ProgramaçÃo cine humberto mauro avenida Afonso Pena 537. Centro – bh mg 18/11 sexta-feira



Baixar 169.82 Kb.
Encontro03.08.2016
Tamanho169.82 Kb.
forumdoc.bh.2005
9° festival do filme documentário e etnográfico
fórum de antropologia, cinema e vídeo
18 a 27 de novembro de 2005
belo horizonte – minas gerais – Brasil
PROGRAMAÇÃO CINE HUMBERTO MAURO

Avenida Afonso Pena 1.537. Centro – BH - MG


18/11 SEXTA-FEIRA

18h


ABERTURA DA EXPOSIÇÃO

Uma Arqueologia do Encontro

Com a presença da fotógrafa Cláudia Andujar


19h30

SESSÃO DE ABERTURA

O Fim e o Princípio – Direção: Eduardo Coutinho

Sessão comentada por Eduardo Coutinho



19/11 SÁBADO

15h


MOSTRA FOTÓGRAFOS DO DOCUMENTÁRIO BRASILEIRO

Fio da Memória – Direção: Eduardo Coutinho
17h15

COMPETITIVA NACIONAL



Joaquim Pedro.doc – Direção: Mário Carneiro
Kiarãsâ Yõ Sâti – Direção: Komoi e Paturi Panará
19h20

COMPETITIVA INTERNACIONAL



Les Artistes du Théâtre Brûlé Direção: Rithy Panh
Una Mancha en el Agua – Dir.: Pablo Romano
21h20

MOSTRA FOTÓGRAFOS DO DOCUMENTÁRIO BRASILEIRO



Como era gostoso meu francês Direção: Nelson Pereira dos Santos
20/11 DOMINGO

16h


COMPETITIVA NACIONAL

Em Trânsito – Direção: Henri Arraes Gervaiseau
O Maior Espetáculo da Terra – Direção: Marcos Pimentel
18h10

MOSTRA RETROSPECTIVA JOHN MARSHALL



The Hunters – Direção: John Marshall
N/um Tchai: The Cerimonial Dance of the !Kung Bushmen – Direção: John Marshall
Lion Game – Direção: John Marshall
Debe's Tantrum – Direção: John Marshall
20h10

SESSÃO COMENTADA

Les Esprits du Koniambo – Direção: Jean-Louis Comolli

Sessão comentada por Jean-Louis Comolli



21/11 SEGUNDA-FEIRA

15h


MOSTRA RETROSPECTIVA JOHN MARSHALL

A Kalahari Family I: A Far Country – Direção: John Marshall
A Joking Relationship – Direção: John Marshall
A Group of Women – Direção: John Marshall
17h

COMPETITIVA INTERNACIONAL



Mbya: Tierra en Rojo / We Are the Indians Direção: Philip Cox & Valeria Mapelman
Pratica e Maestria Direção: Rossella Schillaci
19h10

MOSTRA FOTÓGRAFOS DO DOCUMENTÁRIO BRASILEIRO



Jardim de Guerra – Direção: Neville D' Almeida
21h10

COMPETITIVA NACIONAL



Fala Mulher – Direção: Kika Nicolela
Jurema – Direção: Maoro da Rocha Pitta
Visita Íntima – Direção: Joana Nin


22/11 TERÇA-FEIRA

16h


MOSTRA FOTÓGRAFOS DO DOCUMENTÁRIO BRASILEIRO

Opinião Pública – Direção: Arnaldo Jabor
Nelson Cavaquinho – Direção: Leon Hirszman
18h

MOSTRA RETROSPECTIVA JOHN MARSHALL



A Kalahari Family 2: End of the Road – Direção: John Marshall
An Argument about a Marriage – Direção: John Marshall
A Curing Ceremony - Direção: John Marshall
Playing with Scorpions - Direção: John Marshall
Tug-of-war, Bushmen - Direção: John Marshall
20h

MOSTRA RETROSPECTIVA JOHN MARSHALL



The meat fight - Direção: John Marshall
Bitter Melons - Direção: John Marshall
Baobab Play - Direção: John Marshall
21h

SESSÃO COMENTADA: MOSTRA RETROSPECTIVA JOHN MARSHALL

Com Karma Foley



A Kalahari Family 3: Real Water - Direção: John Marshall

23/11 QUARTA-FEIRA

16h


COMPETITIVA NACIONAL

Seo Chico, um Retrato - Direção: José Rafael Mamigonian
Soberano - Direção: Kiko Mollica e Ana Paula Orlandi

18h10


MOSTRA RETROSPECTIVA JOHN MARSHALL

N!ai, the Story of a !Kung Woman Direção: John Marshall
19h30

COMPETITIVA INTERNACIONAL



El velo de Berta - Direção: Esteban Larrain
Don't Fence Me In: Major Mary and the Karen Refugees from Burma - Direção: Ruth Gumnit
21h30

MOSTRA FOTÓGRAFOS DO DOCUMENTÁRIO BRASILEIRO



A Queda - Direção: Ruy Guerra

24/11 QUINTA-FEIRA

16h

MOSTRA FOTÓGRAFOS DO DOCUMENTÁRIO BRASILEIRO



Porto das Caixas - Direção: Paulo César Saraceni
17h30

MOSTRA FOTÓGRAFOS DO DOCUMENTÁRIO BRASILEIRO



Cabra Marcado para Morrer - Direção: Eduardo Coutinho
19h45

MOSTRA FOTÓGRAFOS DO DOCUMENTÁRIO BRASILEIRO



Porto dos Santos - Direção: Aloysio Raulino
Braços Cruzados, Máquinas Paradas - Direção: Roberto Gervitz
21h15

MESA REDONDA

A FOTOGRAFIA NO DOCUMENTÁRIO BRASILEIRO

Com a presença de Edgar Moura e Aloysio Raulino



25/11 SEXTA-FEIRA

16h


COMPETITIVA INTERNACIONAL

Surviving Chau - Direção: Mainat Bhaumik

Un Monde Absent - Direção: Ronnie Ramirez

18h
SESSÃO FILMES DE QUINTAL



Morro da Conceição - Direção: Cristiana Grumbach
20h15

MOSTRA RETROSPECTIVA JOHN MARSHALL



A Kalahari Family 4: Standing Tall - Direção: John Marshall
21h15

MOSTRA FOTÓGRAFOS DO DOCUMENTÁRIO BRASILEIRO



O Prisioneiro da Grade de Ferro - Direção: Paulo Sacramento

26/11 SÁBADO

15h


MOSTRA FOTÓGRAFOS DO DOCUMENTÁRIO BRASILEIRO

ABC da Greve - Direção: Leon Hirzsman
Chapeleiros - Direção: Adrian Cooper
17h10

MOSTRA FOTÓGRAFOS DO DOCUMENTÁRIO BRASILEIRO



Entreatos - Direção: João Moreira Salles

19h20
MOSTRA CINEMA DE AUTOR



Level 5 - Direção: Chris Marker
21h30

MOSTRA CINEMA DE AUTOR



Sans Soleil - Direção: Chris Marker

27/11 DOMINGO

16h


MOSTRA CINEMA DE AUTOR

La Jetée - Direção: Chris Marker
Les Chats Perchées - Direção: Chris Marker
17h50

MOSTRA RETROSPECTIVA JOHN MARSHALL



A Kalahari Family 5: Death by Myth- Direção: John Marshall
Men Bathing - Direção: John Marshall
Children Throw Toy Assegais - Direção: John Marshall
20h10

SESSÃO DE ENCERRAMENTO

A Idade da Terra - Direção: Glauber Rocha

Sessão comentada por Jair Tadeu da Fonseca




ASSESSORIA DE IMPRENSA: Mariana Paulino (31) 9113-7737
PROGRAMAÇÃO CENTRO CULTURAL UFMG

Avenida Santos Dumont, 174. Centro – BH - MG


21/11 SEGUNDA-FEIRA

09h


ABERTURA DA OFICINA COM Divino Tserewahú
20h

MOSTRA RETROSPECTIVA JOHN MARSHALL



N!ai, the Story of a !Kung Woman - Direção: John Marshall
The Wasp Nest - Direção: John Marshall
Bitter Melons - Direção: John Marshall

22/11 TERÇA-FEIRA

20h


COMPETITIVA NACIONAL

Missionários - Direção: Cleisson Vidal e Andréa Prates
Napepe - Direção: Nadja Marin

23/11 QUARTA-FEIRA

20h


COMPETITIVA NACIONAL

Dom Helder, o Santo Rebelde - Direção: Erika Bauer
Aristocrata Clube - Direção: Jasmin Pinho e Aza Pinho
1986 - Direção: Guilherme Whitaker

24/11 QUINTA-FEIRA

18h


MOSTRA RETROSPECTIVA JOHN MARSHALL

The Hunters - Direção: John Marshall
N/um Tchai: The Cerimonial Dance of the !Kung Bushmen - Direção: John Marshall
Lion Game - Direção: John Marshall
Debe's Tantrum - Direção: John Marshall
20h

COMPETITIVA INTERNACIONAL



Parallel Lines - Direção: Nina Davenport

25/11 SEXTA-FEIRA

09H


ENCERRAMENTO DA OFICINA COM DIVINO TSEREWAHÚ
18h

MOSTRA FOTÓGRAFOS DO DOCUMENTÁRIO BRASILEIRO



Em cima da Terra, embaixo do Céu - Direção: Walter Lima Junior
Notícias de uma Guerra Particular - Direção: João Moreira Salles e Kátia Lund
20h

COMPETITIVA NACIONAL



Zé Pureza - Direção: Marcelo Ernandez
Meu Atikum - Direção: Marcos Alexandre dos Santos Albuquerque
PROGRAMAÇÃO FAFICH -UFMG

Avenida Antônio Carlos, 6627. Pampulha – BH - MG


21/11 SEGUNDA-FEIRA

9h


MOSTRA RETROSPECTIVA JOHN MARSHALL

A Kalahari Family 3: Real Water - Direção: John Marshall

(Sala Multimeios)


10h

MESA REDONDA

O CINEMA DE JOHN MARSHALL

Com Karma Foley, Profª Débora Lima e Andréa Zhouri

(Sala Multimeios)

22/11 TERÇA-FEIRA

11h


MOSTRA RETROSPECTIVA JOHN MARSHALL

An Argument about a Marriage - Direção: John Marshall
A Curing Ceremony - Direção: John Marshall
The Wasp Nest - Direção: John Marshall
!Kung Bushmen Hunting Equipment - Direção: John Marshall

23/11 QUARTA-FEIRA

9h

PALESTRA



24 Fotos por Segundo

com Edgar Moura

(Sala 2 da FAFICH)
11h

MOSTRA RETROSPECTIVA JOHN MARSHALL



N!ai, the Story of a !Kung Woman - Direção: John Marshall
Tug-of-war, Bushmen - Direção: John Marshall
Playing with scorpions - Direção: John Marshall

24/11 QUINTA-FEIRA

11h


MOSTRA RETROSPECTIVA JOHN MARSHALL

The Hunters - Direção: John Marshall

25/11 SEXTA-FEIRA

11h


MOSTRA RETROSPECTIVA JOHN MARSHALL

A Joking Relationship - Direção: John Marshall
A Group of Women - Direção: John Marshall
N/um Tchai: The Cerimonial Dance of the !Kung Bushmen - Direção: John Marshall
The Melon Tossing Game - Direção: John Marshall
A rite of passage - Direção: John Marshall


SINOPSES
SESSÃO DE ABERTURA

O FIM E O PRINCÍPIO

35mm, cor, 110 min, 2005, Brasil

Direção: Eduardo Coutinho

Direção de fotografia e câmera: Jacques Cheuiche, A . B. C.

Som: Bruno Fernandes
Um filme nascido do zero. Sem pesquisa prévia, sem personagens, locações nem temas definidos, uma equipe de cinema chega ao sertão da Paraíba em busca de pessoas que tenham histórias para contar. No município de São João do Rio do Peixe, o filme descobre o Sítio Araçás, uma comunidade rural onde vivem 86 famílias, a maioria ligada por laços de parentesco. Graças à mediação de uma jovem de Araçás, os moradores – na maioria idosos – contam sua vida, marcada pelo catolicismo popular, pela hierarquia, pelo senso de família e de honra – um mundo em vias de desaparecimento.

MOSTRA FOTÓGRAFOS DO DOCUMENTÁRIO BRASILEIRO
1) OPINIÃO PÚBLICA
Brasil, 35mm, BP, 78min, 1966

Direção e roteiro: Arnaldo Jabor

Câmera: Dib Lutfi

Produção: Arnaldo Jabor - Jorge da Cunha Lima - João Carlos Simões Corrêa - Nelson Pereira dos Santos

Por meio de depoimentos de estudantes, a classe média carioca é retratada de maneira a salientar seus gestos, seus gostos e, sobretudo, sua distância frente à realidade brasileira.

2) JARDIM DE GUERRA

Brasil, 35mm, BP, 90min, 1968

Direção e produção: Neville D' Almeida

Argumento: Jorge Mautner

Roteirista(s): Neville D' Almeida - Jorge Mautner

Câmera: Dib Lutfi


Um jovem amargurado e sem perspectivas apaixona-se por uma cineasta e é injustamente acusado de terrorista por uma organização de direita que o prende, o interroga e o tortura.

3) COMO ERA GOSTOSO O MEU FRANCÊS
Brasil 35mm, Cor, 79min, 1971
Direção: Nelson Pereira dos Santos
Companhia(s) produtora(s): Condor Filmes - L.C.B. Produções Cinematográficas
Produção: K. M. Eckstein - Nelson Pereira dos Santos - Luis Carlos Barreto - César Thedim
Argumento: Nelson Pereira dos Santos
Roteiro: Nelson Pereira dos Santos
Câmera: Dib Lutfi
Som: Nelson Ribeiro

No Brasil quinhentista, os franceses haviam invadido parte da costa do Rio de Janeiro. Em uma ilha, um pequeno grupo deles se rebela, e os integrantes são condenados à morte.



4) ARRAIAL DO CABO
Brasil, 35mm, BP, 17min, 1959
Direção: Mario Carneiro - Paulo Cesar Saraceni
Companhia(s) produtora(s): Saga Filmes
Os pescadores de Arraial do Cabo em contraste com a fábrica de álcalis que se instala na região: modos tradicionais de produção se entrechocam com os problemas da industrialização. Gravuras de Oswaldo Goeldi abrem o filme.

5) PORTO DAS CAIXAS
Brasil, 35mm, BP, 75min, 1962

Direção e roteiro: Paulo Cesar Saraceni

Companhia(s) produtora(s): Equipe Produtora Cinematográfica
Produção: Elísio de Souza Freitas
Argumento: Lúcio Cardoso

Uma mulher, querendo matar o marido que a oprime, procura ajuda de seu amante, de um soldado e de um barbeiro, mas eles se negam ao crime. A cidade do interior onde mora revela a decadência: uma fábrica parada, um convento em ruínas, o barulho de trem, um vazio parque de diversões, uma feira sem entusiasmo, um comício sem força reivindicatória. Disposta a libertar-se do meio, a mulher mata sozinha o marido.



6) CABRA MARCADO PRA MORRER

Brasil, 35mm, cor, 119min,1964/1984

Direção: Eduardo Coutinho

Fotografia: Edgar Moura (1981) e Fernando Duarte (1964)

Som direto: Jorge Saldanha

Montagem: Eduardo Escorel


Em 1962, o líder da Liga Camponesa de Sapé (PB), João Pedro Teixeira, é assassinado por ordem de latifundiários. Um filme sobre sua vida, reconstituição ficcional da ação política que levou ao assassinato, começa a ser rodado em 1964, com produção do CPC da UNE e do Movimento de Cultura Popular (MCP) de Pernambuco, sob a direção de Eduardo Coutinho. As filmagens, com participação de camponeses do Engenho Galiléia (PE) e da viúva de João Pedro, Elizabeth Teixeira, são interrompidas pelo Golpe Militar de 1º de Abril de 1964. Dezessete anos depois, em 1981, Eduardo Coutinho retoma o projeto e procura Elizabeth Teixeira e outros participantes do filme interrompido. O tema central passa a ser a trajetória de cada um deles que, estimulados pela filmagem e revendo imagens do passado, elaboram para a câmera os sentidos de suas experiências.
7) A QUEDA

Brasil, 35mm, COR e BP, 110min, 1978

Direção e roteiro: Ruy Guerra e Nelson Xavier

Assistência de direção: Jorge Duran

Direção de fotografia: Edgar Moura

Um operário do metrô carioca morre em um acidente de trabalho. Como não era registrado na obra, a empresa evita a divulgação da notícia e procura subornar a viúva para que a responsabilidade da morte recaia sobre a própria vítima. O sogro do operário, contando com a ajuda de um jornalista e de um advogado, decide lutar para que a verdade e a justiça prevaleçam.



8)  CHAPELEIROS
Brasil, 16mm, cor, 24 min, 1984.
Direção: Adrian Cooper
Fotografia: Adrian Cooper
Montagem: Walter Rogério

Rodado em Campinas-SP, em uma fábrica de chapéus do início de século, o filme evoca uma produção industrial opressiva onde a anormalidade se torna normalidade e os detalhes banais do cotidiano se tornam expressões de resistência humana.



9) FIO DA MEMÓRIA                 
Brasil, 120’, 16mm, 1989/1991
Direção: Eduardo Coutinho
Fotografia: Adrian Cooper

Grande mosaico sobre a presença negra no Brasil, tendo como fio condutor a narração em off do riquíssimo texto dos diários de Gabriel dos Santos, filho de ex-escravos, trabalhador das salinas de São Pedro da Aldeia (RJ). Encomendado para a comemoração do centenário da abolição, “O Fio da Memória” constrói uma trama de versões, memórias pessoais e memória coletiva, religião, política e arte.



10)ABC DA GREVE
Brasil, 16mm, COR, 84min, 1979-1990
Direção: Leon Hirszman
Direção de som: Ferreira Gullar

A efervescência do movimento sindical no ABC paulista. As primeiras greves no país desde 1968 e os operários metalúrgicos das grandes fábricas automobilísticas, multinacionais, locadas na região.



11) BRAÇOS CRUZADOS, MÁQUINAS PARADAS
Brasil, 76 min, 16mm, 1979
Direção: Roberto Gervitz e Sérgio Toledo
Fotografia e Câmera: Aloysio Raulino

Trata da estrutura sindical brasileira, com trechos de filmes da época em que foi criado o Estado Novo. Documenta as eleições sindicais e seu desfecho, com a vitória da chapa da situação. Paralelamente à ação dos metalúrgicos, mostra o surgimento de outras manifestações populares como a do Movimento do Custo de Vida, em setembro de 1978. Encerra-se com a greve geral dos metalúrgicos paulistas, ocorrida em novembro daquele ano.



12) PORTO DE SANTOS
Brasil, PB, 19 min, 1979
Direção e roteiro: Aloysio Raulino
Fotografia: Aloysio Raulino
Produtora: Atalante Prod. Cin.

O documentário percorre o Porto de Santos, o maior da América Latina. São focalizados os trabalhos dos estivadores e mulheres do cais, os navios guindastes e os sons das torres de rádio.



13) O PRISIONEIRO DA GRADE DE FERRO
Brasil, 35mm, cor, 120 min, 2003
Direção: Paulo Sacramento
Direção de Fotografia: Aloysio Raulino
Edição de som: Louis Robin e Márcio Jacovani
Montagem: Idê Lacreta e Paulo Sacramento

Um ano antes da desativação da Casa de Detenção do Carandiru, detentos aprendem a utilizar câmeras de vídeo e documentam o cotidiano do maior presídio da América Latina.



14) EM CIMA DA TERRA, EMBAIXO DO CÉU
Brasil, 16mm, cor, 40 min, 1982
Direção: Walter Lima Jr.

Nas favelas do Rio de Janeiro e nas regiões periféricas de Curitiba, a câmera acompanha  o esforço dos grupamentos mais pobres da população para criar soluções espontâneas de habitação. Essas soluções, diferentes daquelas adotadas pelos órgãos encarregados da

política habitacional, são explicadas por seus próprios idealizadores,demonstrando que nem sempre é preciso muito capital para alimentar o sonho da casa própria.

15) NOTÍCIAS DE UMA GUERRA PARTICULAR
Brasil, Betacam digital, cor, 56 min,1997/1998
Direção: João Moreira Salles e Katia Lund
Fotografia: Walter Carvalho
Produtor: Raquel Zangrandi

Notícias de uma guerra particular é um programa sobre o estado de violência urbana no Brasil. O cenário é o Rio de Janeiro e os personagens são policiais, traficantes e moradores de favelas que se vêem envolvidos numa guerra diária sem vencedores.



16) ENTREATOS
Brasil, 35mm, cor,117 min, 2004.
Direção: João Moreira Salles
Direção de fotografia: Walter Carvalho, ABC
Som direto: Aloysio Compasso, Heron Alencar
Montagem: Felipe Lacerda

De 25 de setembro a 27 de outubro de 2002, a equipe de Entreatos acompanhou passo a passo a campanha de Luiz Inácio Lula da Silva à presidência da República. O filme revela os bastidores de um momento histórico através de material exclusivo, como conversas privadas, reuniões estratégicas, telefonemas, traslados, gravações de pronunciamentos e programas eleitorais.



MOSTRA COMPETITIVA NACIONAL
1) 1986 (1986)

Brasil, vídeo digital, cor, 12 min, 2004


Direção, produção e fotografia: Guilherme Whitaker
Montagem: Guilherme Whitaker e Pedro Lobito
Trilha sonora original: Rodrigo Sebastian, André Perin

Um pouco do que acontecia no Liceu 7, em Santiago, Chile, durante a ditadura Pinochet.




2) Aristocrata Clube

Brasil, vídeo digital,cor, 26 min, 2004,

Diretor: Jasmin Pinho e Aza Pinho
Produtor: Roberto Moreira S. Cruz
Empresa produtora: Instituto Itaú Cultural

O glamouroso clube recreativo fundado em São Paulo por um grupo de negros na década de 60. Baseado em entrevistas com as três gerações que freqüentaram o Aristocrata e em acervo de fotos e filmes, o documentário traça um panorama da resistência negra olhando para um passado não muito distante, que guarda uma lição de dignidade.


3) Dom Helder Câmara, O Santo Rebelde

Brasil, 35 mm, cor, 74 min, 2004

Diretor: Erika Bauer

Produtor: Andréa Glória


Empresa produtora: Cor Filmes
Fotografia: André Carvalheira
Som: Acácio Campos e Disceu Lustosa
Montagem: Sérgio Raposo e Liloye Boubli
Trilha sonora original: Marcello Bernardi

O filme revisita os pensamentos de Dom Helder Camara, Bispo Católico perseguido pela ditadura militar na década de 60. Arcebispo Emérito de Olinda e Recife, faleceu em 1999. Mostra sua luta pela promoção humana contra a miséria e as injustiças sociais e sua luta pela paz mundial. Depoimentos de amigos, estudiosos e o próprio Dom Helder em cenas inéditas no Brasil e na Europa.


4) Em Trânsito

Brasil, 35mm, cor, 98 min, 2005


Diretor: Henri Arraes Gervaiseau
Produtor: Beth Formaggini
Empresa produtora: Alô Vídeo
Fotografia: Adrian Cooper
Som: Aurélio Dias
Montagem: Idê Lacreta
Trilha sonora original: Aurélio Dias

Em Trânsito explora situações do dia a dia, no trânsito e no transporte coletivo da Grande São Paulo. Através das suas falas, personagens anônimos revelam como esta vivência se articula com outras esferas das suas vidas.


5) Fala Mulher

Brasil, 80 min, 2005

Direção: Graciela Rodrigues e Kika Nicolea
No cotidiano são manicures, domésticas, secretárias, cabeleireiras, professoras, batalhando por sua sobrevivência. No entanto são rainhas na escola de samba e incorporam deuses nos barracões do Candomblé. A fantasia se mistura ao real, de forma que o carnaval não se limita a uma semana no mês de fevereiro: o carnaval é um estado de espírito permanente, contaminando a rotina com criatividade e otimismo.

6) Joaquim Pedro.doc – Ação entre Amigos

Brasil, Video Digital, cor, 52 min, 2004

Diretor: Mario Carneiro


Produtor: Beth Formaggini
Empresa produtora: 4 Ventos/ Canal Brasil
Fotografia: Mario Carneiro
Som: Bruno Espirito Santo
Montagem: Marcia Medeiros

Amigos, família e colaboradores de Joaquim Pedro de Andrade, tais como Albert Maisles, Eduardo Escorel, Walter Lima Jr, PC Saraceni, lembram do cineasta com carinho e admiração.


7) Jurema

Brasil, Hi-8, cor, 16 min, 2005


Direção, produção e fotografia: Maoro da Rocha Pitta
Som: Maoro da Rocha Pitta
Montagem: Maoro da Rocha Pitta

Em um bar próximo ao porto do Recife, quatro pessoas se encontram casualmente.


O olhar, a câmera mostra o lugar e os gestos dos personagens reais.
8) Kiarãsâ Yõ Sâti

Brasil, Betacam, cor, 52 min, 2005

Diretor: Komoi e Paturi Panará
Produtor: Vídeo nas Adeias
Empresa produtora: Vídeo nas Aldeias
Fotografia: Komoi e Paturi Panará
Montagem: Leonardo Sette e Vincent Carelli

O cotidiano da aldeia Panará na colheita do amendoim, apresentado por um jovem professor, uma mulher pajé e o chefe da aldeia.


9) Meu Atikum

Brasil, S-VHS, cor,10min, 2005


Direção e produção: Marcos Alexandre dos Santos Albuquerque

"Meu Atikum" é um vídeo etnográfico que conta a história da organização dos índios Atikum (sertão de Pernambuco) contra a invasão, por criadores de gado, de suas terras mais produtivas, a Serra do Umã. Através de entrevistas, o vídeo resgata, pela memória de alguns Atikum, a história da emergência da identidade indígena da comunidade da Serra da Umã e a produção de seu etnônimo. Um tema que recobre o filme como um todo é a crítica nativa ao chamado "descobrimento" do Brasil, e a argumentação em torno da descendência dos Atikum como herdeiros dos "índios bravios", a população indígena ancestral que habitava o território brasileiro até o contato com o europeu há 500 anos.    



10) Missionários

Brasil, Betacam, cor, 72 min, 2005

Direção e produção: Cleisson Vidal e Andréa Prates
Fotografia: Cleisson Vidal

Montagem: Jorge Mansur e Cleisson Vidal


Trilha sonora original: Missionários do Rock

O documentário Missionários trata da iniciativa de três detentos do Complexo Frei Caneca, no Rio de Janeiro, de formação da Banda Missionários do Rock. Em vista do longo tempo de pena a cumprir, fugir era a melhor solução. Até que o encontro com a música, mais que uma alternativa ao ócio e à dura realidade da vida carcerária, trouxe a perspectiva de um novo projeto de vida onde a liberdade, ainda que sonhada, não é a prioridade.


11) Napëpë

Brasil, Video Digital, cor, 43 min, 2004


Direção: Nadja Marin
Produção: Mirian Blanco
Empresa produtora: Lente Viva Filmes
Fotografia: Thiago Tambelli
Som: Marcelo Faria
Montagem: Julian S. Berignhs
Davi Kopenawa ainda era pequeno quando uma equipe de pesquisadores norte-americanos chegou ao seu território indígena para recolher as primeiras amostras de sangue de índios Yanomami. O documentário traz o depoimento de índios, geneticistas e antropólogos sobre a expedição. Nele também os Yanomami fazem um apelo para que seu sangue seja devolvido, mostrando um conflito entre a ciência e as crenças tradicionais Yanomami.
12) O Maior Espetáculo da Terra

Brasil, 35mm, cor, 15 min, 2005

Direção: Marcos Pimentel

Roteiro: Marcos Pimentel, Ivan Morales Jr., Hudson Vianna

Produção: Joana Oliveira

Fotografia e câmera: Paulo Castiglioni

Som: Simone Alves

Montagem: Hudson Vianna, Ivan Morales Jr.


Um documentário sobre um circo na corda bamba.
“Onde houver lona para cobrir um território,

mínimo e esmolambado que seja,

haverá circo.”

Carlos Heitor Cony


13) Seo Chico, Um Retrato

Brasil, 35mm, cor, 95min, 2004

Direção e produção: José Rafael Mamigonian
Empresa produtora: Atalaia Filmes
Fotografia: Dib Lutfi e Mário Carneiro
Som: João Godoy e Eduardo Santos Mendes
Montagem: José Rafael Mamigonian
Trilha sonora original: Chico Saraiva
O lavrador Francisco Thomaz dos Santos era personagem vivo da história quase extinta dos engenhos de farinha, de cana-de-açúcar e alambiques na Ilha de Santa Catarina, atual Florianópolis, no litoral sul do Brasil. O filme é um testemunho dos encontros dele com a equipe de filmagem, buscando transparecer ao máximo a intensidade emocional dessa experiência, tragicamente interrompida.
14) Soberano

Brasil, 35mm, cor, 15 min, 2005

Direção: Kiko Mollica e Ana Paula Orlandi
Produção: Kiko Mollica
Empresa produtora: km 70
Fotografia: Aloysio Raulino
Som: Gabriela Cunha
Montagem: Kiko Mollica
Trilha sonora original: Paulo Beto

Reminiscências resgatam a trajetória do "Soberano", símbolo da intensa e espontânea produção cinematográfica da Boca do Lixo.


15) Visita Íntima

Brasil, 35mm, cor, 15 min, 2005


Direção: Joana Nin
Produção: Sheylli Caleffi e Sandra Nodari
Empresa produtora: Sambaqui Cultural Cine Vídeo Ltda
Fotografia: Luciano Coelho
Som: Silvio Da-Rin
Montagem: Jordana Berg

Visita Íntima é um filme sobre amor em condições especiais: mulheres livres que mantêm relacionamentos estáveis com presidiários na Penitenciária Central do Estado do Paraná, em Piraquara, a 40 quilômetros de Curitiba. O curta-metragem traz relatos de amor e dedicação. O universo carcerário está presente quase que exclusivamente no relato das mulheres, nunca sob o ponto de vista dos maridos.



16) Zé Pureza

Brasil, Video Digital, cor, 105 min, 2005

Direção e produção: Marcelo Ernandez
Empresa produtora: Margarida Filmes
Fotografia: Marcelo Ernandez e Fernando Oliveira
Som: Elisa Figueira, Luciano Braun e Rosana Lobo
Montagem: Sílvio Arnaut
Trilha sonora original: José Paulo Becker

O documentário narra a saga de um grupo de famílias organizadas pelo MST acampadas no norte do estado do Rio de Janeiro. Durante quatro anos, uma equipe de filmagens registrou reuniões de mobilização, ocupações, despejos, manifestações públicas e dramas sociais dessas famílias nos diversos locais onde montaram acampamento.



MOSTRA COMPETITIVA INTERNACIONAL
1) Don't Fence Me In: Major Mary and the Karen Refugees from Burma

Burma/EUA, 30 min, 2004

Direção: Ruth Gumnit
Desde 1962, Burma é governada por uma junta militar. Para seus cidadãos, a vida piorou drasticamente. Expulsas de suas casas pelo governo, mais de cem mil pessoas vivem em campos de refugiados nas fronteiras com a Tailândia; outras centenas de milhares se escondem nas selvas, no território de Burma. Eles são os Karen, um dos maiores grupos étnicos em Burma.

Don’t fence me in conta a vida de uma libertária de 70 anos, Major Mary On, e a luta de seu povo pela independência. O filme revela a determinação e o espírito de sobrevivência dos Karen refugiados, enquanto forças políticas e históricas conspiram contra eles. Don’t fence me in é uma eloqüente e comovente cronologia de abusos dos direitos humanos, abusos que precisam, finalmente, despertar a atenção da comunidade global.
2) Les Artistes du Théâtre Brûlé

Cambodia/France, Betacam, cor, 2005, 90 min

Direção: Rithy Panh

Produção: Catherine Dussart e Anne Schuchtian

Fotografia: Prum Mesar

Som: Sear Vissal

Edição: Marie-Christine Rougerir
Cambodia é uma terra sem cinemas ou teatros. Mesmo sem incentivos financeiros, locais para encenações ou instituições para apoiá-los, há artistas. Herdeiros de uma tradição familiar, responsáveis por toda uma memória coletiva da nação, eles vivem em pobreza, encenando “entretenimentos étnicos” para os turistas. Numa mistura de ficção e realidade, um grupo desses artistas ensaia sua versão da peça de Chekhov “The Cherry Orchard”, nas ruínas do Teatro Nacional, destruído por um incêndio há cinco anos e jamais reconstruído. Enquanto isso, perto do velho teatro, um moderno cassino está sendo construído.
3) Mbya: Tierra en Rojo / We Are the Indians

Argentina/ England, 2004, 71 min

Direção: Philip Cox & Valeria Mapelman
Marcelo adora o famoso filme The Mission, uma vez que seu tio, conhecido por “Burnt Arse” aparece nele. Quando ele o assiste com seus filhos, ele explica que aquela era a forma como seus antepassados viviam – “esse é o passado deles”. Uma típica ironia na vida dos índios guarani da Argentina, que lutam para manter suas tradições ao mesmo tempo em que são inseridos no “mundo dos brancos”. As questões enfrentadas pelos Guaranis no filme – como identidade, amizade, adultério e morte, até a tentativa entender o atentado de 11 de setembro, são as mesmas questões enfrentadas que as pessoas enfrentam em todo o mundo. É a forma como os guaranis lidam com essas questões universais e suas implicações que fazem, do filme, um filme único.
4) Parallel Lines

USA, 2003/2005, 98 min

Direção: Nina Davenport

A cineasta Nina Davenport procura por pontos de interseção entre perda e sentido, sofrimento e esperança, entre o que restou dos atentados de 11 de setembro de 2001. Baseada no estilo road movie, Davenport entrevista estranhos enquanto viaja através do país, descobrindo que, apesar das diferenças, os americanos lidaram com o trauma nacional através de referências a perdas e desejos pessoais.


5) Pratica e Maestria

Italy, 2005, 46 min

Direção: Rossella Schillaci
Zi (tio) Antonio e zi Vincenzo, dois velhos irmãos com uma grande paixão em comum: o zampogna (gaita de fole). O primeiro, fabricante, e o segundo, tocador, até hoje ainda passam sua vida fabricando e tocando gaitas de fole por toda a Itália, durante os festivais. Esse ano, uma grande surpresa: eles foram contatados por um professor universitário de etnologia, para gravar um CD. O documentário segue não só a viagem deles como também suas vidas diárias, nas montanhas, com zi Carmela, a forte esposa de Zi Antonio, e Cardillo, o cachorro que uiva para as gaitas de foile. Com dignidade e ironia, mas também com uma extraordinária vontade de viver, todos os personagens desse documentário nos levam a um outro mundo, em que a música tem um sentido especial.
6) Surviving Chau

India, 2005, 50 min

Direção: Mainat Bhaumik
Esse documentário mapeia a evolução do Chau, um tipo de dança étnica ancestral - uma dança atlética da Índia feita por homens mascarados – sob uma perspectiva antropológica e sociológica. Além de seguir os detalhes de toda a preparação do trabalho artístico, o filme também entrevista um dos dançarinos Ustad (líder do grupo Chau) e observa o ensaio dos artistas e as calorosas discussões subseqüentes.

Esse documentário se esforça para chamar a atenção e contribuir para a sobrevivência de uma forma de arte.


7) The Veil of Berta

Chile, 2004, 73 min

Direção: Esteban Larrain
The veil of Berta é uma narrativa delicada de uma história de Berta Quintremán, uma anciã indígena que, aos 88 anos, lidera o último grupo de resistência ao projeto de construção do Ralco, uma gigantesca barragem que vai interromper o curso do rio Bio-Bio, e inundar as terras onde os Ralco Lepoys, comunidade nativa dos Pehuenche, viveram durante séculos. Mulher de personalidade forte e de mistura única de humor e energia, Berta vive sozinha em seu pequeno pedaço de terra e segue todas as tradições de seu povo. Diariamente, ela saúda as árvores e o sol, bebe mate (chá de ervas típico) com seus mortos e faz suas preces. Mas ao mesmo tempo, ela confronta as autoridades de Endesa e o governo, consegue interromper o trabalho das máquinas e trabalha junto às outras famílias para prevenir a inundação de sua terra.
8) Un Monde Absent

Belgium/Chile, 2003, 55 min

Direção: Ronnie Ramirez
Do outro lado do mundo, na Patagônia ao sul do Chile, está uma cidade chamada Puerto Aysén. Nessa região, onde a natureza esteve protegida por anos, investidores estrangeiros estão abrindo espaços para a construção de uma nova Eldorado industrial: criações de salmão em larga escala e uma imensa fábrica de alumínio serão construídas em breve.

Como a gente da Patagônia reage a isso? Divididos entre resignação e luta, eles dividem suas idéias conosco.



9) Una Mancha en el Agua

Argentina, Betacam, p&b, 2005, 20 min

Imagem, Edição e Direção: Pablo Romano

Roteiro: Pablo Romano e Patricia Suárez
Um documentário sobre o registro de uma experiência. Minha experiência no rio Paraná, à altura do paralelo 33. Uma tentativa de registrar o rio como memória da água em movimento, um propósito por demais utópico. Narrado pelo cineasta Fernando Birri.
MOSTRA CINEMA DE AUTOR: CHRIS MARKER

Nascido em Neuilly-sur-Seine, em 1921, Chris Marker estudou Filosofia e integrou o movimento de Resistência na França durante a ocupação germânica. Trabalhou como jornalista, crítico de cinema e escritor, tornando-se mais tarde um dos mais importantes documentaristas de seu país. Realizou seu primeiro longa em 1952, Olympia 52, e desde então nunca mais parou de produzir, consagrando-se a uma obra que inclui desde filmes a instalações, de séries para a televisão a um CD-Rom. Ganhou projeção internacional ao ter seu curta-metragem La Jetée adaptado por Terry Gilliam para o longa Os Doze Macacos. Recentemente, seu trabalho incluiu experimentações tecnológicas e instalações multimídia. Sua obra transita incessantemente entre a imagem e a escrita, a arte da montagem e a arte do comentário, revelando-nos uma “inteligência verbal”, como bem o apontou André Bazin, ao mesmo tempo em que, inevitavelmente, uma inteligência visual.


1) La jetée

França, 35mm, p&b, 28 min, 1972

Direção: Chris Marker

A Terra encontra-se arruinada em conseqüência da guerra nuclear. A memória se torna a única esperança de sobrevivência da humanidade. Um prisioneiro é escolhido para viajar através do tempo devido a uma memória de infância envolvendo uma mulher e um assassinato que o assombra. Primeiro ele viaja pelo passado e depois pelo futuro. As pessoas do futuro também são viajantes do tempo. Ele os pede para que seja mandado de volta para a época de sua memória de infância. Apenas lá é que ele poderá finalmente entender que ninguém pode fugir do tempo...

 
2) Level Five

France, 35mm, cor, 106 min, 1997

Direção: Chris Marker

Laura, uma programadora de computador, maneja um vídeo game desafiador. Ela pesquisa a sangrenta Batalha de Okinawa da Segunda Guerra Mundial, o último confronto pré-nuclear entre EUA e Japão. Entrevistas com especialistas e testemunhas japoneses, incluindo o cineasta Nagisa Oshima, levam Laura a refletir profundamente sobre sua vida e sobre a humanidade. Será que ela será capaz de ir além do Nível 5? Uma fascinante e humanística reflexão sobre a guerra, a memória e a história.




3) Sans soleil
France, 35mm, cor, 100 min, 1982

Direção: Chris Marker

Uma mulher narra os pensamentos de um cameraman que viaja o mundo. Através de uma série de suas cartas surge uma análise dos muitos lugares que ele visitou – Japão, Guiné-Bissau, Islândia, São Francisco e “Vertigo”, de Hitchcock. Uma elegante meditação sobre o tempo e a memória expressos em palavras e imagens. Inovador, visualmente impressionante e com uma edição de destaque.
4) Chat Perchés

Direção: Chris Marker


Pouco depois do atentado de 11 de setembro, eis que aparecem sobre os telhados de Paris as figuras de Monsieur Chat, um gato amarelo sorridente. Ao seguir seus passos, o diretor descreve a história francesa recente - que inclui eleições, manifestações, escândalos governamentais - por meio do olhar atento deste estranho grafite.

 
MOSTRA RETROSPECTIVA JOHN MARSHALL



Retrospective Show: John Marshall - San Ju/Wasi Series

A “Mostra Retrospectiva John Marshall” é uma homenagem do FORUMDOC.BH.2005 ao documentarista norte-americano que, ao falecer este ano, nos deixou uma obra rara e monumental. Amigo de Jean Rouch, John Marshall partiu para a África ainda adolescente, conheceu o povo Ju-‘hoansi da Namíbia, travou com ele uma relação longa e implicada, engajada politicamente, que durou até sua morte. O projeto documentário de John Marshall sobre este povo revela a antítese da produção da informação supostamente objetiva. Ele é um exemplo daqueles que não se contentam em colher imagens e sons a serviço da informação objetiva ou da beleza puramente estética. O tipo de documentário que realiza deve ser feito em longa duração, tão longa quanto sua vida. Em 1968, Marshall fundou, junto com um outro importante documentarista, também falecido, Timothy Asch, o DER (Documentary Educational Resources), organização dedicada a produzir e a divulgar o filme etnográfico em todo o mundo.


Ruben Caixeta - Coordenador do forumdocbh2005

1) The Hunters

Os caçadores

dvd, color, 72 min, 1957

Direção: John Marshall
Este relançamento de um clássico dos filmes antropológicos segue uma caçada de uma girafa realizada por quatro homens, por um período de cinco dias. Foi filmado em 1952-53 na terceira junção Smithsonian-Harvard Peabody, apoiada pela expedição da família Marshall para a África para estudar Ju/'hoansi, um dos poucos grupos sobreviventes que vivem de caça e coleta. John Marshall era um jovem quando realizou este filme, seu primeiro longa-metragem. Ele tinha um dom para operar câmeras que o fez encontrar um assunto que o dominaria pelo resta da sua vida. Desde então, ele filmou mais de 180.000 metros de película dos quais 24 filmes foram editados. O valor da filmagem como uma enciclopédia da vida dos !Kung não possui equivalência com nenhum outro corpo fílmico etnográfico.
2. A Group of Women

Um grupo de Mulheres

dvd, PB, 5 min, 1961

Direção: John Marshall
As mulheres !Kung freqüentemente dividem uma íntima sociabilidade e passam muitas horas juntas discutindo sobre suas vidas, aproveitando a companhia umas das outras e das crianças. Neste curta-metragem, as mulheres !Kung descansam, conversam e cuidam de suas crianças enquanto se deitam à sombra de uma árvore baobá. Este filme é uma boa ilustração de “cuidados maternais coletivos” no qual várias mulheres se apóiam mutuamente e dividem o papel materno.
3. A Joking Relationship

Uma Relação Espirituosa

dvd, PB, 13 min, 1962

Direção: John Marshall
Este filme descreve um momento de flerte numa relação espirituosa entre N!ai, a jovem esposa de !Gunda, e seu tio Ti!kay. Para os !Kung, as importantes relações com brincadeiras proporcionam oportunidades de intimidade casual, libertação emocional e apoio.
4. An Argument About A Marriage

Uma discussão sobre casamento

dvd, cor, 18 min, 1969

Direção: John Marshall
Uma discussão sobre casamento sugere questões sobre o impacto das fazendas Européias não apenas na economia, mas também na vida social dos !Kung; sobre a complexidade das regras do casamento e dos serviços de recém-casados no sistema de parentesco, e ainda sobre a natureza dos conflitos e sua mediação entre os !Kung.
5. A Curing Ceremony

Uma Cerimônia de Cura

dvd, PB, 8 min, 1969

Direção: John Marshall
Sha//ge, uma mulher muito jovem que está para ter o seu primeiro filho, fica doente, provavelmente por malária. /Ti!kay, um parente e curandeiro, entra em um suave transe, sem os estímulos da dança, numa tentativa de curá-la. Sha//ge sobrevive, mas seu bebê nasce morto.
6. N/um Tchai: The Ceremonial Dance of the !Kung Bushmen

N/um Tchai: A Cerimônia de Dança dos Bushmen !Kung

dvd, PB, 20 min, 1969

Direção: John Marshall
Tchai é a palavra usada pelos !Kung para descrever o encontro para dançar e cantar; n/um pode ser traduzido como medicina ou potência sobrenatural. O filme abre com uma breve introdução sobre o papel do n/um tchai na cura e na repulsão do mal, seguido por cenas de uma noite inteira de dança. A dança começa com a reunião social e torna-se cada vez mais intensa à medida que a noite vai se esvaindo, finalmente concluindo ao amanhecer.

7. The Melon Tossing Game

O Jogo do Arremesso de Melões

dvd, cor, 15 min, 1970

Direção: John Marshall
Mulheres de três bandos !Kung separados se reúnem num bosque mangetti para brincar de um jogo intenso no qual nuances de tensão social e pessoal se tornam aparentes. O jogo em si é simples: as mulheres formam um semi-círculo no qual se movem em sentido anti-horário e cada mulher, em turnos, corre para o centro do círculo onde ela dança vários passos e arremessa o melão para a próxima mulher no momento apropriado da música. Os homens penetram na roda e dançam espetacularmente, e uma mulher idosa, N/aoka, entra num estado de transe. O jogo começa a se desintegrar quando N!ai, a esposa do homem dançarino /Gunda, insulta e provoca N/aoka.
8. Bitter Melons

Melões Amargos

dvd, cor, 30 min, 1971

Direção: John Marshall
Este é um filme sobre um pequeno bando de /Gwi San. Dez pessoas dividem um acampamento, incluindo um músico cego Ukxone, sua mulher e filho, duas mulheres mais velhas, dois rapazes e um outro homem, !Gai, com sua mulher e criança. Ukxone toca músicas que ele compôs no seu arco de caça: músicas para exaltar os melões, sobre prender antílopes, sobre gritar e ficar perdido no mato. Melões Amargos, sua música favorita, é sobre uma mulher que aprendeu com seus vizinhos Bantus a plantar sementes de melão. Melões selvagens têm sabor amargo, os agricultores diziam. A música favorita de Ukxone evoca a paisagem de /Gwi e sua diversa vida selvagem, bem como as rotinas cotidianas: coletar, caçar, pegar uma tartaruga que é cozida viva e divida com o grupo. A fluidez do bando de /Gwi é revelada quando !Gai e sua família partem com seus parentes, desaparecendo no mato alto das pradarias veld ao som de Melões Amargos de Ukxone.
9. Debe's Tantrum

Manha de Debe

dvd, cor, 9 minutes, 1972

Direção: John Marshall
Pais San raramente castigam suas crianças, por acreditarem que é ineficiente e fonte de conflitos públicos. Neste filme, um menino de cinco anos de idade chamado Debe recusa-se a deixar sua mãe Di!ai ir para a coleta sem ele. Di!ai recorre a sua irmã N!ai para entreter a criança, mas Debe resiste. No final Di!ai carrega Debe nas suas costas. Este é um filme associado ao filme “O Ninho de Vespas” (The Wasp Nest, 1972) que mostra Di!ai, Debe e outra mulher com crianças numa expedição de coleta subseqüente.
10. Playing with Scorpions

Brincando com Escorpiões

dvd, cor, 4 min, 1972

Direção: John Marshall
Crianças tentam o destino brincando com escorpiões.
11. A Rite of Passage

Um Rito de Passagem

dvd, cor, 14 min, 1972

Direção: John Marshall
Uma pequena cerimônia chamada “marcação” ocorre quando um menino !Kung mata seu primeiro grande antílope. Caçar não só provê carne, peles e tendões úteis, mas a caçada bem-sucedida de um jovem homem também absolve uma obrigação social com seu sogro em potencial, que recebe fornecimento de carne para distribuir para vila inteira. Aqui, /Ti!kay, um garoto de treze anos, atira no seu primeiro gnu com uma flecha. O pai de /Ti!kay, Kan//a, e Crooked /Qui ajudam o jovem caçador a seguir, despelar e destrinchar o animal. Depois da carne ser levada até a vila, uma cerimônia de escarificação acontece, simbolizando a importância da caça e a passagem de /Ti!kay à idade adulta. Ele agora é considerado um genro aceitável pelos pais da garota a quem foi prometido há muito tempo.
12. The Wasp Nest

O Ninho de Vespas

dvd, cor, 20 min, 1972

Direção: John Marshall
A coleta de alimentos selvagens, a atividade de subsistência básica in Nyae Nyae, é prioritariamente responsabilidade das mulheres. Enquanto os homens distribuem as caças que eles matam, mantendo assim uma grande rede de pessoas além da sua família imediata limitadas por favores e obrigações, as mulheres sustentam primariamente suas famílias imediatas. O filme explora as interações entre essas mulheres conforme elas vão se engajando em atividades cotidianas de procurar comida.
13. Children Throw Toy Assegais

Crianças Jogam Lanças de Brinquedo

dvd, color, 7 min, 1972

Direção: John Marshall
Menino joga lança de brinquedo numa árvore tentando fazer com que ela se fixe na casca. Uma menina assiste.
14. Men Bathing

Homens Tomando Banho

dvd, cor, 14 min, 1973

Direção: John Marshall
Em Nye Nye a água freqüentemente perdura em reservatórios abertos. Algumas vezes, se chove bastante, a água fica nesses reservatórios, como se fossem pequenos lagos, por todo o ano. Neste filme cinco homens !Kung visitam o reservatório Nama. /Ti!kay vai lavar roupas que ele adquiriu em sua viagem para resgatar o bando de sua esposa dos fazendeiros brancos. Outros homens vêm se banhar. Os homens usam a oportunidade para trocarem piadas sexuais, com prazer e hilaridade.
15. Lion Game

Caçada do Leão

dvd, cor, 4 min, 1974

Direção: John Marshall
/Gunda, um jovem (que mais tarde se casa com N!ai), finge ser um leão. Ele é “caçado” e “morto” por um grupo de meninos.
16. !Kung Bushmen Hunting Equipment

Equipamento de caça dos Bushmen !Kung

dvd, cor, 37 min, 1974

Direção: John Marshall
Este filme mostra em detalhes todas as peças do conjunto de caça dos !Kung e como cada peça é feita e usada, da coleta da matéria-prima à fabricação final, incluindo a preparação de flechas envenenadas.
17. Baobab Play

Brincadeira Baobá

dvd, color, 8 min, 1974

Direção: John Marshall
Crianças e adolescentes arremessam varas, frutas e folhas uns nos outros de um poleiro numa enorme árvore baobá.
18. The Meat Fight

A Luta pela Carne

dvd, cor, 14 min, 1974

Direção: John Marshall
Na ausência de hierarquias e uma autoridade institucionalizada, a liderança entre os !Kung deriva do talento e da experiência. Ele é exercido espontaneamente e informalmente na mediação de conflitos. Neste filme, uma discussão emerge entre dois bandos quando um antílope morto por um caçador de um dos bandos é encontrado e distribuído por um homem do outro bando. O filme ilustra o papel dos líderes na sociedade !Kung e a habilidade dos !Kung de liquidar disputas sem violência e sem uma organização política formal.
19. Tug-Of-War, Bushmen

Cabo de Guerra, Bushmen

dvd, cor, 6 min, 1974

Direção: John Marshall
Meninos em dois times lutam por todo o comprimento de uma mangueira de borracha.
20. N!ai, The Story of a !Kung Woman

N!ai, a história de uma mulher !Kung (N!ai, The Story of a !Kung Woman)

dvd, cor, 59 min, 1980

Direção: John Marshall and Adrienne Miesmer
Este filme fornece uma visão ampla sobre a vida dos !Kung, tanto no passado quanto no presente, e um retrato íntimo de N!ai, uma mulher !Kung que em 1978 possuía aproximadamente trinta e poucos anos. N!ai conta sua própria história, e junto com ela, a história da vida dos !Kung nos últimos trinta anos. Conforme N!ai vai falando, o filme apresenta cenas de 1950 que a mostram como uma menina e uma jovem esposa.

A originalidade de “N!ai...” possivelmente está na firme integração de etnografia e história. Enquanto o filme retrata as mudanças na sociedade !Kung pelos trinta anos, ele nunca perde de vista o indivíduo, N!ai.



21. A Kalahari Family

Uma Família Kalahari

A família Kalahari é uma série de seis horas, dividia em partes, que documenta 50 anos nas vidas dos Ju/’hoansi do sul da África, de 1951 a 2000. Estes caçadores, que uma vez eram independentes, foram desapossados, confinados a uma terra natal e ao caos da guerra. Assim, enquanto crescem as esperanças a respeito da independência da Namíbia e sobre o fim do apartheid, os Ju/’hoansi lutam para estabelecer comunidades agrícolas e recuperar suas terras. As séries desafiam estereótipos do Bushmen Primitivo com imagens dos projetos de desenvolvimento que os Ju/’hoansi estão desenvolvendo.


Part One: A FAR COUNTRY (90 Min.)

Parte um: UMA REGIÃO DISTANTE

Em 1951, a família Marshall começou a documentar a vida dos Bushmen de Kalahari. Depois de uma semana viajando em veículos adaptados para o deserto, eles encontraram Toma Tsamkxao e seu grupo Ju/’hoan em Nyae Nyae. Em suas próprias palavras, a família agregada de Toma descreve como sobrevivem reunindo mato e caça. Assim, inicia-se o relacionamento entre os Ju/’hoansi e os Marshalls que irá durar mais de meio século.


Part Two: END OF THE ROAD (60 Min.)

Parte dois: FIM DA ESTRADA (Part Two: END OF THE ROAD), 60 Min.

John Marshall reuniu-se com a família de Toma, em 1978. Como a maioria dos Ju/’hoansi eles se estabeleceram em Tjum!kui, um posto administrativo dirigido pelo governo sul-africano. Eles procuravam por água, empregos e uma vida mais fácil, mas encontraram pobreza, subnutrição e violência. Desesperados à procura de uma existência mais estável, eles voltam para seu tradicional poço, /Aotcha, com pás, gado e planos de começar a lavoura.


Part Three: REAL WATER (60 Min.)

Parte três: A ÁGUA REAL

Comunidades agrícolas de Ju/’hoan multiplicam-se durante os anos 80 para enfrentar uma nova ameaça. O Departamento de Conservação da Natureza quer criar uma reserva em território Ju/‘hoan. As pessoas serão proibidas de criarem animais ou terem plantações. No lugar disso, serão estimulados a agirem como os “Bushmen” e a caçarem para divertirem os turistas.


Part Four: STANDING TALL (60 Min.)

Parte quatro: FICANDO DE PÉ (Part Four: STANDING TALL), 60 Min.

Depois de doze décadas de sistema colonial, o sudeste africano está próximo de se tornar a nação independente da Namíbia e o povo está ansioso para ter um sistema democrático. Membros da recém-formada Corporativa dos Fazendeiros Ju/‘hoan viajam por fazendas de brancos e terras de negros para encontrar parentes há muito tempo perdidos. Após a primeira eleição nacional da Namíbia, tropas das Nações Unidas reassentaram essas famílias em territórios tradicionais dos Ju/’hoan.


Part Five: DEATH BY MYTH (90 Min.)

Parte cinco: MORTE POR MITO

A independência da Namíbia atrai grande quantidade de ajuda internacional, mas programas de desenvolvimento não mais beneficiam as fazendas Ju/’hoan. Nós testemunhamos o poder do mito Bushmen, que crê que os Ju/’hoan vivem somente em harmonia com a natureza e nascem para caçar. Uma vez prometida grande riqueza, os Ju/’hoans votaram para estabelecer a preservação da natureza. Como seus lucros são magros, 75 dólares Namíbios ($10.50 US) para cada, Ju/‘hoansi pergunta-se “para onde está indo todo o dinheiro?”



SESSÃO COMENTADA

JEAN-LOUIS COMOLLI

Jean-Louis Comolli é, na atualidade, um dos mais importantes teóricos do cinema documentário. Chefe editor dos Cahiers du Cinéma na década de 70, no auge da Nouvelle Vague e do marxismo-estruturalismo, Comolli acaba de escrever um livro de quase 800 páginas nas quais tece uma revisão da história do cinema a partir do cinema documentário. Além disso, é diretor de mais de 40 filmes, entre títulos de ficção e documentário. Commoli enterra, em seus textos, a transparência do documentário, ao escrever que a câmera produz eventos, que o documento é fabricado pela técnica, formatado por opções estéticas, não existe em si e sem a intervenção do cinema.


LES ESPRITS DU KONIAMBO

Os espíritos do Koniambo

França, Betacam, cor, 90 min, 2004

Direção: Jean-Louis Comolli

Fotografia: Ronni Ramirez

Som: Jean-François Priester

Montagem: Ginette Lavigne


O velho Antoine era um erudito de Kana e a principal fonte de informação para o etnólogo Alban Bensa. Antes de morrer, ele esteve profundamente envolvido nos costumes ancestrais e na política, num esforço para ter reconhecidos seus direitos de clã às montanhas de Koniambo. Acontece que Koniambo é rica em níquel, e os líderes do movimento de independência no norte da Provença concederam a exploração de Koniambo à Falcobridge, corporação multinacional sediada em Toronto.

SESSÃO DE ENCERRAMENTO

A IDADE DA TERRA

35mm, cor, 160 min, 1980, Brasil

Direção, roteiro e produção: Glauber Rocha

Direção de fotografia: Roberto Pires e Pedro de Moraes

“Trata-se de um filme que joga no futuro do Brasil, por meio da arte nova, como se fosse Villa-Lobos, Portinari, Di Cavalcanti ou Picasso. O filme oferece uma sinfonia de sons e imagens ou uma anti-sinfonia que coloca os problemas fundamentais de fundo. A colocação do filme é uma só: é o meu retrato junto ao retrato do Brasil.

Esse filme estaria para o cinema talvez como um quadro de Picasso. Os críticos estão querendo uma pintura acadêmica, quando já estou dando uma pintura do futuro.

Na criação artística, o maior empecilho é o medo. Os autores que criaram grandes obras na América Latina venceram o medo para não sucumbir ao terrorismo do complexo de inferioridade. Eu, inclusive, rompi este complexo no berro.

Eu não tenho medo de criar, se tiver engenho e arte, vou me frente. É necessário não ser babaca, pois a babaquice é o maior inimigo do artista.

Arnaldo Carrilho me disse uma vez, diante das ruínas de Pompéia (era um domingo entre janeiro e março de 1965), que Simon Bolívar subiu no Vesúvio e de lá meditou sobre a América Latina: daí partiu para sua ação política. Verdade ou mentira, quero partir do vulcão”.

Glauber Rocha


ASSESSORIA DE IMPRENSA: Mariana Paulino (31) 9113-7737


©principo.org 2016
enviar mensagem

    Página principal