Profilaxia do tétano e da raiva



Baixar 35.04 Kb.
Encontro04.08.2016
Tamanho35.04 Kb.
PROFILAXIA DO TÉTANO e DA RAIVA

TÉTANO

A indicação da vacina, do soro heterólogo (imunoglobulina eqüina- SAT) e do soro homólogo (imunoglobulina humana - IgT) depende da história vacinal e do tipo de ferimento.




Vacina prévia

Tipo de ferimento





Limpo / superficial

Contaminado / profundo




Vacina

SAT / IgT

Vacina

SAT / IgT

Ausência, incerta ou < 3 doses

SIM

NÃO

SIM

SIM

3 ou mais doses e última < 5anos

NÃO

NÃO

NÃO

NÃO

3 ou mais doses e última entre 5-10 anos

NÃO

NÃO

SIM

NÃO

3 ou mais doses e última há > 10 anos

SIM

NÃO

SIM

NÃO















Observações:



  1. Feridas contaminadas/profundas são: as que tiveram contato com terra, esterco, fezes e saliva; as perfurantes e avulsas; as que resultaram de projéteis, esmagamento, queimadura e congelamento.

  2. IgT=250, U dose única IM. SAT é realizado quando falta IgT =5.000, U dose única IM, após teste de sensibilidade.

  3. DPT ou dT em < 7anos; dT em > 7 anos.

  4. Use uma seringa para cada um dos produtos e aplique em locais diferentes.

  5. Encaminhe para completar vacinação.


RAIVA


A tarefa do urgentista que trabalha em serviços que não disponibilizam vacina para o público é apenas de indicar a vacina e o soro anti – rábico (SAR). Não é recomendado esquema vacinal ou o produto (Fuenzalida Palacios ou de Cultivo Celular ). Mas, para que a orientação seja bem dirigida, há necessidade de padronizar alguns itens:



  • ANIMAIS TRANSMISSORES: cão, gato, morcego, sagui, raposa, macaco, lobo, timbu, bovinos;

  • ANIMAIS NÃO TRANSMISSORES: roedores ( rato de esgoto, de telhado, camundongos, gabiru, cobaia porquinho da Índia ou preá, hamster e coelho); aves (papagaio e outras ); répteis (cobra e outros );

  • A vacinação do animal agressor não muda a conduta. Não muda a orientação, também, se o animal vive em casa, sem contato com os de rua ou o fato daquele ser um “vira-lata vadio “;

  • A observação por 10 dias só é válida para CÃO e GATO;

  • A agressão por morcego é acidente GRAVE e justifica a aplicação do SAR e da VACINA;

  • Acidentes com pacientes imunodeprimidos são considerados graves; indique o SAR e a VACINA. Em casos de reexposição, mesmo com vacinação anterior, estão indicados o SAR e a vacina;

  • A ferida nunca deve ser suturada, nem submetida a curativo oclusivo. Quando necessário, no máximo, aproximar os bordos da lesão com pontos isolados. Lavar com água e sabão;

  • Não sacrificar animal agressor e potencialmente transmissor da raiva. O cadáver completo ou a cabeça, conservada em gelo, devem ser encaminhados ao Laboratório de Patologia Animal da Universidade Federal Rural de Pernambuco, em Dois Irmãos. Fone 441-3570 e 441-6311;

  • Outros telefones úteis para esclarecimentos:

Prefeitura - Vigilância e Busca Animal - 241-5652

Prefeitura - Serviço de Epidemiologia - 1520



  • Indique profilaxia anti-tetânica nos indivíduos não protegidos ou com esquema vacinal incompleto.

ROTINA DA PROFILAXIA


PRIMO EXPOSIÇÃO - PRIMOVACINAÇO: a indicação da profilaxia depende da condição do animal agressor e da natureza da exposição.

QUADRO DE ORIENTAÇÃO



REEXPOSIÇÃO – REVACINAÇÃO:

Se o indivíduo não foi vacinado na agressão anterior, a atual exposição é considera como a primeira. Neste caso, consultar a tabela acima, para avaliar se a atual agressão implica ou não na indicação da primovacinação. Se a criança foi vacinada anteriormente, a atual exposição dependendo do tipo de lesão e da condição do animal; pode ser considerada REEXPOSIÇÃO e, nessa situação, pode haver necessidade de REVACINAÇÃO.

A revacinação está indicada quando há exposição grave a animais com elevado potencial de transmissão da doença.


  • EXPOSIÇÃO GRAVE: lambedura em mucosa, mordedura em cabeça, pescoço e mão, mordedura múltipla e/ou profunda em qualquer região do corpo e arranhadura profunda por gato;

  • CONDIÇÃO DO ANIMAL: cão e gato raivosos, suspeitos, desaparecidos ou mortos, outros animais domésticos, morcego e animais silvestres.

INDICAÇÃO DA VACINAÇÃO ANTI-RÁBICA EM CRIANÇAS COM ANTECEDENTE

VACINAL, COM VACINA DE FUENZALIDA-PALACIOS

ESQUEMA ANTERIOR

PERÍODO APÓS ÚLTIMA DOSE

REVACINAR

3 doses alternados ou

QUALQUER PERÍODO

SIM

5 doses consecutivos







7doses + 2 reforços ou

até 90 dias

NÃO

10 doses + 3 reforços + SAR

após 90 dias

SIM










Encaminhar para que os profissionais que trabalham no Posto de Saúde indiquem o esquema vacinal.

ESQUEMA PARA PROFILAXIA ANTI-RÁBICA COM VACINA CULTIVO CELULAR




NATUREZA DA EXPOSIÇÃO

CONDIÇÃO DO ANIMAL

CONDUTA

Lesão leve

animal em observação

observar 10 dias

Lesão leve

animal suspeito, desaparecido

raivoso, silvestre



VACINAR 0-3-7

14-21º dia



Lesão grave

animal em observação

VACINAR 0-3-7ºdia

+ obs.10dias



Lesão grave

animal suspeito, desaparecido

raivoso ou silvestre



SOROVACINA

0-3-7-14-21ºdia





REAÇÕES VACINAIS: consulte o capítulo sobre eventos adversos das vacinas


©principo.org 2016
enviar mensagem

    Página principal