R. Bruce Carlton



Baixar 0.74 Mb.
Página10/12
Encontro19.07.2016
Tamanho0.74 Mb.
1   ...   4   5   6   7   8   9   10   11   12

Reúna os crentes para estudar sobre evangelização e discipulado várias vezes por semana
No Novo Testamento, os crentes se reuniam quase diariamente. Logo depois do Pentecostes, os crentes judeus estavam “perseverando unânimes todos os dias no templo, e partindo o pão em casa” (Atos 2.46).

O imperador Constantino estabeleceria a idéia da “adoração dominical” alguns séculos depois. Desde então, a tradição passou de geração a geração, e muitos crentes acham que se reunir noutro dia da semana que não seja o domingo é errado!

Nossas igrejas estão cheias de crentes fracos e indiferentes porque temos como sagrada a idéia de que só precisamos nos reunir umas duas horas por domingo e, ainda assim, esperar que os crentes crescerão e amadurecerão em sua fé. Na realidade, não podemos esperar que os crentes cresçam e amadureçam no Senhor rapidamente, se nos limitamos a esse modelo de reunião da igreja.

Os crentes novos devem ser incentivados a se reunir com freqüência durante a semana. O grupo inteiro não precisa se reunir tantas vezes, mas os crentes devem se encontrar em suas pequenas cadeias de discipulado, visitar os lares uns dos outros para estudar a Palavra de Deus e manter comunhão uns com os outros. O plantador de igrejas deve dar o exemplo nisso. Se o único momento em que a nova igreja vê a cara do plantador de igrejas for no culto do domingo de manhã, ele estará passando a idéia de que se reunir em outros momentos não é essencial. O plantador de igrejas e os líderes da nova igreja precisam dar o exemplo e incentivar os crentes a se reunir várias vezes por semana.


Com que freqüência as igrejas em seu grupo-alvo se reúnem?

Como você mostrará que a igreja deve se reunir mais de uma vez por semana?

Exemplifique onde o ministério deve ser exercido
Nos lares e empresas
A igreja de hoje desenvolveu uma mentalidade de “castelo”. Construímos os mais belos edifícios que podemos e esperamos que todas as atividades importantes da igreja aconteçam dentro do espaço de nossos “castelos sagrados”. Conseqüentemente, cultivamos uma atitude do “venha e veja”, e não do “ir e falar”. O imperador Constantino também foi responsável por introduzir na igreja a idéia de templo ou catedral. Por todo o mundo, eu ouço cristãos dizerem que a existência de um templo é adequada e necessária em sua cultura. O que eles não entendem é que o modelo catedral de plantação de igrejas foi resultado da ação de um imperador romano, e não tem absolutamente nada a ver com a cultura deles!

Os crentes da igreja primitiva (no início, todos eles eram de origem judaica) não diziam uns para os outros: “Bom, nós estamos habituados a adorar no templo e nas sinagogas, portanto, agora, como seguidores de Cristo, providenciemos um substituto funcional, construindo nosso próprio templo para Cristo.” Não. Eles iam ao templo judeu e também iam de casa em casa. Após pesada perseguição por parte dos judeus e das autoridades, os crentes foram dispersos. Mesmo assim, eles não construíram um templo para a igreja. Eles continuaram a se encontrar nos lares – e, às vezes, nas catacumbas ou túmulos localizados sob a cidade! Como temos nos afastado do modelo do Novo Testamento!

É certo um grupo de crentes se reunir em uma casa para estudar a Palavra de Deus, cantar louvores ao Senhor, orar uns pelos outros e animar uns aos outros? Claro que é certo. É certo um grupo de crentes se reunir numa loja para estudar a Palavra de Deus e orar uns pelos outros? Claro que sim. Podemos chamar essas reuniões de igreja? Por que não?

O plantador de igrejas precisa servir de exemplo para os novos crentes, mostrando que o ministério pode ser realizado em qualquer lugar, a qualquer hora do dia. Jesus prometeu que estaria presente onde houvesse dois ou três reunidos em Seu nome. Além disso, Jesus disse à mulher samaritana:


Mas a hora vem, e agora é, em que os verdadeiros adoradores adorarão o Pai em espírito e em verdade; porque o Pai procura a tais que assim o adorem. Deus é Espírito, e é necessário que os que o adoram o adorem em espírito e em verdade (João 4.23-24).
O templo de uma igreja não é mais santo do que o lar do verdadeiro crente em Jesus Cristo. Onde quer que o povo de Deus se reúna para adorá-lo em espírito e verdade, este será um lugar santo!

O que você pode fazer para exemplificar que igrejas não precisam de templos para ser consideradas igrejas?


Localmente, em áreas não-alcançadas, enquanto segue, até os confins da terra
Este é simplesmente o padrão que nosso Senhor Jesus Cristo estabeleceu para os primeiros discípulos antes de ascender aos céus.
Mas recebereis poder, ao descer sobre vós o Espírito Santo, e ser-me-eis testemunhas, tanto em Jerusalém, como em toda a Judéia e Samária, e até os confins da terra (Atos 1.8).
Os crentes novos precisam saber que são responsáveis por ministrar à sua família e amigos na comunidade ou povoado. Eles também precisam saber que têm a responsabilidade de ir até o próximo povoado e ministrar às pessoas que nunca ouviram a respeito de Jesus Cristo. Os novos crentes precisam saber que, à medida que forem, e aonde quer que forem, devem ir como ministros da graça e do amor de Jesus. Eles precisam saber que têm a responsabilidade de ser ministros da graça de Deus até os confins da terra.

Esses crentes novos podem ser pobres e jamais conseguir ir fisicamente a muitos lugares fora de sua própria região; no entanto, eles podem aprender a orar pelos povos não alcançados, de perto e de longe. O plantador de igrejas deve incentivar os novos crentes a se sentir responsáveis e a ter paixão pelos povos perdidos do mundo. Quando fracassa em transmitir essa paixão e esse sentimento de responsabilidade para a nova igreja, o plantador de igrejas a priva da maravilhosa oportunidade de juntar-se a Deus em Sua obra de redenção na região, estado ou país e no mundo inteiro.


Como você pode dar o exemplo para as novas igrejas de ministrar às áreas não-alcançadas?

O que você pode fazer para dar o exemplo para as novas igrejas de que devem ministrar até os confins da terra?

Exemplifique por que exercer o ministério
A natureza do evangelho
A própria natureza do evangelho compele os crentes a ministrar às pessoas ao seu redor. A natureza de nosso Senhor Jesus Cristo era alcançar e ministrar aos que estavam ao seu redor. Aonde quer que Jesus fosse, Ele ministrava às necessidades físicas, emocionais e espirituais do povo ao seu redor. A mesma natureza está dentro de cada crente. O plantador de igrejas precisa exemplificar para os novos crentes que a natureza do evangelho é alcançar pessoas no ministério.
A vontade de Deus
A vontade de Deus é que ninguém pereça (2 Pedro 3.9). A vontade de Deus é que todos tenham a oportunidade de chegar ao arrependimento. O plantador de igrejas deve mostrar para os novos crentes que a motivação essencial para alcançar pessoas em amor e graça é fazer a vontade de Deus.
Obediência
Outra motivação para o ministério é ser obediente a Cristo. Devido à obediência de Pedro, o evangelho chegou aos gentios. Em defesa de seus atos, Pedro disse aos apóstolos e irmãos da igreja de Jerusalém:
Portanto, se Deus lhes deu o mesmo dom que dera também a nós, ao crermos no Senhor Jesus Cristo, quem era eu, para que pudesse resistir a Deus? (Atos 11.17)
Embora os gentios fossem considerados povos pagãos impuros, Pedro sabia que a obediência a Cristo era mais importante que qualquer tabu cultural ou étnico. O plantador de igrejas precisa ensinar e dar o exemplo para os novos crentes, de que em todas as situações e em todos os momentos, eles devem ser obedientes a Cristo. Portanto, em função do desejo de obedecer a Cristo, todos os crentes estarão envolvidos no ministério.
De graça recebestes, de graça daí
Se Deus nos amou o bastante para nos dar o dom de sua misericórdia e graça, não deveríamos também compartilhar esse dom com as pessoas ao nosso redor? Como podem os crentes que receberam e provaram o dom celestial da redenção não desejar compartilhá-lo com outras pessoas? Seria contra a natureza do cristão reter o que recebeu. Isso quer dizer compartilhar tanto a verdade espiritual que recebemos como as nossas posses materiais. Deus nos deu tudo de graça; portanto, de graça devemos compartilhar com as pessoas ao redor. Desde o início, o plantador de igrejas precisa dar exemplo para os novos crentes de um estilo de vida generoso.
O amor: a natureza de Deus e a nossa
Amados, amemo-nos uns aos outros, porque o amor é de Deus; e todo o que ama é nascido de Deus e conhece a Deus. Aquele que não ama não conhece a Deus; porque Deus é amor. Nisto se manifestou o amor de Deus para conosco: em que Deus enviou seu Filho unigênito ao mundo, para que por meio dele vivamos. Nisto está o amor: não em que nós tenhamos amado a Deus, mas em que ele nos amou a nós, e enviou seu Filho como propiciação pelos nossos pecados. Amados, se Deus assim nos amou, nós também devemos amar-nos uns aos outros (1 João 4.7-11).
Haverá uma motivação maior que essa para o ministério? O amor é a essência da natureza de Deus, e deveria estar também no âmago de nossa natureza. É essencial que o plantador de igrejas exemplifique um estilo de vida amoroso para os novos crentes. Eles precisam entender que a natureza de Deus deve se tornar a essência de nossa natureza igualmente.
O que você pode fazer em sua própria vida para mostrar às igrejas novas os motivos adequados por que os seguidores de Cristo devem ministrar?

Lembre-se de que a rápida reprodução das igrejas é um requisito para que haja um movimento de plantação de igrejas. Nesta unidade, falamos sobre a importância do exemplo para o desenvolvimento de igrejas que se reproduzam com rapidez. Depois que você der o exemplo e imprimir um código genético saudável em uma igreja, o que acontecerá em seguida?

Segue abaixo um processo simples de seguir que ajudará a levar as igrejas simples a uma rápida reprodução. Este processo – delineado por outro coordenador de estratégia que trabalha com a Janela 10/40 – se chama Exemplo, Assistência, Observação e Partida.


  • Primeiro, dê o exemplo, fazendo a obra.

  • Segundo, ajude-os a fazer a obra.

  • Terceiro, supervisione-os enquanto fazem a obra e assegure-se de que as igrejas se reproduzam além da segunda geração.

  • Quarto, deixe-os – mas não os abandone – e comece o trabalho novamente em outra área.

Deixe-me ilustrar como o processo funciona.

Você chega em uma área para começar a plantação de igrejas. Seu objetivo é ver igrejas se multiplicando por todo o grupo-alvo. Você planta a primeira igreja simples ou em células. Enquanto planta a igreja, você serve de exemplo para os princípios esboçados ao longo desta lição. Você mostra quem, o que, como, quando, onde e por quê o ministério é realizado.

Em seguida, a igreja que você plantou tenta se reproduzir plantando outra igreja por sua própria conta. Este é o segundo passo do processo. Você os supervisiona enquanto eles fazem o trabalho. Sua função não é na linha de frente, e sim na retaguarda. Esta é a primeira vez que a igreja tenta plantar uma outra igreja. Os membros da igreja viram você plantar a igreja no meio deles, mas ainda não puseram em prática o que viram em seu exemplo. Você quer que eles façam a obra, mas sabe que eles podem precisar de ajuda. Portanto, você os ajuda enquanto fazem a obra da plantação de outra igreja em um novo local.

Agora, duas igrejas já foram plantadas – uma por você e a outra pela igreja que você plantou. Você quer passar para o terceiro estágio do processo. Você deseja supervisionar os crentes enquanto eles fazem a obra, para se assegurar de que eles aprenderam como plantar igrejas saudáveis e reprodutivas. A primeira igreja que você plantou começa agora a plantar uma segunda igreja nova. Você os observa enquanto fazem a obra. Você pode dar sugestões e opiniões quando eles pedirem, mas não assume nenhum encargo nem está fisicamente presente. Você observa nos bastidores e orienta à distância.

Espera-se que a segunda igreja, plantada pela igreja que você plantou, também venha a plantar uma nova igreja. Enquanto os membros dessa igreja fazem a obra, os membros da primeira igreja lhes dão assistência, assegurando-se de que eles compreendam os princípios e possam efetivamente plantar uma igreja reprodutiva. Você observa todo o processo à distância e orienta no que for necessário. Tenha o cuidado de não interferir nem tentar assumir a realização do trabalho.

Quando a primeira igreja tiver se reproduzido duas vezes, e a igreja plantada por ela também tiver se reproduzido, você poderá partir para uma área nova e começar de novo. Você está pronto para partir. Você parte fisicamente, mas não os abandona. Semelhantemente ao apóstolo Paulo, você visitará as igrejas de tempos em tempos para animá-las e para continuar ensinando a elas. Problemas surgirão. Questões precisarão ser discutidas. Você continuará a apoiar as igrejas, mas não é mais seu líder nem é responsável por elas. Seu papel é servir às igrejas e incentivá-las a continuar se reproduzindo rapidamente.

Lembre-se: exemplifique, dê assistência, observe e parta!

ATIVIDADE DE FIXAÇÃO
No espaço abaixo, cite duas ou três coisas que você aprendeu nesta unidade e que, na sua opinião, serão importantes para o seu ministério.

32

CARACTERÍSTICAS DOS

MOVIMENTOS DE PLANTAÇÃO DE IGREJAS

O movimento de plantação de igrejas é um processo controlado pelo Espírito Santo de rápida e múltipla reprodução de igrejas autóctones no meio de um grupo-alvo específico, de modo que cada indivíduo dentro daquele grupo-alvo tenha a oportunidade de ouvir e responder às Boas Novas de Jesus Cristo.
A definição de movimentos de plantação de igrejas dada acima é a base do presente treinamento. Lembre-se de que o alvo é garantir que cada pessoa dentro do grupo-alvo alvo tenha a oportunidade de ouvir e responder ao evangelho de Jesus Cristo. A maneira mais eficaz de realizar esse objetivo é através da plantação de igrejas autóctones contextualizadas e capazes de se reproduzir continuamente dentro daquela cultura.

No decorrer de 1998, fiz parte de um grupo de trabalho que estudou movimentos de plantação de igrejas ocorridos ao redor do mundo nos anos recentes. O movimento de plantação de igrejas no Camboja foi um dos estudos de caso realizados. Outros estudos de caso vieram de lugares como América do Sul, Índia, África do Norte e China. Com base nesses estudos de caso, o grupo de trabalho elaborou uma definição e uma lista de características, obstáculos e diretrizes para movimentos de plantação de igrejas.

O que segue é um sumário de muitas características comuns a todos os movimentos de plantação de igrejas. Cada uma das 18 características citadas abaixo foi ensinada neste curso, de modo que este estudo servirá como uma revisão.
Enquanto revê as 18 características, avalie seu ministério com base nelas.

Características mais comuns encontradas em movimentos de plantação de igrejas


  1. A oração fervorosa como fundamento (Atos 1.14; 2.42; 3.23-31; 6.6-7; 10.1-48; 12.5; 13.3; 14.23; 16.11-15; 16.25-34; 20.36; 21.15)

Uma das primeiras características comuns identificadas nos movimentos de plantação de igrejas é a oração. Somos incumbidos com a responsabilidade de mobilizar milhares de intercessores para que “se ponham na brecha” (veja Ezequiel 22.30). Esses intercessores rogarão a Deus em favor do povo que precisa das Boas Novas, da mesma forma que Abraão rogou a Deus em favor do povo de Sodoma (veja Gênesis 18.16-33). Através da oração, eles serão como Neemias e “promoverão o bem” das pessoas (veja Neemias 2.10 NVI). Podemos mobilizar intercessores por meio de diferentes estratégias. Isso pode incluir a criação de células de oração nas igrejas locais, a formação e manutenção de uma rede pessoal de oração, o envio de cartas de oração a igrejas e pessoas, a produção e distribuição de livros ou cartões de oração, a confecção de calendários de oração e a realização de dias de oração e jejum em favor do grupo-alvo.

Outros aspectos importantes da oração são as caminhadas de oração e a batalha espiritual. As forças do mal farão tudo que for possível para evitar a disseminação das Boas Novas de Jesus. O coordenador de estratégia, os plantadores de igrejas, os evangelistas, os obreiros do campo e os crentes novos dentre o grupo-alvo devem estar preparados espiritualmente para servir entre o povo. Embora Deus tenha dotado a igreja das armas necessárias para a vitória no domínio espiritual, devemos nos certificar de que o povo de Deus saiba como usar essas armas.

Jesus falou a respeito de amarrar o valente, e deu a Pedro e aos crentes de Sua igreja o poder de amarrar e soltar, ligar e desligar (Mateus 12.29-30 e Mateus 16.19).

A caminhada de oração é um meio pelo qual o povo de Deus pode efetivamente se engajar no conflito espiritual. Através da caminhada de oração, os crentes não vão sair por aí procurando por demônios ou espíritos malignos atrás de cada árvore ou dentro de cada casa. Antes, estarão proclamando para satanás e seus exércitos que eles estão amarrados. Os cristãos têm a autoridade de amarrar as forças do mal. Também têm a autoridade de libertar as pessoas para que o evangelho, quando for semeado no meio do povo, possa lançar raízes em seus corações.

Em um estado da Índia, os evangelistas e plantadores de igrejas fazem da caminhada de oração e da batalha espiritual um costume antes da proclamação do evangelho em qualquer comunidade. Ao entrarem em cada povoado, rogam a Deus que revele onde estão as fortalezas espirituais. No nome de Jesus, eles amarram essas fortalezas e libertam o povo. Somente depois disso o terreno será fértil o bastante para a semente do evangelho lançar raízes e crescer. Através desses esforços de oração, esses evangelistas e plantadores de igrejas têm visto o número de ídolos reduzir-se nesses povoados. Eles testemunharam o caso de um templo em que a idolatria foi praticamente lançada por terra e esmagada. E têm visto quase 4.000 igrejas simples sendo plantadas somente neste estado! Quando o povo de Deus ora, sinais e maravilhas ocorrem naturalmente. Sinais e maravilhas serão discutidos separadamente nesta lição como uma das características de movimentos de plantação de igrejas.


Como a oração está sendo usada em seu ministério?



Que outras atividades de oração devem ser implementadas?

  1. O evangelho é semeado abundantemente (2 Coríntios 9.6)

As palavras do apóstolo Paulo soam verdadeiras como parte dos movimentos de plantação de igrejas. Em lugares onde aconteceram movimentos de plantação de igrejas nos últimos anos, as evidências mostram que uma das características subjacentes a eles é que o evangelho foi abundantemente proclamado através de uma variedade de mídias. Isso é geralmente feito por meio do filme Jesus, de programas de rádio, distribuição de literatura, projetos comunitários e de muitos crentes estrangeiros e nacionais compartilhando pessoalmente o evangelho por quer que fossem..

Em cada movimento de plantação de igrejas, usam-se métodos diferentes, mas o método não é a chave. A chave é a mensagem. No estado indiano de Orissa, os programas de rádio e as narrativas bíblicas foram apenas dois dos métodos pelos quais a mensagem foi amplamente semeada no meio do povo. Homens e mulheres treinados e preparados para orientar grupos de ouvintes de rádio e narrar histórias bíblicas foram enviados ao povo Kui. Como resultado, mais de 500 igrejas foram plantadas em cinco anos!

Uma de suas tarefas neste treinamento foi enumerar 100 opções de ministério para semear o evangelho entre as pessoas do seu grupo-alvo. O propósito desse exercício foi abrir os seus olhos para as inúmeras maneiras pelas quais a mensagem do evangelho pode alcançar pessoas. O exercício se fundamenta na convicção de que a semeadura abundante resultará em colheita abundante. Com muita freqüência, em nossas iniciativas ministeriais, nos tornamos “escravos” de uma ou duas metodologias. Agindo assim, deixamos de semear amplamente o evangelho. Se semearmos pouco, é isso que vamos colher – pouco! O coordenador de estratégia e sua equipe de plantação de igrejas devem se comprometer a semear o evangelho no meio do grupo-alvo através de diversos métodos. Se a Palavra de Deus for semeada em larga escala, podemos nos agarrar à promessa de Deus de que a sua Palavra jamais voltará vazia para Ele (Isaías 55.10-11).


Enumere os modos como, no presente momento, o evangelho está sendo semeado abundantemente entre o seu grupo-alvo.
De que outras formas você pode semear o evangelho abundantemente entre o seu grupo-alvo?



  1. A plantação de igrejas é intencional (Atos 2.42-47; 13-20)

A simples proclamação do evangelho não é o bastante. Para que um movimento de plantação de igrejas se estabeleça, os cristãos devem propositalmente iniciar novas comunidades de crentes onde quer que vão. Sempre que pregarmos o evangelho, deve ser nossa intenção dar continuidade imediata ao trabalho e reunir os crentes. Os novos crentes devem ser reunidos para oração, adoração, estudo da Palavra de Deus, comunhão e evangelização. O povo de Deus vive em comunidade, e devemos ajuntar aqueles que responderem positivamente ao evangelho na comunidade chamada igreja.

No estado indiano de Orissa, os grupos de rádio-ouvintes tinham como propósito a plantação de igrejas. Em dois outros estados do norte da Índia, onde milhares de igrejas simples foram plantadas, os que saem para pregar o evangelho são enviados com o propósito de plantar igrejas. Os evangelistas e plantadores de igrejas são enviados com a instrução de procurar por um “filho da paz” no povoado (Lucas 10.6). Uma vez Deus tendo revelado essa pessoa de paz, o evangelista ficará trabalhando naquele povoado com a intenção de plantar uma igreja simples.

Lembre-se da história do evangelista que, no norte da Índia, exibiu o filme Jesus em diversos povoados tribais, mas deu assistência apenas a alguns deles. O número de ídolos e templos cresceu nos povoados em que não se deu seguimento ao trabalho. Quando planejarmos semear o evangelho ampla e abundantemente entre o nosso grupo-alvo, devemos estar prontos também para plantar uma igreja em cada lugar em que a mensagem for proclamada. A igreja tem prestado um grande desserviço ao reino de Deus ao imaginar que tudo que precisamos fazer é pregar o evangelho. Temos saído a pregar o evangelho, distribuído milhares de exemplares de literatura e empregado incontáveis outros métodos de evangelização. Depois, apregoamos que já alcançamos aquele povo! Entretanto, fizemos isso sem nenhuma intenção de discipular os crentes ou plantar igrejas. Se realmente quisermos que a igreja de Jesus Cristo crie raízes, devemos semear o evangelho amplamente, fazendo-o com a intenção definida de plantar uma igreja onde quer que o evangelho seja semeado.


As organizações, pessoas ou igrejas que trabalham com o seu grupo-alvo pretendem plantar novas igrejas?

Se não, o que você pode fazer para garantir que a plantação de igrejas passe a ser o propósito do trabalho deles?



  1. A liderança é formada pelos crentes locais (Atos 14.21-23; 20.17; Tito 1.5)

Aprendemos no Novo Testamento que a igreja cresce rapidamente quando a liderança está nas mãos do povo local. Devemos levantar líderes de dentro do corpo de crentes plantado numa localidade específica. Quando importamos líderes de fora do grupo-alvo, prejudicamos a multiplicação das igrejas. Não foi assim que Paulo agiu; nem deveria ser essa a nossa atitude!

No Camboja, desde o princípio os crentes locais plantaram e lideraram as igrejas batistas de lá. Até hoje, nenhum estrangeiro se envolveu na liderança de nenhuma igreja batista cambojana. Os líderes locais são levantados de dentro da própria igreja local e são preparados para servir ao povo em sua própria localidade. Foi assim que aconteceu em todos os movimentos de plantação de igrejas que ocorreram nos últimos anos e também nos estudos de caso apresentados neste manual do estudante.

Uma das atitudes mais comuns nas pessoas de fora envolvidas com a plantação de igrejas é que não têm bastante confiança nos crentes locais para deixá-los assumir a liderança da igreja. Conseqüentemente, o plantador de igrejas fracassa em levantar líderes locais. Muitas vezes, isso resulta na permanência demasiadamente longa do plantador de igrejas em um mesmo local.

Se estamos comprometidos em ver a igreja de Deus se multiplicando em nossos grupos-alvos, devemos permitir que a liderança da igreja seja posta nas mãos dos crentes locais.
Os líderes das novas igrejas estão sendo escolhidos dentre os crentes locais?

Se não, como fazer para que isso aconteça?

1   ...   4   5   6   7   8   9   10   11   12


©principo.org 2016
enviar mensagem

    Página principal