Programa fgv management



Baixar 147.79 Kb.
Encontro21.07.2016
Tamanho147.79 Kb.


FUNDAÇÃO GETÚLIO VARGAS

MBA em TÍTULO DO MBA


Trabalho de Conclusão de Curso (TCC): TÍTULO DO TRABALHO.


NOME DO ALUNO:


DATA/ANO
FUNDAÇÃO GETÚLIO VARGAS

PROGRAMA FGV MANAGEMENT

PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU – NÍVEL DE ESPECIALIZAÇÃO
TÍTULO DO TRABALHO.

NOME DO ALUNO

ORIENTADOR: NOME
TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO DE MBA EM GESTÃO DE NEGÓCIOS IMOBILIÁRIOS E DA CONSTRUÇÃO CIVIL – FGV MANAGEMENT

PUBLICAÇÃO: NÚMERO DA PUBLICAÇÃO

BRASÍLIA/DF: DATAANO

NOME DO ALUNO


TÍTULO DO TRABALHO.

Coordenador Acadêmico: NOME


Orientador do TCC: NOME

Trabalho de Conclusão de Curso apresentado ao Curso

MBA em Gestão de Negócios Imobiliários e da Construção Civil

de Pós-Graduação lato sensu, Nível de Especialização,

do Programa FGV Management como pré-requisito para

a obtenção do título de Especialista


TURMA: MBA GNICC 9

Brasília – DF

2015

O Trabalho de Conclusão de Curso





NOME DO TRABALHO.

elaborado por NOME DO ALUNO e aprovado pela Coordenação Acadêmica foi aceito como pré-requisito para a obtenção do MBA em Gestão de Negócios Imobiliários e da Construção Civil, Curso de Pós-Graduação lato sensu, Nível de Especialização, do Programa FGV Management.


Data da aprovação: DATA

_________________________________________________________

Coordenador Acadêmico: NOME


_________________________________________________________

Professor Orientador do TCC: NOME

TERMO DE COMPROMISSO
O aluno NOME DO ALUNO, abaixo-assinado, do Curso de Gestão de Negócios Imobiliários e da Construção Civil, do Programa FGV Management, realizado nas dependências da instituição conveniada da Fundação Getúlio Vargas na Av. L2 Norte – Quadra 602, Mód. “A”, “B” e “C” – Brasília - DF, no período de 28 de fevereiro de 2014 a 21 de setembro de 2015, declara que o conteúdo do trabalho de conclusão de curso intitulado: TÍTULO DO TRABALHO é autêntico, original, e de sua autoria exclusiva.

Brasília, DATA.


________________________________________



NOME DO ALUNO













Dedicatória.


Dedico este trabalho à escrever dedicatória ....

AGRADECIMENTOS
ESCREVER AGRADECIMENTOS.

RESUMO
TÍTULO DO TRABALHO.
Autor: NOME DO AUTOR

Orientador: NOME DO ORIENTADOR

MBA em Gestão de Negócios Imobiliários e da Construção Civil

Brasília, DATA

RESUMO DO TRABALHO
Palavras-chave: escrever palavras chave

ABSTRACT
TÍTULO DO TRABALHO TRADUZIDO (INGLÊS).
Author: NOME DO AUTOR

Supervisor: NOME DO ORIENTADOR

MBA in Real Estate and Civil Construction Management

Brasilia, DATA

RESUMO TRADUZIDO EM INGLÊS

Keywords: escrever palavras chave em inglês



SUMÁRIO

v

1INTRODUÇÃO 1

4.1 MOTIVAÇÃO 2

4.2 JUSTIFICATIVA 2

4.3 OBJETIVOS 2



4.3.1Geral 2

4.3.2Específicos 3

4.4 ESTRUTURAÇÃO DO TRABALHO 3



5REVISÃO BIBLIOGRÁFICA 4

5.1 SUBTÍTULO 1 (COLOCAR O TEMA PERTINENTE) 4

5.2 SUBTÍTULO 2 (COLOCAR O TEMA PERTINENTE) 4

5.3 SUBTÍTULO 3 (COLOCAR TEMA PERTINENTE) 4

5.4 ESTRUTURA ANALÍTICA DE PROJETO (EAP) 5

6METODOLOGIA DO TRABALHO 11

6.1 SUBTÍTULO 1 DA METODOLOGIA (COLOCAR TEMA PERTINENTE) 11



7RESULTADOS OBTIDOS 12

7.1 SUBTÍTULO 1 DE RESULTADOS (COLOCAR TEMA PERTINENTE) 12



8CONCLUSÕES E SUGESTÕES PARA TRABALHOS FUTUROS 13

8.1 SUGESTÕES PARA TRABALHOS FUTUROS 13



REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS 14

APÊNDICES 15

APÊNDICE A– 16

(COLOCAR APÊNDICE A, SE HOUVER) 16

APÊNDICE B – 17

(COLOCAR APÊNDICE B, SE HOUVER) 17



ANEXOS 18

ANEXO A 19

ANEXO B 20


LISTA DE TABELAS


Tabela 1.1 – Exemplo de Tabela 2

Tabela 2.2 – EAP sintética (Modificado de Mattos, 2010) 8

Tabela 2.3 – As propriedades de uma EAP (Modificado de Mattos, 2010) 9

Tabela 2.4 – Benefícios de uma EAP (Modificado de Mattos, 2010) 9

Tabela 3.5 – Aplicação das melhores práticas 11


LISTA DE FIGURAS


Figura 1.1 – Curva de crescimento do número de usuários da internet no mundo de 1993 a 2014 (O Globo, 2014) 1

Figura 2.2 – Criar a EAP: Entradas, ferramentas e técnicas e saídas (PMI, 2013) 6

Figura 2.3 – Criar o diagrama de fluxo de dados da EAP (PMI, 2013) 7

Figura 2.4 – Estrutura Analítica de Projeto de um Edifício (Modificado de Mattos, 2010) 8

Figura 3.5 – Exemplo de figura 11

Figura 4.6 – Exemplo de figura de resultados 1 12

Figura 4.7 – Exemplo de figura de resultados 2 12


LISTA DE SÍMBOLOS, NOMENCLATURA E ABREVIAÇÕES


ABNT -

Associação Brasileira de Normas Técnicas

CONFEA -

Conselho Federal de Engenharia e Agronomia

CREA -

Conselho Regional de Engenharia e Agronomia

FGV -

Fundação Getúlio Vargas

NBR -

Norma Brasileira

UnB -

Universidade de Brasília

VGV -

Valor Geral de Vendas


















  1. INTRODUÇÃO

Os sistemas atuais de ... (escrever introdução com citação das fontes – exemplo: Oliveira, 2013)


Exemplo 2: Os recursos de tecnologia em sala de aula têm aumentado e melhorado na última década, dando aos professores uma maior flexibilidade para permitir que os alunos utilizem a tecnologia como ferramentas para estender suas habilidades cognitivas (Wang, Hsu, Reeves, Coster, 2014).
Exemplo 3: O número de usuários da internet decuplicou de 1999 a 2013. O primeiro bilhão de usuários foi atingido em 2005, o segundo em 2010 e o terceiro será atingido no final de 2014. Existem 1.018.316.014 sites na web e, em termos de número de usuários ativos, o Facebook tem 1.281.842.250, o Google+ tem 563.984.078, o Twitter tem 286.389.899 e o Pinterest possui 42.924.283 (O Globo, 2014).
Apresenta-se na Figura 1 .1 a curva de crescimento do número de usuários da internet no mundo de 1993 a 2014 de acordo com uma reportagem publicada no O Globo (2014).

Figura 1.1 – Curva de crescimento do número de usuários da internet no mundo de 1993 a 2014 (O Globo, 2014)


A cada segundo são postados 7.417 tweets, 1.205 fotos são subidas para o Instagram, 1.414 posts são criados no Tumblr, 1.500 ligações são feitas no Skype, é gerado um tráfego de 22.654 GB na internet, são feitas 44.929 buscas no Google, são vistos 86.403 vídeos no YouTube e são enviados 2.322.492 de E-Mails (O Globo, 2014).
Em 2014, os dez países com mais usuários na internet foram: China, EUA, Índia, Japão, Brasil, Rússia, Alemanha, Nigéria, Reino Unido e França, nesta ordem. A China tem 641.601.070 internautas, mais que o dobro dos EUA (279.834.232 usuários). O Brasil está em 5º lugar, com 107.822.831 internautas (O Globo, 2014).

    1. MOTIVAÇÃO

De acordo com...


Escrever a motivação do seu trabalho.

Tabela 1.1 – Exemplo de Tabela



A

B

C

D

10

20

30

40

5

12

15

18














    1. JUSTIFICATIVA


Diante dos cenários e fatos apresentados, (colocar a justificativa do seu trabalho).


    1. OBJETIVOS


Apresentam-se nos Itens 1.3.1 e 1.3.2 os objetivos gerais e específicos deste trabalho.

      1. Geral



COLOCAR OBJETIVO GERAL DO TRABALHO.

      1. Específicos


Como objetivos específicos destacam-se: 
COLOCAR OBJETIVO ESPECÍFICO
COLOCAR OBJETIVO ESPECÍFICO

    1. ESTRUTURAÇÃO DO TRABALHO

Este trabalho está estruturado em COLOCAR QUANTIDADE DE CAPÍTULOS.


No primeiro capítulo, é apresentada uma abordagem geral da pesquisa, com a introdução do tema, a motivação, a justificativa deste estudo e os seus objetivos.
No segundo capítulo apresenta-se a revisão bibliográfica dos temas relacionados a este trabalho.
No terceiro capítulo apresenta-se o desenvolvimento da metodologia proposta.
No quarto capítulo são apresentados os resultados obtidos no trabalho.
O quinto capítulo reporta às conclusões obtidas neste trabalho.

  1. REVISÃO BIBLIOGRÁFICA


Neste capítulo será apresentada uma breve revisão bibliográfica sobre o tema abordado neste trabalho.

    1. SUBTÍTULO 1 (COLOCAR O TEMA PERTINENTE)


De acordo com Mattos (2010) ...

Segundo Silva (2012), ....


(DESENVOLVER A REVISÃO BIBLIOGRÁFICA DO TRABALHO COM CITAÇÃO DE FONTES E DATAS)


    1. SUBTÍTULO 2 (COLOCAR O TEMA PERTINENTE)

Os pesquisadores Lima (1961), Saffell (1980).... DESENVOLVER TEXTO



    1. SUBTÍTULO 3 (COLOCAR TEMA PERTINENTE)

Fulano e Ciclano (2013) afirmam que ....



EXEMPLO DE SUBTÍTULO 4
    1. ESTRUTURA ANALÍTICA DE PROJETO (EAP)

Segundo o PMI (2013), o gerenciamento do escopo de um projeto inclui os processos necessários para assegurar que o projeto inclui todo o trabalho necessário, e apenas o necessário, para terminar o projeto com sucesso. O gerenciamento do escopo do projeto está relacionado principalmente com a definição e controle do que está e do que não está incluso no projeto.


O escopo de um projeto inclui os seguintes passos:
● Planejar o gerenciamento do escopo: processo de criar um plano de gerenciamento do escopo do projeto que documenta como tal escopo será definido, validado e controlado.

● Coletar os Requisitos: processo de determinar, documentar e gerenciar as necessidades e requisitos das partes interessadas a fim de atender aos objetivos do projeto.

● Criar a EAP: o processo de subdivisão das entregas e do trabalho do projeto em componentes menores e mais facilmente gerenciáveis.

● Validar o escopo: o processo de formalização da aceitação das entregas concluídas no projeto.

● Controlar o escopo : o processo de monitoramento do andamento do escopo do projeto e do produto e gerenciamento das mudanças feitas na linha de base do escopo.

Esses processos interagem entre si e com os de outras áreas de conhecimento.


No contexto do projeto, o termo escopo pode se referir ao:

● Escopo do produto: as características e funções que caracterizam um produto, serviço ou resultado; e/ou

● Escopo do projeto: o trabalho que deve ser realizado para entregar um produto, serviço ou resultado com as características e funções especificadas. O termo escopo do projeto às vezes é visto incluindo o escopo do produto.
Os processos usados para gerenciar o escopo do projeto, bem como as ferramentas e técnicas de suporte, podem variar por projeto. A linha de base do escopo para o projeto é a versão aprovada da especificação do escopo do projeto, da estrutura analítica do projeto (EAP), e o respectivo dicionário da EAP. Uma linha de base só pode ser alterada através de procedimentos formais de controle de mudança e é usada como uma base de comparação durante a execução dos processos Validar o escopo e Controlar o Escopo, bem como outros processos de controle.
Criar a EAP é o processo de subdivisão das entregas e do trabalho do projeto em componentes menores e mais facilmente gerenciáveis. O principal benefício desse processo é o fornecimento de uma visão estruturada do que deve ser entregue. As entradas, ferramentas e técnicas, e saídas desse processo estão ilustradas na Figura 2 .2. A Figura 2 .3 ilustra o diagrama de fluxo de dados do processo (PMI, 2013).

Entradas:

1. Plano de gerenciamento do escopo

2. Declaração do escopo

3. Documentação de requisitos

4. Fatores ambientais da empresa

5. Ativos de processos organizacionais



Ferramentas e Técnicas:

1. Decomposição

2. Julgamento por um especialista

Saídas:

1. Linha de base do escopo

2. Atualizações dos documentos do projeto


seta para a direita 4556

Figura 2.2 – Criar a EAP: Entradas, ferramentas e técnicas e saídas (PMI, 2013)


Gestão do Escopo de um Projeto

Documentação de Projeto



retângulo de cantos arredondados 4574

5.1 – Planejar a Gestão do Escopo



forma livre 4604


forma livre 4576
● Plano de gerenciamento do Escopo

4.2 – Desenvolver plano de gerenciamento do projeto


5.2 – Coletar requisitos


5.3 - Definir o Escopo



conector reto 4607 conector de seta reta 4608


6.2 – Definir Atividades



forma livre 4578 forma livre 4602


conector de seta reta 4609
● Documentação dos requisitos

● Declaração do escopo do projeto


Empresa / Organização


5.4 – Criar a EAP

7.2 – Estimar Custos


● Atualização dos documentos do projeto


7.3 – Determinar Orçamento



conector de seta reta 4577 forma livre 4605 conector de seta reta 4606
● Linha de base do escopo

● Fatores ambientais da empresa

conector de seta reta 4610
● Ativos de processos organizacionais

5.5 – Validar o Escopo


11.2 – Identificar Riscos




conector de seta reta 4611

11.3 – Executar Análise Qualitativa de Riscos




conector de seta reta 4960

Figura 2.3 – Criar o diagrama de fluxo de dados da EAP (PMI, 2013)


A EAP é uma decomposição hierárquica do escopo total do trabalho a ser executado pela equipe do projeto a fim de alcançar os objetivos do projeto e criar as entregas requeridas. A EAP organiza e define o escopo total do projeto e representa o trabalho especificado na atual declaração do escopo do projeto aprovada (PMI, 2013).
Dá-se o nome de escopo ao conjunto de componentes que perfazem o produto e os resultados esperados do projeto. Em outras palavras, é a abrangência, o alcance do projeto como um todo. Para se planejar uma obra é preciso subdividi-la em partes menores. Esse processo é chamado de decomposição (Mattos, 2010).
Na apresenta-se uma EAP que desce até o 3º nível, desmembrando o escopo total em sete pacotes de trabalho. A atividade Telhado presumivelmente engloba o madeiramento (terças, caibros e ripas) e a colocação das telhas. O pacote Fundação se desdobra em duas atividades (escavação e concretagem de estacas).

Edifício

conector reto 4128

Fundação


Estrutura

Acabamento
conector reto 4129 conector reto 4130 conector reto 4131 conector reto 4132





Figura 2.4 – Estrutura Analítica de Projeto de um Edifício (Modificado de Mattos, 2010)


Outro formato possível para a EAP é a listagem analítica ou sintética. Esse é o formato com que os principais softwares de planejamento trabalham. A essência da EAP sintética pode ser explicada da seguinte maneira: cada novo nível da EAP é “indentado” em relação ao anterior, isto é, as atividades são alinhadas mais internamente. Tarefas de um mesmo nível têm o mesmo alinhamento. Quanto mais “indentadas” as atividades, menor o nível a que pertencem.
A EAP sintética geralmente vem associada a uma numeração lógica, segundo a qual cada novo nível ganha um dígito a mais. A EAP sintética presta-se muito bem para relatórios. A EAP da teria a aparência no formato sintético conforme apresentado na Tabela 2 .2.
Tabela 2.2 – EAP sintética (Modificado de Mattos, 2010)

Atividade

0

Edifício

1

1 Fundação

2

1.1 Escavação de estacas

3

1.2 Concretagem de estacas

4

2 Estrutura

5

2.1 Alvenaria

6

2.2 Telhado

7

2.3 Instalações

8

3 Acabamento

9

3.1 Revestimento

10

3.2 Pintura

As propriedades e os benefícios de uma EAP são apresentados na Tabela 2 .3 e na Tabela 2 .4 respectivamente.


Tabela 2.3 – As propriedades de uma EAP (Modificado de Mattos, 2010)




Propriedade

1

Cada nível representa um refinamento do nível imediatamente superior

2

As subtarefas representam 100% do escopo da tarefa do nível imediatamente superior (regra dos 100%), ou seja, se um pacote de trabalho é desmembrado em três atividades, elas representam a totalidade do alcance do pacote de trabalho

3

A soma do custo dos elementos de cada nível é igual a 100% do nível imediatamente superior

4

O custo de cada elemento da estrutura equivale à soma dos custos dos elementos subordinados

5

Juntas, as atividades de nível mais baixo nos diversos ramos da EAP representam o escopo total do projeto

6

Uma mesma atividade não pode estar em mais de um ramo

7

Duas atividades são mutuamente excludentes: não pode haver sobreposição de trabalho entre elas (seria uma redundância desnecessária)

8

Atividades não incluídas na EAP não tomam parte do projeto

9

As atividades são relacionadas em ordem lógica de associação de ideias, não em ordem cronológica

10

As atividades de nível mais baixo são mensuráveis e podem ser atribuídas a um responsável (pessoa ou equipe)

Tabela 2.4 – Benefícios de uma EAP (Modificado de Mattos, 2010)






Benefício

1

Ordena o pensamento e cria uma matriz de trabalho lógica e organizada

2

Individualiza as atividades que serão as unidades de elaboração do cronograma

3

Permite o agrupamento das atividades em famílias correlatas

4

Facilita o entendimento das atividades consideradas e do raciocínio utilizado na decomposição dos pacotes de trabalho

5

Facilita a verificação final por outras pessoas

6

Facilita a localização de uma atividade dentro de um cronograma extenso

7

Facilita a introdução de novas atividades

8

Facilita o trabalho de orçamentação porque usa atividades mais precisas e palpáveis

9

Permite a atribuição de códigos de controle que servem para alocação dos custos incorridos no projeto

10

Evita que uma atividade seja criada em duplicidade

Apresenta-se no Capítulo 3 a metodologia utilizada neste trabalho.



  1. METODOLOGIA DO TRABALHO

A metodologia utilizada neste trabalho foi ... (EXPLICAR A METODOLOGIA UTILIZADA).


Tabela 3.5 – Aplicação das melhores práticas



A

B

20

30

Utilizando-se a teoria apresentada na Revisão Bibliográfica montou-se.... (DESENVOLVER TEXTO)



    1. SUBTÍTULO 1 DA METODOLOGIA (COLOCAR TEMA PERTINENTE)

Com base nos conceitos apresentados na revisão bibliográfica... (DESENVOLVER TEXTO)


Figura 3.5 – Exemplo de figura
  1. RESULTADOS OBTIDOS

Os resultados obtidos neste trabalho foram: (explicar os resultados obtidos).


Figura 4.6 – Exemplo de figura de resultados 1



    1. SUBTÍTULO 1 DE RESULTADOS (COLOCAR TEMA PERTINENTE)

Apresenta-se na Error: Reference source not found a demonstração dos conceitos abordados no item 3.1 deste trabalho.

Figura 4.7 – Exemplo de figura de resultados 2

Observa-se na Figura 4.2 os



  1. CONCLUSÕES E SUGESTÕES PARA TRABALHOS FUTUROS

A utilização do ... (DESENVOLVER TEXTO DE CONCLUSÕES)


Com a elaboração deste trabalho, acredita-se que foi possível:
• Propor (DESENVOLVER TEXTO)
• Organizar (DESENVOLVER TEXTO)


    1. SUGESTÕES PARA TRABALHOS FUTUROS

A busca incessante por ... (DESENVOVER TEXTO)


Visando contribuir para busca de outras áreas do conhecimento, recomendam-se algumas sugestões para trabalhos futuros:

• Expansão... (DESENVOLVER TEXTO)

• Criação... (DESENVOLVER TEXTO)

REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS

ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE NORMAS TÉCNICAS (ABNT). NBR 10520: Apresentação de citações em documentos – Regras Gerais – Rio de Janeiro, jul. 2001.



_______.NBR 14724: Informação e documentação – Trabalhos acadêmicos – Apresentação. Rio de Janeiro, jul. 2001.
_____. NBR 6023: Informação e documentação – Referências – Elaboração – Rio de Janeiro, ago. 2000
PMI, A Guide to the Project Management Body of Knowledge (PMBOK® Guide) Fifth Edition, Project Management Institute (PMI), 2013.
WANG, S.; HSU, H.; REEVES, T.; COSTER, D. Professional development to enhance teachers’ practices in using information and communication technologies (ICTs) as cognitive tools: Lessons learned from a design-based research study. In: Computers & Education, 79, 101-115, 2014.

Sites de Internet:
O GLOBO, 2014. Internet em explosão. Disponível em: < http://oglobo.globo.com/sociedade/tecnologia/internet-em-explosao-13441261> Acesso em: 10 mar. 2015.
WEBER SAINT-GOBAIN, 2015. O sistema de revestimento em pisos e paredes. Disponível em: < http://www.weber.com.br/assentamento-e-rejuntamento-de-revestimentos/ajuda-e-dicas/apoio-ao-projeto/orientacoes-sobre-revestimentos/o-sistema-de-revestimento-em-pisos-e-paredes.html> Acesso em: 29 abril 2015.











APÊNDICES










(COLOCAR APÊNDICE A, SE HOUVER)



APÊNDICE B –

(COLOCAR APÊNDICE B, SE HOUVER)







ANEXOS








ANEXO A






(COLOCAR ANEXO A, SE HOUVER)








ANEXO B









(COLOCAR ANEXO B, SE HOUVER)




©principo.org 2016
enviar mensagem

    Página principal