RegionalizaçÃo e doutrina social da igreja



Baixar 33.85 Kb.
Encontro04.08.2016
Tamanho33.85 Kb.
REGIONALIZAÇÃO E DOUTRINA SOCIAL DA IGREJA


Numa perspectiva especificamente católica, não adiantarei muito sobre a “regionalização” prática e administrativa. O tema é daquela ordem que Cristo endossou a “César”, segundo a famosa frase evangélica: “Dai a César o que é de César e a Deus o que é de Deus” (Evangelho segundo São Mateus 22, 21), por isso mesmo distinta da ordem religiosa propriamente dita.
Vale a pena determo-nos um pouco aqui, porque este enunciado de Cristo foi e continua a ser completamente inovador nas relações entre religião e política. Fundando a autonomia do Estado (César), requer igualmente a autonomia da religião (Deus), ancorando nesta a liberdade do homem. Como ser social, dará à sociedade o que ela justamente requer; como criatura divina, terá em Deus a base e o horizonte da sua irredutibilidade a qualquer estatolatria. O Estado vale como Estado, mas não é Deus. O homem vale “antes” e “depois” do Estado e Deus garante-lhe essa dignidade.

Esta afirmação de Cristo deveria ter afastado de vez qualquer mistura de planos. Na perspectiva cristã autêntica, tanto seria abusiva a hierocracia, em que a religião absorvesse a esfera política, como abusivo é o laicismo, em que a política desconhece a dimensão religiosa do homem, quer no plano particular quer no social e cultural. O Compêndio da Doutrina Social da Igreja (S. João do Estoril: Pincipia, 2005 = CDSI), comenta assim o referido passo evangélico, no seu número 379: “Ele afirma que se deve dar a Deus o que é de Deus, condenando implicitamente qualquer tentativa de divinizar e absolutizar o poder temporal […]. Ao mesmo tempo, o poder temporal tem direito àquilo que lhe é devido: Jesus não considera injusto o tributo a César”.


Sabemos como tem sido difícil absorver e respeitar na prática esta “novidade” cristã. Cristo apresentou o seu Evangelho como uma semente que só pouco a pouco vai germinando, ou como fermento que vai levedando toda a massa. Demorámos séculos a tirar todas as consequências jurídicas e práticas da radical fraternidade que Cristo inaugurou, abolindo finalmente a escravatura, se é que já o conseguimos fazer na totalidade…
Este último exemplo é oportuno para o nosso ponto: evidencia como um posicionamento especificamente religioso – todo o homem é “irmão” do outro homem, porque todos temos um Criador comum – pode e deve ter consequências práticas, na ordem social, política e jurídica, pela abolição da escravatura e da descriminação abusiva. Por isso referi atrás que o homem – também na sociabilidade espontânea - vale “antes” e “depois” do Estado: antes, pela sua dignidade intrínseca, que o Estado não cria, mas salvaguarda; e depois, porque a ordem política não abarca toda a realidade humana, nomeadamente o “mundo” interior de cada um, a ordem do sentido e da aspiração.


É justamente aqui que pode ter cabimento alguma dedução cristã-católica sobre a regionalização, enquanto forma possível e activa de vizinhança e relacionalidade. Não sobre o seu processo político e administrativo enquanto tal, mas sobre a sua maior ou menor coincidência com o ser humano, enquanto pessoa = ser em relação.
Digamos, aliás, que, do ponto de vista cristão, a relacionalidade – ainda mais do que a simples sociabilidade - é intrínseca a cada um de nós, pois sendo “imagem e semelhança de Deus” só vivemos convivendo, como Cristo com Aquele de quem provém e para quem se orienta: o Pai. Sobre esta relacionalidade intrínseca do ser humano, da perspectiva judaica à cristã, leiam-se algumas passagens bíblicas, como as seguintes: Génesis 1, 26-27; Evangelho segundo São João 10, 30; 14, 9-11; 17, 11… Depois, a vida que entre Cristo e o seu Pai “circula” expande-se no Espírito e pelo Espírito, qual “alma do mundo”. Do ponto de vista filosófico e cultural, também não é insignificante o facto da consideração personalista do ser humano se ter desenvolvido exactamente em sociedades tocadas pelo cristianismo. E daqui sim, poderemos partir para algumas linhas sobre a regionalização, também deste ângulo.
Foram considerações congéneres, pensando a sociedade a partir das atitudes de Cristo, racionalmente ponderadas, que se constituiu a Doutrina Social da Igreja, ou pensamento social cristão. Há poucos anos, sistematizou-se essa reflexão no seu conjunto, sob a forma do já citado Compêndio da Doutrina Social da Igreja. Como se trata duma reflexão contínua, tendo em conta a vida social e mundial em constante evolução, outros documentos se foram acrescentando depois, relevando para a nossa temática a encíclica Caritas in Veritate do Papa Bento XVI (29 de Junho de 2009).
Basicamente tudo gira em torno de quatro pontos fundamentais, ou “princípios permanentes da doutrina social da Igreja”. São eles a dignidade da pessoa humana, o bem comum, a subsidiariedade e a solidariedade (cf. CDSI, nº 160).
A irredutível dignidade da pessoa humana faz desta um fim e não um meio disponível a qualquer manipulação: “Uma sociedade justa pode ser realizada somente no respeito pela dignidade transcendente da pessoa humana. Esta representa o fim último da sociedade, que a ela é ordenada […]. É necessário, portanto, que todos os programas sociais, científicos e culturais sejam orientados pela consciência do primado de cada ser humano” (CDSI, nº 132). Também se poderia dizer “do primado da humanidade de cada um”, considerando activamente tal “humanidade”, como imensa potencialidade a desenvolver.
Este princípio é constantemente respeitado na prática de Cristo: não desvaloriza nenhum dos seus interlocutores, antes suscita a respectiva auto-ultrapassagem, em relação a tudo o que o possa diminuir como vida plena e destino eterno. Confiram-se algumas passagens evangélicas, onde Jesus Cristo exorta à “libertação” de todo o tipo de materialismo entorpecedor da verdadeira realização pessoal, como, por exemplo, o diálogo de Jesus com o jovem rico, no Evangelho segundo São Mateus 19, 16 ss. Sendo comezinhos, não seria demais perguntarmo-nos sobre o modo como é ou não respeitada a dignidade humana, quando se insiste publicitariamente na ligação da “felicidade” ao consumo, mesmo na acepção mais duvidosa deste. E isto muito especialmente em relação aos mais novos, desmotivando-os de procuras mais solidárias da felicidade, própria e alheia, própria porque também alheia.
Consequentemente, o princípio do “bem comum” duma sociedade deve entender-se à luz sempre mais alta do princípio da “dignidade da pessoa humana”. Cresce para ela e em função dela: “Segundo uma primeira e vasta acepção, por bem comum entende-se: o conjunto das condições da vida social que permitem, tanto aos grupos como a cada membro, alcançar mais plena e facilmente a própria perfeição” (CDSI, nº 164).
Prende-se com esta finalidade a consideração mais qualitativa do que quantitativa do desenvolvimento. É a capacitação humana e humanística, também na dimensão agregativa, que distingue o verdadeiro desenvolvimento do mero crescimento. Ou seja, o bem comum duma sociedade garante-lhe tudo o que cada um dos seus membros requer para se realizar como pessoa entre pessoas, o que só atingirá com objectivos mais altos e duradouros do que a conveniência imediata, quando não grosseira. Requer o aperfeiçoamento constante daquilo que faz de nós entidades responsáveis, criativas e autenticamente livres: aquilo a que se chama inteligência, coração e vontade; ou noética, estética e ética, vida “espiritual” em suma; aquilo a que se chama também educação permanente, valores comuns e comprovados, vizinhança motivada e benfazeja.
Na perspectiva de Jesus Cristo, tudo isto era criação a cumprir inteiramente, naquele relacionamento cabal com Deus e com os outros a que chamava “Reino”. Retomem-se, por exemplo, algumas frases suas recolhidas no Evangelho segundo São Mateus 6, 19-21.31-33. “Não acumuleis riquezas aqui na terra, onde a traça e a ferrugem corroem, e onde os ladrões assaltam e roubam. Acumulai riquezas no céu, onde nem a traça nem a ferrugem corroem, e onde os ladrões não assaltam nem roubam. De facto, onde está o teu tesouro, aí estará também o teu coração. […] Portanto, não fiqueis preocupados, dizendo: Que vamos comer? Que vamos beber? Que vamos vestir? Os pagãos é que procuram essas coisas. O vosso Pai, que está no céu, sabe que precisais de tudo isso. Pelo contrário, em primeiro lugar buscai o Reino de Deus e a sua justiça, e Deus vos dará, em acréscimo, todas essas coisas”. Não nos alarmemos com o radicalismo das palavras de Cristo, porque elas visam precisamente sobressaltar-nos, isto é, levar-nos ao verdadeiro porquê das escolhas e dos propósitos, em termos pessoais e sociais: – Partimos das coisas para a vida, ou partimos da convivência para o mais, dando às coisas, a começar pelas imprescindíveis, um significado essencial de partilha generalizada, visando o desenvolvimento pleno?
O Papa Bento XVI insiste justamente neste ponto: “A verdade do desenvolvimento consiste na sua integralidade: se não é desenvolvimento do ser humano todo e de toda a pessoa, não é verdadeiro desenvolvimento” (Caritas in Veritate, nº 18). E, por contraste, não tem dificuldade em caracterizar a recente crise financeira, económica e social, como resultante duma concepção económica onde o “bem comum” era contrariado e o egoísmo largamente campeava. Daí mesmo teremos de sair, certamente com outro critério: “Os aspectos da crise e das suas soluções, bem como de um possível novo desenvolvimento futuro, estão cada vez mais interdependentes, implicam-se reciprocamente, requerem novos esforços de enquadramento global e uma nova síntese humanista. A complexidade e gravidade da situação económica actual preocupa-nos, com toda a justiça, mas devemos assumir com realismo, confiança e esperança, as novas responsabilidades a que nos chama o cenário de um mundo que tem necessidade duma renovação cultural profunda e da redescoberta de valores fundamentais para construir sobre eles um futuro melhor”. E o discurso papal torna-se quase programático: “A crise obriga-nos a projectar de novo o nosso caminho, a impor-nos regras novas e encontrar novas formas de empenhamento, a apostar em experiências positivas e rejeitar as negativas. Assim, a crise torna-se ocasião de discernimento e elaboração de nova planificação. Com esta chave, feita mais de confiança do que de resignação, convém enfrentar as dificuldades da hora actual” (Caritas in Veritate, nº 21).


É neste enquadramento, que Bento XVI adianta, entre várias outras, uma reflexão que se aproxima do nosso objectivo de agora. Verifica – como também outros verificaram, em mera perspectiva política - a limitação do poder regulador dos Estados, pela mobilidade dos capitais e dos meios de produção, que extravazam em muito as fronteiras e soberanias tradicionais. Quase para dizer que, sem pôr de lado a inelutável mundialização em curso, cada Estado se há-de reformular interna e externamente pela maior participação dos respectivos cidadãos. Escreve-o assim, num passo relevante: “Com uma melhor definição do papel dos poderes públicos, é previsível que sejam reforçadas as novas formas de participação na política nacional e internacional, que se realizam através da acção das organizações operantes na sociedade civil; nesta linha, é desejável que cresçam uma atenção e uma participação mais sentidas na res publica por parte dos cidadãos” (Caritas in Veritate, nº 24). Poder-se-ia dizer que, para renovar o Estado como primeiro órgão ao serviço do “bem comum”, é necessário preenchê-lo com muito maior cidadania activa por parte dos seus componentes humanos. – Também através da regionalização?
Integra-se neste contexto o princípio da “subsidiariedade”, a que a Doutrina Social da Igreja dá particular relevo, precisamente em função da pessoa humana: “É impossível promover a dignidade da pessoa humana sem que se cuide da família, dos grupos, das associações, das realidades territoriais locais, por outras palavras, daquelas expressões agregativas de tipo económico, social, cultural, desportivo, recreativo, profissional, político, às quais as pessoas dão vida espontaneamente e que lhes tornam possível um efectivo crescimento social” (CDSI, nº 185).
Tudo isto se entende a partir do conceito pleno e relacional de “pessoa”, que o cristianismo tem proposto e desenvolvido e que a filosofia ocidental, por ele motivada, tem aceite e aprofundado. Creio mesmo que no actual diálogo entre religiões e culturas esta é a contribuição específica que oferecemos, aliás aberta a enriquecer-se e complementar-se com contributos exógenos, que decerto não a diluirão. O ser humano não é uma abstracção numérica, como quereria o individualismo vulgar, nem uma referência absorvida pelas massas, como pretenderia o colectivismo estatista. Cada um de nós vive como convive, de modo responsável e criativo, nas agregações sucessivas em que cresce e se realiza, com contornos familiares e regionais que deve alargar mas não apagar. A particularidade não se opõe à universalidade, antes é o meio indispensável para a realização desta, na concretização livre e solidária de cada um.
Cristo era absolutamente “universal”, na intenção e na prática, mas transportou sempre as marcas da Galileia em que cresceu em ambiente familiar e local, onde trabalhou e escolheu os primeiros amigos e correligionários. No entanto, os episódios evangélicos, tão “regionais” nas referências, manifestam-se sempre aplicáveis em todos os séculos e continentes, resistindo às reduções “gnósticas” que pretendam esvaziá-los de substância concreta. Do particular ao universal, assim se realiza e garante a sociabilidade, continua o mesmo número do Compêndio: “É este o âmbito da sociedade civil, entendida como o conjunto das relações entre indivíduos e entre sociedades intermédias, que se realizam de forma originária e graças à ‘subjectividade criadora do cidadão’ (João Paulo II). A rede destas relações […] constitui o tecido social e constitui a base de uma verdadeira comunidade de pessoas, tornando possível o reconhecimento de formas mais elevadas de sociabilidade”.
O número seguinte é igualmente claro e apodíctico: “O fim natural da sociedade e da sua acção é coadjuvar os seus membros e não destruí-los nem absorvê-los (Pio XI)”. Para logo definir a subsidiariedade: “Com base neste princípio, todas as sociedades de ordem superior devem pôr-se em atitude de ajuda (subsidium) – e portanto de apoio, promoção e incremento em relação às menores. Desse modo os corpos sociais intermédios podem cumprir adequadamente as funções que lhes competem, sem ter que cedê-las injustamente a outras agregações sociais de nível superior, pelas quais acabariam por ser absorvidos e substituídos, e por ver-se negar, ao fim ao cabo, dignidade própria e espaço vital” (CDSI, nº186).
No presente debate sobre a regionalização, estes princípios da Doutrina Social da Igreja, partindo do procedimento de Cristo e da reflexão aplicada, serão certamente úteis, mesmo sem pretenderem ser excessivamente precisos. Trata-se, também, duma pedagogia social, diferente aqui do dito corrente: “quem quer vai, quem não quer manda”. Numa sociedade personalista temos de “demorar” um pouco mais em cada pessoa e em cada patamar, para que tudo resulte em envolvimento participativo e criativo. Com riscos, é certo, para propósitos mais voluntaristas, imediatistas e centralizadores; mas com ganhos maiores, no que respeita a humanidade compartilhada.
Valha de novo o exemplo de Cristo, ilustrado neste passo do Evangelho segundo São Mateus 14, 15 ss: “Ao entardecer, os discípulos chegaram perto de Jesus e disseram: ‘Este lugar é deserto e a hora já vai adiantada. Despede as multidões, para que possam ir aos povoados comprar alguma coisa para comer’. Mas Jesus disse-lhes: ‘Eles não precisam de se ir embora. Dai-lhes vós de comer’. Os discípulos responderam. ‘Só temos aqui cinco pães e dois peixes’. Jesus disse: ‘Trazei-mos cá’”. Como é sabido, daqueles pães e peixes Jesus conseguiu fazer alimento para muitos, mas não dispensou a colaboração dos discípulos, nem o pouco que lhe conseguiram oferecer. Do mesmo modo serão eles a distribuir o alimento à multidão e não Jesus directamente. Inspirador, na verdade.
Numa última referência, aludo brevemente ao quarto princípio permanente da Doutrina Social da Igreja, ou seja, à solidariedade, complemento indispensável da subsidiariedade, mesmo no que à hipótese regional respeite. Quase que podemos considerar a solidariedade como uma subsidiariedade “transversal”, pois requer entre todas as realidades congéneres a mesma atitude de estímulo e apoio que a subsidiariedade propriamente dita pede às instâncias superiores em relação aos corpos intermédios, na escala da sociabilidade humana.
Em Cristo, que manifesta comungar com Deus Pai o interesse original por todas as criaturas, tudo é absolutamente solidário, mesmo em relação a quem não seria de esperar. Assim mesmo o faz e o diz, propondo a quem queira ser seu discípulo que o faça também. Há mesmo quem considere tratar-se da nota mais autêntica e invulgar da solidariedade cristã, não desistindo de recuperar os próprios adversários. Leia-se, por exemplo, este trecho, sempre espantoso, do Evangelho segundo são Mateus 5, 43-48, onde o Fundador do Cristianismo vai muito além da própria religião que herdara: “Ouvistes o que foi dito: ‘Amarás o teu próximo e odiarás o teu inimigo!’ Eu, porém, digo-vos: amai os vossos inimigos e rezai por aqueles que vos perseguem! Assim tornar-vos-eis filhos do Pai que está no céu, porque Ele faz nascer o sol sobre maus e bons e cair a chuva sobre justos e injustos. Pois, se amais somente aqueles que vos amam, que recompensa tereis? Os cobradores de impostos não fazem a mesma coisa? E se cumprimentais somente os vossos irmãos, o que é que fazeis de extraordinário? Os pagãos não fazem a mesma coisa? Portanto, sede perfeitos como é perfeito o vosso Pai que está no céu’”. Daqui que o Compêndio possa lembrar, citando João Paulo II, que “Jesus de Nazaré faz resplandecer aos olhos de todos os homens o nexo entre solidariedade e caridade [= o amor que parte de Deus], iluminando todo o seu significado: à luz da fé, a solidariedade tende a superar-se a si própria, a revestir as dimensões especificamente cristãs da gratuidade total, do perdão e da reconciliação. O próximo […] deve ser amado, ainda que seja inimigo, com o mesmo amor com que o ama o Senhor…” (CDSI, nº 196).
Mas, mesmo sem colocar imediatamente a solidariedade neste patamar definitivo da caridade cristã, reconheceríamos decerto que só a benevolência activa e universal poderá superar definitivamente as concorrências negativas, por vezes tão destruidoras. Ainda mais hoje em dia, quer pelas perigosas possibilidades de extermínio, quer pela rápida mundialização e constante mediatização dos conflitos. Mesmo a nível mais limitado, não nos é possível promover o legítimo interesse particular – família, região, país – sem o ligar ao interesse geral e à atenção aos mais pobres, de perto ou de longe. Torna-se clara e mais evidente a definição do Compêndio: “O termo solidariedade […] exprime em síntese a exigência de reconhecer, no conjunto dos liames que unem os homens e os grupos sociais entre si, o espaço oferecido à liberdade humana para prover ao crescimento comum, que todos partilhem. A aplicação nesta direcção traduz-se no positivo contributo que não se há-de deixar faltar à causa comum e na busca dos pontos de possível acordo, mesmo quando prevalece uma lógica de divisão e fragmentação; na disponibilidade para se consumir pelo bem do outro, para além de qualquer individualismo e particularismo” (CDSI, nº194).


Termino com nova alusão à encíclica de Bento XVI, num trecho particularmente certeiro e sugestivo, que oxalá nos oriente na consideração dos interesses locais, regionais e nacionais, em feliz conjugação da subsidiariedade e da solidariedade, que não poderão subsistir uma sem a outra: “O princípio da subsidiariedade há-de ser mantido estritamente ligado com o princípio da solidariedade e vice-versa, porque, se a subsidiariedade sem a solidariedade decai no particularismo social, a solidariedade sem a subsidiariedade decai no assistencialismo que humilha o sujeito necessitado” (Caritas in Veritate, nº 58). Mesmo quando se trate dum “sujeito” colectivo e regional.
Manuel Clemente

*Texto solicitado pela Editorial Novembro


©principo.org 2016
enviar mensagem

    Página principal