Racionalismo Cristão 13ª edição Rio de Janeiro



Baixar 1.27 Mb.
Página6/24
Encontro20.07.2016
Tamanho1.27 Mb.
1   2   3   4   5   6   7   8   9   ...   24

Capítulo 4

Práticas racionalistas cristãs

realizadas no lar

O que é a limpeza psíquica
Muitos dos espíritos componentes do astral inferior foram elementos de baixa condição moral quando em vida física. Em conseqüência desse estado, estão envolvidos em matéria fluídica densa, impregnada de miasmas de moléstias e de substâncias putrefatas, próprias do meio em que permanecem, em obediência à lei de atração. As vibrações dos pensamentos da maioria de tais espíritos são de ordem sensualista, animalizada, predominando os sentimentos de malquerença, de ódio, de inveja, de vingança e de outros do mesmo gênero.

Quando a pessoa se descuida e emite pensamentos que se identifiquem com os baixos sentimentos dessa classe de obsessores, atrai um ou mais de tais espíritos para sua companhia e absorve parte dos seus fluidos inferiores, juntamente com a correspondente carga pestífera que conduzem.

A limpeza psíquica é uma prática de higiene mental, uma forma de se obter equilíbrio interior e tranqüilidade espiritual, recomendada pelo Racionalismo Cristão.

Consiste ela nas irradiações, que são vibrações espirituais, pelas quais ocorre o arrebatamento de espíritos inferiores para fora da atmosfera fluídica da Terra. Esse arrebatamento é feito pelo Astral Superior, que realiza a limpeza psíquica em entrosamento com os pensamentos disciplinados dos seres de boa vontade em exercício mental nas casas racionalistas cristãs, e, da mesma forma, em entrosamento com os pensamentos dos que fazem a sua limpeza psíquica no lar.

A doutrina racionalista cristã aconselha todas as pessoas a terem equilíbrio espiritual e físico, por meio de um viver disciplinado, metódico e consciente, e adverte que o indispensável preparo mental, conseguido através da limpeza psíquica, é tão necessário ao espírito quanto a higiene física é para o corpo.

O que são as irradiações
Como é sabido, pensamentos são vibrações e, portanto, irradiações. O espírito quando pensa emite vibrações. Assim, quando se pensa em determinado lugar, essas vibrações são emitidas naquele sentido, o mesmo acontecendo sempre que se focalize a figura de alguém.

Nas casas racionalistas cristãs, por ocasião da limpeza psíquica realizada no início das reuniões em benefício das pessoas presentes, as duas irradiações regimentais são dirigidas ao Astral Superior, e captadas pelos espíritos luminosos que dirigem as correntes fluídicas nelas organizadas. Esses mesmos espíritos são atraídos por ocasião da realização da limpeza psíquica no lar pelos praticantes do Racionalismo Cristão, porque estabelecem contato e formam campo propício a essas vibrações espiritualistas.

Em ambos os casos, há que se ter o cuidado de realizar a limpeza psíquica seguindo sua disciplina rigorosamente, conforme orientações contidas neste livro.

As duas irradiações são as seguintes:


Irradiação A

Ao Astral Superior
Grande Foco! Força Criadora!

Nós sabemos que as leis que regem o Universo são naturais e imutáveis, e a elas tudo está sujeito.

Sabemos também que é pelo estudo, raciocínio e crescimento, derivado da luta contra os maus hábitos e as imperfeições, que o espírito se esclarece e alcança maior evolução.

Certos do que nos cabe fazer, e pondo em ação o nosso livre-arbítrio para o bem, irradiamos pensamentos aos Espíritos Superiores para que eles nos envolvam na sua luz e fluidos, fortificando-nos para o cumprimento dos nossos deveres.
Irradiação B
Grande Foco! Vida do Universo!

Aqui estamos a irradiar pensamentos às Forças Superiores para que a luz se faça em nosso espírito, e tenhamos consciência de nossos erros, a fim de evitá-los e nos fortalecer para praticar o bem.

As irradiações que o Racionalismo Cristão aconselha constituem simples preparo mental, nada valendo se aqueles que as estiverem fazendo não procurarem sentir bem o seu significado.

Para melhor alcance do objetivo a que as irradiações são dirigidas, destacamos cada uma das suas sentenças e o que significam:

Significado das irradiações
Irradiação A
Ao Astral Superior

Grande Foco! Força Criadora!

Essas expressões definem a direção das irradiações. Astral Superior são espíritos evoluídos cuja ação, através do Racionalismo Cristão, beneficia a humanidade. Grande Foco ou Força Criadora designa o princípio inteligente, imaterial, ativo e transformador na sua concepção universal, do qual todos os seres são partículas integrantes.


Nós sabemos que as leis que regem o Universo são

naturais e imutáveis, e a elas tudo está sujeito.

É uma afirmação categórica, indicativa de que os que irradiam estão esclarecidos sobre a espiritualidade, e sustentam que no Universo não há o acaso, o imprevisto, porque todos os fatos têm sua ocorrência explicada como resultado da aplicação inexorável da lei de causa e efeito.



Sabemos também que é pelo estudo, raciocínio e crescimento,

derivado da luta contra os maus hábitos e as imperfeições,

que o espírito se esclarece e alcança maior evolução.

É outra afirmação indicativa de que, pelo estudo dos princípios racionalistas cristãos, pelo uso do raciocínio e pelo crescimento espiritual decorrente da luta cotidiana para eliminar erros e defeitos morais, o ser humano manifesta esclarecimento progressivo e conseqüente evolução.


Certos do que nos cabe fazer,...

É a declaração que traduz o senso da responsabilidade no que concerne ao cumprimento dos deveres cotidianos.


...e pondo em ação o nosso livre-arbítrio para o bem,...

É o compromisso que o ser assume, consigo mesmo, de praticar o bem, visto que, sem esse propósito, as portas por onde penetram os maus pensamentos não estarão fechadas. O livre-arbítrio foi alcançado pelo espírito que raciocina com o fim de ser aplicado para o bem.


...irradiamos pensamentos aos Espíritos Superiores...

Desde que o objetivo é o de estabelecer contato com o Astral Superior, as irradiações se dirigem a esses espíritos evoluídos, pouco importando quais sejam, porque qualquer deles está animado de um só querer, que é o de ajudar a promover a evolução dos seres.


...para que eles nos envolvam na sua luz e fluidos,...

Assim como a limalha do ferro, atraída pelo ímã, fica debaixo da sua ação magnética, os seres, unidos por vibrações aos Espíritos Superiores, ficam, igualmente, sob a ação de sua luz e fluidos.


...fortificando-nos para o cumprimento dos nossos deveres.

O empenho no sentido de dar o melhor cumprimento possível aos deveres deverá ser uma aspiração constante que se reafirma em cada irradiação proferida, que tem o dom de fortalecer o espírito na luta pela vida.


Irradiação B
Grande Foco! Vida do Universo!

Alerta o ser para a realidade do fato de que a Força Criadora também é vida e, como tal, penetra todo o Universo. Vida no Universo é, pois, uma expressão que afirma ser o Universo pleno de ação construtiva proveniente do Grande Foco.


Aqui estamos a irradiar pensamentos às Forças Superiores para que a luz se faça em nosso espírito, e tenhamos consciência de nossos erros, a fim de evitá-los e nos fortalecer para praticar o bem.

A finalidade das irradiações é estabelecer contato com as Forças Superiores. Sabe-se que o desejado esclarecimento espiritual leva cada ser a tornar-se consciente das suas falhas, das suas imperfeições, dos seus erros, como ponto de partida para evitar que se repitam, fortificando-se para levar a efeito ações e obras dignificantes.

Conforme se observa, as irradiações não são um agrupamento de palavras para serem repetidas automaticamente, mas encerram um elevado sentido espiritual e concentram, na sua essência, um resumo doutrinário do Racionalismo Cristão. Não seria possível dizer mais em tão poucas palavras, para que possam ser conservadas na memória. Faça-se, na vida prática, o que elas indicam, e tudo irá bem. Quando as irradiações se elevam com convicção, atingem, invariavelmente, a meta, e o Astral Superior, ao qual são dirigidas, capta as suas vibrações. Conquanto não sejam rezas nem orações, são, no entanto, manifestações de almas que procuram se corresponder.

Veja-se ainda nas irradiações um método disciplinar de obter-se limpeza da mente e de manter-se o espírito liberto de influências más. Suas palavras, uma vez pensadas, transformam-se em vibrações fortificadoras do espírito. Sua aplicação se faz na consolidação das correntes fluídicas que se entrelaçam umas com as outras, tanto as que se formam pela irradiação das pessoas, quanto as que se estabelecem, nos mundos de luz, pela coordenação dos espíritos superiores. Ambas se atraem, se unificam para um mesmo fim, inclusive o da sustentação dos princípios racionalistas cristãos.

Sem necessidade de fazer nenhum apelo, formular qualquer pedido, numerosas pessoas religadas ao Astral Superior, conhecedoras dos efeitos das irradiações, têm-se livrado de situações angustiantes, em momentos aflitivos, pela intervenção oportuna das Forças Superiores.

As irradiações revelam o estado da alma de cada ser, no momento em que são feitas. Todo interior da pessoa é devassado, então, pela visão penetrante do Astral Superior, que dispõe da grande sabedoria que lhe permite agir, não de acordo com a vontade terrena, mas com as conveniências espirituais, que visam sempre a melhor solução.

As irradiações têm valor inestimável. Vale a pena participar desse movimento espiritualista nas horas recomendadas. O seu uso deve ser regular, e feito com a consciência do que se está fazendo. Elas constituem elo de ligação com as Forças Superiores, e ninguém pode prescindir dessa união espiritual, se quiser vencer na Terra os obstáculos da vida material à sua evolução, como esclarece o Racionalismo Cristão.

Limpeza psíquica
O Racionalismo Cristão recomenda a todas as pessoas que conhecem seus salutares ensinamentos a prática diária da limpeza psíquica também em seus lares. Para isso, devem reunir-se diariamente às 7 horas da manhã e às 8 horas da noite (hora local), pois nesses momentos há corrente astral formada pelo conjunto de irradiantes. Não sendo possível cumprir o horário indicado, escolha-se a hora mais conveniente aos que dela participarem. Os que não puderem irradiar em conjunto irradiem individualmente, de preferência em local isolado e nas horas mencionadas.

Quando a limpeza psíquica é feita em conjunto, um dos participantes faz as irradiações em voz alta e os demais o acompanham mentalmente. Quando a pessoa estiver só, as irradiações podem ser feitas mentalmente ou de viva voz. O importante é que durante as irradiações se desliguem de coisas, de pessoas, de tudo que seja material, de modo a obter a mais perfeita concentração, o que possibilita a religação com o Astral Superior por pensamentos afins.

As irradiações não devem ser feitas em qualquer ambiente ou em qualquer hora, pois se presume que no recesso do lar e nas ocasiões recomendadas haja maior segurança do que na rua ou no trabalho contra cargas fluídicas do astral inferior.

A limpeza psíquica no lar consiste em irradiar da forma seguinte e na seqüência indicada:


Fazer a irradiação A dirigida ao Astral Superior uma única vez, e, em prosseguimento, repetir a irradiação B durante cinco minutos. Em seguida, fazer uma irradiação B dirigida ao Astral Superior e, para finalizar, fazer uma irradiação B dirigida ao Presidente Astral do Racionalismo Cristão.
A limpeza psíquica representada pela irradiação A seguida pela repetição da irradiação B por cinco minutos impõe-se para permitir a fixação e coordenação dos pensamentos das pessoas que irradiam, dando oportunidade ao Astral Superior de exercer a purificação do ambiente em que se encontram, e dos próprios participantes.

Na eventualidade de haver enfermos acamados, as irradiações devem ser feitas junto ao leito apenas por pessoa de corpo são e vontade forte, capaz de emitir pensamentos firmes e valorosos. No caso de pessoas obsedadas, não se recomenda a limpeza psíquica a toda hora, porque pode ser um fator a mais de obsessão.

A disciplina da limpeza psíquica no lar deve ser seguida rigorosamente. Quem adotar qualquer prática diferente da recomendada acima, quem realizar encontros de natureza mediúnica em residências, quem freqüentar locais onde se pratique o espiritismo de confabulação ou ambientes de superstição e fanatismo corre o risco de perturbação mental.

Água fluidificada
A água potável pode ser fluidificada no lar, bastando para isso colocar em uma ou mais vasilhas a quantidade de água que se deseja fluidificar. Junto a essas vasilhas, uma ou mais pessoas fazem mentalmente, ou uma delas de viva voz, a irradiação A e, a seguir, a irradiação B, que é repetida por cerca de dois minutos.

Por conter fluidos espargidos pelo Astral Superior durante as irradiações, a água assim fluidificada não deve ser fervida, podendo ser conservada em geladeira e bebida sem restrição por qualquer pessoa, especialmente as obsedadas em processo de normalização psíquica.


Normalização de obsedado
Nos locais onde não houver casa racionalista cristã, também se pode normalizar o obsedado em sua própria residência, desde que haja a seu lado pessoa calma, de vontade forte, conhecedora dos ensinamentos constantes nos livros Racionalismo Cristão e A vida fora da matéria, e que pratique à risca e sem esmorecimento a disciplina constante neste livro ─ Prática do Racionalismo Cristão.

Essa pessoa, preparada e convicta de sua obrigação para com o obsedado e por ele se responsabilizando, deve procurar alguém que possa prestar assistência contínua ao obsedado, para desempenhar o papel de educador, e, por isso, também conhecedor e praticante dos princípios racionalistas cristãos e da sua disciplina.

O educador ─ homem ou mulher com vigor físico adequado ao domínio do obsedado quando se fizer necessário ─ precisa ter vontade fortemente educada para o bem, deve ser enérgico, mas não violento, procedendo com muita calma, muita paciência, e sabendo esperar o tempo necessário para que, pouco a pouco, o espírito do obsedado se vá convencendo da má educação que teve e precisa corrigir.

Caso tenha dificuldade em conseguir pessoa com o perfil acima recomendado, o responsável pelo obsedado precisa orientar quem for desempenhar, em tempo integral, o papel de educador sobre os princípios racionalistas cristãos e sua disciplina, recomendando-lhe a imprescindível leitura dos livros essenciais da Doutrina nos períodos de tranqüilidade e recolhimento que tiver enquanto cuida do obsedado.

O responsável pelo obsedado e seu educador precisam ler sempre, e atentamente, as orientações em seguida e os temas “Mediunidade e médiuns”, “Obsessão” e “Desobsessão”, encontrados no capítulo 3 deste livro, para melhor inteirar-se da disciplina a seguir e aplicá-la durante a desobsessão:
1. o aposento destinado ao obsedado furioso ou violento deve ter janela gradeada, porta bastante forte, e nele não pode existir nenhum objeto com o qual se possa ferir ou praticar depredações. Em outro aposento próximo, o responsável pela desobsessão do perturbado psíquico coloca uma mesa, também forte, e, junto a esta, cadeiras, para se sentarem as pessoas que irão compor a corrente fluídica, para realizar a limpeza psíquica do ambiente e do obsedado;
2. o trabalho de desobsessão é facilitado se o responsável participar da composição da corrente fluídica conforme se indica a seguir, o que possibilita a atração de espíritos superiores, para assistência astral dos componentes da corrente e do perturbado psíquico. Para isso, deve procurar seis ou mais pessoas adultas, de boa moral e conhecedoras da doutrina racionalista cristã, para compor a corrente fluídica, e mais duas fortes e calmas, sendo uma delas o educador, para situá-las, atentas, uma atrás e outra ao lado do obsedado, a fim de segurá-lo fortemente, se preciso for, e, a que está por detrás, aplicar-lhe um estremeção à altura dos ombros, com as mãos fechadas no formato de concha, sacudindo-o a cada irradiação proferida até que a limpeza psíquica seja terminada;

Os componentes da corrente fluídica se posicionam da seguinte forma:


3. o responsável pelo obsedado coloca-se à cabeceira da mesa e dela não sai nem deixa que se retire qualquer dos presentes, antes de dar por encerrada a limpeza psíquica. Um participante senta-se à cabeceira oposta e os demais se colocam sentados, sem intervalos, de ambos os lados da mesa, todos com as mãos ou os antebraços sobre ela;
4. o obsedado fica sentado em cadeira posicionada na extremidade esquerda ou direita de qualquer dos lados da mesa, em oposição à cadeira ocupada pelo responsável, tendo por detrás, ambos de pé, o educador e ao lado o auxiliar, destacados para as seguintes incumbências: o educador, de segurá-lo com as duas mãos na altura dos ombros no sacudimento; o auxiliar, de dar-lhe de beber água fluidificada, servindo-se de copo plástico, e, nunca, de vidro. Essas duas pessoas não podem abandonar suas posições até o encerramento da limpeza psíquica;
5. composta a corrente fluídica diariamente, às 7 da manhã e às 8 horas da noite (hora local), inclusive aos sábados e domingos, todos cientes e conscientes do dever a cumprir, o responsável procede à limpeza psíquica da seguinte forma e na seqüência indicada:
O responsável faz a irradiação A dirigida ao Astral Superior uma única vez, e, em prosseguimento, repete a irradiação B durante oito minutos. Em seguida, faz uma irradiação B dirigida ao Astral Superior e, para finalizar, faz uma irradiação B dirigida ao Presidente Astral do Racionalismo Cristão.
6. os presentes acompanham essas irradiações mentalmente, num ambiente de inteira calma e elevação espiritual, sem dar a menor importância ao que disser ou fizer o obsedado;
7. o educador o sacode um pouco mais fortemente nas três primeiras irradiações B e continua a sacudi-lo, porém mais brandamente, no início de cada irradiação B, até o final da limpeza psíquica. O auxiliar encarregado de dar água fluidificada ao obsedado deve fazê-lo dois minutos antes do início da limpeza psíquica, aos cinco minutos de irradiações B e após o encerramento da limpeza psíquica;
8. encerrada a limpeza psíquica, o obsedado deve ser conduzido ao seu aposento, onde ficará impedido de falar com qualquer pessoa, salvo o educador. Outras pessoas só podem entrar no aposento destinado ao obsedado quando requisitadas pelo educador. Este deve impor ao obsedado a observância disciplinar de horas certas, inalteráveis, de acordo com o seguinte regime:
9. levantar da cama e tomar banho, às 6 horas;
10. fazer, a seguir, a primeira refeição, sem usar chá preto, café, chocolate ou qualquer outra bebida excitante;
11. participar da limpeza psíquica, às 7 horas;
12. se estiver em condições, trabalhar, manual ou mentalmente, das 8 horas às 9h30min. como meio auxiliar de reeducação, já que a ociosidade concorre para agravar a obsessão;
13. almoçar, das 11 às 12 horas;
14. descansar, das 12 às 13 horas e, se dormir, não o acordar;
15. fazer um lanche leve entre 15 e 16 horas;
16. continuar o trabalho manual ou mental até uma hora antes do jantar;
17. jantar às 18 horas;
18. participar da limpeza psíquica, às 20 horas;
19. tomar qualquer alimento leve às 21 horas, deitando-se para dormir em seguida. Antes de o obsedado adormecer, o educador e os familiares devem fazer as irradiações por sete minutos no aposento utilizado para essa finalidade, conforme a orientação constante neste capítulo, título “Limpeza psíquica”, ou nas proximidades do aposento do obsedado, quando estiver muito agitado; é preciso, porém, que não se abuse das irradiações, evitando-se fazê-las a qualquer pretexto;
20. além desse regime imposto ao obsedado, é necessário observar mais o seguinte:
21. educá-lo, desde o primeiro dia, com enérgica e intransigente repressão aos vícios que tiver, como fumar, ingerir bebidas alcoólicas, usar drogas, comer coisas de seu especial agrado, mas prejudiciais, falar dos outros, ou cometer qualquer ação que esteja em desacordo com a síntese dos princípios racionalistas cristãos constantes neste livro;
22. ocupá-lo com qualquer trabalho manual ou mental, de maneira a prender sua atenção às coisas úteis, durante as horas a isso destinadas, deixando-o dormir à vontade quando tiver sono;
23. corrigi-lo e, se necessário, contê-lo, até que se convença de que não se deve deixar atuar a ponto de ficar furioso e de não respeitar as pessoas. Os obsedados devem ser contrariados em tudo que não seja racional, para se irem educando e convencendo-se de que precisam dominar a vontade e conter seus ímpetos;
24. o obsedado, durante o processo de normalização, não deve participar de atividades sociais e comunitárias nem receber visitas, enquanto não der provas de estar normalizado; sua alimentação deve ser sadia, beber somente água fluidificada e, em estado de lucidez, copiar trechos do livro Racionalismo Cristão, para raciocinar sobre o que for escrevendo. Caso seja analfabeto, o educador deve esclarecê-lo sobre os princípios doutrinários, lendo obras publicadas pelo Racionalismo Cristão;
25. a normalização dos obsedados deve ser feita pela educação da vontade, remodelação dos maus hábitos e eliminação de todos os vícios, que são a causa da atração dos espíritos obsessores. Só se consegue, no entanto, a normalização pelo método presente, quando empregado por pessoas de boa vontade e espiritualmente esclarecidas, que procurem seguir à risca os ensinamentos exarados nesta e nas demais obras editadas pelo Racionalismo Cristão, como já foi dito. Fora disso, é tempo perdido, é concorrer para aumentar o mal do obsedado, visto que o ser conforme pensar assim será, e quem não pensa e pratica o bem, não pode normalizar pessoa alguma. Cumpre ainda observar que os pensamentos das pessoas que convivem com o obsedado não devem, de modo algum, ter ligação com o estado do mesmo;
26. o isolamento do obsedado ─ é de ser acentuado ─ muito facilita sua normalização, sendo mesmo indispensável para que ele atinja o equilíbrio psíquico. Quando já puder raciocinar, deve ser doutrinado constantemente sobre as causas da obsessão e os meios que foram empregados para normalizá-lo, a fim de aprender a repelir outros obsessores, pela própria vontade e pensamentos. O retorno ao convívio social deve ser efetuado gradativamente, após a consumação do processo de desobsessão;
27. é através dessa educação metódica e perseverante que o espírito do obsedado vai corrigindo suas fraquezas e eliminando vícios, e aquele que se rebelar demonstra que deseja continuar a pensar mal e a conviver com espíritos do astral inferior. O educador deve fazer sentir ao educando que seu espírito está impregnado de hábitos e maus costumes e que, para os evitar e se corrigir inteiramente, impõem-se o trabalho, a disciplina, a ordem e a correção;
28. enquanto não dormir bem e não despertarem nele os sentimentos afetivos, demonstra estar ainda obsedado, e, pois, sob o domínio dos espíritos do astral inferior. O obsedado dá sinal de convalescença quando começa a dormir por longos períodos, a ter saudades de pessoas, o que prova o despertar do espírito e a sua libertação dos obsessores;
29. qualquer ato violento do obsedado deve ser reprimido, na mesma ocasião, para que contenha seus ímpetos, que são a causa desse estado furioso;
30. o obsedado sabe tudo que faz, não se esquece de coisa alguma que com ele se passe, mesmo durante o período agudo da obsessão, e sente prazer em conviver com espíritos do astral inferior e fazer o que os obsessores lhe intuem. É por isso que se deve, desde o primeiro dia, fazer-lhe sentir os erros e os vícios que o atiraram às garras de espíritos do astral inferior e compreender a necessidade de retornar à satisfação do viver terreno, dominando a si mesmo e dando continuidade a seu processo de aperfeiçoamento espiritual; e
31. durante a normalização, o educador deve proporcionar ao obsedado a leitura de obras esclarecedoras editadas pelo Racionalismo Cristão, e manter com ele palestras úteis.
É necessário ressaltar que, por mais alta que seja a posição social de um obsedado, tem ele de submeter-se integralmente, e sem condescendência, à disciplina aqui exarada. Assim é preciso fazer, para ir adquirindo a convicção do que é a vida real, para a qual todos os seres vêm a este mundo, e de que o luxo, a indolência, a pretensa superioridade e a vaidade são causas de obsessão, que devem ser combatidas, tenazmente, de maneira a educar o espírito e convencê-lo de que cada um deve ficar apto para tudo fazer, sem pensar que o ser humano desce da sua dignidade quando executa serviços humildes.

Convencido o obsedado de que o ser humano, rico ou erudito, encarna e desencarna como toda gente, e, como toda gente, deve viver lutando, sem que o trabalho humilde se lhe apresente como desdouro e, ainda, compenetrado de que a superioridade do espírito só se revela através da sua grandeza moral e do amor ao trabalho, facilmente se normalizará e não tornará a ficar obsedado.

Certo é que, praticando com rigor os esclarecimentos racionalistas cristãos, o ser humano se manterá forte de espírito, poderá trabalhar e produzir com eficiência, na certeza de que será bem sucedido e nunca ficará obsedado.

1   2   3   4   5   6   7   8   9   ...   24


©principo.org 2016
enviar mensagem

    Página principal