Profa Araci Isaltina de Andrade Hillesheim Profa Estera Muszkat Menezes Profa Magda Chagas Pereira Prof a Marta Elizabete Zanatta Profa Miriam Vieira da Cunha



Baixar 208.13 Kb.
Página1/3
Encontro04.08.2016
Tamanho208.13 Kb.
  1   2   3


Profa Araci Isaltina de Andrade Hillesheim

Profa Estera Muszkat Menezes

Profa Magda Chagas Pereira

Prof a Marta Elizabete Zanatta

Profa Miriam Vieira da Cunha

Acadêmico Fabiano Caruso

Acadêmica Gláucia Maindra da Silva

Com a colaboração dos professores do

Departamento de Ciência da Informação

projeto POLÍTICO pedagógico do

curso de biblioteconomia da

universidade federal de santa catarina


Versão atualizada

Florianópolis, 2008


Profa Araci Isaltina de Andrade Hillesheim

Profa Estera Muszkat Menezes

Profa Magda Chagas Pereira

Prof a Marta Elizabete Zanatta

Profa Miriam Vieira da Cunha

Acadêmico Fabiano Caruso

Acadêmica Gláucia Maindra da Silva

Com a colaboração dos professores do

Departamento de Ciência da Informação

projeto POLÍTICO pedagógico do

curso de biblioteconomia da

universidade federal de santa catarina



Projeto apresentado à Pró-Reitoria de Graduação da Universidade Federal de Santa Catarina.




Florianópolis, 2008.



SUMÁRIO


1

INTRODUÇÃO .........................................................................................

4

2

O curso de biblioteconomia da ufsc ..............................................

9

3

OBJETIVOS ……………………………………………………………………………………

10

4

PROCEDIMENTOS METODOLÓGICOS: princípios norteadores da construção e execução do currículo ........................................................

11

5


PERFIL DO egresso do CURSO DE BIBLIOTECONOMIA DA UFSC ............

13

6


CONCEPÇÃO E COMPOSIÇÃO DAS ATIVIDADES DE ESTÁGIO ..................

16


7

CONCEPÇÃO E COMPOSIÇÃO DO TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO .

17


8

CONCEPÇÃO E COMPOSIÇÃO DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES.........

18

9

FORMAS DE AVALIAÇÃO .........................................................................

19

10

CURRÍCULO DO CURSO DE BIBLIOTECONOMIA ......................................

21

11

EMENTAS DAS DISCIPLINAS ..................................................................

24

12

PRÉ-REQUISITOS....................................................................................

32

13

RECOMENDAÇÕES.....................................................................................

33

14

EQUIVALÊNCIAS.......................................................................................

34

15

CONDIÇÕES DE IMPLANTAÇÃO DESTE PROJETO.......................................

35




REFERÊNCIAS..........................................................................................

36










































































































1 INTRODUÇÃO
Estamos vivenciando um momento de mudanças intensas, mudanças estas que influenciam os ambientes tecnológico e organizacional. É possível perceber, através dessas transformações, a emergência de novos métodos e relações de trabalho, de novas formas de organização empresarial, de propostas educacionais diferenciadas e de novas formas de comunicação. A partir desta realidade, novas opções profissionais se desenvolvem; novas oportunidades de trabalho se vislumbram tornando possível, em conseqüência, novas formas de ação na realidade.

Neste cenário, um dos maiores desafios a serem enfrentados é, sem dúvida, o de adequar e atualizar os currículos aos novos perfis do mundo do trabalho que surgem como conseqüência das transformações da sociedade do conhecimento.

Pretendemos criar, a partir deste projeto, um instrumento de aperfeiçoamento do nosso fazer como educadores na construção de um curso de qualidade. Sua elaboração teve como base os princípios orientadores das Diretrizes Curriculares para a área de Ciência da Informação (BRASIL, 2002) e os documentos resultantes dos seminários realizados pela ABECIN – Associação Brasileira de Educação em Ciência da Informação, respectivamente em São Paulo (ABECIN, 2001), Vitória (ABECIN, 2002a), Fortaleza (ABECIN, 2002b) e Florianópolis (ABECIN, 2002c) e os princípios preconizados na Lei de Diretrizes e Bases para a Educação Nacional (BRASIL, 1996).

De acordo com o que foi discutido na Oficina ABECIN de São Paulo, o projeto pedagógico “deve oportunizar condições ao estudante-cidadão de desenvolver suas atividades acadêmicas e profissionais, pautando-se não só na competência e habilidade, mas também nos princípios da democracia e da cooperação.” (ABECIN, 2001). A partir desta realidade, pensar o projeto pedagógico de um curso, é pensar a construção de sua identidade.

Neste sentido, a concepção do projeto pedagógico pressupõe uma reflexão sobre o conceito de educação defendido pelo curso e sua relação com a sociedade. Esta preocupação leva a refletir sobre a cidadania e a consciência crítica, ou seja, “o tipo de indivíduo que queremos formar e de mundo que queremos construir com nossa contribuição.” (ABECIN, 2001).

Em uma época de mudanças rápidas e constantes, a formação profissional deve ser priorizada na Universidade. Neste sentido, faz-se necessário adotar uma nova abordagem que estimule no estudante a capacidade de investigação e a de aprender a aprender. Este objetivo exige o domínio das fontes de conhecimento da área de forma a possibilitar condições para o processo de formação continuada que deve ser permanente (FORGRAD, 1999).

Nossa preocupação principal é apontar caminhos para o aperfeiçoamento do Curso de Biblioteconomia da UFSC, sendo um dos elementos norteadores desta ação a articulação entre ensino, pesquisa e extensão, dimensões complementares e indispensáveis da prática educacional.

A Lei de Diretrizes e Bases da Educação Nacional – LDB - preconiza o princípio da flexibilidade curricular (permitir ao aluno utilizar os conteúdos curriculares de acordo com suas potencialidades, levando em conta os conhecimentos prévios adquiridos em sua experiência de vida) e assegura a competência da Universidade em fixar os currículos dos seus cursos, desde que observadas as diretrizes curriculares pertinentes (BRASIL, 1996).

O ambiente caracterizado pelo crescimento da indústria da informação e do conhecimento tem influenciado, de forma singular, as organizações e o mundo do trabalho em um universo onde a única característica permanente é a mudança. Esta realidade de explosão informacional demanda “profissionais com capacidade de aprender rapidamente novos conhecimentos: não basta adquirir o conjunto de conhecimentos já elaborados, é imprescindível adquirir competências, habilidades e estratégias que lhes permitam aprender novos conhecimentos e principalmente, acessá-los.” (BARBOZA, 2003).

Desta forma, a educação do profissional da informação centrada na transmissão de conhecimentos deve evoluir. O centro do processo desloca-se para o aprender a aprender ou aprender a conhecer, de acordo com os princípios da Comissão Internacional sobre a Educação para o Século XXI, estabelecidos pela UNESCO (DELORS, 2000). Neste novo paradigma educacional, o aluno torna-se sujeito de seu aprendizado. Educar nesta nova realidade exige do professor uma postura diferenciada, mais ativa. Isto significa despertar em cada aluno suas potencialidades, seus interesses e sua vocação.

Neste modelo de aprendizagem centrado no aluno, as competências deverão estar associadas à capacidade de decisão, de adaptação a novas situações, de comunicação oral e escrita e de trabalho em grupo. O profissional será valorizado na medida de sua habilidade para estabelecer relações e de assumir liderança (SILVA; CUNHA, 2002).

A construção do projeto pedagógico, levando em consideração a autonomia na formação, busca capacitar o aluno a atuar em um mundo em permanente mudança. Deve, ainda, enfatizar a formação de alunos com visão científica. Isto significa uma postura crítica, reflexiva, autônoma e ética. Esta postura pressupõe o reconhecimento da dimensão social da profissão e uma atitude solidária. Em conseqüência, o estudante deverá compreender o meio em que vive para poder atuar de forma efetiva nesta realidade (ABECIN, 2001).

Neste cenário de mudanças, o estudante tem um papel fundamental na construção do seu aprendizado. O professor deve ser um encorajador, um colaborador, um instigador do processo. A UNESCO, através de sua Comissão Internacional sobre a Educação para o Século XXI, presidida por Jacques Delors (2000), estabelece quatro pilares de um novo tipo de educação com enfoque em: aprender a conhecer, aprender a fazer, aprender a viver junto e aprender a ser.

a) Aprender a viver junto é considerado um dos pilares mais importantes do processo educativo. "Trata-se de aprender a viver conjuntamente, desenvolvendo o conhecimento dos outros, de sua história, de suas tradições e de sua espiritualidade. E, a partir disso, criar um espírito novo que, graças precisamente a essa percepção de nossas interdependências crescentes, e uma análise partilhada dos riscos e desafios do futuro, promova a realização de projetos comuns, ou melhor, uma gestão inteligente e apaziguadora dos inevitáveis conflitos[...]” (DELORS, 2000).

b) Aprender a conhecer enfatiza o prazer de compreender, de conhecer e de descobrir. Aprender para conhecer supõe aprender para aprender, exercitando a atenção, a memória, e o pensamento. A partir da constatação de que é impossível estudar tudo e de que o conhecimento não cessa de progredir e se acumular, o importante é saber conhecer os meios para se chegar até ele.

c) Aprender a fazer significa que a educação não deve opor a teoria à técnica, o saber ao fazer. A educação atual deve associar a técnica com a aplicação de conhecimentos teóricos de forma harmônica.



d) Aprender a ser foi preconizado pelo Relatório Edgard Faure, preparado para a UNESCO, na década de 70. O mundo exige de cada pessoa autonomia e postura ética. Os atos e as responsabilidades pessoais interferem no destino coletivo. Confirma a necessidade de “cada um se conhecer e se compreender melhor.” (DELORS, 2000).

Convém ressaltar, ainda, que a educação do século XXI deverá ser uma educação ao longo da vida. Deverá preocupar-se com a formação do cidadão, em seu sentido amplo e não somente com a sua formação profissional. Este tipo de formação deve permitir ao estudante preparar-se para conviver melhor no ambiente da sociedade do conhecimento.

De acordo com Silva e Cunha (2002, p. 80)

O conceito de sociedade do conhecimento está fundamentado no reconhecimento crescente do papel que ocupam a aquisição, a criação, a assimilação e a disseminação da informação em todas as áreas da sociedade. Neste ambiente, a verdade não está pronta, mas está constantemente em jogo através de processos abertos e coletivos de pesquisa, de construção e de crítica. Ora, para construir e criticar é necessário buscar informação, dispor de informação, criar e transformar informação. Estas práticas estão intimamente relacionadas com o fazer dos profissionais da informação e especificamente dos bibliotecários.


A realidade em que vivemos, dentro de um contexto globalizado, exige dos profissionais de todas as áreas melhor desempenho e mais eficiência. Esta dinâmica impõe, ainda, ao bibliotecário uma diversidade de papéis que coexistem num universo em constante mudança. Novas funções surgem, outras se transformam. Estas novas funções aparecem ao mesmo tempo nos ambientes de trabalho “clássicos” do bibliotecário (bibliotecas, centros de documentação e informação) e em novos ambientes como os diferentes “universos” da Internet (entre os quais estão vídeos, filmes, músicas, documentos textuais, homepages, listas de discussão, softwares, padrões e protocolos), as editoras, as livrarias, as videotecas, as gerências de informação para negócios e os centros de atendimento ao cidadão, entre outros. (CUNHA; PEREIRA, 2003).

A evolução das profissões e a influência que a globalização exerce em todos os setores de atividade estão mudando a cultura das profissões da informação. Neste sentido, a formação em Biblioteconomia deve habilitar os estudantes a refletir sobre a conjuntura de forma a poder responder a demandas cada vez mais exigentes e diversificadas de informação. Em um ambiente em mutação permanente, a capacidade de aprender continuamente é essencial.

O desafio é grande. Formar um profissional dentro do espírito dos princípios da UNESCO e que possua, ao mesmo tempo, competências para assimilar, analisar, gerenciar e disseminar informações não é uma tarefa fácil.

A educação sempre foi, ao longo da história, responsável por mudanças. Num mundo em constante transformação, o sistema educacional deve, mais do que nunca estar atento às transformações de forma a poder contribuir de forma eficiente com a formação de indivíduos capazes de reagir a estas mudanças, compreendê-las e transformar, assim, a realidade.

De acordo com o que foi discutido na Oficina ABECIN de São Paulo, para que o processo de construção do projeto pedagógico para a área de Biblioteconomia/Ciência da Informação tenha efetividade o aluno precisa:

a) “ampliar os horizontes do conhecimento e ter um pensamento independente;

b) conhecer os diferentes espaços de atuação e seus contextos;

c) identificar o contexto, isto é:



  • a missão da instituição, objetivos, área de atuação;

  • as necessidades dos usuários referentes às suas atividades;

d) adquirir consciência cidadã e visão crítica.” (ABECIN, 2001).

Do ponto de vista pedagógico, pretendemos, com este projeto “apontar uma ruptura com as práticas tradicionais de ensinar e aprender (currículos estruturados sob a lógica teoria-prática), dando lugar privilegiado à prática do aluno onde o estímulo à curiosidade, a busca de solução de problemas, o despertar de interesses, a criatividade na solução de problemas, deverão ser perseguidos. Assim, constituir-se-á um processo pedagógico que, de fato, considere a indissociabilidade ensino-pesquisa-extensão, como elemento estratégico na formação dos educandos.” (ABECIN, 2001). Acreditamos, no entanto, que a teoria possibilita uma maior compreensão da realidade, sendo elemento fundamental no desenvolvimento do processo de ensino-aprendizagem e na formação do futuro bibliotecário.

A articulação do ensino com a extensão propicia uma formação contextualizada que incorpora questões da sociedade ao processo. A elaboração do conhecimento é inerente à aprendizagem e deve ser uma forma efetiva de emancipação. Neste sentido, a articulação com a pesquisa deve permitir o domínio dos instrumentos e métodos da área através da constante construção de indagações sobre os rumos da sociedade.

A história tem demonstrado que as mudanças não se fazem por decreto. Parece-nos evidente, conforme apresentado em documento do Fórum de Pró-Reitores de Graduação das Universidades Brasileiras que “o denominador comum entre os partícipes desse processo é a consciência e o envolvimento necessários à atuação desses sujeitos, condição que potencializa a motivação como elemento que alavanca a construção do real e do possível.” (FORGRAD, 1999). Acreditamos que a legitimação desta proposta de mudança só poderá concretizar-se através de um real e efetivo envolvimento e engajamento de todas as pessoas envolvidas, isto é, professores, alunos e servidores do Curso de Biblioteconomia.

É necessário afirmar, ainda, que este Projeto pretende ser um projeto aberto. Isto significa que estará sujeito à revisão e aperfeiçoamento permanentes na medida das necessidades. A realidade vivenciada deve permitir uma postura crítica permanente garantindo, desta forma, a realimentação constante do processo.

2 O CURSO DE BIBLIOTECONOMIA DA UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA

O Curso de Biblioteconomia da UFSC está vinculado ao Centro de Ciências da Educação, tendo sido implantado em 1973 com o nome inicial de Curso de Biblioteconomia e Documentação (CURSO DE BIBLIOTECONOMIA, 2003). Recebeu o reconhecimento do Conselho Federal de Educação, em 8 de novembro de 1977, através do Parecer n. 3.129 confirmado pelo Decreto Presidencial de n. 81.144 publicado no Diário Oficial da União em 2 de janeiro de 1978. Desde 1978, passou a ser denominado Curso de Biblioteconomia. Formou, até o presente momento (junho de 2004), cerca de 900 Bacharéis em Biblioteconomia. Tem oferta de oitenta vagas anuais, sendo quarenta para ingresso no primeiro semestre e quarenta para o segundo semestre de cada ano.

Sua missão é: “capacitar profissionais capazes de refletir sobre a realidade e reconstruir o conhecimento com vistas ao progresso humano, tendo como referência as competências fundamentais da Biblioteconomia.”

Funciona com o apoio dos seguintes recursos:



  1. Biblioteca do Centro de Ciências da Educação com cerca de 8.000 títulos de livros das áreas de Educação e Biblioteconomia/Ciência da Informação, 409 títulos de periódicos, CD-ROMs e vídeos. (<http://www.bu.ufsc.br/ced.bsced/html>).

  2. Biblioteca Universitária (<http://www.bu.ufsc.br/>).

  3. LABINFOR – Laboratório de Informática, com 20 computadores com acesso à Internet, três impressoras e uma televisão.

  4. LTI - Laboratório de Tratamento da Informação, com 15 Computadores com acesso a Internet, uma impressora e uma televisão.

  5. LABCON - Laboratório de Conservação e Restauração de Documentos.

  6. Auditório do CED com capacidade para 100 pessoas.

Os professores do Curso têm tido uma atuação em eventos relacionados ao ensino da área de Biblioteconomia e Ciência da Informação em que se discute a prática pedagógica, notadamente:

  1. participação nos ENEBCI – Encontros Nacionais de Ensino de Biblioteconomia e Ciência da Informação, organizados pela ABECIN;

  2. participação nos Seminários Pedagógicos da ABECIN realizados, respectivamente em: São Paulo, em 2001, Florianópolis e Fortaleza, em 2002.

3 OBJETIVOS

Para operacionalizar o projeto político pedagógico, em função das competências e habilidades exigidas pelo perfil do profissional que se pretende formar, é necessário que a estrutura curricular e a prática pedagógica sejam concebidas em função dos objetivos a serem alcançados.


3.1 Objetivo Geral

Formar bibliotecários com uma visão crítica da sociedade capazes de atuar como profissionais da informação imbuídos do compromisso com a gestão da informação e sua disseminação e com consciência do seu papel social na eliminação de barreiras de acesso à informação seja de natureza política, tecnológica, econômica, educacional, social, cultural e recreativa.


3.2 Objetivos Específicos

O Curso de Biblioteconomia deverá capacitar os estudantes para:



  • processar a informação registrada em diferentes tipos de suporte,

  • aplicar conhecimentos teóricos e práticos de gestão no planejamento e funcionamento de unidades de informação;

  • gerir atividades de seleção, análise, armazenamento e difusão da informação;

  • realizar pesquisas relativas a produtos e serviços, processamento, transferência e uso da informação;

  • dominar as tecnologias de informação para uso em serviços de informação;

  • gerenciar a implantação de programas de informatização em unidades de informação;

  • atuar como estimulador e orientador no uso de recursos informacionais através de ações e programas de educação de usuários.


4 PROCEDIMENTOS METODOLÓGICOS: princípios norteadores da construção e execução do currículo1
4.1 Flexibilidade e transversalidade

O currículo estará aberto para contemplar a dinâmica da realidade. Neste sentido, incorpora estratégias de inserção de Tópicos Especiais e de estudos individualizados, como forma de complementar a formação oferecida nas diferentes disciplinas que constituem a grade curricular.


4.2 Organicidade

O currículo está organizado de forma a dar ao estudante uma visão integradora da sua estrutura, onde todos os conteúdos sejam interdependentes. Neste sentido, procurar-se-á ordenar as diferentes disciplinas, de forma a que os conteúdos sejam apresentados em ordem crescente de aprofundamento, respeitando o nível de conhecimento anterior do aluno. O conhecimento deverá ser cumulativo, servindo como base para os novos conhecimentos adquiridos a cada fase.


4.3 Equilíbrio entre a teoria e a prática

Os domínios estratégicos a serem atendidos pelos profissionais preparados pelo Curso de Biblioteconomia da UFSC exigem que em sua formação universitária possam contar com uma distribuição equilibrada ao longo do curso, das práticas integradas às disciplinas teóricas.


4.4 Interação do estudante com a comunidade

Este princípio tem por fundamento a necessidade de não alienar o estudante em relação ao seu meio. Será viabilizado a partir de atividades que envolvam a iniciação científica, a participação em projetos de extensão, a produção de trabalhos monográficos e as atividades de estágio que busquem associar o interesse da formação acadêmica com a ação em campo.


4.5 Globalidade na especificidade

O currículo deverá prover ao estudante o conhecimento da realidade mundial pelo domínio da realidade local. Neste sentido, o curso deverá formar cidadãos do mundo, com competência para serem bons profissionais.



4.6 Atualidade

Tendo como base este princípio, o currículo deverá ter como preocupação a inserção das inovações tecnológicas como recurso operacional no processo de ensino-aprendizagem. Neste sentido, as inovações de qualquer natureza poderão ser tratadas como conteúdo das disciplinas de Tópicos Especiais. Além disso, este currículo deixa aberta a possibilidade de educação continuada, permitindo que profissionais já formados possam a ele retornar, como forma de atualização.


4.7 Criticidade

Este princípio deve atravessar a prática de ensino-aprendizagem em todas as disciplinas. Baseado nele, o curso deverá formar indivíduos capazes de entender os fundamentos de sua atividade na sociedade possibilitando-lhes inovar e transformar a sua realidade. Para que este princípio possa ser concretizado, o aluno será levado a observar a realidade dos diferentes ambientes informacionais e analisá-los criticamente estabelecendo comparações com a teoria da área.


4.8 Autoridade

Este deverá ser o princípio orientador fundamental que guiará o trabalho didático-pedagógico do professor. O aluno deverá, assim, ser capaz de aprender a viver junto, aprender a conhecer, aprender a fazer e aprender a ser, tal como apresentado nos princípios da UNESCO através da Comissão Internacional sobre Educação para o Século XXI (DELORS, 2000). Deverão ser consolidados, nos estudantes, valores e posturas pessoais que lhes permitam o sentimento de saber conhecer, proporcionando-lhes a segurança necessária para propor e tomar decisões. O contraponto deste princípio é a necessária correspondência de posturas semelhantes do corpo docente do curso, manifestada, sobretudo, na sua produção científica e nas suas atividades de extensão.


4.9 Adaptabilidade

Este princípio possibilitará ao aluno uma inserção no contexto da profissão, desde as primeiras fases do curso fazendo com que ele compreenda o papel e as responsabilidades do bibliotecário utilizando-se do conhecimento teórico, da vivência em unidades de informação (bibliotecas, centros de informação, centros de documentação) e do contato com profissionais que se encontram no exercício da profissão.




5 PERFIL DO EGRESSO DO CURSO DE BIBLIOTECONOMIA DA UFSC

O curso pretende formar profissionais conscientes da realidade do país, competitivos, críticos e criativos, que saibam se comunicar com o mundo à sua volta e que sejam capazes de interagir com as mudanças, de tomar decisões e de refletir sobre a realidade. Dentro deste contexto, o novo currículo foi pensado em função do seguinte perfil profissional, com três especificidades:



  1. gestor de unidades de informação;2 3

  2. técnico no tratamento da informação;4

  3. educador no uso de recursos informacionais.

Para desempenhar estes perfis, o profissional formado no curso de Biblioteconomia deve estar capacitado para desempenhar as competências estabelecidas no 4o Encuentro de Directores de Escuelas de Bibliotecología y Ciencia de la Información del Mercosur realizado em Montevidéo em maio de 2000, apresentadas a seguir:

  1   2   3


©principo.org 2016
enviar mensagem

    Página principal