Questão de método



Baixar 15.05 Kb.
Encontro27.07.2016
Tamanho15.05 Kb.
Ata da reunião 11.04.2007

Metodologia da Pesquisa (mestrado – PPGCI IBICT)


Texto:

Laymert Garcia dos Santos


Questão de método

--

Antes da discussão, trocamos idéias sobre:


Livros sobre metodologia (meta metodologia)

Pedro Demo; Mirian Goldenberg (a arte da pesquisa); Maria Minayo; Lakatos (definições de dicionário, sem debate); “Pesquisa participativa” Tjorland; “Ciência em ação” Latour.


Livro sobre Análise do discurso – Eni Orlandy (psicanálise) “Leituras e leitores”; Frohman, análise do conteúdo; Foucalt; Peucheux
A análise do discurso apresentada por Orlandy tem uma variável importante que é a questão ideológica.
Antônio Gil é outro autor, que trabalho com foco mais em amostragens, análise quantitativa.

Análise qualitativa: Minayo; Laymert; Maria Nélida; Brandão; Pedro Demo

--
Definição de discurso: exposição de idéias; um texto representa o discurso, mas não é discurso em si; o discurso vale mais do que signos somente.


Análise do discurso: tenta encontrar a neutralidade/parcialidade do discurso; é muito questionada, não é considerada um método para CI, porque a CI não trabalha com a questão ideológica (neste caso). E a análise do discurso não se faz sem considerar a questão ideológica.
Análise de discurso trabalha com frases, por exemplo; a análise trata mais da idéia apresentada.
Na linha francesa não se descarta a questão ideológica.

Na linha americana pode se descartar a questão ideológica. (trabalha a palavra pela palavra, não da palavra em sua contextualidade). Por isso que a CI absorve a análise do discurso de linha americana (Frohman, por exemplo - Wittgenstein).


A história oral é uma boa ferramenta para a análise do discurso.
A análise do discurso te obriga a se posicionar acerca de determinado assunto.
Diferença de análise discurso e interacionismo simbólico: o IS fica fechado no simbólico, aquilo que se representa; o discurso ultrapassa o simbólico, vai para a metalinguagem. O símbolo apenas não representa nada ideologicamente.
--

Laymert

Vlad – chamou atenção o caminho da discussão; quando ele põe a público os percalços que teve e debate consigo e com o leitor os caminhos que o levaram; parece um mix da leitura de Paulo Freire e da Minayo; ele diz: o método que eu escolhi foi esse, e utilizei desta maneira; apresenta o problema do projeto, o alcance ideológico e a relação entre sujeito e objeto de estudo. Dentro desta tripla problemática ele se impõe o objeto de estudo, criando a metodologia.


Resumindo: o mais fascinante é a formulação do problema, mais do que tentar resolvê-lo. Laymert não quer apresentar a coisa pronta, e sim como chegou até ela.
Entrelinhas: Vlad confessou sua atração “intelectual” pela historiadora Cida Mota...
Cláudia – Nas ciências humanas se diz que a pesquisa não era tão importante, porque se partia de uma priori; Laymert indica que a ideologia dominante determinava os procedimentos do projeto SACI. Os marxistas mais radicais dizem que a história está escrita antes de se fazer a pesquisa, que tudo é uma questão de luta de classes, não existe um processo, os resultados já estão definidos.
Eliezer – gostou que Laymert usa um pouco de psicologia,. sobretudo você colocar com coerência o seu ponto de vista; em um momento você [pode] percebe[r] que possui uma falsa pergunta, é a impossibilidade de algo que contraponha um esquema estabelecido.
Como relacionar mudança social com a mudança técnica?

Racionalidade técnica é coestensiva com o conhecimento social?



Como as ciências sociais aproximam o objeto técnico da sociedade?
Cláudia – existe tecnologia sem a demanda?
Ana Lúcia – como as inovações vão parar no contexto social, qual será o impacto disso?
Geraldo – eu não vejo como não entrar na discussão do modo de produção; pois quem determina a demanda é o setor produtivo.
Welder – mas não é o que é considerado pelo Capitalismo cognitivo...
Cláudia – hoje em dia, [conforme autor...] se faz uma pesquisa para saber o que o consumidor quer, não é a indústria que define.
Leandro – a cultura determina o consumo (ex. pagers)
Deize – por que fugir do caráter poliepistemológico da CI? Por que não enxergar a realidade, e buscar [a construção de uma] ciência com as características dela.
Entrelinhas – entra a discussão sobre epistemologia da CI, encerrando com a não produção de livros em CI, somente artigos.
Moreno – A CI é filosofia aplicada, e nesse sentido pode ser considerada como técnica e não ciência. CI é um campo de pesquisa em desenvolvimento.
Retomando ao texto....
Cláudia – criar um aura de Estado maquinado para ser desta forma....
Eliezer – dentro do determinismo tecnológico cabe esquerda, direita, marxismo, etc.
Geraldo – não existe neutralidade


©principo.org 2016
enviar mensagem

    Página principal