R. Bruce Carlton



Baixar 0.74 Mb.
Página5/12
Encontro19.07.2016
Tamanho0.74 Mb.
1   2   3   4   5   6   7   8   9   ...   12

Parcerias

Escreva sua declaração de visão do futuro no começo do componente de parcerias de seu plano-mestre.


Alvos:
Eis alguns exemplos de alvos mensuráveis para a área de parcerias:


  • Crie um banco de dados ou um caderno de anotações sobre cristãos da Grande Comissão que trabalham com o grupo-alvo.

  • Recrute pelo menos 10 novas igrejas ou organizações para adotar e se envolver na plantação de igrejas entre o grupo-alvo.

  • Dentro dos próximos dois anos, firmar parcerias estratégicas com diversos cristãos da Grande Comissão para ajudar a alcançar o grupo-alvo com as Boas Novas.


Recursos:
Eis alguns exemplos de recursos que podem ser necessários para alcançar os alvos de parcerias mencionados acima:


  • Pesquisa da força de colheita

  • Lista dos cristãos da Grande Comissão

  • Igrejas locais

  • Caderno de anotações


Obstáculos transformados em oportunidades:
Eis abaixo alguns obstáculos que podemos encontrar, relacionados com os alvos acima, juntamente com sugestões de como transformá-los em oportunidades.

  • Obstáculo: Muitos grupos preferem trabalhar sozinhos, e há muita desconfiança entre eles.

Oportunidade: Visitar pessoalmente tantos grupos quanto possível para construir relacionamentos de confiança com eles.


  • Obstáculo: Tenho pouca experiência com parcerias.

Oportunidade: Aprender mais sobre como construir parcerias bem-sucedidas.
Planos de ação:
Seguem alguns possíveis planos de ação para os alvos estabelecidos acima:


  • Combinar as informações da pesquisa da força de colheita com a lista de cristãos da Grande Comissão para confeccionar uma lista abrangente de recursos.

  • Agendar tempo para visitar pelo menos dois ou três grupos diferentes a cada semana.

  • Através da visitação e da construção de relacionamentos, identificar quais grupos possivelmente estarão prontos para firmar parcerias estratégicas em favor do grupo-alvo.

  • Começar a planejar reuniões iniciais de parcerias com os grupos ou igrejas interessados em firmar parcerias estratégicas.


Processos avaliativos:
Seguem abaixo alguns exemplos de processos avaliativos para os alvos de parceria:


  • Quando organizações e igrejas começam a trabalhar juntas na plantação de igrejas entre o grupo-alvo, sabemos que a parceria está funcionando.

  • Mantenha contato com igrejas e grupos que adotaram o grupo-alvo e estão trabalhando na plantação de igrejas.

ATIVIDADE DE FIXAÇÃO


Na página seguinte, comece a trabalhar em seus próprios alvos, recursos, obstáculos transformados em oportunidades, planos e processos avaliativos para parcerias. Lembre-se de começar colocando sua declaração de visão do futuro no topo da página. Depois, trabalhe cada área passo a passo. Se tiver alguma dúvida, peça ajuda aos colegas em seu grupo pequeno ou dos instrutores.

Resumo da declaração de visão do futuro




Área Chave de Resultados: Parcerias




Alvos






Recursos






Obstáculos transformados em oportunidades




Planos de ação






Processos avaliativos







22

INTRODUÇÃO A PLATAFORMAS

(Antes de começar a falar sobre plataformas, o instrutor deve convidar três pessoas do grupo para representar o seguinte esquete.)

Esquete do povoado
Elenco necessário: Dois moradores e um evangelista
Cena um
Os dois moradores estão conversando em frente a uma casa, e a discussão é sobre a necessidade de poços no povoado. Eles não dispõem de suprimento de água nas redondezas. As mulheres do povoado têm de andar mais de dois quilômetros diariamente para conseguir água potável. No momento em que os dois moradores conversam, um evangelista entra no povoado.
Diálogo
Morador 1: Minha esposa muitas vezes tem de fazer duas viagens diárias para conseguir água para nossa família. Nosso povoado precisa de dois ou três poços – um de um lado, outro no meio e outro no lado oposto do povoado.
Morador 2: É verdade. Nossa vida seria muito mais fácil se tivéssemos alguns poços profundos. Eu não entendo por que os nossos líderes não nos ajudam.
Entra o evangelista
Evangelista: Olá, tudo bem? Meu nome é Pedro, e estou aqui para lhes falar de Jesus Cristo. Sou um missionário.
Morador 1: Você deve ser um dos crentes. Ouvimos falar de vocês.
Morador 2: Não estamos interessados em ouvir falar de Jesus, mas será que vocês poderiam ajudar nosso povoado a cavar alguns poços, para que tenhamos água potável?
Evangelista: Eu falar a vocês a respeito da Água Viva, e não sobre escavação de poços. Eu sou um missionário, e minha obrigação é pregar o evangelho. Olhem, tomem este folheto sobre Jesus. Ele é a Água Viva.
Morador 1: Eu não sei ler.
Morador 2: Eu sei ler, mas não estou interessado em sua literatura. O que queremos saber é se você pode ajudar nosso povoado a resolver o problema da água.
Evangelista: Esse folheto fala sobre Jesus. Se você crer nele, terá a salvação e irá para o céu.
Morador 1: Você tem algum problema de audição, não tem? Que tipo de missionário é você, que não pode nos ajudar a resolver o problema da água?
Morador 2: Vá embora. Não estamos interessados em seus livros ou em sua pregação.
Evangelista: Vocês precisam se arrepender de seus pecados. Vejo que vocês são homens pecadores. Jesus pode lavar os seus pecados e purificá-los de toda injustiça.
Morador 1: Nós queremos água é para tomar banho e lavar nossas roupas. Não estamos interessados em lavar pecados. A propósito, de que é mesmo que você está falando?
Morador 2: Pois é. De que é que você está falando? Você está usando palavras totalmente estranhas para nós.
Cena final
Os dois moradores ficam zangados com o evangelista e, aos gritos, dizem a ele que vá embora e os deixe em paz. Eles empurram o evangelista e se retiram.
FIM

Responda as seguintes perguntas sobre o esquete que foi realizado.
O que aconteceu no esquete?

Como você acha que os moradores se sentiam ao conversarem com o evangelista?


Na sua opinião, por que a conversa terminou daquele jeito?

O que você acha que vai acontecer da próxima vez que aquele evangelista ou algum outro entrar no povoado?

De que forma o problema poderia ter sido evitado?
23

DESENVOLVENDO A IDÉIA DE UMA PLATAFORMA

Nesta lição, veremos o conceito de plataformas e como elas podem dinamizar seu ministério.


O que são plataformas?
As plataformas representam uma base segura em que podemos nos apoiar quando estamos trabalhando em ambientes hostis à mensagem do evangelho ou à idéia de receber missionários. Em muitos lugares do mundo, se os obreiros se identificarem como missionários, lhes será negado o acesso a grupos populacionais que nunca ouviram a mensagem do evangelho.

O termo “plataforma” é usado para se referir a uma agência, organização, instituição beneficente, serviço ou negócio que dá aos obreiros cristãos uma justificativa válida para permanecer em um determinado lugar. As plataformas dotam os obreiros cristãos de uma identificação aceitável para se apresentarem diante de autoridades governamentais ou de qualquer outra espécie. A plataforma pode ser uma entidade cristã ou secular que garante aos obreiros cristãos o acesso ao grupo-alvo, possibilitando o testemunho do evangelho no meio daquele grupo.

Existem dois tipos de plataformas – plataformas de acesso e plataformas de apoio. Até o momento, temos falado de plataformas de acesso. Um exemplo dessas plataformas seria um ministério de ajuda humanitária que provê educação em saúde pública para áreas carentes de cidades ou povoados.

As plataformas de apoio fornecem caminhos para os obreiros cristãos sustentarem suas famílias e ministérios e, ao mesmo tempo, abrem-lhes o acesso à comunidade que desejam alcançar. Um exemplo desse tipo de plataforma seria um pequeno negócio como a criação de frangos. Outro exemplo poderia ser uma pensão que recebe estudantes como pensionistas. Ambos os exemplos representarão tanto uma fonte de renda para o obreiro cristão como um meio de acesso à comunidade.

As plataformas não são um fim em si mesmas. A simples presença dos obreiros no meio do povo que desejam alcançar com o evangelho não é o bastante. As plataformas devem ser planejadas de tal modo que permitam aos obreiros testemunhar, evangelizar e plantar igrejas no meio do grupo-alvo.
Base bíblica para as plataformas
A honestidade e integridade de um obreiro cristão jamais devem ser comprometidas. As plataformas devem sempre ser coerentes com o propósito de prover acesso legítimo ao grupo-alvo. Nada de enganoso pode provir da plataforma de um obreiro cristão. Quando as plataformas deixam de ser verdadeiras e atuam simplesmente como “fachadas”, tais plataformas darão aos crentes locais a impressão de que vale tudo para evitar a exposição pública e a perseguição.

Plataformas legítimas realmente ajudam a proteger a intenção final do obreiro cristão, que é plantar igrejas em uma determinada comunidade. Tudo certo quanto a isso. Tal proteção garante ao obreiro cristão o acesso ao grupo-alvo por um tempo mais longo. Sob uma plataforma legítima, as intenções finais do obreiro cristão podem ser resguardadas pelo silêncio ou pela recusa de uma resposta direta, ao lidar com pessoas cujo propósito seja hostil ao reino de Deus. Isso significa que, se a franqueza e a sinceridade completas puderem causar danos aos interesses do reino, uma conduta evasiva ou indireta pode ser justificável. Uma plataforma legítima permitirá que o obreiro cristão dê tais respostas com honestidade.

A plataforma do apóstolo Paulo – a fabricação de tendas – lhe permitia acesso legítimo às pessoas com as quais ele queria compartilhar o testemunho do evangelho. Muitas vezes, Paulo se encontrou no meio de pessoas hostis ao testemunho do evangelho. Fazer tendas permitia a Paulo permanecer na comunidade por um período de tempo mais longo do que seria possível de outra forma, deixava-o livre para construir relacionamentos com as pessoas e lhe dava o apoio financeiro necessário para não depender de terceiros.
Depois disso Paulo saiu de Atenas e foi para Corinto. Ali, encontrou um judeu chamado Áqüila, natural do Ponto, que havia chegado recentemente da Itália com Priscila, sua mulher, pois Cláudio havia ordenado que todos os judeus saíssem de Roma. Paulo foi vê-los e, uma vez que tinham a mesma profissão, ficou morando e trabalhando com eles, pois eram fabricantes de tendas. Todos os sábados ele debatia na sinagoga, e convencia judeus e gregos (Atos 18.1-4 NVI).
Paulo não é o único personagem bíblico que se deparou com hostilidades. A hostilidade é previsível. A Palavra de Deus nos diz que sofreremos por andarmos com Jesus (Mateus 24.9-14). Muitos personagens bíblicos, tais com Abraão, José, Moisés e Daniel, diversas vezes se encontraram em ambientes hostis. Vale a pena estudar como esses homens piedosos estavam preparados e como reagiram diante da hostilidade.

Naturalmente, nenhum personagem bíblico enfrentou mais hostilidades que o próprio Jesus. Ele advertiu os seus discípulos: “Eis que vos envio como ovelhas ao meio de lobos; portanto, sede prudentes como as serpentes e simples como as pombas” (Mateus 10.16). Em vez de prudentes e simples, a Nova Versão Internacional usa as palavras “astutos” e “sem malícia”. Jesus certamente praticava aquilo que ensinou. Ele escolhia cuidadosamente o momento e as pessoas a quem revelava sua identidade como Filho de Deus e seu propósito final de reconciliar o homem pecador com o Deus Santíssimo. Às vezes, Jesus de forma alguma revelava sua identidade. Certa vez, quando os líderes religiosos lhe perguntaram por qual autoridade Ele dizia aquelas coisas, Jesus mudou de assunto (Mateus 21.23-27). Quando Pilatos, uma autoridade governamental, perguntou a Jesus se Ele era o rei dos judeus, Jesus respondeu simplesmente dizendo “sim” (Lucas 23.1-3). Quando seus irmãos o pressionaram a revelar sua verdadeira identidade e propósito, Jesus lhes disse que ainda não tinha chegado a hora certa (João 7.2-11).

As plataformas ajudam os obreiros cristãos a ter acesso a lugares e pessoas em situações que de outra forma seriam hostis. As plataformas são uma maneira pela qual os obreiros cristãos podem exercer o ministério, como Jesus ordenou, ao mesmo tempo com astúcia e sem malícia.
Aspectos essenciais das plataformas de acesso:


  • Devem atender a uma necessidade legítima do povo.

  • Devem facilitar a interação com muitas pessoas.

  • Devem permitir oportunidades de testemunho.

  • Devem ter um plano de auto-sustentação.


Aspectos essenciais das plataformas de apoio:


  • A plataforma não deve consumir demasiadamente o tempo do obreiro, ou ele não poderá exercer seu ministério.

  • A plataforma deve dar ao obreiro o acesso às pessoas que ele quer alcançar.

  • A plataforma deve combinar com as habilidades e talentos do obreiro.

  • A plataforma não deve exigir uma grande quantia financeira para começar a funcionar e para se manter. Por exemplo, uma escola, com um prédio e muitos professores, custaria muito caro.


Sugestões para a escolha de uma plataforma:


  • Reúna, a partir da pesquisa do campo de colheita, a informação necessária sobre o lugar.

  • Antes de começar, pergunte ao povo do local se eles acham que a obra será benéfica para eles.

  • Calcule por quanto tempo você precisará de uma plataforma naquela área, pois isso afetará o tipo de plataforma que será estabelecida.

  • Verifique se as pessoas que pensam em trabalhar com essa plataforma têm as qualificações necessárias. Se não, você precisará se assegurar de que eles obtenham o treinamento apropriado.

  • Assegure-se de que a plataforma garanta aos obreiros o contato face a face com as pessoas.

  • Assegure-se de que a plataforma não requeira dinheiro demais e permita alcançar as pessoas.

ATIVIDADE DE FIXAÇÃO


Vocês se dividirão em pequenos grupos. Cada grupo escolherá uma idéia de plataforma para trabalhar. Pode ser uma plataforma de acesso, uma plataforma de apoio, ou ambas. Enquanto desenvolve a idéia da plataforma, você deve tentar responder as seguintes perguntas:
Que plataforma vocês escolheram?

Trata-se de uma plataforma de acesso ou plataforma de apoio?

Quais são os recursos necessários para a criação dessa plataforma (pessoas, organizações, materiais)?

Quanto custará a criação dessa plataforma? De onde virão os fundos?

Para que a plataforma comece a funcionar, será preciso registrá-la oficialmente? Que outras providências serão necessárias? Se você não sabe, quem você precisará consultar para descobrir?

Por quanto tempo essa plataforma poderá funcionar na comunidade?

Quantas pessoas poderão trabalhar na plataforma?

Que espécies de qualificação serão necessárias para trabalhar nessa plataforma?
De que forma essa plataforma ajudará você a estabelecer contato com o grupo-alvo?
De que modo essa plataforma possibilitará realizar a evangelização e plantação de igrejas?

Quantas horas por dia ou por semana você precisará passar trabalhando nessa plataforma?
Se a plataforma for de apoio, qual será a renda estimada por mês?

As pessoas da comunidade serão capazes de reproduzir essa plataforma?
24

O PLANO-MESTRE PARA PLATAFORMAS

Nós já começamos a desenvolver nossos planos-mestres na área da pesquisa, oração e parcerias. Lembre-se de que o plano-mestre será construído com base em estratégias classificadas em seis categorias: pesquisa, oração, parcerias, plataformas, evangelização e discipulado, e plantação de igrejas. Tudo que planejarmos com relação a esses seis tópicos terá o propósito de nos levar ao cumprimento da visão de futuro.

Neste ponto, já vimos as lições relacionadas com as plataformas. Assim, a partir desta unidade, nos concentraremos em desenvolver listas de alvos, recursos, obstáculos transformados em oportunidades, planos e processos avaliativos para as plataformas em nossos ministérios.

Se você precisar rever os conceitos e instruções para o desenvolvimento dessas listas, retorne à unidade 9, “Plano-mestre de pesquisa”.

A seguir, dou um exemplo de como desenvolver, no seu plano-mestre, esses alvos e planos na área de plataformas.
_____________________________________

Plataformas
Escreva sua declaração de visão do futuro no começo do componente de plataformas de seu plano-mestre.
Alvos:
Eis alguns exemplos de alvos mensuráveis na área de plataformas:


  • Estabelecer pequenas oportunidades de negócios para os plantadores de igrejas se sustentarem em seu trabalho.

  • Recrutar professores de inglês para trabalhar com o grupo-alvo.

  • Criar uma agência de turismo, permitindo tanto o acesso à comunidade como a geração de renda.

  • Trabalhar com grupos locais no desenvolvimento de programas comunitários que dêem aos obreiros o acesso às comunidades em que o grupo-alvo vive.


Recursos:
Seguem abaixo alguns exemplos de recursos necessários para a realização dos alvos de plataformas estabelecidos anteriormente.


  • Empresários amigos que possuam agências de turismo

  • Grupos de ajuda humanitária pertencentes à lista de cristãos da Grande Comissão

  • Obreiros internacionais que possam ajudar a encontrar professores de inglês

  • Igrejas locais

  • Estudo do campo de colheita (para identificar as necessidades do povo)

  • Autoridades governamentais locais


Obstáculos transformados em oportunidades:

Seguem abaixo alguns possíveis obstáculos que podemos encontrar, relacionados com os alvos acima, ao lado de sugestões sobre como transformá-los em oportunidades.




  • Obstáculo: Não entendo nada de negócios.

Oportunidade: Aprender com amigos empresários ou se inscrever em um curso para estudar a administração de pequenas empresas.

  • Obstáculo: Não é fácil obter fundos para iniciar um pequeno negócio para os obreiros.

Oportunidade: Pesquisar sobre o levantamento de fundos para projetos e desenvolver um bom plano de negócios para apresentar a potenciais investidores.
Planos de ação:

Eis alguns possíveis planos de ação para os alvos mencionados:




  • Reunir-se com amigos que possuam agências de turismo e aprender como eles criaram e como administram suas empresas.

  • Verificar junto às autoridades locais quais são as regras existentes para a criação de pequenos negócios.

  • Desenvolver um projeto empresarial para uma agência de turismo, bem como para micro-empresas para os obreiros.

  • Descobrir pessoas que possam ajudar a treinar obreiros para pequenos empreendimentos.

  • Verificar com amigos a possibilidade de recrutamento de professores de inglês.

  • Verificar junto a escolas locais e outras organizações a possibilidade de receberem professores de inglês em seus estabelecimentos.

  • A partir do estudo do campo de colheita, identificar as necessidades do povo.

  • Conversar com grupos humanitários e igrejas sobre o desenvolvimento de programas comunitários para atender as necessidades do povo.

  • Desenvolver um projeto de plantação de igrejas para todos os empreendimentos programas de acesso à comunidade.


Processos avaliativos:

Seguem alguns exemplos de processos avaliativos para os alvos de plataformas:




  • Quando a agência de turismo estiver operando e gerando renda para o sustento da família e do ministério, o alvo terá sido atingido.

  • Quando os obreiros estiverem prontos para pôr suas empresas em funcionamento, conseguindo acesso para alcançar a comunidade, o alvo terá sido atingido.

  • Quando igrejas estiverem sendo plantadas através de programas de acesso à comunidade, as plataformas estarão surtindo efeito.

ATIVIDADE DE FIXAÇÃO


Na página seguinte, comece a trabalhar em seus próprios alvos, recursos, obstáculos transformados em oportunidades, planos e processos avaliativos para plataformas. Lembre-se de começar colocando sua declaração de visão do futuro no topo da página. Depois, trabalhe cada área passo a passo. Se tiver alguma dúvida, peça ajuda aos colegas em seu grupo pequeno ou aos instrutores.

Resumo da declaração de visão do futuro




Área Chave de Resultados: Plataformas




Alvos






Recursos






Obstáculos transformados em oportunidades




Planos de ação






Processos avaliativos








Compartilhe com seus amigos:
1   2   3   4   5   6   7   8   9   ...   12


©principo.org 2019
enviar mensagem

    Página principal