Professor: Humberto Tommasi



Baixar 275.81 Kb.
Página1/4
Encontro18.07.2016
Tamanho275.81 Kb.
  1   2   3   4


INCLUSÃO PREVIDENCIÁRIA

Professor:

Humberto Tommasi

tommasi@tommasi.adv.br

www.tommasi.adv.br

www.ineja.com.br

  • ADVOGADO Graduado pela PUC-PR – Pontifícia Universidade Católica do Paraná



  • Especialista em Direito Previdenciário pela UNICURITIBA – Centro Universitário Curitiba



  • Sócio-Diretor do INEJA – Instituto Nacional de Ensino Jurídico Avançado

2011

MATERIAL DE APOIO PREPARADO PARA AS AULAS MINISTRADAS NO PROGRAMA SABER DIREITO DA TV JUSTIÇA

SUMÁRIO

1. INCLUSÃO PREVIDENCIÁRIA.............................................................3

1.1. Introdução ..........................................................................................3

1.2. Breve Histórico da Previdência Social................................................3

1.3. A Previdência Social Como Direito Fundamental...............................4

1.4. Estrutura da Seguridade Social no Brasil...........................................9

1.5. Há Déficit na Previdência Social?......................................................11

1.6. Alguns números da Previdência Social no Brasil..............................17

2. QUALIDADE DE SEGURADO.............................................................21

2.1. Introdução..........................................................................................21

2.2. O Início da Proteção Previdenciária..................................................22

2.3. Manutenção e Perda da Qualidade de Segurado.............................28

2.4. Conceito de Dependente...................................................................38

2.5. Perda da Qualidade de Dependente.................................................40

2.6. Reaquisição da Qualidade de Segurado...........................................45

2.7. Benefícios que Independem da Qualidade de Segurado..................49

2.8. Entendimentos Avançados................................................................54

3. DESAPOSENTAÇÃO..........................................................................60

3.1. Introdução.........................................................................................60

3.2. Competência para Ajuizamento da Demanda de Desaposentação..61

3.3. Fundamentos da Desaposentação...................................................63



4. REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS...................................................70

1. INCLUSÃO PREVIDENCIÁRIA

1.1. Introdução

O que é inclusão previdenciária? Trata-se, em verdade, de um fim, de uma finalidade a ser alcançada pelo Estado, que deve trazer para o seio da Previdência Social toda a população economicamente ativa do Brasil e boa parte daqueles que não exercem nenhuma atividade de vinculação obrigatória.

Diminuir a informalidade e erradicar a falta de alguma proteção previdenciária deve nortear a Administração Pública e toda a Sociedade, com o objetivo de que, no futuro, não existam brasileiros sem cobertura previdenciária.

Estas ações vão garantir, não somente a saúde financeira da Previdência Social, mas uma arrecadação muito maior de tributos, maior geração de emprego e renda, melhores condições de trabalho, mais investimentos para o país, menos gastos com assistência social e, por fim, condições de vida mais digna para a população brasileira.

A falta de conhecimento da população sobre o que é Previdência Social e sobre quais são seus direitos previdenciários, leva a um descrédito infundado do Sistema, que acaba por repudiar os trabalhadores, ao invés de atraí-los para a proteção previdenciária.

Cabe principalmente ao Governo Federal, mas também aos Governos Estaduais e Municipais e indiretamente à toda Sociedade, adotar medidas de esclarecimento e incentivo à inclusão previdenciária, buscando atingir toda a população economicamente ativa do país.



1.2. Breve Histórico da Previdência Social

Vem da pré-história a preocupação do Homem em poupar alguma coisa para o futuro, de se precaver contra as intempéries, de se prover para períodos de dificuldades e de se prevenir contra ataques e acidentes.

Por isso é que Bertrand Russel escreveu: “... quando um homem primitivo, nas brumas da pré-história, guardou um naco de carne para o dia seguinte depois de saciar a fome, aí estava nascendo a previdência.”

Logicamente que o que fazia o homem primitivo não era “previdência social”, mas uma simples forma de proteção individual, de racionalização da comida, para que houvesse algo para mastigar no dia seguinte sem necessidade de nova caçada. A Previdência Social como a conhecemos hoje é muito maior do que isso e tem status de direito fundamental.

No mundo, adota-se como tendo sido o início da Previdência Social as leis alemãs de 1883, de Otto Von Bismarck, isto porque foi a primeira vez que o Estado assumiu a responsabilidade pela proteção previdenciária.

No Brasil, convencionou-se que a Lei Eloy Chaves, Decreto nº 4.682 de 24/01/1923, que criou as Caixas de Aposentadorias e Pensões (CAP) para os trabalhadores empregados das empresas ferroviárias é o marco inicial da Previdência Social, o que faz com que nosso sistema de previdência já tenha 88 anos.

Vale lembrar também que o Instituto nacional do Seguro Social – INSS, atual órgão gestor do Regime Geral de Previdência Social - RGPS, foi criado pelo Decreto no 99.350, de 27/061990, mediante a fusão do IAPAS com o INPS e que as atuais leis de custeio e de benefícios do RGPS são, respectivamente, as Leis nº 8.212 e 8.213, ambas de 24/07/1991, as quais, aliadas a Constituição Federal de 1988, formam o principal arcabouço legal para seu entendimento.

1.3. A Previdência Social Como Direito Fundamental

Já é passado o tempo em que se discutia se a previdência social é ou não um direito fundamental, hoje em dia os maiores e melhores doutrinadores, assim como a absoluta maioria da jurisprudência entendem os direitos sociais como direitos fundamentais, portanto, previdência social é um direito social fundamental.

Previdência Social é, então, basicamente, um seguro, um seguro social, que tem como características ser contributivo, compulsório, financiado pelos empregados, empregadores e por toda a sociedade e destinado aos trabalhadores e seus dependentes.

Com o correr dos anos, diante da nova visão sobre o Homem como ser social e destinatário das políticas públicas e não como instrumento destas e da consolidação do princípio da dignidade da pessoa humana como valor supremo nas Constituições, a Previdência Social alcançou o status de Direito Fundamental.

Com a DECLARAÇÃO UNIVERSAL DOS DIREITOS HUMANOS, Adotada e proclamada pela resolução 217 A (III) da Assembléia Geral das Nações Unidas em 10 de dezembro de 1948, a Previdência Social alcançou o patamar mais alto na História até então, sendo considerada como Direito Fundamental. Veja-se seu artigo XXV. 1:

“1. Todo homem tem direito a um padrão de vida capaz de assegurar a si e a sua família saúde e bem-estar, inclusive alimentação, vestuário, habitação, cuidados médicos e os serviços sociais indispensáveis, e direito à segurança em caso de desemprego, doença, invalidez, viuvez, velhice ou outros casos de perda dos meios de subsistência em circunstâncias fora de seu controle.

2. A maternidade e a infância têm direito a cuidados e assistência especiais. Todas as crianças, nascidas dentro ou fora do matrimônio, gozarão da mesma proteção social.”

Na mesma esteira, na Constituição Federal de 1988, no Título II, Dos Direitos e Garantias Fundamentais, passou a figurar a Previdência Social como Direito Social Fundamental, protegido pelo status de “cláusula pétrea”, o que impede a apreciação ou deliberação de qualquer emenda tendente a modificá-lo ou aboli-lo.

Neste viés, os direitos sociais encontram-se topograficamente localizados na Constituição Federal de 1988, como direitos fundamentais (art. 6º, da CF/88), o que implica dizer que toda a interpretação, toda a hermenêutica afeta aos direitos fundamentais, deve tocar também os direitos sociais e, por conseguinte, também os direitos previdenciários, mas não de forma superficial ou assessória, mas de forma integral e principal.

Nos dizeres de Marcus Orione Gonçalves CORREIA e Marisa Ferreira dos SANTOS1:


“... o posicionamento dos direitos sociais como direitos fundamentais significa que toda metodologia de interpretação aplicável aos direitos fundamentais historicamente deve se colocar à disposição de um sistema de segurança social. Não basta mais acreditar que apenas os direitos e garantias individuais são fundamentais.”
Portanto, ter como ponto de partida na interpretação dos direitos sociais e previdenciários todas as técnicas de hermenêutica atinentes aos direitos fundamentais e como norte a realização e concretização constitucionais é medida que se impõe a qualquer operador do direito.

Mas qual deve então ser considerada a melhor técnica de interpretação para que a realização constitucional não se torne utópica, evitando que o texto constitucional seja considerado apenas um documento de “belas e boas” intenções políticas.

A resposta encontra-se no núcleo fundamental da constituição, no seu cerne, na sua essência, na sua razão de ser, no seu conteúdo mínimo, traduzido na observância inafastável do princípio da dignidade da pessoa humana.

Para tanto, é importante saber esmiuçar o que se entende por dignidade da pessoa humana, refutando, primeiramente, qualquer argumento que pretenda considerá-lo norma aberta, sem conteúdo objetivo ou com significado vago, para somente então utilizar toda a carga axiológica do princípio, todo o seu significado, tudo o que representa, no deslinde de casos concretos.

Logo, por dignidade da pessoa humana, entende-se o espaço de integridade moral a ser assegurado a todas as pessoas por sua só existência no mundo. È um respeito à criação, independente da crença que se professe quanto à sua origem. A dignidade relaciona-se tanto com a liberdade e valores do espírito como com as condições materiais de subsistência.

O desrespeito a este princípio marcou de vergonha alguns capítulos do século que se encerrou e a luta por sua afirmação será um símbolo do novo milênio. Ele representa a superação da intolerância, da discriminação, da exclusão social, da violência, da incapacidade de aceitar o outro, o diferente, na plenitude de sua liberdade de ser, pensar e criar.

Dignidade da pessoa humana expressa um conjunto de valores civilizatórios incorporados ao patrimônio da humanidade. O conteúdo jurídico do princípio vem associado aos direitos fundamentais, envolvendo aspectos dos direitos individuais, políticos e sociais.

Seu núcleo material elementar é composto do “mínimo existencial”, locução que identifica o conjunto de bens e utilidades básicas para a subsistência física e indispensável ao desfrute da própria liberdade. Aquém daquele patamar, ainda quando haja sobrevivência, não há dignidade.

O elenco de prestações que compõe o mínimo existencial comporta variações conforme a visão subjetiva de quem o elabore, mas parece haver razoável consenso de que inclui: “renda mínima, saúde básica e educação fundamental”.2

Por fim, resta acrescentar que mesmo o conceito e o entendimento sobre a dignidade da pessoa humana, sofrem suas mutações ao longo da história. Como bem lembra Marcus Orione Gonçalves CORREIA e Marisa Ferreira dos SANTOS3:


“A dignidade humana de 1988, certamente, não é mais a dignidade humana de 2005, como não será a de 2015. O conceito de dignidade humana do texto constitucional, postulado basilar da formação de um sistema de interpretação, deve ser sempre reavaliado. Trata-se de uma dignidade revista à luz de uma Constituição real e não meramente formal.”
Perceber, entender e avaliar estas mudanças é trabalho para o interprete, que deve saber posicionar-se diante da nova realidade social, propiciando a efetivação do princípio da dignidade da pessoa humana e a realização constitucional.

Com este raciocínio, tem-se que todas as regras e princípios atinentes à proteção social e previdenciária devem primar pela defesa do princípio da dignidade da pessoa humana, atendendo ao seu conteúdo axiológico e a outros princípios e regras que estão no ordenamento jurídico pátrio, como normas válidas, cogentes e de observância inafastável, como é o caso do art. XXV, da Declaração Universal dos Direitos do Homem e do Cidadão, já citado linhas acima.

Referido artigo, ainda que conste da Declaração Universal dos Direitos do Homem e do Cidadão, não pode ser considerado apenas como um fim a ser alcançado pelo Estado, quando for possível, sem que haja força cogente ou pelo menos sanção à políticas que atrasem, dificultem ou contrariem referidas determinações, pena de se relegar a inocuidade um texto carregado de objetivos humanos.

De qualquer sorte, da interpretação do princípio da dignidade da pessoa humana e destes textos legais, extraem-se inúmeras conseqüências e possibilidades que podem e devem influenciar toda a atuação política e privada no sentido de garantir uma eficaz e digna proteção social e previdenciária, cabendo aos operadores do direito a nobre tarefa de lutar por uma virada paradigmática no atual contexto das proteções sociais e das prestações do Regime Geral de Previdência Social.

Em suma, toda a carga axiológica que traz o princípio da dignidade da pessoa humana e todas as determinações constantes em textos constitucionais, infraconstitucionais e outros recepcionados por nosso ordenamento jurídico, não podem ser vistas como fins a serem alcançados pelo Estado, sem implicações por descumprimento e sem prazo para tanto.

A proteção social completa, ainda que possa estar no texto constitucional classificada como normas programáticas não pode ser esquecida ou deixada de lado, pois no atual grau de evolução jurídica que se encontra o país, até mesmo as normas constitucionais programáticas não são mais vistas como meros conselhos, exortações sem força vinculante, simples orientações morais, sugestões éticas e tarefas realizáveis ao alvedrio de seus destinatários, em especial o legislador infraconstitucional e os Poderes Públicos, mas como normas verdadeiramente vinculativas, de observância cogente e realização imediata.

Até mesmo porque, não existe discricionariedade do legislador ou dos Poderes Públicos no que concerne à observância das normas constitucionais programáticas e ao momento de sua realização, mas somente no que atine à forma de concretização destas normas, não sendo permitido aos seus destinatários, valerem-se de questões de conveniência e oportunidade na aplicação destas normas, mas só na forma de aplicá-las.

Por estas razões, não se pode permitir que as proteções sociais e previdenciárias sejam relegadas a segundo plano, uma vez que comportam a mesma força normativa de garantias e direitos individuais como a liberdade.

Diante deste contexto, o Governo deveria fazer um esforço gigante para buscar a inclusão previdenciária de um número cada vez maior de brasileiros, o que, infelizmente, não acontece, prejudicando sobremaneira o Brasil como um todo, pois como já dissemos, o sucesso na inclusão previdenciária trará para o país não só uma maior arrecadação previdenciária, mas também, permitirá a construção de uma sociedade mais justa, com menor desigualdade social e mais dignidade para os que dela mais necessitam.

Para remediar esta situação e tornar realmente eficaz a inclusão previdenciária no Brasil, não existe segredo ou fórmula mágica, a saída é o conhecimento. Viver na ignorância é que afasta as pessoas da proteção previdenciária, arruína famílias inteiras, destrói lares e lança nas garras da assistência social um número expressivo de cidadãos que facilmente teriam garantidos seus direitos previdenciários caso tivessem um mínimo de conhecimento sobre como estes funcionam, como podem ser reivindicados e quais as vantagens de se manter filiado à Previdência Social.



1.4. Estrutura da Seguridade Social no Brasil

No Brasil, a seguridade social foi pensada para abranger as ações destinadas a criar, promover e manter a previdência social, a assistência social e a saúde.

A saúde e a assistência social são destinadas a todas as pessoas, bastando para usufruí-las, em alguns casos, apenas cumprir uma determinada condição sócio econômica, independentemente de qualquer contra prestação do beneficiário.

Já a Previdência Social é um sistema contributivo e depende do pagamento de contribuições para que se faça jus às suas prestações.

O artigo 194 da CF/88 determina que a seguridade social compreende um conjunto integrado de ações de iniciativa dos Poderes Públicos e da sociedade, destinadas a assegurar os direitos relativos à saúde, à previdência e à assistência social.

O parágrafo único do mesmo artigo, traz os princípios norteadores da seguridade social, sendo estes:

Art. 194. (...) Parágrafo único. Compete ao Poder Público, nos termos da lei, organizar a seguridade social, com base nos seguintes objetivos:

I - universalidade da cobertura e do atendimento;

II - uniformidade e equivalência dos benefícios e serviços às populações urbanas e rurais;

III - seletividade e distributividade na prestação dos benefícios e serviços;

IV - irredutibilidade do valor dos benefícios;

V - eqüidade na forma de participação no custeio;

VI - diversidade da base de financiamento;

VII - caráter democrático e descentralizado da administração, mediante gestão quadripartite, com participação dos trabalhadores, dos empregadores, dos aposentados e do Governo nos órgãos colegiados. (Redação dada pela Emenda Constitucional nº 20, de 1998).”

Como o foco aqui é a Previdência Social, vamos detalhar um pouco mais a estrutura da Previdência no Brasil hoje:

Existem basicamente quatro Regimes de Previdência no Brasil, sendo estes, o Regime Geral de Previdência Social – RGPS, destinado à iniciativa privada e àquelas pessoas que não estão vinculadas obrigatoriamente a algum sistema de previdência; o Regime Próprio de Previdência Social – RPPS, que protege os servidores públicos Federais, Estaduais e Municipais; o RPSM destinado aos militares e o Regime de Previdência Complementar – RPC.

No Brasil, a Previdência Social foi pensada não como um sistema de capitalização, como aqueles utilizados pelos bancos e instituições financeiras, onde o segurado, ou um conjunto destes, contribui para formar um fundo com lastro suficiente para cobrir as necessidades previdenciárias de seus integrantes, mas sim como um sistema de repartição, onde todos contribuem para um fundo comum, fazendo jus aos benefícios mediante o atendimento dos requisitos previstos nas normas previdenciárias. É o que se chama de pacto de gerações, baseado na solidariedade, onde os trabalhadores da ativa contribuem para financiar quem está na inatividade, esperando que, quando cheguem à inatividade, tenham mais trabalhadores na ativa financiando suas aposentadorias.

Este é um sistema que funciona perfeitamente enquanto a relação entre ativos e inativos é mantida em, pelo menos, 4 ativos para 1 inativo. No início do sistema previdenciário do Brasil, a relação entre ativos e inativos era muito alta, mais de 10 ativos para cada inativo, hoje, no entanto, estamos chegando perto de um empate, cada ativo “sustenta” um inativo, o que obviamente cria grandes problemas de ordem atuarial para o sistema, mas não justifica políticas perniciosas de redução de benefícios, aumento de tributos ou exigências mais rigorosas para a concessão de benefícios, mas sim, maior empenho e eficiência na inclusão previdenciária, sem olvidar, obviamente, das naturais e constantes mudanças exigidas pelo sistema.

1.5. Há Déficit na Previdência Social?

Não existe déficit na Previdência Social. Em verdade, os números são maquiados para gerarem o déficit anunciado pelo Governo Federal. O que ocorre é que, como dito, a Previdência Social faz parte da Seguridade Social e os recursos destinados a ela provêm de muitas fontes e não somente das contribuições previdenciárias diretas. Por exemplo, parte da arrecadação com concursos de prognóstico e parte da renda dos clubes com a venda de ingressos para as partidas de futebol devem ser revertidas para a arrecadação da Seguridade Social, além da COFINS, CPMF (quando existia) e Contribuição Social sobre o Lucro Líquido.

O artigo 195 da CF/88, define as fontes de receitas da seguridade social:

Art. 195. A seguridade social será financiada por toda a sociedade, de forma direta e indireta, nos termos da lei, mediante recursos provenientes dos orçamentos da União, dos Estados, do Distrito Federal e dos Municípios, e das seguintes contribuições sociais:



I - do empregador, da empresa e da entidade a ela equiparada na forma da lei, incidentes sobre: (Redação dada pela Emenda Constitucional nº 20, de 1998)

a) a folha de salários e demais rendimentos do trabalho pagos ou creditados, a qualquer título, à pessoa física que lhe preste serviço, mesmo sem vínculo empregatício; (Incluído pela Emenda Constitucional nº 20, de 1998)

b) a receita ou o faturamento; (Incluído pela Emenda Constitucional nº 20, de 1998)

c) o lucro; (Incluído pela Emenda Constitucional nº 20, de 1998)

II - do trabalhador e dos demais segurados da previdência social, não incidindo contribuição sobre aposentadoria e pensão concedidas pelo regime geral de previdência social de que trata o art. 201; (Redação dada pela Emenda Constitucional nº 20, de 1998)

III - sobre a receita de concursos de prognósticos.

IV - do importador de bens ou serviços do exterior, ou de quem a lei a ele equiparar. (Incluído pela Emenda Constitucional nº 42, de 19.12.2003)

§ 1º - As receitas dos Estados, do Distrito Federal e dos Municípios destinadas à seguridade social constarão dos respectivos orçamentos, não integrando o orçamento da União.

§ 2º - A proposta de orçamento da seguridade social será elaborada de forma integrada pelos órgãos responsáveis pela saúde, previdência social e assistência social, tendo em vista as metas e prioridades estabelecidas na lei de diretrizes orçamentárias, assegurada a cada área a gestão de seus recursos.

§ 3º - A pessoa jurídica em débito com o sistema da seguridade social, como estabelecido em lei, não poderá contratar com o Poder Público nem dele receber benefícios ou incentivos fiscais ou creditícios.

§ 4º - A lei poderá instituir outras fontes destinadas a garantir a manutenção ou expansão da seguridade social, obedecido o disposto no art. 154, I.

§ 5º - Nenhum benefício ou serviço da seguridade social poderá ser criado, majorado ou estendido sem a correspondente fonte de custeio total.

§ 6º - As contribuições sociais de que trata este artigo só poderão ser exigidas após decorridos noventa dias da data da publicação da lei que as houver instituído ou modificado, não se lhes aplicando o disposto no art. 150, III, "b".

§ 7º - São isentas de contribuição para a seguridade social as entidades beneficentes de assistência social que atendam às exigências estabelecidas em lei.

§ 8º O produtor, o parceiro, o meeiro e o arrendatário rurais e o pescador artesanal, bem como os respectivos cônjuges, que exerçam suas atividades em regime de economia familiar, sem empregados permanentes, contribuirão para a seguridade social mediante a aplicação de uma alíquota sobre o resultado da comercialização da produção e farão jus aos benefícios nos termos da lei. (Redação dada pela Emenda Constitucional nº 20, de 1998)

§ 9º As contribuições sociais previstas no inciso I do caput deste artigo poderão ter alíquotas ou bases de cálculo diferenciadas, em razão da atividade econômica, da utilização intensiva de mão-deobra, do porte da empresa ou da condição estrutural do mercado de trabalho. (Redação dada pela Emenda Constitucional nº 47, de 2005)

§ 10. A lei definirá os critérios de transferência de recursos para o sistema único de saúde e ações de assistência social da União para os Estados, o Distrito Federal e os Municípios, e dos Estados para os Municípios, observada a respectiva contrapartida de recursos. (Incluído pela Emenda Constitucional nº 20, de 1998)

§ 11. É vedada a concessão de remissão ou anistia das contribuições sociais de que tratam os incisos I, a, e II deste artigo, para débitos em montante superior ao fixado em lei complementar. (Incluído pela Emenda Constitucional nº 20, de 1998)

§ 12. A lei definirá os setores de atividade econômica para os quais as contribuições incidentes na forma dos incisos I, b; e IV do caput, serão não-cumulativas. (Incluído pela Emenda Constitucional nº 42, de 19.12.2003)

§ 13. Aplica-se o disposto no § 12 inclusive na hipótese de substituição gradual, total ou parcial, da contribuição incidente na forma do inciso I, a, pela incidente sobre a receita ou o faturamento. (Incluído pela Emenda Constitucional nº 42, de 19.12.2003)”

Sem qualquer análise de números, basta invocar a DRU para percebermos que não há déficit na Previdência Social, pois se assim fosse, seria a mesma situação de uma pessoa já devedora oferecendo empréstimo para outra, ou seja, uma pessoa que já tem suas contas no vermelho empresta dinheiro para outra. Isso não faz sentido e só acontece porque existem recursos suficientes na Previdência Social.

DRU – Desvinculação da Receita da União. Artigo 76 do ADCT.

Art. 76. É desvinculado de órgão, fundo ou despesa, até 31 de dezembro de 2011, 20% (vinte por cento) da arrecadação da União de impostos, contribuições sociais e de intervenção no domínio econômico, já instituídos ou que vierem a ser criados até a referida data, seus adicionais e respectivos acréscimos legais. (Redação dada pela Emenda Constitucional nº 56, de 2007)



§ 1º O disposto no caput deste artigo não reduzirá a base de cálculo das transferências a Estados, Distrito Federal e Municípios na forma dos arts. 153, § 5º; 157, I; 158, I e II; e 159, I, a e b; e II, da Constituição, bem como a base de cálculo das destinações a que se refere o art. 159, I, c, da Constituição. (Redação dada pela Emenda Constitucional nº 42, de 19.12.2003)

§ 2o Excetua-se da desvinculação de que trata o caput deste artigo a arrecadação da contribuição social do salário-educação a que se refere o art. 212, § 5o, da Constituição.(Incluído pela Emenda Constitucional nº 27, de 2000)

§ 3º Para efeito do cálculo dos recursos para manutenção e desenvolvimento do ensino de que trata o art. 212 da Constituição, o percentual referido no caput deste artigo será de 12,5 % (doze inteiros e cinco décimos por cento) no exercício de 2009, 5% (cinco por cento) no exercício de 2010, e nulo no exercício de 2011. (Incluído pela Emenda Constitucional nº 59, de 2009)

Somente para lembrarmos, podemos dizer que Contribuição Social é uma espécie de tributo com finalidade constitucionalmente definida, a saber, intervenção no domínio econômico, interesse de categorias profissionais ou econômicas e seguridade social.

Portanto, de tudo o que a Previdência Social arrecada, 20% é destacado e redirecionado para pagamento de outras contas do Governo Federal, tais como folha de pagamento e infra estrutura, quando deveria ficar com a própria previdência, que não é deficitária.

E pior, fontes seguras afirmam que o Governo vem, sistematicamente, desviando mais dos que os já generosos 20% legalmente permitidos pela DRU, em um verdadeiro assalto aos cofres da seguridade social, conforme se observa pela seguinte notícia:

Em informação divulgada pela ANFIP, os auditores afirmam que, no ano de 2004, o governo ultrapassou o limite legal de 20%, aplicados sobre receitas de contribuições (DRU), que são livres para utilização em qualquer despesa. “A ANFIP afirma que R$ 17,63 bilhões de recursos desvinculados da seguridade social estão acima dos 20% permitidos pela DRU, ou seja, além de desviar o que a lei permite, o governo Lula foi além. Com base em informações extraídas do Siafi (Sistema Integrado de Administração Financeira), do fluxo de caixa do INSS e do Tesouro Nacional, os fiscais da Previdência concluíram que o governo federal ultrapassou o limite legal da DRU... Os auditores da Previdência destacam que essa não foi uma peculiaridade de 2004. Entre 2000 e 2004, foram utilizados R$ 165 bilhões da seguridade social para contribuir com o superávit primário. Desse montante, R$ 76,84 bilhões teriam excedido o limite permitido para desvinculação das contribuições” (Folha de S. Paulo, 11/4/05).”

Ao contrário do que normalmente é divulgado pelo Governo Federal, sem qualquer análise crítica, a previdência social e a seguridade social não são deficitárias. Uma melhor saúde financeira não depende de corte de benefícios, restrições de direitos ou de maior tributação, mas sim, da inclusão previdenciária de todos os trabalhadores que vivem na informalidade, sem proteção previdenciária.

Para ilustrar melhor o que estamos dizendo, observem-se os seguintes números: De janeiro a abril de 2011 – de acordo com dados extraídos do Boletim Estatístico da Previdência Social4o INSS arrecadou R$ 114.176.639.000,00 (cento e catorze bilhões cento e setenta e seis milhões e seiscentos e trinta e nove mil reais). Do valor total arrecadado, R$ 81.018.166.896.000,00 (oitenta e um bilhões dezoito milhões cento e sessenta e seis mil e oitocentos e noventa e seis reais) derivam de contribuições de empresas, contribuintes individuais e outras fontes, 17,03% a mais do que o arrecadado no mesmo período do ano de 2010.

Em contrapartida, de janeiro a abril de 2011, foram gastos com benefícios previdenciários do RGPS o total de R$ 86.662.279.000,00 (oitenta e seis bilhões seiscentos e sessenta e dois milhões e duzentos e setenta e nove mil reais). Considerando o valor total arrecadado, o INSS obteve um superávit de R$ 27.514.360,00 (vinte e sete bilhões quinhentos e catorze milhões e trezentos e sessenta mil reais)5.

As fontes totais de receita do RGPS decorrem de: Empresas (e entidades equiparadas); Contribuinte individual (incluindo o segurado facultativo); Débito administrativo; Devolução de benefício; Patrimônio; Dívida ativa; Acréscimos legais; Outras receitas; Receita ignorada6. Dessas fontes, apenas explicitar-se-á, aqui, as pagas pelas empresas e entidades equiparadas e dos contribuintes individuais, pois são dessas duas que derivam as chamadas contribuições sociais.

Das empresas (ou entidades equiparadas), em abril de 2011, o INSS arrecadou R$ 17.490.593.585.000,00 (dezessete bilhões quatrocentos e noventa milhões quinhentos e noventa e três mil reais). Com relação aos contribuintes individuais (incluindo os segurados facultativos), a arrecadação, no mesmo mês, foi de R$ 656.512.615,00 (seiscentos e cinqüenta e seis milhões quinhentos e doze mil e seiscentos e quinze reais). A arrecadação dos dois juntos equivale a 90,44% da arrecadação total do mês de abril de 2011, que foi de R$ 20.064.245.148.000,00 (vinte bilhões sessenta e quatro milhões duzentos e quarenta e cinco mil e cento e quarenta e oito reais).


  1   2   3   4


©principo.org 2016
enviar mensagem

    Página principal