Programa de disciplina



Baixar 25.01 Kb.
Encontro29.07.2016
Tamanho25.01 Kb.
UEM – UNIVERSIDADE ESTADUAL DE MARINGÁ

PLE – PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM LETRAS (Mestrado)

ÁREA DE CONCENTRAÇÃO: ESTUDOS LINGÜÍSTICOS


PROGRAMA DE DISCIPLINA

Nome:

A Diversidade de Línguas no Brasil

Código:

PLE4042 – Eletiva

Créditos:

04 (quatro)

CH:

60 horas/aula

Prof. (a):

Dr.ª Cláudia Netto do Valle







Ementa:


Estudo das diversas línguas minoritárias brasileiras (indígenas ou negras) em seus traços diferenciados mais amplos, em especial, os principais processos enunciativos identitários, decorrentes dos 500 anos de mescla lingüística e social.


Objetivo(s):


  1. Promover o estudo das línguas minoritárias brasileiras, indígenas ou negras.

  2. Estabelecer diferenciações entre a tradição oral do Novo Mundo e a tradição letrada da administração colonial.

  3. Levantar questões sobre as línguas gerais que se formaram.

  4. Refletir acerca dos desdobramentos mais contemporâneos.

  5. Problematizar acerca dos diferentes processos de manutenção e recriação de algumas línguas minoritárias.




Programa:


  1. Norma padrão, variação lingüística e ensino de língua.

  2. A diversidade de línguas no Brasil ou Brasil: um país multilingüe.

  3. Diversidade de línguas, diversidade de culturas.

3.1. A inter e a transdisciplinaridade: uma necessidade metodológica.

  1. A tradição oral do Novo Mundo: o tupi falado na Costa e os jê dos sertões e sua língua “quebrada”.

  2. As línguas gerais nos centros comerciais da colônia.

  3. A gestação do português do Brasil e os falares crioulos.

  4. Mescla lingüística, culturas híbridas.

7.1. O “ideal” monolíngüe.

  1. Estudo de caso. Os povos “minoritários” e a língua nativa na construção de enunciados identitários.

8.1. O Cafundó.

8.2. Os pataxó.

8.3. Os kaingáng: sociedade e uso da língua

8.3.1. A ortografia kaingáng

8.3.2. A ortografia das línguas “minoritárias” no Brasil.


    1. Os guarani: língua e cultura.

8.4.1. A situação de uso da língua nos diferentes subgrupos guarani.



Bibliografia:


BOSI, Alfredo. Dialética da colonização. São Paulo: Companhia das Letras, 1992.

BONNICI, Thomas. O pós-colonialismo e a literatura: estratégias de leitura, Maringá: EDUEM, 2000.

BURKE, P.; PORTER, R. Línguas e conquistadores. In: Linguagem, indivíduo e sociedade: história social da linguagem. São Paulo: Editora da UNESP, 1993.

CADOGAN, Leon. Ayvu Rapyta, Asunción: Biblioteca Paraguaya de Antropología – v. XVI, Fundación “León Cadogan”, CEADUC/CEPAG, 1992.

CARDONA, Giorgio Raimondo. Los lenguajes del saber. Barcelona: Gedisa Editorial, 1994.

CAMARA JR, Joaquim Mattoso. Introdução às língua indígenas brasileiras. 3a. Ed., Rio de Janeiro: Ao Livro Técnico, 1979.

CANCLINI, Nestor Garcia. Culturas híbridas: estratégias para entrar e sair da modernidade, 2 ed., São Paulo: Edusp, 1998.

CAVALLI-SFORZA, Luigi Luca. Genes, povos e línguas. São Paulo: Companhia das Letras, 2003.

CLASTRES, Pierre. A fala sagrada: mitos e cantos sagrados dos índios guarani, Campinas: Papirus, 1990.

DELL HYMES, “Posfácio”, In: Linguagem, indivíduo e sociedade: história social da linguagem. Peter Burke e Roy Porter (orgs.), São Paulo: Editora da UNESP, 1993.

FINNEGAN, R. Oral traditions and the verbal art. London: Routledge, 1992.

GIFRE, Emma M. Aspectos lingüísticos Del descubrimiento y de la conquista. Madrid: Consejo Superior de Investigaciones Científicas, 1988.

HOBSBAUM, Eric & RANGER, Terence. A invenção das tradições, 2a. Ed., Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1997.

HOLANDA, Sérgio Buarque de. A língua-geral em São Paulo. In: SCHADEN, Egon. Leituras de Etnologia Brasileira. São Paulo: Companhia Editora Nacional, 1976, p. 410-420.

JUNQUEIRA, Carmen. Antropologia indígena: uma introdução, São Paulo: EDUC, 2002.

LEON-PORTILLA, Miguel. El destino de la palavra. México: Fondo de Cultura Económica, 1997.

PATAXÓ, Kanátyo. Txopai itohã. Belo Horizonte: MEC/SEE, 1997.

RIBEIRO, Darcy. O povo brasileiro: a formação e o sentido do Brasil. 2a. Ed., São Paulo: Companhia das Letras, 1998.

RODRIGUES, Aryon Dall’Igna. Línguas Brasileiras. São Paulo: Loyola, 1994.

ROMUALDO, Jonas de Araújo. Linguagem e estratificação social. Cadernos de Estudos Lingüísticos, v. 2, p. 11-22, 1981.

QUEIXALÓS, F; RENAULT-LESCURE, O. (orgs.) As línguas amazônicas hoje. São Paulo: Instituto Socioambiental, 2000.

TARALLO, Fernando & ALKMIN, Tânia. Falares crioulos: línguas em contato, São Paulo: Ática, 1987.

ORLANDI, Eni Pulcinelli (org.) Política lingüística na América Latina, Campinas, SP: Pontes, 1988.

VALLE, Cláudia Netto do. Sou brasileiro, baiano, pataxó, São Paulo: 7 de abril de 2000, 235 pgs. Doutorado em Ciências Sociais, área de Antropologia, PUC/SP.

VERMES, G.; BOUTET, J. Multilinguismo. Campinas: Editora da UNICAMP, 1989.

VOGT, Carlos & FRY, Peter. Cafundó, a África no Brasil: linguagem e sociedade, São Paulo: Companhia das Letras, 1996.




Aprovação

Colegiado:

30/05/2006.



©principo.org 2016
enviar mensagem

    Página principal