Reinaldo Figueiredo



Baixar 29.98 Kb.
Encontro26.07.2016
Tamanho29.98 Kb.
Reinaldo Figueiredo
Um dos fundadores do tablóide O Planeta Diário e integrante do grupo Casseta & Planeta. Acaba de lançar Noite de autógrafos (Desiderata, 2010) com cartuns sobre grandes escritores da literatura brasileira e mundial. Seu primeiro livro foi Escândalos Ilustrados (Editora Codecri, 1984). Em 2007, lançou Desenhos de Humor (Desiderata). Colaborou com o jornal Pasquim e com as revistas Chiclete com Banana, Bundas, Jazz + e Piauí. Desenha cartuns, atualmente, para o Segundo Caderno do jornal O Globo.
Ricky Goodwin
Jornalista há 43 anos. Especialista em Humor, integrou a equipe do Pasquim por 13 anos, foi sub-editor da revista de humor MAD por 8 anos, e por 19 anos trabalhou com o grupo Casseta & Planeta. Esteve à frente de 136 exposições e eventos nas áreas da Artes Gráficas, como as Bienais Internacionais de Quadrinhos, o Festival de Humor do Rio, o mega-evento de quadrinhos Rio Comicon e o Salão Carioca de Humor. Há 22 anos dirige a PACATATU, empresa que distribui material de desenhistas brasileiros para jornais e revistas.
Luiz Ruffato
Um dos mais respeitados e premiados autores brasileiros contemporâneos.

Ruffato é autor, dentre outros livros, de Histórias de remorsos e rancores, (os sobreviventes) - que ganhou uma Menção Especial no Prêmio Casa de las Américas, de Cuba - e Inferno provisório, uma série composta por cinco livros, iniciada em 2005 com Mamma, son tanto felice e O mundo inimigo.


Ruffato é também organizador de diversos livros, como Entre nós: contos sobre homossexualidade e Mais 30 mulheres que estão fazendo a nova literatura brasileira. Recebeu o Prêmio APCA, o Prêmio Machado de Assis de Narrativa da Fundação Biblioteca Nacional e indicação para o Prêmio Jabuti com o livro Eles eram muitos cavalos (2001), que virou peça de teatro em 2003 e está publicado na Itália, na França e em Portugal. Este livro, aliás, é considerado um dos 10 mais importantes da literatura brasileira na última década.
Ana Paula Maia
Nascida no Rio de Janeiro, é autora dos romances “O habitante das falhas subterrâneas” (2003), “A guerra dos bastardos” (2007), “Entre rinhas de cachorros e porcos abatidos” (2009) e do recém-lançado “Carvão Animal”. Em 2006 publicou o primeiro folhetim pul da internet brasileira em 12 capítulos. Tem contos em diversas antologias, entre elas “25 Mulheres que estão fazendo a nova literatura brasileira” (2004) e “Sex’n’Bossa” (Itália, 2005). É um dos nomes mais expressivos da nova geração de escritores brasileiros.
Fabrício Carpinejar
Fabrício Carpi Nejar nasceu em 1972, na cidade de Caxias do Sul (RS). Filho de poetas - Maria Carpi e Carlos Nejar -, uniu os sobrenomes e seguiu o próprio caminho. Além de poeta e cronista, é jornalista, professor e mestre em Literatura Brasileira pela UFRGS. É autor dos livros de poesia "As Solas do Sol" (1998), "Um Terno de Pássaros ao Sul" (2000), "Terceira Sede" (2001), "Biografia de uma árvore" (2002), "Caixa de sapatos" (2003), "Cinco Marias" (2004) e "Como no céu/Livro de Visitas" (2005), do livro de crônica "O Amor Esquece de Começar" (2006) e dos infantis "Porto Alegre e o Dia em que a Cidade Fugiu de Casa" (2004) e "Filhote de Cruz-credo" (2006). Neste ano, o autor publica seu novo livro de poesia, "Meu filho, minha filha".
“Antes de ser um poeta, Carpinejar é um pesquisador da alma e dos apelos humanos, sintetizados e muitas vezes ampliados no território de sua vivência pessoal, na sua maneira de ver e sentir o mundo”, declarou Carlos Heitor Cony no texto Ilha nadando de costas. Assim como Cony, escritores do porte de Millôr Fernandes, Ignácio de Loyola Brandão e Antonio Skármeta vêm aclamando Carpinejar como um dos principais nomes da poesia contemporânea.

Affonso Romano de Sant’Anna
Poeta, cronista, ensaísta, professor e gestor cultural, Affonso Romano é autor de mais de 40 livros e tem unido, através de sua vida e obra, a ação à palavra. Escolhido pela revista Imprensa, na década de 1990, um dos dez jornalistas que mais influenciam a opinião pública, possui uma produção diversificada e consistente, que pensa o Brasil e a cultura do seu tempo.
Nascido em Belo Horizonte, tornou-se um dos organizadores da Semana Nacional de Poesia de Vanguarda logo no início de sua vida literária, em 1963, na sua cidade natal. Já nos anos 1970 levou a música popular, a poesia marginal e a literatura infanto-juvenil para dentro da universidade e desencadeou uma renovação teórica na área de Letras. Sant’Anna lecionou em universidades estrangeiras e nacionais e sua obra tem sido objeto de teses de mestrado e doutorado. Carrega no currículo vários prêmios nacionais, destacando-se o da Associação Paulista de Críticos de Arte pelo conjunto da obra. Alguns de seus textos foram convertidos em teatro, balé e música, e tem diversos CDs de literatura gravados com sua voz e na voz de atores como Paulo Autran. Ele está lançando dois novos livros: LER O MUNDO  e SISIFO DESCE A MONTANHA.
MARINA COLASANTI
Escritora e jornalista ítalo-brasileira, tem mais de 30 livros publicados, entre contos, poesia, prosa e literatura infanto-juvenil. Com o livro de contos “Uma ideia toda azul” ganhou o prêmio O Melhor para o Jovem, da Fundação Nacional do Livro Infantil e Juvenil. Em 2010 recebeu o Prêmio Jabuti pelo livro Passageira em Trânsito. Este ano foi uma das 10 finalistas do Prêmio Portugal Telecom de Literatura, com o livro Minha Guerra Alheia. Escreve todas as quartas-feiras no jornal Estado de Minas.
Ana Martins Marques
É belo-horizontina, formada em Letras e doutora em Literatura Comparada, ambas pela UFMG. Ganhou em 2007 o Prêmio Cidade de Belo Horizonte, na categoria Poesia – autor estreante, e em 2008 foi novamente premiada na categoria Poesia. “Coloquial, bem-humorada e cheia de autocrítica, a jovem poeta mineira assemelha-se à conterrânea Adélia Prado ao enxergar grandeza no prosaico”, assim a define Fabrício Carpinejar, poeta, cronista e jornalista.
Ana Elisa Ribeiro
É cronista do Digestivo Cultural desde 2003 e ex-editora de fanzines e blogs de literatura. Também poeta, lançou três livros do gênero: Poesinha, em 1997, Perversa, 2002, e Fresta por onde olhar, de 2008. Já participou de diversos eventos e documentários sobre poesia.
Mônica de Aquino
É belo-horizontina. Publicou seu primeiro livro, Sístole, em 2005, parte da coleção Canto do Bem-te-vi da editora carioca Bem-te-vi. Neste mesmo ano foi convidada para integrar a antologia O Achamento de Portugal, organizada pelo poeta Wilmar Silva. Mônica já teve seus poemas publicados em páginas eletrônicas do Brasil e do exterior.

Sonia Haddad
Natural da cidade do Rio de Janeiro. Desde 1979 reside em São João del Rei. É formada em Letras – com ênfase em Português-Inglês. Tem pós-graduação em Teoria Literária e Teoria e Práticas da Leitura pela PUC-Rio, e especialização em Literatura Infantil e Juvenil pela PUC-BH.
É educadora; poeta; narradora de histórias para crianças; pesquisadora do Núcleo de Ensino e Pesquisa em Ciências Humanas, em Belo Horizonte; e professora da Oficina de Extensão do FELIT de Produção Literária e Formação de Jovens Autores.
Ronaldo Simões Coelho
Médico psiquiatra e escritor, nascido em São João del-Rei. Tem diversos livros publicados, principalmente infanto-juvenis, muitos considerados altamente recomendáveis pela FNLIJ, alguns selecionados pela Biblioteca Internacional da Juventude e incorporados ao catálogo White Raven, muitos deles representando o Brasil em feiras internacionais, com tradução no México e na Bolívia. Seu livro Bichos, de 2010, recebeu o prêmio de melhor livro infantil de 2009 pela FNLIJ, com premiação também pela Fundação Biblioteca Nacional e seleção pelo PNBE, e foi classificado como um dos cinco melhores livros de literatura infantil do Brasil pela Biblioteca Internacional de Munique, tendo sido indicado para o Prêmio Jabuti. Tem livros publicados pela FTD, Ática, Positivo, RHJ e outras editoras. É conferencista, dá cursos sobre a arte de ouvir e de contar histórias, é tradutor, faz parte do grupo de contadores de histórias Expresso Minino, membro da Sociedade Brasileira de Médicos Escritores e sócio-fundador da Sociedade Brasileira de História da Medicina.
Angela Lago
A autora e ilustradora Angela-Lago nasceu em Belo Horizonte (MG), em 1945. Desde 1980, já publicou cerca de trinta livros no Brasil e no exterior, além de ter ilustrado mais de quinze títulos de outros autores. Sua preferência são os livros infantis. Formada em serviço social, morou na Venezuela e na Escócia, onde estudou desenho gráfico. Quando voltou ao Brasil, em meados dos anos 1970, resolveu fazer o que mais gostava: contar histórias. Recebeu diversos Prêmios Jabuti e da Fundação Nacional do Livro Infantil e Juvenil (FNLIJ) e outros internacionais, na França, na Espanha e na Bienal de Bratislava. Por três vezes, foi a candidata brasileira ao Prêmio Hans Christian Andersen de Ilustração do International Board on Books for Young People (IBBY). O livro Cena de rua (1994), incluído em uma coletânea da Abrams Press, de Nova York, foi selecionado entre os quinze melhores livros de imagens do mundo.

Maria Ângela de Araújo Resende
Professora de Literatura Brasileira e Teoria da Literatura na Graduação e no Mestrado em Letras da Universidade Federal de São João del-Rei – UFSJ. É Mestre em Teoria Literária pela UFMG e Doutora em Literatura Comparada também pela UFMG, além de pesquisadora em arquivos e acervos literários e das Poéticas da Modernidade e coordenadora do Grupo de Pesquisa Memória e Modernidade UFSJ/ CNPq.

Foi Pró-Reitora de Extensão e Assuntos Comunitários na Universidade Federal de São João dle-Rei - UFSJ – 1999 a 2001, coordenadora geral do Inverno Cultural da UFSJ, anos 1998-1999 e 2000, coordenadora da área de Literatura do Inverno Cultural da UFSJ em 2007 – homenagem a Guimarães Rosa e co-autora do Projeto FELIT (2007) e curadora do I FELIT.


Carola Saavedra
Chilena radicada no Brasil desde os três anos de idade, Carola teve toda a sua formação intelectual no Brasil, e por isso se sente uma “típica brasileira”. Formada em jornalismo, após a conclusão do curso mudou-se para a Alemanha para fazer um mestrado em Comunicação Social e acabou por fixar-se na Europa por mais de 10 anos, em vários países.
Seu primeiro livro - “Do lado de fora” (contos, 2005) - nasceu após o tempo em que esteve na Alemanha e fala da experiência de um não pertencimento a lugar algum - sentimento vivido por Carola até o ingresso no mundo da literatura. Desde então ela não parou mais de escrever, seguindo-se três romances: “Toda Terça” (2007); “Flores Azuis” (2008), eleito melhor romance pela Associação Paulista dos Críticos de Arte, finalista dos prêmios São Paulo de Literatura e Jabuti; e em 2010 “Paisagem com dromedário”, com o qual ganhou o prêmio Rachel de Queiroz na categoria Jovem Autor e é finalista, agora, do Jabuti. Os três romances foram editados pela Companhia das Letras. Ela também participa de várias antologias.
Tatiana Salem Levy
Com pouco mais de 30 anos de idade, Tatiana Salem Levy teve uma estréia arrebatadora como ficcionista. Seu primeiro romance “A Chave de Casa” (Record, 2007) foi o vencedor do Prêmio São Paulo de Literatura de 2008 na categoria “Melhor Livro do Ano – Autor Estreante” e também finalista do Prêmio Jabuti, principal premiação da literatura brasileira, no mesmo ano. O livro – já lançado em cinco países – vai ganhar também as telas de cinema, adaptado pelo diretor Toniko Mello (o mesmo do longa Vips, recém lançado).
Tatiana cresceu cercada pelos livros e desde cedo se dedica a eles. Ela possui graduação, mestrado e doutorado em literatura e é tradutora de francês – já traduziu a biografia da filósofa alemã Hannah Arendt. Também é autora do ensaio "A Experiência do Fora: Blanchot, Foucault e Deleuze", e seus contos foram publicados nas coletâneas "Paralelos" (2004) e em "25 Mulheres que Estão Fazendo a Nova Literatura Brasileira" (2005). Está lançando agora um novo romance.
Lucas Figueiredo
Jornalista e escritor, Lucas Figueiredo nasceu em Belo Horizonte em 1968. Foi repórter da Folha de S.Paulo, atuando em Brasília e São Paulo, e colaborador de O Estado de S.Paulo, Caros Amigos, Playboy, Superinteressante, Nossa História, Revista MTV e Defue Sud (Bélgica), entre outras publicações. Também realizou coberturas no Peru para o serviço brasileiro da rádio BBC de Londres.

Recebeu os prêmios Esso (2007, 2005 e 2004), Jabuti (2010), Vladimir Herzog (2009 e 2005), Imprensa Embratel (2005) e Folha (1997), entre outros. Agraciado pelo site Jornalistas & Cia com o mérito Grandes Jornalistas (2010) por estar entre os quinze repórteres brasileiros mais premiados no período 1995-2010.



Publicou diversos livros-reportagens, como Morcegos Negros e Ministério do Silêncio. Seu livro mais recente, Boa Ventura, trata sobre a corrida do ouro no Brasil colonial do século XVIII, mais precisamente entre os anos de 1967 e 1810.

MARIA ESTHER MACIEL
Maria Esther Maciel, escritora e professora de Teoria da Literatura e Literatura Comparada da Faculdade de Letras da UFMG e doutora em Literatura Comparada pela mesma instituição, com Pós-Doutorado em Cinema pela Universidade de Londres. Suas publicações incluem os seguintes livros: As vertigens da lucidez  - poesia e crítica em Octavio Paz; Vôo transverso – poesia, modernidade e fim do século XX; A memória das coisas – ensaios de literatura, cinema e artes plásticas; O cinema enciclopédico de Peter Greenway (org.), O livro de Zenóbia (ficção), O livro dos nomes (ficção), O animal escrito (ensaios) e As ironias da ordem (ensaios). Seu projeto atual, com bolsa de Produtividade do CNPq, institula-se “Zooliteratura brasileira: animais, animalidade e os limites do humano”. Ela é natural de Passos (MG) e escreve todas as terças-feiras no Estado de Minas.


FRANCISCO DE MORAIS MENDES
Escritor e jornalista, publicou os livros de contos Escreva, querida (Mazza, 1996) e A razão selvagem (Ciência do Acidente, 2003). Resenhou livros nos jornais Correio Braziliense e O Tempo, no qual foi cronista durante sete anos. Publicou contos no jornal Rascunho, de Curitiba, na revista eletrônica Paralelos, nos ônibus de BH (projeto A teia e o texto), e no site do Letras e Ponto. Tem sete prêmios literários, entre eles o Cidade de Belo Horizonte e o Minas de Cultura. A razão selvagem foi semifinalista do Prêmio Portugal Telecom, em 2003. Acaba de lançar o livro de contos Onde terminam os dias (7Letras). Nascido em Belo Horizonte.

Cibele de Moraes
Jornalista lotada na Assessoria de Comunicação da Universidade Federal de São João del-Rei (UFSJ), graduou-se na Federal de Minas Gerais e especializou-se em Literatura Brasileira na antiga Funrei. Mestranda em Letras na UFSJ.

Jairo Faria Mendes
Professor e coordenador do Curso de Comunicação Social/Jornalismo da UFSJ. Graduado em Comunicação Social/Jornalismo pela UFMG, mestre em Comunicação e Cultura pela UFRJ e doutor em Comunicação Social pela Universidade Metodista de São Paulo. Coordena, desde 2010, a área de literatura do Inverno Cultural da UFSJ. Autor do livro de poemas “O Ovo do Minerim: Poesias iguais a poesias diferentes” (Jararaca Books, 2011), além de obras acadêmicas como “O Ombudsman e o Leitor” (O Lutador, 2003). É co-autor dos livros “Pedagogia da Comunicação” (Angelara, 2006) e “Imprensa Brasileira: Personagens que Fizeram História” (Imprensa Oficial de São Paulo, 2008).


©principo.org 2016
enviar mensagem

    Página principal