Profª Esp. Bárbara A. R. Franco



Baixar 43.96 Kb.
Encontro02.08.2016
Tamanho43.96 Kb.



Profª Esp. Bárbara A. R. Franco.

ETEC Angelo Cavalheiro 2016


Você é prolixo ou lacônico?
Poderia perfeitamente usar as expressões “fala demais” ou “fala de menos”, ao invés de prolixo ou lacônico. Mas quis usar palavras menos corriqueiras para instigá-lo a prestar mais atenção nas possibilidades. Ou melhor, quis que você se questionasse sobre como tem sido a sua comunicação, principalmente no seu relacionamento.

Quem não fala, não ocupa seu lugar na relação e não dá ao outro a chance de conhecê-lo. E quem fala demais, corre o risco de ser chato e cansativo. De uma forma ou de outra, o que acontece, na maioria das vezes, é que o parceiro perde o interesse em estabelecer o diálogo, porque sabe que ou o outro não vai se expor, não vai falar o que pensa e quer ou vai falar demais, ser repetitivo, detalhista, redundante e confuso.

E você poderia pensar: “mas o outro deveria gostar de mim do jeito que eu sou”. É verdade, você tem razão. Entretanto, se o intuito é evoluir e facilitar o exercício do amor, por que não nos esforçarmos para melhorar e tornar mais interessante a nossa relação?

Tenho notado que as relações mais duradouras, que já ultrapassaram a fase da paixão, da idealização e ganharam em responsabilidades, rotina e compromissos familiares, perdem facilmente a capacidade de entendimento através do diálogo, da comunicação.

Os casais reclamam um do outro, alegando falta de compreensão, decepção em relação às atitudes dele, enfim, comportamentos que mais revelam uma completa falta de verbalização adequada do que um problema realmente sério e difícil de ser solucionado.

Mas não estou me referindo ao simples ato de engolir as palavras do outro como flechas ou abrir a boca e disparar acusações indiscriminadamente. Estou me referindo, antes, ao desejo de entender o outro, a intenção comprometida e respeitosa de ouvi-lo, de tentar absorver os sentimentos impressos em suas palavras, da compaixão de conseguir se colocar no lugar dele e interpretar carinhosamente (ou ao menos amigavelmente) o que ele está dizendo.

Por outro lado, também me refiro à decisão madura e pacífica de falar considerando o outro. Porque o que vejo são casais carregando suas frases de críticas, acusações, defesas e justificativas contaminadas, enfim, uma comunicação completamente distorcida e pesada, que agride até quem está de fora, ouvindo por acaso, sem fazer parte da situação.

Claro que os dois sempre acreditam que têm razão, que são os incompreendidos. No entanto, alguém tem que parar esta roda envenenada e destruidora de amores para reverter a situação e estabelecer uma nova dinâmica, um novo jeito de dialogar adequadamente.

É fácil? Claro que não, ainda mais quando os dois já estão cansados do “fala demais” ou “fala de menos” de cada um. O que fala demais tem a constante sensação de não estar sendo ouvido, e o que fala de menos tem a constante impressão de não agüentar mais ouvir e sente-se cada vez menos motivado a falar por não encontrar espaço ou não acreditar na possibilidade de obter resultados através das intermináveis e cansativas conversas.

Observe se a palavra ou a ressonância interna mais aplicada na sua comunicação com seu parceiro é o “não”, a negação, o negativo. Tem casais que nem escutam o que o outro quer dizer, a opinião ou explicação de algo. Simplesmente iniciam suas réplicas com um imperativo “não”, invalidando qualquer tentativa do outro de se justificar ou se colocar na situação.

Sugiro que você comece, que você dê o primeiro passo neste novo jeito de funcionar. Antes de qualquer coisa, reconheça-se: você é prolixo (fala demais) ou lacônico (fala de menos)? A partir de então, perdoe o outro por ser “isso” ou “aquilo”. Perdoe, inclusive, a si mesmo e seja humilde a ponto de se colocar no lugar de aprendiz.

Obviamente, o ideal é que haja equilíbrio. Não é porque você descobriu que falava demais que vai agora parar de falar. Ou então, não é porque falava de menos que vai desembestar a falar sem parar. O ritmo mais adequado é aquele em que os dois conseguem falar, um de cada vez e, principalmente, que enquanto um fale, o outro interessadamente escute, respeite e considere a verdade e o sentimento confidenciados em cada palavra. Depois, absorvidos de si mesmos e do outro, que possam realmente se comprometer com a mudança, com o desejo de conquistarem-se e agradarem-se, importando-se com a felicidade mútua e o amor verdadeiramente compartilhado...


Rosana Braga é jornalista, escritora, coordenadora de projetos editoriais e consultora em comportamento humano. Este seu artigo foi publicado em www.somostodosum.com.br  
REFLITA: E você? Considera-se uma pessoa prolixa ou lacônica? Justifique.

Elementos presentes no ato de comunicação

A comunicação confunde-se com nossa própria vida, estamos a todo tempo nos comunicando, seja através da fala, da escrita, de gestos, de um sorriso e até mesmo através do manuseio de documentos, jornais e revistas.

Em cada um desses atos que realizamos notamos a presença dos seguintes elementos:

- emissor ou remetente: é aquele que envia a mensagem (uma pessoa, uma empresa, uma emissora de televisão etc.)

- destinatário: é aquele a quem a mensagem é endereçada (um indivíduo ou um grupo).

- mensagem: é o conteúdo das informações transmitidas.

- canal de comunicação: é o meio pelo qual a mensagem será transmitida (carta, palestra, jornal televisivo)

- código: é o conjunto de signos e de regras de combinação desses signos utilizado para elaborar a mensagem; o emissor codifica aquilo que o receptor irá descodificar.

- contexto: é o objeto ou a situação a que a mensagem se refere.





VAMOS TREINAR?

Identifique os elementos da comunicação nos exemplos a seguir:



  1. Uma reportagem no Jornal Nacional, apresentado por Wiliam Bonner e Patrícia Poeta sobre os jovens que participaram de atos de vandalismo nas manifestações em julho de 2013.

EMISSOR: ___________________________________________________________________

RECEPTOR:__________________________________________________________________ MENSAGEM: _________________________________________________________________ CANAL: _____________________________________________________________________

CÓDIGO: ____________________________________________________________________

CONTEXTO: _________________________________________________________________ _____________________________________________________________________________




  1. Observe o CONTEÚDO da tirinha abaixo:

EMISSOR: ___________________________________________________________________

RECEPTOR:__________________________________________________________________ MENSAGEM: _________________________________________________________________ CANAL: _____________________________________________________________________

CÓDIGO: ____________________________________________________________________

CONTEXTO: _________________________________________________________________ _____________________________________________________________________________


  1. Analise o poema abaixo:

EMISSOR: ___________________________________________________________________

RECEPTOR:__________________________________________________________________ MENSAGEM: _________________________________________________________________ CANAL: _____________________________________________________________________

CÓDIGO: ____________________________________________________________________



CONTEXTO: _________________________________________________________________ _____________________________________________________________________________



  1. Leia e responda:


TEXTO I - Mulher Assassinada


Policiais que faziam a ronda no centro da cidade encontraram, na madrugada de ontem, perto da Praça da Sé, o corpo de uma mulher aparentando 30 anos de idade. Segundo depoimento de pessoas que trabalham em bares próximos, trata-se de uma prostituta conhecida como Poe Nenê. Ela foi assassinada a golpes de faca. A polícia descarta a hipótese de assalto, pois sua bolsa, com a carteira de dinheiro, foi encontrada junto ao corpo. O caso está sendo investigado pelo delegado do 2º distrito policial.

Jornal da Cidade, 10 set. 2004
TEXTO II - Pequena Crônica Policial
Jazia no chão, sem vida,
E estava toda pintada!
Nem a morte lhe emprestava
A sua grave beleza...
Com fria curiosidade,
Vinha gente a espiar-lhe a cara,
As fundas marcas da idade,
Das canseiras, da bebida...
[...]
Sem nada saber da vida,
De vícios ou de perigos,
Sem nada saber de nada...
Com sua trança comprida,
Os seus sonhos de menina,
Os seus sapatos antigos!

Mário Quintana – Prosa & Verso
01. Os textos I e II trazem certa semelhança entre si. O que há de semelhante nos textos acima?

A temática.
A organização da linguagem.
A forma de abordagem ao tema.
A intenção discursiva.
O posicionamento do narrador diante a matéria narrada.
02. Que aspectos distinguem os textos I e II, a partir da análise dos mesmos, considerando sua linguagem?

denotação – função referencial (texto II).
função poética – ênfase no assunto (texto II).
criatividade linguística – função poética (texto II).
ênfase na mensagem – função referencial (texto I).
texto jornalístico – Ênfase no leitor (texto I).
O texto abaixo será utilizado nas questões 3
TEXTO III

Nova Poética

Vou lançar a teoria do poeta sórdido.
Poeta sórdido:
Aquele em cuja poesia há a marca suja da vida.
Vai um sujeito,
Saí um sujeito de casa com a roupa de brim branco
                                              [muito bem engomada, e na primeira esquina passa um
                                              [caminhão, salpica-lhe o paletó ou a calça de uma nódoa de lama:
É a vida
O poema deve ser como a nódoa no brim:
Fazer o leitor satisfeito de si dar o desespero [...]

Manuel Bandeira


03. As funções de linguagem predominante no Texto III são:

Poética e metalinguística.
Conativa e referencial.
Referencial e emotiva.
Metalinguística e conativa.
Emotiva e referencial.

04. As funções de linguagem predominantes no texto acima se justificam pelos seguintes fatores.

sentimentalismo e informatividade.
metadiscursividade e interpelação ao leitor.
informatividade e sentimentalismo.
interpelação ao leitor e informatividade.
criatividade linguística e metadiscursividade.

05. Leia a estrofe abaixo:

"Oh! ter vinte anos sem gozar de leve
A ventura de uma alma de donzela!
E sem na vida ter sentido nunca

Na suave atração de um róseo corpo
Meus olhos turvos se fechar de gozo!

Álvares de Azevedo


A presença da interjeição, as exclamações e a 1ª pessoa gramatical identificam no texto a função da linguagem:
Poética.
Conativa.
Referencial.
Metalinguística.
Emotiva.

06. Leia o texto e assinale a alternativa correta:

A um passarinho

Para que vieste
Na minha janela
Meter o nariz?
Se foi por um verso
Não sou mais poeta
Ando tão feliz!
Se é para uma prosa
Não sou Anchieta
Nem venho de Assis
Deixe-te de histórias
Some-te daqui.

Vinícius de Morais


Quanto à análise do texto acima, pode-se afirmar que:
A facilidade com que se pode reconstruir o fato narrado e as informações precisas veiculadas pelo texto provam a não existência de elementos ficcionais; a função de linguagem predominante é a referencial.
No quinto verso, o próprio autor esclarece que seu texto não tem caráter poético, o que lhe confere a função metalinguística da linguagem.
Apesar de escrito em versos, o texto acima não é literário, porque, nos dois últimos versos, o autor diz claramente não querer contar histórias, neles, ocorre a função apelativa ou conativa, própria da linguagem de propaganda.
Embora haja referência a dados concretos da realidade circundante, o texto é literário, uma vez que, a par de exemplos de função emotiva e conativa, a criatividade linguística dá o tom do texto e confere a função poética como predominante.
No sétimo verso, o próprio autor esclarece que seu texto não está escrito em prosa; é, portanto, um texto não literário.

07. Leia o excerto abaixo extraído de uma suposta entrevista com Riobaldo, de Grande sertão: veredas.

“Mire e veja o leitor e a leitora: se não houvesse Brasil, não haveria ‘Grande sertão: veredas’, não haveria Riobaldo. Deviam ter pensado que pelo menos para isso serviu. E o resto é silêncio. Ou melhor, mais uma pergunta senhor Riobaldo. O que é silêncio? O senhor sabe o que o silêncio é? É a gente mesmo, demais.”

Alberto Pompeu de ToledoVeja.

Acima, predominam as seguintes funções da linguagem:
Poética e fática.
Conativa e metalinguística.
Referencial e expressiva.
Metalinguística e emotiva.
Emotiva e poética.

08. Assinale a alternativa que traz função fática:
"O homem letrado e a criança eletrônica não mais têm linguagem comum." (Rose-Marie Muraro)
"O discurso comporta duas partes, pois necessariamente importa indicar o assunto de que se trata, e em seguida a demonstração. (...) A primeira destas operações é a exposição; a segunda, a prova." (Aristóteles)
"Amigo Americano é um filme que conta a história de um casal que vive feliz com o seu filho até o dia em que o marido suspeita estar sofrendo de câncer."
"Se um dia você for embora
Ria se teu coração pedir
Chore se teu coração mandar."
(Danilo Caymmi & Ana Terra)
"Olá, como vai? Eu vou indo e você, tudo bem?
Tudo bem, eu vou indo em pegar um lugar no futuro e você?
Tudo bem, eu vou indo em busca de um sono tranquilo..."
(Paulinho da Viola)

09. Marque a opção que encerra uma frase cujos principais focos da argumentação sejam, a um só tempo, o emissor e a mensagem:

"Volta, vem viver outra vez ao meu lado"
(Lupiscínio Rodrigues)
"Da primeira vez que me assassinaram,
Perdi um jeito de sorrir que eu tinha"
(Mário Quintana)
"Um trem-de-ferro é uma coisa mecânica,
Mas atravessa a noite, a madrugada, o dia
Atravessou minha vida,
Virou só sentimento"
(Manuel Bandeira)
"Vaias e aplausos marcaram a passagem do presidente Lula pelo Fórum Social Mundial, evento no qual costumava ser ovacionado" (O Globo - 28 de janeiro de 2005).
"Lembrando B. Russel: para todo problema complicado há uma solução simples, rápida, de baixo custo e... errada" (Gilberto C. Leifert).
10. Leia atentamente o texto abaixo:

A biosfera, que reúne todos os ambientes onde se desenvolvem os seres vivos, se divide em unidades menores chamadas ecossistemas, que podem ser uma floresta, um deserto e até um lago. Um ecossistema tem múltiplos mecanismos que regulam o número de organismos dentro dele, controlando sua reprodução, crescimento e migrações.



DUARTE, M. O guia dos curiosos. São Paulo: Companhia das Letras, 1995.

Predomina no texto a função da linguagem

ⓐ referencial, porque o texto trata de noções e informações conceituais.


ⓑ conativa, porque o texto procura orientar comportamentos do leitor.
ⓒ poética, porque o texto chama a atenção para os recursos de linguagem.
ⓓ fática, porque o texto testa o funcionamento do canal de comunicação.
ⓔ emotiva, porque o autor expressa seu sentimento em relação à ecologia.



©principo.org 2016
enviar mensagem

    Página principal