Proposta pedagógica curricular ensino fundamental e médio disciplina: história “apresentaçÃo da disciplina”



Baixar 66.42 Kb.
Encontro29.07.2016
Tamanho66.42 Kb.
PROPOSTA PEDAGÓGICA CURRICULAR

ENSINO FUNDAMENTAL E MÉDIO

DISCIPLINA: HISTÓRIA
APRESENTAÇÃO DA DISCIPLINA”
A educação tem por finalidade desenvolver o educando, assegurando-lhe a formação comum indispensável para o exercício da cidadania e fornecer-lhe meios para progredir no trabalho e em estudos posteriores” (LDB 9.394/96 cap. II seção I, Art.22)

A disciplina de História busca desenvolver a formação do pensamento histórico que possibilite compreender a realidade contemporânea em suas implicações com o passado oportunizando reflexões a respeito de aspectos políticos econômicos e socioculturais dos sujeitos; bem como aprimorar a consciência histórica, instrumentalizando o estudante para produção de narrativas históricas.

A História passou a existir como disciplina em 1837, tendo como linhas gerais a linearidade dos fatos e o uso de documentos oficiais e fontes, e a valorização política de heróis baseada no modelo europeu e branqueamento das raças, legitimando a aristocracia os únicos a fazerem a História.

Em 1901 a disciplina de História passa por um espaço restrito e durante a ditadura de Vargas (1937-1945) passa a ter um caráter moral e cívico dos conteúdos escolares.

Durante a Ditadura Militar o ensino de História continuou um modelo sem espaço para análise crítica e a partir da Lei 5692/71 a disciplina de História e Geografia perdem espaço quando são condensadas como Estudos Sociais e ainda dividem a carga horária com Educação Moral e Cívica.

Na década de 1990 a disciplina de História passa a um novo contorno, resultado de debates num momento de reestruturação de liberdades que resultou no Novo Currículo Básico para a escola Pública do Paraná.

A partir do ano de 2002 inicia-se uma discussão coletiva envolvendo professores da rede estadual resultando na elaboração das Novas Diretrizes Curriculares.

Nessas Novas Diretrizes curriculares para a Educação Básica, na disciplina de História o professor deve observar as necessidades dos sujeitos na sua vida cotidiana, fazendo compreender que estas estão ligadas com o tempo, devendo buscar no passado respostas para questões do presente.

Para compreender, analisar e refletir sobre os acontecimentos do processo histórico, será considerado as contribuições específicas das diferentes correntes historiográficas e a prática da abordagem histórico-crítica.

O resultado desse conhecimento se dará por meio de argumentos fundamentados em evidências através da narrativa Histórica expressa pelos alunos.



Sob uma perspectiva de inclusão social, estas Diretrizes consideram a diversidade cultural e a memória paranaenses, de modo que buscam contemplar demandas em que também se situam os movimentos sociais organizados e destacam os seguintes aspectos:

  • O cumprimento da Lei nº 13.381/01, que torna obrigatório, no Ensino Fundamental e Médio da Rede pública Estadual, os conteúdos de Historia do Paraná

  • O cumprimento da Lei nº 10.639/03, que inclui no currículo oficial a obrigatoriedade da História e Cultura Afro-Brasileira e Africana

  • O cumprimento da Lei nº 11.645/08, que inclui no currículo oficial a obrigatoriedade do ensino da história e cultura dos povos indígenas do Brasil..

Os conteúdos específicos para as series do Ensino Fundamental – Fase final e Ensino Médio devem ser pautados pelos conteúdos Estruturantes e as correntes historiográficas indicados no DCE relacionando-os aos temas centrais do Projeto Político Pedagógico a partir de uma problematizarão envolvendo situações relacionadas às dimensões econômico-social, política e cultural, ou seja, as ações e relações humanas no tempo. A estrutura sócio-histórica se relaciona com o agir, pensar, sentir, representar, imaginar. Sob a perspectiva de transformação constante das estruturas culturais, sociais e políticas, para a superação das carências humanas.

A consciência histórica dá estrutura ao conhecimento como um meio de entender o tempo presente e antecipar o futuro. Ela é uma combinação complexa que contém a apreensão do passado regulada pela necessidade de entender o presente e de presumir o futuro. (RÜSEN, 2006: 14).

Ao estudar História é necessário olhar o passado, tendo como base os problemas e indagações do presente, sempre com o cuidado de respeitar as especificidades de cada tempo e lugar. Isso se deve ao fato de a Historia ser escrita por pessoas vivas e atuantes. Cabe-nos definir uma forma de ressignificar o passado sem deixar de respeitar a existência de outros enfoques.

Ao estudar Historia devemos considerar dois aspectos:

a) HISTORIA enquanto uma realidade humana, ou seja, os fatos, os acontecimentos e processos históricos, dos nossos dias, querem sejam das últimas décadas ou de um passado longínquo.

b) HISTORIA enquanto ciência, que é resultado de pesquisas, análises e reflexões da concreta realidade humana.

A Historia é a ciência dos homens, e sendo o homem o verdadeiro sujeito e protagonista central da Historia. Portanto, o objeto da Historia, enquanto ciência são os homens reais, seres sociais que transformam a natureza pelo trabalho, estabelecendo relações uns com os outros. O trabalho é dessa forma o fator que cria a possibilidade do progresso e do desenvolvimento humano, portanto a própria História.

É preciso ter presente que o objeto da Historia enquanto ciência são as ações humanas de todos os tempos e lugares. Ela busca o conhecimento rigoroso e preciso de acontecimentos humanos ao longo do tempo.

Portanto como vimos cada um de nós tem participação na construção da historia da humanidade, não importa onde estamos ou o que fazemos. Porem é importante conhecer e aprender com a Historia, porque quem não aprende com a História está destinado a repeti-la, e isso nem sempre é aconselhável dependendo dos fatos e dos momentos.

Analisar o processo socioeconômico, valendo-se de uma linguagem histórica, considerando-se as contribuições das corretes historiográficas. Também, levar em consideração a investigação científica do trabalho, do poder e da cultura, subsidiados por diversas fontes e por momento históricos distintos. A que se considerar, além disso, a polifonia advinda dos sujeitos históricos para que seja oportunizado o desenvolvimento constituinte do pensamento histórico . Ou seja, para que se efetive a consciência histórica a que se levar em conta os elelmentos oriundos da abordagem histórica-crítica responsável, tambéem, pela constituição dos sujeitos epistêmicos com a finalidade de produzirem narrativas de apresentação dos conhecimentos históricos.



Conteúdos estruturantes:

* Relações de trabalho Pelo trabalho expressam-se as relações que os seres humanos estabelecem entre si e com a natureza, ou seja, no que se refere à produção material como à produção simbólica.

* Relações de poder Pode-se definir como “a capacidade ou possibilidade de agir ou de produzir efeitos” e pode ser referida a indivíduos e a grupos humanos.

* Relações culturais Buscam entender a cultura como aquelas que permite conhecer os conjuntos de significados que os homens conferiram a sua realidade para explicar o mundo.
CONTEUDOS ESTRUTURANTES: PARA 5ª SÉRIE/ 6º ANO –

Relações de Trabalho

Relações de Poder

Relações Culturais
CONTEÚDO BÁSICO PARA 5ª SÉRIE/ 6º ANO –

Os diferentes sujeitos, suas culturas, suas Histórias.



  • A experiência humana no tempo.

  • Os sujeitos e suas relações com o outro tempo.

  • As culturas locais e a cultura comum.

Conteúdos Específicos

O império Bizantino; o Mundo Árabe; os Povos Germânicos e o Império Carolíngio; a Igreja Medieval; o Sistema Feudal e sua crise; Renascimento; Absolutismo; Expansão Marítima Européia; Mercantilismo; Reformas Religiosas; América e África Pré-coloniais. Questõesdos Indígenas.

Estudo sobre o Paraná

- Os primeiros habitantes no Paraná (como viviam os primeiros habitantes do Brasil.

- A ocupação Portuguesa no espaço paranaense (povoamento e ocupação do Brasil)

- O trabalho escravo no Paraná (Escravidão no Brasil)

- O ouro no Paraná (descoberta e exploração do ouro no Brasil)

Os conteúdos previstos para o ano letivo: Surgimento da História, Ocupação, Exploração e desenvolvimento do Paraná.

Através da exposição do professor, pesquisa e análise de materiais pelos alunos, debates de documentários e vídeos, produção de painéis.

Será dada ênfase, junto a estes conteúdos a Educação para o Campo, pelo fato.de nossa clientela ser 38% da área agrícola.

Temas dos desafios contemporâneos como sexualidade, violência, drogadição, consumo, mídia, internet, será trabalhado em forma de oficinas com todas as turmas.
CONTEÚDOS ESTRUTURANTES – 6ª SEREIS 7º ANOS

- Relações de Trabalho

- Relações de Poder

- Relações Culturais
Conteúdos Básicos:

As relações de propriedade; A constituição histórica do mundo do campo e o mundo da cidade, conflitos e resistências e produção cultural campo/cidade



Conteúdos Específicos:

O Império Bizantino; o mundo Árabe; os Povos Germanicos e o Império Carolinio; a Igreja Medieval; o Sistema Feudal e sua Crise; Renascimento; Absolutismo; Expansão Maritma Européia; Mercantilismo; Reformas Religiosas; América e Africa-a questão africana, e suas contribuições; As civilizações Pré-Colombianas – História do PR Os primeiros Habitamtes; a Ocupação Portuguesa no PR; O trabalho escravo no PR;O ouro no PR;

Temas dos desafios contemporâneos como: Sexualidade, violência, Questões ambientais, drogadição, consumo, mídia internet será trabalhado em oficinas com todas as turmas.



Conteúdos Estruturantes: PARA 7ª SÉRIE/ 8º ANO –

- Relações de Trabalho

- Relações de Poder

- Relações Culturais
CONTEÚDOs BÁSICOS:

O mundo do trabalho e os monumentos de resistência.



  • História das relações da Humanidade com o trabalho

  • O trabalho e a vida em sociedade.

  • O trabalho e as contradições da modernidade.

  • O trabalho e as conquistas de direito.

Conteúdos específicos – Transição da Economia açucareira para Economia Mineradora no Brasil, A mão de obra africana; Transformações Burguesas na Europa a partir das mudanças no Absolutismo, passando pelo Iluminismo, Revolução Industrial, Revolução Francesa e a Era Napoleônica, formação Da Nação Brasileira no Quadro dos movimentos de Independência nas Américas, Império Brasileiro e Origens s República no Brasil.

Temas dos desafios contemporâneos como sexualidade, violência, drogadição consumo, mídia, internet, será trabalhado em forma de oficinas com todas as turmas.



CONTEÚDOS ESTRUTURANTES PARA 8ª SÉRIE/ 9º ANO

- Relações de Trabalho

- Relações de Poder

- Relações Culturais
CONTEÚDOS BÁSICOS:

– Relações de Dominação e resistência: A formação do Estado e das Instituições Sociais.



  • A Constituição das instituições sociais.

  • A formação do Estado.

  • Sujeitos, guerras e revoluções.

Conteúdos Específicos – As Transformações no século XIX, com Nacionalismos, Imperialismos, Expansão dos EUA, Primeira Guerra Mundial, Entre Guerras e Revolução Russa, Segunda Guerra Mundial, Brasil na Era Vargas, Desenvolvimentismo, Ditadura e Contexto Atual Pós-Era FHC e Lula, Fim da Guerra

Temas dos desafios contemporâneos como sexualidade, Violência, questões ambientais, Cultura afro e Indigena, Consumo, Mídia, internet será trabalhado em oficinas e com todas as turmas.

.
1ª – Ano

Conteúdos Estruturantes:

- Relações de Trabalho

- Relações de Poder

- Relações Culturais

Conteúdos Básicos

Temas 1e 2

Trabalho Escravo, Servil, Assalariado e o Trabalho Livre

Conteúdos Específicos:

- Conceito de Trabalho

O mundo do trabalho em diferentes sociedades


  • A Construção do trabalho assalariado

  • Transição do trabalho escravo livre:

  • A mão-de-obra no contexto de consolidação do capitalismo nas sociedades: brasileira e estadunidense.

  • Relações de dominação e resistência no mundo do trabalho contemporâneo (século XVIII e XIX)

  • Urbanização e industrialização no Brasil

  • O trabalho na sociedade contemporânea

  • Educação para o campo. Questão da Terra e dos sujeitos segregados.

  • Consumo, Mídia,



2ª Ano

Conteúdos estruturantes

Relações de Trabalho

Relações de poder

Relações Culturais

Conteúdos Básicos:

Tema 3 e 4 O Estado e as Relações de Poder; Os Sujeitos, as revoltas e as guerras

Conteúdos Específicos:

O Estado nos mundos antigo e medieval



  • O Estado e as relações de poder: formação dos Estados nacionais

  • Relações de poder e violência no Estado

  • O Estado imperialista e sua crise

  • Urbanização e industrialização no Paraná – Questões Ambientais.

  • Com palestras será trabalhado alguns temas contemporâneo como a drogadição, sexualidade, violência.


3ª Ano

Conteúdo Estruturante:

- Relações de Trabalho

- Relações de Poder

- Relações Culturais

Conteúdos Básicos:

Temas 5 e 6 Movimentos sociais, políticos e culturais e as guerras e revoluções, cultura e religiosidade.

Conteúdos Específicos:

  • As cidades na História

  • Poderá ser trabalhado as questões sobre a Terra e os sujeitos segregados.

  • Relações culturais nas sociedades gregas e romanas na antiguidade:

Mulheres, plebeus e escravos;

  • Relações culturais na sociedade medieval européia;

Camponeses, artesões, mulheres, hereges e doentes.

  • Movimentos sociais, políticos, culturais e religiosos na sociedade moderna.

  • Será trabalhado a Questão dos sujeitos segregados Negros e Indígenas.

  • Urbanização e industrialização no século XIX

  • Movimentos sociais, políticos e culturais na sociedade contemporânea: é proibido proibir?

Urbanização e industrialização na sociedade contemporânea.

- Será também trabalhado temas contemporâneos com palestras sobre sexualidade, drogadição, Tecnologia e Internet.



Metodologia da disciplina

para os anos finais do Ensino fundamental propõe-se que os conteúdos priorizem as histórias locais e do Brasil, estabelecendo-se relações e comparações com a História mundial. Para o ensino Médio, a proposta é um ensino por temas históricos, ou seja, os conteúdos terão como finalidade a discussão e a busca de solução para um tema/problema previamente proposto. Entretanto é necessário ressaltar que a História Temática será utilizada quando o conteúdo em desenvolvimento oportunizar a utilização desta prática pedagógica.

Buscando a compreensão do conhecimento histórico, observar-se-à as contribuições específicas das diferentes correntes historiográficas e a prática da abordagem histórico – crítica.

Através da interpretação, análise e compreensão dos diferentes processos e acontecimentos históricos objetiva-se a formação do pensamento histórico, a ampliação da consciência histórica, capacitando o aluno para a produção de narrativas históricas.

Contribuindo para operacionalização cotidiana das aulas de história, dialogadas, expositivas e interativas, considerar-se-à a problematização dos conteúdos, consulta a diferentes fontes, contextualização dos acontecimentos históricos, observando o significado das diferentes temporalidades e a busca de conceitos através da prática interdisciplinar, quando este encaminhamento se fizer necessário.

Instrumentalizando os estudos na compreensão do processo histórico serão utilizados diferentes recursos didático-pedagógica tais como: leitura e análises de textos, interpretação e releitura de imagens, desenhos, ilustrações e fotografias, exibição de documentários e fragmentos fílmicos, produção/elaboração de textos, resolução de atividades e exercícios, confecção de cartazes, murais e painéis, realização de trabalhões e pesquisa individuais e em grupos, realização de seminários, produção de charges, paródias e versos rimados, encenação de acontecimentos históricos, confecção e interpretação de mapas históricos, análises de gráficos e dados estatísticos, desenho e ilustração de fatos históricos, organização de histórias em quadrinho e outros.

Utilizar-se-à d na prática cotidiana a TV multimídia, o Laboratório de informática como espaço de pesquisa, exibição de slides por meio de Projetor Multimídia, bem como, outras tecnologias que contribuam com o desenvolvimento do conhecimento científico.

No contexto do desenvolvimento dos conteúdos históricos serão oportunizados, projetos, reflexões, sensibilização, convencimento, implementação, Semana Cultural da Consciência Negra 20/11, Semana cultural dos Povos tradicionais indígenas 19/04 e atividades para a visualização dos sujeitos históricos africanos, negros, afro-brasileiros (Lei 10.639/03) e comunidades tradicionais indígenas (Lei 11645/08) como personalidades historicamente discriminados no projeto de formação e organização da nação brasileira e suas contribuições própria para a história e cultura do país.

Será oportunizado, também, o conhecimento das especificidades, política, econômicas e socioculturais do estado do Paraná, (Lei 13.381/01) bem como sua importância no cenário regional e nacional.

Partindo de uma abordagem de divisão temporal a partir das Histórias Locais e nacionais analisando as heranças africanas e os movimentos negros de reivindicação e desta forma inserindo a cultura-africana e afro brasileiro no ensino de História.



No desenvolvimento das aulas serão escolarizados os desafios da sociedade contemporânea (sexualidade, Violência, Questões ambientais, drogadição, Consumo, Mídia-tecnologia/internet, questões da terra, entre outros), objetivando analise, reflexão, orientação para a superação dos mesmos na comunidade onde a escola esta inserida.

. Para que a abordagem do ensino de Historia tenha como referência novos olhares sobre o passado faz se necessários que os conteúdos estruturantes: Relações de Trabalho, Relações de Poder, Relações Culturais, sejam tomados em conjunto com os conteúdos básicos e específicos a partir das Histórias locais e do Brasil e suas relações com a História Geral, buscando construir uma consciência histórica que possibilite compreender a realidade contemporânea e as implicações do passado em sua constituição

É importante, também, problematizar o conteúdo a ser trabalhado. Problematizar o conhecimento histórico “significa em primeiro lugar partir do pressuposto de que ensinar História é construir um diálogo entre o presente e o passado, e não reproduzir conhecimentos neutros e acabados sobre fatos que ocorreram em outras sociedades e outras épocas” (CAINELLI & SCHMIDT, 2004, p. 52).

Para melhor compreender os conteúdos os mesmos deverão ser trabalhados de forma a fazer o aluno sentir-se parte integrante da sociedade e quadjuvante na construção do processo histórico de tal forma que o aluno possa entender o hoje como uma conseqüência do ontem e até prever o que pode acontecer amanhã nas diversas sociedades.

A utilização de idéias pré concebidas experiências de vida rumo ao conhecimento científico, capacitara o educando evoluir para a perfeição e contituir-se num verdadeiro servidor da humanidade.

Para tanto e necessário despertar o processo de evolução consciente através do próprio exemplo, despertando a sensibilidade, cultivo do afeto que e responsável pelas boas relações humanas num ambiente onde se cultivam qualidades morais e éticas, como respeito, alegria, disciplina, tolerância ajuda sincera, liberdade.

Estimulo do saber e a pratica ao bem comum despertado através de estímulos naturais e positivos indispensáveis a formação do caráter e o gosto pelo conhecimento.

Avaliação
O saber é a razão de ser da existência do homem na terra, a primeira e ultima de suas tarefas. Não sendo, portanto a escola um lugar de apenas medir, pontuar e classificar de promover de excluir e rotular, ao contrario deve transformar em ação processual, propiciando diagnosticar e mapear os conhecimentos prévios dos alunos orientando os passos iniciais da ação docente e discente.

Uma avaliação que conhecendo as diferenças individuais definidoras de aptidões individuais, utiliza abordagens também diversificadas, através de instrumentos variados, é compreendida como uma prática que alimenta e orienta a intervenção pedagógica.

Fundamentado na Diretriz Curricular de História, que propõe reflexões sobre a avaliação no ensino de História, objetiva-se favorecer a busca da ocorrência entre a concepção de História defendida e as práticas avaliativas que integram o processo de ensino e de aprendizagem. A avaliação deve estar a serviço da aprendizagem de todos os estudantes, permeando o conjunto das ações pedagógicas e não como elemento externo a este processo.

Refutam-se as práticas avaliativas que priorizam o caráter classificatório, autoritário, que desvinculam a sua função de aprendizagem, que não se ocupam dos conteúdos e do seu tratamento conforme as concepções definidas no Projeto político pedagógico da escola. Uma avaliação autoritária e classificatória materializa um modelo excludente de escolarização e de sociedade, com o qual a escola pública tem o compromisso de superação. Considerar-se-á os fundamentos proposto pelas modalidades de avaliação Diagnostica, Formativa, Somativa e/ou Progressão e Continua no processo de aplicação de diferentes instrumentos avaliativos.

No cotidiano pedagógico, ao se aplicar diferentes instrumentos de avaliação, o professor estará observando nas narrativas históricas produzidas pelos estudantes os seguintes critérios: Lista,Cita, Caracteriza, Produz, Elabora, representa, Interpreta, Reflete, analisa, Conceitual, Compara, Compreende, identifica, Sintetiza Seqüência, entre outros.

Para avaliar/Investigar a progressão e a compreensão dos estudantes sobre os conteúdos do processo histórico desenvolvidos, serão utilizados diferentes recursos, instrumentos, tais como: leitura e análise de textos, interpretação e releitura de imagens, desenhos, ilustrações e fotografias, produção/elaboração de textos, resolução de atividades e exercícios, confecção de cartazes, murais e painéis, realização de seminários, produção de charges, paródias e versos rimados, encenação dos acontecimentos históricos, confecção e interpretação de mapas históricos, análises de gráficos e dados estatísticos, desenho e ilustração de fatos históricos em quadrinhos, testes orais e escritos, entre outros.

Tanto no ensino Fundamental como no Ensino Médio, após a avaliação diagnóstica, o professor e seus alunos poderão visitar as práticas desenvolvidas até, então de modo que identifiquem lacunas no processo pedagógico. Essa permitirá ao professor planejar e propor encaminhamentos para a recuperação/superação das dificuldades contatadas.

Nesta oportunidade serão aplicados novos e diferenciados instrumentos avaliativos como: produção de narrativas históricas, testes orais e escritos, elaboração de trabalhos com roteiro determinado pelo professor, representação de conteúdos através de mapa conceitual, resolução de roteiros de interpretação de texto.

. O estabelecimento de ensino desenvolverá um processo de recuperação da aprendizagem quando o aluno tiver necessidade ou não atingir o objetivo proposto.

Ofertar recuperação de estudos significa encarar o erro como hipótese de reflexão sobre o objeto a ser conhecido. Ela se dará concomitantemente ao processo ensino-aprendizagem, considerando a construção do conhecimento, de aceitá-lo como parte integrante da aprendizagem, possibilitando a reorientação dos estudos. Apropriação dos conhecimentos básicos, sendo direito de todos os educados, independentemente do nível de apropriação dos mesmos.

A recuperação será individualizada, organizada com atividades significativas, e indicação de roteiro de estudos, entrevista para melhor diagnosticar o nível de aprendizagem de cada educando com novas atividades significativas e de novos instrumentos de avaliação, conforme o descrito no Regimento Escolar.

A recuperação de estudo citada no artigo 110 do Regimento Escolar rege que os aspectos qualitativos da aprendizagem devem preponderar sobre os quantitativos e para isso a escola oportunizará:



  • A cada Instrumento Avaliativo será dado oportunidade de recuperação Paralela, caso não se aproprie do conteúdo.

  • A nota da Recuperação sendo inferior a da Avaliação prevalecerá à nota da avaliação, sendo que a nota real da recuperação e avaliação será registrada.

  • Conforme Regimento Escolar o aluno deve participar ativamente de todas as atividades propostas pela escola, caso não esteja participando, verificar o porquê, pois, pode não estar entendendo ou não sabendo fazer, cabe ao professor junto a Equipe verificar as causas e intervir; junto ao aluno e à família;

Cabe ao professor oportunizar variadas metodologias para o esclarecimento de dúvidas e avanço na construção da aprendizagem situando o aluno como parte de um coletivo, em que a responsabilidade pelo e com o grupo seja assumida com vistas à aprendizagem de todos.

REFERENCIAS
A Construção do Fato Histórico e o ensino da História – Revista Espaço Acadêmico n 77 Outubro de 2007.

BITENCOURT, M.C. Ensino de História: Fundamentos e Métodos. São Paulo: Imprensa Oficial, 2000.

BITENCOURT, M.C. Ensino de História: Fundamentos e Métodos. São Paulo: Imprensa Oficial, 2000.

BRASIL. Ministério da Educação. Guia de livros didáticos PNLD 2008: História / Ministério da

Educação. - Brasília: MEC, 2007.

FRIGOTO,Gaudêncio; GENTILLI Pablo PARANÁ - A Cidadania Negada:– Editora Cortez – ano de Publicação 2008.

LINHARES, Temístocles – Paraná Vivo – ano 2000 Editora: Imprensa Oficial do Paraná.

MINISTERIO DA EDUCACAO E DA CULTURA, Parâmetros Curriculares Nocionais de História.

PARANÁ – Diretrizes Curriculares da Educação Básica – História SEED Curitiba: 2008.

PARANÁ – Diretrizes Curriculares da Educação Básica – História SEED Curitiba: 2008.

PARANA, Secretaria de Estado da Educação, Diretrizes Curriculares de História para a Educação Básica, Curitiba: SEED, 2000

PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA – CASA CÍVIL, Subchefia para assuntos jurídicos Lei 10.639 de 09 de Janeiro de 2003. Inserção dos conteúdos de História e Cultura Afro-Brasileira nos Currículos Escolares.

PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA – CASA CÍVIL, Subchefia para assuntos jurídicos Lei 10.639 de 09 de Janeiro de 2003. Inserção dos conteúdos de História e Cultura Afro-Brasileira nos Currículos Escolares.

RÜSEN. Jörn. Didática da História: passado, presente e perspectivas a partir do caso alemão. Práxis Educativa. Ponta Grossa, PR. v. 1, n. 2, p. 07 – 16 jul. – dez. 2006. Referências

SCHMIDT, M. A.; CAINELLI, M. Ensinar história. São Paulo: Scipione, 2004. (Pensamento e ação no magistério

SCHMIDT, Maria Auxiliadora – GARCIA, Tânia Maria F.Braga – Ensinar e aprender História – Editora Scipione – Edição 1 – Lançamento 2008.



Secretaria de Educação Fundamental. Brasília: MEC/SEF, 1998.


©principo.org 2016
enviar mensagem

    Página principal