Profa. Dra. Edna Maura Zuffi



Baixar 54.34 Kb.
Encontro08.08.2016
Tamanho54.34 Kb.


O ESTÁGIO SUPERVISIONADO E O ENFRENTAMENTO DE UMA REALIDADE ESCOLAR COMO ESPAÇO DE APROXIMAÇÃO ENTRE TEORIA E PRÁTICA

Profa. Dra. Edna Maura Zuffi


Depto. Matemática - ICMC-USP

edna@icmc.usp.br


  1. Introdução

Há uma década, aproximadamente, Zeichner (1998) já discutia sobre a necessidade de eliminar a separação existente entre o mundo dos professores pesquisadores e dos pesquisadores acadêmicos. Relatou um caso particular em que, mesmo havendo uma interação entre professores de Matemática e Ciências, interessados em melhorar suas práticas, e alguns pesquisadores acadêmicos, estes últimos não foram capazes de se aproximar da realidade escolar em que os primeiros atuavam, a fim de auxiliá-los a encontrar soluções para problemas cruciais encontrados naquela escola (Zeichner, 1998, p. 214-216).

Com estas argumentações em mente, procuramos uma aproximação com as práticas de alguns professores de escolas paulistas de Ensino Básico, a fim de contribuir com a formação de novos docentes que ali atuarão, através da divulgação de sua realidade escolar e do enfrentamento que outros vêm realizando, às vezes com muito esforço, outras vezes, desesperançosos e desmotivados, dessa realidade peculiar e triste, para um país que se pretende em desenvolvimento.

Embora nossa pesquisa não tenha a participação direta de professores em exercício ao lado de pesquisadores acadêmicos, ela busca suas vivências, no sentido de valorizar o esforço que os primeiros vêm empreendendo para se manterem na função de educadores, como professores de Matemática. Procuramos ressaltar como a discussão sobre estas vivências podem, efetivamente, contribuir para a formação inicial de outros futuros professores e, assim, tentar auxiliar com propostas de mudança para essa realidade.

Trazemos algumas experiências relatadas pelos alunos estagiários, formandos de um curso de Licenciatura em Matemática de uma universidade pública paulista. Através delas, procuramos evidenciar como as trocas promovidas com os professores em exercício e a interação com sua realidade escolar, contribuíram para o desenvolvimento profissional dos licenciandos, mesmo que estes não estivessem engajados numa situação de pesquisa acadêmica. Tais trocas se constituíram em ricos momentos de produção de conhecimentos na formação inicial do professor de Matemática, emergidos da prática de outros já atuantes.




  1. Fundamentação teórico-metodológica

Procurando negar o modelo da racionalidade técnica vigente na formação continuada de professores, nas décadas de 1970 e 1980, alguns pesquisadores em Educação Matemática, notadamente o GEPFPM1, que inclui membros da UNICAMP e de outras universidades paulistas (Fiorentini & Nacarato, 2005, p.8, 9), alinham-se com propostas que consideram fundamental tomar como pontos de partida e de chegada, a prática docente cotidiana, convertendo-a em um objeto principal de estudo e reflexão. Através de trabalhos colaborativos, buscam soluções possíveis e necessárias para os problemas da prática docente, num processo de educação contínua, mediado pela reflexão e pela investigação sobre a prática. O professor, nesta perspectiva, constitui-se num agente reflexivo e passa a buscar, autônoma ou colaborativamente, subsídios teóricos e práticos que o auxiliem a enfrentar os desafios do trabalho docente.

Seguindo esta linha de raciocínio, consideramos de suma relevância esta tendência sobre a formação contínua do professor de Matemática. Entretanto, argumentamos que, para que um professor busque seu engajamento neste tipo de formação, após ter-se licenciado e iniciado sua atividade docente, é necessário que tenhamos cultivado nele, ainda em sua formação inicial, um hábito de questionamento, que o leve a um comportamento investigativo e reflexivo, mesmo que sobre a prática de outros professores mais experientes. Isto porque, durante essa formação inicial, temos constatado que, no Estado de São Paulo – ao menos em nossa região – raramente o licenciando consegue atuar em uma sala de aula regular, antes de concluir sua graduação. Enquanto ainda não nos for possível uma experiência de formação inicial em que todos os futuros professores possam reger sua própria sala de aula (como em Ponte, 2002), sugerimos propostas alternativas que levem o futuro professor a se interessar pela investigação das práticas pedagógicas, ainda que não seja as dele próprio, e pelo saber que emerge dessas práticas, numa realidade escolar, muitas vezes, problemática.

Seguindo também a linha de Tardif (2000, 2002), procuraremos entender quais saberes (conhecimentos, competências, habilidades) os professores utilizam efetivamente em seu trabalho diário para desempenhar tarefas e atingir seus objetivos, considerando que estes caracterizam uma profissionalização da atividade docente. Também estamos interessados em desvendar com o futuro professor de Matemática, qual é a conjuntura social brasileira em que se vem exigindo esse processo de profissionalização.

Em geral, os professores em exercício são confrontados com uma série de propostas advindas de iniciativas externas, de especialistas, das secretarias de educação, ou de gerenciadores dos processos de ensino (estes últimos, no caso das escolas privadas, principalmente). Essas propostas, em algumas situações, trazem inovações curriculares e/ou metodológicas que, muitas vezes, são alheias às experiências práticas e aos saberes desses professores, colocando-os numa condição de confronto, desconforto e desconfiança (Melo, 2005, p.34). Isto pode levá-los a negar tais propostas, ou a incorporá-las sem nenhuma reflexão mais profunda sobre como elas alteram esses saberes e práticas. Desse modo, entendemos que, já na formação inicial em cursos de licenciatura, é necessário que os futuros professores tenham contato com a realidade de outros colegas em exercício da profissão docente, também para que possam gerar o hábito de refletir sobre como a intervenção desses agentes externos pode contribuir para que o docente re-examine constantemente suas práticas, de maneira reflexiva e construtiva.

É claro que esta condição não é rigorosamente necessária para que o professor, depois, venha a ter uma formação contínua que o leve a estas reflexões, mas entendemos que ela é importante para que um hábito com relação a isso se inicie o quanto antes, proporcionando ao futuro professor, uma sólida formação teórico-prática, para a ampliação de seus saberes profissionais e, conseqüentemente, de sua autonomia (Tardif, 2002).

Para a compreensão do raciocínio do professor, também Shulman (1987) organizou as bases de seu conhecimento. Seu modelo traz contribuições sobre como o ensino pode ser compreendido e sobre como os professores podem ser preparados e avaliados, dentro de uma visão de que merecem ‘status’ profissional. A transformação dos conteúdos específicos para o nível de ensino, no qual o aluno os entenda, é uma característica marcante do modelo de Shulman. Para ele, o professor possui um raciocínio pedagógico diferente de outros profissionais: ao aprender algo, automaticamente pensa em como irá ensiná-lo. Ou seja, o professor é o único profissional que possui, ou deveria possuir, a preocupação de transformar o conhecimento específico em conhecimento pedagógico. A essa mistura de conhecimento específico e pedagógico, que possui o professor, o autor chamou “Conhecimento Pedagógico do Conteúdo”.

Vemos, então, que Shulman procurou desenvolver um modelo equilibrado, em termos de conteúdos e pedagogia, mas deixa clara a sua defesa dos conhecimentos específicos como meio de se obter uma formação de qualidade, tanto para professores como para alunos.

Apresentamos, a seguir, uma síntese das categorias teóricas que servem de base para o conhecimento dos professores. (SHULMAN, 1987, p. 8):



  1. Conhecimento do conteúdo da disciplina: refere-se ao acúmulo e organização do conhecimento específico disciplinar por parte dos professores; fatos, conceitos, compreensão, estrutura e os princípios básicos e organizáveis das disciplinas;

  2. Conhecimento pedagógico do conteúdo: é o conhecimento específico no formato de ensino. Incluem as representações, demonstrações, exemplificações do conteúdo para que este seja compreensível ao aluno (grifos nossos). Algumas dessas categorias derivam da sabedoria da prática e, se houver necessidade, o professor deve ser capaz de representar o conteúdo, de forma pedagógica, em diferentes níveis, para poder responder a todos os níveis dos alunos da sala;

  3. Conhecimento curricular: Sendo o currículo o conjunto de programas de disciplinas, tópicos e materiais instrucionais, o professor deve apresentar domínio sobre, não somente o currículo de sua disciplina, mas de diversas outras, o que tornará as suas aulas mais ricas e facilitará um trabalho interdisciplinar;

  4. Conhecimento dos alunos. Conhecer a sua origem, cultura, ambições, enfim, a sua realidade;

  5. Conhecimento dos contextos e fins da educação. O professor não deve se prender somente à sua sala de aula. No seu campo de atuação, o professor deve saber das propostas governamentais, dos financiamentos destinados à Educação, resgatar valores históricos e filosóficos das comunidades e das culturas.

Reconhecendo a contribuição teórico-epistemológica desse autor, Fiorentini, Souza Jr. e Melo (1998, p. 316) destacam que o domínio do conhecimento do conteúdo, por parte do professor, “não deve ser apenas sintático (regras e processos relativos ao conteúdo), mas sobretudo, substantivo e epistemológico (relativo à natureza e aos significados dos conhecimentos, ao desenvolvimento histórico das idéias, ao que é fundamental e o que é secundário, aos diferentes modos de organizar os conceitos e os princípios básicos da disciplina, e às concepções e crenças que os sustentam e legitimam)”.

Concordamos com estes autores que o domínio profundo do conteúdo é fundamental para que o professor tenha autonomia para produzir o currículo adequado à sua realidade e atue, efetivamente, como mediador entre o conhecimento historicamente produzido e o escolar.

Em nossa pesquisa, consideramos fortemente este fator, ao analisarmos como esses conhecimentos interferiam na autonomia de docentes em ação, para a organização dos currículos efetivados nas salas de aula, articulando os saberes pedagógicos e curriculares, discutidos em outros momentos da formação inicial dos licenciandos e gerando, assim, saberes sobre o próprio desenvolvimento profissional em curso.

Os objetivos desta pesquisa foram, então, observar como os dados e reflexões suscitadas, trazidos pelos licenciandos durante seu estágio supervisionado, poderiam ajudá-los a:



  • aprofundar seus conhecimentos matemáticos e o conhecimento pedagógico do conteúdo, através da observação de como outros professores lidavam com esse conteúdo;

  • colocar-se em contato com os saberes da prática de outros colegas em exercício da profissão docente;

  • colocar-se em contato com o trabalho de crianças e adolescentes em sala de aula;

  • e, finalmente, ajudá-los a estimular sua comunicação, de modo a proporcionar-lhes, nas trocas discursivas, momentos de reflexão crítica sobre as práticas pedagógicas em Matemática e sua aproximação com as teorias estudadas no curso de graduação.

Pretendemos compor um quadro, através da articulação entre teoria e prática, junto a esses graduandos, de como alguns professores de Matemática do Estado de São Paulo enfrentam os desafios atuais da profissão docente, não em nível discursivo, mas através de suas práticas efetivas de sala de aula, tanto em escolas públicas quanto privadas.

Participaram desta pesquisa, 22 alunos de um curso de Licenciatura em Matemática, de uma universidade pública do interior de S. Paulo, durante todo o ano de 2006. Estes realizavam quatro horas semanais de observações, em salas de aula de escolas públicas e privadas da Rede Oficial de Ensino, e atendiam a mais duas horas presenciais coletivas, por semana, na universidade, para estudos teóricos e reflexões sobre as práticas observadas. Isto está previsto formalmente na estrutura curricular dessa licenciatura e toda essa carga horária é contada como estágio supervisionado para esses alunos, uma vez que os encontros presenciais coletivos (com todos os estagiários do curso reunidos) referem-se às análises das realidades encontradas no estágio. Foram observados 34 professores, sendo que 15 deles atuavam em escolas privadas e 19 em escolas públicas.

O estudo se enquadra dentro das tendências qualitativas da pesquisa educacional. Foram analisadas algumas interações discursivas dos licenciandos nos encontros presenciais, sobre as práticas observadas, e, principalmente, seus relatórios finais de estágio (entregues por escrito).


  1. Alguns resultados da pesquisa

Nossos resultados corroboram aqueles apontados por Freitas et al (2005, p.96), segundo os quais as principais dificuldades e insatisfações destacadas, em nível discursivo, pelos docentes participantes daquela pesquisa, foram: a falta de trabalho em equipe, dentro da própria escola; a indisciplina e a falta de interesse dos alunos; e os problemas relacionados às condições estruturais ou à gestão da escola. Porém esses resultados foram observados pelos licenciandos em práticas reais da sala de aula, e não apenas através de relatos dos professores em exercício, o que acreditamos ter contribuído para que eles refletissem mais profundamente sobre a realidade que iriam enfrentar em breve.

Outros fatores, porém, foram também suscitados pelos licenciandos como uma problemática da profissão docente: a violência na escola, a falta de formação adequada do professor de Matemática, relativamente aos currículos, ao conhecimento do conteúdo e ao conhecimento pedagógico do conteúdo (Shulman, 1987), o que gera desconforto nesses professores durante suas práticas docentes e também se reflete na precariedade de sua autonomia para criar novas situações de ensino.

A seguir, destacaremos algumas reflexões levantadas pelos licenciandos, acerca dos fatores anteriormente mencionados:


  1. Falta de trabalho em equipe:

Nos relatórios dos estagiários não houve nenhuma menção a trabalhos planejados ou executados em conjunto, dentro da escola, pelos professores observados.

Destacamos a observação do licenciando Alexandre:

O projeto pedagógico da escola não pode continuar sendo “um documento que a escola precisa ter para cumprir a lei” [referindo-se a uma impressão passada por um professor analisado]. Precisa ser factível, razoável, norteador ao propor metas e objetivos a serem perseguidos, cobrados e alcançados. Deve ser solidário e participativo, construído em comum pela comunidade que faz a escola: os educadores.

Os licenciandos consideraram que o trabalho em equipe é sugerido nas teorias estudadas na didática e na psicologia da educação, porém questionaram-nos sobre a real possibilidade de concretizar esse trabalho dentro da escola, entre os professores, devido à maneira como ouviram relatos sobre as HTPC´s (Horas de Trabalho Pedagógico Coletivo), na maior parte das escolas visitadas. Os seus professores relatavam que não havia uma continuidade nas discussões promovidas nesses momentos e que, na maior parte das vezes, eles são usados para discutir questões trazidas pela direção da escola, e não há possibilidade de serem aproveitados segundo interesses de grupos de professores que queiram trabalhar as dificuldades enfrentadas no ensino, conjuntamente.



  1. Indisciplina, falta de interesse dos alunos e violência na escola:

Os estagiários, em geral, observaram uma tendência de maior indisciplina e desinteresse por parte de alunos da 7a série em diante. Alunos da 5a série tendiam a respeitar mais os professores, mas relataram que, com o passar dos anos, isto parece is se alterando. O licenciando Alexandre narrou que, todos os dias, a professora observada tinha que iniciar a aula “dirimindo problemas de ordem disciplinar com os alunos”, de uma 8a série de escola pública, perdendo grande parte das aulas com isso.

Além dos casos acima, não é novidade que a violência nas escolas seja um dos principais problemas apontados pelos professores de nossa Educação Básica (Soares, 2006), mas esta não fica restrita aos bairros de periferia de escolas públicas, como muitos poderiam supor, e ocorre de formas sutis e variadas. Um licenciando relatou, por exemplo, que na escola pública em que estagiava, no curso noturno, as aulas somente aconteciam se houvesse um policial militar fazendo ronda nas salas, devido ao grande temor dos professores para com as atitudes dos próprios alunos. Não se tratava de medo de bandidos e traficantes externos à escola, mas daqueles que, teoricamente, deveriam ver ali um local de grandes oportunidades de formação cidadã e de respeito mútuo.

Os estagiários relataram, ainda, que as portas das salas de aula de uma outra escola pública não têm fechaduras e nem trincos que lhes permitam manterem-se fechadas, porque, simplesmente, foram arrancados pelos alunos. (Houve relato de uma escola em que as salas nem tinham portas!). Deste modo, todos os ruídos externos, dos corredores e das ruas, também dificultavam o trabalho dos seus professores e frustravam qualquer tentativa de aprendizagem.

Em outra, dois alunos lançaram uma carteira pela janela abaixo, do segundo andar do prédio, enquanto os estagiários e o professor estavam presentes, e a direção limitou-se a lhes dar uma leve advertência oral, sob a alegação de que o Estatuto da Criança e do Adolescente não permite que algo mais possa ser feito. Então, os futuros professores questionaram se deveria haver algo neste estatuto, que impede que eduquemos nossas crianças contra a depredação do patrimônio público.

Em escolas privadas, relataram a violência que acontece de formas mais sutis, através de hostilidades preconceituosas e ataques de ordem moral. Foram relatados dois casos: em uma delas, os alunos “assistiam” às aulas com fones de ouvido e aparelhos eletrônicos ligados, ouvindo música (alguns, em alto volume), enquanto os professores tentavam ensiná-los. Em outra escola privada, uma estagiária negra foi completamente hostilizada pelos alunos, a ponto desse fato ter desencadeado uma briga dentro da classe, entre dois grupos de estudantes que discordavam entre si sobre essas atitudes. Porém, o mais lastimável neste episódio, segundo essa estagiária, foi a postura do professor, que ignorou completamente a violência moral praticada e lhe disse que tudo aquilo “era normal”.

Os estagiários puderam perceber o quanto estas situações de depredação do patrimônio público e da violência entre os pares prejudicam a infraestrutura necessária para que se tenham aulas de qualidade, ou simplesmente para que elas sejam mais favoráveis ao trabalho docente. Consideraram que este estado de violência (explícita ou implícita) talvez fosse normal para uma educação falseada, mas não para aquela que pretende formar cidadãos criativos, respeitosos e transformadores de nossa sociedade para algo melhor. Se as teorias e os documentos oficiais de ensino (PCN´s) colocam o professor como responsável pela formação cidadã dos seus alunos, levantaram as contradições que apontam essas práticas observadas, as quais destoam das propostas teóricas e formais para a educação. Puderam verificar que os docentes observados se sentem impotentes diante dessa questão da violência nas escolas, e que eles próprios não saberiam o que fazer em situações tão adversas ao ensino.

Após estas reflexões, levantamos dois relatos de experiências bem-sucedidas de transformação da realidade escolar, que envolviam toda a comunidade (pais, alunos, professores, diretor). Mesmo assim, os licenciandos acharam difícil lidar com esta questão da violência, sem o apoio de mudanças concretas nas políticas públicas do Estado de São Paulo, para a Educação.


  1. Problemas relacionados às condições estruturais ou à gestão escolar:

Além dos problemas da infraestrutura física das escolas (principalmente das públicas), apontados anteriormente, os estagiários relataram alguns outros, como as reclamações dos professores sobre a excessiva carga de aulas, o que, segundo eles, tolhe seu tempo para preparar atividades diferenciadas, para um melhor envolvimento dos alunos. O número de estudantes também girava entre 35 e 45 por sala e era considerado alto pelos professores.

Adicione-se a isto, os relatos dos estagiários de que muitas aulas deixavam de ser cumpridas pelas ausências dos professores, por reuniões da própria escola, ou por interferência da direção, para resolver problemas burocráticos com alunos e professores, durante os horários em que deveriam estar aprendendo e ensinando. São altas taxas de aulas perdidas, somadas às faltas dos próprios estudantes.

A interferência da direção, com a interrupção freqüente das aulas, evidencia o mesmo estado relatado por Freitas et al (2005), sobre dirigentes centralizadores, cujas maiores preocupações se referem a resolver problemas administrativos, esquecendo-se de preservar a qualidade do ensino praticado.

Um outro problema de gestão da escola privada foi fortemente destacado pelos licenciandos: o sistema apostilado de ensino é imposto pela direção ao professor, desde a 5a série, o que não lhe permite flexibilizar suas aulas, as quais ficam restritas à seqüência da apostila e devem ser cumpridas à risca, num tempo controlado, mesmo que muitos alunos não mostrem compreensão suficiente sobre os assuntos tratados.

Isto levou os licenciandos a reflexões sobre como a gestão do ensino está impregnada de interferências externas (Melo, 2005), que acabam por envolver o trabalho do professor sem que ele próprio se dê conta disso. Consideraram que também é o caso das determinações da Secretaria Estadual de Educação de São Paulo, que implantou o sistema de progressão continuada, sem que preparasse os professores sobre as alterações que isto provocaria em suas práticas. Concluíram que, também nesse caso, os professores que detém maiores conhecimentos acerca dos documentos oficiais de ensino (PCN´s e Propostas Curriculares Estaduais), das organizações dos currículos e sobre como estes se inserem na gestão escolar, poderiam tentar evitar que tais interferências levem a situações como as anteriormente relatadas e que isso poderia contribuir para mudanças que gerassem maior qualidade no ensino.


  1. As dificuldades com o conhecimento do conteúdo e o conhecimento pedagógico do conteúdo:

Em geral, os estagiários destacaram que todos os professores observados se empenhavam para promover um diálogo com os alunos, embora nem sempre a compreensão dos conteúdos de Matemática tivesse se estabelecido por parte dos estudantes. Vários sugeriram, por exemplo, que os professores poderiam ter explorado mais materiais manipuláveis no ensino de Geometria, de modo a levar os seus alunos a acompanharem a construção dos conceitos matemáticos objetivados.

A estagiária Ana comentou sobre o caso de uma professora que ensinava “multiplicação com zeros”, na 5a série. Quando estes zeros ocorriam “no final dos números”, não havia dificuldades para os alunos, mas quando “estavam no meio”, muitos não compreendiam o processo. Para resolver essa problemática, a professora simplesmente toma a decisão de passar mais exercícios na lousa, para os alunos resolverem, acompanhando suas dúvidas nas carteiras e retomando apenas os processos algorítmicos envolvidos no assunto, sem uma preocupação em elucidar os significados ali imbricados. Ana não demonstrou ter clareza sobre como essa professora poderia ter ampliado esses significados, mas percebeu que ela não estava segura sobre o que ensinava, ou não lhe vinha à mente outras formas de ensinar, já que depois a professora mudou para o assunto “multiplicação egípcia” e causou mais transtornos, ainda, para os alunos que não haviam compreendido o caso anterior.

A mesma professora passou um exercício-desafio para a classe e um dos alunos encontrou uma solução diferente do que ela havia feito. Ela decidiu, então, não mostrar essa outra solução à sala, “para não confundir os meninos”. Ana deixa entender que a professora parece evitar um debate maior sobre formas alternativas de resolução, também em outros momentos de suas aulas.

Outros relatos muito interessantes dos estagiários se referem à qualidade do ensino que se tem praticado (ao menos na maior parte das escolas que eles visitaram). Em cerca de 70% dos relatórios, há denúncias de ausência de qualidade no ensino de Matemática. Ou seja, pelo menos nesses casos, as condições que favoreceriam a aprendizagem dessa disciplina inexistem ou são mínimas, e apenas aprendem alguns poucos alunos que fazem um esforço pessoal independente para isso (os 5-10% que geralmente se sentam nas primeiras carteiras e que realizam as atividades solicitadas pelos professores).

Houve uma narrativa emocionante sobre o caso de uma escola pública de ensino supletivo, para a qual se constatou que os alunos ali presentes não aprendiam absolutamente nada (ou, pelo menos, nada além do que a vida exterior à escola já não lhes tivesse ensinado).

Mesmo em várias escolas particulares, onde os pais confiam que estão promovendo uma formação pedagógica mais adequada para seus filhos, os estagiários relataram que coisas estranhas acontecem. Há professores que corrigem tarefas de outras séries, enquanto “dão aula” em uma sala e deixam seus alunos “trabalhando” à vontade (leia-se: “fazendo o que querem”). Há alunos que lêem revistas de novelas ou mulheres nuas, ou “fazem as unhas”, enquanto “estudam” na escola.

Outra questão interessante trazida pelos estagiários, especialmente para o caso da aprendizagem em Matemática, foi que tanto em escolas públicas quanto privadas, a maioria dos estudantes ficou de recuperação nesta disciplina. Presenciaram ameaças aos professores de algumas escolas privadas, para que lhes fossem facilitadas as notas, e o escárnio dos alunos das escolas públicas estaduais, já que estas praticam o sistema de progressão continuada de uma série à outra, o que, para esses alunos de recuperação, faz-se ler: “não vou fazer nada, porque você não pode me reprovar”. Estudantes que se recusavam a dedicar-se a qualquer atividade também foram observados em várias escolas privadas.

Também observaram que a falta de qualidade no ensino não está ligada, necessariamente, à falta de recursos e investimentos na educação. Muitos estagiários relataram que, mesmo em várias escolas públicas, viam a existência de livros, de salas de computadores, de recursos multimídia e de investimentos públicos em cursos de formação de seus professores (apesar das condições precárias dos prédios que os abrigavam). No entanto, a maior parte destes recursos não era utilizada.

Esses relatos mostram um quadro de ensino da Matemática que se resume a uma rotina massacrante de exercícios e regras memorizadas, todos refletindo padrões e modelos já executados por seus professores. Além disso, os conteúdos programados não são cumpridos em muitas turmas, ou quando cumpridos, o são às expensas de simples memorização e de um tecnicismo sem significados, que se perdem no mês seguinte.

Somem-se a estes relatos, falas constantes de vários professores em exercício, que não acreditam no potencial de aprendizagem de seus alunos, ensinando-lhes sempre “o mínimo necessário”, porque, segundo essas falas, “eles não vão mesmo aprender”. Outros estão completamente desmotivados com a carreira e, embora façam vários cursos de formação continuada, não acreditam nos mesmos para a transformação de suas aulas. Fazem-nos para obter alguma melhoria salarial, mas não acreditam que as teorias da Educação, geralmente priorizadas nestes cursos, que se distanciam de suas práticas e do contexto de suas escolas, sirvam-lhes para alguma coisa.

A relação teoria-prática foi observada explicitamente no relatório escrito de dois licenciandos. A fala do estagiário Emanuel é representativa de como as discussões, promovidas nos encontros coletivos, lhe serviram para essa aproximação:

Assim, mesmo quando houve momentos ricos na sala de aula, os quais poderiam ter tido uma abordagem sócio-histórico-cultural, ou mesmo construtivista, faltou à professora o domínio dessas teorias, ou o contato com experiências pedagógicas que se valham desse tipo de abordagem, para conduzi-los de maneira mais efetiva, dando maior significação aos problemas apresentados ou, até mesmo, considerando os conhecimentos prévios dos alunos.

Com estes destaques trazidos pelos licenciandos, vemos que eles apresentavam consciência de que há lacunas na formação dos professores, quanto aos conhecimentos do conteúdo (no sentido mais profundo, proposto por Fiorentini, Souza Jr. e Melo, 1998) e, principalmente, quanto aos conhecimentos pedagógicos do conteúdo, de modo que estes professores se sintam estimulados a fazer novas propostas de ensino.

Com relação a isso, todos os estagiários foram convocados a apresentar um planejamento de uma unidade de ensino, que tivesse sido desenvolvida por um dos professores observados por eles. Porém, este planejamento deveria fugir às formas tradicionais e procurar integrar as teorias estudadas com a prática, bem como levar em conta sugestões de documentos oficiais de ensino (Propostas Curriculares do Estado ou PCN´s). Esta foi uma das exigências do curso e foi levada em conta na avaliação do desempenho dos estagiários, mesmo que eles não tivessem a oportunidade de executá-las em uma sala de aula real e ver como se sairiam nessa tarefa.





  1. Conclusões

A pesquisa de Freitas et al (2005, p.105) conclui que os professores em exercício entrevistados esperavam contar com parceiros das universidades, da própria escola, ou de outros contextos, que pudessem contribuir para o redimensionamento de sua prática profissional. Em nosso trabalho, propusemos um movimento no sentido oposto, em que os professores em exercício, mesmo sem terem consciência disto, constituíram-se em parceiros na formação de futuros professores, quando permitiram a observação de seus saberes, para a reflexão dos licenciandos, contribuindo para uma real aproximação entre teorias e práticas.

Acreditamos que as reflexões sobre as práticas reais de sala de aula e sobre os saberes efetivamente demandados para a transformação, ou o aperfeiçoamento dessas práticas, tenham se constituído num rico processo em construção, para esses futuros professores, a partir dos saberes utilizados por seus pares, em realidades escolares complexas. Tais reflexões mostraram que essa realidade desafia a formação, principalmente no caso das dificuldades desveladas ao se ensinar Matemática. Por esses motivos, acreditamos que ainda faz muito sentido falar em pesquisas sobre professores, justamente para interferir na formação de outros futuros profissionais do ensino.

É claro que parcerias e trabalhos colaborativos, que aproximem mais os licenciandos, professores em exercício e pesquisadores acadêmicos, na construção conjunta dessas reflexões, seriam muito mais ricas. Porém, nem sempre esses espaços podem ser rapidamente construídos em cursos de graduação, dependendo dos contextos culturais em que estes se inserem. Então, quando isto não é possível, a opção pelos espaços formais de encontros coletivos, envolvendo ao menos os licenciandos estagiários, já poderá favorecer a germinação dos processos de reflexão e análise das práticas, quando se busca uma aproximação com as teorias educacionais vigentes.

Destacamos que nem todos os licenciandos que participaram da pesquisa mostraram uma postura reflexiva, durante as discussões e em seus relatórios escritos, principalmente em relação à busca dos conhecimentos teóricos estudados, que justificassem suas argumentações. Porém, todos eles foram capazes de levantar aspectos relevantes das práticas observadas, que consideravam fundamentais para uma análise mais detalhada e para a formação profissional do professor.

Torres (1996, apud Freitas et al, 2005, p.93) já criticava que a pauta de educação de países em desenvolvimento ainda se caracteriza por um modelo configurado em torno de variáveis quantificáveis e que não comporta aspectos qualitativos, os quais constituem a essência da educação. O trabalho aqui apresentado pretende contribuir para analisar qualitativa e reflexivamente a realidade escolar paulista hodierna e, através dela, contribuir para uma formação inicial do professor de Matemática que lhe proporcione consciência desta realidade, bem como, ferramentas para compor novas propostas, quando de sua futura atuação.

Finalmente, como sugere Tardif (2000), esta pesquisa também serviu grandemente para que nós, como formadora e pesquisadora universitária, pudéssemos rever nossas próprias práticas de ensino, na formação inicial do professor de Matemática, dentro de uma realidade de ensino superior quase que enrijecida, mas procurando aí incorporar novas tendências. Avaliamos que ainda há a necessidade de propor aos licenciandos, mais alguns estudos teóricos sobre a “epistemologia da prática profissional dos professores”, que lhes permitam embasar melhor esta reflexão sobre a prática, a fim de que um maior número deles possam rever as próprias concepções sobre a profissão docente.




  1. Referências Bibliográficas

Fiorentini, D. e Nacarato, A.M. (orgs.), Cultura, formação e desenvolvimento profissional de professores que ensinam Matemática. São Paulo: Musa ed. Campinas, SP: GEPFPM-PRAPEM-FE/ UNICAMP, 2005, p. 7-15.

Fiorentini, D.; Souza Jr., A.J. e Melo, G.F.A. Saberes docentes: um desafio para acadêmicos e práticos. In Geraldi, C.M.G., Fiorentini, D. e Pereira, E.M. (orgs). Cartografias do trabalho docente. Campinas, SP: Mercado das Letras, 1998, p. 307-335.

Freitas, M. T.; NACARATO, A.M.; PASSOS, C.L.B.; FIORENTINI, D.; FREITAS, F.F.; ROCHA, L.P. e MISKULIN, R.G.S: O desafio de ser professor de Matemática no Brasil hoje. In: Fiorentini, D. e Nacarato, A.M. (orgs.), Cultura, formação e desenvolvimento profissional de professores que ensinam Matemática. São Paulo: Musa ed. Campinas, SP: GEPFPM-PRAPEM-FE/ UNICAMP, 2005, p. 89-106.

MELO, G.F.A. Saberes docentes de professores de Matemática em um contexto de inovação curricular. In: Fiorentini, D. e Nacarato, A.M. (orgs.), Cultura, formação e desenvolvimento profissional de professores que ensinam Matemática. São Paulo: Musa ed. Campinas, SP: GEPFPM-PRAPEM-FE/ UNICAMP, 2005, p. 33-48.



Ponte, J.P., A vertente profissional da formação inicial de professores de Matemática. Educação Matemática em Revista- SBEM, Ano 9, edição especial, março/2002, p. 3-8.

SHULMAN. L. S. Those who understand: Knowledge growth in teaching. Educational Researcher, v.15, n.2, p. 4 – 14, 1986.

SHULMAN. L. S. Knowlwdge and Teaching: Foundations of the New Reform. Harvard Educational Review, v. 57, p. 1-22, 1987.

Soares, L. Com a palavra, o professor. Revista Veja. 5 de abril de 2006. p. 108-113.

TARDIF, M. Saberes profissionais dos professores e conhecimentos universitários. Revista Brasileira de Educação, no. 13, 2000, p. 5-24.

TARDIF, M. Saberes docentes e formação profissional. Petrópolis: Vozes, 2002.

TORRES, R.M. Melhora(r) a educação básica? As estratégias do Banco Mundial. In: Tommasi; Warde, M.J. e Haddad, S. (orgs). O Banco Mundial e as políticas educacionais. São Paulo: Cortez, 1996, p. 125-193.





1 Grupo de Estudo e Pesquisa sobre Formação de Professores que Ensinam Matemática, da FE-UNICAMP.


Catálogo: files -> ix enem -> Comunicacao Cientifica -> Trabalhos
Trabalhos -> O ensino médio de geometria por meio de uma proposta alternativa
Trabalhos -> Claudia Roberta de Araújo Gomes
Trabalhos -> A pesquisa em Etnomatemática no Brasil e suas preocupações com o contexto escolar
Trabalhos -> ContribuiçÕes ao estudo da construçÃo da metodologia do ensino de matemática como disciplina escolar no brasil viviane Lovatti Ferreira
Trabalhos -> A interface entre a resoluçÃo de problemas e a modelagem matemática: um estudo de caso com alunos da 3ª SÉrie do ensino médio cláudia de Oliveira Lozada
Trabalhos -> Grafos & Algoritmos: Conceitos, aplicações e experiências no Ensino Médio
Trabalhos -> A emergência de fenômenos didáticos em sala de aula: a negociaçÃo de uma sequência didática em álgebra inicial
Trabalhos -> 1 Universidade Paulista – unip
Trabalhos -> Obstáculos encontrados pelos alunos na aprendizagem da álgebra linear
Trabalhos -> Prof Ms Carlos Ricardo Bifi Mestre em Educação Matemática Pontifícia Universidade Católica puc/SP


Compartilhe com seus amigos:


©principo.org 2019
enviar mensagem

    Página principal