RÀdio no rio grande do sul: como o incêndio das lojas renner transformou o jornalismo da rádio guaíBA



Baixar 52.32 Kb.
Encontro22.07.2016
Tamanho52.32 Kb.

RÀDIO NO RIO GRANDE DO SUL: COMO O INCÊNDIO DAS LOJAS RENNER TRANSFORMOU O JORNALISMO DA RÁDIO GUAÍBA

Cláudio Costa Mércio


Resumo:

O jornalismo da Rádio Guaíba AM, de Porto Alegre, pode ser dividido em dois períodos. O primeiro inicia em sua fundação em 1957 e estende-se até meados da década de 70. Nesta fase, não há a presença do repórter. É um tempo em que as informações chegam até a redação da emissora e, por isso, predominam notícias internacionais e nacionais. O segundo período do jornalismo começa por volta de 1976 e tem como marco o incêndio das Lojas Renner, ocorrido em 27 de abril daquele ano. É a partir deste incidente que a emissora vai reconhecer a necessidade de valorizar as notícias locais e, sendo assim, decide reestruturar seu Departamento de Jornalismo. Ao contrário do que ocorria anteriormente, o repórter passa a ser a grande figura do departamento. Esta segunda fase ganha força apoiada pelas novas tecnologias.

Palavras-chave: Comunicação, Radiojornalismo, História do Rádio, Rádio Guaíba
O jornalismo da Rádio Guaíba AM1, de Porto Alegre, pode ser dividido em dois períodos. O primeiro inicia em sua fundação em 1957 e estende-se até meados da década de 70. Nesta fase, não há a presença do repórter. É um tempo em que as informações chegam até a redação da emissora e apenas em casos excepcionais alguém da rádio se desloca para o local onde está ocorrendo o fato. Por isso, predominam notícias internacionais e nacionais. Também é nesta fase que o jornalismo da Guaíba vai presenciar grandes acontecimentos da história mundial pela atuação do jornalista Flávio Alcaraz Gomes2. O segundo período do jornalismo começa por volta de 1976 e tem como marco o incêndio das Lojas Renner, ocorrido em 27 de abril daquele ano. É a partir deste incidente que a emissora vai reconhecer a necessidade de valorizar as notícias locais e, sendo assim, decide reestruturar seu Departamento de Jornalismo. Ao contrário do que ocorria anteriormente, o repórter passa a ser a grande figura do departamento, embora os redatores continuem responsáveis pela redação final dos textos para os noticiários. Esta segunda fase ganha força apoiada pelas novas tecnologias, que já permitiam que o repórter entrasse de qualquer lugar usando uma linha telefônica ou um rádio transmissor.
O jornalismo da Rádio Guaíba nasce já com credibilidade, herdada dos jornais da Caldas Júnior - Correio do Povo e Folha da Tarde. Contudo, está credibilidade vai se firmar na estruturação de um departamento dedicado ao jornalismo já na fundação da emissora em 1957, na época chamado de Departamento de Notícias, que englobava também o Esporte.
O primeiro chefe do Departamento de Notícias foi o jornalista Neu Reinert3, funcionário antigo da Caldas Júnior e redator da Folha da Tarde. Em 1958, a função é assumida por Amir Domingues, até hoje na Rádio Guaíba, onde faz um comentário diário e a apresentação do programa Agora4. Domingues (2002)5 destaca que neste período inicial a captação de informações dependia das agências de notícias e do apoio dos jornais da Caldas Júnior.

As fontes de notícias naquela época [...] ficavam na dependência da contratação de agências, principalmente uma agência do exterior. No caso aqui da Caldas Júnior era a Associated Press. Recebíamos por teletipo as sínteses informativas da Associated Press. Além disso, e por estarmos em uma empresa jornalística, o Departamento de Notícias da rádio se socorria também do trabalho desenvolvido pelas redações do Correio do Povo e da Folha da Tarde.

Amir Domingues lembra ainda que o departamento contava com “dez, doze funcionários no que diz respeito a parte de notícias. Eles eram responsáveis pela redação das notícias que abasteciam a programação da rádio” (Idem). Em relação à estrutura da redação, o jornalista recorda que era apenas “máquinas de escrever e papel” (Idem). Neste período, são os redatores6 que sustentam a programação jornalística. Todas as informações são redigidas e passadas ao locutor, que as lê ao vivo. Não existia ainda o boletim do repórter, ou seja, informação redigida ou mesmo improvisada sendo transmitida ao vivo pelo jornalista. As notícias internacionais e as nacionais dominam os noticiários da emissora. Sem repórteres, a cobertura local quase inexiste, como lembra o jornalista José Henrique Green.

Nessa época a gente não colhia notícia ao vivo. [...] Nós não tínhamos equipe externa. Nós éramos uns doze no Departamento de Notícias só para fazer escala de horário. As nossas fontes de notícias provinham ou do Correio do Povo e Folha da Tarde ou da Associated Press e da agência brasileira de notícias [...] e se ouvia muito também a Voz do Brasil. As notícias governamentais chegavam às sete horas da noite pela Voz do Brasil. Eventualmente, raramente, num acontecimento muito importante [...] é que a Guaíba se deslocava com uma equipe de jornalistas para fazer cobertura. Também era difícil na época porque as condições telefônicas, de comunicação com a rádio inexistiam. A gente saia para escrever. Um gravador da época, por exemplo, pesava uns doze quilos... (JOSÉ HENRIQUE GREEN, DOCUMENTÁRIO CORRESPONDENTE RENNER, 34 ANOS DE HISTÓRIA, UNISINOS, 1991).




Em 1962, o jornalista José Erasmo Nascentes7 assume o comando do Departamento de Jornalismo8. Nascentes era chamado pelos colegas de “Capitão”, pois era capitão da reserva do Exército e marcaria o departamento por ser extremamente exigente.

Nos tempos do “Capitão”, a notícia somente ia ao ar na Guaíba depois de rigorosa confirmação e de haver absoluta convicção de que realmente era correta. [...] O rigor era para evitar a conhecida “barriga”, ou seja, a notícia errada ou de um fato que não aconteceu. [...] Era um profissional muito exigente, calado, mas, muitas vezes bem humorado (CORREIO DO POVO, 1997, p. 8).

Ao lado de Nascentes, comandava o Departamento o jornalista Floriano Côrrea, que atuava como um chefe de reportagem9. “Capitão” dirigiu o departamento até 1976. Em seu período, o Departamento de Jornalismo era responsável por grande parte da programação da emissora, levando ao ar “três horas de notícias” (Folha da Manhã, 17.04. 1974, p. 30).

7h às 7h30- Radiojornal

8h às 8h10- síntese do BRDE

9h às 9h10- Correspondente Renner

10h às 10h10- síntese do BRDE

11h às 11h10- Geraplan

12h às 12h10- Radiomanchetes

13h às 13h10- Correspondente Renner

14h às 14h10- síntese do BRDE

15h às 15h10- Geraplan

16h às 16h10- Geraplan

17h às 17h10- Geraplan

18h às 18h10- síntese do Renner

20h15min às 20h45- síntese do Renner

22h às 22h30- Radiojornal10

No dia 14 de julho de 1975, às 8h10min, estréia na Rádio Guaíba um novo programa, idealizado por Flávio Alcaraz Gomes, e que seria um marco no jornalismo.

Lancei segunda-feira um novo e revolucionário programa pela Rádio Guaíba. Batizei-o de “Agora!” A idéia surgiu ao perceber que, finalmente, o Brasil estava ligado ao mundo pelas telecomunicações. Ligações telefônicas julgadas impraticáveis já podiam ser feitas instantaneamente. Imaginei correspondentes em locais-chave, falando sobre a manchete do dia. A idéia era pegar o Correio do Povo, ler seu destaque e sair-lhe no encalço, com alguém do local onde se originasse falando a respeito. A notícia e a anatomia da notícia, onde quer ela se encontrasse. Nada de semelhante havia sido feito antes no Brasil (GOMES, 1995, p. 218).

Na primeira apresentação do Agora, a reportagem internacional foi destaque: “De Paris, Ani Bourrier falou sobre as festividades da Queda da Bastilha; de Lisboa, Josué Guimarães abordou o problema dos angolano e, de Washington, Emilio Breyer detalhou os estragos dos incêndios de verão nos Estados Unidos” (GOMES, 1995, p. 220).


Com a saída do “Capitão” Erasmo Nascentes em 1976, Antônio Britto Filho assumiu a chefia do jornalismo. O jornalista já trabalhava na Rádio Guaíba desde o início da década de 70, quando o narrador esportivo Pedro Carneiro Pereira convidou-o para ingressar no Departamento de Esporte. Em entrevista à Revista Press, o jornalista lembra sua chegada a emissora da Caldas Júnior.

O Paulo Sant’Ana um dia me pegou, no final de 70: estão precisando de um setorista do Grêmio na ZH. Fui. Participei do Sala de Redação, fui um dos primeiros integrantes do Sala, editor de esportes junto com o Gaguinho (José Antônio Ribeiro), aí um dia tocou o telefone, achei que era gozação, era o Pedro Carneiro Pereira (locutor esportista, já falecido), uma figura muito forte, muito querida na minha vida. Desliguei sem acreditar, pô, Pedro Carneiro, “Deus” te ligando na redação da ZH? Isto é sacanagem de alguém da redação. Ele ligou de novo, daí em fui para a Guaíba, para ser redator de esportes. Trabalhando com o Milton Jung, redigindo os programas, pouco depois morre o Pedro, o Ranzolin (Armindo Antônio Ranzolin) passa para a direção e eu para a coordenação. Pauta para esportes, roteiro para a jornada. Ao mesmo tempo trabalhava na Folha da Manhã com o Ruy Carlos Ostermann e o Severo. Em 74 me chamaram pra comandar a cobertura das eleições, me deram uma surra, depois coordenei cobertura de Copa do Mundo. Quando houve o incêndio das Lojas Renner, um pouco adiante, a Guaíba teve que reformular o jornalismo, e eu fui reformular o jornalismo da rádio. (REVISTA PRESS, 2002, n°. 15, p. 7)


Britto marcaria a história do jornalismo na Rádio Guaíba por reeestruturar o setor e também o Departamento de Esportes, como destaca o locutor do Correspondente Renner/Aplub/Portocred Milton Ferretti Jung (2002)11.

O Britto deu ao jornalismo da Guaíba o seu formato atual. Contratou repórteres e correspondentes. Enfim, organizou o setor. Antes, já havia estruturado o esporte, fazendo-o funcionar mais jornalisticamente, com programas bem elaborados e jornadas esportivas bem organizadas. Antônio Britto, sem dúvida, alavancou os dois setores com grande competência.

Britto, ao contrário de seus antecessores, viu a necessidade de reforçar a cobertura jornalística local. Na década de 70, a Rádio Guaíba já tinha obtido o reconhecimento pelas coberturas internacionais feitas por Flávio Alcaraz Gomes, mas a notícia local ainda ocupava pouco espaço no jornalismo. A emissora não tinha estrutura para fazer coberturas próximas, do dia-a-dia. Como lembra Amir Domingues (2002)12, “em situações excepcionais, diante de acontecimentos muito importantes, aí sim a rádio deslocava alguém do Departamento para a cobertura”. Com o incêndio das Lojas Renner, em Porto Alegre, em 1976, Britto percebe que era preciso reformular o Departamento de Jornalismo da emissora. Até aquele momento, a grande figura do setor era o redator, que apenas recebia informações e só em ocasiões excepcionais as buscava. Faltava à Guaíba a presença do repórter, alguém que estivesse no local onde os fatos ocorressem. O jornalista definiu, então, que “os investimentos não seriam mais realizados no redator, mas sim no repórter” (Cardoso, 1991, p. 80). A Rádio Guaíba investe, então, na contratação de repórteres13.

Até um determinado momento e eu acho que na vida de Porto Alegre o incêndio das Lojas Renner é esse momento, a notícia procurava a rádio [...]. Ela chegava ou pelo telegrama das agências nacionais e internacionais ou porque a cidade ainda pequena, a cidade ainda sem grande complexidade, ela podia ser observada sem outros recursos que não até as pessoas que iam a rádio levar a notícia ou a rádio por telefone ia buscar a informação. De repente aconteceu uma tragédia em Porto Alegre, que foi o incêndio das Lojas Renner, houve a morte de 41 pessoas, e se descobriu que aquele episódio marcava claramente uma mudança. Era preciso que as rádios começassem a ter condições de falar de qualquer momento e de qualquer lugar. Mais do que isso, quem quer falar de qualquer lugar tem que ter quem fale. Então a decisão de levar, de inverter o processo, ou seja, de passar a buscar a notícia, trazia como conseqüência uma reforma do ponto de vista técnico, que era a instalação de unidades móveis, recursos de transmissão, e de outro lado, o investimento não mais no redator, que dentro da rádio recebe as notícias e põe no ar, mas o repórter que vai ver, vai fazer a notícia lá fora, lá na rua, onde as coisas estão acontecendo. (ANTÔNIO BRITTO FILHO, DOCUMENTÁRIO CORRESPONDENTE RENNER, 34 ANOS DE HISTÓRIA, UNISINOS, 1991).

A passagem do jornalista que só atua na redação para a rua onde os fatos estão ocorrendo só é possível pelas facilidades tecnológicas14 que vão surgindo. As linhas telefônicas passam a ser mais acessíveis e os radiotransmissores tornam-se mais leves, o que permite ao repórter entrar ao vivo na programação de qualquer lugar. O jornalista Jorge Alberto Mendes Ribeiro15 considera que “o repórter na rua é um avanço técnico das comunicações. Ele não poderia existir antigamente quando para fazer uma transmissão de rádio era preciso empregar até a cerca de arame farpado como condutor do som” (Mendes Ribeiro, Documentário Correspondente Renner, 34 Anos de História, Unisinos, 1991).


Outro trabalho desenvolvido por Britto e que refletiu nos noticiários da Guaíba foi a criação da Central do Interior.

De repente num estado como o Rio Grande do Sul, que tinha na época 220 municípios, nós só recebíamos notícias dos municípios que nos mandavam noticias. Então a posição dos jornais da Caldas Júnior [...] era uma posição de braços cruzados. O que quisessem nos mandar nós receberíamos, mas nós não tínhamos instrumentos para buscar notícia. [...] Havia a figura dos correspondentes do Correio do Povo, [...] mas que não eram exatamente jornalistas profissionais. Eles eram mais cronistas das suas cidades. Eles sentavam quando queriam, da forma que queriam, quando tinham tempo, quando podiam e escreviam lá alguma coisa sobre a cidade deles. Nós não podíamos ligar e dizer: “Olhe, hoje está acontecendo aí na sua cidade tal reunião e é muito importante para nós e para o Rio Grande do Sul saber o resultado dessa reunião”. Então, o que que se fez... Pela primeira vez na história do Rio Grande do Sul [...] se profissionalizou uma rede de repórteres e de sucursais no interior do Rio Grande do Sul e de Santa Catarina. Então se criou aqui uma central de interior, um grupo que eu comandei, com sete, oito funcionários, que diariamente de manhã pautava, quer dizer, solicitava informações ao interior e um grupo imenso de profissionais do interior que cumpria essa pauta. Isso nos permitiu uma coisa maravilhosa do ponto de vista jornalístico e político. O interior parou de só ouvir, o interior parou de ser aquele conjunto de cidades que comprava jornal, ouvia rádio, mas não podia falar nem emitir informações (ANTÔNIO BRITTO FILHO, DOCUMENTÁRIO CORRESPONDENTE RENNER, 34 ANOS DE HISTÓRIA, UNISINOS, 1991).

Em 1978, Antônio Britto Filho deixou a Rádio Guaíba para ir reformular o jornalismo da TV Gaúcha, hoje RBS TV. Em seu lugar assumiu o jornalista Carlos Bastos16, que coordenou o departamento até o final de 1979, e deu continuidade ao trabalho de Britto.

Já na fase do Britto e na minha fase eu dei seqüência a este trabalho. Nós incrementamos o jornalismo local. A Rádio Guaíba antes tinha uma marca de dar muita importância para o noticiário internacional e nacional. Nós procuramos, mantendo as principais notícias nacionais e internacionais, é óbvio, dentro do Correspondente Renner, nós procuramos ampliar o noticiário local, o noticiário político, econômico, sindical... (CARLOS BASTOS, DOCUMENTÁRIO CORRESPONDENTE RENNER, 34 ANOS DE HISTÓRIA, UNISINOS, 1991).

Em 1987, Valdir Barbosa Paz assumiu o comando, ficando até 1997, quando deixou a empresa para dirigir o jornalismo da Rádio CBN, em Brasília. Paz decide dar mais agilidade ao jornalismo e reforçar a presença do repórter no microfone, processo iniciado por Britto. Estabelece, então, que não haveria mais notícia exclusiva para o Correspondente Renner. Até aquele momento, muitas notícias importantes não eram divulgadas quando da sua apuração, ficando reservadas para a próxima edição do Renner.

O que a gente tinha certeza que estava errado é que o jornalista da rádio [...] estava [...] fazendo grandes matérias às vezes, grandes entrevistas e guardando [...] para sair no Correspondente Renner. [...] A gente, com aquela filosofia de resgatar o rádio como o veículo da primeira informação, [...] implantou esse esquema de que a notícia tem que ser dada no rádio a todo momento a qualquer momento. Tem informação, tem que dar. O Renner vai ser a síntese, não vai perder a importância... (VALDIR BARBOSA PAZ, DOCUMENTÁRIO CORRESPONDENTE RENNER, 34 ANOS DE HISTÓRIA, UNISINOS, 1991).

Com sua saída, o Departamento de Jornalismo passou a ser chefiado pelo jornalista Flávio Wornicov Portela, antes coordenador de produção da emissora e chefe de reportagem do Correio do Povo, que se mantém no cargo17 até hoje.
Na década de 90, o departamento é informatizado. O processo ocorre em três fases. Na primeira, os computadores são instalados para receber o material das agências de notícias em substituição as antigas máquinas de telex. Contudo, editores, repórteres e redatores continuam trabalhando com máquinas de escrever. Em uma segunda fase são instalados terminais com editores de texto para o trabalho dos redatores. Somente depois, na terceira fase, os repórteres que dependiam ainda da máquina de escrever, recebem computadores.

O Departamento de Jornalismo da Rádio Guaíba hoje é integrado por três editores de notícias, dois chefes de reportagem, oito redatores e onze repórteres. O Departamento conta ainda com o trabalho de 20 correspondentes no interior do Estado, um em Brasília e um no Rio de Janeiro. O Jornalismo funciona com o apoio da Produção, responsável pelos programas da emissora18.


REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS




Livros

GOMES, Flávio Alcaraz. Diário de um Repórter – 50 Anos sem Medo. Porto Alegre: Mercado Aberto, 1995.



Monografias

CARDOSO, Carlos Alberto. Correspondente Renner: 34 anos de história. 1991. Monografia (Graduação em Jornalismo) – Universidade do Vale do Rio dos Sinos, São Leopoldo, 1991.



Jornais e Revistas

JORNAL CORREIO DO POVO. Porto Alegre: Empresa Jornalística Caldas Júnior. Edições a partir de janeiro 01.01.57.

JORNAL FOLHA DA TARDE. Porto Alegre: Empresa Jornalística Caldas Júnior. Edições a partir de 01.01.57.

JORNAL FOLHA DA MANHÃ. Porto Alegre: Empresa Jornalística Caldas Júnior. Edição de 17.04.74.

REVISTA PRESS. Porto Alegre: Editora Press & Advertising. Edição n° 15, 2002.




Depoimentos
AMIR DOMINGUES. Apresentador da Rádio Guaíba. Entrevista pessoal em 28 de março de 2002. Rádio Guaíba, Porto Alegre.

IDALINO ASP VIEIRA. Editor do Departamento de Jornalismo da Rádio Guaíba. Entrevista pessoal em 20 de fevereiro de 2002. Rádio Guaíba, Porto Alegre.

MILTON FERRETTI JUNG. Locutor do Correspondente Aplub. Entrevista pessoal em 21 de fevereiro de 2002. Rádio Guaíba, Porto Alegre.

Arquivos de Jornais, Som e Imagem
CORREIO DO POVO- Arquivo de jornais do Correio do Povo

RÁDIO GUAÍBA- Arquivo de Vozes da Rádio Guaíba

UNIVERSIDADE DO VALE DO RIO DOS SINOS- Documentário Correspondente Renner – 34 anos de história. Direção de Carlos Alberto Cardoso. Arquivo de Fitas do Centro 3.


 Professor de Radiojornalismo e Telejornalismo da Faculdade de Comunicação Social da PUCRS. Mestre e Doutorando em Comunicação PUCRS.

1 A Rádio Guaíba, ligada à Empresa Jornalística Caldas Júnior, entrou no ar oficialmente ao meio-dia de 30 de abril de 1957.

2 Flávio Alcaraz Gomes nasceu em Porto Alegre em 25 de maio de 1927. Na fundação da Rádio Guaíba, assumiu o cargo de diretor comercial. Ingressou na Companhia Jornalística Caldas Júnior em 1944, onde trabalhou como revisor, repórter e redator do Correio do Povo e da Folha da Tarde. Atualmente escreve uma coluna diária no jornal Correio do Povo e apresenta na Rádio Guaíba, de segunda a sexta-feira o programa Flávio Alcaraz Gomes Repórter, a partir das 7h30min.

3Neu Reinert deixou a chefia do Departamento de Notícias em 1958, sendo substituído por Amir Domingues. Em 1960, o jornalista Orlando Liotto passa a comandar o departamento. Um ano depois, o posto é assumido por Remi Gorga Filho. Em 1962, assume José Erasmo Nascentes. Em 1976, Antônio Britto Filho, que deixa a emissora em 1978, e é substituído por Carlos Bastos. No final de 1979, entra na chefia do Departamento Luiz Figueiredo. Éridson Lemos entra no lugar de Figueiredo em 1983. Valdir Barbosa Paz assume a chefia em 1987 ficando até 1997, quando é substituído por Flávio Wornicov Portela.

4 Amir Domingues ingressou na Rádio Guaíba em 1957, ano de fundação da emissora. O jornalista atuava na Rádio Sociedade Gaúcha, de onde saiu para ingressar na Folha da Tarde e no Departamento de Notícias da Guaíba. O programa Agora vai ao ar de segunda a sexta-feira às 10h05min. O comentário de Amir Domingues pode ser acompanhado no Jornal da Tarde, de segunda a sexta-feira, às 16h30min. Domingues é também editorialista do Correio do Povo.

5 Domingues, Amir. Depoimento ao autor, Porto Alegre, 28.03.2002.

6 Ortriwano, ao descrever as atividades dos profissionais de rádio, afirma que a função básica do redator “é redigir, mas em certas ocasiões também seleciona as notícias e revisa o texto, principalmente no caso dos boletins” (1985, p. 100) Contudo, observamos que em muitas emissoras hoje o redator também atua como repórter, sendo responsável pela gravação de boletins que são irradiados.

7 Nascentes trabalhou no Diário da Noite, no Rio de Janeiro, e nos jornais da Caldas Júnior, Folha Esportiva e Folha da Manhã. Escreveu crônicas para a Folha da Tarde assinadas como Pingüim. Nascentes também foi um dos fundadores da TV Piratini. Faleceu em junho de 1988.

8 Nos primeiros anos da Rádio Guaíba, o setor chamava-se Departamento de Notícias. Hoje é identificado por Departamento de Jornalismo. Em nossas entrevistas, não conseguimos descobrir com clareza quando as mudanças de nome no departamento ocorreram. Observa-se, porém, que na metade da década de 60, matérias publicadas no jornal Correio do Povo, como no dia 30 de abril de 1967, referem-se ao Departamento de Radiojornalismo. A denominação Departamento de Jornalismo aparece na década de 70, como podemos confirmar no jornal Folha da Manhã de 17 de abril de 1974.

9 Os locutores Milton Ferretti Jung e Rui Strelow explicam que Floriano Côrrea atuava como um Chefe de Reportagem, embora não recebesse, na época, está designação. Jung explica que “depois do ‘Capitão’, era ele” (Depoimento ao autor, 22.02.2002).

10 A grade de programação apresentada foi publicada no dia 17 de abril de 1974 pelo jornal Folha da Manhã. Contudo, conforme como constatamos com o jornalista da Rádio Guaíba, Idalino Asp Vieira, ela não é precisa. Os horários do Correspondente Renner não estão claros, dando a entender que a edição das 20h15 tinha 30 minutos, fato que jamais ocorreu segundo os depoimentos coletados para este trabalho.

11 Jung, Milton Ferretti. Depoimento ao autor, Porto Alegre, 21.02.2002.

12 Domingues, Amir. Depoimento ao autor, Porto Alegre, 28.03.2002.

13 De acordo com Ortriwano, o repórter “é o responsável pela cobertura dos assuntos, deslocando-se até onde está a notícia. Coleta informações, realiza entrevistas, elabora mensagem informativa. Em rádio, é necessário que o repórter saiba verbalizar bem, falar de improviso e ter boa dicção para que o ouvinte possa entender as mensagens” (1985,p. 101). Observa-se hoje que o repórter de rádio precisa também conhecer softwares de edição de áudio, uma vez que, em muitas emissoras, ele mesmo opera os equipamentos de gravação. Na Rádio Guaíba, onde realizamos a presente pesquisa, os equipamentos de gravação ainda são operados pelos técnicos de áudio.

14 Na década de 70, os gravadores ainda eram equipamentos pesados, que prejudicavam a atuação do repórter na rua. Cabe aqui lembrar que o walkman, por exemplo, foi lançado pela Sony somente em setembro de 1979.

15 Mendes Ribeiro nasceu em 14 de julho de 1929, em Porto Alegre. Ingressou na Rádio Sociedade Gaúcha em agosto de 1951. Entrou na Rádio Guaíba em 1957 para assumir, além das atividades de locutor, a direção artística. Além de jornalista, foi professor, advogado, vereador, deputado estadual e federal. Faleceu em 10 de julho de 1999.

16 Atualmente, Carlos Bastos é Diretor de Telejornalismo da TV Educativa do Rio Grande do Sul..

17 Gerente de jornalismo.

18 A Produção da Rádio Guaíba é formada por um coordenador e dez produtores. É responsável pela elaboração, pauta e marcação de entrevistas para os programas da emissora. Trabalha em sintonia com o Departamento de Jornalismo, pois busca nos noticiários assuntos para pautas para os programas. Da mesma forma, o Jornalismo utiliza em seus noticiários informações divulgadas pelos participantes dos programas da emissora.



©principo.org 2016
enviar mensagem

    Página principal