Questão 01 (fm petrópolis rj)



Baixar 382.34 Kb.
Página1/5
Encontro28.07.2016
Tamanho382.34 Kb.
  1   2   3   4   5
Questão 01 - (FM Petrópolis RJ)

A expansão imperialista sobre a África e a Ásia começou a sofrer resistência mais sistemática e duradoura a partir do início do século XX.

Um evento que precedeu a Segunda Guerra Mundial e fomentou movimentos nacionalistas ou anti-imperialistas na Ásia foi a
a) conquista pacífica da independência da Índia (1947), que conseguiu frustrar os planos ingleses para a autonomia de sua maior colônia.

b) efetivação do apoio norte-americano à libertação das colônias, com base nos Quatorze Pontos de Wilson (1918).

c) derrubada do regime czarista, na Revolução Russa de 1905.

d) derrota da direita fascista na Espanha, com o término da Guerra Civil Espanhola (1936-1939).

e) vitória do Japão, potência asiática emergente, na Guerra Russo-Japonesa (1904-1905).
Questão 02 - (EFEI SP)

Dentre as revoltas ocorridas antes da nossa Independência, a Conjuração Baiana de 1798 (Revolta dos Alfaiates), recebe menor destaque da Historiografia Oficial em relação à Conjuração Mineira. Em quais aspectos os planos dos revoltosos da Bahia diferiam dos ideais da Conjuração Mineira?


Questão 03 - (FATEC SP)

"Animai-vos povo bahiense!"

Na manhã de 12 de agosto de 1798 as paredes das igrejas de Salvador, a antiga capital, apareceram com manuscritos que diziam: "Está para chegar o tempo em que todos seremos irmãos, o tempo em que todos seremos iguais"

(Màrio Schmidt, Nova Crítica do Brasil 500 anos de História Malcontada)

O movimento citado teve como objetivo fundamental a independência nacional, foi liderado pelas camadas médias e populares e caracterizou-se por propostas sociais radicais.
A influência externa mais destacada, a influência ideológica e a causa local desse movimento foram, respectivamente

a) Revolução Francesa; Iluminismo; crise abastecimento.

b) Independência Americana; Iluminismo; crise abastecimento.

c) Revolução Francesa; Liberalismo; crise abastecimento.

d) Independência Americana; lluminismo; crise mineração.

e) Revolução Francesa; lluminismo; crise mineração.


Questão 04 - (UFRN)

Entre os movimentos que eclodiram no Brasil no final do período colonial, destaca-se a Conjuração Baiana, ocorrida em 1798. Nessa ocasião, em Salvador, foram divulgados panfletos manuscritos. Em um deles constavam os seguintes dizeres:


Animaisvos Povo Bahiense que está para chegar o tempo feliz da nossa liberdade... [...]

Homens, o tempo he xegado para vossa ressureição; sim, para ressucitareis do abismo da escravidão, para levantareis a sagrada Bandeira da Liberdade.[...]

He fazer uma guerra civil entre nós, para que não se distinga a cor branca, parda e preta, e sermos todos felices sem exceição de pessoa, de sorte que não estaremos sujeitos a sofrer hum homem tolo, que nos governe, que só governarão aqueles que tiverem juizo e capacidade para mandar a homens. [...]

. .. huma revolução, afim de tornar esta Capitania hum Governo democrático, nelle seremos felices; porque só governarão as pessoas que tiverem capacidade para isso, ou sejão brancos ou pardos, ou pretos, sem distinção de côr...

TAVARES, Luís Henrique Dias. Introdução ao estudo das idéias do movimento revolucionário de 1798. Salvador: Liv. Progresso, 1959. p. 7-13.


No fragmento acima, estão expressos os anseios dos (as):

a) Categorias marginalizadas (artesãos, mulatos, soldados, brancos pobres e negros) que desejavam uma sociedade com direitos iguais para todos os segmentos sociais da Bahia.

b) Membros da elite branca da Bahia, que pretendiam a liberdade de comércio, o fim das imposições da metrópole e a autonomia política da província.

c) Grandes proprietários das decadentes lavouras canavieiras do Recôncavo Baiano, que temiam uma revolução feita pelos escravos negros e mulatos livres.

d) Camadas médias de Salvador, constituídas de homens livres, brancos e mulatos, temerosos de um levante dos escravos ou, como diziam, daquela “canalha africana”.
Questão 05 - (UEM PR)

O período que se inicia na segunda metade do século XVIII e se estende até o final da segunda década do século XIX marca, ao mesmo tempo, o apogeu e a crise da colonização portuguesa na América.


Sobre esse período da história do Brasil, assinale o que for correto.

01. Esse período marcou um revigoramento da produção de açúcar no Nordeste brasileiro, em razão tanto do desenvolvimento de novas técnicas que estimularam a produtividade dos canaviais quanto da chegada dos imigrantes italianos àquela região.

02. Entre os principais movimentos de resistência à dominação portuguesa que surgiram nesse período, destacam–se a Inconfidência Mineira (1789), em Minas Gerais; a Revolta dos Alfaiates (1798), na Bahia e a Revolução Pernambucana (1817), em Pernambuco.

04. Nos últimos anos da década de 1760, a produção de ouro na região de Minas Gerais entrou em colapso em razão do esgotamento dos veios de aluvião e da limitação das técnicas então empregadas em sua exploração.

08. A vinda da família real portuguesa para o Brasil (1808) insere–se no contexto das "guerras napoleônicas" e teve como causa imediata a não adesão de Portugal ao Bloqueio Continental, decretado por Napoleão em 1806, que estabelecia que os países aliados da França estavam proibidos de fazer comércio com a Inglaterra.

16. O Tratado de Madrid (1750), firmado entre Portugal e Espanha, procurou estabelecer as fronteiras americanas dessas duas nações. De acordo com esse tratado, a região dos Sete Povos das Missões, ocupada por jesuítas espanhóis, deveria ser entregue à Coroa Portuguesa. A resistência dos jesuítas espanhóis em transferir suas missões para que o território por eles ocupado fosse entregue aos portugueses vincula–se às origens da "guerra guaranítica".


Questão 06 - (FUVEST SP)

Podemos afirmar que tanto na Revolução Pernambucana de 1817, quanto na Confederação do Equador de 1824,


a) o descontentamento com as barreiras econômicas vigentes foi decisivo para a eclosão dos movimentos.

b) os proprietários rurais e os comerciantes monopolistas estavam entre as principais lideranças dos movimentos.

c) a proposta de uma república era acompanhada de um forte sentimento anti-lusitano.

d) a abolição imediata da escravidão constituía-se numa de suas principais bandeiras.

e) a luta armada ficou restrita ao espaço urbano de Recife, não se espalhando pelo interior.
Questão 07 - (GAMA FILHO RJ)

A Revolução Pernambucana de 1817, uma das principais rebeliões contra o domínio colonial português, está ligada ao(à):

a) recrutamento militar promovido por D. João para as campanhas da Cisplatina e da Guiana.

b) aumento e à ampliação da carga tributária.

c) introdução de reformas ilustradas e liberais pela Coroa no governo da colônia.

d) reação dos senhores de engenho do nordeste contra a expansão do café no sudeste.

e) subordinação do governo da Capitania de Pernambuco às Cortes, em Lisboa.
Questão 08 - (UnB DF)
Uma das evidências da fragilidade e d crise do sistema colonial foram as conjurações e as revoltas ocorridas no Brasil do final do século XVIII.
Constituem aspectos dessa crise:

00. A reafirmação da política protecionista da metrópole em relação à colônia, com enrijecimento do fiscalismo para fazer frente à política de livre cambismo defendido pela Inglaterra.

01. O declínio da mineração, acompanhado por uma crise geral da produção agrícola, principalmente do algodão, arroz e anil.

02. A atuação das Companhias de Comércio, atrelando os produtores da colônia aos interesses comerciais monopolista da metrópole.

03. O caráter meramente contestatório das diversas conjurações, revoltas e rebeliões que eclodiram, uma vez que nenhuma delas manifestou uma intencionalidade explícita à ruptura com a metrópole.
Questão 09 - (UEL PR)

"A falta de consistência ideológica não invalida o significado (...) do movimento. Era um sintoma da desagregação do Império português da América. A Coroa portuguesa bem o sentiu e tentou, por um castigo exemplar (1792), deter a marcha do processamento histórico e impedir, pelo terror, que seus domínios seguissem o exemplo da América inglesa. Refletia, por outro lado, os impulsos de um povo que tomava consciência de sua realidade, suas particularidades e suas possibilidades. Esse sentido foi nacionalista."


O texto descreve uma realidade que pode ser associada à:

a) Inconfidência Mineira.

b) Guerra dos Farrapos.

c) Revolta dos Alfaiates,

d) Revolução Pernambucana,

e) Confederação do Equador,


Questão 10 - (UFSC)
“...” Que estava plenamente provado o crime de lesa-majestade [...] a que premeditadamente concorriam de se subtraírem da sujeição em que nasceram e que como vassalos deviam ter a dita senhora (Dona Maria I), para constituírem uma República, por meio de uma formal rebelião, pela qual assentaram de assassinar ou depor General e Ministros, a quem a mesma senhora tinha dado jurisdição e poder de reger e gover-nar os povos da Capitania [...]
Portanto condenam o réu Joaquim José da Silva Xavier, por alcunha Tiradentes, Alferes que foi da tropa paga da Capitania de Minas, a que com baraço e pregão seja conduzido pelas ruas públicas ao lugar da forca e nela morra morte natural, para sempre. E que depois de morto, lhe seja cortada a cabeça e levada a Vila Rica, onde em lugar mais público dela, seja pregada em um poste alto, até que o tempo a consuma e o seu corpo será dividido em quatro quartos e prega-dos em postes pelo caminho de Minas “...”

ASTRO, Therezinha de. História documental do Brasil. Rio de Janeiro, Record, 1968. p. 123-124.


Analisando o texto, o momento e as circuns-tâncias em que foi escrito, assinale a(s) proposi-ção(ões) VERDADEIRA(S).

01. Trata-se da condenação de Joaquim José da Sil-va Xavier, conhecido como Tiradentes, que com outros não citados no trecho, foram julgados por terem participado de uma insurreição contra o governo português.

02. Segundo o texto, entre outros objetivos do movi-mento conspiratório, estava o de proclamar uma República.

04. A conspiração pretendia ainda a abolição da es-cravatura, independência das colônias america-nas e a adoção dos princípios da Declaração dos Direitos do Homem e do Cidadão, proclamada na França.

08. O movimento por cuja participação foi condenado Tiradentes é conhecido, na História do Brasil, como Revolta de Vila Rica.

16. Os réus foram condenados não só por conspi-rarem, mas por crime de assassinato de autori-dades da Colônia e da rainha de Portugal.

32. O movimento que motivou a condenação de Tira-dentes teve forte participação popular. Muitos dos que foram presos eram operários, soldados, agricultores pobres e mesmo alguns clérigos, como Frei Caneca, também condenado e exe-cutado.
Questão 11 - (UFTM MG)

Era óbvia a sedução que o enforcamento do alferes representava para o governo português: pouca gente levaria a sério um movimento chefiado por um simples Tiradentes (e as autoridades lusas, depois de 1790, invariavelmente se referiam ao alferes por seu apelido de Tiradentes). Um julgamento-exibição, seguido pela execução pública de Silva Xavier, proporcionaria o impacto máximo, como advertência, ao mesmo tempo que minimizaria e ridicularizaria os objetivos do movimento: Tiradentes seria um perfeito exemplo para outros colonos descontentes e tentados a pedir demais antes do tempo.

(Kenneth Maxwell. A devassa da devassa, 1978.)


O texto permite afirmar que
a) o fato de o movimento ser chefiado por um simples Tiradentes foi a razão do seu fracasso.

b) o governo tentou diminuir a relevância da revolta e aplicou punição exemplar em Tiradentes.

c) o alferes foi enforcado por sua capacidade de liderar e seduzir os setores mais pobres do povo.

d) o despreparo de Tiradentes acabou por frustrar os planos de revolta contra os portugueses.

e) o movimento chefiado por Tiradentes não chegou a preocupar as autoridades portuguesas.
Questão 12 - (UFTM MG)

O texto abaixo é um fragmento de uma das proclamações fixadas em lugares públicos da cidade de Salvador pelos líderes da Conjuração Baiana de 1798:

“O poderoso e magnífico povo bahinense republicano desta Cidade da Bahia Republicana (…) ordena, manda e quer que para o futuro seja feita nesta cidade e seu termo a sua revolução para que seja exterminado para sempre o péssimo jugo reinável da Europa…” (citado por Inês Inácio e Tânia de Luca. Documentos do Brasil colonial. SP: Ática, 1993. p. 167–168)
Comparando a Conjuração Baiana com a Mineira de 1789, pode-se afirmar que:

a) A Inconfidência Baiana teve um conteúdo político republicano enquanto a Mineira, liderada por poetas e intelectuais, tendia à monarquia.

b) A Inconfidência Baiana ao contrário da Mineira, contou com grande participação popular e contestou abertamente a escravidão.

c) A Inconfidência Baiana foi reformista, propondo reformas favoráveis ao povo, a Mineira foi mais radical e revolucionária.

d) Os tributos cobrados pela Metrópole foram essenciais à eclosão do movimento na Bahia, o mesmo não ocorrendo na rica Minas Gerais.

e) A Inconfidência Mineira planejava libertar o Brasil do domínio português, a Baiana preocupava-se com a independência da Bahia.


Questão 13 - (FUVEST SP)
A Inconfidência Mineira foi um episódio marcado:

a) Pela influência dos acontecimentos de julho de 1789, a tomada da Bastilha.

b) Pela atitude anti-escravista, consensual entre seus participantes.

c) Pelo intuito de acabar com o predomínio da Companhia de Comércio do Brasil.

d) Pela insatisfação ante a cobrança do imposto sobre bateias.

e) Pelas idéias ilustradas e pela Independência dos estados Unidos.


Questão 14 - (PUCCamp SP)

As ordens já são mandadas,

já se apressam os meirinhos.

Entram por salas e alcovas,

relatam roupas e livros:

(...)


Compêndios e dicionários,

e tratados eruditos

sobre povos, sobre reinos,

sobre invenções e Concílios...

E as sugestões perigosas

da França e Estados Unidos,

Mably, Voltaire e outros tantos,

que são todos libertinos...

(Cecília Meireles, Romance XLVII ou Dos seqüestros. "Romanceiro da Inconfidência")
A respeito da caracterização dos inconfidentes, tema presente em todo o Romanceiro, considere o texto adiante.
A análise da extração social dos revolucionários indica, claramente, que em Minas a inquietação está lastreada pela prosperidade (de lavras, terras de lavoura, de gado e de escravos): a revolução é intentada por homens de posse.

(Carlos Guilherme Mota. "A idéia da revolução no Brasil (1789-1801)". São Paulo: Cortez, 1989, p. 115)


A medida da Coroa que incidiu sobre essas posses e acirrou os desejos de rompimento com a metrópole foi a

a) Resolução da rainha, D. Maria I, de proibir a agricultura de subsistência na região de Minas Gerais.

b) Ameaça da Derrama, cobrança de 100 arrobas de ouro anuais a todos os habitantes, de forma indiscriminada.

c) Nomeação de Contratadores, encarregados de cobrar todos os tributos destinados à metrópole.

d) Oficialização do Quinto, imposto que incidia sobre a produção mineradora, da qual 20% destinava-se a Portugal.

e) Instituição da Devassa, apuração dos proprietários suspeitos de conspirarem contra a Coroa.


Questão 15 - (UNIMONTES MG)

Acerca da “Conjuração Baiana”, movimento de caráter sedicioso, no século XVIII, é CORRETO afirmar que

a) o movimento foi liderado pelos segmentos mais pobres e radicais da província, reunidos na Sociedade Cavaleiros da Luz.

b) a Conjuração Baiana foi fundamentalmente pragmática, sem influência teórica, ao contrário da mineira em que predominavam os ideais iluministas.

c) o movimento foi influenciado por pensadores como Voltaire e por movimentos como a rebelião negra do Haiti.

d) a Conjuração propunha a independência da Bahia, ao contrário da mineira que postulava a imediata independência de toda a colônia.


Questão 16 - (Mackenzie SP)

Em 12 de agosto de 1798, as paredes das igrejas de Salvador, lugares públicos e paredes de casas, apareceram com panfletos manuscritos que diziam: “Está para chegar o tempo feliz da nossa liberdade, o tempo em que todos seremos irmãos, o tempo em que todos seremos iguais”. Tal manifesto conclamava à revolução a população, que estava insatisfeita com o agravamento do custo de vida. A respeito dessa revolta é correto afirmar que


a) a Inconfidência Mineira foi influenciada pelos ideais de liberdade vindos da Europa, pela independência das Treze Colônias da América do Norte e pela opressão metropolitana.

b) a Inconfidência Baiana foi o mais importante e significativo dentre os movimentos emancipacionistas, como a Inconfidência Mineira, a Conjuração Baiana e a Conjura do Rio de Janeiro.

c) tal movimento de rebeldia contra a Metrópole se manifestou em um momento em que o próprio Estado Português afrouxou sua política de arrecadação fiscal sobre a Colônia.

d) a Conjuração Baiana, diferente das demais revoltas da época, não se limitou apenas aos ideais de independência e liberdade, como propunha mudanças estruturais para a sociedade brasileira.

e) a Revolta dos Alfaiates contou com a participação de todas as classes sociais da Bahia, ao contrário dos outros movimentos emancipatórios, mas a liderança coube aos grandes proprietários de terras.
Questão 17 - (FGV)

Leia os quatro trechos seguintes.

I. Acreditavam os conspiradores que a derrama seria o estopim que faria explodir a rebelião contra a dominação colonial. Em uma de suas reuniões criaram até a palavra de ordem para começarem a agir. “Tal dia faço o batizado” era a senha.

II. Dois envolvidos (...) escaparam às garras da repressão: José Basílio da Gama, que fugiu para Lisboa quando começaram as prisões, e Manoel Arruda da Câmara, que era sócio correspondente da Sociedade Literária do Rio de Janeiro, mas vivia no exterior. (...) O fato é que um ano após a prisão dos acusados nada de grave fora apurado, até porque recorreram ao recurso de negar articulação contra o domínio português. Em geral admitiram que suas reuniões eram marcadas por discussões filosóficas e científicas.

III. (...) dentre os 33 presos e processados, havia 11 escravos, cinco alfaiates, seis soldados, três oficiais, um negociante e um cirurgião. (...) Suas idéias principais envolviam o seguinte: a França constituía o modelo a seguir; o fim da escravidão; a separação entre Igreja e Estado (...)

IV. Criou-se um Governo Provisório (...), integrado por representantes de cinco segmentos da sociedade: Domingos Teotônio Jorge (militares), Domingos José Martins (comerciantes), Manoel Correia de Araújo (agricultores), padre João Ribeiro Pessoa de Melo Montenegro (sacerdotes) e doutor José Luís Mendonça (magistrados). (...) Empenhado em ampliar o movimento anticolonial, o Governo Provisório enviou emissários a outras capitanias: Paraíba, Rio Grande do Norte, Ceará, Alagoas e Bahia.

(Rubim Santos Leão Aquino et alii, Sociedade

brasileira: uma história através dos

movimentos sociais)
Os trechos de I a IV tratam, respectivamente, dos seguintes eventos

a) Conjuração Mineira; Confederação do Equador; Conjuração Baiana; Guerra dos Mascates.

b) Conjuração Mineira; Conjuração do Rio de Janeiro; Conjuração Baiana; Revolução de 1817.

c) Revolta de Vila Rica; Conjuração do Rio de Janeiro; Conjuração Baiana; Revolução de 1817.

d) Conjuração Mineira; Conjuração do Rio de Janeiro; Revolução de 1817; Revolta dos Cabanos.

e) Conjuração Baiana; Conjuração Mineira; Revolução de 1817; Conspiração dos Suassuna.


Questão 18 - (UNESP SP)

Observe o quadro.



(Pedro Américo, Tiradentes esquartejado - óleo sobre tela 262x162 cm -

Museu Mariano Procópio, Juiz de Fora-MG.)
Pode-se afirmar que a representação de Pedro Américo do inconfidente mineiro

a) data dos primeiros anos da República, sugerindo a semelhança entre o drama de Tiradentes e o de Cristo.

b) foi elaborada durante o período da Independência, como expressão dos ideais nacionalistas da dinastia de Bragança.

c) caracteriza-se pela denúncia da interferência da Igreja católica nos destinos políticos e culturais nacionais.

d) foi censurada pelo governo de Getúlio Vargas porque expressa conteúdos revolucionários e democráticos.

e) foi proibida de ser exposta publicamente por incitar o preconceito contra o governo português, responsável pela morte de Tiradentes.


Questão 19 - (UFPE)

O Brasil foi colonizado com a ajuda marcante da Igreja Católica. Algumas rebeliões coloniais contaram com a participação ativa de membros do clero católico liberal.

Entre elas destaca–se a:

a) Guerra dos Emboabas

b) Revolta dos Alfaiates

c) Guerra dos Mascates

d) Revolução de 1817

e) Inconfidência Mineira


Questão 20 - (UFPE)

A leitura do processo da Revolução dos Alfaiates nos leva a compreender que essa revolução:


00. adotou a mesma estrutura militar da Inconfidência Mineira.

01. defendeu idéias radicais e revolucionárias para a época.

02. não questionou a existência do regime escravocrata na colônia.

03. contou com a participação de membros do clero baiano.

04. negou a importância dos intelectuais para o movimento.
Questão 21 - (UFG GO)

Observe a pintura a seguir.


Pedro Américo. “Tiradentes esquartejado”, 1983.

Museu Mariano Procópio, Juiz de Fora, Minas

Gerais, Brasil.


A tela de Pedro Américo tematiza a morte de Tiradentes. Considerando a importância dessa pintura para o imaginário republicano,
a) apresente um argumento que explique a apropriação da figura de Tiradentes pelos republicanos.

b) explique como o quadro expressa essa apropriação.


Questão 22 - (UFBA)

Liberdade política e liberdade econômica foram reivindicações que estiveram presentes no contexto da crise do Sistema Colonial português no Brasil.

Com base nessa afirmação, indique como essas reivindicações são expressas na Revolução Pernambucana de 1817.

• Liberdade política

• Liberdade econômica


Questão 23 - (UFOP MG)

Sobre a Revolução Pernambucana de 1817, que eclodiu em Recife em 6 de março, é CORRETO afirmar:


a) Opunha-se à eleição de representantes brasileiros nas Cortes de Lisboa.

b) Foi marcada por sentimentos autonomistas e ideais republicanos.

c) Caracterizou-se pela oposição entre mascates e proprietários rurais.

d) Expulsou, definitivamente, os holandeses de Pernambuco.


Questão 24 - (UFF RJ)

Com o lema liberal “Liberdade, Igualdade e Fraternidade” consagrado pela Revolução Francesa influenciou, sobremaneira, as chamadas Inconfidências ocorridas em fins do século XVIII no Brasil Colônia.


Assinale a opção que apresenta informações corretas sobre a chamada Conjuração dos Alfaiates.

a) Envolveu a participação de mulatos, negros livres e escravos, refletindo não somente a preocupação com a liberdade, mas também com o fim da dominação colonial.

b) Esta inconfidência baiana caracterizou-se por restringir-se à participação de uma elite de letrados e brancos livres influenciados pelos princípios revolucionários franceses.

c) Em tal conjuração, a difusão das idéias liberais não acarretou crítica às contradições da sociedade escravocrata.

d) Este movimento, também conhecido como Inconfidência Mineira, teve um papel singular no contexto da crise do sistema colonial, revelando suas contradições e sua decadência.

e) Um de seus principais motivos foi a prolongada crise do setor cafeeiro que se arrastou ao longo da segunda metade do século XVIII.



Compartilhe com seus amigos:
  1   2   3   4   5


©principo.org 2019
enviar mensagem

    Página principal