Rasto de sangue



Baixar 174.79 Kb.
Página2/5
Encontro29.07.2016
Tamanho174.79 Kb.
1   2   3   4   5

7. Convém-nos lembrar que estas mudanças não foram feitas em um dia e nem tampouco dentro de um ano. Elas foram aparecendo lentamente e nunca, a um só tempo, dentro de todas as igrejas. Algumas igrejas vigorosamente as repudiavam. Tanto que em 251 A. D. algumas igrejas leais declararam-se contrárias às igrejas que aceitavam e praticavam tais erros. Desta maneira veio a primeira ruptura completa entre as igrejas.

8. Notamos, pois, que durante os três primeiros século houve três e sérios desvios dos ensinos de Cristo e de seus apóstolos. E um significativo evento aconteceu. Note este sumário e recapitulação:

Mudança quanto à concepção da função do bispo ou pastor e do governo da Igreja, conforme aparece nas páginas do Novo Testamento. Esta mudança desenvolveu rapidamente e foi se tornando mais pronunciada, se bem que também altamente nociva.

Mudança quanto aos ensinos do Novo Testamento, com relação à regeneração, pela idéia da ''regeneração batismal".

(3) Mudança no tocante à administração do batismo às crianças, em vez de somente aos crentes. (Esta não se tornou geral e nem tão freqüente até o século seguinte).
9. A ''regeneração batismal" e "batismo infantil". Estes dois erros são, na opinião da bem esclarecida história, causadores de maior derramamento de sangue dos crentes, através dos séculos, do que todos os outros erros combinados ou, possivelmente, do que todas as guerras, não contando com as perseguições se deixarmos de lado a primeira "guerra mundial". Mais de 50.000.000 de cristãos sofreram o martírio, principalmente por causa de rejeitarem esses dois erros, no período da "idade das trevas", portanto 12 ou 13 séculos.
10. Três eventos significativos podem ser encontrados na história dos primeiros três séculos, os quais foram observados pela grande maioria das igrejas:

(1) A separação e independência das igrejas.

(2) 0 caráter subordinado dos bispos ou pastores.

(3) 0 batismo somente para crentes.


Vou citar agora Mosheim, o maior de todos os historiadores luteranos - vol. 1, pág. 71 e 72: "Mas qualquer que suponha que os bispos desta idade de ouro da igreja tinham função idêntica à dos bispos dos séculos seguintes, está confundindo coisas bastante diferentes, pois que neste século e nos seguintes um bispo tinha o encargo de uma só igreja, com a qual podia ordinariamente se reunir em uma casa particular; não era ele o senhor da igreja, mas realmente o seu ministro, ou servo... Todas as igrejas nos primitivos séculos eram corpos independentes, nenhuma delas sujeita à jurisdição de qualquer outra. Além disto, as igrejas que tinham sido fundadas pelos apóstolos tinham freqüentemente a honra de consultá-los sobre os casos duvidosos, e, mesmo nestes casos, eles não exerciam uma autoridade judicial, nem controle nem a prerrogativa de dar-lhes leis. Ao contrário, é tão claro como o meio-dia que todas as igrejas cristãs tinham iguais direitos e andavam sob todos os respeitos em pé de igualdade".
11. Durante este período, não obstante as muitas e sérias perseguições, o Cristianismo fez maravilhoso progresso. Ele tinha alcançado e ultrapassado os limites do Império Romano. Quase todo o mundo habitado ouviu o evangelho. E, de acordo com alguns historiadores da Igreja, muitas das igrejas neotestamentárias, organizadas pelos apóstolos, estão ainda intactas e leais aos ensinos apostólicos. Contudo, como temos mostrado, um grande numero de erros característicos e perniciosos foram introduzidos e permaneceram em muitas igrejas. Algumas tornaram-se muito irregulares.
12. As perseguições tinham se tornado terrivelmente amargas. Próximo ao inicio do 4o século veio, possivelmente, o primeiro e definitivo édito do governo, autorizando a perseguição. O crescimento maravilhoso do Cristianismo tinha alarmado os líderes pagãos do Império Romano. Então o imperador Galério expediu um édito autorizando mais severa perseguição. Isto ocorreu em 24 de fevereiro de 303 A.D. Até este tempo parece que o paganismo tinha feito a perseguição sem a sanção de uma lei.
13. Mas este édito falhou inteiramente no seu propósito de impediu o crescimento do Cristianismo e o mesmo imperador Galéiro, 8 anos depois, promulgou um outro édito anulando o primeiro e concedendo TOLERÂNCIA - permissão para viver a religião de Jesus Cristo. Esta foi provavelmente, a primeira lei favorável ao Cristianismo.
14. No início do ano 313 A. D., o Cristianismo tinha alcançado uma poderosa vitória sobre o paganismo. Um novo imperador veio ocupar o trono do Império Romano. ele evidentemente reconheceu algo do misterioso poder dessa religião que continuava a crescer, não obstante a intensidade da perseguição. A História diz que este Imperador que não era outro senão Constantino, teve uma maravilhosa e real visão. Divisou no céu uma CRUZ de brilhante luz vermelha na qual estavam escritas a fogo as seguintes palavras: "Com este sinal vencerás". Constantino interpretou isto como uma ordem para que se tornasse cristão. Entendeu ainda que abandonando o paganismo e uniu do o poder temporal do Império Romano ao poder espiritual do Cristianismo o mundo seria facilmente conquistado. Deste modo, a religião cristã se tornaria uma religião universal e o Império Romano o Império de todo o mundo.
15. Assim sob a liderança do Imperador Constantino veio um descanso, um galanteio e uma proposta de casamento.

O Império Romano por intermédio do seu imperador pediu em casamento o Cristianismo. Dê-nos o seu poder espiritual e em troca Ihe daremos nosso poder temporal.


16. Para tornar efetiva e consumada esta profunda união, um concílio foi convocado. Em 313 A. D. foi feita uma convocação para que fossem enviados, juntamente, representantes de todas as igrejas cristãs. Muitas, mas nem todas, vieram. A aliança estava consumada. Uma hierarquia foi formada. Na organização desta hierarquia Cristo foi destronado como cabeça da igreja e Constantino foi entronizado (ainda que temporariamente, já se vê)como cabeça da igreja.
17. A hierarquia estava definitivamente começando a desenvolver-se no que conhecemos hoje como igreja Católica ou universal. Pode-se dizer que isso tinha começado, se bem que, indefinidamente, já no fim do 2º século ou no início do 3º quando as novas idéias com referência aos bispos e ao governo da Igreja começaram a se formar.
18. Deve ser também claramente lembrado que, quando Constantino fez a convocação para o citado Concílio houve muitos cristãos (batistas) que deixaram de responder à mesma. Eles não aprovavam o casamento da religião com o estado, nem a centralizarão do governo religioso, nem a criação de um tribunal religioso mais elevado, de qualquer espécie que não fosse a Igreja local. Estes cristãos (batistas) bem como suas igrejas deste tempo ou mais tarde não aceitaram a hierarquia denominacional católica.
19. Quando esta hierarquia foi criada, Constantino, que tinha sido feito o seu cabeça, não era ainda cristão. Ele tinha decidido tornar-se, mas como as igrejas que o acompanharam na fundação desta organização hierárquica, tinham adotado o erro da regenerarão batismal, uma série questão se levantou na mente e Constantino: "Se eu sou salvo dos meus pecados pelo batismo, como escapar os meus pecados posteriores ao batismo?" Constantino levantou assim. uma questão que iria perturbar o mundo em todas as gerações seguintes. Pode o batismo lavar de antemão os pecados não cometidos? ou sãs) os pecados cometidos antes do batismo lavados por um processo (isto é, pelo batismo) e os cometidos depois do batismo, por um outro processo?
20. Não tendo sido possível resolver satisfatoriamente a muitas questões assim levantadas, Constantino resolveu finalmente unir-se aos cristãos, mas adiando o seu batismo para mais perto da morte, porque assim todos os seus pecados poderiam se lavados de uma só vez. Este propósito ele seguiu e não havia sido ainda batizado até pouco antes da sua morte.
21. Abandonando a religião pagã e aderindo ao Cristianismo, Constantino incorreu em séria reprovação por parte do Senado Romano. Eles repudiaram ou, ao menos, opuseram-se à sua resolução. Esta oposição resultou finalmente na mudança da sede do Império de Roma para Bizânico, uma velha cidade reedificada, que logo depois teve o nome mudado para Constantinopla, em honra a Constantino.

Como resultado surgiram duas capitais para o Império Romano: Roma e Constantinopla. Essas duas cidades, rivais por vários séculos, por fim se tomaram o centro da Igreja Católica dividida: Romana e Grega.


22. Até à organização da hierarquia e da união entre a Igreja e o Estado todas as perseguições ao Cristianismo tinham sido feitas pelo judaísmo ou então pelo paganismo. Agora houve uma séria mudança. Os cristãos nominais começaram a perseguir os cristãos. 0 desejo de Constantino de ter todos os cristãos unidos a ele, expressa pela sua nova idéia de uma religião unida ao Estado e opondo-se a muitos que conscientemente repudiavam o afastamento dos ensinos do Novo Testamento começou a usar o poder do governo para os perseguir. Começaram então os dias e anos e até séculos de uma tenaz perseguição contra os cristãos que eram leais ao Cristianismo original e aos ensinos apostólicos.
23. Lembremo-nos agora que estamos considerando eventos que se deram entre os anos 300 e 500 A. D.

A hierarquia organizada sob a liderança de Constantino, rapidamente se concretizou naquilo que agora conhecemos como Igreja Católica. E a novel igreja se associou ao governo temporal, não mais para ser simplesmente a entidade executiva das leis completas do Novo Testamento, mas começou a ser legislativa, começando a emendar e anular leis primitivas, bem como a criar regras completamente estranhas à letra e ao espírito do Novo Testamento.


Uma das primeira ações legislativas da Igreja, e uma das mais subversivas quanto aos resultados foi o estabelecimento, por lei, do batismo infantil.

Em virtude desta lei o batismo infantil tornou-se compulsório. Isto ocorreu em. cerca de 416 A. D. Ele já existia, em casos esparsos, provavelmente, um século antes desde decreto. Mas, com a efetivação por lei desta prática dois princípios do Novo Testamento foram naturalmente abordados: - o do "batismo dos crentes" e o da "obediência voluntária ao batismo".


25. Como conseqüência inevitável desta nova doutrina e lei, ,as igrejas desviadas foram rapidamente se enchendo de membros inconversos. E de fato não se passaram muitos anos até que a maioria, provavelmente, de seus membros fosse composta de pessoas não regeneradas. Assim os grandes interesses espirituais do Reino de Deus caíram nas mãos de um incrédulo poder temporal. Que se poderia esperar então?
26. Por outro lado, os crentes e igrejas leais rejeitaram esta nova lei. Certamente que o "batismo de crentes", o "batismo do Novo Testamento" era a única lei para eles. Eles não só recusaram a batizar suas crianças, mas, crendo que o batismo devia ser ministrado a crentes somente, recusaram também aceitar como válido o batismo feito pelas igrejas anti-escriturísticas. Se alguns dos membros da igreja hierárquica quisessem se filiar a uma das igrejas fiéis era-lhes exigido uma experiência cristã e o rabatismo.
O rápido curso seguido pelas igrejas leais provocou um grande desprazer aos fanáticos da religião do Estado, muitos, senão a maioria, dos quais não era de genuínos convertidos. O nome "cristão" entretanto foi negado às igrejas que não aceitavam os novos erros. Uma vez privados disto, foram chamados por outros nomes, alguns por uns e outros por outros, como sejam: Montanistas, Tertulianistas, Novacianos, Patelina, e alguns, ao menos, por causa do costume de rebatizar os que haviam sido batizados na infância, foram chamados anabatistas.
28. Em 426 A.D., justamente 10 anos depois do estabelecimento legal do batismo infantil, foi iniciado o tremendo período que conhecemos como "Idade das Trevos" (Idade Média, not. Do trad.). Que período! Quão tremendo e sanguinolento o foi!

A partir de então, por mais uma dezena de séculos o rasto do cristianismo do Novo Testamento foi grandemente regado pelo sangue dos cristãos. Observe no mapa alguns dos muitos O Rasto de Sangue diferentes nomes suportados pelos perseguidos. Vários destes nomes foram dados por causa de alguns atos heróicos de determinado líder e alguns por outras causas, sendo que os nomes assim dados variavam freqüentemente, tanto com os países,; como com o correr do tempo.


29. Foi ainda no alvorecer da "Idade das Trevas" que o Papismo tomou corpo definitivo. Seu inicio data de Leão II de 440 a 461 A.D. Este título, semelhantemente ao nome dado à Igreja Católica, tinha possibilidade de um amplo desenvolvimento. O nome aparece aplicado primeiramente, para designar o bispo de Roma, 296-404 A.D. mas foi formalmente adotado pela primeira vez por Cirilo, bispo de Roma 384-398. Mais tarde foi adotado oficialmente por Leão II, 440-461. Sua universalidade foi reclamada em 707. Alguns séculos mais tarde foi declarado por Gregório VII, ser o titulo exclusivo do Papado.
30. Agora darei uma súmula dos mais significativos eventos deste período de cinco séculos:
1) A mudança gradual do governo democrático da Igreja para o governo eclesiástico.

2) A mudança da salvação pela graça para a salvação pelo batismo.

3) A mudança do batismo de crentes para batismo infantil.

4) A hierarquia organizada. Casamento da Igreja com Estado.

5) A sede do Império mudada para Constantinopla.

6) O Batismo Infantil estabelecido por lei e tornado compulsório .

7) Os cristãos nominais começam a perseguir os cristãos.

B) A "Idade de Trevas" começa em 426.

9) A espada e a tocha, de referência ao Evangelho, que se tornou o poder de Deus para a salvação.

10) Todo o vestígio de liberdade religiosa é desfeito, coberto e enterrado por muitos séculos.

11) As igrejas fiéis ao Novo Testamento são perseguidas e tratadas por nomes diversos. São ainda açuladas para o mais longe possível do poder temporal católico. O remanescente destas igrejas se espalhou por todo o mundo e é achado, talvez escondido, em florestas, montanhas, vales, antros e cavernas da terra.

CAPÍTULO II

600-1300 A. D.

1. Encerramos o 1o capítulo com o fim do 5° século. E ainda um grande número de fatos que tiveram seu princípio naqueles séculos não foi mencionado. Tínhamos iniciado as considerações em torno do terrível período que é conhecido na história como "Idade Média". Trevas, sangue, e terror houve desde o seu inicio. As perseguições pelo estabelecimento da Igreja Católica Romana são duras, cruéis e perpétuas. A guerra de extermínio prosseguiu persistente e inexoravelmente, obrigando os cristãos a se refugiarem em muitas terras. O "Rasto de Sangue" é quase tudo que resta em qualquer lugar. Especialmente através da Inglaterra, Gales, África, Armênia, Bulgária. Certo é que em qualquer lugar cristãos seriam achados os que estavam decididos a permanecerem restritamente leais ao Novo Testamento.


2. Agora chamaremos atenção aos denominados concílios ecumênicos ou Concílios do Império. Será por bem baseados no chamado concílio de Jerusalém (Ver At. cap. 15). Mas provavelmente nada terá sido mais dessemelhante do que o mesmo nome para estes concílios - chamamos agora a atenção para somente oito, e estes convocados por diferentes imperadores. Nenhum deles pelos Papas e todos eles realizados entre as igrejas do Oriente ou Igrejas Gregas. Assistiram-nos todavia, alguns representantes do ramo ocidental ou da Igreja Romana.
O primeiro desses concílios foi realizado em Nice ou Nicéia em 325 A.D. Foi convocado por Constantino, o Grande, e foi assistido por 318 bispos.

O segundo reuniu-se em Constantinopla em 3B1 A.D. Foi convocado por Teodósio, o grande. Assistiram-no 150 bispos. (Nos séculos primitivos a palavra bispo designava simplesmente pastores de igrejas locais).

O terceiro foi convocado por Teodósio II e por Valentiano III. Este contou com a presença de 250 bispos. A reunião se efetuou em Éfeso em 431 A.D.

O quarto reuniu-se na Calcedônia em 451 A.D., e foi convocado pelo imperador Marciano. Quinhentos ou 600 bispos metropolitanos, (metropolitanos eram pastores da cidade ou pastores de primeira igreja), estiveram presentes a este concilio. Nele foi promulgada a doutrina que conhecemos como "Mariolatrina". Este dogma compreende a adoração de Maria, mãe de Cristo. Esta nova doutrina no principio criou grande tumulto. Houve sérias objeções, mas finalmente foi aceita como doutrina da Igreja Católica.

O quinto destes 8 concílios foi realizado em Constantinopla. Foi o segundo que se realizou ali. Foi convocado por Justiniano em 553 A.D. e assistido por 165 bispos - este concílio aparentemente teve por objetivo condenar certos escritos.

No ano 680 A.D. o sexto concilio foi convocado. Também foi realizado em Constantinopla e foi convocado por Constantino Pogonato, para condenar heresias. Durante este concilio o Papa Honório foi deposto e excomungado. Até este tempo a infalibilidade não tinha sido declarada.

O sétimo concílio foi chamado para se reunir em Nicéia em 787 A.D. Foi o segundo a se realizar neste lugar. A imperatriz Irene o convocou. Nele parece ter tido inicio definitivo a adoração de imagens e o culto aos santos. Podeis, por esta amostra, perceber que o povo de então já estava se tornando mais paganizado que cristianizado.

O último dos concílios convocados pelos imperadores aos quais chamamos "Concílios do Oriente" reuniu-se em Constantinopla em 869 A.D. Foi convocado por Basilio Maredo. A Igreja Católica tinha entrado em séria tribulação. Havia se levantado uma calorosa controvérsia entre os cabeças dos dois grandes ramos do catolicismo: acidental e oriental ou romano e grego. Pônico, o grego, em Constantinopla, e Nicolau I em Roma. Foi tão grande a desavença entre eles que chegaram a se excomungar mutuamente. Desta forma por um pouco de tempo o catolicismo ficou inteiramente sem um cabeça. O concilio foi convocado principalmente para dirimir esta dificuldade.

Esta cisão no tronco do catolicismo nunca foi até hoje, completamente desfeita. Desde esse tempo até hoje, todas as tentativas para desfazê-la têm falhado. O poder de Latrão (isto é, dos Papas) desde esse tempo começou a ter ascendência. Não os imperadores, mas os Pontífices passaram a convocar os concílios. E os últimos concílios serão considerados em estudo subseqüente.
Há uma nova doutrina para a qual não podemos deixar de atentar. Há, sem duvida, outras, mas uma especialmente que remos considerar e esta é a da "comunhão infantil". As crianças eram não somente batizadas, mas recebidas na Igreja e consideradas membros dela, e portanto, devidamente habilitadas A Ceia do Senhor. Como administrar isto, era o problema, mas foi resolvido embebendo o pão no vinho. Isto foi praticado por anos. E depois de algum tempo uma nova doutrina foi adicionado a esta.

Passou a ser ensinado que a ceia era um outro meio de salvação. Uma outra nova doutrina foi mais tarde adicionada a esta. E sobre ela voltaremos a falar mais tarde.

5. Durante o 5o século, no 4o concílio ecumênico, reunido em Calcedônia em 451, uma doutrina inteiramente nova foi acrescentada à já crescente lista de inovações. É a doutrina conhecida como "Mariolatria" ou adoração de Maria, mãe de Jesus. Parece ter sido sentida a necessidade de um novo Mediador. A distancia entre o homem e Deus era grande demais para um só mediador, ainda que fosse Cristo o Filho de Deus e realmente Deus-homem. Pensaram ser Maria necessária como outro mediador e orações foram - feitas a ela. Ela existia para levá-los a Cristo.
6. Duas outras novas doutrinas foram adicionadas no século 8o à fé católica. Ambas foram promulgadas pelo 2o concílio reunido em Nicéia. O 2o concílio reuniu-se ali em 787. A primeira das doutrinas ali adicionadas foi a que é conhecida como "A adoração de imagens", uma violação direta do seguinte mandamento de Deus: "Não farás para ti imagens de escultura" . Ex. 20:3, 4, 5. Essa adição é também oriunda do paganismo.

Logo depois seguiu-se "o Culto dos Santos", doutrina que não tem justificação na Bíblia. Somente um exemplo de invocação dos santos aparece na Bíblia e esse mesmo para mostrar sua perfeita insensatez - o rico orando a Abraão em Luc. 16: 24-31. Estas são algumas, não todas, das mudanças revolucionárias aos ensinos do Novo Testamento, que vieram durante esse período da História da Igreja.


7. Durante o período que estamos considerando os perseguidos foram conhecidos por muitos e variados nomes. Entre eles encontramos Donatistas, Paterinos, Paulicianos Cátaros, e Anabatistas. Um pouco mais tarde sugiram Petrobrussianos, Arnoldistas, Henricianos, Albingenses e Waldenses. Algumas vezes um desses grupos se destacava e outras vezes o outro. Alguns sempre se evidenciavam, por estarem sob persistente e cruel perseguição .
8. Não devemos pensar que todos os que sofrerem perseguições estavam integralmente fiéis ao Novo Testamento. Na maioria eram leais. E alguns deles, consideradas as circunstancias em que viveram e lutaram, eram maravilhosamente leais. Lembremo-nos de que muitos dos que viveram neste longo período, possuíam somente partes do Novo Testamento ou do Velho Testamento para usar. A imprensa não tinha sido inventada. O que possuíam eram manuscritos em pergaminho ou peles, ou coisa parecida, sendo por isto, grandes e volumosos. Poucas famílias (se é que alguma) ou Igreja possuíam cópias completada da Bíblia. Antes do término formal do Cânon (em fins do século IV), havia provavelmente, muito poucos manuscritos completos do N. T. Dos 1.000 Mss. conhecidos somente uns 30 incluem todos os livros.
9. Além disso, durante toda a "Idade Média" e o p«lodo da perseguição, tenazes esforços foram feitos para destruir os Mss. das Escrituras, nas mãos dos perseguidos. Assim, em muitos casos, os grupos só possuíam pequenas partes da Bíblia.
10. Será bem de notar também que para prevenir a disseminação dos pontos de vista, de certo modo contrários aos da Igreja Católica, muitos planos e medidas extremas foram adotados. Em primeiro lugar, todo e qualquer escrito, que contivesse idéias diferentes das Católicas, seria queimado, especialmente os livros. Por vários séculos esses planos e medidas foram estrita e persistentemente seguidos. Esta é, de acordo com a História, a principal razão porque é difícil de se apresentar um relato minucioso da História. Por toda parte, os que persistiam em escrever e pregar, experimentaram a morte pelo martírio. Este era um período desesperadamente sangrento. Todos os grupos de heréticos persistentes (assim chamados) e por quaisquer nomes apelidados, em qualquer parte onde vivessem eram cruelmente perseguidos. Os Donatistas e Paulicianos foram proeminentes entre os primeiros desses grupos. Os católicos, estranho como pareça, acusavam a todos que recusavam a abandonar sua fé, que recusavam a crer como católicos - chamando-os de heréticos e os condenavam como tais. Os chamados católicos tinham se tornado mais completamente paganizados e judaizados do que mesmo cristianizados e estavam sendo manejados mais pelo poder civil do que pelo poder religioso. Eles cuidavam mais de fazer novas leis do que de obedecer as de antes estabelecidas.
11. Daremos em seguida um pouco das muitas variações por que passaram os ensinos do Novo Testamento, durante esses séculos. Elas, provavelmente, nem sempre aparecerão na ordem em que surgiram. De fato, em alguns casos é difícil senão impossível, dar-se a data exata da origem de várias dessas mudanças.

Algumas apareceram provavelmente com todo o sistema católico. Cresceram e se desenvolveram. Principalmente nos primeiros anos, seus ensinos foram sujeitos contentemente a mudanças. Estas vinham por acréscimo ou subtração; por substituição ou abrogação. A Igreja Católica não era mais uma igreja conforme o N. T., se é que o foi algum dia. Ela não era mais um corpo puramente executivo, para cumprir as leis de Deus já estabelecidas, mas uma entidade legislativa, não somente por fazer novas leis, como também por abrogar a seu jeito as de antes estabelecidas.


12. Uma das suas declarações deste tempo foi: fora da Igreja não há salvação, da Igreja Católica, criando portanto um dilema: ou o homem é católico, ou está perdido. Não há outra alternativa.



Compartilhe com seus amigos:
1   2   3   4   5


©principo.org 2019
enviar mensagem

    Página principal