Projeto e execuçÃo de estruturas de aço e estruturas mistas aço-concreto de edifícios



Baixar 1.13 Mb.
Página1/19
Encontro05.08.2016
Tamanho1.13 Mb.
  1   2   3   4   5   6   7   8   9   ...   19



PROJETO E EXECUÇÃO DE ESTRUTURAS

DE AÇO E ESTRUTURAS MISTAS AÇO-CONCRETO DE EDIFÍCIOS

Procedimento

NBR 8800

(Texto base de revisão)


SUMÁRIO


  1. Objetivo

  2. Referências normativas

  3. Definições, notações e unidades

  4. Condições gerais de projeto

  5. Condições específicas para dimensionamento de barras de aço

  6. Condições específicas para dimensionamento de ligações metálicas

  7. Condições específicas para dimensionamento de elementos mistos aço-concreto

  8. Condições específicas para o dimensionamento de ligações mistas

  9. Considerações adicionais de resistência

  10. Condições adicionais de projeto

  11. Estados limites de utilização

  12. Fabricação, montagem e controle de qualidade

ANEXOS


  1. Aços estruturais e materiais de ligação

  2. Ações

  3. Deslocamentos limites

  4. Momento fletor resistente característico de vigas não esbeltas

  5. Flambagem local em barras comprimidas

  6. Momento fletor resistente característico de vigas esbeltas

  7. Força cortante resistente característica incluindo o efeito do campo de tração

  8. Comprimento de flambagem por flexão e torção de barras comprimidas

  9. Critério para estimar o comprimento de flambagem por flexão de pilares de estruturas contínuas

  10. Tensão normal de flambagem elástica

  11. Abertura em almas de vigas

  12. Considerações para barras de altura variável

  13. Fadiga

  14. Vibrações em pisos

  15. Vibrações devidas ao vento

  16. Práticas recomendadas para a execução de estruturas

  17. Vigas mistas aço-concreto

  18. Pilares mistos aço-concreto

  19. Lajes mistas aço-concreto

  20. Ligações mistas aço-concreto

Origem: ABNT –NB-14/86

CB-2 – Comitê Brasileiro de Construção Civil

CE-2:03.03 – Comissão de Estudo de Estrutura Metálicas


SISTEMA NACIONAL DE

METROLOGIA, NORMALIZAÇÃO E QUALIDADE INDUSTRIAL



ABNT – ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE NORMAS TÉCNICAS

©


Palavras-chave: estrutura de aço, cálculo estrutural.

NBR 3 NORMA BRASILEIRA REGISTRADA

CDU: 624.94.016.7 Todos os direitos reservados

1 Objetivo



1.1 Esta Norma, baseada no método dos estados limites, estabelece os princípios gerais que devem ser obedecidos no projeto à temperatura ambiente, na execução e na inspeção de estruturas de aço e de estruturas mistas aço concreto de edifícios nas quais:


  • os perfis de aço sejam laminados ou soldados;




  • os elementos componentes dos perfis de aço, as chapas e as barras tenham espessura igual ou superior a 3 mm;




  • as ligações sejam parafusadas ou soldadas ou mistas aço-concreto.

A exigência relacionada ao tipo de perfil não se aplica às fôrmas de aço das lajes mistas aço-concreto e a conectores de cisalhamento em perfil C formado a frio e a relacionada à espessura mínima às formas de aço citadas, a calços e chapas de enchimento.


As prescrições desta Norma se aplicam aos perfis de aço não híbridos. Caso sejam usados perfis híbridos, devem ser feitas as adaptações necessárias.
1.2 As estruturas mistas aço-concreto incluindo as ligações mistas aço-concreto, previstas por esta Norma são aquelas formadas por componentes de aço e concreto, armado ou não, trabalhando em conjunto.
1.3 Os princípios gerais estabelecidos nesta Norma aplicam-se às estruturas de edifícios destinados à habitação e aos de usos comercial e industrial e de edifícios públicos, e a soluções usuais para barras e ligações. Aplicam-se também às estruturas de passarelas de pedestres.
1.4 Para reforço ou reparo de estruturas existentes, a aplicação desta Norma pode exigir estudo especial e adaptação para levar em conta a data de construção, o tipo e a qualidade dos materiais que foram utilizados.
1.5 O dimensionamento de uma estrutura feito de acordo com esta Norma deve seguir coerentemente todos os seus critérios.
1.6 O responsável pelo projeto deverá identificar todos os estados limites aplicáveis, mesmo que alguns não estejam citados nesta Norma, e projetar a estrutura de modo que os mesmos não sejam violados. Para tipos de estruturas ou situações não cobertos por esta Norma, ou cobertas de maneira simplificada, admite-se o uso de resultados de ensaios, de bibliografia especializada ou de normas ou especificações estrangeiras. Nesse caso, o responsável pelo projeto, se necessário, deverá fazer as adaptações necessárias para manter o nível de segurança previsto por esta Norma. Além disso, os ensaios eventualmente realizados devem seguir procedimentos aceitos internacionalmente, a bibliografia especializada utilizada deve ter reconhecimento e aceitação por parte da comunidade técnico-científica internacional e as normas e especificações estrangeiras devem ser reconhecidas internacionalmente e, no momento do uso, estar válidas.

2 Referências normativas

As normas relacionadas a seguir contêm disposições que, através de referência neste texto, constituem prescrições válidas para a presente Norma. Na data da publicação desta Norma, as edições indicadas eram válidas. Como todas as normas estão sujeitas a revisões, as partes envolvidas em acordos baseados nesta Norma devem investigar a possibilidade de utilização de edições mais recentes das normas indicadas. A ABNT mantém registros das normas válidas atualmente.


NBR 6118:2003 - Projeto e execução de obras de concreto armado
NBR 6120:1980 - Cargas para o cálculo de estruturas de edificações
NBR 6123:1988 - Forças devidas ao vento em edificações
NBR 7188:1984 - Cargas móveis em pontes rodoviárias e passarelas de pedestres
NBR 8681:1984 - Ações e segurança nas estruturas
NBR 14762:2001 - Dimensionamento de estruturas de aço constituídas por perfis formados a frio
NBR 14323:1999 - Dimensionamento de estruturas de aço de edifícios em situação de incêndio
ASTM A307:2000 - Standard specification for carbon steel bolts and studs, 60,000 PSI tensile strength
ASTM A325:2000 - Standard specification for structural bolts, steel, heat-treated, 120/105 ksi minimum tensile strength
ASTM A354:2000 (Grade BD) - Standard specification for quenched and tempered alloy steel bolts, studs, and other externally threaded fasteners
ASTM A370:1997 - Standard test methods and definitions for mechanical testing of steel products
ASTM A394:2000 - Standard specification for steel transmission tower bolts, zinc-coated and bare
ASTM A490:2000 - Standard specification for heat-treated steel structural bolts, 150 ksi minimum tensile strength
AWS A5.1:1991 - Specification for carbon steel electrodes for shielded metal arc welding
AWS A5.5:1996 - Specification for low-alloy steel electrodes for shielded metal arc welding
AWS A5.17:1997 - Specification for carbon steel electrodes and fluxes for submerged arc welding
AWS A5.18:1993 - Specification for carbon steel filler metals for gas shielded arc welding
AWS A5.20:1995 - Specification for carbon steel electrodes for flux cored arc welding
AWS A5.23:1997 - Specification for low-alloy steel electrodes and fluxes for submerged arc welding
AWS A5.28:1996 - Specification for low-alloy steel electrodes for gas shielded arc welding
AWS A5.29:1998 - Specification for low-alloy steel electrodes for flux cored arc welding
AWS D1.1:2000 - Structural welding code - steel
AWS D1.3:1998 - Structural welding code - sheet steel
ISO 898-1:1999 - Mechanical properties of fasteners made of carbon steel and alloy steel – part 1: bolts, screws and studs
ISO 7411:1984 - Hexagon bolts for high-strength structural bolting with large width across flats - product grade C - property classes 8.8 and 10.9

  1   2   3   4   5   6   7   8   9   ...   19


©principo.org 2016
enviar mensagem

    Página principal