Quem não tem pecados, atire a primeira pedra



Baixar 20.07 Kb.
Encontro29.07.2016
Tamanho20.07 Kb.




Quem não tem pecados, atire a primeira pedra.

5º Quaresma C


A Liturgia de hoje lembra-nos que a Quaresma não é um tempo para atirar pedras, mas para construir a fraternidade e a unidade entre todos.

O problema do mal e do pecado não se resolve à pedrada, nem com o castigo, nem com a intolerância, nem com a guerra ou com ódio, mas pelo amor e pela misericórdia.


1ª Leitura - O povo de Deus teve na sua história, uma vida muito atribulada.

Primeiro, foi a escravatura no Egipto, seguida do êxodo a caminho da sua terra – a “Terra Prometida”.

Mais tarde, foi a deportação para a Bobilónia, onde esse povo judeu permaneceu muitos anos, com muitas saudades da sua terra e desejo de regressar.

A 1ª Leitura de hoje refere que o profeta Isaías anunciou a esse povo uma outra libertação e o regresso à sua terra – Jerusalém. Foi um motivo de grande alegria para o Povo de Deus.

Este regresso é como um novo Êxodo para a Terra Prometida.

Esse "caminho" é a imagem de outra libertação, que Deus nos convida a fazer na Quaresma e que também nos levará à Terra Prometida, onde corre a vida nova – a eternidade junto de Deus.

Quais serão as escravidões que nos impedem, hoje, de caminharmos para a “nossa terra prometida”, isto é, para a eternidade, junto de Deus?

- O que é que ainda nos mantém alheados, presos e escravos?

- Deus conduzir-nos-á à nossa “terra prometida”, se nós quisermos e deixarmos.
Na 2ª Leitura, São Paulo afirma que a única coisa que lhe interessa a ele, é conhecer Jesus Cristo. Tudo o resto é lixo.

E qual será o lixo que nos impede de nascer com Cristo para uma vida nova? Ou de caminharmos para Ele?

……….

No Evangelho, temos uma comovente cena da vida de Jesus, diante de uma Mulher PECADORA.



No domingo passado, com a Parábola do Filho Pródigo,

Jesus mostrou-nos o amor misericordioso de Deus.

Hoje, Ele Próprio dá o exemplo, passando das palavras aos factos...

- Jesus ensinava no templo.

- Os escribas fiscalizavam o Mestre, buscando pretextos para O acusar.

Trouxeram uma mulher surpreendida em pecado de adultério e segundo a lei de Moisés tais pessoas deviam ser apedrejadas, até à morte…

Aproveitaram a situação, para deixarem Cristo numa situação embaraçosa:

"Mestre, que vamos fazer desta mulher,

perdoá-la ou apedrejá-la, como manda a nossa lei?"
- Para os escribas e fariseus, era uma oportunidade para testar a fidelidade de Jesus às exigências da Lei.

- Para Jesus, foi uma oportunidade para revelar a atitude de Deus frente ao pecado e ao pecador.

- Jesus sabia que era apenas um pretexto para incriminá-lo,

por isso não respondeu e ficou escrevendo no chão.

Diante da insistência dos acusadores, Jesus levantou-se e desafiou-os:

"Quem não tiver pecados, atire-lhe a primeira pedra..."

- E, inclinando-se de novo, continuou a escrever no chão.

Não sabemos o que escrevia. Segundo uma tradição, Jesus escrevia os pecados de cada um deles...

E então aqueles "cumpridores" da lei, envergonhados,

foram saindo um a um, começando pelos mais velhos...

Só ficaram no pátio do templo, a mulher, os discípulos e Jesus...

- Então Jesus perguntou: "Mulher, ninguém te condenou?

Nem eu te condeno... Vai e não peques mais..."
A mulher não tinha manifestado nenhum sinal de arrependimento.

Mesmo assim, Jesus convidou-a a seguir um caminho novo de liberdade e de paz. Jesus não aprovou o pecado, mas não condenou a pecadora.

Mostrou que o importante é a conversão das pessoas e não a sua condenação.

E ainda hoje, no Sacramento da CONFISSÃO, Deus continua a dizer-nos:



"Os teus pecados estão perdoados. Vai em paz e não peques mais..."
Neste episódio, Jesus mostra:

Uma imagem de Deus: o rosto misericordioso de Deus.

Um Deus que é mais misericórdia, do que justiça.

Este episódio mostra também:

Um "NÃO" de Jesus, à hipocrisia fiscalizadora dos escribas, de ontem e de hoje...

Ainda hoje a hipocrisia fala mais forte do que o amor.

Mata-se, oprime-se, escraviza-se em nome de Deus.

Todos somos pecadores e não temos o direito de condenar ninguém, nem de nos tornarmos fiscais dos outros...


Este episódio é também:

Um Apelo de Jesus:

Não devemos discriminar e condenar as pessoas caídas à beira do caminho. Essas pessoas não precisam de juízes... mas precisam de salvadores...

A atitude de Jesus foi de "misericórdia, compaixão e de compreensão..."

A atitude dos escribas foi: de condenação, com pedras nas mãos... ou melhor na língua...

Nas nossas comunidades, ainda hoje há pessoas que, continuam atirando pedras por tudo e por nada …

Pedras que fazem doer o coração… Pedras que amachucam o nosso bom nome…

Jesus disse à mulher pecadora: "Eu também não te condeno... Vai e não peques mais...”

A nossa atitude tem de ser como a de Jesus: compreender e perdoar, sendo misericordiosos como o Pai do Céu.

Imaginemos Jesus, na nossa frente, a escrever no chão.

O que é que Cristo poderá estar a escrever, acerca de nós?

Pode muito bem, estar a escrever:

"Quem não tiver pecados que atire a primeira pedra" àqueles que os têm…



Adaptado de

António Dalla Costa


©principo.org 2016
enviar mensagem

    Página principal