cinqüenta palavras de pronúncia e significado idênticos.



A Magia no Oriente
O Yoga indiano e suas sete modalidades e as artes marciais têm algo em comum, que é atlante. Eram considerados como disciplinas que permitiam dominar o corpo físico e seus canais de energia para um pleno reconhecimento e manipulação da Alma.

Os sete Yogas são: Hatha (físico), Raja (mecanismos mentais), Mantra (palavras de poder), Bhakti (devoção e serenidade), Jnana (conhecimento superior-gnose), Karma (direitos e deveres sociais e morais) e Tantra (o mais elevado de todos). O termo Yoga é o mesmo que religião, religare, ou seja, a arte de recriar aquele elo entre o humano e o divino, em todos os seus aspectos.

Quanto às tradições marciais, sabe-se que elas foram recompiladas e reorganizadas por Bodydharma, um dos principais discípulos de Buda, que “evangelizou” a China. O Kung-fu, que originou as múltiplas técnicas marciais, tinha como finalidade dominar e movimentar as energias interiores e elementais, além, é claro, da mera defesa pessoal. Segundo certas tradições, algumas das linhas marciais, organizadas por Bodydharma, foram: os caminhos do Dragão, da Serpente, do Macaco, da Águia, do Bêbado etc. (há mais de 360 caminhos no kung-fu), muito semelhantes às Ordens guerreiras das culturas americanas, como veremos logo em seguida.

Além disso tudo vemos a magia e o conhecimento esotérico inseridos em outros ciclos, encabeçados por Fo-Hi e Lao-Tzu na China, Son-Mon e o Xintoismo no Japão, Kumbu na Tailândia e Camboja, o Xamanismo original ao norte da Ásia e o Budismo tântrico tibetano de Marpa, Tsong-Kapa, Milarepa e outros.


A Magia nas Américas
Os astecas, incas e maias são as culturas que mais se expandiram nas Américas. Diz-se que foram colônias atlantes e por isso eram possuidores de altíssimo e complexo domínio da matemática, astronomia, religião e agricultura. Ainda hoje suas ordens esotéricas são um mistério. Quase todos seus escritos, estátuas sagradas e mesmo seus templos e sábios, foram destruídos pelos ávidos conquistadores europeus.

Vemos algumas Ordens monástico-militares que se dedicaram ao pleno desenvolvimento das artes mágicas e de todos os poderes humanos e divinos. Entre os astecas e maias, temos os Cavaleiros Tigres e os Cavaleiros Águias (cujo lema mágico era “Nós nos Dominamos”) e entre os incas sabemos da presença dos sagrados Cavaleiros Condores. Esses sacerdotes índios nos legaram práticas misteriosas e fantásticas, tais como a Magia Elemental, o Nagualismo (estudaremos esse tema mais adiante), o domínio da psicologia interior etc.

As tradições orientais e americanas são muito complexas e de difícil compreensão e aprendizagem. Não obstante, os princípios de suas Ciências Mágicas eram os mesmos, somente o modo de expressá-los é que difere.
Plantas de Poder
Esse é um tema bastante espinhoso, dadas as suas implicações legais e morais nos dias de hoje, além da espantosa proliferação e mau uso, pela juventude, de alguns produtos sintetizados. Sob circunstâncias rigorosamente controladas, os Magos de todo o mundo, principalmente americanos, aceleravam o desenvolvimento dos poderes paranormais de seus discípulos, a fim de fazê-los reconhecer o Mundo Oculto. Essas Plantas de Poder têm a capacidade de alterar o sistema endócrino, ativando assim todos os Chacras da Anatomia Oculta do Homem, despertando seus sentidos paranormais.

Certas ervas, raízes, cogumelos, cipós etc., possuem um poder elemental e bioquímico capazes de mostrar um mundo totalmente novo aos olhos de nossa Consciência. Esse foi um legado da Magia primitiva, infelizmente adulterado na atualidade.


A Magia no Ocidente
Um dos maiores depositários da sabedoria egípcio-atlante foi certamente Hermes Trismegisto. Certas tradições gnósticas dizem que Metraton, Enoch, Íbis de Toth e o próprio Hermes eram o mesmo Mestre, o mesmo Ser. Atribui-se a Enoch a criação dos alfabetos egípcio e hebraico, A Tábua de Esmeralda e a organização e codificação da Alquimia. Foi o fiel depositário da tradição espiritual no Tarô e na Cabala (Torá), além de ser o organizador dos Axiomas Herméticos.

Os egípcios conseguiram fecundar maravilhosamente a magia e as religiões dos hebreus, gregos, romanos e árabes. Com a posterior decadência, o Egito entregou seu conhecimento às correntes esotéricas dos árabes, denominadas de Sufismo. A expansão do islamismo por todo o Oriente, norte da África e depois pela península ibérica, leva a uma revalorização do esoterismo europeu.

A maioria dos sábios e ordens esotéricas na Europa beberam da fonte súfi: os Templários, Cátaros, Rosacruzes, Maçons, Dante Alighieri, Roger Bacon, Francisco de Assis, São Malaquias, Paracelso, Arnaldo de Villanueva etc...

Os Alquimistas
Após sucessivas infiltrações e conquistas árabes na Europa e graças às Cruzadas, a sabedoria esotérica terminou por influenciar uma série de pensadores e movimentos místicos. Temos a influência súfi, não só na península ibérica, como também na França, Inglaterra e em certa medida nas terras germânicas e nos Estados da península itálica.

Uma grande influência súfi na Europa foi trazida pela tribo nômade dos Annás(ou A’nz). Tendo como seu estandarte um bode, os místicos dos Annás entregaram seus símbolos aos Templários, além de muitos princípios herméticos que remontam aos períodos dos caldeus. A palavra caldéia Anas significa Água; Anás, portanto, quer dizer “Guardiães das Águas”(da Vida).

Os conceitos alquímicos de Elixir da Longa Vida, Pedra Filosofal, Pedra Cúbica, Cornucópia da Abundância etc., vêm das escolas de Mistérios árabes, as quais absorveram, como já dissemos, muito da tradição egípcia. A finalidade do Alquimista era produzir o melhor ouro transmutado do chumbo. Os processos secretos para a obtenção do ouro alquímico eram extremamente complexos. Exigiam disciplina, rigor no método e acima de tudo pureza moral e espiritual.

Apesar de se conhecer uma série de casos de pesquisadores que realizaram prodígios químicos, conseguindo ouro realmente físico, a finalidade essencial da tradição alquimista era transmutar o mundo interior do próprio praticante, sua Alma mesmo.

Um bom exemplo de alquimista material (ou Soprador) foi o inglês John Dee. Nascido em 1527, o Sr. Dee, graças à sua sensibilidade psíquica, desde cedo se interessou por pesquisar velhos manuscritos que conseguia encontrar em bibliotecas, alfarrábios etc. Ele e seu inescrupuloso amigo Edward Kelley compraram de um velho estalajadeiro um pergaminho escrito em língua galesa antiga que tratava da transmutação de metais. Indagado de sua procedência, Dee soube que o manuscrito surgira da violação do sepulcro de um arcebispo inglês, Dunstan de Cantuária (conhecido até hoje como o padroeiro dos ourives). Ao entrar no túmulo de São Dunstan, Dee e seu amigo descobriram algo interessante não achado pelos anteriores profanadores. Encontraram um par de ânforas, cada qual contendo um estranho pó, um deles de cor vermelha e outro branco, e que eram, segundo o manuscrito em sua posse, ingredientes essenciais à boa execução do magnus opus. Os dois pesquisadores realizaram muitíssimos prodígios com os materiais encontrados, porém a ingenuidade e a ganância os levaram à ruína.

Entretanto, os verdadeiros alquimistas eram transmutadores de Alma, e não de elementos grosseiros, como se crê vulgarmente nos dias de hoje. Temos, a título de ilustração, alguns alquimistas espirituais: Paracelso, Raimundo Lulle, Alberto Magno, Fulcanelli, Nicolas Flamel e sua esposa Perrenelle, Cornélio Agripa, Merlin, Eliphas Lévi, o Abade Trithemius, Al-Ghazali, Samael Aun Weor, D’Espagnet, Rumi etc...



Alquimia e Religiões
O princípio do autoconhecimento contido na tradição alquímica revela a necessidade de transcendência e autosuperação do homem pelo próprio homem. Isso é claramente visto dentro das religiões. Ou seja, a Alquimia está profundamente inserida no judaísmo, cristianismo, islamismo, budismo, taoísmo etc.

Tomemos alguns exemplos da simbologia alquimista nos ensinamentos religiosos:

- O primeiro milagre bíblico de Jesus, transformando água em vinho da melhor qualidade, nas Bodas de Canaã(o casamento alquímico);

- Deus flutuando sobre as Águas da Vida e formando o mundo em seis dias e descansando no sétimo ( os passos, ou fases, da obtenção da Pedra Filosofal);

- O profeta Zacarias tem a visão de um candelabro de ouro com sete lamparinas acesas pelo azeite que passa pelo interior desse candelabro(processo de transmutação);

- Os três Reis-Magos, guiados pela Estrela, visitam o menino Jesus na manjedoura do estábulo (trabalhos para a obtenção do Menino de Ouro da Alquimia);

- O profeta Moisés (que significa Salvo das Águas) bate com seu Cajado numa Pedra e daí brota água em abundância;

- Davi mata um gigante com uma Pedra;

- Elias traz fogo dos céus e incendeia a carcaça de um bovino;

- Jesus afirma que Pedro é a Pedra fundamental da Igreja que, para os outros(o mundo não iniciado), é rocha de escândalo;

- Todo bom muçulmano tem de visitar Meca e em sua peregrinação deve dar sete voltas em redor da Pedra Negra (Caaba); etc.
Os Princípios Religiosos e a Magia
Todos temos lido em obras místicas de diversas linhas sobre a abundância da vida criada por Deus. Diversos tratadistas de ocultismo nos relataram suas experiências com entidades conhecidas no âmbito do folclore, das crenças e mitos populares. Vemos em quase todos os povos lindas histórias acerca de fantásticas manifestações da vida. Quem de nós não ouviu uma história que fala de seres que vivem dentro de pedras, árvores, rios, cavernas, lagos, despenhadeiros, rios etc.? Essas formas de vida, chamadas no esoterismo de Elementais, fazem parte ativa de culturas extremamente místicas, como os gauleses e seus Druidas, os tibetanos, os anglos e saxões, os povos pré-colombianos, os chineses, japoneses e outros tantos.

Esses povos conservaram uma visão Panteísta, ou seja, conseguiam intuir a Vida Universal permeando todas e quaisquer formas de manifestação, visível e invisível. Apesar de terem grandes conhecimentos, tais como matemática, astronomia, engenharia, medicina e complexos sistemas de psicologia, ainda assim gostavam de viver cercados por um ambiente natural e de alta espiritualidade. Penetravam em seus bosques e rendiam culto às suas árvores sagradas; realizavam portentosas procissões, onde oferendavam os primeiros frutos de suas colheitas aos Deuses Santos; oravam profundamente aos Guardiães das cavernas e lagos encantados. Enfim, tinham uma visão do sagrado em todas as coisas, não conseguiam apartar o Divino do cotidiano humano.

Com o passar dessa Idade de Ouro, esse Panteísmo foi se transformando, graças a uma mentalidade cada vez menos intuitiva, dando lugar a um Politeísmo que conseguimos reconhecer em algumas culturas, como a grega, romana, persa etc., as quais afastaram a Divindade de nosso cotidiano, pois Ela passa a residir agora nos céus, nas mais altas montanhas do mundo, no mais profundo dos sete mares, enfim, em todos os lugares inacessíveis à presença do homem.

Entretanto, ainda se percebe, nessa duas formas religiosas uma conexão muito grande entre Deus e a Mãe Natureza. Deus é visto ao mesmo tempo como Pai e Mãe, suas múltiplas manifestações, poderes e virtudes são representados na presença dos Deuses do Olimpo, do Valhalla, do Aztlan: temos então, uma Minerva-Sabedoria, um Balder-Inspiração, uma Vênus-Amor, um Odin-Curador, um Kukulkán-Força etc.

Assim como colocamos uma roupa nova diariamente, conforme nossas necessidades, os princípios religiosos também necessitaram adaptar-se ao nível de Consciência da humanidade. O Politeísmo, quando começou a entrar em sua fase decadente, foi caindo num descrédito cada vez maior, como foi o caso da religião romana, com seus Deuses cada vez mais ridicularizados pelos chamados “livres-pensadores”(na verdade, abutres materialistas): teatrólogos, filósofos e escritores.

Antes, porém, de dar seu último suspiro, o Politeísmo viu crescerem novas visões da Divindade, não mais manifestada de maneira múltipla, como no caso dos 22 Deuses olímpicos. Começa a aparecer o Monoteísmo, com um só Deus supremo, obedecido por um séquito de Anjos, Arcanjos, Querubins, Serafins, Profetas, Santos e Beatos.

Essas três formas religiosas que se sucederam umas às outras foram necessárias em seu tempo. Devemos refletir, entretanto, que sempre existiu UMA ÚNICA RELIGIÃO, mais precisamente um princípio mágico, um espírito religioso, que mostrou o Conhecimento (Gnose) necessário para o homem trilhar o Caminho para Deus.

Concordo quando se afirma que a religião do futuro (eternamente presente) é uma forma de Politeísmo Monista, uma espécie de Unidade Múltipla Perfeita, os Vários formando (e sendo) o Uno. E essa Religião não se diferenciará daquilo chamado pelos antigos de MAGIA.


O Caminho Dévico
Do ponto de vista iniciático, a realização completa e perfeita do trabalho alquímico e mágico pode nos levar a ver três Caminhos de Realização espiritual. Vêm a ser:

1. Senda Nirvânica, escolhida por aqueles que trabalham com os mundos paradisíacos dos Budas; é o caminho do Êxtase.

2. Senda Direta, escolhida pelos Mestres que desejam encarnar o Cristo Cósmico e perder-se completamente no Absoluto de Deus.

3. Senda Dévica, ou Caminho Angélico, responsável pela manutenção da Grande Obra da Natureza; a esse Caminho escolheram os Seres que decidiram unir-se à evolução dos anjos e ser discípulos dos grandes Deuses, chamados de Gurus-Devas, os Supremos Construtores. É a esse Caminho que trataremos um pouco mais neste livro.


Prática
Sente-se ou deite-se de forma confortável, procurando ficar numa posição imóvel. Relaxe o corpo e solte toda tensão muscular. Sinta a vida que se manifesta em cada parte de seu corpo. Depois de relaxado o corpo, imagine que de várias partes dele se estendem raízes que penetram por muitos quilômetros na terra. Sinta que a terra é o corpo de um ser gigantesco que alimenta e fortalece seu corpo físico com luz, vida, força e alegria de viver. Enquanto realiza este exercício, sinta que os mais sinceros sentimentos que brotam de seu coração se espalham, auxiliando na cura do planeta. Sinta que é uma troca. Você recebe e dá ao mesmo tempo.


II

A ORDEM NATURAL

A Tradição esotérica afirma que todo o Universo, toda a Natureza, com corpo e espírito, é um Ser vivo e plenamente consciente, constituído por sua vez de uma miríade infinita de seres altamente evoluídos, os quais abarcam quantidades também gigantescas de seres, à semelhança de nosso organismo, que possui átomos, moléculas, células, órgãos, sistemas e por fim um corpo complexo regido por um Espírito(mais ou menos consciente de sua verdadeira identidade).

Assim como cada átomo, célula etc. se unem formando um todo, essa Suprema Divindade é oni-abarcante, onipresente e onisciente em todo o Universo.

Esse Todo da Natureza, é o corpo de uma Deusa, de um Ser Grandioso e Sublime, que existe nos mundos superiores e sempre foi adorada e amada por todas as grandes mentes da humanidade, por ser fonte materna e expressão dos mais belos sentimentos em nossos corações e mentes. Ela foi chamada de Rainha do Céu, Mãe Arcangélica dos Universos, Madona Santíssima, Virgem do Mar, Mãe Divina, Eterno Aspecto Feminino de Deus e a causadora de todos os fenômenos naturais. Seus diversos atributos foram manifestados nas múltiplas Deusas, como Vênus, Minerva, Ishtar, Prakriti, Coatlicue, Virgem Maria, Hera, Prosérpina, Hua-Tsé, Kwan Yin, Ísis etc... Por isso vemos que nas antigas religiões se cultuava um duplo aspecto de Deus: como Pai e como Mãe.

Dante Alighieri, em sua Comédia, assim como outros Buscadores, roga extasiado pela intercessão da Mãe Eterna em nossos processos espirituais, assim:
Ó Virgem Mãe, ó filha de teu Filho,

mais alta e humilde que qualquer criatura,

dos eternos desígnios termo e brilho!
Em ti se sublimou a tanta altura

a humana condição, que o seu Criado

em tornar-se acedeu sua criatura.
No teu seio fulgiu o doce amor

a cuja luz intensa e resplendente

germinou deste modo a Eterna Flor.
Aqui és para nós a transparente

face da caridade; e da esperança,

entre os mortais, és fonte permanente.
Tamanha é nestes céus tua pujança,

que quem o bem, sem ti, busca, hesitante,

como que a voar sem asas se abalança.”
Há o texto maravilhoso de um Ritual gnóstico que reverencia a Mãe do Mundo. Vamos transcrever um pequeno trecho:

“Salve, Nuit, eterna Seidade Cósmica;

Salve, Nuit, Luz dos céus;

Salve, Nuit, alma primordial e única.

IAO... IAO... IAO...

Então, caiu o sacerdote em um profundo êxtase e falou à Rainha do Céu: Escreve para nós teus ensinamentos. Escreve para nós a Luz.

E a Rainha do Céu disse dessa maneira: Meus ensinamentos não os escrevo, não posso. Meus Rituais, em troca, serão escritos para todos, naquela parte que não são secretos. A Lei é igual para todos. Deve-se operar pela ação do Báculo e pela ação da Espada. Isso se deverá aprender e assim deverá ser ensinado.”

E o Livro da Eterna Sabedoria afirma: “Ela é o Eterno Feminino representado pela Lua e pela Água, a Magna Mater de onde provêm a mágica letra M e o famoso hieróglifo de Aquário. Ela é também a matriz universal do Grande Abismo, a Vênus primitiva, a grande Mãe virgem que surge das ondas do mar com seu filho Cupido-Eros.”

Essa Potência Divina, esse Deus-Mãe, do ponto de vista cabalístico, é representado pelo Arcano 3 do Tarô (A Sacerdotisa), e pela letra B. Todas as grandes tradições, todos os grandes livros sagrados das religiões, todas as orações sagradas, sempre começaram com o fonema B (ou Beth). Exemplos:
O Pai-Nosso, ensinado pelo Mestre Jesus. (Baina, em aramaico, significa Nosso Pai);

A Súrata da Abertura, do Alcorão, com suas sete petições, inicia-se com a invocação Bismillah (Em nome de Deus...);

A Gênese, de Moisés, começa com a palavra Bereshit (No início...), etc...

Portanto, vemos como todo início, toda abertura, têm a Invocação dessa Potência Divina de nossos Céus espirituais, nossa Mãe Divina.

O simbolismo esotérico do lado Materno, Feminino, da Divindade é representado essencialmente por cinco aspectos ou manifestações mágicas, plenamente trabalháveis pelo esoterista. Esses cinco aspectos são:


  • Mãe Espaço(criadora de toda a Ordem Cósmica, todas as Galáxias, universos, Templos Siderais etc.);

  • Kundalini(responsável pelo Fogo Criador que emana do sol e se fixa no mais profundo de nossa Alma);

  • Mãe Morte( reverenciada por todas as culturas como a equilibradora da Lei cósmica de Evolução e Involução);

  • Natura( que criou o corpo de todos os seres, inclusive nosso corpo físico);

  • Maga Elemental(responsável pelas forças instintivas da natureza, reprodução, sexualidade, instinto de sobrevivência etc.).

De acordo com sua necessidade psicológica e/ou mágica, o Buscador pode invocar o supremo poder de um dos aspectos da Eterna Mãe. Cada um desses aspectos possui sua própria ritualística, mantras, exigências, símbolos etc. Todos os grandes magos sempre prestaram um reconhecimento do infinito poder que essa potência cósmica, a Mãe Divina, representa no trabalho esotérico. Ela é o topo de toda prática de Magia Elemental. Portanto, afirma-se que se deve ter sempre em mente a presença e benção dessa Energia Cósmica quando se for trabalhar com um elemental ou anjo.
A Esfinge Elemental
É muito extenso o simbolismo da Grande Esfinge egípcia de Gizeh e, de acordo com o prisma com que se estuda esse portentoso monumento, símbolo supremo da Magia Elemental, veremos nele uma série de significados e emblemas. Chamado de “Tetramorfo”, por ser constituído por quatro elementos, a Esfinge representa o próprio Mistério iniciático e o silêncio do conhecimento espiritual, a síntese dos Arcanos e da complexa natureza humana.

Existem variadas formas de esfinges, espalhadas pelo mundo, indicando que elas nos passam uma sabedoria profunda. No seu todo é a Unidade, o princípio consciente de toda a Criação, a Mônada secreta, o Espírito organizador da Vida. Esfinges compostas de dois animais representam a Dualidade universal, o Yin-Yang. Compostas de três elementos, como as esfinges assírias, é a Trindade de todas as religiões (Pai, Filho e Espírito Santo; Brahma, Vishnu e Shiva; Osíris, Hórus e Ísis; Ometecuhtli, Omecihuatl e Quetzalcoatl; etc.).


O Quaternário ou a Lei do Quatro
A Esfinge de Gizeh, formada por quatro animais, representa a Sagrada Lei do Quatro (que é um desdobramento da Lei do Sete), é a possibilidade de manifestação e manutenção do mundo. Eis aí o misterioso segredo do número quatro, que vem a ser, cabalisticamente falando, um número-base do número sete, da Lei do Sete,; ou seja, dá a matéria-prima que o Sete necessita para Organizar o Universo (tanto interior quanto exterior). A maioria das religiões e sistemas de filosofia mística dão à Consciência Divina, Deus, nomes formados por quatro letras.

O Tetráktis de Pitágoras é o mesmo Jeová (Yod-Hé-Vau-Hé) dos cabalistas hebreus; é o mantra Tetragrammaton, que não pode ser pronunciadoem vão. O Tetragrama é o nome sagrado que originou a maioria dos nomes divinos, tais como: GOTH(flamengos), GOTT(germanos), ALLÁ(muçulmanos), TEOS(gregos), TEOT (maias), TETH(egípcios), INRI(gnósticos), ORFI(mogures), ELOA(assírios), EL-HA(caldeus), SYRE(persas), DIEU(francos) etc...


Os Quatro Animais
Um sábio gnóstico, no século 2 d.C. relacionou os quatro animais da Esfinge aos quatro elementos e evangelistas: o Touro a Lucas, o Leão a Marcos, a Águia a João e o Homem a Mateus. Eliphas Lévi caracteriza os quatro animais a virtudes e elementos:
Touro - Terra,Trabalho, resistência e forma;

Leão - Fogo, Força, ação e movimento;

Águia - Ar, Inteligência, espírito e alma;

Homem - Água, Conhecimento, vida e luz.


Para visualizarmos melhor a influência da Lei do Quatro, podemos também associá-la aos seguintes aspectos do Conhecimento:
+ Personalidades humanas: colérico, sanguíneo, fleumático e melancólico

+ Reinos: mineral, vegetal, animal e humano

+ Sabores: doce, amargo, salgado e ácido

+ Raças: amarela, branca, negra e vermelha

+ Agentes químicos da Vida: Carbono, hidrogênio, oxigênio e nitrogênio

+ Sabedoria humana: arte, ciência, filosofia e religião

+ Idades espirituais: ouro, prata, cobre e ferro

+ Animais da Alquimia: corvo, pomba, águia e faisão

+ Animais bíblicos: leão, urso, leopardo e monstro de ferro

+ Mundos da Cabala: Asiah, Yetzirah, Briah e Atziluth

+ Elementais: gnomos, ondinas, silfos e salamandras

+ Estados da matéria: sólido, líquido, gasoso e plasma

+ Tattwas: prittvi, apas, vayu e tejas

+ Axiomas herméticos: poder, ousar, saber e calar-se

+ Gênios: Kitichi, Varuna, Parvati e Agni

+ Processos Alquímicos: putrefação, calcinação, destilação e realização

+ Corpos inferiores: físico, etérico, astral e mental

+ Operações matemáticas: adição, subtração, multiplicação e divisão; etc...


Sob um ponto de vista eminentemente ocultista, a Esfinge possui um mistério. Em sua contraparte astral, no seu interior, existe uma escola, um centro iniciático, onde aqueles que são aceitos em seus salões aprendem toda a Magia Elemental da natureza. Aprendem as configurações de todas as Ordens hierárquicas, os templos e igrejas elementais de cada espécie vegetal e animal, seus mantras, palavras de passe, rituais, nomes, funções e relações com a evolução humana.

Diz-se que a entrada desse Sagrado Colégio Dévico está situada na testa da Esfinge de Gizeh, seu instrutor supremo é um grande mestre que em uma de suas vidas passadas foi um grande e sábio Faraó. E o Guardião dessa porta astral é um poderoso Guru-Deva chamado Gaio.


Hierarquias Divinas ou Anjos Virtuosos
De acordo com as Forças Inteligentes que governam a Senda Dévica, há uma hierarquia estruturada de forma matematicamente perfeita, em base ao nível de Consciência, Poder e Vida dos Seres que compõem esse Universo. Segundo os grandes Guias da humanidade e Mestres Ascencionados, a vida universal é organizada pelas sete consciências supremas, os chamados sete Anjos diante do Trono de Deus. No mundo elemental e angélico, essa força organizativa é dirigida por sete grandes Deuses elementais, ou Gurus-Devas, dos quais conhecemos melhor quatro(representados pela Esfinge egípcia).

Esses quatro Seres são simbolizados como os sustentadores das quatro pontas da grande cruz do universo, que crucifica a Alma que trabalha intensamente para a sua Auto-Realização.

Esses quatro Querubins-Sustentadores são reconhecidos em todas as culturas espirituais. São os quatro Devarajas, os Arquivistas, os Lípikas, o Santo Serafim das Quatro Faces, os Quatro Tronos, os Quatro Arquitetos, as Santas Criaturas Viventes, os Quatro Seres da visão do profeta Ezequiel, os quatro Senhores da Morte, filhos de Hórus (Mestha, Hapi, Khebsenuf e Tauamutef) etc.

Como Regentes da Evolução Elemental, são eles:



AGNI, Rei do Fogo Elemental, o qual aparece aos olhos do vidente como um menino de puríssima aura, rodeado por uma inefável música; tem sob suas ordens todos os Deuses, Anjos, Gênios e elementais do fogo, conhecidos por Salamandras e Vulcanos. Seus símbolos são a espada, o punhal e o Lábaro aceso. Rege o Sul da Terra. Este Reino elemental está intimamente relacionado, no mundo divino, ao Arcanjo Samael, Regente de Marte. Mantra: RA.

KITICHI, poderoso e misterioso Ser, comandante dos guardiães das cavernas, obreiros subterrâneos, alquimistas dos metais interiores, Reis das montanhas, e elementais da terra, conhecidos como Gnomos, Pigmeus e Duendes. Seus símbolos são a pedra filosofal, o cetro de mando, a cruz sobre uma bola, o Báculo. Seu domínio é ao Norte. O mundo elemental da terra está ligado ao Divino Senhor Orifiel, Regente do planeta Saturno. Mantra: LA.

VARUNA, Senhor elemental portador do Tridente de Netuno, representação do domínio sobre as três forças primárias que criaram o mar do universo. Rege os reis dos sete mares elementais e seus mais humildes seres são as Ondinas, Nereidas, Sereias e Ninfas das águas. Rege o Ocidente e tem o Cálice como símbolo. Seu reino está localizado no Leste e possui íntima ligação com Gabriel, Anjo da Lua. Mantra: VA.

PARVATI, sagrado Titã dos céus, cuja cabeça toca a mais alta nuvem dos céus. Estão sob suas ordens os anjos da mente, dos ventos e brisas, do movimento cósmico e seus elementais são os Silfos, Sílfides, Fadas e Elfos. Seu reino localiza-se no Oriente do Mundo e seus símbolos são a pena e o hexagrama. Possui ligação com Michael(Sol) e de certa forma a Rafael(Mercúrio). Mantra: H (Suspirado).

Temos também a quintessência, o quinto Reino elemental, regido por INDRA, e seus elementais são denominados Puncta. Existem mais dois reinos elementais, chamados de Adhi e Samadhi, os quais pertencem a ordens superiores, porém que podem ser sentidos, como sutis vibrações violeta, nas práticas de meditação, especificamente nos horários entre quatro e cinco da manhã.


Esse Devarajas mencionados acima são os chefes supremos da evolução elemental de todo o sistema solar e têm a seu cargo inumeráveis miríades de Reitores, os quais são chefes e senhores de milhões, bilhões, de maravilhosos e humildes elementais, responsáveis pela ordem e harmonia na natureza. Citemos os nomes de alguns desses Reitores:

NARAYANA, EHECATLE, BARBAS DE OURO, GOB, ARBARMAN, MAGÔA, BAYEMON, EGYM, AMAIMON, SABTABIEL, ORFAMIEL, HUEHUETEOTLE, MACHATORI, SARAKIEL, ACIMOY, ARCHAN, SAMAX, MADIAT, VEL, MODIAT, GUTH, SARABOTES, MAIMON, VARCAN, HÓRUS, APOLO, MINERVA, RUDRA etc...

Tais Deuses trabalham com as forças variantes dos Elementos. Por exemplo, o Fogo possui diversas manifestações, tais como o fogo doméstico, o fogo da Kundalini, o fogo solar, os fogos vulcânicos e do interior da Terra etc. O mesmo ocorre com os outros elementos. Cada uma dessas variantes do elemento fogo são administradas por diversos reis elementais, como os citados acima. Existem práticas, rituais, mantras invocatórios e dias mais propícios, capazes de criar um envolvimento com essas presenças espirituais.
Elementais, ou Anjos Inocentes
Os Elementais sempre foram manipulados pelos Adeptos da Magia, desde os mais remotos tempos. Tiveram diversas designações, tais como Djinn, Sereias, Devas, Gênios, Anjos Inocentes, Duendes, Gnomos, Pigmeus, Anões, Fadas, Trasgos, Peris, Damas Brancas, Vulcanos, Fantasmas, Ninfas, Silvanos, Pinkies, Branshees, Silvestres, Silfos, Elfos, Musgosos, Sátiros, Faunos, Nixies, Bebês d’Água, Mamaés, Sacis, Mulas-sem-Cabeça, Brownies, Kobolds, Iamuricumás, Mannikins, Gobelinos, Nibelungos etc.

Eles são constituídos de corpo, alma e espírito e sua evolução, ao contrário do que imaginam muitos esoteristas, tem algo a ver com a evolução humana. De acordo com seu raio evolutivo(pois alguns pertencem ao elemento terra, outros ao fogo etc.), o elemental pode se “encarnar” numa pedra, numa planta, num peixe, numa frondosa árvore, numa labareda ou mesmo nos fogos subterrâneos de um vulcão.

A evolução da essência espiritual tem confundido diversos tratadistas de esoterismo. Muitos chegaram a afirmar que existem duas sendas totalmente distintas e inconfundíveis: a humana e a angélica. O que ocorre, com mais precisão, segundo as doutrinas mais ortodoxas, é:
Evoluções Elemental e Humana
Quando desce, involui, desde o mundo abstrato do Espírito universal, a essência espiritual começa a se manifestar, a se corporificar no mundo da matéria, nos reinos mineral, depois no vegetal e no animal; nesses reinos, essa essência espiritual é chamada didaticamente de Chispa Divina, ou simplesmente Elemental. No instante em que essa Chispa, esse fragmento de Deus, do Fogo Universal, ingressa na evolução humana, ela passa a se chamar Essência Monádica (no Oriente, Budhata). Portanto, nós um dia fomos elementais e os elementais serão, mais cedo ou mais tarde, seres humanos.

Ainda existe no mais profundo de nossa consciência algo de elemental, uma espécie de memória da natureza, a qual se devidamente aflorada com a Força do Amor, faz com que voltemos a manipular e dominar os Rituais da Magia Elemental.

Essa memória elemental profunda, resgatada por nosso Espírito, é chamada INTERCESSOR ELEMENTAL; seria nosso segundo Anjo da Guarda, porém especializado na Magia da Natureza, na Magia Sideral e Cósmica, que ensina como dominar os elementos naturais, os terremotos, os incêndios, as forças vulcânicas, as nuvens chuvosas, realizar curas à distância, ou também trabalhar com os Anjos planetários e alterar o Karma (quando permitido pela Divindade). Os índios mexicanos chamam o Intercessor Elemental de Nagual.
Essa idéia de manifestação elemental precedendo nossas encarnações no reino humano é plenamente aceita nas doutrinas gnósticas originais e no hinduismo e budismo. Os budistas afirmam que Sidarta Gautama, o Buda, dizia que antes de se encarnar como humano foi uma garça e um macaco, entre muitos outros. A mestra H.P. Blavatsky dizia que sua última encarnação no reino animal foi a de um cachorro doméstico. E o mestre Samael Aun Weor, o Avatar de Aquário, lembrava-se de suas encarnações como peixe e sapo. Pitágoras também defendia a doutrina da Transmigração das Almas e a da Metempsicose.

Outra idéia defendida é a da Involução das almas humanas. Aqueles que por um motivo ou outro se degradam moral e espiritualmente, esquecendo-se que devem mais dar do que receber e esquecendo-se também de sua origem espiritual, tendem a “regredir no tempo”, e não mais se encarnar em corpos humanos, mas sim em corpos de animais, vegetais e por fim minerais. Essa “regressão da Alma” significa uma perda cada vez maior da Consciência e dos atributos anímicos; é a chamada Segunda Morte, segundo o Apocalipse de São João.A questão das evoluções e regressões da alma é muito polêmica e de difícil compreensão.


Seres Involutivos
Dentro dessa lógica da lei dupla Evolução-Involução, podemos deduzir que há animais, vegetais e até minerais em estado degenerativo. Temos, como alguns exemplos, as formigas, os porcos, macacos, burros e mulas e algumas ervas daninhas. Certos animais domésticos, próximos ao ser humano, como cães, gatos, cavalos, papagaios etc., podem estar num processo tanto evolutivo quanto involutivo.

Não se pode confundir seres involucionantes com aqueles que pertencem ao Raio da Morte, ou de Saturno, como os urubus, hienas, aranhas e outros faxineiros que executam um trabalho fundamental para a natureza(leia o capítulo Os 7 Raios das Plantas).

Do ponto de vista da Magia Elemental, afirmamos que muitos indivíduos se utilizam de maneira pérfida também desses animais involucionantes, ou elementais inferiores, para seus trabalhos de magia negra, conseguindo danificar a saúde e mesmo a vida de suas pobres vítimas. Isso é o que se denomina trabalhar com os Tattwas negativamente.
Manipulando os Tattwas
Os Tattwas são as energias etéricas da natureza, a contraparte vital do mundo físico. Podem ser usados tanto para o bem quanto para o mal, dependendo do livre-arbítrio de cada mago. Quando se utilizam os Tattwas para seu próprio egoísmo, o indivíduo é chamado de mago negro; e quando se utiliza essa força natural sagrada para o bem de si próprio e dos demais, chama-se a esse indivíduo de mago branco. No próximo capítulo trataremos um pouco mais acerca desse conceito de magias branca e negra.

As histórias fantásticas que pesquisamos baseiam-se na manipulação das energias etéricas da natureza, chamadas Tattwas. A ciência que lida com esse fenômeno é denominada de Jinas. Temos, por exemplo, os fenômenos de materializações e desmaterializações, pessoas levitando e desaparecendo (como nos casos de Jesus, Maomé e Buda), indivíduos que afirmam poder assumir formas de animais (como a Licantropia). Temos também o fenômeno dos Terafim, citados nos tratados de cabala e mesmo na Bíblia( estátuas e objetos que passam a ter comportamento e movimentos humanos, por estarem profundamente impregnados com fluidos etéricos). Esse trabalho com as forças Jinas pode ser utilizado também para o mal, como é o caso da fixação de fluidos vitais em bonecos, dentro da linha do Vodu.


Os Éteres Universais
Os quatro éteres básicos (Terra, Água, Ar e Fogo) da natureza podem ser sentidos em nosso cotidiano, observando-se o clima local.

O éter do fogo está plasmado quando sentimos no ambiente calor, secura, sede, cansaço e pouca movimentação de animais terrestres e pássaros. Normalmente há pouco vento. Esse Éter é chamado pelos indianos de Tejas. Sua cor no ambiente astral é o vermelho.

O elemento etérico do Ar, ou Vayú, é sentido quando há no ambiente bastante vento, secura e certo ar de silêncio. Afirma-se que não é um momento para negócios, fechamento de contratos etc., pois todo acordo e pacto tende a se dissipar. A cor desse éter é o azul. Propício para a Magia Mental.

O Tattwa da Água, ou Apas, cria climas úmidos, chuvas, tempestades e enchentes. É propício iniciar com esse éter casamentos e negócios onde se queiram colher muitos filhos e frutos, cuidar da terra onde se plantarão árvores frutíferas etc. Sua cor é o amarelo.



Prittvi, da terra, é o elemento etérico que mais dá prazer e alegria aos seres vivos, especialmente aos humanos e aos pássaros. É o momento em que toda a natureza canta, sente-se uma leveza maravilhosa no ambiente, a luz é fecunda e abundante e as pessoas têm vontade de cantar e soltar-se emocionalmente. Prittvi normalmente acompanha a manifestação de Apas, o éter úmido. Sua cor é o verde da natureza. Nesse momento pode-se trabalhar com a Magia Verde, ou magia da cura.

O quinto elemento etérico, o Éter propriamente dito, o Akasha, é sentido como se a natureza inteira entrasse em introspecção, o ambiente se tornasse escuro, lúgubre. É o pior momento para se realizar qualquer coisa externa, emocional ou profissionalmente. Segundo os budistas, é ideal para se realizar meditações profundas e desenvolver técnicas de cura(pelas mãos, olhos, vontade) e de autoconhecimento.


Prática
Relaxe o corpo, procurando a forma mais simples e cômoda para o corpo físico. Solte todos os músculos vagarosamente. Sinta sua respiração se acalmar naturalmente. Concentre-se nos batimentos do coração e sinta que você se acalma mais ainda. Imagine que o planeta Terra também possui um coração em seu centro, e que esse coração está ligado ao seu por fios luminosos de cor dourada. Peça a esse Ser Vivo, que é a Divina Mãe Terra, para preencher seu corpo e sua Alma com a sabedoria dos seres elementais. Medite por cerca de meia hora diariamente. Após a meditação, vocalize o mantra AOM por sete vezes.

III

A ANATOMIA OCULTA DO HOMEM

O Conhecimento Oculto afirma que o Homem é potencialmente a criação mais maravilhosa e complexa que Deus criou no universo. Dentro de nós manifestam-se todas as leis cósmicas, todos os princípios elementais e todos os anseios de auto-realização da Mãe Natureza. As virtudes mais sublimes e o fôlego da Eternidade suspiram em nossos ouvidos tentando nos relembrar de nossas Origens. Apesar de nosso corpo físico ser uma das obras primas da natureza, ele é apenas uma pequena peça de um todo muitíssimo mais fantástico e complexo.

Os sete Arcanjos da Presença vibram no mais profundo da Alma na forma de átomos de Amor, Poder e Vida em nossas sete igrejas apocalípticas(os Chacras). A santa Fraternidade Branca interna ressoa nos átomos mais sublimes de nosso cérebro.

A ternura onipotente da Mãe Divina ilumina cada célula de nosso coração.

E o que dizer de nossos íntimos elementais atômicos? Os gnomos internos de nossos ossos e músculos, as ondinas do sangue e líquidos sexuais, os silfos trabalhando intensamente em nossos ares vitais (pulmões, pensamentos etc.) e as salamandras atômicas, dando-nos aquela sensação de calor e ânimo de viver.

Um grande mago moderno, Dr. Jorge Adoum (Adonai), dizia que o ser humano é um rei da natureza, porém, um rei sem cetro, cujo reino ainda espera ansioso para ser domado.



Os Sete Corpos
De acordo com as leis sagradas do Sete e do Quatro, as composições químicas e energéticas do corpo e da alma se agrupam em níveis de densidade que vão do mais grosseiro ao mais sutil, do corpo tridimensional de carne e osso ao Espírito da Vida.As sete estruturas, ou corpos, do homem, à semelhança do Universo inteiro, são:

1. Físico

2. Etérico (ou Vital)

3. Astral (ou de Desejos)

4. Mental

5. Causal (ou da Vontade; Alma Humana)

6. Consciência (ou Alma Divina)

7. Íntimo (ou Espírito)

O grande mestre e médico de almas Paracelso os designava assim:

1. Limbus

2. Múmia

3. Archaous

4. Sideral

5. Adech


6. Aluech

7. Corpo do Íntimo


Os distintos sete corpos dessa Anatomia Oculta interligam-se, influenciando-se e afetando-se mutuamente. Quando ocorre um desequilíbrio de um dos corpos acima citados, os outros ressentem, ocorrendo então uma desarmonia ou doença. Enquanto a saúde do corpo onde primeiro ocorreu o desequilíbrio não for totalmente restabelecida, não haverá o radical processo de cura. Ou seja, todo o conjunto permanecerá doente (com exceção dos dois corpos mais sutis, a Consciência e o Espírito, pois estes somente influenciam).
Alma Sã, Corpo São e Vice-Versa
É do mundo das emoções e da mente onde se origina a maioria das enfermidades, loucuras e doenças existentes hoje. Acredita-se que as grandes guerras mundiais, as pavorosas epidemias, as grandes obsessões e taras que infestam ciclicamente o mundo são unicamente as conseqüências materiais dos estados interiores, resultados de uma série de poluições mentais que vemos na atualidade: falsa educação, músicas desarmônicas, mensagens subliminares absurdas, manchetes negativistas, sexualidade desenfreada, programas de tevê infestados de violência, gerando entre outras coisas o desrespeito a valores universalmente aceitos, como a família, a fraternidade, o livre-arbítrio etc. Sem dogmatismos ou falso moralismo, acreditamos sinceramente que os atributos espirituais do ser humano são os verdadeiros alimentos para uma sociedade mais justa e equilibrada.

Afirma-se que quando se gera coletivamente um estado emocional negativo, essa vibração é recolhida pelas superiores dimensões da natureza. E quando as circunstâncias cósmicas e telúricas permitirem, essa energia armazenada retorna inexoravelmente aos que a geraram, criando assim os chamados Karmas individuais, coletivos, nacionais e até mesmo os planetários.

Quando o ser humano viola as leis das causas naturais, essa violação é devolvida na forma de catástrofes, enfermidades, terremotos, morte e desolação. Por isso dissemos que o homem é um Deus em potencial. Ele tem o poder de criar ou destruir a si mesmo e a seu ambiente.

No mundo interior do homem ocorre o mesmo que no exterior. Quando leis são violadas, formas de agir e sentir são erroneamente manifestadas, ocorrem as chamadas enfermidades kármicas(desta e/ou de vidas anteriores). Aclaramos:

Graves danos no corpo causal(ou da Vontade) podem produzir o Karmaduro, o chamado karma inegociável, além de enfermidades como a Aids, a arterosclerose, gota, males cardíacos e outros desequilíbrios da sociedade contemporânea.

Um corpo mental mal trabalhado e em desequilíbrio pode gerar desde loucuras, cretinices, idiotias e outras doenças mentais, até insônias, anemias, cistites, ciática, raquitismo etc.

O corpo astral normalmente é o campeão na produção e distribuição de enfermidades. Ali podem ser gerados desde os simples abcessos às bronquites, o bócio, alguns problemas cardíacos, câncer, diabetes, nefrites(rins), gangrenas, gastrites e úlceras gástricas, gripes, malária, hemorróidas, tuberculoses etc.

Já as doenças originárias no corpo etérico (vital) são bastante interessantes de se analisar. Por ser contraparte energética do corpo físico, o etérico atua principalmente nos sistemas nervoso e imunológico: Irritações, alergias diversas, calvície, convulsões, conjuntivites, epilepsia, diarréia, varizes etc...


Quanto às doenças eminentemente kármicas, ou seja, geradas por atos e/ou emoções negativas em passadas encarnações, podemos citar:

A ira desenfreada gera a cegueira; a mentira contumaz cria deformidades físicas horríveis; o abuso da maravilhosa energia sexual é um dos causadores do câncer e da difteria; o medo e a insegurança geram rins e corações débeis; a ansiedade descontrolada e o ateísmo afetam os pulmões, além de induzir à malária, ao raquitismo e à tuberculose. Isso se deve a que nossos pensamentos, emoções e atitudes atraem átomos e energias inferiores que danificam nossos corpos internos, repercutindo no corpo físico futuro. Significa que na outra vida o código genético terá mais ou menos dificuldades em responder às ordens harmonizantes dos átomos divinos do Íntimo.

Enfim, demos uma pequena mostra de como nossa vida “moderna” e sedentária tem nos levado ao aumento dos volumes dos livros de catalogação de doenças das faculdades de medicina. Graças a Deus não existem doenças incuráveis, pois negar qualquer possibilidade de cura é negar a misericórdia do próprio Deus, fonte do princípio universal da Vida. A grande mensagem dos grandes mestres-magos é da urgente necessidade de nosso retorno ao Jardim do Éden primordial, a Mãe Natureza. Ali, com certeza, seremos agraciados com seus mais belos frutos, como a saúde, a prosperidade verdadeira, a singeleza. Quando retornarmos ao “suave jugo” e à simplicidade dos seres espirituais que nos rodeiam, teremos então encontrado a verdadeira fonte da eterna juventude e felicidade.
Com as práticas e dicas ensinadas neste livro, realizaremos verdadeiros trabalhos de cura, harmonia e magia para nós mesmos e para nossos semelhantes. Tudo isso baseados na simples observação dos rituais vivos e dinâmicos do Cosmos vivo.
Poderes que Divinizam o Homem
Quando nos damos conta da existência daquela parte divina dentro de cada um de nós; quando descobrirmos com a emoção mais profunda do coração que essa divindade íntima quer que desvendemos as esferas superiores de nossa Consciência; enfim, quando em nossas viagens internas começamos a responder à inteligência do Pai Íntimo, então sim, como filhos pródigos poderemos nos considerar um Deus, em potencial.

A investigação de nossa Alma nos faz crer que existem poderes que levariam nossa vida a uma mudança tão radical que os limites de nosso cotidiano se confundiriam com o Ilimitado. Com o uso de sons vocálicos, mântricos, podemos conquistar nossa herança mágica, perdida num passado longínquo. Mantras são invocações sonoras que o mago utiliza para harmonizar seu corpo e seus Centros com as forças mais sutis da Natureza(sobre esse tema trataremos em posterior capítulo).

Os homem possui ao todo 12 poderes, ou sentidos. Cinco sentidos físicos (olfato, audição, paladar, tato e visão) e sete suprafísicos, atrofiados na grande maioria de nós. Eventualmente um ou outro sentido suprafísico se manifesta, dando-nos a certeza de que eles existem. Esses poderes são:

1.Clarividência

2.Clariaudiência

3.Intuição

4.Telepatia

5.Viagem Astral

6.Recordação de Vidas Passadas

7.Polividência


1. Clarividência: É a Terceira Visão.Com este poder, apresenta-se ante nosso olho interior todo o universo oculto, as dimensões superiores e inferiores, os elementais e os anjos, os corpos sutis, os desencarnados e as formas-pensamento. Desenvolve-se a clarividência despertando o chacra frontal (entre as sobrancelhas) e trabalhando-se a Ira. As virtudes são paciência, serenidade e Imaginação consciente (não confundir com Fantasia). A cor deste chacra é azul com matizes de rosa. O mantra para seu despertar é INRI...
2. Clariaudiência: É o chamado Ouvido Interno ou Oculto. Com este sentido podemos escutar a voz dos desencarnados, dos Mestres, a Música das Esferas, compreender cada palavra pronunciada, valorizar a virtude do amor à Verdade e compreender as Leis de Causa e Efeito. O chacra deste sentido é o Laríngeo, situado na base da garganta. Suas cores são índigo e prata. O mantra é ENRE...
3. Intuição: É a voz divina que nos fala por meio do Cárdias, o chacra do coração. Com este sentido captamos o profundo significado das coisas e ficamos sabendo com antecedência o que fazer. Os místicos afirmam que este chacra desenvolvido nos dá também o poder da levitação (Jinas). A virtude para este chacra é o Amor. E a cor é o dourado. O mantra é ONRO...

4. Telepatia: Quando andamos pela rua, pensamos em alguém e logo passamos por ele; isso se chama captação de pensamento, e é despertado com as virtudes do respeito a tudo e a todos, a discrição, o não julgar a ninguém. O chacra é o do plexo solar, na altura do umbigo. É chamado de Solar por ser o acumulador dos átomos ígneos que vêm do Sol. Aclaramos que a Transmissão das ondas de pensamento se faz por meio do chacra frontal e a captação pelo solar. As cores são o verde e o amarelo.O mantra é UNRU...


5. Viagem Astral: Todos, sem exceção, saímos do corpo físico nas horas de sono. Nossos sonhos são vivências (quase sempre inconscientes) de fatos ocorridos no mundo astral, ou quinta dimensão. Quem de nós, em um dado momento, estando relaxados, de repente pensamos em alguma coisa e nosso corpo sente um leve choque, como que assustados? Na verdade, sem o saber, estivemos saindo gradativamente do corpo físico e voltamos bruscamente. Quando um indivíduo domina relativamente esse poder, consegue conversar com os mestres e todos os desencarnados, penetrar nos templos das igrejas elementais, viajar a qualquer lugar do mundo, acima e sob a terra. Quando todos os chacras, especialmente o cardíaco, prostático e hepático, estão em perfeita sintonia com as forças sutis do Cosmos, a saída astral se torna mais consciente. A virtude é a Vontade e os defeitos a serem trabalhados são a preguiça, o medo e a gula. A cor é o azul celeste. O mantra é FARAON...
6. Recordação de Vidas Passadas: Essa função depende de um sistema nervoso equilibrado, ou seja, um cérebro e uma coluna vertebral carregados de energias transmutadas. Porém, os chacras ligados a esse poder são os pulmonares, que se situam na parte superior das costas. A virtude requerida para o despertar desse centro é a Fé consciente e serena. Trabalhando-se com os chacras pulmonares conseguimos absorver a experiência e o conhecimento acumulado de vidas passadas. A cor é o violeta.O mantra é ANRA...
7. Polividência: É a virtude dos atletas da meditação, dos adeptos do Êxtase espiritual. O chacra coronário, o do topo da cabeça, é a porta de entrada e saída da Essência. A polividência é a capacidade da nossa consciência, ou Essência, desligar-se completamente de seus sete corpos e penetrar na Realidade Única, na essência profunda e na razão de ser das coisas. Todas as sete cores ao mesmo tempo. O mantra sagrado é TUM...
Trabalhando os Elementais Internos
Devemos recordar que só controlaremos os elementais externos quando tivermos pleno domínio sobre os internos. Caso contrário, não!!! Podemos entrar em contato íntimo com os mundos elementais trabalhando com nosso próprio REINO INTERNO, o qual, como já dissemos antes, congrega os variados átomos da terra, da água, do ar, do fogo e do éter.

Esses cinco elementos se encontram em todos os reinos e dimensões da natureza. Nosso corpo físico é dividido em cinco partes. Dos pés aos joelhos existe a influência vibratória do elemento Terra. Dos joelhos ao sexo, o elemento Água. Do sexo ao coração, o elemento Fogo. Do coração ao entrecenho temos o elemento Ar. E na parte superior do cérebro o elemento Éter.

O conhecimento da localização e influência dos elementais atômicos é importante no trabalho de Magia Elemental porque ao trabalharmos com a vida contida nas plantas, nos cristais, na chama das velas, nos rios e oceanos, pela Lei de Ressonância faremos nossa Alma e nosso corpo vibrarem intensamente. Mesmo atuando no corpo e na alma de outra pessoa, estamos trabalhando sobre nós mesmos.
Os Elementais e os 7 Chacras
Existem 7 Templos sagrados no mundo astral ligados aos elementos cósmicos e nos conectamos magneticamente a eles por meio de nossos sete principais chacras, batizados no esoterismo crístico de Igrejas do Apocalipse.

O chacra básico, na ponta da espinha dorsal, nos liga ao elemento Terra e seus mantras principais são o IAO e o S (como o silvo prolongado de uma serpente). Os grandes magos afirmam que ao se despertar esse centro dominamos externamente os gnomos e pigmeus, além dos fenômenos telúricos, como terremotos, erosão, pragas de formigas, lesmas e outros. Internamente, desenvolvemos a Paciência, a Diligência e a Laboriosidade. Todos os chacras das pernas (dos joelhos, do descarrego nos calcanhares, das solas dos pés etc.) estão subordinados ao Básico.

O chacra prostático (chamado de uterino, nas mulheres), localiza-se a quatro dedos acima dos órgãos sexuais, no púbis. Seu mantra principal é a letra M. Com ele trabalhamos os elementais das águas, ondinas e nereidas, dominando as nuvens chuvosas, as ondas dos mares, as enchentes e as leis de equilíbrio da natureza(chamadas de Leis do Trogo Autoegocrático Cósmico Comum. É um nome complexo, mas significa Tragar e Ser Tragado, Receber e Doar, Dar para Receber). Interiormente, desenvolvemos a Castidade, a Fidelidade e a compreensão da Prosperidade. Este chacra é o centro de irradiação e controle de outros, como o da bexiga, testículos(ou ovários) e rins.

O chacra solar, como já dissemos, confere o poder da telepatia. Mas também dominamos o Fogo, e seus seres, as Salamandras e os Vulcanos. Psiquicamente pode-se dominar os incêndios, as fogueiras, o poder curativo das velas. Este chacra domina os chacras secundários e terapêuticos, como do fígado, do baço, do pâncreas, o da boca do estômago etc.

O chacra cardíaco, por nos ligar aos elementais do Ar, Silfos e Sílfides, Fadas e Elfos, nos dá poderes sobre o vento, os furacões, as brisas, a levitação, o teletransporte. Também nos confere a compreensão da natureza pela teologia, pelos rituais e a mensagem dos símbolos pela Intuição. O Cárdias auxilia os chacras pulmonares, os das axilas, dos cotovelos e os das palmas das mãos.

Os chacras superiores(laríngeo, frontal e coronário) nos auxiliam a trabalhar e compreender as energias cósmicas superiores do Ser, como o desapego, a sabedoria, a verdade, a inteligência, a justiça, a misericórdia etc., já que a Loja Branca atômica de nosso corpo físico está no cérebro. Esses três chacras sagrados têm sob sua influência outros, como o do cerebelo, o “chacra oculto”, os sete chacras especiais que circundam o coronário, o do hipotálamo, do timo, do palato etc.


Enfim, nosso organismo psíquico contém uma fantástica constelação de chacras que nos ligam às mais variadas energias cósmicas e telúricas. Alguns afirmam que nosso corpo astral possui cerca de 10 mil chacras e o corpo mental está estruturado com mais de 200 mil chacras. Isso, sem contar os chacras dos outros corpos. Conhecendo-se essa Anatomia Interior, podemos direcionar a força elemental. Conhecendo a parte enferma da alma e do corpo, deficiências ou com bloqueios, podemos trabalhar com as salamandras, os gnomos etc. Conhecendo o procedimento ritualístico, os símbolos, os mantras, os nomes das Deidades especialistas em determinadas energias, podemos iniciar um verdadeiro trabalho magístico. O grande segredo é o Conhecimento prático, e não unicamente a teoria estéril. É o que se propõe ensinar neste livro.
Prática
Procure mais uma vez uma postura de relaxamento e meditação. Imagine que seus chacras tomam a forma de luminosas flores cor de rosa. Dos mantras acima citados(para despertar um dos sete sentidos paranormais), escolha um deles que você sinta mais afinidade e pratique por cerca de 10 minutos. Visualize que o chacra correspondente ao mantra escolhido se transforma num templo dentro de você. Penetre com a Imaginação Consciente dentro desse templo e sinta a Sabedoria ali contida. Ore à sua Mãe Divina e peça que Ela preencha seu corpo e sua Consciência com Amor, Sabedoria e Força. Lembre-se: cada exercício deste livro deve ser praticado por pelo menos uma semana. Sinta a energia contida em cada prática.


IV

MAGIA ELEMENTAL NAS RELIGIÕES

O Conhecimento Iniciático sempre utilizou imagens específicas para representar o Cosmos, o universo, a vida espiritual e suas múltiplas formas de manifestação, Evolução e Involução. De acordo com os postulados da psicologia interior, essas realidades eram representadas em linguagem simbólica, parabólica e/ou metafórica. Temos símbolos universalmente aceitos por todas as culturas e pensamentos, como as Montanhas, os Templos, as Espadas e os Cálices e temos também as árvores sagradas.

A Árvore Misteriosa, situada no centro do paraíso, é um símbolo encontrado em todas as culturas espirituais representando a estrutura do universo. Normalmente seus galhos tocam os confins do Infinito e suas múltiplas dimensões, e seus frutos representam os atributos positivos do Eterno.

Sem exceção, a Árvore Sagrada fez parte das tradições genesíacas de povos, tais como os maias, astecas e incas, os egípcios, os cabalistas hebreus, persas, druidas, povos nórdicos, chineses, japoneses, coreanos, maoris, nativos africanos etc. Vejamos alguns exemplos como ilustração.


A Árvore Bodhi

É universalmente reconhecida a imagem do Buda Sakiamuni recebendo sua iluminação, após 49 dias de meditação profunda, sentado sob a árvore bodhi, normalmente representada como uma figueira da índia (na verdade, um trabalho profundo de iluminação dos 49 níveis de sua mente pela energia sagrada da kundalini, simbolizada pela Árvore do Bem e do Mal. Na Bíblia, lê-se: “Comereis dos frutos de todas as árvores, menos da árvore do Bem e do Mal”, ou seja, não usar a energia sexual animalescamente, mas magicamente). Daí essa portentosa árvore ser considerada na Ásia como a Árvore da Vida. Afirmam as tradições budistas que a árvore sagrada protegia o Buda das investidas do demônio Marah; ela o protegia envolvendo o Iluminado com seus galhos.





Compartilhe com seus amigos:
  1   2   3   4


©principo.org 2019
enviar mensagem

    Página principal