Proposta pedagógica



Baixar 178.99 Kb.
Página1/3
Encontro04.08.2016
Tamanho178.99 Kb.
  1   2   3
PROPOSTA PEDAGÓGICA

I - Apresentação


II - Justificativa
III - Fins e objetivos
IV - Concepção de criança, de desenvolvimento infantil e de aprendizagem
V - Características da população a ser atendida e da comunidade na qual se insere
VI - Regime de funcionamento
VII - Espaço físico, instalações e equipamentos
VIII - Relação de recursos humanos, especificando cargos e funções, habilitação e ou formação profissional
IX – Parâmetros de organização de grupo e relação professor/aluno
X – Organização do cotidiano de trabalho junto às crianças
XI – Proposta de Articulação da instituição com a família e a comunidade
XII – Metodologia utilizada
XIII – Processo de avaliação do desenvolvimento integral da criança
XIV – Processo de planejamento geral e avaliação institucional
XV – Processo de Articulação da educação infantil com o ensino fundamental
XVI – Considerações Finais
XVII - Bibliografia
I – APRESENTAÇÃO

A educação infantil, como primeira etapa da Educação Básica, tem a primazia dos momentos livres para brincar, estabelecer elos afetivos, indispensáveis na reestruturação de personalidade sadia e feliz.

Educar uma criança de 04 e 05 anos, significa propiciar situações de cuidados, brincadeiras e aprendizagens, orientadas de forma integrada e que possam contribuir para o desenvolvimento das capacidades infantis de relações interpessoal, de ser e estar com os outros em uma atitude básica de aceitação, respeito e confiança, e o acesso, pelas crianças, aos conhecimentos mais amplos da realidade social e cultural.

Durante o período da Educação Infantil, a criança estabelece toda a base do seu desenvolvimento motor, intelectual e social. A aprendizagem surge da descoberta e curiosidade natural do indivíduo pelo mundo que o cerca. Portanto, a criança precisa de condições para experimentar, criar, construir e expressar-se livremente.

A Escola Ana Luiza, baseada em sua própria filosofia e também nos Parâmetros Curriculares Nacionais, trabalha de forma a tornar tudo isso possível.

Os professores, experientes e com formação adequada, são treinados para tornar possível que os objetivos pedagógicos sejam cumpridos, respeitando cada aluno como indivíduo único, estimulando suas habilidades e competências para que, além de aprender, possam tornar-se pessoas capazes, independentes, empreendedoras, seguras e felizes.



II – JUSTIFICATIVA

Enquanto sujeito histórico, construtor de conhecimento, a criança ao mesmo tempo em que constitui o mundo, torna-se constituída por ele. Cada criança/sujeito constrói conceitos pessoais. Tudo aquilo que a criança sabe, que foi construído por ela, passa a fazer parte de um patrimônio próprio, fruto de suas condutas, e não de algo depositado por outra pessoa (Deheinzelin, 1994).

Cabe à nossa escola uma proposta pedagógica consistente no sentido de fomentar a transformação dos conhecimentos espontâneos em científicos, promovendo um trabalho onde as crianças desenvolvam atividades em grupo, incitando discussões acerca de suas impressões sobre os fatos, levantando hipóteses a partir de seus conhecimentos prévios e, concomitantemente, se constituindo enquanto sujeito cooperativo.

O papel da Educação Infantil é dar acesso ao universo letrado, proporcionando às crianças, desde seu ingresso, contato com os mais variados suportes de leitura e escrita, pois entendemos que ler e escrever transcende a mera decodificação, visto que é no mundo escrito e lido que se arquiva o saber acumulado pela humanidade.

A partir destas considerações, devemos então ter claro que é preciso estabelecer metas coerentes para que esta proposta pedagógica seja viva, podendo acontecer em diferentes lugares com suas especificidades, história, cultura e necessidades.

III-FINS E OBJETIVOS

1. FINALIDADE DA EDUCAÇÃO INFANTIL
Entendemos que ler e escrever transcende a mera decodificação, visto que é no mundo escrito e lido que se arquiva o saber acumulado pela humanidade. Então parece acertado refletir sobre a apropriação deste saber, o sentido das coisas é construído pela sociedade, o verdadeiro significado do mundo só existirá para o individuo a partir do processo de elaboração deste. Isto quer dizer que o sentido só se efetiva na construção do significado por parte de cada pessoa.

A partir destas considerações, devemos então ter claro que as finalidades educativas traçadas nesta proposta curricular seja viva, podendo acontecer em diferentes lugares com suas especificidades, históricas, culturais, necessidades vivenciais, e ainda, longe de uma idéia de pré-escola tradicional, com o objetivo de preparação para a escola do ensino fundamental.



2. OBJETIVO GERAL
Desenvolver esta proposta em que as ações de cuidar e educar sejam permeados por atividades lúdicas, na perspectiva do direito da criança, quanto às questões relacionadas à sua saúde, higiene, alimentação, segurança, desenvolvimento e aprendizagem.

3. OBJETIVOS ESPECÍFICOS


  • Auxiliar a criança a desenvolver uma imagem positiva de si com vistas ao processo de diferenciação e autonomia do sujeito;

  • Intervir no sentido de proporcionar a criança sua descoberta e conhecimento progressivo de seu próprio corpo, seu potencial e limitações, hábitos de cuidado com a própria saúde e bem estar;

  • Estabelecer vínculos afetivos, ampliando as possibilidades de comunicação e socialização infantil;

  • Operar no sentido de propiciar o desenvolvimento da competência relacional da criança no sentido desta considerar seus interesses e o interesse dos demais parceiros, direcionando-a ao sentido de bem comum, ajuda, colaboração e consciência de regra;

  • Proporcionar situações onde a criança possa explorar e observar o ambiente com atitude de curiosidade, percebendo-se como integrante, dependente e agente de transformação do seu meio;

  • Possibilitar abertura para que a criança possa se inscrever subjetivamente na realidade por meio de brincadeiras e da expressão de sua afetividade e do seu pensamento;

  • Estimular para que a criança utilize as diferentes linguagens, seja corporal, musical, plástica, oral e escritas ajustadas às diferentes intenções e situações de comunicação, de forma a compreender e ser compreendido, expressar suas idéias, sentimentos, necessidades e desejos a avançar no seu processo de construção de significados, enriquecendo cada vez mais sua capacidade expressiva;

  • Levar a criança a conhecer diferentes manifestações culturais, considerando as atitudes de interesse, respeito e participação frente a elas, bem como a valorização da diversidade.



IV – CONCEPÇÕES
1. EDUCAÇÃO INFANTIL
A concepção de Educação Infantil vem mudando radicalmente nos últimos anos. A visão assistencialista esta dando lugar a um novo enfoque educacional.

É primordial na primeira etapa da educação básica (definida pela LDB 9394/96), que os educadores proporcionem as crianças atividades que desenvolvam suas potencialidades no aspecto cognitivo, afetivo, psicomotor e social. 


A criança passa a ser vista como um ser criativo que tem a participação ativa na construção de seu conhecimento. Cabe ao educador proporcionar atividades prazerosas favorecendo as interações, respeitando acima de tudo o desenvolvimento de cada criança, que acontecerá de forma natural e gradativa.
Deve estar em constante busca de novos materiais e idéias para enriquecer seu trabalho em sala.
Nessa perspectiva os artigos publicados contribuirão de forma a enriquecer o trabalho educativo, ressaltando a importância no desenvolvimento infantil.


2. CRIANÇA

A criança é um ser social e histórico, que faz parte de uma organização familiar inserida em uma sociedade caracterizada por uma determinada cultura.


É profundamente marcada pelo meio social em que se desenvolve, mas também o marca.

Tem na família, biológica ou não, um ponto de referência fundamental.


As crianças possuem uma natureza singular, que as caracterizam como seres que sentem e pensam o mundo de um jeito muito próprio.
Através das interações que estabelecem com as pessoas e com o meio que as circunda, as crianças revelam o seu esforço para compreender o mundo em que vivem e por meio das brincadeiras revelam as condições de vida a que estão submetidas, seus anseios e desejos.
As crianças constroem o conhecimento a partir das interações que estabelecem com as pessoas e o meio em que vivem.
O conhecimento não se constitui em cópia da realidade, mas sim, fruto de um intenso trabalho de criação, significação e ressignificação.

3. EDUCAR E CUIDAR
A criança para ser educada e cuidada deve ser compreendida a partir da noção de criança como ser completo, total e indivisível, o que torna indispensável à atenção as práticas que localizem o atendimento das necessidades físicas, emocionais, afetivas, cognitivas lingüísticas e sociais de forma integrada sem privilegiar uma necessidade em detrimento de outra, procurando atende-las na medida do interesse das crianças e de acordo com os padrões e valores da cultura e da sociedade, tem-se assim a educação da pessoa na sua integralidade.

As crianças pequenas e suas famílias devem estar nos centros da Educação Infantil, não valorizando o fato de muitas dessas famílias serem desestruturadas. Devemos proporcionar um ambiente físico e humano, através de estruturas e funcionamento adequado, que propiciem experiências e situações planejadas intencionalmente, de modo a democratizar o acesso a todos, aos bens culturais e educacionais.

As situações planejadas intencionalmente devem prever momentos de atividades espontâneas e outras dirigidas com objetivos claros, que aconteçam num ambiente iluminado pelos princípios éticos, políticos e estéticos definidos na LDB/96.
4. DESENVOLVIMENTO INFANTIL
De zero a sete anos, segundo Piaget, a criança está no período pré-operatório ou da inteligência intuitiva, seu pensamento é egocêntrico (centrado no sujeito),e não separa o físico do psicológico, o objetivo do subjetivo .

Aprende na interação com o outro, com o adulto e com o meio, vai estabelecendo invariantes nas transformações as quais submete o seu mundo físico e daí construindo suas bases para vida .


5. APRENDIZAGEM
A aprendizagem no seu todo encarada como ação educativa, tem como finalidade ajudar a desenvolver nos indivíduos as capacidades que os tornem capazes de estabelecer uma relação pessoal com o meio em que vivem (físico e humano), servindo-se para este efeito, das suas estruturas sensório-motoras, cognitivas, afetivas e lingüísticas.

V – CARACTERIZAÇÃO DA CLIENTELA E DA COMUNIDADE

1 – Clientela Escolar

A nossa clientela é composta por crianças de diferentes níveis e com histórias de vida as mais diversas. A mesma está inserida num contexto em que os filhos, por vários motivos, não tem os pais presentes no seu dia-a-dia ou até mesmo não os têm presentes em suas vidas, acarretando com isso dificuldades no processo ensino-aprendizagem. Muitas dessas crianças ao saírem das Creches ficam com parentes, amigos ou vizinhos, sem ter o acompanhamento e educação familiar adequada e nem os pré-requisitos essenciais para seu desempenho escolar e social como ser humano.

Essa desestruturação familiar verificada em nossa comunidade escolar, tem como fatores preponderantes: o desemprego, a baixa renda familiar, pais separados, violência doméstica, alcoolismo, etc. (diagnóstico escolar). Diante disso, a escola se torna o espaço necessário para agregar essas crianças.

A nossa escola devido a grande procura pela modalidade de educação infantil e em decorrência da localização privilegiada no bairro, foi escolhida para atender crianças de 04 e 05 anos.

Atenderemos 07(sete) turmas por período, desenvolvendo uma educação com o planejamento de atividades pedagógicas inerentes a faixa etária.

Porém, nos deparamos com um problema sério quanto ao espaço para desenvolver as atividades físicas e recreativas na escola, pois não temos pátio ou quadra coberta para tais atividades.

Esperamos superar o nosso problema de espaço adequando a quadra com cobertura e nele o único espaço disponível construir um Parque Infantil e pátio coberto para que nossas crianças possam realizar atividades de recreação, práticas esportivas. Esta é nossa maior meta atualmente.

Quanto aos professores, há uma alta rotatividade, pois a maioria é de interinos, mudando o quadro de professores constantemente. Gostaríamos muito que esse quadro fosse mudado.

Apesar dos problemas, acreditamos que com a formação continuada para professores, o trabalho em equipe, a parceria com os pais e a SME possamos oferecer um ensino de qualidade para as crianças desta comunidade.

2 – Comunidade
O bairro Osmar Cabral foi fundado em 1985. O bairro foi criado com o objetivo de assentar famílias carentes e sem moradia para que assim pudessem ser donos do seu próprio terreno. Os lotes foram doados pelo governador Júlio José de Campos e a profª. Isabel Campos. Após esse momento, houve invasões aos lotes que ainda não haviam sido ocupados e à área de lazer na quadra 13.

Com o decorrer do tempo, alguns moradores mais antigos mudaram-se, vendendo sua moradia para outros.

Os primeiros moradores residentes neste bairro foram: Ana Maria dos Santos Souza (Rua 08) e que hoje reside na Avenida Principal ao lado da nossa escola; Dona Carmozinha (Rua 09) e que se mudou para o bairro Pedra 90.

O primeiro presidente do bairro foi Sr. Adelson Souza e a primeira presidente do clube de mães foi a Srª. Ana Maria. A eleição aconteceu no ano de 1986, porém os mesmos não chegaram a terminar o mandato, pois se desentenderam com os moradores. No ano de 1987 houve nova eleição, sendo eleito o Sr. Jamil. O 3º presidente foi o Sr. Clementino Gomes, popular Gasolina.

Em 1985, foi improvisado um barracão, pelo presidente, para o funcionamento da escola com o nome de “Osmar José do Carmo Cabral”, tendo como diretor o Sr. Celso Piretoni.

Ainda em 1985 iniciou-se a construção da igreja católica, realizada por mutirões comandados pelo 1º pároco, o Padre Mário da Paróquia Nossa Senhora da Guia, Dona Generosa, Dona Ana Maria, Dona Dorotéia e os moradores. O 2º pároco dessa comunidade foi o Padre Carlos que permaneceu na comunidade por 02 (dois) anos e foi indicado como o padroeiro da igreja São Francisco de Assis.

Várias casas comerciais, com atividades diversificadas, foram instaladas no bairro proporcionando à comunidade mais comodidade. O bairro conta ainda com posto de saúde, posto da polícia comunitária, mini-estádio, creche, biblioteca comunitária, universidade popular, ginásio poli esportivo coberto, terminal rodoviário etc. Contamos ainda com uma feira livre bem diversificada e com algumas avenidas asfaltadas.

Há uma grande deficiência quanto a áreas de lazer no bairro e as famílias ficam sem opções, sendo as igrejas os locais mais freqüentados. O bairro conta com as seguintes denominações religiosas: Igreja Católica, Assembléia de Deus, Deus é Amor, Congregação Cristã, A Voz da Verdade, Igreja Internacional da Graça de Deus, Igreja Batista e Universal.

Os bares e lanchonetes servem de refúgio aos moradores nos dias quentes e os mesmos estão sempre lotados, porém, ainda acontecem muitas brigas e confusões e até mesmo assassinatos nesses locais, o que afugenta as famílias de os freqüentarem.

No transporte coletivo o bairro é servido com um itinerário diversificado, porém, a população usuária sofre com a superlotação dos ônibus, devido ao número de ônibus não ser suficiente para atender a comunidade.

A clientela escolar é caracterizada, na sua grande maioria, por famílias numerosas, com carência afetivo-social e baixo nível de instrução.

A desagregação familiar é bem visível e tem causas diversas que leva a comunidade a ser massificada como violenta, trazendo reflexos prejudiciais ao desempenho escolar e provocando conflitos dentro da escola.

A agressão constante entre alunos acaba dificultando a aprendizagem dos mesmos e, por muitas vezes, estes acabam abandonando a escola.

Temos vários problemas de ordem social: famílias desestruturadas, onde os filhos estão sendo deixados para serem cuidados pelos avós, muita criminalidade, delinqüência juvenil e algumas doenças. A maioria destes problemas é fruto da falta de instrução das pessoas, sendo que, cerca de 30% dos moradores não concluíram o ensino fundamental e cerca de 50% o ensino médio e cerca de 90% o ensino superior.

Apesar das dificuldades inerentes a um bairro de periferia, aqui vive um povo cordial e receptivo aos Projetos Sócio-Educativos como: o Siminima, PM Júnior, Saúde na Escola, etc., e que quanto à construção educativa, a escola tem o dever de propiciar a viabilização destes projetos como forma concreta de um ensino de qualidade para as crianças do bairro.


VI – REGIME DE FUNCIONAMENTO
ORGANIZAÇÃO E FUNCIONAMENTO DA ESCOLA



  • Calendário Escolar

De acordo com a Lei Nº. 9394/96, que estabelece a carga horária anual mínima de 800 horas distribuídas por no mínimo de 200 dias letivos.

Carga horária semanal de 20 horas para o aluno e 16 horas para o professor em sala de aula, sendo complementada com 4 horas de atividades.

O Recesso Escolar e as Férias deverão ocorrer respeitando o ano letivo de 200 dias, prevendo intervalo em julho e janeiro.




  • Matrículas

Serão efetuadas matrículas para crianças de 04 e 05 anos, respeitando o limite de 20 alunos no mínimo a 23 alunos no máximo por turma.

Quando houver demanda superior ao estabelecido acima, devem ser organizadas listas de espera e a medida que forem surgindo vagas, esses irão sendo chamados.


  • Organização das Turmas

As turmas serão organizadas por faixa etária, obedecendo aos critérios abaixo:

Etapa II – a partir de 03 anos e 08 meses a 04 anos de idade;

Etapa III – a partir de 04 anos e 08 meses a 05 anos de idade.




  • Salas de Aula

07 salas com cantos temáticos.




VII- ESPAÇO FISICO, INSTALAÇÕES E EQUIPAMENTOS


  • Das Salas de Aula

As salas devem ser apropriadas para atender crianças de 04 a 05 anos. O interior das salas e seus mobiliários devem ser revestidos com material lavável.

O mobiliário deve atender as seguintes exigências:

- cadeiras com altura de 56 cm (assento- 29cmX30cm);

- mesas coletivas com 4 lugares (52 cm de altura, 80X80 de largura);

- Armários para guardar os materiais do professor;

- Estantes para utilização e acesso às crianças aos jogos e brinquedos;

- Estante “display” ou prateleira para livros infantis;

- 01 mesa com cadeira para o professor;

- Quadro branco;

- Ar condicionado e ventiladores.


  • Sala do Professor e Secretaria

A sala do professor e secretaria deve conter; mesas em tamanho adequado e com cadeiras suficientes para o quantitativo de professores e administrativos, computadores, armários, estantes, prateleiras, quadro mural para informações, arquivos, impressoras, ar condicionado, etc.




  • Almoxarifado

- Estantes e armários para guardar materiais de consumo e equipamentos esportivos.





  • Brinquedoteca

- Estantes para livros e brinquedos;

- Brinquedos apropriados à faixa etária;

- Livros infantis;

- TV e Vídeo;

- Aparelho de som;

- Mesas coletivas e cadeiras;

- Almofadas;

- Ar condicionado e ventilador.


  • Cozinha

- Prateleiras e armários;

- Fogão industrial;

- Geladeira e freezer;

- Equipamentos para a preparação da merenda;

- utensílios domésticos para servir a merenda.




  • Equipamentos de Uso Comum

- Data show

- Micro system;

- Caixa de som;

- DVD e TV;

- CDs/ Fitas;

- Bebedouros;

- Copiadora;

- Computadores;

- Material de Pesquisa;

- Filmadora e máquina fotográfica;

- Mimeógrafo, etc.





  • Materiais de Apoio

- Livros infantis/ gibis;

- Jogos pedagógicos;

- Brinquedos;

- Revistas para recortes;

- Fantoches/ máscaras;

- Materiais pedagógicos;

- Materiais esportivos;

-utensílios pedagógicos (tesouras, pistola de cola quente, estiletes,etc.).

-Espelhos




  • Área Externa


- Quadra de esportes coberta ( a ser coberta);

- Refeitório apropriado;

- Pátio;

- Parque infantil (a ser implantado).



VIII – RECURSOS HUMANOS

Recursos humanos necessários e sua habilitação para efetivação do trabalho com a Educação Infantil.



1 - RECURSOS HUMANOS
Equipe Gestora (diretor, coordenador e secretário);

06 professores Regentes de sala;

01 professor de Artes;

01 professor de Educação Física;

02 professores auxiliares (ADI) para cada período;

01 multímeio por período;

01 equipe para serviços de limpeza;

01 equipe de merendeiras.




DIRETOR - Graduação em Licenciatura Plena em Pedagogia.
COORDENADOR - Graduação em Pedagogia com habilitação em Educação Infantil, especialização ou experiência de 02 anos comprovados na área.
14 PROFESSORES REFERÊNCIA - Pedagogos, ou formados em Educação Física, ou Artes com habilitação ou especialização em Educação Infantil ou 02 anos de experiência comprovados na área.
06 PROFESSORES AUXILIARES - formados em curso Técnico de Educação Infantil ou habilitados em Pedagogia.

01 SECRETÁRIO ESCOLAR com curso Técnico de Administração Escolar e curso superior na área da educação.
04 TÉCNICAS EM NUTRIÇÃO ESCOLAR, sendo duas efetivas e duas contratadas habilitadas, conforme disposto na Lei Orgânica dos Profissionais da Educação do município de Cuiabá/MT.
09 TÉCNICOS EM MANUTENÇÃO E INFRA-ESTRUTURA, sendo seis efetivos e três contratados, conforme disposto na Lei Orgânica dos Profissionais da Educação do município de Cuiabá/MT.
02 MULTI MEIOS DIDÁTICOS, sendo um efetivo com habilitação em História e com curso Técnico da FUNEC e outro, ainda, a ser disponibilizado para atuar no período vespertino.

2 - DAS RESPONSABILIDADES


DIRETOR – profissional que atua na gestão da unidade escolar. É o responsável pela consolidação dos princípios da gestão democrática, bem como pelo pleno funcionamento da escola nas suas diferentes perspectivas, sendo elas relacionadas à infra-estrutura, planejamento, concepção, elaboração e execução da proposta pedagógica; articulação com a comunidade, com a SME e demais órgãos públicos e grupos da sociedade organizada.

COORDENADOR PEDAGÓGICO – profissional que atua em ação conjunta com os professores, a elaboração de trabalho em articulação com o Projeto Pedagógico da Escola; participação nas ações coletivas, proposições de práticas educativas consonantes com os princípios da Educação Infantil.

Observação e avaliação processual do desenvolvimento infantil, acompanhamento da criança, considerando a necessária articulação junto a seus familiares; envolvimento com atividades dirigidas ao seu desenvolvimento profissional, trabalho articulado junto à gerência, coordenação pedagógica e assessoria pedagógica da escola.


  1   2   3


©principo.org 2016
enviar mensagem

    Página principal