Produção Peugeot



Baixar 15.97 Kb.
Encontro29.07.2016
Tamanho15.97 Kb.







Produção Peugeot


7 de Fevereiro 2003

Atingida a unidade 40 milhões

Após mais de um século de actividade, a Peugeot celebra a produção de 40 milhões de veículos nas suas fábricas desde o arranque: 40 milhões de veículos representam o equivalente ao parque rolante francês (VP+VCL) em 2002, ou ainda, a produção mundial de veículos de passageiros realizada por todos os construtores em 2001!

Do primeiro quadriciclo a gasolina, equipado com um motor Daimler e codificado Tipo 2, às mais recentes realizações, a Peugeot, Marca emblemática na história do mundo automóvel, perseguiu sem descanso o desenvolvimento técnico, humano e industrial, para passar de uma produção inicial anual de algumas unidades a uma produção diária actual média de 8 600 exemplares, repartidos por nove famílias comerciais diferentes.



Os primeiros 20 milhões de unidades em cem anos…
Os mil primeiros veículos, fabricados sucessivamente em Valentigney, Lille, no norte da França e em Audincourt e Beaulieu, no Este da França, foram produzidos entre 1889 e meados do ano de 1900.
O Peugeot nº 100 mil saiu no início de 1925 do centro de montagem de Sochaux, que se tornou legendário. Em 1929 apareceu o 201, o primeiro Peugeot a utilizar a denominação com os três algarismos. A partir de 1931, o 201 torna-se o primeiro carro no mundo com rodas à frente independentes de série.
Em 1934, o 401 Eclipse, primeiro cabriolet de tejadilho dissimulado na mala, é desvendado. Esta inovação será retomada e largamente divulgada com o 206 CC que, com mais de 200 mil exemplares comercializados até esta data, é o Coupé Cabriolet mais vendido no mundo.
O primeiro milhão apareceu em 1952, sob os traços do 203, primeiro Peugeot de grande série com o fabrico de 700 mil exemplares.
Os 2 milhões de veículos são alcançados em 1959 com o 403, primeiro modelo milionário da gama, mas também base do primeiro Diesel de grande série. O 403 é, por outro lado, a primeiro carro de série no mundo a dispor de um ventilador automático em função da temperatura da água do motor.
Em 1960, a Peugeot lança o 404, cujo estilo moderno e sóbrio assinado pela Pininfarina está na origem da renovação total da imagem da Peugeot. Em 1961, o 404 beneficia do primeiro motor francês com injecção.
Em 1965, chegou o 204, primeiro modelo da Marca com tracção dianteira, com quatro rodas independentes e travões de discos à frente, e dotado de um motor em liga leve e com árvore de cames à cabeça.
Em 1968, a Peugeot apresenta, em primeira mão no Salão de Paris, a sua nova berlina topo de gama: 504. Eleito Carro do ano 1969, foram produzidas mais de 3,6 milhões de unidades em berlina, break, coupé e cabriolet.
O veículo 10 milhões da Peugeot nasceu no início do ano de 1976, um ano depois do lançamento do 604, primeiro automóvel a propor uma motorização turbo Diesel na Europa. No mesmo ano, o milionésimo motor Diesel sai da CLM (Companhia de Motores de Lille).
Em Fevereiro de 1983, apareceu o 205, símbolo da espectacular subida da Peugeot nos anos difíceis. Este carro tornou-se mítico quando foram fabricados perto de 5,3 milhões de exemplares. Na sua variante 205 T16, vai impor-se dois anos seguidos no Campeonato do Mundo de Ralis, em 1985 e 1986.
Em 1987, a Peugeot revelou o 405, Carro do Ano 1988 e produziu até à data perto de 3 milhões de exemplares. É em 1988, ano da criação do Museu de Aventura Peugeot, que surge o Peugeot 20 milhões.

e mais 20 milhões de unidades catorze anos depois


Em 1989, ano da terceira vitória da Peugeot no Paris-Dakar com o 405 T16, o 605 foi apresentado no salão de Frankfurt, enquanto que o milionésimo Peugeot 309 sai das linhas de Poissy.
Em 1990, ano do centenário da produção automóvel para a Peugeot, o 405 T16 oferece à Marca a sua quarta vitória consecutiva no Paris-Dakar, enquanto o 405 e o 205 superaram, respectivamente, a fronteira de 1 milhão e de 3,5 milhões de exemplares. Simultaneamente, a Peugeot apresenta o 905, equipado com um V10 «casa», no Campeonato do Mundo de Sport, em 1991. Depois do primeiro sucesso nas 24 Horas de Le Mans e do título de Campeão do Mundo de Sport em 1992, a Peugeot e o 905 conquistam as três posições do pódio na prova em 1993.
Em Novembro de 1995, a Peugeot dá vida ao novo slogan da marca “Pour que l´automobile soit toujours un plaisir” com o 406, que concretiza os seus valores fundamentais: estética, dinamismo, de valor seguro e inovação. O 406 Coupé, apresentado em Maio de 1997, tornou-se sublime nos seus valores, tanto pela sua pureza estética, como pelas suas qualidades dinâmicas ou o seu conteúdo tecnológico de forte valor acrescentado (multiplexagem, motorização HDi FAP, ESP…).
Em 1996, sai o Peugeot 30 milhões. É o ano do milionésimo 306 e do lançamento da Partner. Não foram precisos mais de seis anos para fabricar os 10 milhões de unidades seguintes, permitindo celebrar agora o Peugeot nº 40 milhões.
No Salão de Genève 1998, o concept-car 20 levanta o véu em relação ao futuro 206, apresentado em Setembro do mesmo ano. Este último terá contribuído para uma grande parte do balanço positivo da Marca no decorrer dos últimos cinco anos.
Com efeito, durante o período de 1997/2002, as vendas mundiais da Marca subiram 62%! Comercializado a partir do Outono de 1998, o 206 já conta mais de três milhões de unidades produzidas, entre as quais perto de 200 mil coupés-cabriolets. Campeão de vendas na Europa em 2001 e 2002, o 206 colecciona também sucessos no plano desportivo, com os seus três títulos consecutivos de Campeão do Mundo de Ralis, em 2000, 2001 e 2002.
Em 2000, a Peugeot foi o primeiro construtor do mundo a propor uma verdadeira revolução técnica : o Filtro de Partículas (FAP) que, depois de ter equipado o 607 HDi quando do seu lançamento, foi depois proposto nas gamas 406, 307 e mais recentemente, 807.
Assinalemos por fim, o lançamento em Abril 2001 do 307, Carro do Ano 2002, com mais de 800 000 unidades produzidas. Enriquecida com a nova silhueta SW, inovadora pela sua modalidade excepcional e o seu tejadilho panorâmico em vidro, a gama 307 partilhou, no decorrer do ano passado, com o 206 os pódios dos principais mercados europeus. Em 2003, um sedutor Coupé-Cabriolet vai completar a oferta 307.

Uma Marca presente em mais de 140 países
Com mais de 25 % de vendas fora da Europa Ocidental em 2002, a Peugeot é agora, sem sombra de dúvida, um construtor a nível mundial. Para assegurar o seu desenvolvimento internacional, a Marca apoia-se em 26 filiais e 119 importadores privados, o que representa mais de 10 mil pontos de venda.
O forte desenvolvimento comercial da Peugeot, com perto de dois milhões de veículos vendidos em 2002, é acompanhado pelo desenvolvimento das capacidades industriais do grupo PSA Peugeot Citroën ao qual pertence. Hoje em dia, os modelos do Leão são fabricados ou montados em 24 fábricas espalhadas por todo o mundo.

I
OC.COM.01.02a




©principo.org 2016
enviar mensagem

    Página principal