Proposta 1: texto narrativo: fazer (ou refazer) os exercícios 1 e 2 da p. 194. conto



Baixar 25.14 Kb.
Encontro26.07.2016
Tamanho25.14 Kb.

PROPOSTAS DE REDAÇÃO E TRABALHO – RECUPERAÇÃO DE REDAÇÃO – 1º TRIMESTRE
ATENÇÃO: PRODUZIR APENAS AS PROPOSTAS QUE FORAM ASSINALADAS NO SEU PLANO INDIVIDUAL DE RECUPERAÇÃO
PROPOSTA 1:
- texto narrativo: fazer (ou refazer) os exercícios 1 e 2 da p. 194.
- conto: leitura dos contos A Cartomante e Missa do galo, de Machado de Assis. Produzir um diário de leitura para cada um dos textos. Seguir o modelo passado pela professora Renata de Literatura.
PROPOSTA 2: texto narrativo baseado em uma notícia de jornal
Polícia investiga morte na Tamoios

Da Folha Vale – 4/8/94

A Polícia Civil do litoral norte suspeita que os três motoristas mortos na rodovia dos Tamoios tenham sido atraídos por um assaltante que usava farda da PM, do Corpo de Bombeiros ou do Exército.

A hipótese foi levantada pelo delegado de Ubatuba, Fausto Cardoso, 36, que investiga a morte do engenheiro Alexandre França de Oliveira, 28. Ele desapareceu no dia 18. Seu corpo foi encontrado no último final de semana, em uma estrada de terra, perto do Km 64 da Rodovia Tamoios.


Proposta: Redija um texto narrativo, em 1ª pessoa, em que o narrador seja um policial que esteja participando das investigações dos assassinatos ou o próprio delegado. Descreva como foi a descoberta dos corpos e a cena do crime. Observe atentamente as informações dadas na notícia e utilize-as para criar o enredo, o conflito e o desfecho do seu texto.
Máximo de 40 linhas (mínimo de 20);

Não se esqueça do título.

Entregar na folha de produção de texto, À caneta (azul ou preta)
TRABALHO SOBRE TIPOS DE DISCURSO:
1) Transforme a fala da personagem em discurso indireto e, em seguida, discurso indireto livre.
Fabiano passara semanas capiongo, fantasiando vingança, vendo a criação definhar na caatinga torrada. E disse para si mesmo:

- Se a seca chegar, abandonarei mulher e filhos, coserei a facadas o soldado amarelo, matarei o juiz, o promotor e o delegado.
2) Transforme o discurso direto em discurso indireto nas sentenças abaixo:


Discurso direto

Discurso indireto

O delegado afirmou:

- Não confio em ninguém!






A garota perguntou:

- Meu namorado não esteve aqui?






O rapaz garantiu:

- Eu farei a revisão do conteúdo para a avaliação.






- Não quero que espalhem meus livros – disse-lhes o professor.




Faça-me um favor – pediu-me o rapaz.




- Hoje o comércio não abre – disse eu.




- Minha irmã vai adorar esta revista – disse a garota.





3) Responda os exercícios da página 27 do livro.


4) (FGV/RJ) - Fundação Getúlio Vargas Rio

Sinhá Vitória falou assim, mas Fabiano resmungou, franziu a testa,

achando a frase extravagante. Aves matarem bois e cabras, que

lembrança! Olhou a mulher, desconfiado, julgou que ela estivesse

tresvariando.

(Graciliano Ramos, Vidas secas)


Uma das características do estilo de Vidas secas é o uso do discurso indireto livre, que ocorre no trecho:
a) "Sinhá Vitória falou assim";

b) "Fabiano resmungou";

c) "franziu a testa";

d) "que lembrança";

e) "olhou a mulher".
5) (FGV/RJ) - Fundação Getúlio Vargas Rio
I. “João Fanhoso fechou os olhos, mal-humorado. A sola dos pés doía. Calo miserável!” (Mário Palmério)
II. “Não brinque, madame. Sou um sertanejo, um bruto, um selvagem. Quanto é que a senhora costuma receber?” (Graciliano Ramos)
III. “Nesse ponto as idéias de Sinhá Vitória seguiram outro caminho, que pouco depois foi desembocar no primeiro. Não era que a raposa tinha passado no rabo a galinha pedrês? Logo a pedrês, a mais gorda. (Graciliano Ramos)
IV. “Martim Francisco não obedeceu. Disse ao imperador que não havia lei que pusesse a cargo do Estado os descuidos dos empregados públicos;...” (Vasconcelos Drummond)
Analisando os quatro textos acima, podemos concluir que o narrador comunicou a fala das personagens, respectivamente, através de:

a) discurso direto – indireto – indireto – indireto livre;

b) discurso indireto – direto – indireto – indireto livre;

c) discurso direto – indireto livre – indireto – indireto livre;

d) discurso indireto livre – indireto – indireto livre – indireto;

e) discurso direto – indireto – indireto – indireto.


6) (Unicamp-SP) Assinale o fragmento narrativo cuja correspondência esteja incorreta quanto ao tipo de discurso.
a) “Dona Candinha, satisfeita, respondeu:

- Então compro os dois!” (discurso direto)


b) “Tínhamos chegado à janela; um preto, que desde algum tempo vinha apregoando cocadas, parou em frente e perguntou se Capitu queria. Capitu respondeu que não.” (discurso indireto)
c) “Perguntou-me se eu sabia o motivo da briga e eu lhe respondi que estava acabando de chegar.” (discurso direto)
d) “Se não fosse isso... Ah! Em que estava pensando? Meteu os olhos pela grade da rua. Chi! Que pretume! O lampião de esquina se apagara.” (discurso indireto livre)
e) “Getúlio ordenou às crianças que parassem com aquele barulho.” (discurso indireto)
7) Relacione a definição ao tipo de discurso correspondente e depois aos exemplos:

  1. Discurso indireto livre

  2. Discurso direto

  3. Discurso indireto

( ) É marcado, geralmente, pela presença de verbos do tipo dizer, afirmar, ponderar, sugerir, perguntar, indagar ou expressões sinônimas, que podem introduzi-lo ou nele se inserir.

( ) No plano formal, verifica-se que, introduzidas também por um verbo declarativo (dizer, afirmar, ponderar, confessar, responder, entre outros), as falas dos personagens se contêm, no entanto, numa oração subordinada substantiva, de regra desenvolvida, introduzida geralmente pela conjunção que.

( ) É uma fusão da fala do narrador com a do personagem, sem verbo de elocução. Confere maior ritmo e fluência ao texto.

EXEMPLOS:

( ) “Se não fosse isso...An! em que estava pensando? Meteu os olhos pela grade da rua. Chi! Que pretume! O lampião da esquina se apagara, provavelmente o homem da escada só botara nele meio quarteirão de querosene.” (Graciliano Ramos)

( ) “E Alexandre abriu a torneira:

- Meu pai, homem de boa família, possuía fortuna grossa, como não ignoram.” (Graciliano Ramos)



( )   “O padre Lopes confessou que não imaginara a existência de tantos doidos no mundo e menos ainda o inexplicável de alguns casos.”

( )       “Que vontade de voar lhe veio agora! Correu outra vez com a respiração presa. Já nem podia mais. Estava desanimado. Que pena! Houve um momento em que esteve quase... quase! Retirou as asas e estraçalhou-a. Só tinham beleza. Entretanto, qualquer urubu... que raiva... “ (Ana Maria Machado)


©principo.org 2016
enviar mensagem

    Página principal