ReintegraçÃo cósmica. (Integral dos três livros juntos )



Baixar 1.88 Mb.
Página14/29
Encontro29.07.2016
Tamanho1.88 Mb.
1   ...   10   11   12   13   14   15   16   17   ...   29

Contexto Histórico
A análise dos fatos históricos, tendo por trás o pano de fundo da eterna realidade espiritual que rege os aspectos transitórios das evoluções planetárias, será a base central dos temas a serem abordados nos livros que compõem esse grupo.

Contexto Religioso
Sob a ótica espiritual serão analisados os movimentos religiosos terrestres, separando-se o que é instrumento de aprendizado da Espiritualidade Maior e o que representam as criações dos próprios homens dentro do contexto religioso. Há muito de criação humana que foi apresentado como sendo de origem divina. E muito do que de divino foi apresentado à Terra terminou por sofrer distorções promovidas pelas limitações e inclinações menores do gênero humano terrestre. Os livros aqui agrupados fornecem alguns padrões de reflexão para tais assuntos.

PROJETO ORBUM

PROJETO ORBUM
FILIE-SE ESPIRITUALMENTE A ESTA IDÉIA

MANIFESTO
DECLARAÇÃO DE PRINCÍPIOS DA CIDADANIA PLANETÁRIA.”

Princípios:
EXERÇA PLENAMENTE a sua nacionalidade, mas não esqueça: somos todos cidadãos planetários.

Por conseguinte, formamos uma só família ante o cosmos. É bom recordar que, para quem nos vê de fora, nada mais somos do que uma família vivendo em um berço planetário.


SE SOMOS UMA FAMÍLIA, torna-se inconcebível

a falta de indignação diante do estado de miséria – tanto material quanto espiritual – em que vive grande parcela dos irmãos e irmãs planetários.


EXISTE UMA FORÇA política na sociedade que, quando estrategicamente direcionada, exerce em toda sua plenitude o direito e o dever de cobrar das forças estabelecidas o honroso cumprimento dos direitos humanos. Essa “força íntima” é pacífica porém ativa; suave na tolerância, jamais violenta, mas perene na exigência contínua de se construir a paz, a concórdia

e a inadiável consciência quanto à necessidade de se melhorar as condições do nível de vida na Terra. Exercer essa força no cotidiano das nossas vidas, agindo localmente com a atenção voltada para o aspecto maior planetário, é dever de cada um e de todos.


RESPEITAR AS FORÇAS políticas estabelecidas, os governos regionais e nacionais; valorizar as organizações representativas de caráter mundial - imprescindíveis para a evolução terrestre - mas, acima de tudo, pregar a necessária consciência da unidade planetária perante o cosmos.
NA VERDADE, SOMOS todos cidadãos cósmicos no exercício eventual de uma cidadania planetária, como de resto o são todos os irmãos e irmãs espalhados pelas muitas moradas do Universo.

Porém, devido ao atual estágio de percepção que caracteriza a quem vive na Terra, buscar a consciência do exercício pleno da cidadania, seja em que nível for, é a grande meta a ser atingida.


SE VOCÊ CONCORDA com os princípios e objetivos da cidadania planetária, junte-se a nós em pensamento, intenção e atitudes. Assuma consigo mesmo o compromisso maior de construir na Terra esta utopia, que foi e é o objetivo de muitos que aqui vieram ensinar as noções do exercício pleno da cidadania cósmica, testemunhando o amor como postura básica

e essencial na convivência entre os seres.


PROPAGUE ESTA IDÉIA, em especial para as

novas gerações.


SONHE E TRABALHE por um mundo melhor. E saiba que muitos estão fazendo exatamente o mesmo.
ESTA É UMA MENSAGEM DE FÉ e de esperança na vida e na nossa capacidade de dignificá-la cada vez mais.

Jan Val Ellam

Jan Val Ellam




CARMA

E

COMPROMISSO
Trilogia:Queda E Ascensao Espiritual Livro Iii

Um Preparação para o Grande Dia Da Renovação

Jan Val Ellam



Carma e Compromisso
TRILOGIA:

QUEDA E ASCENSAO ESPIRITUAL

Livro III

UM PREPARAÇÃO PARA O GRANDE DIA DA RENOVAÇÃO




PROJETO TERRA

À
Val Ellieh,Val Elliah e Yel Liam, companheiros de desdita e de redenção.



Carma e Compromisso

Este livro conclui a trilogia Queda e Ascensão Espiritual.


Nos diversos painéis dessa triste e longa história, eivada de tantos equívocos, estão representados os motivos da queda no padrão existencial devido a uma brutal "febre vibratória" que acometeu a todos os rebeldes — como também as razões da ascensão, mesmo que lenta, que da hoje caracteriza o estado evolutivo da maioria dos que, no passado, resolveram seguir Lúcifer.
Quanto ao combustível que nos promove a presente escalada rumo à verticalidade sublime proposta por tidos os mestres da humanidade terrena, decorre do esforço e do livre-arbítrio de cada um de nós que, embalados pelo zelo do Pastor Cósmico que não esquece as ovelhas do seu rebanho, entoa amoroso chamamento para a necessária busca da redenção espiritual.
Portanto, apesar de dolorosa e difícil, nossa jornada é de esperança.
Honrando o Seu esforço em nos ajudar para que possamos nos reintegrar à convivência com os irmãos e irmãs de outros mundos, é que orer tamos mais este trabalho.

Reflexão do Velho Codificador de Zian:

"O que poderia acontecer com uma comunidade de seres que, faltos de maior maturidade espiritual, iludidos quanto aos fins e criminosamente equivocados quanto aos meios, revoltou-se contra toda uma ordem estabelecido, propagando em certa região do cosmos uma espécie de doença vibratória que a impedia de conviver com as demais'




TRILOGIA QUEDA E ASCENSÃO ESPIRITUAL
Livro I - Reintegração Cósmica

Livro II - Caminhos Espirituais

Livro III - Carmo e Compromisso

Índice.
O "Projeto Terra". 8

Esclarecimento. 10

I. Primórdios de uma Época. 11

1. Passado Cósmico 12

2. Capela — Sede Sistêmica. 17

3. Proximidade ao Mestre 20



II. Problemas em Capela. 25

1. As Inquietações de Lúcifer. 26

2. Os Postulados. 31

3. Influência Luciferina. 41

4. Os Seguidores. 46

5. Ausência de Discernimento. 56



III. Exílio. 61

1. Novas Necessidades. 62

2. Opções Equivocadas. 69

3. Acompanhamento do Mestre. 74

4. Roteiro do Exílio. 76

5. Opção: Terra. 85



IV. Missão "Planeta Azul". 90

1. Chegada dos Exilados. 91

2. Progresso Espiritual 102

3. Decadência Atlante. 106

4. Agrupamentos Afins. 118

5. Preparação do Caminho 127

6. Inclinações do Passado. 132

V. Meta Espiritual. 136

1. Compromisso de um Grupo. 139

2. Ainda no Império Romano 143

3. Tentativas Recentes. 146

4. Sucessos e Fracassos. 151

VI. Redenção Espiritual. 154

1. O Século XIX. 155

2. Esforço Atual. 161

3. Trabalhos Futuros. 168

4. Marco Evolutivo. 173


Cronologia de Eventos. 178

Passado e Presente 180

Trilogia: Queda e Ascensão Espiritual. 183

Esclarecimento Estratégico 194

Contexto Filosófico – Espiritualista 194

Contexto Cósmico 195

Contexto Terrestre 195

Contextos Elucidativos 195

Contextos Doutrinários 196

Contexto Histórico 196

Contexto Religioso 196


Projeto Orbum 197

O "Projeto Terra".

Em função de inúmeras informações provenientes de outros orbes, ou mesmo dos ambientes espirituais da Terra, através de entidades que têm por meta relembrar um passado distante e ao mesmo tempo presente em muitos de nós, a Editora do Conhecimento inicia uma nova fase com o objetivo de divulgar conhecimentos reais e necessários neste momento por que passa a humanidade.


O projeto Terra é também um sonho antigo, pois de há muito ouvimos informações oriundas de inúmeras fontes, a respeito da Terra e de sua humanidade. A participação de seres de hierarquia celeste em serviço em nosso orbe, atuando em dimensões mais sutis, nos faz sair da posição de observador para levar a outros interessados estas informações, que deverão ser analisadas por cada um de maneira a sentir o conteúdo da mensagem, com o coração e mente abertos, deixando de lado o preconceito ante o inusitado.
Às portas do terceiro milênio, a evolução tecnológica nos atropela a cada instante; devemos estar preparados, desde já, para que os véus que nos impedem a visão de outros painéis da existência sejam descortinados. As conseqüências, de imediato, serão uma mudança de paradigma, com profundas alterações no campo social, cultural, religioso e tecnológico.
Há algum tempo já se tornaram comuns mensagens de diversos seres de outros orbes: Andrômeda, Sírius, Capela, Plêiades, Vega, etc. Não cabe a nós uma análise mais apurada dessa fenomenologia, pois corremos o risco de ncorre em julgamento equivocado. É certo que em um universo de mensagens, teremos de usar o bom senso na seleção do material a ser publicado, onde a tônica seja o Amor, por se tratar de uma lei universal. Sabemos das dificuldades de aceitação para o novo, em algumas mentes comprometidas com concei os seculares de medo, subjugação, controle, poder, et entro do universo espírita, por exemplo, sabemos das dificuldades que muitos enfrentam, no momento em que novas informações não encontram reflexo nos ensinamentos deixados por Allan Kardec ou do que deles se interpreta. De fácil compreensão, essa prudência deverá ser utilizada, porém sem fechar a porta para o novo, observação esta feita pelo próprio Kardec.
Jesus de Nazaré nos deixou o legado de "muitas moradas na casa do Pai", mostrando a diversidade de irmãos existentes no universo. Como irmãos, devemos esperar, portanto, de outros irmãos, o apoio em momentos difíceis como este que estamos vivendo.
Localizados em outros níveis vibratórios, estes seres nos resgatam lembranças de antigos compromissos assumidos para um determinado período. Este período se encontra em fase final, daí o enorme volume de avisos que nos chegam. Devemos escutá-los, fazendo esforço para bem compreendê-los, pois a dificuldade encontrada por esses seres para se fazerem entendidos através da nossa pobre linguagem é muito maior do que se imagina. Muitos falam a linguagem do Amor, oriunda de níveis onde o sentimento é a linguagem corrente. Encontram-se em planos desprovidos da roupagem carnal como a nossa, acessando a fonte individual de memória permanente, que nós encarnados não podemos acessar.
Esperamos que esta breve abordagem possa servir de alerta para que os nossos corações se abram para os novos ensinamentos, buscando, em nosso interior, orientação e ajuda para compreendê-los, tendo no Evangelho de Jesus a base e os parâmetros necessários para a análise moral e ética das informações.
A história aqui relatada diz respeito ao resgate de nossa memória cósmica, nosso compromisso de retorno às origens após aprendermos a lição passada em tempos (terrestres) remotos, e nos fortalece ante a afirmação de não estarmos sós.
Com essa trilogia, a Editora do Conhecimento inicia sua jornada de ouvir as Estrelas, e convida seus leitores para, juntos, fazerem essa viagem.

Os editores.



Esclarecimento.

Há certos episódios que são incomuns dentro da ótica terrena. O que aqui será apresentado, até sob a ótica cósmica, também assim poderia ser classificado. Temos consciência de que a muitos poderá chocar e a outros surpreender positivamente. Além do que, para alguns, será visto como obra de ficção. Entretanto, o conjunto de todas as ocorrências que serão descritas é verdadeiro.


A bem da verdade, as informações constantes neste livro, compõem as páginas da história de um grande conjunto de individualidades espirituais que estão congregadas na Terra desde há muitos milênios.
Complementando os livros anteriores, Reintegração Cósmica e Caminhos Espirituais, encerra-se a presente trilogia, com o aprofundamento de alguns temas já apresentados e o acréscimo de outros, tendo por pano de fundo, o longo caminho de equívocos daqueles que um dia estiveram tão próximos ao Mestre, mas que, por opções tresloucadas, comuns aos espíritos dominados pelo orgulho doentio, O traíram.
Após o exílio e já congregados na Terra muitos milênios depois, estavam, quatro dessas individualidades espirituais, encarnadas nas personagens dos dois zelotes crucificados ao lado de Jesus, do centurião romano que comandou a crucificação e um dos que O seguiam mais de perto. Não O reconheceram!
Hoje, todos novamente encarnados, já conhecedores dos equívocos cometidos e desejosos de por Ele trabalharem no rumo da consecução do grande Ideal de Fraternidade Cósmica, bandeira maior do esforço constante do Mestre, esforçam-se para algo fazerem em benefício do próximo, buscando a redenção dos próprios espíritos.
Desmerecidos para tanto, porém, convocados pelo amor de Jesus que a todos abraça nos muitos caminhos da evolução de seres tão complicados diante das leis divinas, é que apresentamos mais este trabalho de esclarecimento fraterno para os irmãos e irmãs em curso evolutivo.
Que a Sua paz seja conosco!
Atlan, 14 de junho de 1996.
Jan Val Ellam.


  1. PRIMÓRDIOS DE UMA ÉPOCA

"Milhões de anos atrás...

Tanto já havia acontecido na Terra...

Mas esse passado longínquo apenas no futuro será percebido.

No presente, apenas o ontem cósmico imediato suportável, terá seu momento".

Das Crônicas Celestes do Velho Codificador de Zian.



I. PRIMÓRDIOS DE UMA ÉPOCA.

CAPÍTULO UM

Passado Cósmico.

Há tempos atrás, cerca de três milhões de anos terrestres, no planeta Orbum, no sistema de Capela, que é a sede da governadoria do Mestre dos Mestres, ocorreu um magnífico encontro entre os representantes dos diversos conselhos sistêmicos. O conjunto desses membros forma o colegiado que assessora o Mestre, no que se refere ao planejamento e acompanhamento de tudo o que ocorre na parte da galáxia Via Láctea que está sob o jugo de Sua administração amorosa.


Diversas eram as falanges de seres presentes ao encontro. Além do Mestre e de mais alguns outros representantes dos mundos de Capela que O assessoram mais de perto, ali estavam os admiráveis mestres de Vega e de Antares, os digníssimos representantes das universidades dos mundos de Tau Ceti, os seres especialíssimos da Próxima Centauri e dignitários dos mundos de Epsilon Eridani e de muitos outros sistemas planetários, todos para, juntamente com o Mestre, decidirem os rumos futuros de uma parte do conjunto de mundos que Lhe estavam subordinados.
Reunidos em amplo ambiente de singela e natural beleza — indescritível pelo padrão das palavras terrenas porquanto teríamos que falar de cascatas de luz, atmosfera ambiente colorida, etc. — cerca de quatrocentas entidades ali se confraternizavam em mais uma espécie de conclave que, de tempos em tempos, era convocado pelos mestres de Capela.

Em ambiente propício ao congraçamento, representantes de todas as correntes de trabalho da evolução cósmica e de grupos afins de muitos orbes, trocavam experiências e informações que enriqueciam a todos. Esse tipo de convivência e troca incessante de conhecimentos é fato normal e comum na vida cósmica. Da mesma forma que sabemos ser normal e muito produtivo para as nações da Terra a constante troca de procedimentos científicos e tecnológicos e que, esse fato é propulsor de progresso e evolução para toda a comunidade planetária, por que não seria também para a convivência cósmica das civilizações interplanetárias?



Um pouco mais e o nosso planeta voltará a coexistir com outras realidades que nos cercam, mas que, por termos sido alijados dessa convivência temporariamente, tiveram os seus circuitos de comunicação e tráfego interrompidos até que se completasse o chamado período de quarentena que ora se encerra com a reintegração cósmica da Terra.
Conversavam todos, fraternalmente, em grupos que se distribuíam pelo ambiente quando, em dado momento, passaram a sentir a vibração divina inigualável do Mestre que se aproximava para presidir o maravilhoso encontro.
Receberam-No em amoroso silêncio, enquanto do íntimo de cada um dos que ali estavam congregados partiam as mais altas emissões fluídicas de reconhecimento, gratidão e amor pelo Irmão Maior.
Ele, por Sua vez, envolveu a todos com Seu olhar e sorriso suaves. Irresistivelmente atraídos pelo Seu magnetismo pessoal, quedaram-se emocionados pela presença do Mestre que, de um local que Lhe era normalmente reservado ante a assembléia, dirigiu-se a todos: "Amados Irmãos e Irmãs do Conselho dos Mundos, honremos o Amor do Pai na nossa busca incessante do aprimoramento interior."
"Agradecendo a todos pelo atendimento à nossa solicitação de concurso fraterno, uno às vossas as minhas intenções e expectativas de, em breve, realizar mais uma etapa de expansão das possibilidades de deslocamento entre as comunidades siderais que se potencializam e trafegam principalmente no espectro físico-material do Cosmos."
"Para esses irmãos e irmãs que têm as suas sedes conscienciais atualmente inseridas dentro dos limites vibratórios do campo primário existencial das realidades transitórias do Espírito, essa etapa proporcionará avanços que muito nobilitarão o esforço e o mérito conquistados ao longo das experiências evolucionistas."
"Para nós, que já recebemos a graça da Deidade de também podermos potencializar as nossas consciências em níveis existenciais mais avançados, significará trabalho evolutivo de muitas conquistas no campo das aquisições do Espírito, como também, na expressão dos nossos mais íntimos sentimentos de solidariedade e cooperação para com eles."
"Sem o desenvolvimento das possibilidades tecnológicas comuns às realidades transitórias que têm no campo físico a base de experiências para as suas lutas renovadoras, grande parte dos filhos e filhas do Pai, em curso evolutivo pelo cosmos, demoraria mais e mais nas tendências ao estacionamento evolutivo com a conseqüente acomodação que, infelizmente, ainda caracteriza os que se congregam nos níveis existenciais de vibrações mais modestas."
"Devemos, portanto, congregar as nossas atenções e esforços no acompanhamento dessas comunidades, para que a harmonia da graça da vida cósmica possa, a seu turno, edificar-se cada vez mais entre as mesmas."
"Entretanto, antes de expressarmos com atitudes operativas a consecução das nossas intenções, devemos, antes, proceder com a escolha criteriosa dos mundos atualmente desabitados, pertinentes à faixa vibratória físico-material, que servirão de sede para as bases de apoio e, em especial, daquele que, dentre todos, servirá como o futuro planeta-plataforma para a expansão das possibilidades da convivência cósmica."
"Aqui congregados estamos todos nós que temos a responsabilidade diretiva sobre as comunidades cósmicas que nos são afins. Estudemos, pois, os resultados preliminares das avaliações que já foram feitas pelos representantes das universidades de Tau Ceti."
"Esses concluíram não ser conveniente a edificação da base sideral com fins de lançamento — devido às emanações magnéticas resultantes de operação de tal porte — em mundos já habitados. Assim sendo, devemos buscar outras alternativas além da única até o momento idealizada quanto à utilização de um dos mundos do sistema de Antares."
"Procedamos, portanto, o encaminhamento das pesquisas com vistas a esse mister. Quando forem concluídos os novos postulados voltaremos a nos reunir para a escolha definitiva."
E continuou o Mestre a comentar com Seus assessores outros aspectos da administração celeste que compunham a pauta daquele encontro memorável, pois muitas são as matérias e campos de estudo da vida cósmica.
Diversos são os caminhos do Espírito na longa jornada evolutiva. Em especial quando este se encontra ainda trilhando os estágios existenciais primários da consciência. Por sua vez, esses estágios ocorrem através das múltiplas vidas levadas a efeito nos mundos transitórios onde, no caso da Terra e muitos outros pertencentes ao mesmo nível, penetra-se através dos nascimentos em corpos característicos à realidade locais e deles somente é possível sair através da morte desses mesmos veículos temporários.
Em cada uma dessas realidades transitórias existe um conjunto específico de valores, hábitos, tendências e possibilidades. Para cada existência em um corpo temporário — no caso terreno esse processo chama-se encarnação, ou seja, o espírito assume um corpo carnal — há sempre um programa de esforço evolutivo.
Invariavelmente o conteúdo programático da encarnação será fator resultante das conquistas já alcançadas pela individualidade que irá nascer para o mundo físico-material, das suas necessidades de currículo espiritual ainda a serem preenchidas, como também dos compromissos assumidos por força de equívocos do passado, diante das leis cármicas que rezam sobre as relações de causa e efeito de todas as atitudes e posturas do Espírito ao longo das vidas transitórias.
Assim dizendo estamos afirmando que, seja em que nível existencial for, qualquer comunidade cósmica terá sempre problemas e dificuldades a serem superados pelo esforço individual e coletivo.
Da mesma forma que convivemos em uma mesma sociedade mas residimos em lares distintos, todos os seres espalhados pelos diversos níveis existenciais do cosmos formam, na verdade, uma só família, apesar de pertencerem, eventualmente, a mundos diferentes.
Assim sendo, somos obrigados a concluir que, quando da análise das responsabilidades e dos aspectos que formam a vida da coletividade, teremos que partir da premissa correta de que o ser pensante, esteja onde estiver no cosmos, sempre fará uso de experiências existenciais de superação e conquistas pessoais. Entretanto, também estará inevitavelmente envolvido por questões mais abrangentes, que dirão dos problemas da coletividade em que estiver inserido. É dessa forma que a vida cósmica se potencializa nos seus muitos níveis.
Se apenas em uma civilização planetária, por mais ou menos evoluída que seja, já existem problemas e dificuldades de toda ordem nos muitos campos da luta existencial, imaginemos o que significa administrar dezenas ou mesmo centenas desses mundos, além dos outros níveis existenciais que os circundam ou que com eles interagem.
É justamente essa a função do Mestre e de Seus assessores que trabalham nos conselhos dos mundos ajudando as diversas comunidades planetárias nos múltiplos caminhos percorridos pelo livre-arbítrio individual e coletivo.
Muito tempo — algumas fases do que poderíamos chamar de dia do fuso horário cósmico de Orbum — durou o conclave a que nos referimos. Quando foram dados por terminados os trabalhos, cada equipe retornou aos mundos de origem para dar desenvolvimento ao tema central do encontro ocorrido, com vistas a breve solução.
É objetivo comum de todas as famílias planetárias espalhadas pelos cosmos o encurtamento das distâncias, sejam elas dentro de um mesmo plano existencial ou entre níveis diferentes.
Essa meta, já plenamente resolvida para algumas poucas da inimaginável quantidade de civilizações cósmicas existentes, ainda é fator de busca e pesquisa para a grande maioria das associações de sistemas de mundos das diversas galáxias do cosmos, porquanto muitas delas somente conseguem se deslocar dentro de alguns espaços da própria galáxia. Quanto às demais, podem apenas ser visitadas e, no caso de algumas mais atrasadas e/ou complicadas ante as leis cósmicas — como foi o caso do nosso planeta por tanto tempo — as visitas não são feitas abertamente diante da percepção dos habitantes desses mundos problemáticos.
As civilizações que já conseguem se deslocar para quaisquer recantos do cosmos são formadas, normalmente, por seres cuja graduação evolutiva assemelha-se a do próprio Mestre. São os chamados mundos superiores. Entre os habitantes dessas moradas, são escolhidos pela Deidade os seres que se tornarão os administradores das associações de mundos ainda situados na retaguarda da evolução.
Aquele que na Terra ficou conhecido como Jesus é um desses Espíritos de Escol que já têm unicidade com o Pai e, por isso, para os espíritos mais atrasados na rota evolutiva, são confundidos com o próprio Deus. São seres maravilhosos que, a pedido da Deidade, deixam suas moradas singelas para realizarem missões administrativas em mundos já bastante evoluídos mas não considerados ainda como superiores. Orbum, no sistema de Capela, planeta de residência temporária e sede de trabalho do Mestre, é exemplo característico desse fato, por mais que isso possa surpreender a muitos.
Em nada estaríamos exagerando se chamássemos esses seres de Filhos Diletos do Pai ou Assessores da Deidade. São, na verdade, usando terminologia mais peculiar à realidade terrena, seres que já atingiram o chamado nível crístico: percebem o Pai e com Ele convivem diretamente, através de uma espécie de circuito amoroso de unicidade cósmica.
Entre Eles há toda uma hierarquia organizacional ou funcional, como queiramos chamar — é importante que se ressalte que essa hierarquia divina não funciona da forma como entendemos na Terra. Mas, esse assunto será desenvolvido em trabalhos futuros.
Todos esses aspectos foram abordados para que possa ser percebido, com menos dificuldade, que as civilizações que compõem a associação de sistemas de mundos administradas pelo Mestre são, na verdade, bastante evoluídas, mas não consideradas ainda como mundos superiores. Entretanto, se comparadas com a situação terrestre, poderão ser confundidas com o próprio paraíso.
Essas civilizações, portanto, podiam apenas se deslocar, naquela época, com a ajuda e intercâmbio tecnológico incessante entre seus pares, em regiões dentro da própria galáxia.
Ademais, é importante que ressaltemos que, de tempos em tempos, os habitantes de Orbum e de alguns outros mundos já evoluídos, recebiam — como ainda recebem —visitas de civilizações ditas superiores, da nossa e de outras galáxias. Essas ocorrências constituem-se em momentos inesquecíveis para aqueles seres representando motivo de estímulo e fator de evolução.
Mesmo que venhamos a incorrer em erro descritivo ante certos aspectos da vida cósmica é importante que um aspecto seja ressaltado. Ao que entendemos, o conjunto de civilizações planetárias que formam o rebanho celeste que tem na pessoa do Mestre Jesus o seu Divino Pastor não é um dos mais adiantados, em termos de evolução, entre as centenas de outros rebanhos que existem somente na nossa galáxia.
Assim o dizemos para afirmar que, para muitas civilizações pertencentes a outros sistemas administrativos além do que estamos inseridos, o deslocamento e, por conseguinte, a convivência com irmãos de outras galáxias, é processo comum nos seus cotidianos cósmicos. Entretanto, para as

que pertenciam e pertencem à tutela amorosa do Mestre, não era ocorrência comum à época dos fatos, como, para muitas delas, ainda não é, mesmo na atualidade.


Já há algum tempo cósmico que esses mundos, sob a coordenação amorosa do Mestre, procuravam possíveis alternativas para resolverem a questão da plataforma sideral, com vistas a deslocamentos mais complexos.
Qual ou quais, dentre os diversos planetas desabitados na esfera físico-material naquele momento, e pertencentes à associação de mundos da qual fazemos parte, ofereciam condições climáticas, magnéticas, energético-vibratórias, localização astronômica, etc., para atender ao fim pretendido? Era justamente a necessidade de encontrar essas respostas a preocupação constante de todas as falanges de seres que assessoravam o Mestre.
Vários eram os fatores decisivos quando da análise dos critérios para a escolha do planeta em questão. Em especial — pelo que conseguimos entender das informações veiculadas — a vizinhança astronômica era fator essencial nesse processo.
Dessa forma, a própria localização do planeta no espaço cósmico terminou por ser fator impeditivo a diversas possibilidades que existiam em uma primeira análise, em especial, no sistema de Antares que, àquela altura dos acontecimentos, apresentava o maior número de planetas que a tal se propunham.
Antares — e imaginamos que isso possa surpreender a muitos — conforme as informações recebidas, é um sistema de mundos composto por dezenas de planetas, na sua maioria habitados por seres cujas características fogem à nossa capacidade de compreensão.
E, mesmo encontrando-se muito distante da Terra astronomicamente falando, o deslocamento entre essas duas regiões siderais é surpreendentemente rápido, devido à existência de "certos túneis" no espaço que encurtam as imensas distâncias.
1   ...   10   11   12   13   14   15   16   17   ...   29


©principo.org 2016
enviar mensagem

    Página principal