Racionalismo Cristão 13ª edição Rio de Janeiro



Baixar 1.27 Mb.
Página1/24
Encontro20.07.2016
Tamanho1.27 Mb.
  1   2   3   4   5   6   7   8   9   ...   24



Prática do

Racionalismo Cristão

(página 3)



Prática do


Racionalismo Cristão
13ª edição



Rio de Janeiro
2009

© Racionalismo Cristão, 1959



Prática do Racionalismo Cristão. – 13ª ed. – Rio de Janeiro: Racionalismo Cristão, 2009.

225 p.


Espiritualismo: Filosofia

ISBN 85-89130-12-6

CDD – 133.9

CDU – 141.35



A Diretoria de Ação Doutrinária da Casa-Chefe do Racionalismo Cristão coordenou os trabalhos de revisão desta edição.

Os endereços das casas racionalistas cristãs podem ser obtidos pelo telefone 0xx212117-2100 (ligações do Brasil) e 55212117-2100 (ligações de outros países), e no site do Racionalismo Cristão na internet.



Endereço para correspondência:

Casa-Chefe do Racionalismo Cristão

Rua Jorge Rudge, 119 – Vila Isabel

Rio de Janeiro – RJ – Brasil

CEP 20550-220

casachefe@racionalismocristao.org

Site: racionalismocristao.org






Casa-Chefe do Racionalismo Cristão, Rio de Janeiro ─ Brasil

Sumário

Apresentação....................................................... 8

Prefácio........................................................... 10

Introdução......................................................... 12
Primeira parte
Capítulo 1

Racionalismo Cristão............................................... 16

Os fundadores do Racionalismo Cristão

Em plano físico

Luiz de Mattos........................................... 17

Doutrinação de Luiz de Mattos....................... 19

Luiz Thomaz.............................................. 21

Doutrinação de Luiz Thomaz.......................... 22

Em plano astral

Antônio Vieira........................................... 24

O consolidador do Racionalismo Cristão

Antonio Cottas........................................... 27

Doutrinação de Antonio Cottas....................... 28
Capítulo 2

Casa-Chefe do Racionalismo Cristão e casas racionalistas cristãs... 29

Abertura de casas racionalistas cristãs............................ 32
Capítulo 3

Mediunidade e médiuns.............................................. 35

Mistificações...................................................... 43

Obsessão........................................................... 45

Desobsessão........................................................ 50
Capítulo 4

Práticas racionalistas cristãs realizadas no lar................... 53

O que é a limpeza psíquica.................................... 53

O que são as irradiações...................................... 53

Significado das irradiações.............................. 54

Limpeza psíquica.............................................. 56

Água fluidificada............................................. 57

Normalização de obsedado........................................... 58

Atendimento personalizado ao público............................... 62
Segunda parte
Capítulo 5

Reuniões espiritualistas ─ classificação.......................... 63

Reuniões públicas............................................ 63

Reuniões cívico-espiritualistas.............................. 66

Reuniões de desdobramento.................................... 67

Reuniões de doutrinações..................................... 69

Reuniões de estudos doutrinários e disciplinares............. 69

Reuniões de militantes....................................... 70

Reuniões de médiuns.......................................... 71

Reuniões administrativas ─ classificação.......................... 72

Reuniões dos órgãos diretivos e de apoio administrativo

da Casa-Chefe....................................... 72

Reuniões de presidentes, diretores e militantes.............. 72

Reuniões dos órgãos diretivos e de apoio administrativo

das filiais e dos correspondentes................... 73
Capítulo 6

Orientações aos militantes........................................ 74

Recomendações aos militantes...................................... 79
Capítulo 7

Esquema de posicionamento no estrado e no salão.................. 84

Responsabilidades e atribuições dos militantes

Considerações oportunas..................................... 85

Vestuário................................................... 86

Competências dos militantes nas reuniões.................... 86

Observação preliminar.................................. 86

Presidente............................................. 86

Diretor................................................ 88

Encarregado de salão................................... 88

Fiscal de porta..................................... . 89

Auxiliar de salão...................................... 89

Auxiliar de estrado.................................... 90

Fecho.................................................. 90

Esteio................................................. 90

Médium................................................. 91

Cautelas para o médium............................ 91

Atendimento a assistentes................................... 92

Atendimento a obsedados..................................... 93
Capítulo 8

Características das reuniões espiritualistas..................... 95

Considerações preliminares.................................. 95

Corrente fluídica........................................... 96

Meia-corrente fluídica...................................... 97

Escalas de presidentes, fechos e médiuns.................... 97

Desenvolvimento de médiuns....................................... 99

Condições básicas para realizar reuniões......................... 101


Capítulo 9

Convenções para a realização das reuniões espiritualistas........ 105

Irradiações................................................. 105

Mesa do estrado............................................. 106

Iluminação do estrado e do salão............................ 107

Presidentes de reuniões..................................... 107

Sinais disciplinares........................................ 107

Sinais de bastão....................................... 107

Sinais de campainha.................................... 107

Sacudimento................................................. 108

Disciplina para o sacudimento.......................... 109
Capítulo 10

Casa-Chefe

Organização das reuniões espiritualistas.................... 111

1.Reunião pública........................................ 111

Com a presença de apenas um médium................ 121

Sem a presença de médium ou de 8 militantes à mesa 123

2.Reunião cívico-espiritualista.......................... 124

3.Atendimento personalizado ao público................... 125

4.Reunião de desdobramento............................... 127

Fluidificação da água............................. 135

Fluidificação sem a presença de médium ou

de 8 militantes à mesa....................... 135

5.Reunião de doutrinações................................ 138

6.Reunião de militantes.................................. 139

7.Reunião de médiuns..................................... 145

Organização das reuniões administrativas.................... 147

8.Reunião conjunta dos órgãos diretivos e de apoio....... 147

9.Reunião de presidentes, diretores e militantes......... 148
Capítulo 11

Filiais

Organização das reuniões espiritualistas.................... 149

1.Reunião pública........................................ 149

Com a presença de apenas um médium................ 159

Sem a presença de médium ou de 8 militantes à mesa 161

2.Reunião cívico-espiritualista.......................... 162

3.Atendimento personalizado ao público................... 164

4.Reunião de desdobramento............................... 165

Fluidificação da água.................................. 173

Fluidificação sem a presença de médium ou de

8 militantes à mesa............................... 174

5.Reunião de militantes.................................. 177

6.Reunião de médiuns..................................... 183

Organização das reuniões administrativas.................... 185

7.Reunião conjunta dos órgãos diretivos e de apoio....... 185
Capítulo 12

Correspondentes

Organização das reuniões espiritualistas.................... 187

1.Reunião pública........................................ 187

Fluidificação da água............................. 194

2.Reunião cívico-espiritualista.......................... 195

3.Atendimento personalizado ao público................... 196

4.Reunião de estudos doutrinários e disciplinares........ 197

5.Reunião de militantes.................................. 199

6.Elevação de correspondente à categoria de filial....... 204

Organização das reuniões administrativas.................... 208

7.Reunião conjunta dos órgãos diretivos e de apoio....... 208
Síntese dos princípios racionalistas cristãos.................... 210

Conclusão........................................................ 212

Glossário....................................................... 215

Livros editados pelo Racionalismo Cristão....................... 224

Apresentação
Este livro, embora especificamente dirigido aos militantes do Racionalismo Cristão, em razão de fixar normas disciplinares a serem observadas exclusivamente nas reuniões realizadas nas casas racionalistas cristãs, contém orientação particularizada para os que necessitem normalizar pessoas com desequilíbrio psíquico em localidades onde não haja filial ou correspondente da Doutrina, além de proporcionar esclarecimentos de interesse dos estudiosos.

O Dr. Humberto Machado Rodrigues, já completados mais de vinte e cinco anos como presidente do Racionalismo Cristão no plano físico, prefaciou a nova edição, descrevendo como e por que certas práticas disciplinares foram incluídas ou abolidas em edições anteriores por Luiz de Mattos e Antonio Cottas, e por ele próprio.

Não obstante a disciplina tenha sido mantida nos seus intocáveis fundamentos, pois é a garantia dos trabalhos espiritualistas realizados nas casas racionalistas cristãs, os temas de que cuida seguem nesta edição metodologia própria, que lhe confere rapidez na consulta ao texto.

O livro contém doze capítulos divididos em duas partes. A primeira parte, organizada nos quatro capítulos iniciais, inclui temas alusivos aos fundadores e ao consolidador do Racionalismo Cristão, às casas racionalistas cristãs, ao equilíbrio mental e às faculdades espirituais dos que participam dos trabalhos em nossas Casas ─ e que são inerentes ao ser humano em geral ─ bem como às práticas racionalistas cristãs realizadas no lar por pessoas dispostas a adotá-las no dia-a-dia.

A segunda parte é eminentemente disciplinar. Nos capítulos 5 a 9, a disciplina é abordada nos diversos aspectos garantidores de sua prática segura, com orientações e recomendações aos militantes, e as atribuições dos diversos encargos que podem exercer. Também são neles encontradas as condições básicas para a realização das reuniões, e a descrição de cada uma delas. Nos três capítulos finais, estão definidas as normas disciplinares para a execução das reuniões espiritualistas e administrativas, agrupadas por categorias de casas racionalistas cristãs: Casa-Chefe (capítulo 10), filiais (capítulo 11) e correspondentes (capítulo 12).

Na presente edição, incluímos decisões disciplinares tomadas pela presidência do Racionalismo Cristão e divulgadas em circulares expedidas ao longo dos anos, e, mais recentemente, as resultantes de reuniões com representantes regionais, presidentes, diretores e militantes. Pequenos ajustes também foram feitos, como os referentes à padronização de sinais de campainha e de bastão, e os destinados à superação de dúvidas decorrentes de omissões existentes em edições anteriores. Eliminaram-se conflitos pontuais, para evitar incertezas, e assim assegurar a uniformidade de entendimento. Aboliram-se certas práticas, como a do recolhimento de médiuns à sala das correntes fluídicas antes da sua organização astral, e outras foram criadas, como as escalas para o exercício de algumas funções, a serem adotadas nas Casas com maior número de militantes.

Embora as casas racionalistas cristãs sejam locais onde o respeito sempre prevaleceu, hoje em dia não há motivo para se manter a separação de mulheres e homens nos salões. Toda pessoa, indistintamente, poderá sentar-se em qualquer dos lados do salão, inclusive os membros de uma mesma família, que permanecerão juntos ouvindo os esclarecimentos espirituais.

A par disso, costumes e tradições dos diversos países onde nossas Casas estão localizadas, e peculiaridades da atividade laboral de cada lugar, levaram-nos a fazer ajustes na disciplina, adequando-a a realidades do mundo moderno. Assim sendo, reduzimos o número mínimo de militantes necessários à realização das reuniões espiritualistas, para que os trabalhos mediúnicos sejam mais constantes, sem perda da essencial assistência do Astral Superior. E mais: nossas Casas poderão optar por um dos quatro horários estabelecidos para o início das reuniões.

Além dessas inadiáveis mudanças e retificações, que procuram também viabilizar a aproximação de um maior número de pessoas dispostas a ingressar na militância do Racionalismo Cristão, esta edição tem um glossário, com a finalidade de explicar palavras e expressões usadas na literatura racionalista cristã. Apresenta uma nova capa, que a distingue visualmente das antecedentes, conforme o projeto e o conceito artístico criados para os três livros essenciais da Doutrina: Racionalismo Cristão, A vida fora da matéria e Prática do Racionalismo Cristão, que devem ser consultados sempre em suas últimas edições.

Aos que já conhecem os fundamentos do Racionalismo Cristão asseguramos que sem dúvida terão condições de bem avaliar o conteúdo desta obra, de constatar a exatidão das orientações nela contidas e, assim, entender o porquê da sua rigorosa observância.

Talvez ao leitor mais atento pareçam repetitivas algumas recomendações encontradas no texto. Tal opção, no entanto, teve o propósito de facilitar a compreensão dos principiantes na prática do Racionalismo Cristão em nossas Casas.

É de fundamental importância alertar os leitores para que não realizem encontros de natureza mediúnica em suas residências, ou em outros locais, valendo-se das normas e convenções disciplinares constantes neste livro. Irão, com isso, tão-somente atrair espíritos inferiores, com sérios riscos ao equilíbrio mental dos envolvidos nessa prática perniciosa.

Com a 13a edição do livro Prática do Racionalismo Cristão, esperamos que o estudioso se aprofunde no conhecimento da vida espiritual. E que o necessitado de normalização psíquica, ao ser submetido à recuperadora disciplina nela apresentada, se reintegre ao convívio da sociedade. Finalmente, relembramos ao militante a importância de examiná-la sempre.

O Editor
Prefácio
O Racionalismo Cristão se distingue das demais filosofias espiritualistas pela autenticidade de seus princípios e por sua prática, que possibilita ao Astral Superior arrebatar da atmosfera fluídica da Terra espíritos que nela vagueiam, sem se dar conta de que não mais possuem um corpo físico.

Luiz de Mattos, o codificador da Doutrina, percebeu que a vida é a ação permanente da Força sobre a Matéria, únicos componentes do Universo, como é o ser humano, um composto de corpo e alma.

Partindo do conceito Força e Matéria e da observância das leis universais, que tudo regem, Luiz de Mattos sistematizou a disciplina racionalista cristã, servindo-se de sua invulgar intuição, da experiência e da percepção acumuladas em múltiplas e profícuas existências, e de orientações recebidas das Forças Superiores nas reuniões espiritualistas que realizou nos primórdios da Doutrina na cidade de Santos, berço do Racionalismo Cristão, e na Casa-Chefe, no Rio de Janeiro, como seu presidente.

Antonio Cottas consolidou o extraordinário legado deixado por Luiz de Mattos para a espiritualização da humanidade. Nos cinqüenta e sete anos em que liderou no plano físico o Racionalismo Cristão, Antonio Cottas, no exercício da presidência de milhares de reuniões públicas e de desdobramento na Casa-Chefe, tornou sólidas e seguras as normas disciplinares deixadas pelo mestre Luiz de Mattos. São regras rigorosas, para dar segurança mental e física aos que, de boa vontade, trabalham nas reuniões das casas racionalistas cristãs. São normas rígidas, para que a plêiade do Astral Superior leve aos assistentes e militantes suas belas e esclarecedoras doutrinações, e encaminhe aos mundos de estágio espíritos que perambulam na atmosfera fluídica da Terra, livrando de sua influência perniciosa os seres que os atraem com pensamentos e atitudes afins.

Por ser resultado de inquestionável experiência acumulada por nossos mestres, os fundamentos disciplinares não podem ser alterados em nenhuma hipótese, o que garante o êxito dos trabalhos realizados em nossas Casas, como nos alertam constantemente as Forças Superiores em doutrinações na Casa-Chefe.

Há uma tendência, natural e previsível, de o militante achar que a recomendação para que leia sempre o livro Prática do Racionalismo Cristão se restrinja às normas disciplinares relativas às reuniões realizadas em nossas Casas. É um grande equívoco pensar assim, alertamos, porque esta obra, além de regras e convenções constantes na segunda parte, que o militante tem obrigação de conhecer bem, contém, na primeira, alertas, advertências, orientações e exemplos de vida, que devem ser levados em consideração no viver cotidiano.

As regras disciplinares constaram no livro Racionalismo Cristão até 1959, ano em que foi publicada a 1a edição do Prática do Racionalismo Cristão. Os estudiosos freqüentadores da Biblioteca Luiz de Mattos, na Casa-Chefe, e de outras bibliotecas situadas em diversas de nossas Casas, sabem que nessa primeira edição, além da disciplina dos trabalhos espiritualistas, Antonio Cottas, com sua sabedoria, discorreu sobre diversos temas, como o caráter e a importância do pensamento; aconselhou pais, orientando-os na criação e educação das novas gerações; alertou homens e mulheres para sua situação perante o casamento. Sob a supervisão de seu irmão, o médico João Baptista Cottas, agora espírito da plêiade do Astral Superior, Antonio Cottas, sensível aos problemas das populações necessitadas de assistência médica, autorizou a inserção de orientações simples, porém muito úteis, que consistiam em chás, xaropes e cozimentos de ervas medicinais, aconselhamentos esses destinados a socorrer gente enferma do físico moradora em locais então desassistidos pela medicina. Encontramos, ainda, na edição em apreço, considerações sobre o valor das vitaminas, as propriedades dos legumes, os benefícios advindos dos banhos de sol e de mar, e recomendações quanto à higienização da boca, ao uso do açúcar e do sal, entre outros comentários.

Antonio Cottas, com a experiência acumulada de observador do gênero humano, haja vista as incontáveis cartas doutrinárias por ele respondidas, com cerca de três mil delas publicadas em vinte e seis volumes da obra intitulada Cartas doutrinárias, não mais incluiu no livro Prática do Racionalismo Cristão, em sua 8a edição, de 1979, essas orientações, os então chamados “conselhos”, pois essa prática tinha sido abolida pelo grande mestre através da Circular n° 131, de 20 de novembro de 1979. Os formulários sobre ervas medicinais não mais constaram na 9ª edição, de 1981, e as orientações voltadas para a saúde física deixaram de ser publicadas a partir da 10ª edição, de 1983. Com essas coerentes decisões, o Racionalismo Cristão ficou direcionado exclusivamente para o papel que lhe cabe, que é a ação espiritualizadora da humanidade.

Em nossa gestão à frente da Doutrina, determinamos a extinção de algumas reuniões de desdobramento e remanejamos outras, adaptando a prática disciplinar à realidade do mundo, onde a competitividade cada vez mais crescente e as dificuldades com o trânsito de veículos, principalmente nas grandes cidades, reduziram sensivelmente a disponibilidade de tempo das pessoas. Com essas medidas, possibilitamos aos militantes dar maior e melhor assistência familiar.

A 11a edição, publicada em 1986, passou a ter tão-somente a prática disciplinar, os textos orientadores de natureza espiritual e a biografia de Antonio Cottas, que faleceu em 12 de junho de 1983.

Na presente edição, os leitores encontram uma das mais belas lições de Luiz de Mattos e duas apropriadas doutrinações de Luiz Thomaz e de Antonio Cottas, em razão da finalidade da obra.

Após completarmos vinte e cinco anos na presidência da Doutrina, é com imensa satisfação que prefaciamos a 13a edição do livro Prática do Racionalismo Cristão, em cujas páginas encontramos, perene, a disciplina racionalista cristã, como nos foi legada pelos notáveis mestres Luiz de Mattos, Luiz Thomaz e Antonio Cottas.


Humberto Machado Rodrigues

Presidente do Racionalismo Cristão



Introdução
Encontram-se em evolução na Terra espíritos de várias classes espirituais. A capacidade de absorver assuntos espiritualistas varia de acordo com os planos evolutivos. Há, para exemplificar, seres que obstinadamente repelem o conceito da lei das reencarnações. A lógica deste conceito tem grande poder de convicção para quem possua a capacidade espiritual de penetrar no âmago da sua razão de ser. No entanto, os que conservam a mente fechada a essa realidade têm o campo visual da espiritualidade sumamente restrito e são incapazes de aceitar outra idéia que não a de que se encontram saturados.

Assim, pessoas que não aceitam o espiritualismo estão coerentes com seu estado e precisam enfrentar experiências por que outras passaram, aprendendo lições ainda não absorvidas, e livrando-se de concepções materialistas ou de limitações terrenas que lhes foram marteladas no espírito, em seguidas existências. Isso só se dará com o correr do tempo, com as viagens contínuas, de ida e volta, entre a Terra e o plano astral.

Entregar, pois, esta obra a quem não está em condições de recebê-la é praticar desperdício, embora sua difusão não seja limitada aos seres esclarecidos sobre os problemas fundamentais da vida, como os que exercem funções nas casas racionalistas cristãs; ela interessa a todos os que quiserem estudar, com seriedade, a vida fora da matéria.

Não há aqui a pretensão de esconder-se um conhecimento e torná-lo secreto, visto que no Racionalismo Cristão nada se oculta. A verdade espiritualista, ou seja, a existência da vida fora da matéria, é explanada com franqueza, sem subterfúgios, meios-termos ou evasivas. Por isso, os que preferem viver de promessas ilusórias, sem querer enfrentar os rigores da realidade, não se ajustam com a dureza de verem desvendadas, pela iluminação interior, as infrações que cometem no trato comum do viver cotidiano.

Não se afirma também ser o Racionalismo Cristão detentor exclusivo da verdade sobre a vida espiritual. Ela está ao alcance de todos. Busquem-na os que se empenharem em encontrá-la, sabendo raciocinar. O ser humano possui livre-arbítrio, e tem o poder do raciocínio. No Racionalismo Cristão, estimula-se o desenvolvimento desse poder e do propósito de fazer-se dele bom e acertado uso. Não se quer nada forçado, nada que contrarie o que determinam as leis naturais e imutáveis que regem o Universo.

Muitos são os que não adotam o Racionalismo Cristão para poder continuar alimentando certos vícios que reputam de pequena expressão, com o que revelam vontade fraca e apego a sensações terrenas. Esses hão de voltar, mais tarde, a renovar o mesmo curso, no correr dos séculos, quando terão que repassar as lições deixadas de lado e enfrentar os desafios com vistas ao crescimento espiritual. Cada qual é responsável pelos próprios atos e pelo resgate dos seus débitos, à sua custa exclusiva. Nesse período de prestação de contas, o mundo é radicalmente surdo às suas lamentações.

Só o conhecimento da verdade espiritualista libertará os seres humanos das algemas do materialismo entorpecente. E não se diga que a Terra não oferece os meios de conhecê-la. Pelo contrário, aqui, neste laboratório psíquico, é que todos terão de encontrar o verdadeiro caminho, que é o da evolução espiritual.

A essa rota chegam os seres que confiam em si mesmos como componentes da Força Criadora que governa o Universo. Aqueles que vêem no princípio básico da espiritualidade o rumo iluminado da ascensão a planos mais elevados sabem que a vida espiritual é eterna, que a evolução se processa em existências sucessivas e que tanto mais será apressado o progresso individual, quanto mais rápido for o desligamento dos atrativos materiais e terrenos, substituídos pelo prazer do dever cumprido, pela alegria de proporcionar felicidade, pela satisfação de sentir-se útil, pela paz interior, que deriva da exata compreensão do que lhe cabe fazer na posição que ocupa no seio da coletividade.

A evolução pode processar-se lentamente, à custa do resgate de débitos morais produzidos, incessantemente, num percurso de muitos e muitos anos, em que se renovam centenas de existências, umas perdidas e outras mal aproveitadas, ou mais depressa, evitando-se a prática de erros.

No primeiro caso, evidencia-se a falta de critério, quando o indivíduo se deixa vencer pelos prazeres terrenos, entregando-se aos vícios de comer abusivamente, de beber, de fumar, de consumir drogas, de ostentar luxo, com o que passa a ser influenciado por forças afins do astral inferior. Nesse estado, fica envolvido por vibração sensualista, dentro da qual reflete toda a sua natureza deformada ou degenerada.

Em tais condições de fraqueza moral, o ser pode nascer e falecer, sucessivamente, inúmeras vezes, sempre marcando passo na escala da evolução. Conhece, nessa trajetória multicentenária, a loucura, a delinqüência, o crime, o suicídio, a miséria, a humilhação, o desprezo, a revolta, a fome e demais formas de sofrimento físico, moral e espiritual. Um dia, porém, cansado de tantos erros cometidos por causa de sua própria negligência, procura raciocinar sobre as misérias terrenas. A partir dessa disposição, ligeira aragem espiritual principia a manifestar-se.

Sempre que o ser se inclinar para idéias e sentimentos morais elevados, novas oportunidades vão-se apresentando, para que progrida espiritualmente. Entretanto, somente quando começa a sentir que sua evolução pode seguir curso mais apressado é que se dispõe, com firmeza, a abolir erros praticados conscientemente.

Recomenda-se que sejam examinadas todas as coisas e se retire delas o que seja verdadeiro e útil. Essas palavras vão de encontro às que proíbem leituras morais divergentes das sectárias. O Racionalismo Cristão vem afirmando, com apoio nas lições do Astral Superior, a verdade sobre a lei das reencarnações e o nulo efeito dos perdões. É pena que para essa verdade tantos se obstinem em fechar os olhos.

Uma vez chegados à convicção, pela iluminação espiritual, de que os erros têm de ser resgatados por quem os pratica, custe o que custar, leve o resgate o tempo que levar, sem nenhuma possibilidade de serem perdoados ou anulados, então um novo critério passará a ser adotado.

As correntes do bem se fazem presentes sempre que houver pensamentos elevados e vontade forte. Em razão dessa assistência espiritual, os sofrimentos quase desaparecem, os bons hábitos tomam o lugar dos maus, há mais saúde e tranqüilidade, os negócios prosperam, a amizade no meio social floresce e a vida se transforma.

São considerados erros os atos que contrariem as leis naturais, e, entre eles, a alimentação de vícios de qualquer espécie e tudo quanto seja cometido em prejuízo próprio ou do próximo: as ações denunciadoras da falta de caráter, as fraquezas morais, o desperdício, a leviandade, a luxúria, a indolência, a vingança, a mentira, a infidelidade, a traição, a mistificação, as apropriações indébitas, as injustiças e outras práticas idênticas.

Assim, deve-se considerar a vantagem de ser processada a evolução por caminho mais curto, evitando-se, tanto quanto possível, longas e desnecessárias caminhadas que acarretem sofrimentos inúteis. É esta, aliás, a orientação que os ensinamentos do Racionalismo Cristão a todos proporcionam, e só fecham os olhos para eles os que realmente estiverem incapacitados de os apreender, seja pelo estado mental, pelo fanatismo, pela inconformação de deixarem velhas crenças, hábitos e costumes, ou pela falta de sinceridade e de espírito de renúncia.

É certo que muitas linhas filosóficas também condenam os erros apontados. O mal está, no entanto, em serem seus adeptos pedintes obstinados e esmoleiros inveterados; em fazerem campanhas ostensivas de angariação de dinheiro, tomando-o, por opressão moral, sem se limitarem ao círculo dos prosélitos. O mal está em apresentarem ao mundo um deus materializado; em admitirem o perdão para os erros cometidos, mesmo quando tenham redundado em graves prejuízos morais e físicos para terceiros; em desconhecerem o que se passa no mundo espiritual, limitando-se a fantasiar acanhados conceitos lendários, de nenhuma realidade. O mal está em se recusarem a aceitar a verdade sobre a lei das reencarnações, pelo completo desconhecimento do processo evolutivo universal. Tudo isso fazem e aceitam, porque consideram a vida no curto e limitado espaço de uma existência terrena efêmera, quando ela tem de ser considerada através de numerosas outras, uma vez que os fatos da vida presente estão diretamente ligados ou associados aos das vidas anteriores.

Assim, pode-se compreender por que não convém entregar um livro como este a um indivíduo intolerante. Sua concepção de vida está formada sob outro aspecto; encontra-se viajando por caminho sinuoso, que, apesar disso, lhe agrada. Também chegará à meta final, mas poderá levar séculos e vindas repetidas a este mundo pela inobservância dos princípios espiritualistas que levam à evolução.

Por mais renitente e irredutível que seja o ser humano em aceitar a sua verdadeira condição espiritual, chegará o dia da saturação dos prazeres ilusórios da vida material. Isto porque não há condenação eterna. Todos terão sua oportunidade e, enquanto não for aproveitada, voltará a apresentar-se, intermitentemente, em outras vidas, cada vez se situando em níveis mais acessíveis ao seu descobrimento.

Diante de tais perspectivas, não deixa de ser uma ventura possuir o indivíduo condições espirituais para sentir o que este livro encerra, e encontrar nele um caminho para as suas realizações, na prática dos princípios doutrinários. O objetivo alcançado será a disposição firme de pautar os atos da vida, em todas as ocasiões, pelos ensinamentos explanados pelo Racionalismo Cristão, na certeza de que está correspondendo a elevados compromissos.

Podem os seres perdoar-se mutuamente ou, melhor dizendo, desculpar as ofensas recebidas, no sentido de não alimentar ódio, malquerença ou sentimento de vingança contra quem lhes tenha sido ingrato ou maldoso. Mas esse perdão, sinônimo de desculpa, nada tem a ver com o ato falso de dizer-se a alguém, mediante rezas e donativos, que "os seus pecados (os erros) estão perdoados".

Quem acreditar nessa enganosa afirmação está sendo iludido, desviado do caminho da verdade espiritualista, e, mais dia menos dia, sofrerá as conseqüências, sempre desastrosas para sua existência espiritual. O faltoso que, com dinheiro ou com súplicas, pensa haver liquidado seu débito para com a justiça transcendente, fiado em vã promessa, feita levianamente, compartilha com seu perdoador a responsabilidade do erro em que ambos ficaram envolvidos.

Apontando falhas dessa gravidade, o Racionalismo Cristão procura esclarecer as pessoas, sem o menor interesse, porque nada quer de ninguém; age, apenas, com intuito de beneficiar os seres de boa-vontade, cumprindo preceitos cristãos, sem esperar, com isso, receber recompensas ou agradecimentos. O lema de “fazer o bem sem olhar a quem” faz parte dos princípios espiritualistas da Doutrina.

O Racionalismo Cristão sugere, para todas as ocasiões, o uso da simplicidade; um uso natural e espontâneo, sem vaidade ou fingimento. O uso traz o hábito, e este se torna uma segunda natureza. A simplicidade não deve ser só na aparência, mas, principalmente, na formação interior que conduz à humildade, fator indispensável ao crescimento espiritual. Tanto a simplicidade como a humildade expressam verdadeiro conhecimento da grandiosidade da vida, que a inteligência humana não consegue devassar, mas tão-somente sentir, e assim mesmo de modo vago. O ser humano espiritualmente esclarecido admite a simplicidade e a humildade como normas de viver.

Ser simples não é andar mal vestido e desalinhado, não é usar de falsa modéstia, não é ser retraído e tímido. Ser simples é não se envaidecer pelo que tem ou conhece, é saber mostrar-se solidário com os que honradamente trabalham e produzem, é demonstrar identificação com a coletividade e confraternizar-se com os seus problemas. Assim também ser humilde não é sujeitar-se a humilhações, não é permitir que o ofendam ou deprimam, não é curvar-se diante de quem quer que seja. Ser humilde é não querer aparecer através de seus feitos, é conservar-se anônimo na distribuição de benefícios, é saber sujeitar-se, sem mágoas, aos atos de renúncia.

Eis o que explana o Racionalismo Cristão e, notadamente, o que revela este livro, em que está expresso o sentido prático da Doutrina. Os militantes das casas racionalistas cristãs precisam consultá-lo freqüentemente, em favor da harmonização e regularidade da disciplina em todas as reuniões, que é a garantia dos trabalhos nelas realizados. Quanto mais uniforme essa disciplina, tanto melhor será servida esta causa espiritualizadora. E, neste particular, o querer de todos os militantes do Racionalismo Cristão deve ser um só: renovar esforços para cumprir, cada vez melhor, seus honrosos encargos.

  1   2   3   4   5   6   7   8   9   ...   24


©principo.org 2016
enviar mensagem

    Página principal