Racionalismo Cristão 13ª edição Rio de Janeiro



Baixar 1.27 Mb.
Página9/24
Encontro20.07.2016
Tamanho1.27 Mb.
1   ...   5   6   7   8   9   10   11   12   ...   24

Recomendações aos militantes
Em razão da responsabilidade que assumiram ao serem aceitos como colaboradores de uma casa racionalista cristã, os militantes devem observar as seguintes recomendações:
1. o estudo ─ sempre em suas últimas edições ─ dos três livros essenciais da Doutrina ─ Racionalismo Cristão, A vida fora da matéria e Prática do Racionalismo Cristão ─ precisa ser constante, a fim de se integrarem cada vez mais na essência dos princípios e da disciplina;
2. os que estiverem a serviço do Racionalismo Cristão devem distinguir-se pelo exemplo das suas ações e atitudes;
3. os militantes devem compenetrar-se das suas obrigações, e dar-lhes rigoroso desempenho;
4. é necessário haver, sempre, a mais perfeita harmonia entre os militantes, prevalecendo o respeito mútuo;
5. qualquer irregularidade disciplinar que porventura ocorra dentro das casas racionalistas cristãs será prontamente levada ao conhecimento do presidente respectivo;
6. nenhum trabalho disciplinar é iniciado nas casas racionalistas cristãs sem que sejam feitas as irradiações à mesa do estrado;
7. todos os trabalhos na Doutrina são igualmente dignos, não devendo ninguém alimentar preferência por este ou aquele serviço, por este ou aquele lugar;
8. em qualquer reunião, ao chegar ao estrado, os militantes cumprimentam os que ali estão com fraternal bom-dia ou boa-noite; esse cumprimento é respondido somente pelo presidente, em seu nome e no dos demais presentes;
9. qualquer inovação disciplinar não prevista, mesmo com o sentido de aperfeiçoamento, será encarada como desrespeito às Forças Superiores. Assim, os presidentes de filiais devem esforçar-se para que os trabalhos nas respectivas Casas se desenvolvam como na Casa-Chefe, sem a menor alteração, de modo que, se tiverem de ser dirigidos pelo presidente do Racionalismo Cristão ou por militante que presida na Casa-Chefe não notem estes, nem os militantes e os assistentes da filial, a menor diferença, a mais leve divergência na prática da disciplina, que é uma só. Em razão de tanto, os presidentes de filiais podem presidir reuniões públicas na Casa-Chefe, caso sejam convidados pelo presidente do Racionalismo Cristão quando a ela comparecem;
10. independentemente de autorização da Casa-Chefe, os presidentes das casas racionalistas cristãs devem treinar, entre os mais instruídos e capazes, integrantes das correntes fluídicas ─ exceto os que possuírem mediunidade além da intuitiva ─ que tenham bom conhecimento dos princípios doutrinários e da sua disciplina, para presidir reuniões públicas e, na Casa-Chefe e nas filiais, as de desdobramento. Assim, os presidentes efetivos precisam reservar para si determinado dia da semana para presidir a reunião pública. Essa prática é recomendável, pois as reuniões acabam por se tornar desinteressantes para os assistentes sendo presididas por uma única pessoa;
11. os presidentes e fechos, os encarregados e auxiliares de salão, bem como os auxiliares de estrado e os esteios que assistem aos obsedados sentados à mesa do estrado, devem permanecer de olhos sempre abertos, concentrados e vigilantes em suas ocupações, durante toda a reunião;
12. não há necessidade de o militante fechar os olhos durante o período de concentração, seja na corrente fluídica ou na meia-corrente. Consegue-se obter a mais perfeita concentração fixando o pensamento exclusivamente no trabalho espiritual realizado, desligando-se de coisas, de pessoas, de tudo que for material. Contudo, nada a opor se o militante achar conveniente cerrar os olhos;
13. os esteios que assistem aos obsedados sentados à mesa do estrado devem ocupar-se exclusivamente com esse atendimento, ficando alheios a qualquer outra atividade realizada no local;
14. os componentes da corrente fluídica devem ter as mãos ou os antebraços apoiados sobre a mesa do estrado no transcorrer dos trabalhos espiritualistas;
15. os militantes que tiverem de proferir as irradiações precisam esforçar-se para ter boa dicção, devendo pronunciar as palavras clara e corretamente, sem omissão de sílabas ou letras. Há imperiosa necessidade de as irradiações serem bem nítidas, por causar péssima impressão, quando são pronunciadas incorretamente;
16. todo militante precisa saber aplicar o sacudimento de maneira correta;
17. os militantes não devem ligar-se mentalmente a qualquer dos assistentes depois de encerrada a reunião pública, e nem quando estiverem em seus lares;
18. no final de uma reunião pública, enquanto o presidente, aos poucos, vai dando saída aos assistentes no semicírculo do estrado e aos ocupantes das cadeiras de obsedados, os componentes da corrente fluídica e os da meia-corrente não podem se desconcentrar, desligando microfones ou até conversando, porque a corrente fluídica não é desfeita nesse período, o que só ocorrerá quando o presidente der as batidas finais de bastão, para que todos se retirem do estrado, sem demora;
19. o militante deve gozar de plena saúde para poder bem prestar sua colaboração durante os trabalhos realizados nas casas racionalistas cristãs, deles se afastando se estiver doente do físico, sendo aconselhável recorrer à medicina para tratamento adequado;
20. se o militante apresentar problemas psíquicos, não pode prestar qualquer tipo de trabalho. Contudo, deve sentar-se na cadeira de obsedados para melhor e mais rapidamente normalizar-se, o que precisa ser observado durante longo período, antes que reassuma suas funções como militante;
21. os militantes, especialmente os que ocuparem lugares à mesa do estrado e os da meia-corrente, por permanecerem muito próximos uns dos outros durante as reuniões, precisam ter cuidado especial com a higiene corporal, a fim de não molestar vizinhos e assistentes com odores incômodos. Por igual razão, devem ser cuidadosos no uso de perfumes ou de outras essências aromáticas;
22. o militante só deve afastar-se de suas funções durante o transcurso de uma reunião em última instância, como, por exemplo, a ocorrência de um mal súbito. No caso de isso acontecer com um componente da corrente, recomenda-se que, ao sair, recolha embaixo da mesa o assento da cadeira. As únicas posições que não podem ficar desguarnecidas são as do presidente e do fecho. Quando um dos dois precisar deixar a mesa, compete ao presidente efetuar a substituição, indicando um esteio que possa dar continuidade aos trabalhos;
23. recomenda-se o máximo zelo na limpeza de todas as dependências das casas racionalistas cristãs. O relógio do estrado deve ser mantido com hora certa, a campainha em perfeito funcionamento, as lâmpadas queimadas prontamente substituídas, os microfones e alto-falantes em boas condições de uso e as luzes de emergência prontas para serem acionadas em caso de falta de energia elétrica;
24. os salões das casas racionalistas cristãs devem ter encarregados e auxiliares, e, seus portões, fiscais de portas, para receber o público;
25. as relações com o público devem ser mantidas invariavelmente num tom cavalheiresco, escolhendo-se para esse mister auxiliares afáveis, que saibam expressar-se corretamente;
26. os militantes, principalmente aqueles que entram em contato direto com o público, têm por dever ser educados e precisam saber tratar o assistente com urbanidade, consideração, delicadeza e, sobretudo, com sentimento de amor ao próximo. De maneira nenhuma são permitidas alterações de voz, assim como descomposturas e recriminações;
27. a voz baixa deve substituir o mau hábito dos gestos condenáveis usados para chamar pessoas a certa distância, às vezes ainda precedidos de psiu irreverente. Não são permitidas conversas em nenhuma parte do salão, desde a abertura dos trabalhos preliminares até o término das reuniões. Em todo esse período, os militantes devem ter o cuidado de evitar ruídos, como os provocados pelo arrastar de pés, de cadeiras, amassamento de copos plásticos etc. Conquanto não seja exigida imobilidade absoluta no estrado e no salão, os movimentos devem ser limitados ao mínimo;
28. militantes e assistentes que estiverem de pé no salão devem permanecer parados em seus lugares quando o presidente proferir as irradiações que abrem e encerram uma reunião pública;
29. o assistente que solicitar qualquer esclarecimento deve ser levado por um dos auxiliares ao encarregado de salão, que prestará as informações da maneira mais sucinta possível. Se o assunto requerer maior explicação, o consulente será encaminhado pelo encarregado de salão ao presidente ou a um outro diretor;
30. nas casas racionalistas cristãs em que não haja sala das crianças, menores de 11 anos de idade devem ficar no salão junto aos pais. Crianças de colo podem ser conduzidas com a mãe (ou com o pai) para o semicírculo a juízo do encarregado de salão. Quando necessário, mãe (ou pai) e filho de colo podem ser colocados na cadeira de obsedados;
31. criança sonolenta pode dormir durante a reunião pública;
32. criança que chorar continuamente deve ser acolhida com a mãe (ou com o pai) em sala anexa ao salão, sempre após o término da limpeza psíquica, permanecendo no local até que termine a reunião pública, desde que continue chorando. Não havendo local apropriado contíguo ao salão, a mãe (ou o pai) deve ficar com o filho no colo, embalando-o enquanto perdurar o choro, em local do salão que considere mais confortável, próximo à entrada;
33. obsedado deve ficar em lugar adequado do salão nas proximidades do estrado, acompanhado do responsável. O encarregado de salão deve combinar previamente com o responsável pela pessoa ─ maior de dezoito anos de idade ─ que apresente desajuste de natureza espiritual a possibilidade de encaminhá-la para a cadeira apropriada à mesa do estrado, e submetê-la à disciplina específica para obsedados. O encarregado de salão, acompanhado de um auxiliar, deve ter autorização prévia do responsável para isso;
34. pessoa muito enferma não deve assistir às reuniões públicas das casas racionalistas cristãs sem prévio entendimento com o presidente ou com o encarregado de salão; portador de moléstia contagiosa deve fazer a limpeza psíquica em seu lar;
35. os assistentes devem permanecer sentados em seus lugares, atentos à limpeza psíquica, às explanações e doutrinações. Orientados por auxiliares de salão, é facultada a ida ao banheiro durante todo o transcurso da reunião;
36. freqüentadores que não têm bom procedimento demonstram má assistência e, para esses, reservam-se as atenções constantes da disciplina racionalista cristã. Determinada pelo encarregado de salão, a transferência de assistente do lugar que ocupa para outro próximo ao estrado, ou até mesmo para a cadeira de obsedados à mesa do estrado, será feita na companhia de um ou mais auxiliares de salão;
37. encerrada a reunião pública, os auxiliares de salão devem dar saída aos assistentes, preferencialmente pelos que se acharem mais próximos da porta do salão;
38. o militante só pode faltar às reuniões por motivo plenamente justificado;
39. o militante ao se apresentar em qualquer outra casa racionalista cristã deverá entregar a carta de apresentação assinada pelo presidente da Casa de origem. Quando for integrante das correntes fluídicas ─ condição que deve estar explicitada na carta assim como o período de afastamento ─ poderá completar as correntes da Casa visitada, ficando sua participação a critério do presidente; e
40. a não apresentação da carta implica em ser o militante considerado como assistente. Todavia, acompanhando o presidente da Casa de origem, a carta de apresentação não se faz necessária. Esse documento pode ser substituído por mensagem enviada através de correio eletrônico na internet.
Capítulo 7

Esquema de posicionamento

no estrado e no salão
Observações:
1. o esquema apresentado em seguida é um exemplo. O arranjo da mesa e das cadeiras deve ser adequado às dimensões do estrado, que não pode ter mais de doze centímetros de altura em relação ao piso do salão, evitando-se o uso de degrau. O semicírculo não pode ultrapassar o meio da mesa do estrado, precisando, contudo, abrigar cinco cadeiras no mínimo, sendo três para a meia-corrente e duas para os auxiliares de estrado, uma em cada extremidade. Nesse caso, não há cadeiras para assistentes, em razão da exigüidade de espaço;
2. o posicionamento de médiuns e esteios é definido pela corrente fluídica organizada na sala das correntes; e
3. os assistentes de primeira vez e os que freqüentarem as três primeiras reuniões públicas têm prioridade na ocupação das cadeiras I do semicírculo.


A – mesa destinada à corrente fluídica

B – cadeira do presidente

C – cadeira do fecho

D – cadeiras de médiuns

E – cadeiras de esteios;

F – cadeiras de obsedados;

G – cadeiras da meia-corrente no semicírculo

H – cadeiras de auxiliares de estrado

I – cadeiras no semicírculo para assistentes específicos

J – cadeiras no salão para assistentes em geral



Responsabilidades e atribuições dos militantes

Considerações oportunas
As casas racionalistas cristãs são lugares de preparo espiritual, onde cada um deve esforçar-se para esquecer as lutas da vida material, a fim de concentrar-se, unicamente, nas coisas do espírito.

Conforme anteriormente mencionado, as posições sociais e profissionais das pessoas na vida material ficam do lado de fora das portas, porquanto, no tratamento da vida espiritual, todas são partículas integrantes da Inteligência Universal e com um mesmo curso evolutivo a fazer ou a completar neste planeta.

A disciplina nas casas racionalistas cristãs é mantida em seus pormenores como resultado da obediência por todos devida aos preceitos estabelecidos pelo Astral Superior, e da compreensão desse dever.

No Racionalismo Cristão, os militantes sentem-se felizes pelos ensinamentos que receberam e continuam a receber dos mestres Luiz de Mattos, Luiz Thomaz e Antonio Cottas e cumprem, com alegria, as obrigações para consigo mesmos e para com o próximo, sem esperar outra recompensa além daquela que lhes dá a satisfação do dever cumprido.

O procedimento humano é registrado na aura de cada ser. Não existem segredos no plano espiritual. Na Terra, os enganos são comuns. No Espaço, não, porque a clarividência de que são dotados os espíritos superiores tudo lhes deixa ver. Sabem, por isso, com quem podem contar neste mundo, e confiam aos que são leais, valorosos, honrados e dignos os encargos da Doutrina, dentro, naturalmente, da capacidade de cada um.

Todos se devem apoiar na firmeza dos princípios doutrinários, meditando sobre cada ação praticada, através de constantes exames de consciência. Ninguém é invulnerável à ação de espíritos inferiores, quando comete descuidos ou infrações na parte disciplinar.

É de grande sofrimento para o espírito que deixa este mundo e retorna ao seu mundo espiritual a constatação de haver-se tornado um joguete do astral inferior exatamente por esses descuidos ou infrações.

Por isso, é preponderante ao militante: selecionar suas relações sociais de maneira a evitar o choque da disciplina que pratica com o viver de pessoas contrário aos princípios racionalistas cristãos; não maldizer de pessoa alguma, por estar fora dos princípios doutrinários quem censura ou maldiz; não tomar excitantes, que são sempre prejudiciais ao organismo; fazer uso moderado de alimentação sadia; e considerar que todos os excessos são prejudiciais ao espírito e ao corpo, procedendo, por isso, com prudência e moderação, em todos os seus atos.

O militante deve ser simples, modesto e tolerante, não se ressentindo médiuns e esteios quando, por qualquer circunstância, não forem escolhidos para compor a corrente fluídica organizada na sala das correntes.

A serviço do Racionalismo Cristão, o militante nada deve temer: em primeiro lugar, porque está seguro dos seus conhecimentos e sabe como agir em defesa própria, e, em segundo, porque conta com a assistência do Astral Superior, ao qual se liga por pensamentos elevados e pela disciplina instituída.

Dê o militante cumprimento aos seus deveres, dentro e fora da Casa em que servir, com exemplos de seriedade e de conduta moral condizentes com os ensinamentos do Racionalismo Cristão. Faça tudo com calma, com acerto, com elevação de espírito e sem a menor perturbação, para não dificultar a ação do Astral Superior, no seu grandioso trabalho de limpeza psíquica dos assistentes e da atmosfera fluídica da Terra.

Por fim, quem serve à Doutrina com dignidade e valor sabe como suprir as suas necessidades materiais, sem o recurso a processos especulativos ou a angariações de qualquer natureza. Caso se entregue a um viver incorreto, negligenciando o respeito que deve à disciplina, será desligado da militância e recusada, daí por diante, sua colaboração.



Vestuário
Os militantes do sexo masculino devem apresentar-se devidamente limpos, asseados, barba e cabelos aparados, para não dar aos assistentes impressão de desleixo, em desprestígio da Doutrina.

Nas reuniões públicas, os militantes do sexo masculino, inclusive os que compõem a corrente e a meia-corrente fluídicas, além de paletó, que é facultativo, podem usar durante todo o horário disciplinar camisa social de cor clara, de mangas curtas, abotoada no colarinho e com gravata. Quando a camisa social usada for de mangas compridas, as mesmas não podem ser dobradas ou arregaçadas, devendo estar abotoadas nos punhos.

O presidente efetivo e os militantes que presidem reuniões públicas devem usar, obrigatoriamente, paletó e gravata, quando estiverem à cabeceira da mesa do estrado no exercício da presidência.

Nas demais reuniões, os homens, inclusive os que forem presidi-las, podem usar traje esporte, salvo camisetas de malha e de propaganda.



Quanto aos militantes do sexo feminino, é permitido, dentro dos padrões de sobriedade adequados aos trabalhos realizados, o uso de blusa com mangas e de calças compridas, excluído o da bermuda.

Competências dos militantes nas reuniões
Observação preliminar
Os militantes que possuam modalidades mediúnicas além da intuitiva não podem presidir reuniões espiritualistas e administrativas nem exercer a função de fecho.
Presidente
1. assegurar a aplicação dos princípios racionalistas cristãos e da disciplina constante neste livro durante as reuniões e atividades realizadas na Casa que preside, e zelar pela boa ordem dos trabalhos, sabendo dar o exemplo;
2. cumprir e fazer cumprir as normas estatutárias do Racionalismo Cristão que se apliquem às atividades desenvolvidas na Casa que preside;
3. presidir as reuniões espiritualistas, as cívico-espiritualistas e as administrativas realizadas na Casa que dirige, salvo quando o presidente do Racionalismo Cristão estiver presente, ocasião em que este assumirá a presidência de todos os trabalhos realizados durante sua estada;
4. dar exemplo de pontualidade e de obediência à disciplina. Por isso, a chegada à Casa que preside deve ser sempre antes das primeiras irradiações dos trabalhos preliminares;
5. doutrinar os assistentes das reuniões públicas por no máximo cinco minutos para cada reflexo manifestado por médium;
6. orientar o público com respostas concisas, objetivas e breves aos reflexos dos médiuns, sem se afastar, em qualquer hipótese, dos princípios racionalistas cristãos. As explanações devem estar voltadas exclusivamente para o esclarecimento espiritual, sendo vedado introduzir comentários específicos sobre suas áreas profissionais, fazer referência a religiões ou seus representantes, aos regimes constituídos ou se manifestar em assuntos de caráter político-partidário, sob qualquer pretexto;
7. não usar palavras contundentes nem expressões que choquem os ouvintes, mesmo que ditas com a finalidade de alertar, pois os assistentes não freqüentam as casas racionalistas cristãs para serem admoestados, mas para ouvir palavras de incentivo e de soerguimento de almas;
8. indicar o encarregado de salão entre os integrantes do Conselho Local;
9. fixar as atribuições dos militantes, seja pela elaboração de escala ou indicação por necessidade do momento, seja para a realização das reuniões espiritualistas ou administrativas, com o objetivo de garantir a observância da disciplina racionalista cristã;
10. promover o rodízio dos militantes sempre que possível, respeitando as aptidões de cada um nas diversas atividades inerentes à prática do Racionalismo Cristão, para que haja o maior número de colaboradores capacitados a exercê-las;
11. considerar como mistificação qualquer comunicação mediúnica que pretenda interferir na disciplina ou na organização administrativa da Casa. Esclarecer o médium que assim proceder que isso é atribuição exclusiva da Casa-Chefe; e
12. trocar idéias com os integrantes do Conselho Local e do Diretório Local quando surgirem mal-entendidos, para que nunca sejam criados pontos de vista divergentes, pois harmonia e entendimento são condições básicas para o bom andamento dos trabalhos. O que não estiver registrado na disciplina constante deste livro será resolvido com critério e bom senso, enquanto não forem solicitadas instruções à Casa-Chefe, o que deverá ser feito imediatamente.

Diretor
1. cumprir as atribuições estatutárias do Racionalismo Cristão de sua competência e as disciplinares fixadas pelo presidente para a realização de reuniões espiritualistas e administrativas;
2. atender assistentes que necessitarem de maiores esclarecimentos sobre a Doutrina, antes e após o encerramento de reunião pública; e
3. prestar explicações ao público nos atendimentos personalizados, quando, de comum acordo, for designado pelo presidente da Casa para essa incumbência.
Encarregado de salão
1. supervisionar os trabalhos realizados no recinto durante as reuniões públicas;
2. providenciar para que os auxiliares estejam nos seus lugares, prontos para o cumprimento do dever, sem preferência por qualquer deles, mas visando, somente, o bem de todos;
3. ministrar aos auxiliares conhecimentos práticos sobre o modo de tratar pessoas e a maneira correta de aplicar o sacudimento;
4. impedir conversações no salão, mesmo em voz baixa, desde o início dos trabalhos preliminares;
5. considerar como caso especial de atendimento a presença de assistentes que vêm pela primeira vez a uma reunião pública, explicando-lhes como participarão dela e o que irão ouvir no seu decorrer, bem como de acompanhantes responsáveis por portadores de transtorno psíquico, explicando o procedimento disciplinar imprescindível a que o obsedado, sempre maior de dezoito anos de idade, poderá ser submetido, caso venha a sentar-se na cadeira F. Para isso, deverá solicitar ao responsável o consentimento prévio para aplicar a disciplina cabível, se houver necessidade. Se o responsável não consentir que seja contido com vigor em caso de movimentos bruscos ou mesmo acessos de fúria, o obsedado não poderá ser levado para o estrado;
6. encaminhar a um outro diretor os assistentes que pedirem maiores esclarecimentos sobre a Doutrina, além do que lhes explicou pessoalmente;
7. escolher os assistentes que vão ocupar lugares no semicírculo. Têm prioridade os assistentes que comparecerem pela primeira vez e os que retornarem às três reuniões públicas seguidas recomendadas; e
8. em caso excepcional, ocorrendo grande temporal, se o saguão do edifício ou de área externa coberta for insuficiente para abrigar as pessoas já presentes, abrir a porta do salão para que os assistentes se acomodem nas cadeiras mais próximas da entrada, em absoluto silêncio, até o acesso ao salão ser franqueado ao público no horário disciplinar.

Fiscal de porta
1. receber os assistentes à entrada da Casa com educação e urbanidade, encaminhando-os para o salão;
2. estar sempre calmo e vigilante, com pensamentos elevados às Forças Superiores, pois é o militante que tem o primeiro contato com os assistentes que chegam, muitos deles assistidos por espíritos inferiores;
3. impedir o acesso de ébrios e de maltrapilhos, afastando-os da entrada com serenidade e firmeza, solicitando ajuda de outro auxiliar quando for necessário;
4. ficar atento aos sinais de campainha de abrir e fechar a porta de acesso ao edifício;
5. no horário disciplinar de fechamento definitivo do portão de acesso ao edifício, explicar a possíveis retardatários que a impossibilidade de ingresso na Casa é imposição disciplinar incontornável, sugerindo que voltem na reunião pública seguinte, alertando-os para os horários de chegada recomendados. Deve também dizer a essas pessoas, de forma resumida, o que é o Racionalismo Cristão e entregar-lhes o folheto de limpeza psíquica, aconselhando a sua leitura; e
6. Ao abrir o portão para a saída dos assistentes, cuidar para que nenhuma pessoa desconhecida adentre o recinto.
1   ...   5   6   7   8   9   10   11   12   ...   24


©principo.org 2016
enviar mensagem

    Página principal